Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

149 visitantes online (81 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 0
Leitores: 149

mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Poemas : 

POEMA DA FOICE E DO MARTELO

 
a meu pai, em memória - consagro.


a foice fere o fogo
a foice faz o fogo
a foice faz e fere
o inimigo que com ferro fere
quem foi que disse
que a foice foi-se
- não!
a foice fere e finda a fome
a foice mata o fim da fome
- sim!

(que legado é este que recebi de ti meu pai?
ossadas humanas espalhadas no caminho
urubus fartados das carnes magras
da gente miserável do país onde nasci
o vento vinha & varia & arrastava para longe
o cheiro dos mortos
& havia um velho louco com cacos de dentes
na boca que nas noites estreladas - só nas noites
estreladas nas outras não - saía na varanda acen-
dia um cigarro cantava a Internacional
e me contava histórias da Revolução Cubana
o velho tinha lágrimas nos olhos
no brasil vivíamos dias podres
de matanças e torturas
& o velho me contava as proezas de Guevara e Fidel
& eu achava que aqui também podíamos
fazer uma revolução como a Revolução Cubana
nunca dei um tiro na vida
mas achei que - fosse o caso - também pegaria em arma
pela causa vale tudo

o martelo e a foice matariam a morte
o medo
mudariam os modos
dariam fim à miséria
mudariam também as manhãs
os miolos
fariam funcionar os moinhos de novo
o martelo e a foice esmagariam
as mãos canalhas
que torturavam e matavam
o martelo mais a foice
esmagariam as migalhas atiradas ao povo

maldito capitalismo!

________________

júlio



Júlio Saraiva

Autor
Julio Saraiva
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 793
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
3 POEMAS SOBRE O MESMO TEMA
DESTA COISA
POEMA DE DOR OU QUASE UM CONTO DE MORTE
DOS POEMAS DE AMOR
AUTO-ESTIMA
Aleatórios
CANÇÃO PARA O MEU AMOR
POR QUE BRASILEIRO TEIMA EM ESCREVER COMO PORTUGÊS NOS SITES LUSOS?
TAMBÉM FUMO DO MEU CIGARRO
POEMA COM PEDIDO DE DESCULPA
SONETO DE ADEUS AO SONETO
Favoritos
melancolia regada a fumo - Amora
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Grapilho
Publicado: 13/03/2010 19:31  Atualizado: 13/03/2010 19:31
Colaborador
Usuário desde: 11/11/2009
Localidade:
Mensagens: 695
 Re: POEMA DA FOICE E DO MARTELO
Caro Júlio,


MALDITO CAPITALISMO!!!

Abraço

"Grapilho"

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 13/03/2010 20:23  Atualizado: 13/03/2010 20:23
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: POEMA DA FOICE E DO MARTELOp/Grapilho
maldito mesmo, meu irmão poeta.

abraço,

j.

Enviado por Tópico
rosafogo
Publicado: 13/03/2010 19:44  Atualizado: 13/03/2010 19:46
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2009
Localidade:
Mensagens: 9598
 Re: POEMA DA FOICE E DO MARTELO
Bela homenagem.
O velho louco que fala no poema me trouxe à memória um primo que às mãos da PIDE ficou louco
e poucos anos depois gritando contra a ditadura,
morreu na rua,vítima dos maus tratos que lhe haviam feito na
prisão.
Alguém teve que sofrer tanto e será que valeu?

Na minha aldeia há histórias infernais desse
tempo.
Olhe amigo Saraiva aqui onde estou hoje na aldeia
de Stª Justa, levaram também as mulheres presas só porque reclamavam dos grandes agrários um pequeno
aumento. Foram bravas estas mulheres, mas hoje estão acabadas, dá pena, a vida não foi justa,
para além da pouca instrução ainda comeram o
pão que o diabo amassou.

Também me causa revolta, é difícil calar.

Abraço e me desculpe o desabafo.

rosa

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 13/03/2010 20:34  Atualizado: 13/03/2010 20:42
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: POEMA DA FOICE E DO MARTELOp/rosafogo
sabe natália, a coisa aqui foi terrível, como sei que aí também foi. aqui, além de mortos e torturados, ainda há desaparecidos, que, lógico, foram assassinados. aqui tínhamos o DOI-CODI, quem ali caía geralmente não voltava, assim como havia por aí PIDE e sei que miguel torga andou preso por ela. aqui quando veio a anistia aos exilados e presos políticos, os canalhas dos torturadores e assassinos também foram anistiados. de modo, minha amiga, que não pagaram pelo que fizeram. tive um colega jornalista, vladimir herzog, que virou símbolo da categoria. era diretor da tv educativa. foi chamado a prestar um depoimento de manhã - apenas um depoimento. não voltou mais vivo. temos no nosso sindicato a foto dele, dependurado numa cela, com um cinto no pescoço, para simular enforcamento. o diretor do instituto médico legal assinou um laudo mentiroso, atestando o suicídio, como fez com outras vítimas - um médico ordinário, serviçal da ditadura e que infelizmente, por dever profissional, cheguei a conhecer, quando morreu a cantora, vítima de uma overdose cocaína. herzog era judeu e os judeus não enterram suicidas no cemitério comum. há um lugar à parte para eles. a farsa só caiu quando o arcebispo de são paulo, homem corajoso, que teve até problemas com o vaticano, por causa da sua luta contra a ditadura, dom paulo evaristo, cardeal arns, denunciou o assassinato. a família recebeu indenização da união. herzog ou vlado, como era conhecido, deixou mulher e dois filhos na época pequenos. a mulher chama-se clarice. e foi ela quem inspirou o poeta aldir blanc a escrever a letra da canção - o bêbado e a equilibrista -, que para nós virou uma espécie de hino da anistia: "Chora a nossa pátria, mãe gentil/Choram Marias e Clarices no solo do Brasil."

carinho, minha irmã.

j.

Enviado por Tópico
Antónia Ruivo
Publicado: 13/03/2010 21:14  Atualizado: 13/03/2010 21:14
Colaborador
Usuário desde: 08/12/2008
Localidade: Vila Viçosa
Mensagens: 3906
 Re: POEMA DA FOICE E DO MARTELO
Vi-me menina com oito, nove anos, a ouvir longas conversas a meia voz, sobre temas que só alguns anos mais tarde descobri do que se tratava, mas que me aguçavam os sentidos e a necessidade de saber sempre mais,obrigado por este belo momento de poesia. Beijinhos Poeta.

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 13/03/2010 22:56  Atualizado: 13/03/2010 22:56
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: POEMA DA FOICE E DO MARTELOp/alentejama
antônia...isto tudo que ocorreu aqui no brasil e aí foram verdadeiras barbáries. e que não se repitam mais.
meu carinho, irmã poeta.

j.

Enviado por Tópico
zésilveiradobrasil
Publicado: 13/03/2010 22:46  Atualizado: 13/03/2010 22:47
Luso de Ouro
Usuário desde: 18/02/2008
Localidade: Niterói (em tupi-guarani = águas escondidas) RJ/Brazil
Mensagens: 13260
 Re: POEMA DA FOICE E DO MARTELO
a história contada assim, com poesia; dá até mais arrepio. e o nó na garganta; sempre.

beijo amiguirmão.

zésilveira

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 13/03/2010 23:00  Atualizado: 13/03/2010 23:00
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: POEMA DA FOICE E DO MARTELOp/zé silveira do brasil
zé vc bem sabe os que esses crápulas fizeram aqui e em outros lugares. só quero e espero não se repita mais tanta barbaridade.

beijo, meu irmão.

j.

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...