Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

179 visitantes online (77 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 0
Leitores: 179

mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Poemas : 

COCAINA

 
COCAINA
 
ali, encoberto
pelo sossego da praça,
vi-o quando
inclinou-se,
como reverenciando
os alvos trilhos;
fungando-os alucinadamente...

o ar entrou pela canícula
levando o inferno
às narinas,
rompendo cepto,
e se desfazendo no cérebro.
ar misturado
ao pó. e só.

'um espasmo,
e o olhar orbitou,
o coração disparou,
o corpo delirou
e a alma
gritou a dor do flagelo.

poucos segundos,
e um homem perdido,
ou de má sorte.
agora morrendo,
irreversivelmente
no vácuo
da overdose.
triste retrato...

do outro lado da rua;
a sínica figura
do traficante.
o mensageiro da morte,
observa;
circunspecto,
olhar estático,
livre de qualquer
suspeita,
atrás das lentes
fotocromática,
grossas e de grau.

esperando o fim,
num semblante
macabro,
satânico.

esboçando um sorriso;
do louco sem troco,
do produto sem lacre
a droga, e o lucro,
que não é pouco.

tombou, outro;
nem inocente,
nem culpado.
marca-se na planilha
para estatística...
- mais um morto -


Autor
visitante
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 5033
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
INTERCUTÂNEO
VISGO
ENTREGA
CERÚLEO
INDA QUE BRUMA
Aleatórios
HÚMUS
CANTIGA DO FUNDO DO POÇO (Julio Saraiva)
UM, DOIS, TRÊS... PUM...
AMAZONA DA METRÓPOLE
MINHA BELA VAGABUNDA
Favoritos
como fazer um poema s\ perder a ereção? - flavio silver
PALAVRAS DO POETA - joseluislopes
Trindade - Maria Verde
O LDAO OCULTO DO POETA - DEDICADO AO POETA JOSÉ SILVEIRA - JBMendes
Como posso? - AnaMartins
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
carolcarolina
Publicado: 10/08/2010 21:02  Atualizado: 10/08/2010 21:02
Colaborador
Usuário desde: 24/01/2010
Localidade: RS/Brasil
Mensagens: 9295
 Re: COCAINA
Poeta José!

Seu texto é forte, mas é a mais pura realidade.
Eu vi um traficante embalando um filhinho pequeno que tem e cantando. Dai fiquei pensando, ele canta para o filho dele e vende drogas para os filhos dos outros. É poeta, a praga é meu vizinho mas anda ai, ninguém faz nada.
Oh mundo que vivemos!Quando irá parar?
Abraço!
♫Carol

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/08/2010 20:53  Atualizado: 11/08/2010 20:53
 Re: COCAINA para.carolcarolina
o texto tenta mostrar, como o cotidiano expõe ao nosso olhar, a decadência cada vez maior do ser humano, dando-se a droga, um suicida. para o traficante; é apenas um negócio cujo objetivo é o grande lucro, apesar dos riscos. quem não se importa com as consequências... o risco maior, pra.ele não é a morte do usuário. grato pelo olhar Carol. sempre que possível lançarei um alerta.

um beijo e afetuoso abraço, poetisa.

zésilveira

Enviado por Tópico
eduardas
Publicado: 10/08/2010 21:16  Atualizado: 10/08/2010 21:16
Colaborador
Usuário desde: 19/10/2008
Localidade: Lisboa
Mensagens: 3731
 Re: COCAINA p/José Silveira
Um retrato de uma sociedade cada vez mais desmaquilhada, mais sinistra, entre os traficantes e o maldito vício.

..apenas mais um morto.

Poema forte perante a impotência dos que nada fazem a não ser ganhar dinheiro.

bj
Eduarda

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 12/08/2010 16:38  Atualizado: 12/08/2010 16:38
 Re: COCAINA para eduardas
cresce o poder das drogas e somos impotentes. o poema é apenas um cantar sombrio. perdi outro amigo nesta armadilha. grato pela presença e o sentir, Eduarda.

um beijo e afetoso abraço, poetisa.

zésilveira

Enviado por Tópico
jaber
Publicado: 10/08/2010 22:14  Atualizado: 10/08/2010 22:14
Colaborador
Usuário desde: 24/07/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 2761
 Re: COCAINA
"morreu na contramão atrapalhando o tráfego" Chico Buarque.

Abraço Xará

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 12/08/2010 16:41  Atualizado: 12/08/2010 16:41
 Re: COCAINA para jaber
perfeita a sua indicação da composição do Chico para ilustrar o meu poema. grato Xará.

fraterno abraço, amiguirmão.

zésilveiracariocadobrasil

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 10/08/2010 22:29  Atualizado: 10/08/2010 22:29
 Re: COCAINA
Olá, meu amigo José.

E a quem imputar responsabilidade
por tal catástrofe social?
De longe, assistimos como espectadores,
enquanto não bate à nossa porta,
mas nos ronda e assusta.

Um grande abraço

Ulysses

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 12/08/2010 16:48  Atualizado: 12/08/2010 16:48
 Re: COCAINA para Ulysses
nunca saberemos. há muitos interessados, e grandes, que desconhece a nossa vã filosofia. mas sabemos sim; se houvesse interesse dos governos de coibir o domínio dessa praga; temos aí, as polícias, os exércitos de terra/ar/mar para montarem uma operação de guerra contra o tráfico. mas...
grato por sua presença querido amigo Ulysses.

fraterno abraço,

zésilveira

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 10/08/2010 22:41  Atualizado: 10/08/2010 22:41
 Re: COCAINA
poema actual forte e tambem de certa forma uma mensaguem para deixar a droga muita gente se perde no caminho da droga outros nunca mais acordam do viçio,gostei do poema parabens, se houvesse + sehores a espalhar estas mensaguem a droga era banida queimada,

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 12/08/2010 16:53  Atualizado: 12/08/2010 16:53
 Re: COCAINA para Rxhulb
Ora viva, Ricardo, que prazer. há o seu comentário uma verdade inconteste; de o poema ser um alerta àqueles que são usuários, na verdade, são vítimas. sim, que venham outra mensagens. obrigado pela presença.

fraterno abraço, amigo peta.

zésilveira

Enviado por Tópico
joãomestreportugal
Publicado: 10/08/2010 22:57  Atualizado: 10/08/2010 22:57
Super Participativo
Usuário desde: 18/07/2010
Localidade: Portugal
Mensagens: 136
 Re: COCAINA
Caro Poeta José Silveira,

Em tempos apenas alguns sabiam LER estas missivas.

O tempo caminhou, tanto que acabou por apanhar quase todos.Já não necessitamos de ler, vemos no degrau do olhar.

Gostei mais uma vez de o visitar.

Abraço

João Mestre Portugal

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/08/2010 16:18  Atualizado: 13/08/2010 16:18
 Re: COCAINA para joãomestreportugal
creio que caminhas no mesmo tempo que o meu, e pelo seu comentário, notei que há na varredura do seu olhar, uma atenção, uma espectativa, nos caminhos que trilham, e acabam alguns indívíduos por causa da droga. obrigado pela presença, poeta.

fraterno abraço, João.

zésilveira

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/08/2010 00:33  Atualizado: 11/08/2010 00:33
 Re: COCAINA
boa noite JoséSilveira.

.1- é a realidade.
.2- é uma realidade que continuará a sê-lo futuramente.
.3- legalizem as snifadelas. que é como quem diz...
.4- provavelmente, continuarão a haver overdoses. mas quase de certeza que nos livrámos do cinismo do traficante.

abraço e boa noite.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 14/08/2010 02:06  Atualizado: 14/08/2010 02:06
 Re: COCAINA para senhor.reitor
boa noite meu caro senhor reitor,
serviu o poema, para algumas reflexões, para a conscientização do mal, e ou para abrir discussões de antigas reivindicações. muito obrigado, poeta, por sua participação. a poesia também tem que ter esse papel.

fraterno abraço,


zésilveira

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/08/2010 11:16  Atualizado: 11/08/2010 11:16
 Re: COCAINA
José, na mortuária uma família chora
é o que vemos agora

abraço

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 14/08/2010 03:14  Atualizado: 14/08/2010 03:18
 Re: COCAINA para albertos
por alguns anos fui voluntário numa pastoral penal e de drogados. vi a decadência, o sofrimento e a morte, bem próximos. a droga destruindo muitas famílias. infelizmente raras eram recuperações. a droga é mortal.
grato por ter vindo, e pelo seu olhar ao escrito.

fraterno abraço, Alberto.

zésilveira

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/08/2010 11:23  Atualizado: 11/08/2010 11:23
 Re: COCAINA
Se me permite,
Há que referir, tb, todas as doenças consequentes do consumo e que matam devagar...

Cumprimentos,

Joalpi

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 14/08/2010 03:17  Atualizado: 14/08/2010 03:18
 Re: COCAINA para joalpi
sim poetisa, tudo a partir da droga denigri, adoece e mata.
obrigado pela presença, e por comentar.

um beijo e afetuoso abraço, Joalpi

zésilveira

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/08/2010 16:22  Atualizado: 13/08/2010 16:22
 Re: COCAINA
Tema polemico porém verdadeiro e muito triste!
Querido poeta mais uma vez te aplaudo!
beijos muitos e lembranças à cidade maravilhosaaaaaaaa!

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 14/08/2010 03:55  Atualizado: 14/08/2010 03:55
 Re: COCAINA para celinavasques
sim querida poetisa, o tema é polêmico e degradante. mas este também é o papel do poema; expor o lado podre do cotidiano, as fraquezas do ser humano, as consequências...
obrigado por ter vindo e deixado suas considerações.

um beijo e afeto, Celina.

zésilveira

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

  • Poemas -> Desilusão - Sem Amor - Niafna

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...