http://www.sendoluzmaior.com
 
Textos : 

Aventura no Metro

 
O ritual repete-se diariamente, o mesmo trajecto, a mesma viagem, só mudam os odores. As caras também se repetem, quase sempre as mesmas. Raramente se vê alguém sorrir. As caras fechadas, impenetráveis, são uma constante a que já estou habituado, ou não fosse este um país de gente que se julga superior aos outros. Sigo viagem sentado à janela, lendo como habitualmente. As minhas companhias perfeitas são, o jornal diário, os meus livros e o mp4.
Reparo em duas senhoras, uma sentada ao meu lado e a outra em frente. Os odores à minha volta mudam de repente, uma mistura de peixe cru, fora de prazo, e suor de quinze dias pairam no ar. Falam do dia-a-dia em voz alta e fazendo gestos com os braços, com as mãos, pernas, cabeça e tudo o mais... como é típico em Portugal. Sou obrigado a ouvir mesmo não querendo, tal é o volume do som e da conversa. Ainda pensei pedir-lhes educadamente: " Por favor minhas senhoras, não se importam de baixar o volume? E já agora podiam evitar o gesticular dos braços? É que o odor que vos sai dos sovacos cola-se às minhas narinas. Ah…E por favor, fechem as pernas por causa das moscas! Muito agradecido". Mas não sou capaz. Fico calado a olhar para as guelras de um carapau amanhado pendurado no avental de uma das senhoras.
Olho lá para fora, não consigo concentrar-me no livro.
A conversa das Marias continua. Dizem mal de gente que não está presente, (mais uma nobre característica dos portugueses) , e assim tomo conhecimento da vida de mais de uma dúzia de pessoas, que moram no meu quarteirão.
- Sabias que a filha da Chica abortou?
- Meu Deus, não me digas!!!
- É verdade mulher, até eu fiquei parva!
"Pronto... Vai começar a discussão sobre o aborto, só me faltava esta", pensei. As moralistas continuam a acusar quem aborta, e blá blá blá…Nesse preciso momento, uma delas, olha-me de esguelha como se estivesse à espera de um comentário meu para poder cair–me em cima, de certeza, e não tardou:
- Desculpe, o senhor não acha mal que se aborte assim de qualquer maneira, só porque sim?
Respondo-lhe:
- Eu não acho nada minha senhora. Desde que não abortem para cima de mim, está tudo bem!
Faz-se um breve silêncio, olham uma para a outra. Felizmente a seguinte paragem é a minha. Peço licença, e saio apressado ao mesmo tempo que um sujeito, sentado num banco lateral, sorri e diz:
- Boa!
Sinceramente, acho que desta vez me livrei de "boa"!

(Toze Ribeiro)

 
Autor
Toze Ribeiro
 
Texto
Data
Leituras
8900
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Tália
Publicado: 03/09/2007 17:56  Atualizado: 03/09/2007 17:56
Colaborador
Usuário desde: 18/09/2006
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2503
 Re: Aventura no Metro
Olá Toze

Gostei muito da maneira como descreves as pessoas do nosso país. E vejo que és um rapaz desembaraçado. Boa!

Abraço

Tália

Enviado por Tópico
Shepherd Moon
Publicado: 03/09/2007 18:37  Atualizado: 03/09/2007 18:37
Super Participativo
Usuário desde: 30/08/2007
Localidade: Vila Alva
Mensagens: 113
 Re: Aventura no Metro
Muito giro!!:)
E eu que tenho o hábito de agarrar num livro e fazer a linha toda até ao fim... depois voltar para trás... depois ir para outra... só porque adoro ler no metro... Manias!!

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 14/09/2007 16:15  Atualizado: 14/09/2007 16:15
 Re: Aventura no Metro
Gostaria muito que nos cruzássemos numa dessas viagens.

De bom grado oferecer-lhe-ia o meu sorriso e em silencio lhe diria "obrigada"

Molly Mil Sorrisos

Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...