Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

248 visitantes online (100 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 6
Leitores: 242

calex, Keithrichards, P03tiza, JogonSantos, Volena, eusouvc, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Poemas : 

NA MORTE DA MINHA MÃE

 
"Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre
junto de seu filho e ele, velho embora, será pequenino
feito grão de milho."

- Carlos Drummond de Andrade -


não agonizavas - dormias
dormias profundo como gostavas
segurei tua mão
num gesto inútil tentei abrir teus olhos
ainda respiravas
no entanto dormias
chamei teu nome
não me escutavas
eu que nunca cri pedi tanto que um anjo
surgisse à minha frente
em lugar do anjo apareceu um rapaz de branco
bateu de leve no meu ombro
e disse que era questão de horas
poucas horas...
(e se eu parasse todos os relógios do mundo?)
desci para fumar um cigarro
repeti comigo
:questão de horas
poucas horas...
não derramei uma só lágrima
porque os patifes não choram
no bar em frente ao hospital
pedi uma bebida forte
coisa que a mãe não gostava
gosto que me persegue desde a mocidade
:questão de horas
poucas horas...
tomei a bebida de um gole só
lembrei coisas da minha infância tão longe
de repente eu era menino de novo
ruivo e sardento
malcriado e briguento
as expulsões dos colégios
a invasão à clausura dos monges
:questão de horas
poucas horas...
voltei-me homem outra vez
olhei a rua
a pressa dos carros e das gentes a pé
e aquele rosto de cera dentro dos meus olhos
e aqueles olhos que em vão tentei abrir
não derramei uma lágrima
porque os patifes não choram
quando tornei à sala
já não era mais questão de horas
implorei novamente um anjo
mas o anjo não veio
naquela hora eu queria ser gente grande
e não o menino ruivo e sardento
agora para sempre desamparado

______________

júlio,
madrugada de 11-01-11,
primeiro aniversário da morte
da minha mãe



Júlio Saraiva

Autor
Julio Saraiva
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 16834
Favoritos 1
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
3 POEMAS SOBRE O MESMO TEMA
DESTA COISA
POEMA DE DOR OU QUASE UM CONTO DE MORTE
DOS POEMAS DE AMOR
AUTO-ESTIMA
Aleatórios
Tempo Vazio
O MONGE
REBELDE
DECLARAÇÃO DE DESAMOR
DA INFÃNCIA
Favoritos
melancolia regada a fumo - Amora
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
miriade
Publicado: 11/01/2011 14:42  Atualizado: 11/01/2011 14:42
Colaborador
Usuário desde: 28/01/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 2099
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE
Seria mais justa, à divindade que não incluísse à mãe na idéia da morte, ou ao menos nos fizesse compreender a idéia de morte antes de levá-las, só assim daríamos mais atenção, carinho, olhando nos olhos a tentar entender o grande mistério desse amor incondicional, que filho nem sempre sente em vida. Foi assim com a minha, uma santa que só lhe faltou em vida, um circulo dourado brilhante como aureola.Belíssima homenagem poeta,

beijocarinho, Lu

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 11/01/2011 15:07  Atualizado: 11/01/2011 15:07
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃEp/miríade
pois é, lu. a dor era tão grande naquela hora ou naqueles dias que antecederam à morte que eu não consegui chorar. estranho porque dois antes eu já vinha me preparando pra isso, embora ela estivesse. mas eu pressentia. de modo que administrei. cheguei a pedir ao médico que desligasse os aparelhos que a mantinham viva. hoje, de madrugada, sozinho, escrevendo este poema, eu chorei pela primeira vez.

carinho,

júlio

Enviado por Tópico
Djalmo
Publicado: 29/06/2012 23:22  Atualizado: 29/06/2012 23:22
Novo Membro
Usuário desde: 29/06/2012
Localidade:
Mensagens: 1
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃEp/miríade
Minha mãe foi atropelada no dia 11/06/2012 e faleceu no dia seguinte. Foi terrível o que aconteceu. Estou revoltado com tudo o que aconteceu: Como os motoristas, com o atendimento negligente do hospital. É uma dor terrível...

Enviado por Tópico
Henricabilio
Publicado: 11/01/2011 14:46  Atualizado: 11/01/2011 14:46
Colaborador
Usuário desde: 02/04/2009
Localidade: Caldas da Rainha - Portugal
Mensagens: 6963
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE
Um Poema com P grande,
bem Grande
que só uma Alma Grande
pode escrever,
enquanto
- envolta em pranto -
está a sofrer.

Muito bem!

Grande abraço0!
Abílio***

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 11/01/2011 15:15  Atualizado: 11/01/2011 15:15
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE p/henricabilio
amigo abílio,
acho que não chorei - e não chorei mesmo - porque a dor era - e é e será - mais forte do que qualquer pranto.
abraço, meu bom amigo.

j.

Enviado por Tópico
Karla Bardanza
Publicado: 11/01/2011 15:07  Atualizado: 11/01/2011 15:07
Colaborador
Usuário desde: 24/06/2007
Localidade:
Mensagens: 3452
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE/para o ju
Meu menino, sinto por você e seu o quanto o dia de hoje significa dor.Te abraço e te carrego no colo.

Beijo leaozinho

Ka

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 11/01/2011 15:17  Atualizado: 11/01/2011 15:17
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE/para a minha ká
meu amorzinho,

se deus levou minha mãe, soube compensar, trazendo-me uma grande mulher: você. e isso me faz ver que a vida ainda vale a pena.

te amo,

ju

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 11/01/2011 16:15  Atualizado: 11/01/2011 16:15
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 16512
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE
ÁS MAÊS SÃO ÁS CUTÍCULAS DO NOSSO VIVER, MÃE É O NOSSO RESPIRAR, ONOSSO AMAOR, É A NOSSS VIDA.

DEIXO MEU ABRAÇO

MARTISNS

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 11/01/2011 17:01  Atualizado: 11/01/2011 17:01
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃEp/MARTINS
irmão poeta,
tens razão: as mães são as cutículas do nosso viver. e quando digo no poema que não chorei, não chorei mesmo. porque,naquela hora, a dor era - e ainda e sempre será - maior que qualquer pranto.

abraço,

j.

Enviado por Tópico
Alexis
Publicado: 11/01/2011 16:20  Atualizado: 11/01/2011 16:20
Colaborador
Usuário desde: 29/10/2008
Localidade: guimarães
Mensagens: 7254
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE para o poeta e o homem
eu acompanhei contigo todos esses momentos.lembras-te?senti-os de perto contigo,embora longe.

amor.amor.tudo que é importante na vida se resume a amor deste.é preciso saber dá-lo e recebê-lo.se dói? dói.mas apenas quando se perde.não o perdeste.ele continua aí.recebeste-o.sentiste-o.agora é preciso saber dá-lo também.

o amor à poesia também é importante,no que ela contém de vida e de humano.e tu tens o talento,a sensibilidade e a capacidade de a escrever e de a viver.
coragem,poeta.sabedoria,homem.

abraço,amigo.
grande poema este.quase tão grande como a palavra AMIGO quando é sentida.

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 11/01/2011 17:07  Atualizado: 11/01/2011 17:07
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE para a sempre menina alexandra
sim, lê, mesmo longe, você sofreu comigo aqueles momentos terríveis. mas te digo uma coisa: antes, mesmo ela estando boa, eu tinha a certeza de que o fim era próximo. e cada dia que passava, ela passava também. não chorei uma lágrima, não, porque a dor foi - é e sempre será - maior do que qualquer pranto. ontem de madrugada, escrevendo este poema, chorei pela primeira vez. lembrei-me de vinícius quando a mãe dele morreu: "A dor dói, mas passa. A ausência é que fica machucando."

beijo, linda.

j.

Enviado por Tópico
Alexis
Publicado: 11/01/2011 17:20  Atualizado: 11/01/2011 17:20
Colaborador
Usuário desde: 29/10/2008
Localidade: guimarães
Mensagens: 7254
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE para o ser humano julio
é verdade.a ausência é difícil de suportar.mas sabes qual é a magia?quando se tem amor cá por dentro para dar,ele preenche-nos o vazio.começa por te amar a ti mesmo.não odiar,nem idolatrar,nem culpar,nem minimizar,nem agigantar,nem temer,nem maltratar.depois dá-te,sem medos.como te dás à poesia.

viver também é uma arte,ju.das mais dificeis e que requerem mais coragem.

um beijo,cheio de amor a ti,à poesia e a essa sabedoria,esse Trabalho.

Enviado por Tópico
Avozita
Publicado: 11/01/2011 16:28  Atualizado: 11/01/2011 16:28
Colaborador
Usuário desde: 08/07/2009
Localidade: Casal de Cambra - Lisboa
Mensagens: 4526
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE
Grande poema - homenagem a um amor
enorme que jamais se apaga.
Permanece para além de tudo.
Grande o teu coração de menino - homem,
sardento, poeta, amigo.

Beijo
Antonieta

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 11/01/2011 17:12  Atualizado: 11/01/2011 17:12
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE p/Avozita
antonieta, minha boa amiga,
"A dor dói, mas passa. A ausência é que fica machucando para sempre", escreveu o poeta vinícius de moraes, quando lhe morreu a mãe, lídia. talvez por isso, eu não tenha derramado uma lágrima quando a minha se foi. é que o vazio era um punhal no meu peito de homem frágil. um punhal machucando bem mais forte que qualquer pranto.

beijo, querida.

j.

Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 11/01/2011 16:48  Atualizado: 11/01/2011 16:48
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 10875
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃE
Júlio,
Conheço essa dor imensa. Perdi a minha mãe há 15 anos. Ainda choro muitas vezes. Mas com o tempo aceitei. Sei que me acompanha sempre, apenas não a vejo.
O teu poema é lindíssimo e sincero.
Beijo
Nanda

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 11/01/2011 17:20  Atualizado: 11/01/2011 17:24
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: NA MORTE DA MINHA MÃEp/nanda, a poeta da simplicidade
coisa linda,

estranho que minha mãe ainda estava boa, uns dois anos antes de morrer, eu pressentia que o fim estava próximo. e cada dia que passava eu ia me preparando. sempre fui um filho ausente. uma maneira talvez de me habituar com o vazio inevitável. covarde, nunca me imaginei dentro de uma unidade de terapia intensiva segurando a mão daquele corpo que só ainda vivia à custa dos aparelhos e não chorei uma lágrima, e nem permiti que o caixão fosse aberto durante o velório. queria minha mãe para sempre viva na memória. hoje, de madrugada, escrevendo este poema, eu chorei pela primeira vez. mas é que eu estava sozinho diante do computador. no silêncio da madrugada, no meu quarto de escrever, senti a presença da mãe tão forte, que fiz este poema quase que num vômito. não tenho nenhum retrato dela. não quis. dei todos a uma tia. ela está fotografada na minha memória, onde ficará para sempre.

um beijo queridíssima.

j.

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...