http://www.luso-poemas.net/modules/smartsection/item.php?itemid=3049
 
Poemas : 

amar a morte..

 
Por uma de muitas trincheiras á mão escavadas
Me arrasto a mim e ao meu corpo que foge de balas amotinadas
E lentamente respiro o ar da noite, nauseabundo cheiro de corpos fétidos de morte e podridão
Mortos se calhar por uma de minhas muitas balas, ou mortos por outra qualquer razão
Caídos e jazidos, empilham-se aos montes para nunca mais serem pela vida erguidos, e a penumbra da noite se torna iluminada pelo sangue brilhante de seus corpos feridos

E uma raiva de viver corre todo o meu corpo
Disparo também eu para não ser eu mais um morto,
só pensando na louca vontade que me cega de voltar, por ela mato e por ela tento não me matar,
e me vêm á cabeça vagas memórias,
de momentos passados em calma paz e adormecidos agora em meu pensamento como um pequeno petiz adormece embalado no colo de sua mãe por doces e breves histórias

E disparo então, saraivadas de balas e pedaços únicos de morte
para também matarem alguém no seu fraco e humano coração, e lentamente os abandonarem á sua triste sorte
de morrerem em sangue e hemorragia, por alguém que mata para curar sua enorme ferida, o morrer para não te deixar me amar porque isso minha querida, será a única coisa que nesta louca guerra da vida me irá a mim me matar..



 
Autor
kripy
Autor
 
Texto
Data
Leituras
273
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...