Luso-Poemas
Registe-se agora!     Login

Links patrocinados



Utilidades

Consultar

Outros

Quem está aqui

136 visitantes online (95 na seção: Poemas e Frases)

Lusuários: 1
Leitores: 135

Holmes, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Textos -> Surrealistas : 

Imagine a ação.

 
Era para eu contar uma história de um preto velho e mais alguém, que ia receber um colar que era vermelho e amarelo e dependendo do ângulo me parecia verde também. O preto velho era preto e velho e nessa história, ele estava de branco, roupa barba e talvez uma certa luz que só podia ser branca. E tinha um chapéu que era branco, em essência, mas já queria debandar para amarelação de ser, porque tinha se apegado à poeira da terra vermelha de lá de onde o preto e o outro estavam. É que tinha terra e mato e árvores. Era uma floresta ou um pedaço bonito de uma natureza, como nos locais onde se tem comunhão com as coisas de todos os mundos. Ainda não sei quem era a pessoa que receberia o colar, não conheço nada do lugar dessa história, não sei nem dizer onde é. O preto, nunca vi mais preto ou mais velho, mas penso que sua luz reconheço talvez de outras vidas, ou daqueles momentos que paramos os olhos vidrados num absurdo qualquer e mergulhamos num mar de vácuo, suspensos até que voltamos, voluntariamente ou não, e é como um bálsamo. De lá, desse absurdo, certa vez vi uma luz como a do preto que digo. Posso falar um pouco do colar, já que falei das cores e dessa capacidade de ser metamórfico-multicor. Falo de colar, mas penso sempre no preto velho e na sua cara que ri e não ri, parece que ri, mas não com a boca. Lembrei da Monalisa. Olhei uma vez bastantei a Monalisa, e fiquei achando-a feia, como acho, mas com aquele sorriso que ri não ri, bem parecido com o sorriso velho do preto. Sobre a morna lisa, comecei a acreditar que a tal não ria com boca ou adjacências... era o olho que debochava de todos, da peça que pregara nos expectadores que exclamam: Porque ri, porque ri e não ri? Deves chorar. Era esse o riso, ou saído do mesmo absurdo ou do mesmo mistério. Porque todos os mistérios estão ligados pela liga goma que os cola e ao mesmo tempo os deixam soltos, porque cada um encontra a parte do mistério que lhe cabe ou que suporta carregar. O colar era um mistério, mas é fácil pensar em mistérios de colares porque em quase todos os simbolismos temos esses amuletos e patuás e coisas consagradas, e não devia ser diferente a sina desse colar. Mas não se sabe qual seu poder ou o que simboliza ou de onde vem, e principalmente, para onde vai. Nessa história, o preto chegava e estendia a mão com o colar. E atrás uma árvore testemunhava. Quando penso na árvore, o preto me sai de close e consigo ver seu corpo todo de longe, em frente à arvore. É que na minha visão agora, precisa caber a árvore. O colar paira em algum lugar de outra fotografia que ainda tenho que apreciar, mas por enquanto o que vejo é árvore e preto, preto antes, depois árvore. E tem um certo paletó, e o chapéu, nesse ângulo, parece cartola, já branca e menos saudosista que o anterior, e um anel amarelo que brilha no dedo menor de uma das mãos que descansam sobre uma bengala. Daqui não vejo riso. Posso dizer absoluto que não ri mais. A árvore é um tronco grosso, marrom que parece moldura do preto nessa foto, e verde em cima, um verde que se engalfinha com o azul do céu. E anoiteceu. Foi só ir pro céu que veio a noite. E á arvore nada mais é que sombra escura, e perco o preto de foco. Não falo do outro porque nem sei quem é. Será que sou eu? Será que sou eu quem recebe esse colar multicor? Não sei. Se fosse, acho que já saberia a esta altura. Mas do outro não desconfio nada, nem o sexo, nem o nome, nem identidade. Talvez se eu me concentrar um pouco mais, eu o vejo de costas, dos ombros para cima, vestido em um azul que é forte e se destaca mesmo no escuro. Talvez agora eu adivinhe que é homem, pelos cabelos. Essa história é um pouco complicada porque me vem apenas pedaços dela, porque ainda está se fazendo, às custas de alguma energia que eu mesmo exalo, ou empresto do meu redor. Vou mandando a força para a história, para que ela venha de uma vez e se concretize, sem me deixar assim fragmentado e angustiado sem saber os porquês desse colar. Talvez eu devesse entrar na história, e resolver tudo isso e encarar de frente o tal preto e perguntar: Do que ris? Ris de mim, riso de olhos? Olhas-me rindo, riso lupa! E talvez ele me fale algo, e depois dessa intempérie, eu viro-me rápido e capto o forasteiro no escuro, o tal que ia receber o colar. E conto tudo, e forço essa história a nascer. A história de um preto velho, coberto de branco roupa e luz, perto de árvore e céu e mato e terra, e a entrega de um objeto sagrado, um segredo. E quem estava no escuro era você.


Autor
thiagodebarros
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 267
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
Outra lua
Amor tipo Bras-ilha.
Lua vermelha e mais luar.
Mercado pretérito
In natura
Aleatórios
Ecos de Solilóquios.
Archaeopteryx
Fora do aqui, aquém do agora
E Jesus chorou.
Eleyé
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Login

Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Cadastre-se agora.

Leia também

  • Frases e Pensamentos - Louco - Freespirit

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...