Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

111 visitantes online (26 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 1
Leitores: 110

Alberto da fonseca, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Poemas -> Surrealistas : 

Ode a um pardal travestido

 
" ... mas o pardal, agora travestido em rouxinol,
num voo rápido e seguro, veio de cima do muro ..."

..........................................

Canto inicial

Mais uma vez, o filamento de areia azul,
parou de cair na ampulheta.
Seis minutos se passaram...
Os pinheiros do vidro verde,
recendiam como água de colônia,
e lá fora, um pardal, um pardalzinho à toa,
tomou um banho de tinta amarela,
e veio sob a minha janela,
fingir que era um canário cantor.

Ouvi os sinos, procurei o campanário,
mas não achei. Os sinos tocam,
e os sons não veem da torre,
vem do interior de um coração...

Dois veleiros ancorados no oceano verde,
deixaram sair seus escaleres,
que alcançaram a terra,
com parte da tripulação,
procurando uma coisa qualquer.
E as orquídeas no estaleiro,
ainda não floresceram.
Há mais de um ano que eu espero
ver uma orquídea abrir-se
no estaleiro do quintal.

Um cachimbo velho e já quebrado,
descansa no cinzeiro verde.
Tem no seu bojo tabaco já queimado,
e descansa solenemente,
entre tocos brancos de cigarros,
entre palitos queimados e papéis de bala.
Enquanto isso, na estante,
o cachimbo novo, mais aristocrático,
e também mais caro,
espera para tomar um banho de conhaque.

Uma caneta sem tinta e um par de meias,
entre duas caixas de fósforos,
fazem companhia a um pente meio banguela,
que perdeu a metade dos dentes,
na sua faina diária e incansável,
de alisar cabelos desalinhados.
Meia vela branca de estearina,
com um pavio comprido,
arde no castiçal de latão.
A pequena chama alaranjada,
tenta iluminar o ambiente,
quer afugentar a escuridão
mas só consegue criar
uma pequena aura de luz,
sobre os pinheiros verdes
e sobre os barcos amarelos
no oceano agora azul.

Canto II.

Uma volta inteira no tempo
e mais uma vez a areia azul
começa a cair, num filete,
para marcar mais seis minutos
e quinze segundos inexatos.
Mais um toco de cigarro,
descansa agora no cinzeiro,
cemitério dos restos do vício
que vai apodrecendo os pulmões.
O filete da areia azul,
já atingiu metade do vidro.
Mais três minutos perdidos,
três minutos que se passaram
e não voltarão jamais.

Existe sol lá fora, já é dia,
mas a luz não consegue
passar pela veneziana.
O pardal ainda canta alegre
pensando agora ser rouxinol!
Com tinta aquarela pinta o corpo
e toma lições de música
com o casal de periquitos
que mora na gaiola dourada
feita com latas de óleo de milho.
Pela fresta da janela
eu vejo os vasos de orquídeas,
que não tem flores e nem botões.
Este ano ainda espero
uma orquídea florescer.
Quatro moedas correntes
de aço inoxidável,
empilhadas sobre a mesa,
agora caíram e se agruparam duas a duas,
e contrariando a probabilidade,
somam três caras e uma coroa.
A mulher que e tem estrela na testa
e usa um barrete frígio,
parece que sorri para mim.
Olho para seu rosto sereno
e imagino-a de cabelos loiros,
e doces olhos azuis.
No reverso da medalha,
uma torre de petróleo
olha para o dois descomunal
que se junta com o zero à direita
para formarem o numero vinte.

Canto III

Mais uma volta na ampulheta,
e a areia azul agora,
começa a cair outra vez
marcando os primeiros segundos
dos próximos seis minutos.
Chegou o jornal do dia,
e eu já sei que ontem,
foi aniversario de um jogador de futebol,
morreu um paciente
operado de amidalite
e o consumo da energia elétrica
aumentou em quase dez por cento
quase no final do horário de verão.

A borboleta azul
tem nas asas círculos amarelos,
ladeados por elipses verdes.
Ela pousou num girassol
e fez de conta que era um colibri.
Mas o pardal,
agora travestido em rouxinol,
num voo rápido e seguro,
veio de cima do muro
e fez de conta que a borboleta azul
era um filé mal passado
e tomou sua refeição
sobre o girassol amarelo
que serviu de guardanapo.

Canto final

Agora o último grão de areia caiu
e a vela se apagou.
A chave está à minha frente:;
é a chave que abre a porta
do quartinho de bagulhos
do fundo do quintal.
Tomo a chave e faço dela
aquela que abre todas as portas.

Abro a porta dos sonhos
e durmo sonhando com a areia azul
que a cada volta conta seis minutos
desta minha vida sem razão.



" ...descrevo sem fazer desfeita,
meu sofrer e meus amores
não preciso de receita
muito menos prescritores."


Autor
LuizMorais
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 462
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
Gostaria de ter noites frias
Quase bucólica composição
Talvez as janelas do infinito sejam meu verdadeiro lar
Recende o aroma de pinho cortado do ataúde
Mais um recolhendo lágrimas em ânforas nacaradas
Aleatórios
maquina
um dia apenas interessante
Destino
Sobreviverei mesmo diante do frio do desprezo
sem camelo na pampulha
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 14/02/2012 04:26  Atualizado: 14/02/2012 04:26
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Xangri-lá
Mensagens: 3144
 Re: Ode a um pardal travestido
"Mais uma vez,
Dois veleiros ancorados no oceano verde,
entre duas caixas de fósforos,
uma ampulheta, abro a porta dos sonhos,
desta minha vida,
Mais uma vez,
Uma volta inteira no tempo
Uma caneta sem tinta e um par de meias,
o último grão de areia caiu,
o pardal,
travestido em rouxinol,
num voo rápido e seguro, fez de conta que a borboleta azul
era um filé mal passado"

Bravo. Obrigado.

Abraço-te

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...