Luso-Poemas
Registe-se agora!     Login

Links patrocinados



Utilidades

Consultar

Outros

Quem está aqui

110 visitantes online (48 na seção: Poemas e Frases)

Lusuários: 1
Leitores: 109

Deco86, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Textos -> Amor : 

O aprendizado do amor

 
O aprendizado do amor
 
Olha duro aprendizado, pois a Rocha que eu era precisava primeiro partir, depois ser triturada, peneirada, para poder servir para construir alguma coisa, no sentido mais profundo, em sintonia com o querer evolutivo, inspirado por meu próprio ser, em seu nível mais elevado, descer ou fazer tal chegar a personalidade, constitui, pois um dos aprendizados da alma, em sua linha evolutiva, diz, que a alma buscadora é enamorada do espírito. A rocha partiu diante um sentimento novo forte e inexplicável, foi triturada diante a impossibilidade de alcança-lo, e peneirada na aceitação, que possibilitou construir o alicerce do novo ser, que se desdobra para encontrar o arquétipo de sua existência.
Quando a rocha estava pronta para partir tive medo de perder a minha sexualidade algo muito estranho mesmo, no entanto devemos ressaltar que, o medo, não tem um papel evolutivo em nossa vida e iremos falar mais profundamente sobre ele, como tudo muda, a partir da intenção e de todos os esforços realizados nesta direção, mudei antes mesmo da rocha partir, me afastando definitivamente de tudo aquilo, que eu permitia que me prostituísse, mas antes de ser triturado, me sentia um herói frustrado, tudo parecia em vão.
Tinha vencido a maior batalha que já tinha enfrentado, mas uma maior ainda, havia surgido no lugar, o aprendizado que tanto tinha desejado, que era o maior desejo do meu coração na época, que era aprender a amar, pois uma certeza povoava meu coração, eu não sabia amar, e não fazia a mínima idéia do que precisaria viver para poder, construir um verdadeiro amor, nele. Quando na vivência do ''triturador'' que era tudo que estava vivendo para aprender o que tinha pedido, a dor era tanta que cheguei a questionar se não devia ter continuado a ser um '''açougueiro'''.
Para mim, na época do início de tal aprendizado, de forma mais consciente, viver em busca da satisfação pessoal, satisfazendo meus desejos e apetites, era semelhante a uma pessoa, que vive de retalhar carnes, alheia ao sofrimento, que foi causado ao animal que foi assassinado. E tal fato assume uma proporção de filme de horror, uma vez, que a vida é banalizada, a nível comercial, me sentia completamente insatisfeito com minha vida, naquele momento e podemos hoje verificar, que tal insatisfação, foi o combustível da mudança.
Tudo ocorreu de forma a realmente aprender o que quis saber, foi de fato, uma libertação de mim mesmo, foi meu eu me colocando na situação certa na hora certa, nem antes nem depois e foi tudo que precisava para poder dar início ao que meu avô tinha vislumbrado para mim.
Percebemos várias características do amor, a medida que conscientemente trazemos ele a nossa vida, uma delas é que o amor é libertador, ele liberta o ser da dor e do sofrimento, qualquer vivência sem a característica libertadora, não é amor, qualquer vivência que trás a nós a dor, não é amor, nestas afirmações o leitor tem grandes aprendizados de desdobramento da consciência, que não se faz sem amor. Outra característica do amor é a sua incondicionalidade, o amor real, só brota em solo, cuja terra foi preparada para receber qualquer tipo de semente, solos que escolhem sementes não amam.
Na terra por inúmeras questões os seres não caminham pelo amor e sim pela dor, pois fomos construídos com 60% de negatividade, sendo esta motivo de tantos embates.
Essa parte é necessário resumir, embora muita luz tenha jorrado ali, pois decidimos honrar com nossa vida, tudo aquilo que foi a nossa proposta de luz.
O momento mais difícil, foi a aceitação, daquilo que apesar todo nosso esforço, não conseguimos transformar, foi realmente complicado, pois ouve momentos que realmente cogitei em tomar outro caminho, dar um outro rumo, optando pelo lado negro da vida, e houve um momento crucial para isso. Nestes dizeres o leitor pode observar que, outra característica do amor é a aceitação, da forma como a vida nos surpreende com seus eventos e tudo mais, pois o amor trata a tudo, dentro de si mesmo.
Pela segunda vês estava tendo de renunciar a tudo que tinha construído e isso gerava em mim uma indignação enorme, me parecia muito injusto, diante de tudo pelo qual verdadeiramente tinha lutado, si nesta vida senti ódio foi naquele momento, onde estava vivendo provações que me instruíam sobre o amor e foi neste momento, que vi a outra fase do amor, assim como dia e noite, bem e mal, ou seja, a dualidade.
Então um dia fui até um lugar disposto a tudo, esperava ser recebido de uma forma e fui surpreendido, ai resolvi, viver para honrar o que de melhor eu quis e me desliguei de tudo, trabalhei firme para banir qualquer sentimento de mim e me dediquei a tudo que vem a seguir.
O aprendizado na escola do amor, não é algo pronto, que se vai seguir, um caminho já predeterminado, pois o amor é algo em construção em nosso universo, onde a medida que lidamos com ele, podemos dar o nosso toque e perceber em nós tais agregados.



"Doar de si a todos compartilhando as graças recebidas com amor incondicional é iluminar".

Autor
sendoluzmaior
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 562
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
A infestação de fakes neste sítio
Na cabana
Cara de tacho
verdade
Verdades, verdades e capacitação a outras maiores
Aleatórios
De alma a carne
A loira do " Bom ........... Fim"
Mundo interior
VIDA DOMÉSTICA
Aberta temporada de caça "as bruxas"
Favoritos
Bola de fogo - Nanda
Nada resta - belarose
Dependência - NunoNebel
Ausência. - belarose
O Grito - Kolthar
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 15/04/2013 19:57  Atualizado: 15/04/2013 19:57
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 7758
 Re: O aprendizado do amor
Amigo Poeta
Belo texto, sábias palavras!

A rocha partiu diante um sentimento novo forte e inexplicável, foi triturada diante a impossibilidade de alcança-lo, e peneirada na aceitação, que possibilitou construir o alicerce do novo ser, que se desdobra para encontrar o arquétipo de sua existência.

Adorei a leitura! Parabéns!
Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
sendoluzmaior
Publicado: 17/04/2013 21:21  Atualizado: 17/04/2013 21:21
Colaborador
Usuário desde: 01/05/2012
Localidade: Belo horizonte- Pampulha
Mensagens: 1659
 Re: O aprendizado do amor
Amiga poetisa, grato por seu comentário.

Login

Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Cadastre-se agora.

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...