Poemas : 

Espelho de obsidiana

 
Open in new window


Meu consciente ideal atravessa
As finas raridades aéreas que
O espelho faz girar em movimentos
Curtos e sincrônicos mudando todo
O espaço e tempo ao qual o universo
Usa e sempre renova por milênios-luz.

Ao atravessá-lo sinto em mim
Que o que estava à parte,
Não mais existe, sou parte
Do Todo que me eleva e ensina.

Sem peso e flutuando, mas
Não em gravidade negativa
Mas em novo campo gravitacional,
Movo-me e sou movido por
Constelações e infinitas leis.

Posso ver do espelho de obsidiana
Meus fluxos etéreos-cósmicos
Vibrando em todo o espaço
Que me rodeia, energias são
Transmitidas por minhas novas
Informações conscientes...

Pela música sou levado
A novos mundos e nada me
É estranho, as distâncias morreram
Ao adentrar este espelho especial.

Sob forças plenárias posso
Ter acesso as inúmeras páginas
Não vistas em mim, mesmo quando
Elas aconteciam e não mais peno,
Não mais devora meus pobres instintos
Toda a minha consciência ideal que
Emudecia diante de infindas lutas
Entre o pequeno mundo de minha
terrosa mente.




Não há tanto para falar de mim, porque já ouvi tanto e sempre soube que tudo negativo sobre mim era apenas uma aparência que prefiro não dizer nada sobre.

 
Autor
WesSouza
Autor
 
Texto
Data
Leituras
372
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...