Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

246 visitantes online (115 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 3
Leitores: 243

namastibet, Transversal, Thessica, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Contos -> Humor : 

BOA NOITE, CINDERELA

 

A vida nos reserva surpresas que podem ser desagradáveis, mas que na maioria das vezes nos trazem também lições.

Quem conhece o Centro de Tradições Nordestinas no Rio de Janeiro, popularmente conhecido como feira de São Cristóvão já, que começou em 1960, onde havia uma pequena feira livre no campo do mesmo nome, e que também servia de local de desembarque para os imigrantes vindos dos estados do norte e nordeste, certamente sabe do que estou falando; e quem não conhece, fica aqui um convite para um dia visitá-lo. Vai se surpreender, pois ali se encontra de tudo.

Severino acabara de deixar o plantão no hospital, era sexta feira. Ele, apesar de cansado, resolvera dar uma passadinha rápida na feira.
Quem sabe talvez arrumasse companhia para aquela noite e pudesse terminá-la num motel bem acompanhado?

Entrou em seu automóvel ultimo modelo, comprado com muito sacrifício e trabalho, e depois de rodar alguns quilômetros, para chegar ao local e tantos outros para conseguir onde estacioná-lo, finalmente se viu sentado diante de uma mesa de uma das barracas, bem localizada, pois era próxima ao banheiro - e que, para quem gostava de uma cervejinha como ele, era o ideal.

Pediu uma “gelada, tomou alguns goles, colocou a chave do carro e o celular “MPtudo” sobre a mesa, e acompanhando o frenético ritmo balançava a perna, doido para encontrar uma parceira e também mostrar o bom forrozeiro que era desde menino, em sua pequena cidade da Paraíba.

Não demorou muito e surgiu-lhe à frente aquela morena, que para descrevê-la eu perderia muito tempo e talvez o interesse de vocês, leitores. Ela era “muita areia para o caminhão dele” como se diz no popular. Ele não era bonito. Era apenas comum, mas estava bem vestido e a chave do carro e o celular mostravam que ele tinha onde cair vivo sim, pois cair morto podemos fazê-lo em qualquer lugar. E talvez por isso ela o olhasse com aquele olhar de conquista, que o fez não titubear: Convidou-a imediatamente a dançar com um gesto discreto de cabeça, ao que ela sorriu, e aceitando dirigiu-se ao salão.

Ele guardou o celular e a chave do carro no bolso, deixou sobre a mesa o copo de cerveja pela metade bem como a garrafa, e sorrindo pegou-a pela cintura alegre e saíram os dois rodopiando e rebolando gostoso como exigia a música: “Vamos rebolar gostoso de rosto coladinho, e depois que acabe a dança fazer um bonequinho”.

Seu entusiasmo pela mulher era tanto que ele esqueceu o copo que deixara pela metade sobre a mesa, e nem reparou quando dois tipos, aproveitando o amontoado de pessoas que já cercava a barraca aproximaram-se, e um deles dando cobertura ao outro curvou-se sobre a mesa fingindo olhar para dentro da barraca, enquanto o outro derramava boa quantidade de um pó azul no resto de cerveja que ele deixara, e que certamente beberia ao terminar de dançar.

A música parou, os dois voltaram para a mesa, felizes sorrindo e já quase se beijando. Ele, porém, quando chegou à mesa, não tomou o restante da cerveja que estava no copo, julgando-a já não gelada. Atirou-o fora, pediu licença a “distinta jovem” e foi ao banheiro.

Quando urinava, a seu lado encostou um garoto, que a tudo assistira e baixinho e olhando para os lados, lhe disse:

- Puxa! O senhor deu a maior sorte! Aquela mulher é uma pilantra, eu a conheço daqui, bem como os dois caras que a acompanham e ficaram de longe quando ela se aproximou do senhor.

- O que garoto? Do que você está falando?

- Olha moço, enquanto o senhor dançava, os caras deixaram cair um pó de um papelzinho no seu copo, eles iam lhe dar o golpe “boa noite cinderela”, isso aqui tem sido muito comum. E sua sorte foi ter atirado fora o restante da cerveja.

- Tem certeza do que você está falando menino? – disse ele assustado e já odiando a bela morena com quem talvez até se casasse dado a seus modos educados, seu perfume e sua rara beleza. Pensou consigo:

... Piranha da gota serena! Bem que reparei que quando eu a rodava em direção à minha mesa ela oferecia certa resistência, certamente para que eu não visse a ação de seus amigos. O menino não tinha porque inventar tal história. Só podia ser verdade.

Agradeceu ao pequeno, trancou-se no reservado onde levou algum tempo.

- Voltou à mesa onde Luísa, a mulher, ansiosa o aguardava já com dois copos cheios, e o dele, certamente batizado.

Ele, alegando que a cerveja estava quente não aceitou. Sorrindo e beijando-a no rosto pediu outra e mais dois copos. Ela ficou meio desconcertada, mas lhe dera tanto mole, que estava difícil sair da situação e resolveu tomar a cerveja, batendo seu copo no copo dele, que o oferecia e bebera do seu. Depois daria uma desculpa e partiria para outra barraca com os comparsas em busca de outro desavisado.

De repente surgiu uma pequena confusão, o que é muito comum em um ambiente de bebida e dança. Ela afastou-se da mesa, ficando de costas para ele. Quando a confusão, quase briga terminou, ela, já sentada, depois de tomar a outra metade da cerveja, começou a sentir leve tontura, que aos poucos foi aumentando e: TIBUM!!!
Escorregou da cadeira e tombou de lado, desacordada no chão. Logo se formou a “rodinha do sufoco” em torno dela. Severino prontamente abaixou-se para ajudá-la, ao que foi interpelado por um dos seus comparsas que era seu irmão:

- Pode deixar meu amigo, nós vamos ajudá-la – abaixou-se, pegou-a no colo sem saber o que acontecera, pois ele não vira nada de anormal, e levou-a para o posto médico.

A bela morena, quatro noites depois, quando acordou, jamais saberia que aquele paraibano baixinho e com cara de pedreiro, embora bem vestido. Era o Dr. Severino Ramos, psiquiatra, que deixara o plantão do hospital, ocasionalmente com algumas amostras grátis de remédios para esquizofrenia (daqueles sossega leão brabos, que sabemos existem), no bolso e houvera aproveitado a oportunidade da briga para deixar cair em seu copo boa quantidade de pó dos comprimidos que ele picara e amassara no reservado, depois que o menino lhe contou o que assistira. Trouxera em uma das mãos quase fechadas, e depois ao vê-la ser carregada para o posto médico, dissera sorrindo baixinho para si mesmo:

- Boa noite, Cinderela. - Saíra tranquilamente, passara a mão na cabeça do garoto, e colocara uma nota de cinquenta no bolso de sua camisa.

Surpresa desagradável, mas revertida.







Jogon Santos

"Cautela e caldo de galinha
não fazem mal a ninguém",
mas é sempre bom conhecer
O galinheiro de onde ela vem.
Autor
JogonSantos
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 832
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
QUER BANCAR O SABETUDO? TIO GOOGLE AJUDA
TESTAMENTO DE UM SUICIDA POBRE
DEDO P'RA CIMA, DEDO P'RA BAIXO
A ERA DO SILÊNCIO
A BONECA DO ARMÁRIO
Aleatórios
AVISO PARA BANHEIRO MASCULINO
QUANDO CAI A TARDE
PACIÊNCIA DE ESPERAR
DEIXE-ME ESCREVER ASNEIRAS
A PRIMEIRA VEZ NINGUÉM ESQUECE
Favoritos
CARTA DE UM CÃO - gil de olive
alma de cão - aquazulis
Votar consciente é preciso, - Barbozza
"Olhos De Ressaca" - Gyl
SAUDADE DE MIM - MaryFioratti
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
JogonSantos
Publicado: 24/09/2013 18:47  Atualizado: 24/09/2013 18:47
Colaborador
Usuário desde: 17/04/2013
Localidade:
Mensagens: 1786
 Re: BOA NOITE, CINDERELA
Este tem algo de verdade!

Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 24/09/2013 18:58  Atualizado: 24/09/2013 18:58
Luso de Ouro
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - BRASIL
Mensagens: 3149
 Re: BOA NOITE, CINDERELA
Voce é um excelente contador de 'causo' Jogon e me divirto muito lendo-o,
sem falar na apreciação por sua escrita.

Abraços.

Enviado por Tópico
JogonSantos
Publicado: 25/09/2013 15:15  Atualizado: 25/09/2013 15:15
Colaborador
Usuário desde: 17/04/2013
Localidade:
Mensagens: 1786
 Re: BOA NOITE, CINDERELA p/MarySantos
Mary, obrigado por seu comentário
escrevo só para me divertir e tentar
divertir os que me lêem.
Elogio vindo de você, muito me
honra.
abs.

Enviado por Tópico
recomeço
Publicado: 28/09/2013 01:50  Atualizado: 28/09/2013 01:50
Super Participativo
Usuário desde: 10/04/2013
Localidade:
Mensagens: 172
 Re: BOA NOITE, CINDERELA
rsrs Olá amigo!

"Cautela e caldo de galinha
não fazem mal a ninguém",
mas é sempre bom conhecer
O galinheiro de onde ela vem.


Muito bom seu texto! são as lições da vida! e a gente precisa delas sim meu amigo! pois que viver é aprender! e é da dor que se aprende! beijo!

Enviado por Tópico
JogonSantos
Publicado: 29/09/2013 00:05  Atualizado: 29/09/2013 00:06
Colaborador
Usuário desde: 17/04/2013
Localidade:
Mensagens: 1786
 Re: BOA NOITE, CINDERELA p/recomeço
Obrigado. Hoje em dia(noite) esse golpe é muito
comum, mas como o o imprevisto sempre
pode acontecer...

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 28/09/2013 01:55  Atualizado: 28/09/2013 01:55
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 5724
 Re: BOA NOITE, CINDERELA
Boa noite nobre poeta, este mundo dos afetos o que rola de pilantragem, nele é brincadeira, mesmo entre os casais estáveis, acontecem muitas sacanagens, Parabéns pelo seu contagiante enredo, um grande abraço, MJ.

Enviado por Tópico
JogonSantos
Publicado: 30/09/2013 00:21  Atualizado: 30/09/2013 11:44
Colaborador
Usuário desde: 17/04/2013
Localidade:
Mensagens: 1786
 Re: BOA NOITE, CINDERELA p/Migueljaco
Obrigado Miguel pela atenção da leitura
e ´pelo comentário.

Enviado por Tópico
GabrielaSal
Publicado: 30/09/2013 00:30  Atualizado: 30/09/2013 00:30
Colaborador
Usuário desde: 19/01/2013
Localidade:
Mensagens: 606
 Re: BOA NOITE, CINDERELA
Gostei muito do seu conto! Bem escrito,
bem bolado, divertido.
Estava querendo muito chegar no fim, para
ver o que aconteceria com a "Cinderella"...
rs Merecido, heim?

Abraços,

.•´¸.•*´¨) ¸.•*¨)
(¸.•´ (¸.•`*´ Gabi

Enviado por Tópico
JogonSantos
Publicado: 30/09/2013 16:15  Atualizado: 30/09/2013 16:15
Colaborador
Usuário desde: 17/04/2013
Localidade:
Mensagens: 1786
 Re: BOA NOITE, CINDERELA p/Gabrielasal
Obrigado, mas pode acontecer, não?

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 02/10/2013 23:10  Atualizado: 02/10/2013 23:10
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 9208
 Re: BOA NOITE, CINDERELA
Poeta Jogon
Adorei a leitura! Acontece mesmo! Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
JogonSantos
Publicado: 03/10/2013 13:11  Atualizado: 03/10/2013 13:11
Colaborador
Usuário desde: 17/04/2013
Localidade:
Mensagens: 1786
 Re: BOA NOITE, CINDERELAj/J.Mattos
Janna,
Isso aqui no Rio é muito comum,
e a feira mencionada é o campo
de ação preferido das quadrilhas.
Acontecem coisas absurdas com
as vítimas que muitas vezes
são encontradas nuas no
estacionamemnto.
Obrigado.

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...