Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

138 visitantes online (37 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 0
Leitores: 138

mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt
Poemas -> Amor : 

Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor

 
A noite resvala na densidade do tempo
de obscuro é o odor, acobreado ao vento
na taça repleta de sons incompreendidos
embebeda-se os silêncios em cúpulas de ti

os lírios sufocados na intenção conseguida
amarfanhados na subtileza de mãos evasivas
desmaia na luz dispersa das carumas vividas

e as vestes soltam-se do corpo fingido
na terra pisam-se a simplicidade da cor
mágoa que destrói o ventre sofrido
sem palavras ou gestos, e gemidos de dor

Escrito a 18/10/13




http://pedacosdaalma.blogspot.com/
http://saboreamo-nos.blogspot.com/
http://aromas-da-vida.blogspot.pt/


Autor
Liliana Jardim
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 505
Favoritos 3
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
Quando digo de mim
Não vaguearei por entre os escombros do teu olhar
Deita-te sobre o manto rubro com que me cubro
Impresso o teu aroma
Os lábios enclausuram-se no tempo
Aleatórios
Ilha encantada
Saudade
Fascinio
A puta da vida
A rubra chama da paixão
Favoritos
OS TEUS OLHOS SÃO MAIS VERDES QUANDO CHORAS - Sterea
VIDA, DURA VIDA - animarolim
NO VAZIO DE MIM - rosafogo
Vida sobre vida - ÔNIX
POEMA SEM MEIAS-VERDADES - Karla Bardanza
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Karinna*k
Publicado: 04/11/2013 12:30  Atualizado: 04/11/2013 12:30
Colaborador
Usuário desde: 10/06/2013
Localidade:
Mensagens: 1931
 Re: Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor
*Liliana, gosto muito do teu vocabulário rico, do sentir pontuado fortemente no verso.
Minha alma lê tua poesia.
Beijoka*

Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 06/11/2013 12:17  Atualizado: 06/11/2013 12:17
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4180
 Re: Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor
Ui Karinna

obrigado pelo carinho que manifestas, pela minha poesia,

bem hajas POETISA

beijinhos

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 04/11/2013 13:20  Atualizado: 06/11/2013 13:15
 Re: Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor
"Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor" e aqui vemos poesia retratando esse viver de catavento, acolhendo silente na sua beleza resignada, pintada pelos seus versos...
bj Liliana e meu abraço caRIOca

Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 06/11/2013 12:18  Atualizado: 06/11/2013 12:18
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4180
 Re: Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor
Ui Carioca

Obrigado pela tua presença

Abração

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 04/11/2013 20:54  Atualizado: 04/11/2013 20:54
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Xangri-lá
Mensagens: 3188
 Re: Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor
"a noite resvala
os lírios sufocados amarfanhados na subtileza de mãos evasivas
das carumas vividas,
e as vestes
sem palavras ou gestos, gemidos (ou) dor,
soltam-se", E solta-se a palavra, com toda a elegância, é essa a simplicidade das cores tuas. Belo. Obrigado.

Agradeço-te

Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 06/11/2013 12:19  Atualizado: 06/11/2013 12:19
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4180
 Re: Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor
Ola transversal

Obrigado poeta pelas tuas palavras ao meu poema

Beijinhos

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 05/11/2013 06:15  Atualizado: 05/11/2013 06:15
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 16943
 Re: Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor
sem som algum...só a cor fala.
perfeito antes de belo. bjs

Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 06/11/2013 12:20  Atualizado: 06/11/2013 12:20
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4180
 Re: Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor
Ola Vania

Obrigada pelo carinho que demonstras pela minha poesia

Beijão

Enviado por Tópico
Haeremai-beijo azul
Publicado: 07/11/2013 05:06  Atualizado: 07/11/2013 05:06
Da casa!
Usuário desde: 02/02/2013
Localidade:
Mensagens: 222
 Re: Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor
Os ecos do silêncio são vorazes e a dor é a sua voz.

Belo e triste.

Beijo azul

Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 23/11/2013 17:34  Atualizado: 23/11/2013 17:34
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4180
 Re: Sem palavras ou gestos, e gemidos de dor
obrigada Fátima pela tua presença

Jinhos

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...