Poemas -> Tristeza : 

Carta a um irmão distante

 
Irmão

... a mãe morreu
no bolor do silêncio
que trazia nos olhos.
Arrancada à vida
devolvi-a à terra
com lágrimas por dentro.
Nas traseiras do quintal
calcetei-lhe o sono
com flores de luz que duram muito
e sabem poemas de cor...
Rezei o terço à minha maneira
com palavras inventadas do luto
que me mordiscava a voz.

Fiquei ao lado dela
até a sentir aninhar-se
nas formas do chão.
Falei-lhe de ti, desse tempo
inconstante
- o pior da morte é a morte não ter voz
e teimar em ficar calada por muito tempo!

A mãe morreu natural.
Já nada me prende aqui.
A herança é pobre demais,
fica com ela que eu parto agora
à procura de melhor sorte.
 
Autor
José António Antunes
 
Texto
Data
Leituras
11878
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
sandrafonseca
Publicado: 13/03/2008 12:42  Atualizado: 13/03/2008 12:42
Colaborador
Usuário desde: 15/08/2006
Localidade: Brasil
Mensagens: 2477
 Re: Carta a um irmão distante
Uma carta-poema deflagrando das dores, a mais pungente, a perda pela morte." o pior da morte é a morte não ter voz e teimar em ficar calada por muito tempo". E num silêncio sem saída que não seja pela porta do tempo.
Belo em sua tristeza.
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...