Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

201 visitantes online (125 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 5
Leitores: 196

aquazulis, Ro_, Jairo Nunes Bezerra, atizviegas68, D.Sousa, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Textos -> Crítica : 

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

 



Tudo se ressume a dois pressupostos: vive e deixa viver!

Quem assim não age, é contrário, aos princípios da liberdade, que, desde cedo,
foi ensinamento, transmitido por pais, e, outros, familiares.

Está tudo na memória, basta recorrer a ela, para nos situarmos, perante nós
e os demais, que nos rodeiam, nesta enorme família Global.

O tempo não pára, por isso, no dia-a-dia, temo-nos de nos adaptar a essa realidade,
que tanto pode ser a nossa liberdade como rude cárcere.

Respeitar os direitos dos outros, mesmo que não concordando, com suas ideias e ideais,
ser flexível, sem deixar de ser crítico, é respeitarmo-nos a nós mesmos e aos que nos
cercam.

Não tomar nada como garantido, é caminho certo a palmilhar:
a isso se chama humildade, pois nada nos é dado à partida, senão sermos nós mesmos,
lutando e fazendo do nosso dia-a-dia, o trilho a atingir.

Muitos ainda confundem, liberdade de expressão, com expressão de liberdade!

Liberdade de expressão: foi o combate activo, de povos, ante ditaduras, que, por meio,
de persuasão e tortura, mantinha longe um povo, de reivindicar seus direitos, que se regia
por um bem comum, e, que, com muita luta, alcançaram propósito, pós 25 de Abril.

Expressão de liberdade: é julgar que tudo pode ser dito, adquirida essa liberdade,
para proveito próprio, alimentando egos, onde o respeito pelos outros, ressume-se à sua
insignificância.

Altivos se mostram, e, falam à saciedade, toda uma arrozada de palavrões e distanciamento,
para com os seus vizinhos e amigos.

Dos primeiros pode-se esperar cordialidade, no trato, pois souberam lutar por um bem comum, sofrendo na pele torturas, a bem do que acreditavam.

Dos segundos, a entrega ao alcoolismo e às drogas, diz bem de sua condição fraudulenta, não
sabendo agarrar, com as duas mãos, a liberdade, que lhes passou despercebida:

Esses são os tais que batem nas mulheres, se seu time ganha ou perde, e, depois vão a Fátima
dizer de seus pecados, não de livre vontade, mas porque são cobardes, e temem o inferno.

Jorge Humberto
10/05/08









Autor
jorgehumberto
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 12186
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
DA IMAGINAÇÃO À REALIDADE
ÀQUELA QUE NUNCA DEMOVERÁ MEU AMOR POR ELA
TEU NOME, ISABEL
FOI EM DOIS MIL E SEIS QUE TE CONHECI
BRISA NOSTÁLGICA
Aleatórios
ACORDO PARA A NOITE
MINHA DOR MINHA ESPERANÇA
CORAÇÃO VADIO
PROSCRIÇÃO
AOS QUE APREGOAM A BÍBLIA NA RUA
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...