Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

238 visitantes online (125 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 6
Leitores: 232

Poemices, MaryFioratti, Keithrichards, JogonSantos, kripy, PROTEUS, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Contos : 

Carta de um viciado

 
Apesar de já não estar muito bem da memória, eu quero contar a minha história. Eu não sei se você vai se interessar pelo o que eu tenho a dizer. Mas eu garanto que não fui o primeiro a ter essa experiência e com certeza não serei o último.
(...)
Pois bem, eu me reporto agora à minha infância, quando eu jogava futebol na rua, soltava pipa, brincava de peteca, subia em árvores, andava descalço... Mas nem tudo era só alegria. Numa dessas aventuras de criança, fiz amizade com as pessoas erradas. Desde então, a minha vida mudou completamente.
No início eu achava maravilhoso, uma novidade. Acreditava ter encontrado amigos de verdade. Eles eram os meus companheiros de todas as horas. Mas a minha família não aprovava muito essa amizade. A minha mãe sempre me pedia para não andar com aquele pessoal, alegava que eles não eram uma boa companhia para mim. Porém, eu não me importava com o que ela dizia. Eu só queria curtir a vida, ser livre, ser aceito pelos amigos, fazer o que me desse na telha.
Numa dessas de querer ser aceito pela turma, acabei cedendo e experimentei um cigarro de maconha. Nesse dia, eu tinha discutido lá em casa e faria de tudo para esquecer os meus problemas. Aquele baseado foi a minha salvação, rapidinho relaxei... Viajei legal! Foi muito maneiro... Eu fiquei muito louco...
Daquele dia em diante, cada vez que eu tinha um problema, tentava esquecê-lo através das drogas. De início era só coisa leve, depois fui usando de tudo, só bagulho pesado mesmo. A minha mãe começou a desconfiar das minhas atitudes e logo teve a certeza que eu já era um viciado. Resolvi sair de casa, procurar a minha independência. Lamento ter descoberto mais tarde que tomei a decisão errada.
Após sair de casa, a grana não era mais suficiente para comprar minhas drogas. O jeito foi sair com a galera e fazer uns bicos; passei a cometer alguns furtos. Eu nunca fui mal, fazia aquilo para alimentar o vício que me consumia. E se eu não pagasse a mercadoria que eu comprava os manos não iam me perdoar. Ou seja, era a minha sobrevivência que estava em jogo.
O tempo foi passando, uns trutas meus foram ficando pela metade do caminho, ou eram mortos ou presos. Eu tive mais sorte, fui em cana várias vezes, porém sempre sobrevivia.
Eu sobrevivi a tudo, menos às drogas. E só de pensar que embarquei nessa para esquecer os problemas e acabei arranjando cada vez mais... Só quero que saiba que eu nunca me considerei um bandido e sim uma vítima, um usuário. Estou arrependido por ter sido fraco, por querer ser aceito num grupo de falsos amigos. Destruí a minha vida... Eu sou tão jovem ainda, poderia ter aproveitado mais...
A minha mãe falou um dia em me internar numa clínica de tratamento para viciados, só que ficou só no falar. Essa atitude nunca foi concretizada. Eu não a culpo, mas sinto que algo poderia ter sido diferente... O único culpado fui eu, a decisão de experimentar foi minha; então, eu que enfrente as conseqüências!
Hoje eu tenho vinte e cinco anos, apesar da aparência de trinta. Sou pai de um lindo garoto, tenho uma mulher maravilhosa... Isso é tudo o que tenho para me orgulhar... Pena que o meu moleque não vai ter a oportunidade de conviver com o pai... Pois hoje eu estou partindo, por isso eu escrevi esta carta para que você comente a minha história, fale por mim tudo o que não posso mais falar. Peça aos jovens que nunca façam o que eu fiz. No momento da minha morte, eu descubro que a vida é valiosa. Quisera eu ter outra chance... Diga ao meu filho para não ter raiva e nem vergonha de mim. Sinto muito por tudo, peça-lhe perdão por eu ter sido um fraco. E você, por favor, não me critique. Essa é a minha história, mas poderia ser a sua...




Maria Liberdade Oliveira dos Santos

http://www.liberdadeemprosaepoesia.blogspot.com

Publicado na Antologia Contos Fantásticos vol 13. Editora Br Letras CBJE - Rio de Janeiro - Brasil.
Autor
MariaLiberdade
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 6648
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
Com você aprendi a viver
Quem sou eu
Se eu pudesse voltar no tempo
Betha
A chuva derrama as gotas que os meus olhos se negam a deixar cair
Aleatórios
A chuva derrama as gotas que os meus olhos se negam a deixar cair
Desabafo de um cão
Último presente
Luxo, hipocrisia e lixo (LUHIXO)
Carta de um viciado
Favoritos
DIA BRANCO - quidam
Hoje... - LuaBandida
Até o fim dos teus dias - Gothicum
À SOMBRA DA ÁRVORE*(Inédito!) - Ibernise
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 10/10/2008 00:30  Atualizado: 10/10/2008 00:30
 Re: Carta de um viciado
UM GRANDE MOMENTO LITERÁRIO.

Gostei muito, mesmo muito do teu texto.
É um dos meus favoritos!

Beijinhos

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...