Luso-Poemas
Registe-se agora!     Login

Links patrocinados



Utilidades

Consultar

Outros

Quem está aqui

110 visitantes online (48 na seção: Poemas e Frases)

Lusuários: 0
Leitores: 110

mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Homenagens : 

Minha Mãe

Tags:  idade    Março. Mãe  
 
Minha Mãe

Escolhi de propósito o mês de Março
Para homenagear a figura de minha mãe…
A “Amélinha das Eiras”,
Nome por que era mais conhecida na terra .
Foi em Março de 1939 que me deu à luz,
Já lá vão 72 anos…

Foi muito conhecida na freguesia e nas redondezas
Por ser detentora da arte de capar frangos
Em pequeno fui o ajudante dela…
Mas o destino quis que eu dela me apartasse

Quando fiz 12 anos, aproveitei uma oferta
Da Fidalga de Soutelo, que depois de me ver
Com a quarta classe feita, se prontificava
A custear a continuação dos meus estudos
Se eu aceitasse ir para o seminário
E depois me ordenasse padre.

Não tinha muitas alternativas naqueles tempos,
Por isso, escolher entre ser padre
Ou ajudar nas tarefas da lavoura…nao hesitei:

Fui para o Seminário com doze anos e saí com 19.
Depois veio o serviço militar…
Em 1961 começavam as guerras do
Ultramar e lá fui eu para Angola
Sem que me permitissem ir à terra
Despedir-me da família…

Por lá fiquei cerca de 15 anos

Quando voltei em l976
Abracei e beijei
Meu pai e minha mãe
Como nunca tinha feito antes.
Ficamos os três para ali chorando
E quando olhei á minha volta…
Havia muito mais gente a chorar:
Meus irmãos e cunhadas…
Depois a minha imã Augusta.

Foi um dia pleno de alegrias
De lágrimas beijos e abraços
Como eu nunca imaginara antes.
… … … …

O tempo… foi decorrendo implacável
Meu pai… foi o primeiro a partir.

Minha mãe entrou numa espécie de letargia
E foi perdendo suas faculdades pouco a pouco…
Conta a Augusta, minha irmã que com ela esteve até ao fim
Que a Mãe só perguntava pelo José
Queria ver o José….e o José era eu…
Um dia fui ter com ela
(Eu vivia em Lisboa),
Quando cheguei
Fiquei á porta olhando-a com
Carinho, esperando que me reconhecesse.

Foi então que a Augusta lhe disse:
“-Então mãe? Sabe quem é este senhor?
Ela disse que sabia… que eu era o senhor Doutor
(O médico que a costumava assistir)

Minha irmã explicou:
- Este é o José!
- Anda sempre a perguntar por ele!
- E ele aqui está!.

Ela então respondeu:

“- Esse não pode ser o José!
- O José é pequenino
- E esse senhor é grande!...”

O tempo e a memória dela
Tinham parado no menino
Que ajudava a capar frangos…



José Mota

Autor
PoetaSenior
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 2949
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
A Garrafa
O Óbvio
Alergias da Imprensa Diária!
Impostos, Não!
Viver a Vida
Aleatórios
ECONOMIA SIMPLIFICADA
A Minha Primeira Vez
Alergias da Imprensa Diária!
O Gás e a Horta
Bem Intencionado...
Favoritos
BÊBADO MACHÃO - MagnoRobertoAlmeida
HORA DO RISO #1 - MagnoRobertoAlmeida
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 02/03/2009 21:14  Atualizado: 02/03/2009 21:14
 Re: Minha Mãe
Olá poeta e amigo mui querido..
fiquei muito emocionada ao visitar sua página e ver essa linda homenagem que fizeste á vossa mãe.
Hoje em dia sabemos que muita coisa mudou,muitos filhos não honram seus pais,não respeitam,não dão o devido valor a estas pessoas tão especiais em nossas vidas.
Aplaudo de pé tão linda homenagem.

bjus



Enviado por Tópico
PoetaSenior
Publicado: 02/03/2009 21:20  Atualizado: 02/03/2009 21:20
Super Participativo
Usuário desde: 19/09/2008
Localidade: SETUBAL
Mensagens: 122
 Re: Minha Mãe
Obrigado Transmontana
ès muito querida
Bjs
José

Enviado por Tópico
zésilveiradobrasil
Publicado: 02/03/2009 22:33  Atualizado: 02/03/2009 22:33
Luso de Ouro
Usuário desde: 18/02/2008
Localidade: Niterói (em tupi-guarani = águas escondidas) RJ/Brazil
Mensagens: 13225
 Re: Minha Mãe
"- Este é o José!
- Anda sempre a perguntar por ele!
- E ele aqui está!."


querendo ou não é de se ficar com o nó na garganta, a voz embargada e congelando o olhar para que a lágrima não caia.

daqui uma emoção, por reconhecer neste trecho do seu poema, a minha mãe, com 85 anos , ainda lúcida.

obrigado Xará, por esse momento, e parabéns pela linda homenagem.

meu abraço fraterno poeta.
Silveira

Enviado por Tópico
PoetaSenior
Publicado: 03/03/2009 09:07  Atualizado: 06/03/2009 19:57
Super Participativo
Usuário desde: 19/09/2008
Localidade: SETUBAL
Mensagens: 122
 Re: Minha Mãe
José Silveira.Parabens por ainda ter sua mãe consigo.
Obrigado pelo "nó na Garganta"...
Depois de ter escrito não o consegui ler pra minha esposa o texto...
Um abraço de fraternidade humana...o sentimento é uma coisa universl.. sem explicação.
José Mota

Enviado por Tópico
Hisalena
Publicado: 03/03/2009 22:23  Atualizado: 03/03/2009 22:23
Colaborador
Usuário desde: 30/09/2007
Localidade: Leiria
Mensagens: 627
 Re: Minha Mãe
Um doce, terno, saudoso e comovente poema. É dificil ficar indiferente a uma tão rica história de vida, a uma tão grande experiência de vida e sobretudo a uma homenagem tão querida a uma pessoa tão especial´.
Muito bonito.

Enviado por Tópico
PoetaSenior
Publicado: 04/03/2009 18:50  Atualizado: 04/03/2009 18:50
Super Participativo
Usuário desde: 19/09/2008
Localidade: SETUBAL
Mensagens: 122
 Re: Minha Mãe
Obrigado Hisalena...
Um beijinho do
José

Login

Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Cadastre-se agora.

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...