Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

242 visitantes online (122 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 7
Leitores: 235

AAA, MarySSantos, F.Duarte, BOMSUCESSO, luisroggia, guruevald, Odairjsilva, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Crónicas : 

A IMPORTÂNCIA DO LEITOR

 



A liberdade de escolha (concordando ou não),
quanto às preferências, de leitura, de nossos leitores,
só a eles lhes assiste, enquanto a nós,
poetas, cabe-nos persistir, entre o amor e as injustiças,
nada omitindo ou floreando, ao deixar
de tratar as coisas, pelos seus próprios nomes, por mais
que doa, o retrato fiel e doloroso, que está por todo
o lado, para onde quer que nos voltemos.

Confesso (de maneira a ficar de bem, com a minha
consciência), que lendo as estatísticas, certo desgosto,
apodera-se de mim, ao reparar, de punho cerrado,
que os leitores, deixam de lado, sistematicamente, poemas
que falam ao mundo, sobre a triste e vergonhosa realidade,
de muitos países, assolados pela fome e pela guerra,
ficando assim sem saberem, o que se passa de facto,
para poderem formarem um ideia mais concreta, do mundo,
do qual todos nós fazemos parte, disso não olvidando nunca.
E ante a natural indignidade, espalharem a palavra, pelas
escolas, trabalho e amigos, lembrando-lhes que,
todos os cinco minutos, em África, morrem quatro crianças
inocentes, por má nutrição e falta de medicina, que nós, no
Ocidente e outros países desenvolvidos, temos de sobra.

Vejo também que, tudo que seja reflexão ou pensamento,
que apenas expõe, a opinião do poeta, e, a quem lê, toda a
liberdade, de dialogar consigo mesmo, reafirmando ou
ajustando, o que têm por certo, é coisa sem importância, para
a grande maioria dos leitores.
Assim mais inconformado fico, quando, perante, o que eu acho,
por injustificado (quem não lê, sobre todos os temas, fica a meio
caminho), consternado, vejo-me obrigado a aceitar, que apenas,
se dá atenção, a poemas, sobre sexo e amor, de alcova.

Mas como disse, livre é o leitor, ante aquilo, que resolve ler ou
simplesmente ignorar. Ao poeta, a responsabilidade, de um dia
vir a mudar tal situação, e, escrever, escrever sem parar, a
complexidade, deste nosso pequeno, mundo, mas que tanto
tem para nos dizer.
Por fim, para os mais acérrimos, nestas coisas da leitura, dizer-lhes,
que, sim senhor, também eu escrevo, sobre o amor, que de amor,
seria o mundo. Mas não é. Penso pois, caber-me algum respeito,
ao por mim delineado, sobre o que penso, deveria ser, a conduta,
a ter, de agora em diante, por todo o leitor, de poesia e demais escrita.

Jorge Humberto
08/05/09



Autor
jorgehumberto
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 1396
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
MAL TE CONHEÇO MAIS
GENTES SEM ESCRÙPULOS
BLITZ
SONETO A MEU AMOR
PARA TI NANCI LAURINO
Aleatórios
LIBERDADE É DIGNIDADE
PARA LÁ DO HORIZONTE, GENTE COMO A GENTE
SE ÉS CAPAZ
QUEM AMA… AMA SIMPLESMENTE
PELO TEU AMOR ME VENCI
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 09/05/2009 18:44  Atualizado: 09/05/2009 18:44
 Re: A IMPORTÂNCIA DO LEITOR
Jorge,

O leitor é de máxima importância ao autor. É ele quem dá "valor" aos textos (por melhores ou piores que eles sejam).Quem escreve e publica em um meio de comunicação deseja ser lido, comunicar a outrem seus sentimento/pensamento. Caso contrário, deixaria seus escritos perdidos dentro de uma gaveta qualquer.
A liberdade de expressão casa com a de escolha de leitura.Desse "casamento" o leitor escolhe o que aprecia: se prosa ou poema e seus estilos.Ao autor que continue dando sua mensagem. Se um ou um milhão vão ler, depende do texto, do marketing pessoal ou do real interesse do leitor.
Muito bacana, lúcido e reflexivo teu texto.
Bjins, Betha.

Enviado por Tópico
SilviaReginaLima
Publicado: 09/05/2009 18:56  Atualizado: 09/05/2009 18:56
Colaborador
Usuário desde: 23/04/2009
Localidade: São Paulo - Brasil
Mensagens: 816
 Re: A IMPORTÂNCIA DO LEITOR
alo poeta
***
como vai, amigo?***Vc tem toda aa razão, ainda que a escolha seja sempre individual e intrasferível.. Mas é pena que o interesse por um título malicioso passe por cima de textos e poemas de boa categoria - que sequer são abertos e avaliados.. ou ainda que as pessoas só leiam os amigos ** ****************Perde a poesia, perde o leitor e muito o autor, que não pode ser avaliado em seu dom e obra, uma vez que nem uma chance ele tem.. Ninguém abre o poema que não carregue títulos sugestivos e sensuais. É uma grande pena.*** E isto muito me entristece também ***Trago ao luso obras diversificadas e aplaudidas no Recanto, eu as produzo com carinho e zelo, mas que nem são abertas aqui nem por brasileiros (coisa estranha).. estou quase a desitir também. Que pena!!!!

Um beijo azul

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...