Luso-Poemas
Registe-se agora!     Login

Links patrocinados



Utilidades

Consultar

Outros

Quem está aqui

174 visitantes online (96 na seção: Poemas e Frases)

Lusuários: 7
Leitores: 167

loftspell, Bambi, Antónia Ruivo, TrabisDeMentia, marilda, MarySSantos, cadso, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Crónicas : 

A IMPORTÂNCIA DO LEITOR

 



A liberdade de escolha (concordando ou não),
quanto às preferências, de leitura, de nossos leitores,
só a eles lhes assiste, enquanto a nós,
poetas, cabe-nos persistir, entre o amor e as injustiças,
nada omitindo ou floreando, ao deixar
de tratar as coisas, pelos seus próprios nomes, por mais
que doa, o retrato fiel e doloroso, que está por todo
o lado, para onde quer que nos voltemos.

Confesso (de maneira a ficar de bem, com a minha
consciência), que lendo as estatísticas, certo desgosto,
apodera-se de mim, ao reparar, de punho cerrado,
que os leitores, deixam de lado, sistematicamente, poemas
que falam ao mundo, sobre a triste e vergonhosa realidade,
de muitos países, assolados pela fome e pela guerra,
ficando assim sem saberem, o que se passa de facto,
para poderem formarem um ideia mais concreta, do mundo,
do qual todos nós fazemos parte, disso não olvidando nunca.
E ante a natural indignidade, espalharem a palavra, pelas
escolas, trabalho e amigos, lembrando-lhes que,
todos os cinco minutos, em África, morrem quatro crianças
inocentes, por má nutrição e falta de medicina, que nós, no
Ocidente e outros países desenvolvidos, temos de sobra.

Vejo também que, tudo que seja reflexão ou pensamento,
que apenas expõe, a opinião do poeta, e, a quem lê, toda a
liberdade, de dialogar consigo mesmo, reafirmando ou
ajustando, o que têm por certo, é coisa sem importância, para
a grande maioria dos leitores.
Assim mais inconformado fico, quando, perante, o que eu acho,
por injustificado (quem não lê, sobre todos os temas, fica a meio
caminho), consternado, vejo-me obrigado a aceitar, que apenas,
se dá atenção, a poemas, sobre sexo e amor, de alcova.

Mas como disse, livre é o leitor, ante aquilo, que resolve ler ou
simplesmente ignorar. Ao poeta, a responsabilidade, de um dia
vir a mudar tal situação, e, escrever, escrever sem parar, a
complexidade, deste nosso pequeno, mundo, mas que tanto
tem para nos dizer.
Por fim, para os mais acérrimos, nestas coisas da leitura, dizer-lhes,
que, sim senhor, também eu escrevo, sobre o amor, que de amor,
seria o mundo. Mas não é. Penso pois, caber-me algum respeito,
ao por mim delineado, sobre o que penso, deveria ser, a conduta,
a ter, de agora em diante, por todo o leitor, de poesia e demais escrita.

Jorge Humberto
08/05/09



Autor
jorgehumberto
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 1289
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
À BANALIZAÇÃO DA POESIA
AMAR A QUEM
E Nem Um Sorriso...
O Canto do cisne
Minhas mãos estão sujas
Aleatórios
ESTRO
APENAS PALAVRAS
O CICLO DA NATUREZA
GATO NO MURO
JUNTO AO CAIS
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 09/05/2009 18:44  Atualizado: 09/05/2009 18:44
 Re: A IMPORTÂNCIA DO LEITOR
Jorge,

O leitor é de máxima importância ao autor. É ele quem dá "valor" aos textos (por melhores ou piores que eles sejam).Quem escreve e publica em um meio de comunicação deseja ser lido, comunicar a outrem seus sentimento/pensamento. Caso contrário, deixaria seus escritos perdidos dentro de uma gaveta qualquer.
A liberdade de expressão casa com a de escolha de leitura.Desse "casamento" o leitor escolhe o que aprecia: se prosa ou poema e seus estilos.Ao autor que continue dando sua mensagem. Se um ou um milhão vão ler, depende do texto, do marketing pessoal ou do real interesse do leitor.
Muito bacana, lúcido e reflexivo teu texto.
Bjins, Betha.

Enviado por Tópico
SilviaReginaLima
Publicado: 09/05/2009 18:56  Atualizado: 09/05/2009 18:56
Colaborador
Usuário desde: 23/04/2009
Localidade: São Paulo - Brasil
Mensagens: 816
 Re: A IMPORTÂNCIA DO LEITOR
alo poeta
***
como vai, amigo?***Vc tem toda aa razão, ainda que a escolha seja sempre individual e intrasferível.. Mas é pena que o interesse por um título malicioso passe por cima de textos e poemas de boa categoria - que sequer são abertos e avaliados.. ou ainda que as pessoas só leiam os amigos ** ****************Perde a poesia, perde o leitor e muito o autor, que não pode ser avaliado em seu dom e obra, uma vez que nem uma chance ele tem.. Ninguém abre o poema que não carregue títulos sugestivos e sensuais. É uma grande pena.*** E isto muito me entristece também ***Trago ao luso obras diversificadas e aplaudidas no Recanto, eu as produzo com carinho e zelo, mas que nem são abertas aqui nem por brasileiros (coisa estranha).. estou quase a desitir também. Que pena!!!!

Um beijo azul

Login

Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Cadastre-se agora.

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...