Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

252 visitantes online (124 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 6
Leitores: 246

cavenatti, AlmaMater, Frederico , namastibet, marciocorrea, aquazulis, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Contos : 

História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada (Estupro)

Tags:  criança    estupro    acuso infantil  
 
História de Maria Flor
by Betha Mendonça

Parte II – Infância Roubada (Estupro)

A vida de uma criança sem nome que mora num prostíbulo é algo surreal: brincadeiras com roupas espalhafatosas e maquilagens ordinárias das mulheres. Perseguição a ratos e insetos que se instalavam sob as escadas e meia dúzia de brinquedos que por piedade um ou outro homem trazia e punha em minhas mãos.

Próximo de completar quatro anos veio morar conosco Samara, nove anos, sobrinha de umas das moças que perdera os pais assassinados. Ela passou a ir à escola. Além de brincar comigo ensinou-me as cores e rudimentos das letras e números.

Estava feliz com a sua companhia até que começamos a “brincar de homem”: ela beijava minha boca, meu tórax, partes íntimas e as manipulava de um modo esquisito entre gemidos. Era grande incomodo para mim. Pedia que a gente brincasse de outras coisas. Ela insistia que com o tempo eu ia gostar e que não devia contar para ninguém, pois os adultos não iriam deixar a gente se ver nunca mais. Com medo de voltar a ficar sozinha - sem ter de ninguém atenção - fiz segredo.

Foi nessa época que soube o que as meninas guardavam sob as calcinhas: vendo a intimidade de Samara e a minha própria através de um pequeno espelho. “Brincar de homem” tornou-se uma obsessão para nós duas. A todo oportunidade íamos para debaixo das escadas e lá ficávamos esquecidas...

Em uma das tardes sob as escadas fomos descobertas por um homem que malicioso nos espreitava. Depois, a uma por vez estuprou-nos. Samara não emitiu um som, pareceu gostar e não sangrou. Eu senti forte dor rasgando minhas carnes. Quis gritar. As mãos pesadas daquele homem machucavam-me a boca a ponto de eu quase sufocar. Senti no rosto ele babar-me um boi nojento antes de desmaiar de tanta dor.


Despertei ensanguentada na cama de Dinah que berrava palavrões e coisas inteligíveis... Que ia a polícia dar queixa... As outras prostitutas e a cafetã a demoliram de tal idéia: ia dar problemas. O prostíbulo ficaria visado e os clientes iam se afastar. Chamaram um médico de confiança que cuidou de mim e o caso foi abafado.

Dinah num frêmito maternal lembrou que tinha uma filha sem nome e no meio do chororô falou:

- A minha pequena flor. Tão nova e já despetalada.... A minha Maria Flor... Isso: amanhã registro a menina como Maria Flor Lins. Nada mal! Do sórdido episódio ao menos ganhei um nome...




Poema & Cia

Autor
Betha Mendonça
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 11780
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
Atrás do Espelho
Desenho
Feito Oração
Apanhador de Sonhos
Ainda uma vez, Ulisses
Aleatórios
Sonhos de Infância
Coração de Pipa
Canto da Loucura sem Cura
Carruagem de Anjos
Nossas Mãos
Favoritos
(Coisas de Menina...)dueto com Betha Costa - VónyFerreira
declaro-te - Azke
senhora dos perfumes - aquazulis
\\\'Bloody Mary\\\' - MarySSantos
BEIJO... - BEIJAFLOR
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Antónia Ruivo
Publicado: 08/08/2009 17:52  Atualizado: 08/08/2009 17:52
Colaborador
Usuário desde: 08/12/2008
Localidade: Vila Viçosa
Mensagens: 3906
 Re: História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada ...
Amiga, sem palavras, vou ler sim a história da Maria flor, mas vou ler em silêncio, beijinhos



Para todas as MariasClique para ver a imagem original em uma nova janela

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 08/08/2009 18:03  Atualizado: 08/08/2009 18:04
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6467
 Re: História de Maria Flor - Parte II p/ alentejana
Antónia,
A história reflete o cotidiano de muitas meninas, adolescentes e adultas jovens.É composta de apenas 10 partes que gostei muito de escrever.Obrigada pela leitura!
Bjins.

Enviado por Tópico
João Marino Delize
Publicado: 08/08/2009 17:55  Atualizado: 08/08/2009 17:55
Colaborador
Usuário desde: 29/01/2008
Localidade: Maringá-
Mensagens: 1934
 Re: História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada ...
Que trágico acontecimento. Acho que um estupro de
qualquer criança é bem pior do que a morte. Sou contra a pena de morte, mas nesses casos fico balançando sobre o assunto. Apesar de muito triste
gostei muito do seu texto.

Abraços

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 08/08/2009 18:09  Atualizado: 08/08/2009 18:09
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6467
 Re: História de Maria Flor - Parte II/ João Marino Delize
João,
A história é ficção baseada na realidade de muitas adolescentes, que em mais de 20 anos de pediatria já passaram pelos meus consultórios.Hoje há uma equipe multidisciplinar para cuidar dos aspectos clínicos, psicológicos e legais dessas meninas e suas famílias, mas infelizmente o problema se alastra pelo mundo.
Grata pela apreciação!
Bjins.

Enviado por Tópico
gil de olive
Publicado: 08/08/2009 18:58  Atualizado: 08/08/2009 18:58
Colaborador
Usuário desde: 03/11/2007
Localidade: Campos do Jordão SP BR
Mensagens: 5046
 Re: História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada ...
Um tema triste.Mas penso comigo que nessa história deve ter alguma parte com pequena alegria sim.Belo seu texto!

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 09/08/2009 04:47  Atualizado: 09/08/2009 04:47
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6467
 Re: História de Maria Flor - Parte II - gil de olive
É triste como às vezes é a realidade, Gil.
Essa história terá pouca alegria...
Obrigada!
Bjins, Betha.

Enviado por Tópico
(re)velata
Publicado: 08/08/2009 20:53  Atualizado: 08/08/2009 20:53
Colaborador
Usuário desde: 23/02/2009
Localidade: Lagos
Mensagens: 2094
 Re: História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada ...
Que bom que trouxeste de volta a Maria Flor! Já tinha lido e comentado este belíssimo texto, do qual sabes que gostei muito. Fico à espera do próximo episódio!

Beijinho

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 09/08/2009 04:49  Atualizado: 09/08/2009 04:49
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6467
 Re: História de Maria Flor - Parte II - (re)velata
Obrigada, Re!
Dessa vez tentarei postar a história completa. :)
Bjins,.

Enviado por Tópico
AnaCoelho
Publicado: 08/08/2009 20:58  Atualizado: 08/08/2009 20:58
Colaborador
Usuário desde: 09/05/2008
Localidade: Carregado-Alenquer
Mensagens: 11722
 Re: História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada ...
Uma história triste e real infelizmente tantas são as flores que ficam sem o seu aroma nesta forma.

Beijos

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 09/08/2009 04:50  Atualizado: 09/08/2009 04:50
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6467
 Re: História de Maria Flor - Parte II - AnaCoelho
É sim, Ana!
Agradeço a leitura e palavras!
Bjins.

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...