Luso-Poemas
Registe-se agora!     Login

Links patrocinados



Utilidades

Consultar

Outros

Quem está aqui

197 visitantes online (129 na seção: Poemas e Frases)

Lusuários: 13
Leitores: 184

Srimilton, Jmattos, Keithrichards, poetizando, Poemices, fernandamoreira, joakencor, jaber, Sedutora, Anggela, Jovina, cabide, Betha Mendonça, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Contos : 

História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada (Estupro)

Tags:  criança    estupro    acuso infantil  
 
História de Maria Flor
by Betha Mendonça

Parte II – Infância Roubada (Estupro)

A vida de uma criança sem nome que mora num prostíbulo é algo surreal: brincadeiras com roupas espalhafatosas e maquilagens ordinárias das mulheres. Perseguição a ratos e insetos que se instalavam sob as escadas e meia dúzia de brinquedos que por piedade um ou outro homem trazia e punha em minhas mãos.

Próximo de completar quatro anos veio morar conosco Samara, nove anos, sobrinha de umas das moças que perdera os pais assassinados. Ela passou a ir à escola. Além de brincar comigo ensinou-me as cores e rudimentos das letras e números.

Estava feliz com a sua companhia até que começamos a “brincar de homem”: ela beijava minha boca, meu tórax, partes íntimas e as manipulava de um modo esquisito entre gemidos. Era grande incomodo para mim. Pedia que a gente brincasse de outras coisas. Ela insistia que com o tempo eu ia gostar e que não devia contar para ninguém, pois os adultos não iriam deixar a gente se ver nunca mais. Com medo de voltar a ficar sozinha - sem ter de ninguém atenção - fiz segredo.

Foi nessa época que soube o que as meninas guardavam sob as calcinhas: vendo a intimidade de Samara e a minha própria através de um pequeno espelho. “Brincar de homem” tornou-se uma obsessão para nós duas. A todo oportunidade íamos para debaixo das escadas e lá ficávamos esquecidas...

Em uma das tardes sob as escadas fomos descobertas por um homem que malicioso nos espreitava. Depois, a uma por vez estuprou-nos. Samara não emitiu um som, pareceu gostar e não sangrou. Eu senti forte dor rasgando minhas carnes. Quis gritar. As mãos pesadas daquele homem machucavam-me a boca a ponto de eu quase sufocar. Senti no rosto ele babar-me um boi nojento antes de desmaiar de tanta dor.


Despertei ensanguentada na cama de Dinah que berrava palavrões e coisas inteligíveis... Que ia a polícia dar queixa... As outras prostitutas e a cafetã a demoliram de tal idéia: ia dar problemas. O prostíbulo ficaria visado e os clientes iam se afastar. Chamaram um médico de confiança que cuidou de mim e o caso foi abafado.

Dinah num frêmito maternal lembrou que tinha uma filha sem nome e no meio do chororô falou:

- A minha pequena flor. Tão nova e já despetalada.... A minha Maria Flor... Isso: amanhã registro a menina como Maria Flor Lins. Nada mal! Do sórdido episódio ao menos ganhei um nome...




♥ Poema & Cia



Autor
Betha Mendonça
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 10522
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
Canção Luso-Brasileira ( Multiculturalismo)
Luso-brasileiros Poemas
Chá de Acadêmicos
O Luso Poemas é Grande Pasto
Menino Júlio - Júlio Saraiva
Aleatórios
Luso-brasileiros Poemas
Microcontos ou Micronarrativas
Olho D’água
Fim de Festa
Oração Para Nossa Senhora das Dores de Cotovelo
Favoritos
ó meu Deus - aquazulis
SINGELA CANÇÃO - Título: SINGELA CANÇÃO - Autoria: Alexis (Maria Alexandra Cruz Mendes) - zésilveiradobrasil
... além do teu olhar, - AlmaMater
Ablação - MarySSantos
BEIJO... - BEIJAFLOR
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Antónia Ruivo
Publicado: 08/08/2009 17:52  Atualizado: 08/08/2009 17:52
Colaborador
Usuário desde: 08/12/2008
Localidade: Vila Viçosa
Mensagens: 3860
 Re: História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada ...
Amiga, sem palavras, vou ler sim a história da Maria flor, mas vou ler em silêncio, beijinhos



Para todas as MariasClique para ver a imagem original em uma nova janela

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 08/08/2009 18:03  Atualizado: 08/08/2009 18:04
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade: Belém-PA-Brasil
Mensagens: 6218
Online!
 Re: História de Maria Flor - Parte II p/ alentejana
Antónia,
A história reflete o cotidiano de muitas meninas, adolescentes e adultas jovens.É composta de apenas 10 partes que gostei muito de escrever.Obrigada pela leitura!
Bjins.

Enviado por Tópico
João Marino Delize
Publicado: 08/08/2009 17:55  Atualizado: 08/08/2009 17:55
Colaborador
Usuário desde: 29/01/2008
Localidade: Maringá-
Mensagens: 1850
 Re: História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada ...
Que trágico acontecimento. Acho que um estupro de
qualquer criança é bem pior do que a morte. Sou contra a pena de morte, mas nesses casos fico balançando sobre o assunto. Apesar de muito triste
gostei muito do seu texto.

Abraços

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 08/08/2009 18:09  Atualizado: 08/08/2009 18:09
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade: Belém-PA-Brasil
Mensagens: 6218
Online!
 Re: História de Maria Flor - Parte II/ João Marino Delize
João,
A história é ficção baseada na realidade de muitas adolescentes, que em mais de 20 anos de pediatria já passaram pelos meus consultórios.Hoje há uma equipe multidisciplinar para cuidar dos aspectos clínicos, psicológicos e legais dessas meninas e suas famílias, mas infelizmente o problema se alastra pelo mundo.
Grata pela apreciação!
Bjins.

Enviado por Tópico
gil de olive
Publicado: 08/08/2009 18:58  Atualizado: 08/08/2009 18:58
Colaborador
Usuário desde: 03/11/2007
Localidade: Campos do Jordão SP BR
Mensagens: 4945
 Re: História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada ...
Um tema triste.Mas penso comigo que nessa história deve ter alguma parte com pequena alegria sim.Belo seu texto!

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 09/08/2009 04:47  Atualizado: 09/08/2009 04:47
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade: Belém-PA-Brasil
Mensagens: 6218
Online!
 Re: História de Maria Flor - Parte II - gil de olive
É triste como às vezes é a realidade, Gil.
Essa história terá pouca alegria...
Obrigada!
Bjins, Betha.

Enviado por Tópico
(re)velata
Publicado: 08/08/2009 20:53  Atualizado: 08/08/2009 20:53
Colaborador
Usuário desde: 23/02/2009
Localidade: Lagos
Mensagens: 2094
 Re: História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada ...
Que bom que trouxeste de volta a Maria Flor! Já tinha lido e comentado este belíssimo texto, do qual sabes que gostei muito. Fico à espera do próximo episódio!

Beijinho

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 09/08/2009 04:49  Atualizado: 09/08/2009 04:49
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade: Belém-PA-Brasil
Mensagens: 6218
Online!
 Re: História de Maria Flor - Parte II - (re)velata
Obrigada, Re!
Dessa vez tentarei postar a história completa. :)
Bjins,.

Enviado por Tópico
AnaCoelho
Publicado: 08/08/2009 20:58  Atualizado: 08/08/2009 20:58
Colaborador
Usuário desde: 09/05/2008
Localidade: Carregado-Alenquer
Mensagens: 11670
 Re: História de Maria Flor - Parte II - Infância Roubada ...
Uma história triste e real infelizmente tantas são as flores que ficam sem o seu aroma nesta forma.

Beijos

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 09/08/2009 04:50  Atualizado: 09/08/2009 04:50
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade: Belém-PA-Brasil
Mensagens: 6218
Online!
 Re: História de Maria Flor - Parte II - AnaCoelho
É sim, Ana!
Agradeço a leitura e palavras!
Bjins.

Login

Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Cadastre-se agora.

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...