Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

197 visitantes online (100 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 6
Leitores: 191

ManoelDeAlmeida, sendoluzmaior, Caio, MarySSantos, Carolina, Paulo Gondim, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Crónicas : 

Velório

Tags:  humor    cronica    velório  
 
Velório
by Betha Mendonça

Em torno das onze horas da manhã, calor de 38ºC, eu chego cansadíssima em casa e dou com meu marido agitado:

- Até que enfim a senhora chegou!Exclamou com as mãos na cintura como se fosse um açucareiro gigante.

- Hain? O que o SENHOR está fazendo em casa a essa hora? Retruquei.

- O Doutor Marcondes Cavalcante morreu!

- E? Continuei…

- Como “e”? Um membro do primeiro escalão do Tribunal de Justiça morre e me perguntas “e”?

- Ah, desculpa!Meus pêsames!Não sabia que vocês eram tão próximos!Falei com ar contrito.

- Pensa mulher!Eu só conhecia o homem de foto e das decisões importantes que ele tomava em função do cargo! Todo mundo foi intimado para ir ao velório. Só eu ainda estou aqui te esperando. Disparou andado de um lado para o outro da sala.

- Socorrrrrro! Fiquei loura!Não estou a entender nada!Me esperando? Indaguei.

- Vamos encurtar a conversa: pelo amor de Deus, troca de roupa que preciso que me acompanhes ao velório. Pronto!

- Aaaahhh… Calada, eu corri para quarto. Após rápida ducha, maquilagem e trajes discretos volto para sala:

- Agora fazemos uma boquinha e podemos ir!Disse satisfeita com minha agilidade.

- Não há tempo para boquinha!

- Mas… Mas… Estou com fome… Choraminguei.

- Larga de manha, mulher!Estamos atrasados e essa roupa toda branca?Deixa pra lá… Vamos e puxou-me porta a fora.

- Que tem a minha roupa branca? Perguntei com vontade de atiça polêmica.

- Podias ter vestido algo preto ou marrom… Sei lá!…

- Vou ao velório de um total desconhecido para mim e ainda tenho que ir de preto? Sabias que branca é a cor do luto na Índia? Além do mais vou voltar ao trabalho… Vestida de preto as criancinhas vão chorar com medo que eu seja um enorme corvo ou urubu.

- Eita mulher tagarela! Dá para ficar calada até chegarmos ao Tribunal? Preciso entrar no clima de comoção.

- Dá! Falei dando-me por vencedora.

O Tribunal Federal de Justiça estava lotado de autoridades civis, militares e eclesiásticas. Jornalistas e hordas de pessoas ligadas à justiça ou não transitavam no local.

O morto ilustre era velado no Salão Nobre. Caixão cercado por soldados com fardas bonitas e tantas coroas de flores que dava até para um alérgico cair duro com um choque anafilático!

Após dar condolências para parentes e aderentes ficamos com um grupo de colegas e cônjuges do meu marido. Um garçom servindo canapés aproximou-se. Esfomeada, estendi a mão para pegar um e meu marido sussurrou entre dentes:

- Nem pensar! Comer canapé em velório é “mico”!Imediato eu baixei a mão. Agradeci ao garçom com um sorriso amarelo e o estomago roncando de fome.

Enquanto o Arcebispo Metropolitano encomendava o corpo e puxava um terço, tudo começou a misturar-se dentro de mim: o cheiro da parafina das velas, das flores, a fumaça, os choros, as vozes, o vermelho do tapete… A fome… O roxo no esquife… A fome… O negro das vestes… A fome… O branco do véu sobre o defunto… A fome… A fome… E despertei no Setor Médico do Tribunal com um soro glicosado na veia! Meu querido marido apavorado de ter que enfrentar mais um velório... Isso é que foi “mico” num ambiente tão importante!



Poema & Cia

Autor
Betha Mendonça
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 2661
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
Bem-te-vis e Sanhaços
Tudo Azul ao Norte
Meeira
Temperamento
Amor & Espaço
Aleatórios
Poeta e Homem - Maria Verde
Sono e Vigília
Memórias de Uma Insana XI – Ala Três
A Um (A) Braço de Distância
Um Poema de Amor
Favoritos
como se fosse anêmona - MarySSantos
... além do teu olhar, - AlmaMater
universo de todos os dedos - Vania Lopez
\\\'Bloody Mary\\\' - MarySSantos
Ablação - MarySSantos
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 22/08/2009 16:40  Atualizado: 22/08/2009 16:40
Colaborador
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9701
 Re: Velório
Betha, fico-te a dever inúmeras gargalhadas que este texto conseguiu arrancar de mim.
Menina, tu és "imbatível" a escrever este tipo de texto humorístico, onde a realidade se confunde com os nossos pavores.
Odeio velórios. Apavora-me o cheiro das velas e o odor entranhado das flores. Tu desmistificas de uma forma soberba esse lado da vida, fazendo-nos sorrir, o que é fantástico!

Destaco... "Vestida de preto as criancinhas vão chorar com medo que eu seja um enorme corvo ou urubu."
Quando precisar de rir um pouco de mim e da vida, venho aos favoritos e releio-te aqui...
Bjs, "sua doidona"!

Vóny Ferreira

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 22/08/2009 22:25  Atualizado: 22/08/2009 22:25
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6355
 Re: Velório
Já havia te dito que tinha a idéia de uma crônica sobre velório que divertisse...Pelo jeito: idéia cumprida!
Obrigada garota!
Bjins

Enviado por Tópico
HelenDeRose
Publicado: 22/08/2009 17:02  Atualizado: 22/08/2009 17:02
Administradora
Usuário desde: 06/08/2009
Localidade: Sorocaba - SP - Brasil
Mensagens: 1951
 Re: Velório
rs...odeio velórios...rs mas esta sua crônica esfomeada, revirou o meu estômago de rir...só vc mesmo!...coisas de capricornianas....adorei ler. Bjs.

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 22/08/2009 22:27  Atualizado: 22/08/2009 22:27
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6355
 Re: Velório
Amada,
Dindinha também odeia participar de velórios: é "um trabalho chato", mas alguém tem que fazer, né?
Legal que curtiste esse humor capricorniano! :)
Bjins

Enviado por Tópico
Edilson José
Publicado: 22/08/2009 17:31  Atualizado: 22/08/2009 17:31
Colaborador
Usuário desde: 12/04/2008
Localidade: SP
Mensagens: 5572
 Re: Velório
Assim minha amiga... Onde quer que se meta( em escrita,rs) sempre sai boa coisa.
Excelente.
Parabéns
Abraço
Edilson

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 22/08/2009 18:11  Atualizado: 22/08/2009 18:31
 Re: Velório
Betha,

Detesto velórios mas não resisti em ler-te e participar desse aqui....rs...
Ficou simplesmente fantástico.
Gosto muito dessa tua diversidade na escrita.

Bj
Ana

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 22/08/2009 22:49  Atualizado: 22/08/2009 22:49
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6355
 Re: Velório p/ Cherry
A diversidade é possibilidade da escrita e aprecio brincar com ela.
Obrigada!
bjins

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 22/08/2009 22:29  Atualizado: 22/08/2009 22:29
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6355
 Re: Velório p/ Edilson José
Obrigada, Dill.Gosto da diversidade de composições que a escrita proporciona.:)
bjins

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 22/08/2009 18:30  Atualizado: 22/08/2009 18:30
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 16199
 Re: Velório
Ainda rindo aqui...
antes de terminar de ler pensei ela vai morrer nesse funeral, rs!
Definitivamente em funerais se acontecem as melhores coisas e situações!

Vania

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 22/08/2009 22:31  Atualizado: 22/08/2009 22:31
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6355
 Re: Velório p/ Vania
Aqui foi apenas exercício de imaginação e exposição de "ocorrências" em velórios.Sem dúvida: nesse ambiente acontecem fatos insólitos.
Grata!:)
bjin

Enviado por Tópico
arfemo
Publicado: 22/08/2009 20:24  Atualizado: 22/08/2009 20:24
Colaborador
Usuário desde: 19/04/2009
Localidade:
Mensagens: 4812
 Re: Velório
Olá Betha, estou regressando e logo para o seu velório (salvo seja! como é uso dizer-se por estas bandas). Excelente descrição da multiplicidade e contraditórias sensações que se nos deparam nesses eventos, com aquele acento delicioso do Brasil. Humor e bom gosto, que bom...

Bjns
arfemo

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 22/08/2009 22:33  Atualizado: 22/08/2009 22:33
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6355
 Re: Velório p/ arfemo
Bom regresso, amigo!
Obrigada pelas palavras e participação no meu velório.
Bjis

Enviado por Tópico
ângelaLugo
Publicado: 22/08/2009 21:06  Atualizado: 22/08/2009 21:06
Colaborador
Usuário desde: 04/09/2006
Localidade: São Paulo - Brasil
Mensagens: 14538
 Re: Velório p/ Betha_M_Costa
Ai...Amiga Betha

Quase passei este teu texto pelo título
porque não gosto de velórios, mas quando
comecei a ler o riso não consegui conter
Excelente...Parabéns!

Beijinhos no coração

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 22/08/2009 22:34  Atualizado: 22/08/2009 22:34
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6355
 Re: Velório p/ ângelaLugo
Minha querida,
Eu também ria enquanto escrevia.Muito obrigada!
Bjins

Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 22/08/2009 22:29  Atualizado: 22/08/2009 22:29
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 10832
 Re: Velório
Betha,
Dá gosto passar por aqui e ler tal a destreza com que falas sempre com o maior humor de temas do quotidiano.
Divinamente hilariante.
Beijinhos na alma
Nanda

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 22/08/2009 22:37  Atualizado: 22/08/2009 22:37
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6355
 Re: Velório p/ Nanda
O cotidiano é cheio de histórias, amiga.Algumas podem ser alegres ou triste de acordo o nosso olhar ou humor.
Gratíssima!
Bjins

Enviado por Tópico
Carlos Ricardo
Publicado: 22/08/2009 22:48  Atualizado: 22/08/2009 22:48
Colaborador
Usuário desde: 28/12/2007
Localidade: Penafiel
Mensagens: 1651
 Re: Velório
Não ri. Pasmei. Um texto de qualidade invulgar. Betha revelando o seu talento.
Quando aparecer alguém que diga que gosta de velórios, p.f. avisem-me. Deve ser uma anormalidade

Abraço

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 22/08/2009 22:51  Atualizado: 22/08/2009 22:51
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6355
 Re: Velório p/ Carlos Ricardo
Com o contagiante sorriso no teu avatar não tenho dúvidas, Carlos! :
Obrigada!

Enviado por Tópico
Alexis
Publicado: 22/08/2009 22:55  Atualizado: 22/08/2009 22:55
Colaborador
Usuário desde: 29/10/2008
Localidade: guimarães
Mensagens: 7254
 Re: Velório
tens muito sentido de humor,betha!gosto disso numa pessoa.obrigada pelas risadas que dei.

beijinho,
alex

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 22/08/2009 22:59  Atualizado: 22/08/2009 22:59
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6355
 Re: Velório p/ Alexis
Obrigada pelas palavras e gargalhadas, Alexis!
bjins

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...