http://spumis.pt/
 
Textos : 

O CAVALEIRO INEXISTENTE - Italo Calvino

 
Acabei de ler Italo Calvino, O Cavaleiro Inexistente, o livro é simples, tão simples que pode ser lido por qualquer um e achado como um belo conto, fez-me lembrar em certos momentos de Zadig, de Voltaire, pelo menos no aparente desinteresse com que se mostram traçados.
O Cavaleiro Inexistente, fim da trilogia Os Nossos Antepassados, apresenta Carlos Magno numa das suas campanhas, sem sentido, o que percebemos posteriormente através de uma batalha com uma decorrência sem lugar e sem sentido, rodeado de personagens tão reais como fantásticos, uma alegoria fabulosa e bem divertida, podendo-se situar entre a política, a religião, o dia-a-dia e o comum, e pode, de igual modo, abarcá-los a todos.
Carlos Magno não é o foco do livro, mas uns tantos personagens caricatos: um cavaleiro que não existe, mas que não estranha a ninguém, pois está ali e não precisa de existir para que o conheçam; um escudeiro que não sabe se existe, que julga que é tudo o que vê, menos ele próprio; uma mulher que não quer mais nenhum homem, apenas o cavaleiro que não existe, e que para isso entra em guerras sangrentas e batalha até melhor que muitos homens; um ingénuo que quer vingar a morte do pai e se apaixona pela nossa mulher perdida; e um sensato, o único que consegue contestar a (in)existência do cavaleiro… Ah, ainda temos uma freira aborrecida, que nos conta essa história, dizendo ser a sua penitência, não uma vontade de alcançar a glória dos cronistas. Enfim, estas seis personagens conseguem resumir o absurdo das nossas buscas e da forma como temos confundido as nossas certezas.
Eu podia estabelecer várias comparações entre O Cavaleiro Inexistente e a nossa existência, mas não o faço, só recomendo o livro, com garantia de que é uma bela leitura, senão pela sua profundidade, pela sua simplicidade. Vou transcrever uma passagem:

[...]Assim, desde sempre, o jovem corre para a mulher: mas é bem o amor que ela lhe inspira? Ou não é antes o amor por ele próprio, a busca de uma certeza de existir que só a mulher lhe pode dar? Corre e enamora-se o jovem, duvidando de si mesmo, feliz e desesperado; para ele a mulher é esta presença incontestável, e só ela pode dar-lhe a prova desejada. Mas também a mulher está e não está ali: ei-la, assim como ele, ansiosa e insegura. Como é que o jovem não se apercebe disso? Que importa qual entre os dois é o mais forte ou o mais fraco? Estão à mesma altura. Mas o jovem não sabe porque não quer saber: o que ela deseja, avidamente, é a mulher que existe, a mulher indubitável. Ela ao contrário sabe mais coisas; ou menos; de qualquer forma sabe outras coisas.[...]

[...]Começa-se a escrever com todo o ânimo, mas chega a uma altura em que a pena não risca mais que uma gota poeirenta e não escorre nem uma de vida. E a vida está toda lá fora, para além da janela, longe de ti, e parece que nunca mais poderás refugiar-te na página que escreveste, abrir um outro mundo e lançar-te nele. Talvez seja melhor assim; talvez, quando escrevia com alegria, não fosse milagre nem graça, mas pecado, idolatria, soberba. Então, estou fora? Não, escrevendo não me tornei melhor, apenas dissipei um pouca, a ansiosa e inconsciente juventude. Que me valerão estas páginas descontentes? O livro, o voto, não valerão mais do que tu? Nunca disse que escrevendo se salva a alma. Escreve, escreve, e a tua alma já está perdida.
[...]


Enfim, excedi-me, mas resumindo, o livro é um espectáculo literário, e quem nunca o leu deve fazê-lo, que terá bem usado o seu tempo.


Marinho de Pina



________________________________________________
[size=small]Se te comentei, subentenda-se que gostei do texto, logo não preciso dizer que gostei.

Se não te comentei, possívelmente não te li, ou então não sei dizer nada sobre...

 
Autor
Marinheski
 
Texto
Data
Leituras
5014
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Siljo Paipe
Publicado: 27/08/2009 00:02  Atualizado: 27/08/2009 00:02
Da casa!
Usuário desde: 12/09/2007
Localidade:
Mensagens: 202
 Re: O CAVALEIRO INEXISTENTE - Italo Calvino
não prometo ler para breve "O Cavaleiro Inexistente" mas gostei deste teu conselho. olhando para as minhas prateleiras proponho-te, se ainda não leste, "Homem Invisível" - Ralph Ellison e "Cadernos do Subterrâneo" - Fiódor Dostoiévski.

abraços
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...