http://spumis.pt/
 
Crónicas : 

O TRABALHO DIGNIFICA?

 
Ainda era eu de leite quando me começaram a ensinar que o trabalho dignifica o homem. Cresci a ouvi-lo sempre que a certa altura passei a acreditar. Também que saída tinha?, todo o mundo acreditava!!! Todavia, não sei por quê, mas não me preocupava muito com o trabalho, eu ainda era puto e não um homem.

Entretanto, hoje digo que essa frase foi criada simplesmente para meter a todos à forca, adornando-lhes a garganta com uma corda, mas sem que ninguém reclame. Vamos ver o que é trabalho!

O trabalho não é o esforço físico, não, raios!, que simples era se assim fosse. O trabalho siginifica estares a matar-te para enriquecer outra pessoa em troca de um salário - proletariado. O trabalho é aceitares a tua condição de escravo e ainda ficares grato. O trabalho é o grande inimigo da família. E a família, meus amigos, é hipocritamente considerado o núcleo fulcral da sociedade, o órgão que sustenta as sociedades e estabiliza-as. Por isso, não compreendo como é que governos que, nos seus planos e orçamentos, sobrevalorizam muito a família são a favor do trabalho. Contraditório.

O trabalho define-se por um hipotético mínimo de oito horas diárias longe da família (sem contar com o tempo de ida e de vinda), o que gera pais e filhos que se cruzam só aos fins de semanas, maridos e mulheres que vão para a cama juntos só nas férias e nos feriados, porque os horários são incompatíveis, porque têm que ir dormir às duas para acordar às seis; o que se traduz em:
- filhos com pais presentes constantemente ausentes que manifestam a sua revolta atacando os professores, onde vêm a débil substituição paterna (agressão deslocada);
- jovens cada vez mais mal educados (não culpabilizo aqui as escolas e intituições de ensino, que como todos sabem não educam, apenas instruem) e cada vez mais drogados e sem norte;
- estabilidade social cada vez mais fictícia;
divórcios em alta escala (esposos que não se vêm acabam por criar maiores laços com colegas de trabalho, sendo evidente a traição e a ruptura do lar);
- criminalidade em alta por causa da disparidade de classes sociais.
Eu sei que os pontos que fiz podiam ser acreditados ao sistema económico e não ao trabalho, e possivelmente sim, pois o sistema económico é que dita o modo de trabalho e de recompensa. Eis a dialéctica marxista: abolir a classe, pois essa constante substituição não ajuda: saiu-se da parelha senhor/escravo para feudal/servo da glebe para empresário/empregado, e o que é que mudou? NADA!!!!

Precisamos é de um novo primeiro de Maio, qual o que aconteceu em Chicago não me lembro em que ano, que nos reduziu a pena para estas fingidas 8h/dia, para termos mais horas com a nossa família.

Já perguntaram porque razão o horário escolar é praticamente 8 horas, como os nossos trabalhos? Porque o governo sabe que têm que ocupar os nossos filhos com alguma coisa para que possamos nos dedicar de cabeça fria a torná-los mais ricos e potentes? Preocupam-se connosco os governos?, com os nossos filhos?, niente, nothing, rien, nada. Estamos num sistema "monetarista", amigos, o que importa é a conta bancária, não as pessoas.

Ninguém nos vai tirar da escravatura a não sermos nós. Enquanto não tomarmos consciência e passarmos a ensinar aos nossos filhos que o trabalho não dignifica, mas ecraviza e a agirmos nesse sentido e não nos deixarmos ser escravizados (pelo menos com a pesada pena que nos impõem agora), tenho pena dos nossos bisnetos, pois continuarão no mesmo inferno que nós.

O que é necessário valorizar são os nossos esforços e reconhecer a nossa dignidade, e pararmos de aceitar que nos vendam patranhas. O trabalho não dignifica, o homem é que se dignifica a si.



Marinho de Pina



________________________________________________
[size=small]Se te comentei, subentenda-se que gostei do texto, logo não preciso dizer que gostei.

Se não te comentei, possívelmente não te li, ou então não sei dizer nada sobre...

 
Autor
Marinheski
 
Texto
Data
Leituras
2796
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...