FELIZ NATAL!

 
Natal é tempo de reflexão, partilha e fraternidade. Que este clima seja a base para que possamos encontrar a felicidade e a paz. Feliz Natal!
 
FELIZ NATAL!

Carta ao Presidente

 
Senta aqui;
Diz-me o que está acontecendo
Lá fora pessoas aos milhões estão morrendo
Brancos, amarelos, pretos, negros...

Olha aqui;
E veja você mesmo
Estes meus dedos absurdos escrevendo
Eu falo da guerra, da ditadura, da fome e o medo...

Veja aqui;
Olhe o que os jornais estão dizendo
Por aí neste País a economia está crescendo
O Oriente Médio se tornou um novo gueto...

Que faremos com os dólares vermelhos?
Manchados pelo sangue iraquiano;
A gana pelo petróleo alheio;
Porque que as Américas se dividem ao meio?
Não basta Hitler e seu mar de sangue
E agora Bush e sua gangue...
Juntos sois pra sociedade cianureto

Somos judeus ressuscitados
Morreremos pela segunda vez;
Ao ler esta carta Senhor Presidente
Queira desconsiderá-la.

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
São Paulo, Março de 2005 no dia 24.
 
Carta ao Presidente

Enigma do Amor

 
Elevo meus olhos à formosura do teu rosto, a observar cada movimento dos teus olhos, que parados fingem não olhar para os meus. Compreendo, pois aí está uma resposta na qual me pergunto; como enganar um sentimento? Foi olhando para os teus olhos que descobri um sentimento de malícia, o brilho surpreendente de um olhar assustado, querendo amar... Descobri que existe um motivo forte para desejá-lo, olhando em teus cabelos então encontrei inspiração, longos cabelos como a noite que se perde na escuridão. Observando seu corpo eu me perdi quando me salta uma vontade louca de possuí-la. Você veio não sei bem de onde, só sei que me fez amar, tuas palavras são como correntes que me cerram em um labirinto de prazer. Admira-me como quer, sem que eu possa me defender, sou escravo das tuas insinuações, me devoras com voraz preenchimento... Neste calabouço, procuro pelo meu subconsciente, mas não o encontro por estarem perdidos nos teus desejos. Procuro forças em meu corpo surrado, consumido pela vontade de te amar, paro então para pensar se me resta ao menos a vida, pois até ela perdi, e sei que não haverá retorno, porém se não mais retornar é por que a ti tenho entregado a vida, estarei amordaçado e feliz, não mais vou precisar lutar com minha própria vida para ter a sua.

*** Carta de um homem que perde a lucidez ao imaginar estar amando a mulher amada. ***

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
Itaquaquecetuba, Janeiro de 1990 no dia 02.
 
Enigma do Amor

Ainda sobre os meus 50 anos.

 
Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos. Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões de confrontações, onde tiramos fatos a limpo. Detesto fazer acareação de desafetos que brigam por um majestoso cargo qualquer.

Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: “as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos”.

Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa... Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente andar ao lado do que é justo.

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.

O essencial faz a vida valer a pena.
 
Ainda sobre os meus 50 anos.

Conjectura Leviana

 
Hoje acordei pensativa, talvez duvidando da minha própria imagem
Ao olhar o meu rosto no espelho da imaginação, procurei-me dentro de mim
Encontrei-me em um semblante sincero e sofrido, que apesar de abatido brilhava como luz intensa;
Então me perguntei o porquê desta tua conduta leviana;
Quando sentastes perante o tribunal das ilusões e fizestes um pré-julgamento em tua consciência
Não te importastes com o meu direito de defesa
Ao contemplar o meu semblante diga-me o que é que o teu olho te traduz?
Por ventura te acredita o que vês em tua frente?
Como podeis julgar a beleza de uma rosa sem amenos sentir o seu perfume
Não reconheces o ouro quando pisa os teus pés?
Por não teres a capacidade de antes tentar lapidá-lo;
Deixando assim escapar o brilho pelas tuas mãos
Quem és tu que observa e julga aparências?
Ou tens a soberba em teu peito a ponto de dizeres que em tua vasta jornada conheces o segredo de uma mulher?
Então me diga o que sinto quando olhas em meus olhos?
Quando toca as feridas no meu corpo?
Com toda a tua experiência não ouvistes dizer que o caráter é a porta da razão;
Colocastes-me diante de falsos juízes, recém formados na escola da vida
Entregastes-me nas mãos de promotores desonestos, quão colecionavam derrotas em seus currículos questionáveis não reconhecidos perante a sociedade da razão;
Porém como advogado de defesa, a ti, apresentou a transparência de minha alma
E não encobri da tua visão o que vestia o meu exterior
Porém na tua indulgência, não destes a ti mesmo a oportunidade de buscar no mais profundo oceano do coração de uma mulher as chaves para abrir um baú de sonhos;
Não acreditastes em teu potencial ao ignorar a tua própria reputação
Planejastes um cortejo fúnebre em teus pensamentos, a menos que tenhas enterrado a ti mesmo em tua própria concupiscência;
Lembre-se ao entrar em juízo pela aparência de uma mulher, por mais que tenhas uma promotoria competente, baterás de frente com a derrota;
Saberás que jamais poderão condenar os sentimentos de uma mulher, por não terem provas o suficiente, e mesmo que testemunhes falso, não poderão entrar em um coração para julgar o que ele sente;
Se passares por mim e não me veres, não voltes a procurar por mim novamente;
Estarei escondida nos mínimos detalhes ignorados pela pobreza dos teus olhos.

Carta oferecida há certo Sr Advogado, após ignorar certa pessoa pela sua aparência em decorrência ao seu caráter. Em defesa de C. Ribeiro dos Santos.

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
Itaquaquecetuba, Abril de 2002 no dia 18.
 
Conjectura Leviana

Não sei explicar a Saudade

 
Não sei explicar a dor que sinto, mas sei que é forte;
Não sei explicar o amor que sinto, mas sei que me consome. Minha paciência me incomoda, já não posso mais esperar aqui sozinho. Alguma coisa acontece comigo, tira a minha paz por completo, deve ser a paixão. Por que ficarmos um longe do outro, quando desejamos os mesmos sonhos, para que o orgulho ferido se possamos nos entregar sem medo de se machucar. Não devemos guardar segredos, pois sabemos que fomos feitos um para o outro, e não há nada que possa mudar este destino que nos une um ao outro. Não podemos fugir daquilo que é a nossa própria vida, não existe outro lugar, nem outro mundo, eu já procurei, eu já estive lá, e não encontrei amor, somente a solidão esculpida em meu rochoso coração, que se fez como pedra para não mais sofrer. Acho que nasci para viver só, quando não sei explicar o que sinto, a minha cama tem lugar para dois, eu e a solidão. Não sei explicar a saudade, pois perdi a minha identidade, talvez eu viva para explicar a minha verdade, onde eu vivo mentindo que não te amo, para nunca mais sofrer.

*** Carta de um homem à beira da esquizofrenia ***

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
São Paulo, Julho de 1987 no dia 06.
 
Não sei explicar a Saudade