Momentos

 
Momentos
 
TUDO NA VIDA SE PASSA EM MOMENTOS,
MOMENTOS DE ALEGRIA, DE SOLIDÃO.
MOMENTOS SÃO APENAS ISSO, MOMENTOS!
MAS NO ENTANTO, OS MELHORES MOMENTOS,
SÃO SEMPRE COM AQUELES QUE NUNCA NOS ABANDONAM
OS VERDADEIROS AMIGOS, OS LEAIS.
AS PESSOAS LEAIS, LEAIS AOS OUTROS
LEAIS AOS SEUS PRINCÍPIOS
LEAIS A VERDADE, NO FUNDO LEAIS À VIDA
A VIDA QUE É FEITA DESSES MESMOS MOMENTOS
MOMENTOS DE ALEGRIA, MOMENTOS DE SOLIDÃO
PORQUE SIM, ESTAMOS TRISTES QUANDO ENFRENTAMOS
SOZINHOS O MUNDO, E ISSO TEM APENAS UM NOME
SOLIDÃO!

PARA TODOS OS MEUS AMIGOS LEAIS UM ABRAÇO!
PARA TODAS AS PESSOAS LEAIS O MEU APREÇO!
 
Momentos

o que realmente preciso?

 
o que realmente preciso?
 
Peço á Lua que me ajude

Neste estado de ansiedade

Responde-me que nada pode fazer

Com este sentimento

Que se chama saudade!

Peço às estrelas para brilharem,

Para me fazerem companhia

Mas já nada resulta

Para afastar a melancolia

Peço ao Sol para aparecer

Que afaste o cinzento do meu caminho

Mas ele nada pode fazer…

Pois também se sente sozinho.

o que realmente preciso?

Sei-o bem, sei-o de cor

É de ti, dos teus beijos e abraços, do teu amor…

Do que me dás, do teu carinho!

E assim tenho a resposta para tudo,

A solução tão procurada

E a única coisa que eu quero mesmo,

É por um anjo ser muito amada

Esse anjo que aparece

Quando na noite brilha a Lua

As estrelas dançam felizes

E eu sei que sou só tua…
 
o que realmente preciso?

A Covardia de não ter te Amado

 
Eu te amo! Muito tempo depois de ouvir esta frase dos teus lábios, ainda busco entender o porquê de tê-la deixado. Quando o amor dominava os nossos sentimentos, eu deixei que o orgulho imperasse em meu pensamento e falasse mais alto que a razão. Ainda me lembro dos tempos que ainda sozinho caminhava como criança que brinca no quintal, e ao abrir o portão com dificuldade, entrava para um mundo de imaginações. Foi um erro subestimar as tuas vontades, você teimava em mostrar o seu mundo, ele era puro e ao mesmo tempo sonhador.
Eu insistia em caminhar na realidade onde pedras duras machucavam meus pés. Eu te via com os olhos da carne, quando devia te ver com o coração. Talvez estivesse nos preparando para o futuro, então eu não percebia que o tempo era meu maior inimigo.
Achei que a distância pudesse te oferecer outros valores, e na tua ausência deixei que minha cabeça virasse um alçapão, ele era farta de pensamentos confusos, intermináveis solidão nas madrugadas em meu quarto. Fui um covarde e não lhe dei a menor chance quando voltastes aos meus braços. Como castigo hoje vivo sozinho eu e a solidão, e não há que possa me fazer sorrir como outrora.
Vivo das lembranças dos teus beijos, e só eu sei por que vivo, por que o ar que respiro é combustível, muito tempo depois de ouvir dos teus lábios eu te amo.

*** Carta escrita por um homem que perdeu seu amor por causa do seu próprio orgulho. ***

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
Itaquaquecetuba, Janeiro de 1998 no dia 19.
 
A Covardia de não ter te Amado

O Despertar de um Sentimento

 
Teus lábios me fez acordar de um profundo sono, há tempos havia descansado na monotonia dos meus pensamentos. Já não encontrava palavras para expor meus sentimentos, meus lábios estavam mudos, e descansava no som suave de uma música que parecia jamais terminar. O tempo cobriu de teias o meu coração, eu já não sentia mais... O fogo brando da lareira aquecida, já não aquecia a minha alma. Julgava morto o meu corpo, consumido pela lembrança de um beijo. Andei tanto tempo sozinho, quando na verdade nem mesmo sai do lugar, busquei tanto por um objetivo, e agora descobri que estava tão perto de mim. É um tanto certo perigoso este sentimento, não quero ter que acordar assim Derrepente e não suportar a saudade, e tudo que conquistei estará arquivado num diário de palavras esquecidas. Prefiro ter que te olhar pelo espelho, viver dos reflexos dos teus beijos. Terei na memória as lembranças dos teus cabelos molhados, eu já nem saberia como afagá-los. Tenho medo de acordar ao som de tuas palavras doces, e me seduzir com o leve toque dos teus dedos, para que no pecado não haja mais tempo de me redimir. Eu te suplico, não deixe que te toque o teu corpo, pois o meu pode haver espinhos que possa ferir tua alma. Não me entregues a tua sensibilidade, pois ela pode me parecer preciosa. Não deixe que roube os teus sentidos, por que sinto como uma máquina desgovernada incapaz de controlar a minha emoção. Você foi o despertar de um sono profundo, que me fez sonhar no amanhecer, e me fez acordar sem vida no entardecer. Emudeça tua voz, esconda teus lábios de minha boca, aumente o som da música agora, para que eu volte a dormir e sonhar que estou te amando e nunca mais acordar.

*** Carta de um homem que sente medo de amar, depois de muito tempo sozinho.***

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
Itaquaquecetuba, Julho de 1997 no dia 29.
 
O Despertar de um Sentimento

Cicatrizes da Vida

 
Tristeza... Más por que um dia triste? O sol ainda não se escondeu. A tarde está monótona, mas ainda desfila sobre os nossos olhos.
Deixe o frio de a madrugada entrar em teu quarto e testemunhar teu sofrimento, mas não te aflija, o sol pela manhã irá romper a tua janela, e assim descobrirás um novo dia.
Nascerá uma esperança que te fará forte para caminhar, verás que em teus caminhos as dificuldades serão como folhas secas de outono rastejando aos teus pés, e lá na frente avistarás a linha do horizonte. Então não se curve em tanta tristeza, nem deixe que as lágrimas afoguem o brilho do teu rosto, sorria e verá, pois o tempo é o senhor das razões.
Quando olhei no espelho do tempo, pude ver as marcas inevitáveis do destino, más o tempo em que passei lamentando pelos cantos, mostrou-me que era preciso superar a dor.
Mesmo que nos recuperamos em um futuro próximo e incerto, jamais será possível apagar de nossos rostos as cicatrizes que a vida nos valeu.
Tristeza... Más por que um dia triste? O sol ainda não se escondeu.

***Carta á uma mulher triste que perdeu o seu amor.***

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
Itaquaquecetuba, Agosto de 1992 no dia 20.
 
Cicatrizes da Vida

FECHADO PARA BALANÇO!

 
FECHADO PARA BALANÇO!
 
 
FECHADO PARA BALANÇO!

by FatinhaMussato

Há dias em que o tempo passa tão devagar que até parece que estamos parados em algum lugar do espaço, esperando a passagem da Vida, para pedir a ela que nos leve consigo!
Nestes dias, nem notamos a presença dos demais seres que convivem conosco, pois ficamos encapsulados em nossa esfera muito especial, onde temos o que mais necessitamos: solidão!
A chuva cai, não há pássaros a cantar, as flores, carregadas de água, se encontram pendidas, como se estivessem também a chorar, lágrimas de solidão e de saudade do sol, que hoje não se dignou a aparecer...
Somos seres sociáveis... Será mesmo?
Se o somos, por que nestes dias, qualquer presença nos parece ser demais?
Nossos pensamentos nos bastam e ficamos a divagar...
Como tudo seria se fosse assim... E se fosse deste outro modo?
A melancolia se instala em nós, ficamos a lembrar o passado, os tempos felizes que já foram vividos, os anos da infância que já não voltam mais...
Nestes dias, fazemos um verdadeiro balanço de nossas vidas...
Planejamos a reparação de atos que julgamos ter feito de forma errada, ensaiamos o recomeço de coisas que deixamos por terminar...
Enfim, nestes dias em que o tempo parece parar, a Vida nos oferece a oportunidade de recomeçar, de refazer, de reiniciar nossa caminhada em direção ao nosso progresso moral e espiritual!
É tempo de renovação... É tempo de recomeço... É tempo de Paz!

INÉDITO
Jales (SP), 03/janeiro/2009 – sábado – 10h50m.

Imagem: Google
Música: Days of Wine and Roses (AD)
 
FECHADO PARA BALANÇO!

SOMBRA DO PASSADO

 
SOMBRA DO PASSADO
 
Hoje remexendo o velho baú encontrei uma carta sua...
Amarelada pelo tempo e mesmo sem querer ler,
Depois de tantas que rasguei para não lembrar a sombra do passado.
Lancei um temeroso olhar sobre aquelas letras que mal dava p/ enxergar
Vi umas frases que dizia.
“Nem o tempo nem a distancia irá separar você de mim. Você é minha vida.”
Fiquei a pensar e refletir por quê?
Se eu era sua vida! Você se afastou de mim meu amor...
Foste tu sim! A minha vida, pois levaste contigo metade de mim...
E a outra metade está vivendo a vagar! A procura de outro amor encontrar.
Meu peito encontra-se esvaziado, levas-te meu precioso objeto de afeição
Hoje minha vida é um tédio tudo é sombra...
Meu pensamento vaga pela a angústia de tua partida.
Resta apenas saudade e desilusão.
Quisera eu encontrar-te, e meu coração restituir
E com outro amor dividir.
 
SOMBRA DO PASSADO

Carta ao Presidente

 
Senta aqui;
Diz-me o que está acontecendo
Lá fora pessoas aos milhões estão morrendo
Brancos, amarelos, pretos, negros...

Olha aqui;
E veja você mesmo
Estes meus dedos absurdos escrevendo
Eu falo da guerra, da ditadura, da fome e o medo...

Veja aqui;
Olhe o que os jornais estão dizendo
Por aí neste País a economia está crescendo
O Oriente Médio se tornou um novo gueto...

Que faremos com os dólares vermelhos?
Manchados pelo sangue iraquiano;
A gana pelo petróleo alheio;
Porque que as Américas se dividem ao meio?
Não basta Hitler e seu mar de sangue
E agora Bush e sua gangue...
Juntos sois pra sociedade cianureto

Somos judeus ressuscitados
Morreremos pela segunda vez;
Ao ler esta carta Senhor Presidente
Queira desconsiderá-la.

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
São Paulo, Março de 2005 no dia 24.
 
Carta ao Presidente

Conjectura Leviana

 
Hoje acordei pensativa, talvez duvidando da minha própria imagem
Ao olhar o meu rosto no espelho da imaginação, procurei-me dentro de mim
Encontrei-me em um semblante sincero e sofrido, que apesar de abatido brilhava como luz intensa;
Então me perguntei o porquê desta tua conduta leviana;
Quando sentastes perante o tribunal das ilusões e fizestes um pré-julgamento em tua consciência
Não te importastes com o meu direito de defesa
Ao contemplar o meu semblante diga-me o que é que o teu olho te traduz?
Por ventura te acredita o que vês em tua frente?
Como podeis julgar a beleza de uma rosa sem amenos sentir o seu perfume
Não reconheces o ouro quando pisa os teus pés?
Por não teres a capacidade de antes tentar lapidá-lo;
Deixando assim escapar o brilho pelas tuas mãos
Quem és tu que observa e julga aparências?
Ou tens a soberba em teu peito a ponto de dizeres que em tua vasta jornada conheces o segredo de uma mulher?
Então me diga o que sinto quando olhas em meus olhos?
Quando toca as feridas no meu corpo?
Com toda a tua experiência não ouvistes dizer que o caráter é a porta da razão;
Colocastes-me diante de falsos juízes, recém formados na escola da vida
Entregastes-me nas mãos de promotores desonestos, quão colecionavam derrotas em seus currículos questionáveis não reconhecidos perante a sociedade da razão;
Porém como advogado de defesa, a ti, apresentou a transparência de minha alma
E não encobri da tua visão o que vestia o meu exterior
Porém na tua indulgência, não destes a ti mesmo a oportunidade de buscar no mais profundo oceano do coração de uma mulher as chaves para abrir um baú de sonhos;
Não acreditastes em teu potencial ao ignorar a tua própria reputação
Planejastes um cortejo fúnebre em teus pensamentos, a menos que tenhas enterrado a ti mesmo em tua própria concupiscência;
Lembre-se ao entrar em juízo pela aparência de uma mulher, por mais que tenhas uma promotoria competente, baterás de frente com a derrota;
Saberás que jamais poderão condenar os sentimentos de uma mulher, por não terem provas o suficiente, e mesmo que testemunhes falso, não poderão entrar em um coração para julgar o que ele sente;
Se passares por mim e não me veres, não voltes a procurar por mim novamente;
Estarei escondida nos mínimos detalhes ignorados pela pobreza dos teus olhos.

Carta oferecida há certo Sr Advogado, após ignorar certa pessoa pela sua aparência em decorrência ao seu caráter. Em defesa de C. Ribeiro dos Santos.

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
Itaquaquecetuba, Abril de 2002 no dia 18.
 
Conjectura Leviana

Presença

 
Não é preciso que eu esteja por perto para que me ames, sinta somente a minha presença. Quando estiver só, liberta os teus pensamentos, deixe que ele vá a tua procura, para então poder te pegar levemente e sem que você sinta, te levar até mim. Com certeza ele me encontrará então você sentirá um forte calor te envolver, todo seu corpo tremer, não estranhe e nem fique á procurar em vão o que está lhe causando isto, apenas feche teus olhos suavemente, e sentirás que a minha presença passeia levemente pelo seu corpo. Com certeza você sentirá um arrepio, mas não diga nada neste momento, cale-se somente, apenas chame pelo meu nome, murmure, transforme as tuas palavras em um só gemido, deixe que a minha presença invada teu corpo. Derrepente um molhado irá escorrer em teu seio, irá enlouquecer-te de prazer, você verá que parece tão real, toda vez que chamar pelo meu nome. Como gotas de suor, nossos corpos consumindo pouco a pouco, até que não mais existimos, lembre-se são apenas os teus pensamentos, minha presença arrebentando as correntes dos nossos desejos. Uma excitação irá bater no fundo, não procures por mim, serei apenas o bater revoado das aves dispersas em um oceano, tão profundo e abstrato como um sonho. Não estenda os teus braços, não irá me alcançar, sinta somente a minha presença, pois ela vem para te mostrar que não existe distância quando se ama ela vem para te mostrar que não existe solidão, que nem sempre é preciso o meu corpo tocar, quando a saudade chegar, apenas chame pelo meu nome. Liberte agora os teus pensamentos, deixe as vozes sedentas dos teus beijos, sussurrar aos ouvidos do tempo. Chame por mim, talvez não vá ao teu encontro, mas você trará para si a minha presença, não pare para pensar o que está fazendo, se entregue totalmente por este momento, se acaso perderes de vista a imagem do homem que amas, não te transformem em lamento, apenas chame pelo meu nome. Não chore, não grite não te desespere ao sentir a minha presença, se acaso me perderes, apenas chame pelo meu nome.

*** Carta á uma mulher desesperada a procura de seu grande amor. ***

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
São Paulo, Setembro de 1989, no dia 08.
 
Presença