DIÁRIO INACABADO...

 
DIÁRIO INACABADO...
 
 
Diário Inacabado...

Hoje o milagre da vida aconteceu,
Certamente todos irão comemorar.
Mamãe, dentro do útero seu,
Nove meses aqui irei morar.

Sei que não estavam me esperando,
Mas com certeza, tudo irá se arranjar.
Já que estou aqui e me formando,
Vão contar os dias a me esperar.

Na hora da minha chegada,
Vai ser um corre-corre preparando,
A casa toda florida e enfeitada,
Um lindo bercinho me esperando.

Já começo a vislumbrar a nossa vida,
Com mamãe e com papai a passear,
Serei a jóia mais rica e mais querida,
De carinhos e beijos irão me sufocar!

Sou uma menina, disto tenho certeza.
Meu cabelinho será loiro e enrolado.
Quero ter da mamãe a singeleza
Do papai, seu jeito determinado.

Seis semanas então já se passaram,
Já perceberam que estou a caminho,
Mas estranho, papai, mamãe silenciaram
A noticia não foi recebida com carinho.

Mamãe ficou sozinha e chorando,
Queria poder com ela conversar,
Não sabia o que estava se passando.
Só falou, amanhã um jeito eu vou dar.

Pela manhã numa sala mal cheirosa,
Um homem , cara feia e muito prático,
Aplicou uma injeção tão dolorosa,
Fui jogada dentro de um saco plástico...

Tinha imaginado tantos sonhos,
Nascer, crescer, viver e ser feliz.
Estou aqui, entre flores e risonhos
Bebês, que na terra alguém não quis.

Meu diário ficou inacabado e sem cor,
Mas mamãe, mesmo assim lhe tenho afeição.
Meu ser mal formado, era todo carinho e amor,
Seria uma estrelinha a iluminar seu coração.

♫Carol Carolina
 
DIÁRIO INACABADO...

NÃO SOU POETA.

 
NÃO SOU POETA.
 
 
Não Sou Poeta.

Queria escrever uma história
Poder ser lembrada após morte
Deixar meu nome na memória
Editar um livro com alguma sorte...

Mas minhas poesias são singelas
Sem pompas, só coisas do coração
Textos simples sem muita emoção
Ninguém sequer lembrará delas...

Rabisco, rabisco e assim vou indo
Querendo escrever o meu melhor
Um dia talvez acabe conseguindo...

Mas sempre acontece um dilema
Não encontro brilho nem fulgor
Vivo em busca de um belo tema...

♫Carol Carolina
 
NÃO SOU POETA.

[Visto-me De Dor]

 
[Visto-me De Dor]
 
[Visto-me De Dor]

Um luar preenchendo todo o céu
Busco tua companhia nas noites frias
Porque a cada noite me embalas
[E eu te preciso.]

Sinto o teu beijo cortando a [minha] pele
E chegando na alma
[Cubro-me], não de frio
Mas pela falta de ti.

[Visto-me de dor]
Onde as sombras das minhas dores
Doem a dor mais profunda
E me transportam por sonhos de desejos [in]confessos.

[Leia-me em braille]
Decifra a sutileza do meu poder
Lábios que exploram, consomem e sugam
Que decoram cada detalhe da pele
Cada fragmento [Meu!]

.

Por Ro Fontana
 
[Visto-me De Dor]

Parabens Haeremai

 
Parabéns minha amiga, que este teu dia seja repleto de muita ternura, amigos e bués de poesia. Que a vida te dê um pouquinho daquilo que mais desejares, em azul.

Chegaste à Lusos em Setembro
trazias ainda o aroma da primavera
nas palavras a maresia do mar
nesse teu jeito único de dar
cativaste, poetas e poetisas
deste imenso mar literário
deste-nos algo único
o teu BEIJO AZUL
e a tua alma,
embebida
na ternura
dos teus versos
apesar dos temporais
das nuvens pardacentas
carentes de sol

Com a força da vontade
bradaste à vida,
num grito guerreiro
e venceste
a guerra da sobrevivência
com orgulho e humildade
permaneces neste mar revolto
envolta no respeito
e na ternura
de nós por ti

Tudo de bom para ti amiga… sempre
Obrigado por permaneceres
 
Parabens Haeremai

[De Quantas Horas Se Faz Um Sonho [¿ ? ]

 
[De Quantas Horas Se Faz Um Sonho [¿ ? ]
 
[De Quantas Horas Se Faz Um Sonho [¿ ? ]

Tento impedir que os ponteiros do relógio
Empurrem o tempo...
Vejo surgir no infinito
Um sonho de amor [talvez já perdido]

Neste vai e vem de [in]certezas
Sinto uma tempestade em meu coração
As vezes venta e chove tanto...
[Que chega a molhar o meu olhar.]

[Suspiro alto]

Disfarçando prazeres que não são vistos
Balbucio em silêncio [teu nome]
Sinto tua alma me abraçar
[Escuto você me chamar!]

Sinto teus lábios beijando minhas lágrimas
E o toque da ponta dos teus dedos
Acariciando meus sonhos
E este sonho [ bem poderia] durar para sempre...

Prometo acalentar-te em meus sonhos
Quando a noite decidir que é chegada a hora
De apagar todas as estrelas
[...E acordar.]

Por Ro
 
[De Quantas Horas Se Faz Um Sonho [¿ ? ]

LIÇÃO DOS PASSARINHOS...

 
LIÇÃO DOS PASSARINHOS...
 
Lição dos Passarinhos...

Comigo me peguei confabulando,
Como somos eternos insatisfeitos.
Estamos quase sempre reclamando,
Em tudo procuramos os defeitos...

Se está quente reclamamos do calor.
Se faz frio nos queixamos da friagem.
Dias de chuva, pedimos a estiagem.
Terra seca Deus do céu é um horror...

Hoje os passarinhos me acordaram
Era uma lição que devíamos aprender
Felizes saudando o sol eles cantavam...

Parecendo um grande coral em sintonia
Depois voaram em busca do que comer
Na luta da sobrevivência de mais um dia...

Carol Carolina

[youtube.25,25]http://www.youtube.com/watch?v=Hmy5yLJMD2k&autoplay=1[/youtube]

[/center]
 
LIÇÃO DOS PASSARINHOS...

Seus sapatos são meus

 
vou cobrir os degraus de pedra
com folhas verdes
tirar o pó do vestido
profundamente marcado pela saudade
depositarei meus pecados
no castelo de um rei
vou abandonar a verdade
queimar a índole
fazer promessa pro milharal crescer

vem meu amor
um dia mais cedo...
vou dormir embaixo das estrelas
vestindo uma alma faminta

venha antes que a última palavra
saia do papel...
(eu peço à noite que espere)

Vania Lopez
 
Seus sapatos são meus

Meu último poema

 
Meu último poema
 
Antes do cortar dos pulsos
do sangrar no papel
do último suspiro
do coagular do sangue
da rigidez da carne...
Sem despedidas
lágrimas vermelhas
pintam meu último
poema!
 
Meu último poema

OUTONO...

 
OUTONO...
 
 
Outono...

As tardes ficaram mais cinzentas,
As árvores, nuas sem folhagens.
As ruas hoje quietas, sonolentas,
A cidade vestiu nova roupagem...

O sol esmaecido, sem se mostrar,
Entre nuvens, tarda a aparecer.
Saudade do verão vem me trazer,
Do riso da criançada a brincar...

O outono já deu as boas vindas,
Ao inverno que está chegando,
Com o frio das noites infindas...

Do campo recoberto de geada,
E o minuano por aqui soprando,
Deixando a terra congelada...

♫Carol Carol
 
OUTONO...

BELA FLOR TRISTE...

 
BELA FLOR TRISTE...
 
Bela Flor Triste...

Sou bela flor e hoje estou entristecida
Talvez tenha que morar noutro jardim
Minha cor está sem viço e amarelecida
Meu coração guarda uma dor sem fim

O beija-flor que sempre passa por aqui
Beija-me os lábios para o néctar sugar
É provável, não irá mais me encontrar
Que doces lembranças guardarei de ti

Sou uma flor que não tem a liberdade
Como outras que escolhem onde brotar
Sigo meu rumo com o vento é verdade

Meu destino um lugar que desconheço
Entre flores, novo jardim me acostumar
Quem sabe um milagre ainda mereço.

♫Carol Carolina
 
BELA FLOR TRISTE...

OUÇA: QUERO VER VOCÊ

 
OUÇA: QUERO VER VOCÊ

Ouça:
Quero ver você

Antes
De o mês acabar,

Antes
De a vida acabar...

Preciso juntar
Seu destino ao meu
Pelos refúgios
Da minha estrada perdida

(Um caminho,
No seu,
Me achará...)

Dispense
O que irá me dizer

Suspenda
O qualquer improviso

Apenas sossegue,
Chegue e
Me enlace...

(Nem disfarce
O choro, o sorriso...)

Não.
Não usemos
A palavra amor

Não.
Não violentemos
O silêncio das frases

Só serão
As brisas indeléveis,
Suaves do momento
Amordaçando o barulho do tempo,
Audazes...

Seremos poeira apenas...
Grãos ao relento
Suspensos
Ao nosso próprio
Vento

(Anverso
De versos
Sem versos...)

Esgotaremos
As dores das almas
Nos linhos suados
E brancos
Sob nossos corpos
Desdobrados,
Embolados
Sobre a trama
Crua e reta
Do ranger dos estrados...

O resto
É apenas o dejeto
D’um passado
Divagações d'um amanhã
Que o miolo equilibrado
Do universo
Sacode e
Explode...

Então ouça:
Quero ver você

Antes
De o mês acabar

Antes
De a vida acabar

(Antes
que o amor,
De amor me mate)
 
OUÇA: QUERO VER VOCÊ

[Vesti De Cinza O Meu Olhar]

 
[Vesti De Cinza O Meu Olhar]
 
[Vesti De Cinza O Meu Olhar]

Brotei de reservas incontidas
Amanheci sonhando aromas suaves
Anoiteci já vazia, sem vida
Com bálsamo no corpo e vagas feridas.

Vesti de cinza o [meu] olhar
Afastei do meu coração os [meus] sonhos
E lentamente me percebi num deserto
No nada, no vazio de mim...

Aprendi a contar os grãos de areia da praia
Alcançar as nuvens no ar e juntar
Nadar no rio sem me molhar
Aprendi até a amar sem sofrer e nem sonhar.

Conheci os segredos das cores
Dos manjares os sabores
Descobri na saudade a dor.
Recriei nos significados inventados
Sinônimos invertidos.
[Do amor.]

ઇઉ

*Por Ro
*Recriando sonhos inventados...
 
[Vesti De Cinza O Meu Olhar]

Feliz Aniversário Belarose!

 
Feliz Aniversário Belarose!
 
 
Feliz Aniversário Belarose!

Amiga hoje é um dia diferente,
Meu carinho venho transmitir.
Serás abençoada duplamente,
Muitas emoções irás sentir...

Chegaste nesta data a este mundo,
Trazida por um ser muito especial,
O mais puro, perfeito e angelical,
Tua MÃE, o mais belo amor profundo.

Parabéns e muitos anos de vida,
Pelo dia das MÃES e ANIVERSÁRIO,
Amiga de todos és mui querida...

Por seres mãe também quero registrar
Diferente hoje é o teu calendário,
Que anjos cantem para tudo enfeitar...

♫Carol Carolina

Estes versos são simples como eu,
mas saiba que fiz com muito carinho.
Não procuro palavras difíceis para
escrever meus rabiscos, mas posso
afirmar com certeza que saem do meu
coração.
A música é a que gostas.
BEJOS E FELIZ DIA DAS MÃES!
 
Feliz Aniversário Belarose!

(RE) COMEÇO

 
(RE) COMEÇO
 
 
“E de repente o alvorecer do anuncio palavra final...”

Aqueles momentos vividos na sombra do tempo, surgiram das gavetas do meu coração para abraçar a dor vivida em tantos anos.
Pensávamos que a eternidade seria possível em nosso Éden, à imortalidade de um sonho realizado pela união de nossas promessas. Pensávamos que estávamos aos pés do arco-íris, andando no caminho do céu colorido, tirando as cores dos nossos dias as nossas noites, após os nossos beijos. Preferia ver assim.
Estávamos no centro de nossas vidas, cuidando de amar até a alma, longe do mundo; fora do tempo, longe de tudo...
Não queria me apossar da tua alma, mas quanto a ti.
Naquela noite, as gavetas abertas, as minhas palavras voam com o vento.
Esta carta escrita à luz dos meus olhos vai juntar-se a você...
O selo posto nas páginas do nosso amor rompeu-se há muito tempo.
O tempo foi o suficiente para aumentar as rachaduras da nossa felicidade!?
Há muito tempo quando minhas lágrimas começaram a derramar uma chuva constante. Eu chorei o dia, onde a última vez que fomos meditar no oceano tuas mãos tocou no meu rosto dizias que era de seda emoldurada pela beleza.
Lembro-me que no final de tudo, ficou sufocada a esperança de um dia feliz. Nesta última batida, aquele que atingiu minha vida como um flash de dor, colocou a palma da mão em minha alma, como se fosse tua. Furtaste o que de colorido havia na minha juventude. E levantou uma poeira cobrindo a chave do meu coração.

Assim, enquanto o vento carrega as cartas sobre os telhados de onde estou, olho para a noite depois do seu caminho de chegada. Meu olhar esta longe, muito longe, para os meandros do mar, onde encontrei as estrelas e vou acompanhá-las.
Minhas gavetas estão vazias, as letras são as peças...
Na brisa da manhã, sua última palavra, volte para mim.

“O tempo continua o seu caminho, amanhecer, anoitecer, é uma eternidade.”

Minha vida começou e terminou um dia no fundo dos seus olhos, a faísca que nasceu foi o fogo que acendeu o segundo em sua presença. Atualmente, um dia no horizonte, anuncia uma eternidade e uma tonalidade nova pela manhã, mas não tão colorida...
Outra oportunidade, outra vida.

Um (re)começo.

Rosangela Colares

O link do vídeo da musica do poema.

http://www.youtube.com/watch?v=FRLl_qMoFck
 
(RE) COMEÇO

MANHÃ DE MARÇO...

 
MANHÃ DE MARÇO...
 
Manhã de Março...

Manhã de março quente e nublada,
O verão de nós vai se despedindo,
Tempo de férias de toda a garotada,
Saudades dele estou sentindo...

O outono muito próximo, chegando,
Depois dele vem o frio, as invernadas,
Com suas noites geladas de geadas,
É o inverno com o Minuano soprando...

Lembranças sempre guardo do verão,
É a estação quente e muito colorida,
Tudo é festa fica alegre o coração...

Ver crianças correndo a brincar
Parecendo que tudo tem mais vida,
A tua volta fico sempre a esperar....

♫Carol Carolina
 
MANHÃ DE MARÇO...

SONHO AZUL...

 
SONHO AZUL...
 
 
Sonho Azul...

Fecho os olhos e parto viajando
Para um mundo meu e diferente
Nele me vejo feliz e flutuando
Algo sublime, muito envolvente.

É lá que mora meu sonho azul...

É um sonho que espero encontrar
Todo azul é magia, encantamento
Sei que existe e está a me esperar
Tem morada no meu pensamento.

É lá que mora meu sonho azul...

Como um menino dorme docemente
Num mar azul feito só de amor
Por ti esperarei eternamente
Não importando o tempo que for.

Um dia te encontrarei meu sonho azul!

Carol Carolina
 
SONHO AZUL...

[Me Cansa Fingir Alegria]

 
[Me Cansa Fingir Alegria]
 
[Me Cansa Fingir Alegria]

Sinto os dias como páginas pesadas
Pelas folhas das escritas não apagadas
Pelas letras rasuradas
Viro a página...outra folha rasgada...

Os cucos caducos do meu relógio
Nem contam mais as horas
[Eu quebrei todos os ponteiros.]
...Quebrei também uns potinhos de sonhos...
[Que guardava com tanto amor.]

Há no silêncio um barulho estranho
Uma calma que nada resolve
Há mais do que o escuro assustador de meus dias...
Há espera...relógio...olhos que choram...

Verdades que são o oposto da alegria
[Que existia.]

Penso até que seria melhor desistir
Juntar o que resta de vida e sair...
[Me cansa fingir alegria.]

Não que eu queira dizer adeus...

[Talvez um dia।]

.

Por Ro

.
 
[Me Cansa Fingir Alegria]

África, um continente esquecido

 
África, um continente esquecido
 
 
Peço encarecidamente aos colegas que "percam" alguns minutos com essa
verdade..................................

Assista ao mundo que existe além dos muros de sua casa!

Texto Reflexão

FOME é o monstro interno que devora o estômago da criança!
Criança que chora a miséria do mundo desigual, onde o rico joga no lixo o que julga ser nada:
a ESPERANÇA do futuro de milhares de vidas semi-mortas pela descrença em lideres de governos falidos.
Quais sentimentos esses futuros adultos (se chegarem a ser) terão dentro de si?
Poderemos achar a fé em peitos apedrejados pela desigualdade humana?
Vejo a dor latente nos olhos da mãe com seu filho pele e osso, franzino pela fome que o corrói, vejo nos olhos uma pergunta sem resposta:
Será que Deus se esconde nessa hora?
Inúmeros corações questionadores sem saber ao certo a razão da vida ser cruel para uns e “humana” para outros...
Vejo também o homem-bicho aquele que joga resto de vida no lixo!
Tão egoísta, serve em seu prato bem mais do que o corpo precisa.
Dai luz à criança que chora de fome, que treme de frio, que NÃO SONHA!
Sim, a morte dos sonhos é verdadeira morte em vida, ver olhos pequeninos sem o brilho da esperança. Acreditem: São mesmo olhos de criança!
Olhos que gritam: MUNDO EU EXISTO! Não pedi para nascer...
E clamam: dê-me o berço, o colo, o sapato, a comida, dê-me o AMOR!
Aqui no peito de HUMANA e mãe, a revolta grita de mãos atadas...
Em meus olhos uma lágrima gélida em súplica:
-Senhor dá-me motivos para ser poeta!




Caros amigos,
sei que não poderei mudar o mundo com esse "manifesto", mas se conseguir com que as pessoas
que por aqui passarem conscientizem-se ou apenas
parem por alguns instantes para refletir na vida
que levam e às vezes queixam-se sem saber -ou sem lembrar- que de sua porta para fora há um mundo esquecido e sem esperança. Se conseguir fazer com que ACORDEM para esse "mundo" sentirei que cumpri parte da minha missão na vida.
E pode ser que você pergunte a si mesmo:
-O que posso fazer?
Te respondo: Pode orar com fé e ainda dentro de sua casa iniciar a mudança.
Pois se todos nós fizermos um pouquinho, esse pouco somado à tantos outros pouquinhos já será muito.
E agora te pergunto:
Vai sobrar comida em seu prato hoje ou servirá apenas o que seu corpo precisa?
 
África, um continente esquecido

** Pássaro livre**

 
** Pássaro livre**
 
 
**Pássaro livre**

Voe... Voe... Para o além do infinito...
Pássaro que sofre e quer esquecer
Tudo que um dia te deixou ferido
Neste vôo encontrará todo prazer.

Voe muito alto, além do horizonte
Tu que tens a liberdade do vento
Em busca da felicidade da fonte
Voe muito mais que o pensamento.

Nas tempestades serei teu abrigo
Se machucado volta de ti cuidarei
Esta livre como queres meu amigo
De teu carinho sempre me lembrarei.

Sou apenas uma flor a desabrochar
Exalando perfume e todo meu amor
Ofereço-te meu pólen pra te alimentar
Na esperança de retirar-te toda dor.

Ivo Pessoa - Uma vez mais

"Se você tiver um pássaro, deixe-o livre para voar,
se ele voltar é porque é seu, caso contrário, nunca foi."
 
** Pássaro livre**

[Parto Com A Brisa Do Vento Que Passa]

 
[Parto Com A Brisa Do Vento Que Passa]
 
[Parto Com A Brisa Do Vento Que Passa]

Desdobrei as minhas asas ocultas
E voei.

Levei na ponta dos dedos
O contorno da tua alma.

Encontrei no ar a fragrância da tua pele
[Que tantas vezes [em sonhos] percorri.]

Achei que o mundo é demasiado cruel
Para aqueles providos de asas.

E porque me sinto gelada e vazia
Parto com a brisa do vento que passa.

Por Ro

http://www.recantodasletras.com.br/audios/cancoes/39449
^
l

[ S a u d a d e - que mora ali]
 
[Parto Com A Brisa Do Vento Que Passa]