Poemas, frases e mensagens sobre alma

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre alma

Tu és luz

 
Tu és luz
 
Se o futuro a Deus pertence
e tudo está predestinado
é questão para dizer
de que serve o livre arbítrio?
se vendes a alma ao diabo!

A culpa é sempre do Karma
não aprendeste a lição
cometes os mesmos erros
faz de ti o seu escravo
por conta da ambição

Se escolheres ser feliz
afastas tudo o que é dor
Tu és luz, não és matéria
teu alimento é o amor!

Maria Fernanda Reis Esteves
48 anos
Natural: Setúbal
 
Tu és luz

Basta saber-me viva

 
Basta saber-me viva
 
BASTA SABER-ME VIVA

Meu coração é uma gaiola dourada
Nela se solta o Amor e a Amizade
Branca, como o branco desta folha intocada
Nela um pássaro vai chilreando saudade.
Hoje lhe abri as portas
E a felicidade andou pertinho
E as lembranças já mortas?!
Fui deixando p'lo caminho.
Mas na verdade me doeu
E na garganta um nó ficou
Nas lembranças,também habitava eu
Se por lá fiquei, agora quem sou?

Apago-me como flor sem sol, tanta vida lá atrás
Já pouca coisa resta, o silêncio sobre mim se deita
Nesta descida entre a saudade e o frio, tanto faz!
Mastigo incertezas, já que a Vida não é perfeita.

Deixo-me a pensar com meus botões
Enquanto cai uma chuva enfadonha
Basta saber-me viva de ilusões
Minha alma malferida, ainda assim,sonha
Insistem os chilreios em meu coração
E há largueza por onde entra a claridade
Mas quando já não restar emoção?!
Serei como raiz sem apego, sem lugar
Morrerei de saudade...
Levada p'lo tempo, deixando-me por ele apanhar.

rosafogo
 
Basta saber-me viva

Nos céus da minha alma

 
Nos céus da minha alma
 
Recolho-me no mais ínfimo do meu ser
onde me encontro virgem e me deslumbro
onde permaneço fiel a mim mesma
mergulhando em ondas sensitivas
por entre os céus da minha alma

Através dos canais da minha essência,
percorro a gruta do auto-conhecimento
onde busco a paz que me energiza
e recupero o dom da sensibilidade
pelo qual rejo todo o meu viver

Neste lugar onde me encontro com a luz
numa acto de amor onde me aceito
parto à conquista de um novo mundo
que, nos meus sonhos, idealizo e é perfeito.

Maria Fernanda Reis Esteves
49 anos
Natural: Setúbal
Email: nandaesteves@sapo.pt
 
Nos céus da minha alma

o esquecimento abre passagem

 
Corre o dia,
e uma luz coada entra pelas cortinas
antigas, a solidão me faz
companhia,
adensa a noite
e desarruma a minha mente
e assim a flor desfolha até às
pétalas finais, como o sol
que se apagou, derramando
um vazio que a destrói.
Transporto sonhos ante um inverno
que me espera, a solidão dói,
o esquecimento abre passagem
e cada lembrança é já indelével
imagem,
como casa desabitada, mofenta
arrasada, onde já ninguém responde
minha alma, anda não sei por onde!
Minha vontade, ainda
inventa versos como comida suculenta
que me faz bater o peito, e a saudade
traz-me de volta a menina
dizendo-me que sou a mesma d'outro tempo.

o tempo que vai e nada o pode deter
fica a palavra feita nada,
a vida voando para o poente
como a água, que não volta à nascente

natalia nuno
rosafogo
 
o esquecimento abre passagem

Mais um dia morreu

 
Mais um dia morreu
 
MAIS UM DIA MORREU

Segue minha alma sózinha
Cansada de mais um dia
Estranha esta vida minha
Ora feliz, ou feita de melancolia.
A tarde caíu!
È noite fria, escuridão cerrada.
Chora a saudade,
Que em mim sentiu
Hoje ser lembrança pouco amada.

Escondem-se as estrelas
Também elas sentidas
Choro eu e choram elas
Lágrimas p'las nossas vidas.

Meu coração está em pranto
Saudoso de claridade
Seu desespero é tanto?!
Que já nem cabe nele a saudade.
Triste anda a Natureza
Tão cansada quanto eu!
Andam nuvens desesperadas no céu
Em mim por perto a tristeza.

Porquê? Porquê tanto desespero!?
Nesta noite a horas mortas,
A escuridão me tráz o frio
Já à saudade fechei portas.
Deixei seu lugar vazio.

Já não sei o que quero
Nem tão pouco o que não quero.
Agora já só espero
Vencer da vida as revezes
Sorrir-lhe, ainda que em segredo.
Mas sorrir-lhe muitas vezes.

O recomeço é a força de viver.
Enfrentarei o amanhã se vier!

Cansei do escurercer.
Encontro o repouso me deito.
Se ao repousar morrer?!
Será um morrer perfeito.

rosafogo
 
Mais um dia morreu

Ao toque dos sinos

 
Ao toque dos sinos
 
AO TOQUE DOS SINOS

Numa vida onde nada se passa
Olho o papel com os olhos do coração
Tudo o que p'lo pensamento perpassa
Deixo escrito, mas nem todos me saberão.
As semanas se somam incessantemente
E eu marco passo
Na memória agasalho a esperança repetidamente
Retendo tudo o que faço e não faço.

Todos os instantes
De encantos e desencantos
Apago meus sustos, deixo-os distantes!
Obrigo o destino a torcer
Às vezes me olho de soslaio
Lembro que parar é morrer
E nesse marasmo não caio.

Me surpreendo e me recuso
Fico com a nostalgia a rondar-me a alma
Exorcizo fantasmas, das forças abuso
Calo a tristeza e me fico, calma.

Calo a saudade que me invade
Me deixa cansada e de voz rouca
Pego na caneta com mão suave
Desdobro detalhes, que são coisa pouca.
Inspiro-me nas badaladas do sino
E torço, torço o destino.

rosafogo
 
Ao toque dos sinos

MEU AMOR

 
“Lindo mesmo seria o dia em que o amor acordasse e
sem dizer nada apenas com meu coração entrelaçasse”

clique na imagem
 
MEU AMOR

Eu é que sinto

 
 Eu é que sinto
 
Não sei ao certo,
O que pensar,
O que falar,
Tudo é incerto,
Em dias assim só apetece rimar,
E todos os dias são assim
que apetece amar.
.
Eu só tenho a certeza de ter uma vida,
Embebedada de gente metida;
Eu é que sinto, eu é que sinto,
Eu é que sinto, eu é que sinto
o sabor da minha vida.
.
Se tiver mais vidas para além de uma, bem,
serão minhas como a existência permitir,
Como as fases do meu sentir,
Sou eu que as sinto e mais ninguém!
.
Ana Carina Osório Relvas/A.C.O.R
 
 Eu é que sinto

"Palavras..."

 
"Palavras..."
 
"Palavras..."

Perco-me quando escrevo...
Me perderia de qualquer forma.
Afinal, tudo é perda...
E calar é muito mais...
Escrevo porque preciso.
Escrever é como droga.
Vício do qual não me abstenho,
e no qual vivo.
É como veneno necessário.
Se compõe de fragmentos
do sentimento.
Nos recantos dos sonhos é colhido.
Das margens bucólicas
dos rios da alma.
Essas águas deixo escorrer
por meus dedos.
Não quero o silêncio...
Por isso...
Que meu coração jamais se cale.
E o que eu não ouso dizer...
Isso ele fale.
E que o faça claramente.
Nunca com ambigüidade...
E sejam suas palavras, como rio
Que incógnito nasceu,
Cuja maré alta transforma em foz.

Glória Salles
 
"Palavras..."

Metade da Alma!

 
Metade da Alma!
 
Hoje só metade da minha alma me habita,
E mesmo que a sinta e a pressinta,
Dispenso a outra metade,
A que fala a verdade…
Pois estou cheia de mim,
E farta de me ter aqui…
Neste corpo demente,
Outrora, feliz e contente.

Hoje só quero metade da minha alma,
Estilhaço por completo a outra parte,
Vivo separada do meu espaço,
Encaro-me de baixo, a solidão abraço…
Pois hoje não estou para mim,
Não me visto de branco, nem de cetim,
Apenas liberto parte da minha essência,
Para que fuja, e no limbo permaneça!

Hoje fico com apenas metade da minha alma,
Para saber quem sou, e pouco reconhecer,
Porque hoje digo e repito que de mim não quero saber,
Nem quero que me venham perceber, nem entender,
Pois não estou para ti,
Que aqui vens ler,
As mágoas e lembranças que vivi,
E as feridas que abri no meu Ser!

Hoje já nem sei se quero metade da alma,
É que já nem cabe, esta parte que me acalma,
Na carcaça farta e desgastada,
Da vida emprestada e outrora usada,
Pois hoje pedi à morte que o meu espírito ceifasse,
Que para longe a levasse,
E que Hoje nunca mais voltasse,
Pois foi para isso que hoje me suicidei, para que ninguém me amasse!

Marlene ( Ghost)
Read more: http://ghostofpoetry.blogspot.com
 
Metade da Alma!

adormeço nos tentáculos de m’alma

 
adormeço nos tentáculos de m’alma
 
à beira da praia
sinto o pensamento dos rochedos
e em meus lábios arde a flor de sal
recém-chegada da noite

escorre pela garganta seca de silêncio
a inundar o meu corpo de areia
tentando cobrir esta solidão
da sua incapacidade de expressão

e nas ondas surge um vazio
de uma concha fóssil secular
a rasar a vastidão do mar
onde ferve um tempo reprimido

entrego-me ao fundo do oceano
para encontrar outra luz outra vida
suspensa na densidade das águas

aconchego-me nos limos e nas algas
e preso na rede dos meus sonhos
adormeço nos tentáculos de m’alma
 
adormeço nos tentáculos de m’alma

EU AMO AMAR VOCÊ

 
Amar você é como mergulhar no oceano
Teu olhar é como ele cheio de segredo
Somente você se conhece e pode dizer
Nunca saberei se poderá doar seu amor
Mas mesmo assim vou continuar
... Te amando

Clique na foto
 
EU AMO AMAR VOCÊ

Sonho ou pesadelo

 
Sonho ou pesadelo
 
SONHO OU PESADELO?

Desenlaça-se da tua a minha mão
Ficam para trás os sorrisos
A dor chega ao coração
A saudade vem sem avisos.

Desfazem-se os ùltimos abraços
A despedida é lenta e dolorosa
Já ao longe ouço passos
O gemido duma alma silenciosa.
Sufocam-se os gestos
Ao rubro emoções
Só nos sobram restos
Prevejo angústias e provações.

Olho os retratos a sépia de outrora
Recordo momentos p'la vida fora
E a vida a nos deixar, bem chegando a hora.

Pesadelo, que me castiga com maldade
Ou sonho onde desfolho lembrança!?
À minha alma chega o bálsamo da saudade
Enquanto me debruço na janela da infancia.
Uma gota de àgua faz transbordar
Uma nuvem cinzenta do meu interior
E as minhas faces ela vem regar
Levando-me ao meu infantil frescor.

Não sei do meu tecto,
do meu chão
O meu silêncio é tudo o que sei
Nem onde perdi afectos,
onde tenho o coração
Sei apenas da saudade, esta que guardei.

rosafogo
 
Sonho ou pesadelo

DESPERTAR DO AMOR

 
DESPERTAR DO AMOR
 
Os dias correm rápidos como o vento
Por isso, o melhor a se fazer, é...
Deixar o amor despertar na gente

POR FAVOR, PARA MELHOR LEITURA, CLIQUE NO POEMA
 
DESPERTAR DO AMOR

os famosos otarios

 
Os famosos otarios

Sao chamadas as pessoas que abrem mao de si em prol do proximo se desprender do egocentrismo abrir mao de si para o bem comum e uma virtude quase extinta no mundo sao raras as pessoas que tem essa qualidade mas sao chamados de otarios por pessoas pequenas que nao entendem a grandeza desse ato quando na verdade deveriam ser chamados de verdadeiros seres humanos
 
os famosos otarios

Transparente demais

 
Transparente demais
É água pura e calma
Num mar de fundos irreais
Onde a alma penetra
Como luz branca
Na cor dos corais.

Arco-íris de sentidos
Em dimensões astrais
Viagens ascendentes
Em múltiplas espirais
Voos independentes
Mas tão iguais.

Almas transparentes
De loucuras transcendentais
Pairando rasantes
Por mundos ancestrais
Vivendo eras diferentes
Em tempos reais.

Amizades, Amores, Paixões
Positivas Energias
No Universo sintonizadas
(Devorando as (des)ilusões)
Nas mentes ávidas e polarizadas
Na busca das respostas
Ás mais complexas Questões
Colocadas por Mentes não conformadas…
 
Transparente demais

Alma ao vento

 
Nos alimentamos de tão pouco
as vezes um verso rouco
é o bastante para saciar.

Pensamos tanto, um pensar louco
que as vezes um ouvido mouco
é muito bom para acalmar

A alma, esta velha senil
que de tão vivida e gasta
já não lembra dos portos que já partiu.

Muito menos dos destroços
de uma vida que há muito ruiu.

Velha alma modorrenta
senil e atenta
em busca de algo que ainda não viu.

Quem sabe uma pandorga de cor
com cauda de versos de amor
de um amor vivo que ainda não sumiu...

Agarra-se a velha alma
na esperança de voar junto
mesmo que apenas presa por um fio.
 
Alma ao vento

Sorriso de Uma Criança!

 
Sorriso de Uma Criança!
 
Quão meigo o sorriso de uma criança!
Singelo, igual ao de um anjo querubim.
Luz de Deus em uma eterna esperança,
Em um mundo de paz, belo como jardim.

O sorriso de uma criança é verdadeiro,
Puro e cheio de ternura como uma flor.
Presente divino, é inocente por inteiro,
Revelando sentimentos nobres d’amor...

Que exalam lá do fundo do seu coração,
Irradiando paz para o nosso bem viver,
Despertando-nos plena contemplação,
É a própria face de Deus a nos bendizer.

O sorriso de uma criança vem da alma,
Por isso nos encanta com sua confiança,
Sensibilidade, docilidade. Seu ser acalma.
Como é meigo o sorriso de uma criança!

Elias Akhenaton.
 
Sorriso de Uma Criança!

Só o corpo...

 
Só o corpo...
 
Neste corpo que já não habito,
Que outros usam como se fosse o limbo,
Vivo como ar apenas me limito,
A observar, a enquadrar,
Pobres espíritos deixo entrar,
Para que me possa libertar,
A minha alma se espalhar… para outro lugar.

Neste corpo que empresto,
Que não falo, apenas observo,
Sou apenas mais uma que faz parte do manifesto,
Que na escravidão da vida me arrasto e conservo,
Para evidenciar, aclamar o meu resto…
Não tenho palavras, só almas… Um gesto!

Neste corpo vendido,
Dei o que sobrou de mim ao Carrasco,
Por caminho errados deixei o espírito perdido,
Não ouve um dia que fosse colorido,
Atirei-me dentro de mim para um penhasco,
Vendi o meu espírito por sentir tanto asco…

Neste corpo outrora meu,
Tudo o que escrevo apareceu,
Contado por outros que me recordaram,
O que vivenciaram, que sentimentos já passaram,
Pois nada disto aqui sou eu,
Apenas passei por mim e apanhei o que se perdeu…

Mas neste corpo em que vivi,
Um dia eu te vi e te conheci,
Mas ao falares e ao leres o que escrevi,
Lembra-te que não sou eu que estou para aqui!
Marlene ( Ghost)

Read more: http://ghostofpoetry.blogspot.com
 
Só o corpo...

Poema em espiral

 
Poema em espiral
 
Retorno ao centro da espiral
à morada empírica da essência
Há em mim um Know how salomónico
não me assolam dúvidas, só conhecimento

Enceto a viagem ao templo sagrado
que reside no ponto fulcral do meu eu
Ensaio a descida à coluna da alma
sinto-me um ser andarilho dos tempos
e rendo-me à fascinação peregrina da mente

Maria Fernanda Reis ESteves
50 anos
natural: Setúbal
 
Poema em espiral