Poemas, frases e mensagens sobre emoção

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre emoção

Poeta nas nuvens

 
Poeta nas nuvens
 
POETA NAS NUVENS

O poeta é uma espécie de doido varrido
Vive e morre cantando dores sem cura
É como um mendigo esquecido,
Feliz, eleva a sua musa às alturas.
Canta a tragédia, vive suspirando
Às vezes não cala a sua indignação
Dia após dia se resignando
Repetidamente se apodera dele a emoção.

Chora e soluça, também sonha, sonha...
O Poeta é um sonhador sem vergonha!

Delicia-se a sonhar, carícias e doçuras
Às vezes sente-se ave acorrentada
Outras solta-se nas alturas,
Ou fica errante p'la estrada
É veloz, tem asas de condor
Tudo ama, tudo o cega, vive de amor.

O Poeta cria seu Mundo à parte
Não se conforma em perder
Com muito engenho e arte!?
Escreve de manhã ou ao anoitecer.
De voz clara fala de outrora
Da distancia infinda, lembranças!?
Fala da flor que murcha agora.
Fala da velhice e da mocidade
Fala dos sonhos, das esperanças
E porque sofre fala também da saudade.

Murmura suas preces sem pausas
Na esperança de respostas receber
Suspira amargurado, indiferente às causas
De tudo julgar ter... e nada ter.
Canta seu Deus, e a Natureza
É fanático p'la liberdade
Mas no seu coração vive a certeza!?
De que um dia morrerá de saudade.

Tem sempre saudades dum bem
Seu coração é de criança sem maldade,
Mas só desse bem lhe vem,
A Poesia com vontade!

Desfia seu rosário em ritmo lento
Finge que a linguagem não é sua
Retém lágrimas ou sorri a cada momento
Imerge da tristeza, e também amua.
Não pára de saciar sua sede ardente
Como um rouxinol, cantando, cantando...
Nas alturas celestes se deixa voando.
Ora se sente ninguém, ora se sente gente.

rosafogo

Poema surgido durante esta viagem, um pouco nas nuvens, mas fi-lo e dedico-o a todos os poetas,
que o venham ler.

Olá aos amigos de quem já tinha saudades.
Um abraço a todos, estou de volta.
 
Poeta nas nuvens

Uma rosa

 
Uma rosa
 
UMA ROSA

É uma rosa despida
Uma rosa só ilusão
É uma rosa caída
No mundo da solidão.
É uma rosa desfolhada
Pétalas a cobrir o chão
Tráz a fronte inclinada
No olhar lágrimas de emoção.

É uma rosa caprichosa
Saudade de quando era botão
Que fez a Vida à rosa?!
Que a deixou sem sedução!?
Rala no peito a saudade
De quando era botão.

Mas flor é sempre lembrada,
Mesmo murcha é flor!
Ainda que desbotada
O cravo lhe tem amor.
Tudo o tempo lhe foi levando
À rosa de fogo feita!
E a Vida a vai embriagando
Às vezes a deixa desfeita.

A deixa triste chorosa
Mas ela canta e implora
Já é da vida saudosa
A vida que a rosa adora.

Assim fala de amores
Quase, quase, quase a medo!
A rosa que é das flores
Que tráz em si o segredo,
Do seu perfume é vaidosa
Ao ver-se ao espelho se espanta
Fica muda e melindrada
Perdeu a beleza tanta
Deixou-a a Vida sem nada.

Partirá triste e chorosa
A flor que um dia foi rosa.

rosafogo
 
Uma rosa

"Madrugadas e manhãs"

 
"Madrugadas e manhãs"
 
Quero toda fartura, que esse amor dispensa
Sem poupar emoção no momento que aflora
Quero o corpo ardendo, e mais do que pensa
Viver esse hoje, esse instante, esse agora...

Quero o jogo que mostra, esconde, entorpece
E o toque das mãos que me fazem tremer
Quero o beijo que encharca, toma, entontece
Desenhando os contornos do meu prazer...

Magistral regente que mostra o caminho
Invade minhas ruas sem pedir permissão
Lambuza-me, ascende a chama da paixão.

Após louca, no teu peito, inventar ninho
Descansar lânguida, soprar tuas vertentes
Ser manhã seguinte de madrugadas quentes...

Glória Salles
09 fevereiro 2009
23h31min

No meu cantinho...
 
"Madrugadas e manhãs"

Espera Amor

 
Espera Amor
 
ESPERA AMOR

Perco-me no abismo do teu olhar
Morrem flores neste entardecer
Perde-se Vida num constante acenar
Mas a esperança volta sempre a florescer.
O tempo é como rapaz novo, a correr
Torna minha solidão ainda maior
Já nem o corpo me quer obedecer
Resta o tempo de lembrarmos amor.

Perco coisas que aprendi a amar
O tempo é colete de forças que me põe à prova
Que me aperta sem cessar
Mas deixa ainda no meu peito uma emoção nova.

Perco-me no abismo do teu olhar
Olhas-me de medo de me ver cair
Hesitante de palavras mas com vontade de gritar
ESPERA AMOR... a noite mansa que há-de vir!?
E assim foi sempre entre o deitar e o dormir
A nossa festa com brilho e chama
Esquecidos do tempo do porvir
É nesta hora que a gente sempre se ama.

rosafogo
 
Espera Amor

O Movimento da Terra

 
 
.

Veste o teu vestido branco
o mais transparente de todos
e vem ver o nascer do sol
Despe o teu vestido branco
e deixa que a luz cubra de beijos
todas as galáxias da tua encantadora derme, ó minha flor latejante !
Permite que o sal da tua carne tempere a minha boca
que irrequieta busca o único alimento que a sossega
Liberta o teu corpo alagado em forma de rio feminino , ó deusa !
e preenche de bênçãos estas minhas mãos que em ti
descobrem os roteiros íntimos de todos os caminhos
que conduzem à mais sonhada Índia
até que todas as águas em voltas de revoltas queridas
nos esgotem - ó abençoado cansaço !
depois ... repousemos
enquanto o teu vestido branco
adorna a orla do recife
até ao por do sol ...









Luíz Sommerville Junior, 060420141920
 
O Movimento da Terra

Deus estava lá

 
 
Deus estava lá
Eu vi…
Na pequena gotícula
da chuva
que o frágil pardal
sorveu
E feliz e hidratado
ainda que frio e molhado
ensaiou o voo
e correu a reparti-la
com o filhinho
quentinho, no ninho
sobre o beiral do telhado
E eu não consegui
impedir
que uma lágrima
descesse teimosamente
pelo meu rosto

Maria Fernanda Reis Esteves
49 anos
Natural: Setúbal
 
Deus estava lá

Pelo respeito de todos os poetas…

 
 
Além daqui,
a expectativa cresce,
e tudo o mais acontece,
na vida de todos nós.

Muito mais do que as palavras,
que aqui expomos,
outros mundos se cruzam,
em nossas vidas,
onde aqui os sonhos, são reais
muito antes de se tornarem imortais.

Muito além dos limites
e das nossas forças,
um quadro de honra
pela expectativa crescente
das palavras ditas…
que, de tão apelativas que são,
lançam-nos profissionalmente,
sem nunca esquecer
que pessoalmente também
esta realidade
está muito mais presente
na vida de todos nós.

E muito mais aquém,
onde além, eu falo disto,
Importa aqui, insisto…
encontrar-mos o nosso aprisco
e sem não poder fugir ao fisco
o nosso único porto de abrigo,
aqui ou em contra-mão,
uma mão carente,
um irmão amigo sempre,
ou então, um amigo irmão.

Que cada um de nós saiba
cuidadosamente cultuar,
cultivar afetos,
uma receita de todos nós…
pois pela cortesia
das palavras expressas,
eruditas ou não,
jamais alguém nos calará,
ninguém apagará de nós,
o nosso pranto,
ou a nossa dor,
o nosso encanto
ou o desamor.
e muito menos, a nossa voz,
que intensamente vibra
no coração de todos os poetas.

Pelo respeito da cor, ou raça,
da crença da religião,
pela originalidade,
pelo apreço,
pela motivação,
pela credibilidade,
pela emoção,
pela sensibilidade,
pelo carinho,
pela união,
pela afetividade,
pela paciência,
pela criatividade,
pela preserverança,
pela paz e tranquilidade,
e particularmente, pelo amor…
A todos os poetas e poetisas,
com um só corpo e ”alma”,
devotos a um só coração,
a minha sincera e grata presença,
e também a minha eterna gratidão.
 
Pelo respeito de todos os poetas…

A Chama da emoção

 
A Chama da emoção
 
Abstraio-me da minha intolerância
Ausento-me para me aceitar
Concebo-me à luz da minha crença
Bebo da fé que me dá confiança
Busco na vida a seiva da eternidade
Colho da sorte o fruto do meu trabalho
Trilho o rumo do livre arbítrio
Sorrio para disfarçar a minha imperfeição
Os defeitos transformo em virtudes
Chamo a mim a voz da emoção

Maria Fernanda Reis Esteves
49 anos
Natural: Setúbal
 
A Chama da emoção

“Nosso prazer”

 
“Nosso prazer”
 
Para alem deste mar que agora vejo
Mergulho na imensidão deste abraço
Propondo farta emoção, já antevejo
Beber a luz desta paz no teu regaço

E quando a noite chega distraída
Vasculha meu corpo, marés de desejo
Remenda os retalhos de saudade puída
Navega faceiro prevendo lampejo

Confundem-se pernas, louca magia
Arrasta-me num incêndio, esta alquimia
Quando somos unos, momento perfeito

Ganha campo entre lençóis, um estopim
Espreitando emoções, derrama em mim
Todo o prazer, que é nosso por direito.

Glória Salles

No meu cantinho...
 
“Nosso prazer”

CALMINHA AÍ

 
CALMINHA AÍ

Calma, meu coração
Que pele é pasta porosa

Segura aí teu sentimento
Nesta morsa
Apetitosa,
Ferrosa

Vê se glosa esse alimento...

Imaginação não é devaneio
É meio de criação
Delírio, isso sim
É danação sem freio

Essa incursão prossegue
Veia do pescoço afora
Sombra nua a perambular
Pelas ruas e becos cegos
Pelos bailecos marotos do mundo...

Calminha aí, coração
Despista os absurdos
Que sangram de teu vão
Que o corte é muito profundo

(Aquieta-te.
Que - cá entre nós -
O que não te mata
Engorda-te
De emoção)
 
CALMINHA AÍ

Hoje abri um sobrescrito

 
Hoje abri um sobrescrito
 
HOJE ABRI UM SOBRESCRITO

Hoje abri um sobrescrito
Havia nele folha em branco
Nada nele me havias dito
Porquê todo este meu espanto!?
Também nada redigi,fiquei parada
Deixei correr o marfim
O amor em branco não é nada
E este amor era assim.

Reconcilio-me com a solidão
Minhas forças restabeleço
Parto para outra emoção
Rasgo este sonho e esqueço.
Fico um tanto abatida
Depressa me recomponho!
Se este amor não teve saída
Esqueço o sobrescrito e o sonho.

Que missiva impertinente
Que a mim não dá sossego
Que foi feito do Amor da gente?!
Que ainda é grande o meu apego?

Olho também o bilhete
Dessa mesma ocasião
E uma flor dum ramalhete
Com que adoçaste meu coração.
Hoje estou resignada
Ouço ainda teus passos no soalho
Se este amor não deu em nada
Para quê tanto trabalho!?

Volto a esconder meu tesouro
Mas sou franca por natureza
Ainda p'ra mim vale ouro!
Era AMOR tenho a certeza.

rosafogo
natalia nuno
Lapas
 
Hoje abri um sobrescrito

MAGIA

 
MAGIA
 
 
Temos agora a emergir
do nosso rio de saudade
a magia
de uma emoção inesquecida
entornada
em nossos corpos à exaustão
naquele dia
prioridade minha e tua, então...



momento aquele
a nos entorpecer feito vinho
degustado em pequenos goles
até o final do ato
é lascívia que não se esquece!


(Ah!... Temos razão pra essa saudade!).


tudo somado e multiplicado
é coisa que não se explica
e o que fica?
esquecimento interdito
onda revolta que corre nas veias
frêmito que detona o peito
sentimento não dito
desejo que vem à tona
carícias e beijos
à mancheia...


nós dois já sabemos
bem e tanto
que por mais que tentemos
nada dissipará aquele encanto!


Maria Lucia (Centelha Luminosa)
 
MAGIA

Coração Digital - A.I.

 
 
.

Coração Digital - A.I.

Sou duma época em que a robótica
pode amar os humanos
e em que os humanos estão incapacitados
de me amarem
e de se amarem entre eles
talvez uma fada possa sossegar
os meus circuitos sem sangue
talvez as veias da fantasia
me devolvam
uma história suspirada ao adormecer
pela minha mãe
Sou menino repleto de circuitos e cpu's
não existem cirurgiões que possam
reprogramar a minha memória
a minha metaliforme emoção...
mas por uma noite de amor
eu venceria a mais gigantesca baleia
renunciaria ao mais vil João Honesto
seria artista de circo
e voltaria a casa cansado
com todo o meu aço enferrujado
Se o meu pai fossse o Gepetto
e a Disneylândia o meu lar
chamar-me-ia Pinóquio
mas eu não sou esse boneco-de-pau
não posso voltar para casa
tenho de regressar à oficina
ir para a manutenção
porque
não passo dum menino
de olhos bem fechados
dum infra-terreste que nasceu
da excêntrica comunhão
entre o Dr. Estranho-Amor e O Tubarão ...

Luiz Sommerville Junior , Eu Canto O Poema Mudo
 
Coração Digital - A.I.

“Vulnerável” - Soneto

 
“Vulnerável” - Soneto
 
“Vulnerável” - Soneto

Quando o vejo assim, cartas na mesa, aberto.
Querendo seus aromas, fazer-me conhecer...
Então nossos segredos mais doces, diluo.
De um jeito Inconfessável tomas o meu ser

E as paredes são agora, nossas confidentes.
Insano momento esse, entre suspiros e olhares
Quando com precisão me segura pela cintura
Ponho-me vulnerável, e deixo tudo acontecer

Beija-me outra vez, e outra... Quase imploro
Mágica aliança, norte, nesse deserto que vejo
E frágil assim, sou emoção, loucura, desejo...

Languida e atrevida, o meio termo ignoro
Somos um quando se apossa de mim, atados
Pelo amor que nos faz, umbilicalmente ligados.

Glória Salles
 
“Vulnerável” - Soneto

Acta da emoção (Para Vony Ferreira)

 
Acta da emoção (Para Vony Ferreira)
 
Aos seis dias do mês de Junho do ano de dois mil e nove.
Lavrou-se, no livro sagrado da alma, a acta da emoção.
No momento em que o abraço provocou uma explosão
E a arritmia da amizade embarga a voz e implode
Dando corpo a uma “cascata de sílabas” na linha dos sonhos.
Libertando o espírito, sugando o doce âmago da vida.
Num arrebatar de sentimentos, que tornaram mágico o momento.
E a poesia soou mais alto, vingou nas palavras, omnipotente.

Obrigada Vony, pela magia do momento e por poder, finalmente, olhar nos teus olhos de mar.


Maria Fernanda Reis Esteves
49 anos
natural: Setúbal
 
Acta da emoção (Para Vony Ferreira)

Isto... nem sequer é um poema!

 
Isto... nem sequer é um poema!
 
Não são precisas palavras
Neste caso a foto fala por si
Será o homem superior?
Ou, muito pelo contrário
Tem muito que aprender
Com a autenticidade dos animais?
Não desespere!
Isto... nem sequer é um poema!
Eu só quero que olhe para a foto!
E já, agora, foi tirada na Arrábida.
O que me dizem?
Responda, não é por mim é por eles!
O que conta aqui é a amizade
a autenticidade, a emoção
e sobretudo a pureza
Onde é que ela reside em nós?
Talvez, ainda, tenhamos essa capacidade
de amar o próximo.
Não se irrite!
Não se esqueça que isto...nem sequer é um poema!

Maria Fernanda Reis Esteves
50 anos
natural: Setúbal
 
Isto... nem sequer é um poema!

Na moldura do sol-posto

 
Na moldura do sol-posto
 
NA MOLDURA DO SOL POSTO

Põe-se o sol mas não é noite ainda
A tarde vai levando o dia pela mão
Vaidosa se vestiu de dourado, linda!
Deixou meu olhar lembrando com emoção.

Nos derradeiros momentos deste olhar
Que sorveu tanta luz, o tempo parar.
Na moldura do sol posto
Lembrar, um sonho chamado infãncia
Os traços do rosto,
Agora esbatidos na distãncia
Ainda o verde terra nos olhos surgindo
E raios de Sol ainda a espreitar.
Na noite que vem vindo?!
Um sonho, um outro ainda sonhar.

Aconchegar-se às estrelas
Empoleirar-se em segredo,
na noite escura.
De palavras singelas,
o sonho afrontar de alma pura.
Rever-se ainda nesta moldura.

Porque o coração jamais olvida!?
Que a meninice o olhar guarde.
Para que não seja esquecida,
Os dez réis de gente.
Estrela perdida.
E a recorde sempre
No encanto d'outra tarde.

rosafogo

Dez réis de gente, me chamava com ternura minha
avó.
 
Na moldura do sol-posto

Pai ,quisera eu ter-te de volta... ainda que seja por uma fração de segundos... Poema dedicado ao poeta Sommerville....

 
Pai ,quisera eu ter-te de volta... ainda que seja por uma fração de segundos... Poema dedicado ao poeta Sommerville....
 
 
Neste momento
Que é um momento só teu...
Que teu amor transborda
E compartilha conosco
Faço da tua dor,
Minha...
Também, amainou-me a alma
Dantes de torrentes orvalhadas,
Chuvinha teimosa...
EMOCIONAS-ME,
Letras douradas
Que aquecem o ser(filho)
Neste dia de mais um niver
Sem sua voz...
Abraço,
Conselho,
Espelho,
Mas jamais sem seu amor
O legado que fora deixado
Faz o filho inundar a tela
Nos vitrais da saudade...
Fazer o sol raiar do outro lado
Do oceano e faz
A chuva lavar a terra
Dando sim,
Um novo el dourado no existir
Ao sentir em tuas letras-vivas
Todo o amor dedicado ao ser(pai)
Que com a nidação foi parte
Integrante e importante
Para que tu exista...
E que com certeza
Fará o teu prosseguir...
Teu caminhar melhor
Sabendo onde ir...
Depois, d'hoje
Novo ciclo,
Novo amanhecer-vida
Pois, de dentro pra fora
E de fora pra dentro
És um ser humano-alma linda
Que merece ser feliz
Nas mãos que tecem
Estas linhas te deseja
O tudo de bom...
O melhor que Deus possa
Te oferecer...
A inteligência emocional
Que gera a paz interior
Que tanto precisamos...
Neste momento ensejo
Que Deus te cobra com o manto
De luz dourada
E te envolva com uma
Couraça de aço
E te faça de todo PROTEGIDO
E segure pela mão-o-teu-coração
E te dê a paz tão esperada
Na paz revelada pelo Cristo.

Palavras que tu dirias amigo Sommerville
Neste dia 19.03.
"...PAI, quisera eu ter-te
aqui de volta ainda que seja
por uma fração de segundos...
AMO-TE ETERNAMENTE-PAI."

Não sei fazer arte perfeita
Como tu poeta e nobre amigo
Sommerville pois, sou somente
Uma aprendiz,
Mas, saiba que estes versos simples
Fiz especialmente
Para ti (em homenagem ao teu pai)
Com minh'alma e meu coração.

Ray Nascimento

RECOMENDO:
link do lindo e emocionado poema
que Sommerville fez em homenagem ao seu pai
(in memoriam)

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=265909
 
Pai ,quisera eu ter-te de volta... ainda que seja por uma fração de segundos... Poema dedicado ao poeta Sommerville....

Ninguém entende!

 
Ninguém entende!
 
NINGUÉM ENTENDE!

Ninguém entende!
Porque assim me sinto
Se a voz se prende
E a mente é labirinto.
Solto a vida em versos
compungidos,
Sonho com campos floridos
E uma dor estranha
Sempre me acompanha
Nas palavras a emoção
A tristeza é tamanha!?
Quando caio na solidão.

Desenrolo lembranças passadas
Vivo, mas sempre saudosa
Trago no rosto rugas vincadas
Sorriso caído, lacrimosa.

Deixo palavras que são sementes
Assim crio minhas ilusões
Nas horas vazias
com esperanças ausentes
E às vezes a vida aos tropeções.
Sossegados em certos dias
Outros os olhos são poços de àgua
E os sonhos que vou sonhando?!
São de saudade e de mágoa
Que no peito estão gritando
Porquê?
Porque o tempo se está esgotando.

Ninguém entende
O sentimento que é a saudade
Que à vida me prende
E me faz esquecer a idade.
É natural não entender
É preciso aqui chegar
Ainda que pouco haja a perder?!
Mudança sempre é triste,
E é triste este mudar.

rosafogo
 
Ninguém entende!

O Último Paraíso - Video

 
 
Luíz Sommerville Junior
 
O Último Paraíso - Video