Poemas, frases e mensagens sobre homenagem

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre homenagem

Mãe Flor Divina!

 
Mãe Flor Divina!
 
Mãe é a flor mais bela do jardim,
A que exala o Amor mais puro
E o carinho mais doce e aconchegante...
Mãe é a Sagrada Essência do Amor!

Mãe é flor angelical enviada por Deus
Para nos amparar desde o nascimento,
Educar e nos ensinar a caminhar...
Mãe é a Extensão do Arquiteto Divino!

Mãe tem todos os filhos no coração
E mesmo depois de crescidos,
Adultos, estão em suas orações...
Mãe é a Rosa Mística, Imaculada Maria!

Mãe é Guerreira, nunca perde a força,
Tem sempre uma palavra de conforto,
Uma palavra de fé e de esperança...
Mãe é Luz, a Alma da Família!

O Amor de Mãe é inquestionável.
É um Amor sublime, terno,
Igual ao Amor de Deus por nós.
Mãe tem o Amor Infinito e Eterno!

Elias Akhenaton
 
Mãe Flor Divina!

A Jenário

 
A Jenário

Desde origem informe de embrionário
Quando foste cerebralmente torto
- Livre da culminância vil do aborto,
Quiseste ser homem, poeta e Jenário.

Como poucos, formou-se o maquinário,
Avantajado no efeito do absorto,
Enche de vida qualquer verso morto
Se alvo de seu fértil imaginário.

A Jenário que não creio seja gente
Mas a forma poética dos arrebóis
Que sempre toca e toca intimamente...

Que bom neste mundo estejais entre nós...
De grande alegria gozam teus docentes,
Infinitamente felizes teus lençóis!

Álvaro Silva. ©



Este singelo soneto já o fiz a algum tempo em homenagem a um grande poeta do qual sou admirador: Jenário de Fátima.
 
A Jenário

Ocaso - Homenagem à poetisa HAEREMAI

 
 
Nas mãos,
As palavras,
Com o amor à vida.
Um sangue que corre nas veias,
Que chamou o brilho do luar,
O uivo do lobo solitário,
O canto do rouxinol.
Li as cores da areia,
Percebi as letras do ocaso adormecido.

Bem, podia ser melhor, mas Fátima, espero que goste.

É uma poetisa que respeito muito e que muitas vezes me inspira.

Obrigada pelos seus poemas, HAEREMAI.

Imagem: Google Imagens
 
Ocaso - Homenagem à poetisa HAEREMAI

MEU PAI

 
MEU PAI
 
Qualidades e traços bem definidos...
Nunca banalizava!
Sempre buscava alternativas
Sua essência estava em sua alma.

Partiu para o desconhecido!...
Que mundo é esse?
Que machuca e faz chorar
Chorar pela perda eterna...
Chorar por uma saudade imensa,
a pior das saudades.

Deixando uma ferida terrível;
Busco entender esse mistério
Jamais esclarecido.

Você homem, amigo e conciliador.
Capaz de sentir e sofrer por outra pessoa,
tomando para si... Os problemas, as causas...

Acolhedor e sempre de braços abertos,
Não fazia acepção de pessoas...
Sempre surpreendia com sua bondade.

Ah! Quantas vezes choro...
Procurando por você...
Mas não te encontro...
Só nas lembranças
Momentos tão bons!

Sempre bonito e elegante...
Com um sorriso espontâneo.
Sua marca registrada era o seu charme
e elegância... Inconfundível.

Guerreiro...
Valente e lutador
Integro e leal aos seus princípios...
Cativou-me.

Meu querido...
Meu jovem amigo...
Deixava transbordar
o cálice de alegria. MEU PAI!

03/06/2003

Parabéns a todos os papais do Luso Poemas!
 
MEU PAI

ROBERTO CARLOS

 
ROBERTO CARLOS
 
 
Roberto Carlos um homem de Fé e carismático
Ontem, hoje e amanhã será eterno e aromático
Brilhará em sua vida a coroa de ouro de Rei
Envolvendo as multidões que tanto o amam
Revelando que é Rei por merecer
Tanto merece que passará o tempo, mas não você
Original e perfeito em suas canções emocionantes

Caminhante da vida Rei por merecimento
Amor é seu lema para tudo na vida
Romântico um ser querido de todos os brasileiros
Lá bem longe do outro lado do mar admirado amado
Outro ser não poderia ocupar seu lugar jamais
Será para sempre o nosso Rei da música MPB

Brasileiro de nascimento
Rei eleito pela nação
Amado por todos os fãs
Grande compositor e cantor
Avivando todos os corações

POR FAVOR,PARA MELHOR LEITURA, CLIQUE NO POEMA
 
ROBERTO CARLOS

TrabisDeMentia

 
TrabisDeMentia

Existem pessoas
Naturalmente
Radiantes....
Se fazem
Farol
E Porto seguro
Iluminando
E acolhendo...

Existem pessoas
Idealistas e solidárias
Sonhadoras e humanitárias
Seu viver é uma lição de vida,
Sua transcendência não nos deixa
Perder a fé e a esperança no homem.
Pessoas que sempre fazem a diferença

Existem pessoas,
TrabisDeMentia,
Como você
Que compartilham
E semeando Amor
Planta felicidade
Nos corações.

11/08/2007
 
TrabisDeMentia

AMO-TE E NÃO SOU TEU AMANTE

 
Sempre que te vejo, tu sorris.
É um prazer de te ver sorrir assim
Mas tenho ciumes da Vila de Paris
Pois que tu estás num dos seus jardins.

Tenho ciumes de ver tanta gente
Para quem tu olhas e sorris também
O teu sorriso é de forma permanente
Eu o quero para mim, para mais ninguém.

Queria-te falar, te dar uma palavra
Mas não consigo, tu és distante.
Eu sei que não tenho a beleza da tua lavra
Mas eu amo-te e não sou teu amante.

Teu sorriso é um sorriso enigmático
Fixaram-te à parede de forma hedionda
Sempre com esse sorriso emblemático
Eu mesmo assim te amo, Joconde!

A. da fonseca
 
AMO-TE  E  NÃO  SOU  TEU  AMANTE

INESPERADA VISITA

 
INESPERADA VISITA

Se bem penso, nem só para o amor, o eufórico, o lúdico, o humorístico, o sensual mais ou menos ousado, existe este site. Também nele há ou deve haver lugar, assim julgo para a alusão – já que de canto não é fácil nele honra-lo – para o profundamente sofrido, já que a dor é inerente à humana condição. Por isso que ninguém se escandalize por uma curta viagem pelo patético da vida.
O tema que nesta hora acorda em mim mexe com o mais profundo da raiz humana, rasgando em lúgubre transversal toda a sua natureza, enraizando no corpo e volatilizando-se no espírito. È patético - repetimo-lo - o tema, mas ao mesmo tempo arrebatador, na medida em que interfere, integral, nas profundas do nosso ser. Há um certo pudor, não sei bem se medo, um certo respeito – não sei se é o termo correcto - por o leitor. Mas uma réstia de coragem ou ousadia, ou despudor, desafia-me a abrir e com determinação a porta e a entrar com desassombro na matéria que hoje – não sei se por estar um dia de acentuada intempérie me sinto desafiado a abordar.
Sem me considerar poeta, ouso defender que considero o assunto rotundamente susceptível de ser tocado, porventura cantado.
Era um imenso e aparente relvado com árvores que até davam fruto, de premeio. Ao centro uma pequena colina da qual se dominava o verde prado. Fomos para ali conduzidos num anúncio de surpresa da guia do grupo já que identificar a visita poderia ser desestimulador para alguns. Uma vez postados na colina, espraiado o olhar pela distância como quem busca apetitosa novidade, os nossos olhos vão-se aproximando das imediações da colina e é então que se apercebem da natureza do lugar. Aqui e além, mas como por inusitada magia cada vez mais próximas, uma e outra e depois outra e, afinal, um sem fim de cruzes a salpicarem o relvado. Aqui, além e mais além, uma simples flor. Está desfeito o mistério. É um cemitério, não à maneira dos nossos.
Ali tudo era simples, igual, não havia distinção de classes. Os que ali repousavam tinham a mesma idade, mais ano menos ano (dezanove a vinte e um anos) e para ali foram levados numa mesma época, a da brutal segunda grande guerra. Eram militares alemães os que ali jaziam, aqueles cujos corpos jovens foram entregues há cerca de sessenta anos às leis implacáveis da terra-mãe. Sim por estranho que possa parecer e explicação não nos foi dada e também não a descortino, eram militares alemães. Isto em terras da Normandia, terras da nação Francesa, naturais inimigos da nação Alemã. Perpassou por mim e decerto por outros, um acolhedor sentir, quase ternurento. Surpreendeu-me que fosse dada aquela dignidade a jovens militares da grande nação inimiga. Não tive lágrimas. Estas imaginei-as nos olhos daqueles que foram pais desta juventude brutalmente sacrificada na flor da idade. Neste instante escutei distante – tive essa ilusão, eu sei – uma melodia que me é profundamente cara e que me toca a alma em determinados momentos. É uma canção de Marléne Dietrich que de algum modo canta a tragédia desta guerra e lhe é contemporânea. Então os meus olhos, eles mesmos vertem lágrimas que me fazem sentir no mais esconso da alma que existe uma resposta para este drama. Os sentimentos que remanesceram em mim remeteram-me durante algum tempo a um silêncio que me fez viajar por um inexplicável mundo caldeado na dor, na violência desfeita em humanidade, numa estranha paz interior, na saudade.

Antonius
 
INESPERADA VISITA

Brazão Alentejano- Para Coral S. Domingos

 
Brazão Alentejano- Para Coral S. Domingos
 
Tarde de Sábado, dia 11/07/2009. Um momento que se esperava ser como tantos outros, já vivenciados. Um Encontro onde os coros dão alma ao instrumento humano.
A voz, bem colocada, ecoou pela Igreja do Convento de S. Domingos e a arte aconteceu.
Estilos diferentes, numa conjugação de talentos e esforços, onde imperou a união por uma mesma paixão, a música, divinamente executada.
O anfitrião, O Coral de S. Domingos, de Montemor-o-Novo, brindou-nos, muito para além da qualidade incontestável da sua performance. Dotou-se de carinho e fraternidade e recebeu os seus convidados (Coral Luísa Todi e Odisseia)com o que há de melhor na gastronomia Alentejana, num banquete confeccionado com desvelo e amor.
Saudades trazemos no peito, de uma tarde memorável, onde a hospitalidade e o brazão de um povo deixou a sua marca nos nossos corações.
Um brinde ao Coral de S. Domingos.
Um abraço ao Alemtagus, em nome do Coral Luísa Todi.

Maria Fernanda Reis Esteves
49 anos
Natural: Setúbal
 
Brazão Alentejano- Para Coral S. Domingos

ANIVERSÁRIO DE VÒNY (Inédito!)

 
ANIVERSÁRIO DE VÒNY

É dia de muita alegria
Pois é teu aniversário
Com todo amor que irradias
Tal ave cantando em plenário

Através de teus versos cantas,
Querida Vòny, em manifestos, atos.
Tantas são as formas que encantas
Em vários alegóricos formatos.

Que sejas muito feliz, amiga,
Não só neste dia que festejo
Pois neste enorme coração abrigas
Mais grandiosidade a cada ensejo.

De: ibernise

Para: Vòny Ferreira, com muito amor.

Ibernise
Indiara, (Goiás,Brasil), 16.02.2009.
Poema inédito nesta data.
*Núcleo Temático Educativo.
Direitos autorais reservados/Lei n. 9.610 de 19.02.1998.

Para desativar a Música clic no canto superior esquerdo.

CONVITE
Você está convidado a participar do ciclo poético consagrado aos 7 Pecados Capitais:Um projecto Lusofono. Poeta participe!Mais informações em:
http://ciclosdepoesia.blogtok.com/
Email. para inscrição ibernise@hotmail.com
 
 ANIVERSÁRIO DE VÒNY (Inédito!)

HOMENAGÉM ÁS POETISAS

 
Muito eu gostava de evitar
Uma a uma elogiar
Par evitar ciumeiras
Das avózinhas ciumentas.
Vou tentar a inspiração,
Poder falar do coração
Homenagém em camara lenta

Sim, porque a velocidade
Já não é para a minha idade
Já não dá bom casamento.
Gloria e a sua bela poesia.
A Vera quer seja poema ou prosa
Oferece perfume de rosa
Com técnica de alquimia.

Temos a Filosfal, a velhota.
Com o seu olhar de marota
Qual Águia bem escondida.
Ecreve textos de admirar.
Neste lar vela pelos netos
Sejam Trábis ou Albertos,
Entre as penas os quer guardar.

A Tãnia, Princesa da sensualidade.
Bethinha e a sua ilida mocidade.
Rose a do perfume francês
Bruxa nas horas vagas.
Sem dúvida que escreve muito bem
Admirável para a idade que tem...
E admiradora do grande Gonzaga.

A Vony, em Leiria anda à pesca
Do pobre peixe que resta
Naquele rio Liz poluído.
Na escrita anda perdida.
Hoje escreve um bom poema
Amanhã se tem tinta na pena
Excelente prosa é bem vinda.

A da fonseca
PRIMEIRA PARTE
 
HOMENAGÉM ÁS POETISAS

VAMOS PRESTAR UMA HOMENÁGEM À VONY ?

 
Eu Alberto Rodrigues da Fonseca, um dos velhotes no Luso poemas, (não é por isso que sou mais inteligente ou mais ajuizado) vou por este meio, pedir a todos aos autores do Luso poemas o seguinte:

A nossa muito querida Vóny Ferreira, conseguiu com esforço coração e inteligência, criar
o Trago-te Um Sonho Nas Mãos.
O tempo passou e tenho a impressão que o seu esforço não foi recompensado como devia.
Certo, muitos de nós contribuíram para esse sonho cada um à sua maneira até financeiramente, mas a Vóny merece que lhe façamos uma singela homenagem.

Eu penso o seguinte: Vamos votar na Vóny com votos de 1 a 5 hoje até amanhã 24 horas

Uma vez terminada essa votação, vamos verificar o total dos votos.

O numero de votos serão transformados no mesmo numero de beijinhos e enviamos numa caixinha com laçarote e tudo, à nossa grande poetisa, que bem os merece pelo que fez para que esse sonho se transformasse realidade.

Vamos a isto? Mãos à obra.

Um abraço a todos

A. da fonseca
 
VAMOS PRESTAR UMA HOMENÁGEM À VONY ?

EMOÇÃO DA MÚSICA (Feliz dia do Músico)

 
EMOÇÃO DA MÚSICA (Feliz dia do Músico)
 
Mesmo que seja difícil a caminhada
Como a escala de notas musicais
Não desistam de seus sonhos
São eles que comandam
A música da vida
Assim como...
A música
As suas

POR FAVOR, PARA MELHOR LEITURA, CLIQUE NO POEMA

Emoção da Música

Se todos os contra baixos do mundo soassem
A bateria e as guitarras para todos falassem
A melodia que soa nos corações dos músicos
Viria com o som de violino de grandes clássicos

Se todos os instrumentos fizessem uma reunião
Saberiam que todo músico tem por eles admiração
Cada um no seu estilo de adaptação musical
Cada qual tocado por eles em tom especial

Ser músico precisa, com efeito, nascer com o dom
Escolher o instrumento e com ele dar o tom
Para o vocalista entrosado com eles os acompanhar
Assim, som e tom em harmonia a música divulgar

Ser músico é ser um artista da vida construindo emoções
São aqueles que sem querer penetram em todos os corações

Ângela Lugo
 
EMOÇÃO DA MÚSICA (Feliz dia do Músico)

Quando Parte uma Poetisa ou um Poeta

 
 
(Oiça o poema recitado pelo próprio autor tendo como pano de fundo o grande sucesso musical "Take Five" de Dave Brubeck)

Quando Parte uma Poetisa ou um Poeta

Quando parte uma poetisa ou um poeta,
Os seus poemas ficam no ar…
E formam nuvens densas e largas,
Para que se oiça a chuva a soar,
Chuva que simboliza as lágrimas amargas,
Dos que de imensa dor se curvam a chorar…

Quando parte uma poetisa ou um poeta,
Os seus poemas ficam no ar…
E formam um forte redemoinho de vento,
Para que se oiça o vento a assobiar,
Assobio que é afinal um doloroso lamento,
Dos que choram o seu infinito pesar…

Quando parte uma poetisa ou um poeta,
Os seus poemas ficam no ar…
Para que o sol dentro deles retido,
Apresse a escura noite sem luar,
Noite que é a cor do luto sentido,
Dos que de luto se vestiram a velar…

Quando parte uma poetisa ou um poeta,
Os seus poemas ficam no ar…
E logo se espalham por entre a multidão,
Que delirante os recita em ovação,
Juntando as suas vozes sonorosas,
Que por toda a parte se propagam orgulhosas…

Ah, quando parte uma poetisa ou um poeta,
Os seus poemas ficam no ar!
 
Quando Parte uma Poetisa ou um Poeta

A MULHER VISTA PELO HOMEM E A MULHER VISTA PELA MULHER

 
Peça a um homem, para lhe descrever uma verdadeira mulher.

Imediatamente, ele falará do volume dos seus seios, da medida das ancas, da espessura dos lábios, das pernas e da cor dos olhos e depois dirá que uma “verdadeira mulher” é uma loira de um metro e 85, com proporções perfeitas e um sorriso comercial de televisão..

Com esta definição há pouco de “verdadeira mulher”.
Claudia Schiffer, Cindy Crawford, Valérie Mazza, Laetitia Casta, Linda Evangelista, Sharon Stone, Disy Fuentes, Lindsay Lohan.

Agora, vamos pedir a uma mulher como é que ela considera uma “mulher perfeita” e vão descobrir que há uma grande diferença.

Para a mulher, uma “verdadeira mulher”e aquela que durante a gravidez não se queixa porque ela dá muito menos importância aos aborrecimentos físicos que ela sente, que ao entusiasmo a emoção e ao sonho desta nova vida que está dentro de si.

Uma “verdadeira mulher”, é aquela que apanha dois autocarros para ir para o trabalho e dois para voltar para casa.
Uma “verdadeira mulher”, é aquela que se deve de ocupar de lavar a roupa, de passar a ferro, coser e fazer atenção a toda a roupa da família, que dá assistência aos filhos, que e ocupa da alimentação e aprovisiona a casa, Se ocupar a escolher e preparar dia a dia, o que a família deve de comer
Ir ao supermercado, carregar com as compras e ainda se encarregar de efectuar os pagamentos e tratar de toda a papelaça.

Uma “verdadeira mulher”, é aquela que deve de fazer milagres para equilibrar o orçamento da casa.

Uma “verdadeira mulher”, é uma mulher chefe de empresa que administra de dezenas de empregados se segunda a sexta feira e uma família todos os dias da semana.

Uma “verdadeira mulher” é aquela que, aparte todas estas actividades, encontra ainda tempo de se treinar para manter a forma, que faz a sua epilação, passa o creme, prepara os cabelos, que se perfuma sem sequer receber um convite para sair.

Uma “verdadeira mulher”, é aquela que conduz os filhos à escola, que os leva ao treino de natação e que os vai buscar sempre com pontualidade.
Aquela que leva os filhos para o quarto e lhes da um beijo antes de apagar a luz.
È aquela que lhes conta historias todos os dias, lhes consagra do tempo e participa à sua aprendizagem.
Uma “verdadeira mulher, é esta mãe adolescente que ficou inquieta e não conseguiu dormir até à chegada da sua filha sã e salva e que devia de se levantar cedo para preparar o pequeno almoço.. Que encontra tempo para manter a sua saúde mental, mal grado a opressão ás quais ela é submissa

Uma “verdadeira mulher”, é aquela que sabe onde se encontra cada coisa em sua casa, que conhece os problemas de cada um dos filhos, de qual é o melhor remédio para uma indigestão, um pequeno doí doí de curvaturas ou pesadelos, que tem sempre esta lista para ajudar e que inspira, entre outras coisas, confiança e conforto.

Uma “verdadeira mulher”é aquela que não perde a esperança mau grado os problemas e as dificuldades que ela pode atravessar.

Uma “verdadeira mulher”, é aquela que faz tudo isto sem se preocupar a brilhar particularmente, pouco lhe importa de ficar no anonimato porque tudo o que ela faz , ela o faz por amor. Um amor tão grande que muitas das vezes ela deve de suportar maus tratamentos e injustiças em silêncio somente por amor aos seus filhos..

Schiffer, Crawford, Mazza,Casta, Evangelista etc, são todas de mulheres indubitavelmente magnificas e irresistíveis, mas uma verdadeira mulher é aquela que dá tudo pelos seus cada dia.

Às minhas amiguinhas verdadeiras mulheres e a todas aquela que leram este texto,

FELICITAÇÔES:

Aos meus amigos que têm uma verdadeira mulher a seu lado e que talvez não o saibam, ou que não pensam que a têm, pode ser que seja esposa, filha, mãe, avó, amiga ou colega, FELICITAÇÔES
eles têm muita sorte e outra coisa, façam favor, apreciai-as

Texto traduzido do francês e eu desconheço o autor. A única coisa que conheço é a Laetitia Casta, pois que é uma amiga do meu filho.

A. da fonseca
 
A MULHER VISTA PELO HOMEM E A MULHER VISTA PELA MULHER

Para Ti Rosa Maria

 
É Natal!

É a hora da ceia. Os teus familiares estão na mesa, na tua mesa preenchida de comidas tradicionais que a época exige.

Tu! Com o teu rosto feliz, sentes a magia de cada momento como ninguém, sentes o amor de cada Ser que se entrega com a sua presença.

E ainda assim… tens espaço e tempo para pensares nos amigos, para desejares que venham até ali, nem que seja em pensamento num pequeno momento…

E como que por magia, é esse o convite que recebo trazido pelas ondas da amizade e do pensamento num caminho feito de barreiras sempre ultrapassadas.

E eu não resisto. Vou em voo sereno e aproveito para parar por tantas casas em que também desejei estar sem que alguém me visse…

E os sorrisos felizes das crianças deixaram-me enlaçado no sublime mundo da alegria e da inocência. Cheguei a parar no tempo…

Cheguei atrasado... pois perdi-me por esses caminhos, mas nunca desisti de chegar.
Agora que cá estou deixo-te a minha singela prenda:

Uma caixinha pequena que quando aberta, liberta a mais envolvente alegria e enorme amizade!

Toma!
Segura-a... é tua por direito.

E antes de partir deixarei um beijo de saudade.

Voltarei ano após ano ou sempre que precisares... sempre que quiseres!

Beijo afectuoso de Feliz Natal

Boas festas! Para ti amiga e para todos os teus!
 
Para Ti Rosa Maria

MEU PAI

 
Meu pai:
Estejas onde estiveres
Eu sei que este poema vais ler
Sei que também vais gostar.
Conheci-te sem te conhecer
Vi-te sem te ver
Tinhas 31 anos e eu 4 meses,
Mas vi-te morrer.
O destino foi cruel para ti
Para a minha mãe
E para mim também.
Não chores, não foste culpado
Mas sim o teu relógio do tempo
Que se avariou e despertou o momento.
Tanta falta nos fizeste!
Passamos a ter uma vida agreste
Mas minha mãe contra ventos e marés
Soube levar o nosso barco a bom porto.
E sei que onde estás, foste o homem do leme
O capitão do nosso barco
Que o conduziste ao conforto

A. da fonseca
 
MEU PAI

SOU CANHOTA...

 
Ser canhoto não parece simples, mas minha lateralidade não é inábil, desajeitada,
nem tão pouco pústula maligna, demônio, ou coisa maldita como foi dito nas antigas escrituras,
nem mesmo sou política de oposição como ditou a malevolência da ditadura.
Apenas minha habilidade motora se encontra do lado contrario do cérebro, o lado avesso ao senso comum.

Concordo; somos minoria e vivemos no universo à medida dos hábeis, porque o mundo é democracia destra. Contamos com a hostilidade de alguns, como a insensível tesoura, o irredutível abridor de latas e seu parente próximo o saca-rolhas, tem também as torneiras, as maçanetas de portas, os mouses, os teclados de computadores, a delineação dos carros e por total desencanto os instrumentos de cordas e ressonância como o harmonioso violão.
Porém, são somente úteis objetos que não nos ferem os dedos, apenas oposição sem maiores afetações. Em contrapartida temos a inventividade das manobras, quando nos safamos com toda nossa criativa esquerda habilidade.

Só peço uma gentileza, não me queiram como ambidestra, porque minha dessimetria cerebral é determinante, definitiva e não se expressa de outra maneira senão na diferença de porte, clareza e elegância de minhas mãos.

Lufague
 
SOU CANHOTA...

LEMBRAS-TE LIDIA ?

 
Poema dedicado a uma tinha minha e unica, que depois da morte de meu pai, tinha eu então 4 meses, ajudou minha mãe a me criar, hoje idosa e doente

Oh Lidia!...
Lembras-te quando eu era pequenino
Era eu moço e menino
E ia ao Beato psssar férias?
Nas camionetas da Portugal e Colonias
Do Brito, hoje a Naciomal
Todas cinzentas sem portas
Mas como era viagem sensacional
Saía de Sacavém, como era longe Lisboa!...
Entre o condutor e o ajudante
Lá ia eu todo contente.
Os avós, os tios as tias os primos
E primas, esperavam por mim
Abraços e beijos à minha chegada.
Tudo se passava assim
E como eu ficava feliz!
Mas no dia seguinte
A nostalgia assim o quiz,
Sentava-me nas escadinhas,
Do Pátio da Quintinha
As lágrimas corriam ligeirinhas,
Pensava no meu Vasquinho
Irmão de quem eu tanto gostava.
Longe dele, nem um só momento.
Um dia já era muito tempo!
Mas no dia seguinte
Tudo mudava, como o vento.
Ficava com alegria
De estar na vossa companhia.
Lembras-te Lidia.
Quando iamos lá para a quinta
Apanhar gafanhotos?
Riamos corriamos,
Por vezes marotos!...
Mas a nossa juventude
Era mesmo assim
Estavamos na plenitude.
Lembras-te Lidia...
Quando o tio José
Me comprou um balão?
E sem compreender porquê
Tu ficas-te ciumenta.
Eu nele, comecei a soprar
Com um sorriso com pimenta
Para os teus ciumes picar.
Soprar... só podia ser eu!
Sopra mais!... ainda mais!...
Sopra mais ainda... ainda mais e mais...
E eu pobre pateta
Deixei-me ir na treta
E o meu balão rebentou!
E a fúria que me deu!!!
Atirei-me a ti... bati, bati, bati,
Tu rias, rias, mas fui eu quem as pagou!
E quando à noite antes do deitar
Iamos todos para o quarto,
Era obrigatório rezar!
E nós, cá atraz, entre portas
Riamos a bandeiras soltas
E não ligavamos nenhuma!
Mas o avô, na sua oração
A isso não dava atenção.
E como havia pouca luz
O avô nem sequer supunha
Que nós só faziamos o Sinal Da Cruz.
E quando eu, como o Laurentino
Fumavamos os nossos cigarros?
Iamos apanhar beatas,
Nos carros eléctricos do Poço do Bispo.
Desfeitas, metidas em latas
E o tabaco era assim aproveitado.
Mortalhas? papel de jornal
Até que um dia o avô descobriu
Deu-nos um par de galhetas
E as latas, ninguém mais as viu.
Mas que saudades desses tempos!
Mocidade sem responsabilidade
Mas também sem maldade,
Sem desgostos, sem dôres,
Sem gripe Asiatica, sem ciática.
E os jovens de agora?
Nada a ver com os de outrora.
Sem trabalho, sem futuro, sem ambição.
A droga é o maior senão.
Meu Deus, faz com que eles
Venham aos nossos tempos.
Que rebentem balões
Mesmo que se zanguem com as tias,
Mas que na vida não chorem
Mas riam, riam, riam!

A. da fonseca
 
LEMBRAS-TE  LIDIA ?

"Pai"

 
"Pai"
 
Não se esqueça dos outros 364 dias em que seu Pai também é Pai.
Abrace o seu Pai sempre que houver oportunidade... se você não for de dar abraços ou beijos, um aperto de mão serve ou uma conversa uma vez ou outra sobre qualquer coisa... nem que seja apenas para ouvir o som da sua voz.
Pense que você não o terá ao seu lado para sempre... e pode ter certeza de que quando ele já não mais estiver com você, serão todas estas pequenas coisas e detalhes que ficarão e perdurarão na memória e na lembrança.
Pense que quando ele se for, a palavra “Pai” ficará engasgada na garganta... e que você nunca mais poderá chamar ninguém por este nome.
Portanto, todos os dias que puder, fale com seu Pai... e saiba que este é um privilégio que muitos não podem mais ter.

Dreamaker (Denis Correia)
11/08/2013-09:48

N.D.A. 01: Eu dedico este texto ao Sr. João... meu Pai... que se foi cedo demais, mas que deixou uma saudade que não cabe no mundo. Obrigado, Pai... você continua muito vivo em tudo o que eu sinto, vivo e faço... está presente nos meus filhos quando eu os vejo fazer algo que me lembra você ou que sei que o senhor gostaria. Pai... você está aqui comigo... agora e sempre.

N.D.A. 02: Dedico este texto também à todos os filhos que um dia serão Pais... e à todos os Pais que um dia, também foram filhos.

Conheça outros textos inéditos de minha autoria:

Recanto das letras: http://www.recantodasletras.com.br/autores/denis

Blog Terra dos Sonhos: http://sonhosdesperto.blogspot.com
 
"Pai"