Poemas, frases e mensagens sobre infância

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre infância

O balanço

 
Em uma árvore no alto da colina
Tinha um balanço que hoje é lembrança.
Lá ficaram os sonhos da menina
Se balançando em fantasias de criança.

A menina até no céu cantarolava
E sua voz se espalhava na colina
Quanto mais o balanço balançava
Mais alto cantava a menina

A menina não sabia o q' era dores
Apenas se entretinha a balançar
Cantava sorrindo para as flores
E só com flores vivia a sonhar

Um dia deixou de ser criança
Mas não matou dentro del' a menina
Quer retornar pro balanço que balança
Quando o balanço já não está mais na colina.
 
O balanço

Do menino Balzac

 
Do menino Balzac
 
Quem sabe o que é estar preso
dor que dilacera corpo e alma?
Quem sabe o que é ter o peso
duma vida sem descanso ou calma?

Pássaro cativo, lento desespero
da maldade de se ver na palma
da mão dum destino ao avesso,
cruel,dançando em ritmo de valsa

Notória ave d'asas tristonhas,
olhar de grave pesar ao tempo
frágil corpo, sonhando façanhas

Alcançar voo, subir as montanhas
ou morrer no leve pensamento
do carinho pueril duma face risonha

Daniele Dallavecchia, 04062012047
 
Do menino Balzac

Sonhos de Infância

 
Sonhos de Infância
by Betha Mendonça

O tempo parece que não passou!
A vida cruza tantos caminhos...
A criança que fui não me abandonou,
E as versões eu que fiz de mim,
Para tentar ser mais feliz,
Abrem as asas e voam acima,
Das nuvens das razões terrenas,
Para que eu seja alguém,
Nessa terra de preços e gastos,
Onde hoje posso até ser ninguém...

Só não posso aceitar ser a vida,
Tão pouco mar para navegar,
Sei, esquinas vou reencontrar,
A menina que eu fui ainda a cortejar,
Nas vitrines os doces e sorvetes,
E as danças de rua ao luar;
Nesse tempo acessório,
De busca pela felicidade,
Onde não há maldade em ser feliz,
É só questão de opção...

O véu do futuro aí a descortinar,
Como um manto de estrelas,
Aonde a gente possa ser feliz,
Mas foi você quem não quis...
Não tente agora me culpar,
Se aí dentro não há lugar para navegar,
Nas questões mais corriqueiras,
E a vida vai levando a lhe levar...

(republicação)
 
Sonhos de Infância

A canalha

 
A canalha
 
Catraio, travesso
danado da breca
que solta na praça
a guita ao pião
que roda nas voltas
do seu coração

De joelhos em chaga
e olhar traquina
o puto do bairro
vai chutando o sonho
de vir um dia a ser
um craque da bola

No saco de berlindes
de mil e uma cores
o brilho dos olhos
São mais que um vício
um treino de vida
que junta a canalha
que ainda não sabe
o quanto é feliz.

Maria Fernanda Reis Esteves
49 anos
Natural: Setúbal
 
A canalha

Nêspera

 
Nêspera madura
colhida ainda no pé -
sabor de infância.

(Andra Valladares)
 
Nêspera

EMOÇÕES

 
EMOÇÕES
 
EMOÇÕES

Minha mãe me deu o ser
Marcada vinha à nascença
Trazia a coragem e o querer
Destino de poeta fazia a diferença.

Corri p'los campos borboleta livre
Dia a dia sem nenhuma inquietação
Serena como raio de luar que feliz vive
Indiferente à morte e à aflição.

Ao longe a minha serra querida
Cá em baixo o rio espelho do céu
Paisagem completa, cheia de vida
E eu borboleta ramo em ramo, corpo ao léu.

Brilhavam nos olhos estrelas refulgentes
Na imaginação um Mundo todo amor
Ao reavivar memórias recordo as gentes
Agora que se esgota o tempo, recordar é dor.

Nos sonhos percorria o Mundo inteiro
Descrevia-o numa folha de papel em velocidade
Ao Polo Norte chegava sempre primeiro
Viagens que ainda recordo com saudade.

Apaixonada eram tantas as emoções
Sonhava enquanto colhia frutos e flores
E agora nas minhas meditações
Voltam-me à lembrança a vivencia destes amores.

Nas memórias os amigos de infância
Em meus versos com atenção os envolvia
Verdes anos agora já à distância
Mas sempre cantados em minha doce poesia.

Uma lágrima molha a folha de saudade
Que me sobe do coração ao olhar
Esta folha que trouxe da Mocidade
E das Primaveras que o tempo me soube roubar.

rosafogo
 
EMOÇÕES

GRAVADA NO TEMPO

 
Lá de cima... Menina queria ser paisagem.

- Menina, não desce esses degraus, vai que escorrega? –

A voz vinha da janela logo atrás. Com irritação de criança batia o pé e sentava no primeiro degrau da escada escavada na ribanceira. Com o cotovelo na coxa e a mão no queixo, resignada, olhava o barquinho avariado balançando na beira do rio. Já tinha sido todo azul, mas o casco descascado só mostrava resquício da cor esmaecida.
Sentia a ânsia maluca de descer as escadas e ao mesmo tempo colher florezinhas... A vontade de descer com as mãos cheias até adentrar no barco e libertá-lo daquela prisão, pra depois fugir com ele descendo o rio e ir jogando pétalas na água, fazendo de conta que alimentava peixinhos.
A ribanceira era coberta por arbustos com flores brancas e miúdas, entremeados com capinzal. Havia sido desmatado um estreito espaço para que fosse escavada uma escada de chão. Lá embaixo, a alguns metros do rio, havia uma casinha de madeira sem pintura e telhado de palha. Era cercada por coqueiros e no fundo do pomar, sobressaia uma frondosa jaqueira e mais para trás, um lindo açaizal, cujas palmas tremeluziam ao vento. Pertencia ao dono do barquinho que dançava amarrado no pequeno trapiche - um tablado de madeira com estacas afincadas dentro do rio.
Que doído era querer fazer parte daquela tela viva e não poder, pois um olhar lançado da janela era extremamente vigilante. Os pezinhos batiam no degrau de terra, agitados, por conta daquele desejo de criança sapeca, enquanto via o rio correndo lá embaixo e alguns barquinhos zarpando com a água beirando os conveses... Barquinhos minúsculos com seus motores fazendo ‘puc-puc’ e rumando pra longe. Os olhos os acompanhavam até eles sumirem dentro do rio. Era assim que imaginava tudo. Pensava que quando os barquinhos se apagavam no horizonte era porque eles haviam emborcado na água. Sempre que isso acontecia, retornava a vontade de descer a ribanceira e fazer parte daquela paisagem... Do trapiche com o barquinho amarrado, da casinha de palha com as árvores...

- Filha, está na hora de entrar. Quer comer vento é?

Levantava, espanava a sujeira do short e corria pra dentro de casa. Depois de tudo, se pendurava na janela e ficava namorando o barquinho balançando no rio dourado de raios de sol.
 
GRAVADA NO TEMPO

BAILARINA

 
BAILARINA
 
“Nada é mais bela e bonita
quanto cada infância vivida”

----------------------------------------------------------------

POR FAVOR, PARA MELHOR LEITURA, CLIQUE NO POEMA
 
BAILARINA

MEU PENSAMENTO

 
MEU PENSAMENTO
 
MEU PENSAMENTO

Cada sonho que invento
É como ir ao encontro
Nem sei bem de quê
Mas cada vez que tento
Quase sempre me amedronto
Sem razão nem porquê.

Meu pensamento
Fica assim num desconcerto
Num Mundo que nunca vi
E sempre a saudade por perto
Como se a infância estivesse aí.

Perco-me por dentro de mim
Chego a não saber quem sou
E é a saudade que por fim
Me devolve o que se apagou.

Quando por fim me cansar
De mil razões que a vida me dê
Virá a morte meus olhos fechar
Calará de vez a razão e o porquê
Pra desta vida me levar.

rosafogo
natalia nuno
 
MEU PENSAMENTO

Estrelas no Corredor?

 
Estrelas no Corredor?
by Betha Mendonça

Ela dizia conhecer o caminho para as estrelas. Um lugar onde se podia pisá-las e até deitar sobre elas. Era ali mesmo no corredor de casa!Como os adultos sempre duvidam do que dizem as crianças, “culpavam” sua prodigiosa imaginação e ninguém entendia nem acreditava em Isabelle:

- Imagine!Estrelas no corredor... Resmungava a babá.

- E que se pode tocar e até pisar... No corredor! Acrescentava a mãe.

- Uma menina de apenas quatro anos!Com essa criatividade... Vai ser escritora famosa!Enchia o quarto de exclamações o pai.

A pequenina segredava aos ouvidos de Linguado, o cachorro de pelúcia, que vivia a sorrir com sua imensa língua vermelha pendurada para fora da boca e era o seu companheiro de aventuras:

- Nos sabemos que é verdade, não é, Linguado?Deixa chover que a gente mostra pra eles!

Passaram alguns dias e a menina insistia em dizer da beleza das estrelas e as pessoas já nem lhe davam ouvidos... Até que de madrugada choveu muito e depois ficou uma lua gorda e amarela no céu, e, a casa despertou com os sorrisos de ventos que enchiam a noite de frescor e alegria...

Todos saíram entre sonolentos e espantados dos seus quartos para ver com os próprios olhos Isabelle cantando, pulando amarelinha e rindo com Linguado sobre as “estrelas no corredor”. No cômodo escuro, as gotas da chuva depositadas na grande clarabóia iluminadas pelo luar resplandeciam estrelas azuis no chão. Estrelas cheias de encantamento e poesia que existiam ali há muito e só os atentos olhos infantis poderiam descobrir.

Daí a diante, sempre que chovia a noite e depois abria o luar, toda a família ia para o corredor brincar com as estrelas, ritual seguido por várias gerações que habitaram aquela casa abençoada.
 
Estrelas no Corredor?

A saudade a engravidou

 
A saudade a engravidou
 
A SAUDADE A ENGRAVIDOU

Minha Poesia é bem singela
Mas orgulhosa se envaideceu
Hoje se debruça namorando à janela
Caprichosa, de vento o coração encheu.
A saudade a engravidou
Anda nua em liberdade e pureza
As cores ao arco-íris namorou
E ao verbo livre do pensar roubou beleza.

E eu me sinto nela como afluente
Dum rio que corre ao mar
Levo comigo saudades na corrente
E as lágrimas que não soube soltar.

Prestes a chegar à foz
Sonho ainda a nascente
Ouço duma flauta melodiosa a voz
Doce afago da infância sempre presente.
Brilham meus olhos de saudade
Mas não se esgota a minha crença
E eu peço a Deus por piedade
Nos proteja com sua bem querença.

Tem a tarde o sol-posto
Tenho a Poesia no meu seio
Nela ponho o gosto e o desgosto
Esta do coração aos lábios me veio.

rosafogo
 
A saudade a engravidou

Ah, tenho saudades...

 
Ah, tenho saudades...
 
Ah, tenho saudades...

Da cidadezinha do interior
Que fica na zona Sul do Nordeste!
Das manhãs brumosas,
Do murmúrio do vento...
Das marés altas e baixas,
Das tardes felizes e velozes
E das brincadeiras de crianças.

Das manhãs perfumadas,
Das flores da cor de bonina;
Do cheiro de mato viçoso eu menina...
Amava na alva o toque do sol...
Beijando a minha face de garotinha!
Que a toda pressa levava grãos para as galinhas
Que ciscavam e cacarejavam caçando comida.

Quando eu corria ao galinheiro para pegar
Ovos fresquinhos e ia até o curral para apreciar
A ordenha do leite quentinho das vacas.
Quando eu voltava correndo maluquinha
Quase derrubando tudo a cantar!
Num mundo que parecia ser somente meu.

Do cavalo já pronto para montaria
Mesmo com medo sentia alegria
Cavalgar com maestria era tudo que eu queria
Apreciando a natureza o canto do bem-te-vi
Nessa hora o mundo lá fora parecia não mais existir.

Do pomar, das frutas que com as mãos eu alcançava.
Mais uma vez correndo para o riacho pescar e,
Uma paz fluía dentro de mim e poder naquelas águas
Cristalinas tomar banho e ver o peixinho inocente pegar
A isca e ficar desesperado... Para mim era uma conquista
Quão adoráveis aqueles momentos...

Das noites de luar que iluminava a terra que sem
Essa luz era um breu (treva) aonde só se via a luz
Do vaga-lume tal qual um pisca-pisca que vontade
De pegar quão rápidos eram eles... Mais um lampião
Era acesso e a magia da noite com o canto da mata
Virgem nos levava a cantarolar e dançar ao som da
Zabumba e do triângulo, junto aos primos e irmãos.
Sonhando quando então iríamos namorar!

18/07/2014 – Mary Jun


Olá Beijaflor obrigada por tão belo comentário!

Quando se percorre o rio da saudade
É porque nele mergulhamos fundo
E mesmo com o passar da idade
Sente-se a maior alegria do mundo!

Beijaflor
 
Ah, tenho saudades...

SÒ BEIJO DE MÃE

 
SÒ BEIJO DE MÃE
 
SÓ BEIJO DE MÃE

Só o beijo da mãe tem importãncia
Quando nos penduramos ao seu pescoço
Ainda criança...
Como o som repenicado ainda ouço...
É um acontecimento o beijo da mãe!
A infância continua dentro de nós
Como uma papoila que estremece ao vento
Ainda agora, da mãe me lembra a voz.

Deixo-me a vaguear neste acontecimento
Entre o passado e o presente
Este dia está velho!?
Como o meu pensamento.
As ruas silenciosas,
As portas cerradas
Das arvores as folhas caem, chorosas,
Das flores, foram-se as pétalas perfumadas.

Fico atenta ao que vejo
Nuvens rindo no céu passeando,
O Sol há muito acordou
E os casais, esses?! Continuam-se amando!
Daqui a pouco a tranquilidade da tarde
E eu aqui estou...
Vivendo vou lembrando com saudade.

O beijo da mãe, que acaba com a solidão
Que põe fora a inquietação
E um anjo a minha história vai arquivando
E guarda tudo o que vou lembrando.

Escrevo, mesmo parecendo ausente
Estou recordando meu chão
A brincar me deixo na ilusão
Que ainda sou dez réis de gente.

rosafogo

(Dez réis de gente, gente pequena.)
Esta poesia tem algum tempo, ainda embalava meu
neto que hoje é homem e às vezes me chama de mãe.
 
SÒ BEIJO DE MÃE

NÃO FUI MENINO PERALTA

 
NÃO FUI MENINO PERALTA

Não fui menino peralta...

A inapta velhice
Na estultícia da noite alta
Agora, bem agora
Lembra, sem matriz,
Aquela peraltice
Das tolices
Que não fiz...

Justo ela, a manha,
Aquela entranha
Que por ora me falta...

Ter sido obediente
: A desobediência
Mais casmurra e burra
Da inteligência
Daquele menino tão paciente
Sentadinho à beira
Da calçada da rua
 
NÃO FUI MENINO PERALTA

Infancia feliz!

 
Toda a gente tem uma história de vida.
Não há duas iguais, quando muito, podem ser parecidas!
A minha, não é igual à de ninguém... é apenas a minha.
Estaria a mentir, se dissesse que tive uma infância triste, porque não foi!
Claro que não tive bonecas, nem jogos lúdicos para brincar...
Claro que não tive uma bicicleta para andar. Embora me tivesse sido prometida...
Claro que não tive uma simples bola para jogar...
Ao invés disso, davam-me quadradinhos de madeira e pregos pequenos (o meu pai era marceneiro), para que pudesse construir algo para me entreter.
No verão era melhor. As minhas amigas que chegavam para passar os três meses das férias grandes, traziam brinquedos a sério!
Também eu, podia usufruir deles, naquele pedacinho a seguir ao almoço, ao que se chamava "hora da sesta".
Quando brincava-mos no quintal de uma delas, onde também havia um baloiço... a minha grande predilecção!
Nunca me faltou carinho.Nunca me faltou amor.
Nunca me faltou comida.Nunca me faltou trabalho também...Trabalho infantil? Talvez...

Mas fui uma criança feliz!!

Hoje apeteceu-me ir buscar este texto ao meu baú empoeirado...
 
Infancia feliz!

Nas Manhãs de Setembro

 
Enquanto as manhãs ensolaradas
espreguiçam nos lençóis da noite
meus olhos noturnos visualizam
os pequenos orvalhos da saudade
deitando sobre a relva das almas
no sereno da solidão​ ​presente​.
Ao longe, um​ ​pescador ​debruçado
sob a sombra de um salgueiro​ ​centenário​
olha sua​ ​​existência renascida passar
no​s​ ​reflexos das ​águas cristalinas
diante da ​margem do rio onde
aprendeu a pescar seu alimento.
Eu tirei o meu chapéu​ ​branco
enfeitado com pequenas margaridas
​para ​saudá-l​o ​numa daquelas manhãs
​e quando ele​ se virou ​para olhar quem era
​a ​ emoção inundou os ​seu​s olhos
acompanhada por um sorriso iluminado.
​Ele pronunciou meu apelido de infância:​
- Toco!
​Depois daquele encontro existencial
​eu aprendi a pescar meus sonhos
e alimentar minha alma com sorrisos
enquanto meus pensamentos viajam
pelos caminhos eternos da esperança
de poder reencontrá-lo um dia
numa das manhãs ensolaradas de setembro.
 
Nas Manhãs de Setembro

Da minha janela

 
Da minha janela
 
DA MINHA JANELA

Hoje deixo o sol entrar
Me ponho à janela olhando as folhas amarelecer
Enquanto a tarde vai murchar?!
Eu olho a queda lentamente a acontecer.
Caem as folhas, cai a tarde,
O dia vai morrendo!
E em mim batendo,
A saudade
Mas um pouco de esperança soçobrou
Ainda que às vezes desfalecendo!?
Tento não perder a que restou.

Há dores que não se querem remexidas
Falas afectuosas que continuam ao ouvido
De pureza infantil ainda sentidas
De quando jorravam gargalhadas num tempo perdido.

E assim as folhas vão amarelecendo
E meu olhar continua posto nelas
Do tempo me vou esquecendo
E penso que estou caindo como elas.

Chega à minha memória a doçura
Das tardes mornas da minha infância
Vou ao encontro do sonho com ternura
E nada mais para mim tem importância.
Olho a redonda lua a chegar
Mil sensações reúno à volta dela
É seguro por ela me deixar apaixonar
Então me vou deixando ficar na janela.

rosafogo
 
Da minha janela

À vida já nada cobro

 
À vida já nada cobro
 
À VIDA JÁ NADA COBRO

Em amarelo de trigo maduro
Se tornou meu chão verde da esperança
Do Céu vieram promessas de azul puro
Algumas ainda bem vivas na lembrança

No meu Sonho há liberdade
Volto sempre que quero à infância
A matar esta saudade...
Que trago em mim em abundância.

Já tudo é grão de poeira
Um terço de contas rezadas
Escoa-se a Vida, queira ou não queira
Varrida p'los ventos como folhas amareladas.
Sou passeante neste destino
De cansaços me perdi
E é nesta saudade sem tino
Que revivo tudo, nada esqueci.

Meus olhos são cor da terra
Dum verde que não a esquece
Quando um nevoeiro os cerra
Logo mais o Sol aparece.
Mas ainda assim sou afortunada
Tenho Stº António por meu padrinho
Sendo eu sua afilhada
Ele me deita a mão no caminho!

Deixo meu desespero rasgado
À vida já nada cobro
Sabe o destino, que p'rá aqui ter chegado
Entre alegria e tristeza me desdobro.
 
À vida já nada cobro

Retrato de mamãe

 
Uma lata ela abria
Retirando toda a tampa
Tão doce parecia
O seu belo semblante.

Criança, eu não entendia.
Que mamãe criara poesia
Cantarolava e a lata abria
Com carinho o vaso surgia.

Sobre a mesa a lata estava
Abarrotada de flor
Toalha de chita
Combinando com louvor

E com um terno sorriso
A casa mamãe enfeitou
E da minha infância, te digo...
Só recordo com amor.

Enide Santos 04/12/14
 
Retrato de mamãe

Para lá do tempo

 
Para lá do tempo
 
Imagem retirada da google

Pinto numa tela
a infância de ti
pincelo com o arco-íris
a plenitude suprema
que em ti senti

Adoças a aridez das serranias
com o teu vestido rendilhado
e a tua inocente timidez
Ilumino o teu rosto com um sorriso
ávido de sentires mesclados de cor
Bebes a água cristalina das fontes
embebida nos gigantes raios solares
soalheiro das manhãs vindouras

Tagarelas docemente com as pedras,
o milho, os pássaros, o vento, o orvalho…
cúmplices nos segredos que segredas

Contemplas o céu nas noites estreladas
sentindo o desejo perene
de desbravar terras inexploradas

Saliento o traço do teu sorriso
extravasando a plenitude
do teu ser menina

Admiro a tela pintada de ti
e translado-me para lá do tempo …
brinco feliz nas serranias verdejantes
partilhando segredos de criança
em nós e por nós
no colorido do céu
descobrindo-te nas cores
da amizade….para sempre.

Escrito a 15/09/08
 
Para lá do tempo