Poemas, frases e mensagens sobre jardim

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre jardim

Jardim Secreto

 
Jardim Secreto
 
Jardim Secreto
by Betha Mendonça

Fico sentada aqui na varanda
Olhos de ver a grama crescer
Parada diante da vida que anda
Lágrimas regam o entardecer

A noite chega nublada e branda
Ventos e chuvas de bem-querer
À terra que mui molhada manda
Ao Jardim Secreto florescer

As folhas e galhos em demanda
Pedem às flores tudo esquecer
E unidas se abracem em guirlanda
Para perfumar o anoitecer

*Imagem Google
 
Jardim Secreto

O JARDIM

 
O JARDIM

Dissolve da razão o impossível codinome da flor...
Apenas sossega as ondas no carinho de teu dedo
E afaga o botão, em segredo, na comoção d'um gesto
Manifesto à lisa seda carmesim das delgadas pétalas...

Põe dependurada toda dor em tom cinabre...
Larga-as lá, suspendidas à ponta do espinho
A suspirarem a beleza de tua carne tenra e grave,
Ao ar, feito flechas à pele; a errarem...

A flor misteriosa soprará tua vida, infinda, tão tua...
Essa flor robusta, brotada em tua terna acolhida
Enfim se abrirá, magnífica, garrida, desimpedida
Pelos caminhos claros e evanescentes da lua...

E a canção multisuave dum amor, desta flor, saltará ao coração
Galopando à montaria d’um alazão nas estrelas de prata...
Pousará manso, em sorrisos, ao prado da tua imaginação
Só para buscar-te, só para mostrar-te, num indelével improviso
Quão fantástico é o jardim onde nascem os teus sonhos
 
O JARDIM

Banco de jardim

 
AH!
Adoro pôr o til bem cedo pela manhã
Colocar um acento no café
Puxar da cedilha de um maço
E fazer uma bolinha no i de um livro
Cada letra sumida que eu corrijo
Me traz lembranças do passado
Me lembra que o dia de hoje é
Outra página para reler amanhã

E no banco de um jardim descuidado
Quando pela tarde se faz tarde
Pouso este meu livro para pensar:
"Onde irá dar cada estrada empedernida que o atravessa?
Que história é essa que contam por aí?
Que existem jardins mais lindos que eu nunca vi?
...Sentado eu fico. Escrevendo prossigo:
"Este jardim descuidado é o meu abrigo
E essas estradas eu adivinho que irão dar
A jardins, que como o meu, estão por cuidar.."

Aff!
Mais uma noite, mais um til no meu divã
Como sempre ligo os "és" do candeeiro
E chegando a cedilha ao meu lençol
Fecho o meu "livro" entre aspas
 
Banco de jardim

Quadras p'lo caminho

 
Quadras p'lo caminho
 
QUDRAS P'LO CAMINHO

Sou uma roseira sem espinhos
Nascida num monte agreste
De dia vejo os caminhos
De noite o luar celeste.

Passáste por mim com desdém
Por não ser eu flor de jardim
Não te julgues tu alguém
Pois teremos igual fim...

Galgo montes e valados
Já o sol me vai escaldando
Ninguém ouve já meus brados
Sou flor só! Vou caminhando.

- É uma mentira enganosa
Sou do campo, mas sou gente!
- De manhã sou flor mimosa
À noite choro, sigo em frente.

À nobreza não me rendo
Pois se eu sou flor do Povo!?
Por dinheiro nenhum me vendo
Sou troveira num tempo novo.

Quero ser para sempre esta flor
Simples... do campo o tempo todo
Sincera, ter da rosa o odor
Não ver-me nunca afundada no lodo.

rosafogo

Trovas feitas num Abril já passado, mas ainda
lembrado.
 
Quadras p'lo caminho

HAIKAIS I

 
HAIKAIS I
 
HAIKAIS I

Flores no jardim,
margaridas belíssimas.
Lindo nascer do sol!
 
HAIKAIS I

-Jardim do Medo-

 
E eu disse-lhe:
-Enquanto adiares os dias, não haverá tempo sobre a terra! Porque não gritas? Completa-te!
Assume-te!
Encena um suicídio...
Sorri... daqui para a frente são só desgraças.
Quando te chamam louca, não hesites: puxa o gatilho!
...Puxa o gatilho... e ainda te sobrarão a música, o álcool e o revólver!

Ela queria uma mão para agarrar e não a encontrava...
Desmaiada enquanto vivia...
Para sempre desmaiada!

-Que importa se respiro? se não te respiro a ti?

Ela queria uma mão para a agarrar e não a encontrava...

Ela tinha a vida e as mãos demasiado perto do revólver... e do coração...

Estava embriagada pela sua própria dor...
... inacessível, por a tantos outros ser acessível...

...

Nesses dias fui rezado todos os dias,
enquanto preparava as redes, eles preparavam os medos...
Assim morri ao terceiro dia...

...

Muito perto de mim ainda todos se querem partilhar, ainda todos têm algo a dizer...
Com tantos sóis não precisam de optar.
Eu, como um barco à deriva, de porto em porto, de boca em boca, ainda continuo a sonhar com uma mão...

Eu que só queria uma mão para a agarrar... Eu...
Eu que já não sou meu, sou dos que rezam por mim...
 
-Jardim do Medo-

SORRISO DE CRIANÇA

 
Sorriso de criança,
É pó de pir-lim-pim-pim,
Que faz voar
De alegria
O coração de quem o recebe.

Sorriso de criança,
É sol brilhando,
É lua enluarando,
É orvalho
Orvalhando.

Sorriso de criança,
É flor que se abre
Num jardim
Esquecido,
É bálsamo que cura
Tristeza sem remédio.

Sim: Sorriso de criança,
É um brinde dos anjos,
Para lembrar o
Mundo adulto
De que
As coisas pequenas
E simples
Contém
Toda a novidade
Da Vida!

Saleti Hartmann
Professora e Poetisa
Cândido Godói-RS
 
SORRISO DE CRIANÇA

JARDIM SEM ERVAS DANINHAS

 
Eu tenho um jardim
Que está todo em flor
Das rosas ao jasmim
É mesmo um primor.

Há flores mais lindas
E outras nem tanto,
Mas jamais desavindas
Porque são um encanto.

Nelas, as borboletas
Se vêm poisar.
E as abelhas pretas
O néctar vêm sugar.

E pelos caminhos
Paseiam doninhas
E aparecem de mansinho
As ervas daninhas.

Mas há herbicidas
Para com elas acabar,
Mesmo as mais atrevidas
Acabam por fanar.

Não há nada mais lindo
Do que um jardim bem cuidado.
Admira-mo-lo sorrindo
Porque está bem tratado.

A. da fonseca
 
JARDIM SEM ERVAS DANINHAS

A segunda onda

 
De certo modo, a alma do pardal também usava os mesmos brincos de argolas encontrados no jardim. Nessa reflexão, quando tudo parecia outra vez estar ficando mais sereno, de repente detona-se a ignição colocando o bonde em movimento aleatório. Sem essas propriedades fundamentais o valor dos imóveis mantém-se estáveis dentro do mapa mundial de consumo de cimento, com grandes e selvagens olhos azuis de lince.
Talvez, levando em conta tal desiderato, a segunda onda foi um pouco diferente da primeira, não só na intensidade quanto na direção e no sentido, posto que desagradou aos especialistas no saibro. Que o diga tenista que deve estar arrependido de ter se recusado a usar uniformes oficiais. Aparentemente a qualquer não caucasiano haveria certa antipatia ao patrocinador oficial.Em detrimento do escolhido pelos empresários de olhos negros sonhando com a vida. Ou vice versa, eu acho. Por isso, o tempo não existe e de tudo isso, resta óbvio que as torradas não devem estar muito escuras e a água do chá tem que ser de primeira fervura focada no uso de palavras interrogativas como saudações aos recém chegados àquelas plagas não inóspitas quanto carentes de olhares mais convidativos.
 
A segunda onda

Quatro Rimas

 
Quatro Rimas
 
O que acham de mim,
eu não me acho...
Me perco entre versos falsos
e lâmpadas de Aladim.

O que querem de mim,
eu não entrego.
Não nego
que cuido do meu jardim.

Eu sou assim:
quatro rimas.
Uma embaixo,

Uma encima,
uma boa e
outra ruim.

A.J. Cardiais
15.08.2011
imagem: google
 
Quatro Rimas

"As fendas do meu poetar”- Soneto

 
"As fendas do meu poetar”- Soneto
 
"As fendas do meu poetar”- Soneto

Quero só papoulas em meu jardim
Alicerces firmes em minhas paredes
Costurar poemas, bordá-los em mim.
Palavras sutis, tecendo as redes.

Nua de pudores, despir os sonhos.
Emprestar a vida, sorriso e asas.
Deixar as malas, de sonhos bisonhos.
E destemida, escancarar vidraças.

Na florescência da fé achando o prumo
A cada ciclo da vida deixar-me morrer,
Nessas idas e vindas, renovar-me, renascer

Quero nesse compasso traçar o rumo.
Pelas frestas do meu sonho viajar.
Preenchendo as fendas do meu poetar.

Glória salles
 
"As fendas do meu poetar”- Soneto

"Solidão"

 
"Solidão"
 
"Solidão"

Já caia a fresca tarde de agosto
Na praça, a sinfonia dos pássaros
Bailando por entre as árvores
do jardim dourado pelos tons
avermelhados dos últimos raios de sol
Asas multicores brincavam
Por entre as folhagens
Violando meu silencio em sépia
Em mim, a sensação de
Labirintos sem fim
sem intenções e desorganizado
Ouço o relógio da Matriz
Cada badalada me diz desse
Momento emprestado...
Uma dor silenciosa me tocou
Ventos de vontades não realizadas
Impulsionaram sonhos
Órfã da ausência de esperança
de sobreviver a essa solidão
Sinto-me só...
Tal qual a esfinge posta
na praça das minhas angustias.
Pensamento vaga sozinho...
Percorre outras estradas...
Subverte outros sonhos...
As margens de mim,
A noite morna cai...
Ainda úmida de saudade.

Glória Salles

Flórida
 
"Solidão"

Picadeiro

 
          Picadeiro
 
Um jardim de flores
Um jardim de versos
Explosão de cores
Amores dispersos.

Mãos de um jardineiro
Cuidadoso, um artista
Poeta o ano inteiro

Atuando no vespeiro
Nesse teatro ativista
Chora e, ri no picadeiro.

Nereida
 
          Picadeiro

“As fendas do meu poetar”

 
“As fendas do meu poetar”
 
Quero só papoulas em meu jardim
Alicerces firmes em minhas paredes
Costurar poemas, bordá-los em mim.
Palavras sutis, tecendo as redes.

Nua de pudores, despir os sonhos.
Emprestar a vida, sorriso e asas.
Deixar as malas, de sonhos bisonhos.
E destemida, escancarar vidraças.

Na florescência da fé achando o prumo
A cada ciclo da vida deixar-me morrer,
Nessas idas e vindas, renovar-me, renascer

Quero nesse compasso traçar o rumo.
Pelas frestas do meu sonho viajar.
Preenchendo as fendas do meu poetar.

Glória Salles
Em 26 julho 2008
(Rep)


No meu cantinho...
 
“As fendas do meu poetar”

Distante de teu abrigo seguro

 
... Lembro-me que te aproximaste, andar tão elegante,
ligeiramente inclinado, a mão em silêncio te oferecia...”
----------------------------------------

- Distante de teu abrigo seguro-



Tentei iluminar o semblante grave, algo taciturno,
pois em breve seria a madrugada de mais um dia;
lento se acomodava nas folhas o orvalho noturno

Lembro-me que te aproximaste, andar tão elegante,
ligeiramente inclinado, a mão em silêncio te oferecia,
mal pude a pulsação acalmar, de comoção ofegante.

Então, deixaste o teu abrigo seguro à luz da lua...

No jardim surgiste linda... completamente nua.


11052016
--------------------------------------------------------------
©LuizMorais. Todos os direitos reservados ao autor. É vedada a copia, exibição, distribuição, criação de textos derivados contendo a ideia, bem como fazer uso comercial ou não desta obra, de partes dela ou da ideia contida, sem a devida permissão do autor.

Convido a todos para visitarem minha página de divulgação no Facebook
e conhecerem meus 25 livros publicados pela Clube de Autores

PAGINA DE DIVULGAÇÃO DO ESCRITOR LUIZ MORAIS

PAGINA DO AUTOR - CLUBE DE AUTORES E LIVROS PUBLICADOS
 
Distante de teu abrigo seguro

Brincos de princesa

 
Das joias mais raras
A doce lembrança
Da princesa que eu fui

Imagens que ficam
Presas na retina
As flores de minha mãe...

Eram vasos de encantos
Plantados com amor
Brincos assaz delicados
Que eu colhia à socapa
E me enfeitava sorrindo

Pendentes em cachos
Que às cores contrastavam
Com a minha sedosa
Alva pele de menina
Mimada e feliz


Maria Fernanda Reis Esteves
51 anos
natural: Setúbal
 
Brincos de princesa

NÃO HÁ MAIS MENSGENS DE AMOR

 
Eu,
Gostava ao acordar
No meu jardim passear
Ver as flores a abrir
Olhar as árvores e sentir
O perfume da natureza.
Eu,
Queria ouvir chilrrear
Os pássaros e no seu cantar
Trazendo mensagens de amor.
Assim, seria feliz pela manhã
No meio de tanta beleza.
Mas eu,
Acordo e eu vou ao jardim
Tudo está seco, não há jasmim
Já não há as belas flores
Já não sinto os bons odores
E nada tem beleza nem cor.
Mas eu,
Fico triste de ver o meu jardim
Ao ver que ele chegou ao fim
Todos os sonhos acabaram
Os pássaros já não voltaram
Não há mais mensagens de amor.

A. da fonseca
 
NÃO HÁ MAIS MENSGENS DE AMOR

Amor de Flor

 
Amor tem cor.
Amor tem cheiro de flor.
Amor que às vezes faz sentir dor.
Amor que faz subir a serra acima do nível do mar para contemplar qualquer flor.
Amor que ensinou a amar qualquer flor, mesmo que tal bela flor fosse cheia de espinhos.
Amor que ensinou a amar qualquer flor, mesmo aquela que só pode ser apreciada em uma lupa.
E por amar-te tanto continuo te amando.
Tu és a flor com o perfume mais encantador e é no teu jardim que eu descanso.

Poema dedicado à botânica, um amor de flor.
 
Amor de Flor

FUMAÇA

 
Estou aqui sentado neste banco de jardim....a relembrar esse passado de fumaça..
Junto á igreja da Encarnação,tendo uns pombos como testemunhas de ocasião...
Lembro me também de ficar passado..passado de tanto fumar,fumar haxixe"ya,meu o Blitz é fixe como uma pedra de haxixe"...Publiquei isso no tal jornal de musica nos pregões da semana...
Não interessava o amanha,sim o agora..ouvir musica estridente,dar mais umas baforadas..." então já bateu?"..." ena pá granda pedra!"
Naquele Fiat Uno,Eu o Satã e por vezes o nosso amigo de Moscavide..parecia sempre tempo de nevoeiro...e cerrado! ahahahahaa...Parece que me estou a ver com os meus oculos de massa todos embaciados!

SEMEANO OLIVEIRA
 
FUMAÇA

Menininha da Janela

 
Menininha da janela

Quero você de volta
Com seu sorriso
Com seus bracinhos
Do meu pescoço em volta

Quero sua meiguice
Seus trejeitos infantis
Quero voltar no tempo
E lhe reencontrar no nosso pequeno jardim

Onde se perdiam suas bolas
Suas bonecas iam passear
Suas primeiras palavras
Seu primeiro bê a bá

Quero você de volta
Eu lhe amando
Você me chamando
Papa, papa vem brincar...

Fadinha de Luz
(Pra minha irmã Inês Cordeiro de uma vida, sempre e pra sempre juntas).
 
Menininha da Janela