Poemas, frases e mensagens sobre lágrimas

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre lágrimas

Fases da lua

 
Seco as tuas lágrimas
Com os meus lábios.

Esses mesmos lábios
Que são fonte dos beijos
Onde sempre tombam
Os teus desejos
São também terra
Para a tua tristeza
Enterrar
E secar.

Sabes que os meus lábios,
Todas as fases da lua,
Podem encarnar?
 
Fases da lua

"Porque não??" - Soneto

 
"Porque não??" - Soneto
 
"Porque não??" - Soneto

Percorro o indicador, contorno teu semblante
Decoro cada ponto, caminhos a desbravar
Vejo nos traços linhas de uma historia errante
Imperceptíveis marcas, um cansado caminhar

Então nos teus versos vou procurar a essência
Verdades implícitas, nas entrelinhas escondidas
Espio entre elas, nas brechas da tua vivência
Bebo as tuas lágrimas, te sigo nas ruas perdidas

Olho teu rosto tão serio, dentro de mim te emolduro
Os ecos das minhas palavras tento entender, me torturo
Isso que nem sei o nome, sem que eu queira, me tomando

Nossos versos se casam, me chama pro teu peito
Sem ser de outro jeito, vou, me despindo e te olhando
Beijo teu rosto na tela, e vou pra cama sonhando.

Gloria Salles
30 outubro 2008
21h29min
 
"Porque não??" - Soneto

* Morte da Alma*

 
* Morte da Alma*
 
“Invadida da minha escuridão,
Dançando descalça e nua ao som da música,
Balançando com a brisa névoa a canção,
Que me despedaça e quebra em solidão,
As notas afinaram para lá da minha verdade…”

Para lá dos sentimentos outrora contidos,
Agora espelhados num chão que calco,
Esmagando em pedaços de vidro,
O que outrora fui e alberguei,
No coração que giro a morte que tomei.

Já não há melodia que me desvende,
Pois eu já não conheço mais o amor,
Agora derramo no meu sangue,
Espesso e sem cor!
O veneno da amargura e dor!

E morri! Com lágrimas de sangue,
Que preencheram o meu rosto,
Esvaziando o meu corpo,
Da essência que mantinha a luz ténue acesa em mim,
Virando num cemitério o que em tempos foi o meu jardim…

Marlene
 
* Morte da Alma*

Minhas Lágrimas

 
Minhas Lágrimas
by Betha Mendonça

Desses meus olhos de muitas tristezas,
Colhi lágrimas das dores distantes,
Guardei-as no cântaro das belezas,
E delas tu provaste por instantes...

Ah, que não adoeças da minha loucura,
Nem agregues as minhas incertezas!
Que elas te banhem d’águas de ternura,
E libertem tua alma das impurezas!

Ao teu peito cansado dêem leveza,
Os luzeiros dos mais puros diamantes,
E tirem do teu coração a fraqueza...

Voes além da vilania e pequeneza,
Das nuvens cinza tais véus errantes...
E abre-te para a vida em grandeza!
 
Minhas Lágrimas

Lágrimas

 
Lágrimas
Se lágrimas, por nós,
vertidas da saudade,
a sede desponte,
juro-te, meu amor,
que jorraria,
de meus olhos,
água pura de fonte.

Lisboa, 29/06/2015
 
Lágrimas

Tudo tem suas vantagens

 
Tudo tem suas vantagens
 
Tudo tem suas vantagens

Tudo tem suas vantagens,
Até mesmo a solidão.
A vantagem que a solidão traz
É que: quando a gente chora
Ninguém vê.
Assim sendo, somos salvos
De zombaria.
Pois segundo os zombeteiros,
Só os fracos choram.
Todavia, quando eles também
Estão a sós;
Vertem vertiginosas lágrimas!
 
Tudo tem suas vantagens

Querer-te apenas

 
Não me tragas mais lágrimas! As minhas são mar de abundância e de dor.
É muita crueldade amar-te e não te querer. Sou insana e impura… Não tenho já razão, nem juízo.
A terra que piso é áspera e seca (quase como eu…) e o sol queima-me sem pudor o corpo nu que plantei na ribanceira das palavras.
Ah meu amor!… Se me cobrisses o corpo com beijos e me abraçasses assim a alma… Como quando entras nos meus sonhos! Mas nem tentes! Mandar-te-ia embora e ficaria ali, quieta, muda, eu e as lágrimas (malditas!).
As trevas entraram-me na carne e quando me firo o sangue é negro, quase da cor dos teus olhos. Amar-te e não te querer é tortura a que me voto propositadamente, porque gosto do sabor a sal, deste aperto no peito, desta inquietude da alma. É assim que te quero… amando-te na distância, colocando-te na lua, bem longe de mim, para que te tenha mais saudades e para me purificar pelo erro do desejo.
As palavras… fogem-me! Penso que caíram já todas, ou afogaram-se! Não te consigo já dizer o que sinto e não sei porque sinto, se apenas queria não sentir. Não sentir, não chorar, não sofrer… e apenas querer-te!
 
Querer-te apenas

O Encontro

 
Nunca imaginei esse mero encontro,
Ainda mais da forma com que ocorreu.
Foi surpreendente e assustador,
No momento o chão estremeceu.
Perdi o chão, perdi a calma,
A alma congelou e o tempo mudou.
A angústia tomou conta de mim,
E não sabia o que fazer.
As palavras teimavam em não sair,
Um nó na garganta me fez estremecer.
Ouvi a sua voz, era muito inesperado,
A alma arrepiou, parecia morrer.
O coração ferido muito sangrou,
E a sensação estanha me matou.
A mágoa é tão intensa,
A angústia é muito fria.
Singela seria uma calmaria,
No meio desse temporal.
Um trovão de emoção,
Que não cessa e me faz mal.
Como eu queria ali desaparecer,
E daquilo não fazer parte.
Eu parecia enlouquecer,
Só do fato de me olhar.
Era inesperado demais,
E meu mundo ficou distante.
No momento as palavras não existiam,
Só se ouvia os carros passando,
As pessoas a volta conversando.
E ali, era apenas minhas lágrimas,
Que pelo meu rosto estavam rolando.
Suspiros de dor, amor incubado,
O choro era o meu refúgio.
As coisas que devia ter falado,
Fugiram de minha boca.
Esse desprezo que me faz,
Está a me deixar louca.
De você poucas palavras ouvi,
De mim, melhor eu nada falar.
Essa angústia que eu senti,
É pela sinceridade de te amar.
Te amo sim, mas sinto ódio,
Um ódio que é mágoa.
Que se torna ferida com ópio,
Me deixa como a água.
A mesma que escorre dos meus olhos,
Essas lágrimas vem com sangue.
Que o coração não mais segura,
Um perdão de alma no tanque.
Tanque de guerra de pura amargura.
Tudo isso me faz perceber,
O quanto és importante pra mim.
E ainda tento entender,
Porque é que me tratas assim.
Sou parte de ti,
Não tem como negar.
Fui feita de ti,
E seu sangue me faz recordar.
A mistura que se foi feita,
Há muitos anos atrás.
Se tornou numa seita,
A mulher que luta com gás.
Essas lágrimas duram pela noite toda,
E é outro ombro que me consola.
Me faz muito mal,
E não te culpo por isso.
Tem coração de animal,
O meu amor é preciso.
Eu não te odeio,
Eu juro.
Mas me deixas a sangrar,
Com esse encontro do nada.
O coração muito vai chorar,
Com essa vida toda errada.
.
.
.
.
.
Vou explicar esse poema....
Ontem a noite, encontrei-me casualmente com meu Pai.
E foi assim que aconteceu.
Só não sei porque, nem como ele me encontrou, no meio da rua quando eu voltava da faculdade.
 
O Encontro

Suco de Jabuticabas

 
Suco de Jabuticabas
by Betha M. Costa

As jabuticabas e lágrimas que brilhavam nos meus olhos caíram de maduras ao chão. Esmagadas pelo desprezo das tuas mãos rudes, são o suco que degustas com prazer até a última gota...

Sinto que tu tens gozo em minha cegueira e desgosto. Mas, eu carrego melancolia (alegria na tristeza) em ser o suco que me cegou os olhos e tirou-me o brilho, por que me bebeste e mantenho-me (ainda que não queiras) dentro de ti.

=====================================

**Jabuticaba ou jaboticaba - fruto silvestre arredondado, de cor que varia do roxo ao negro (cor dos meus olhos). :)
 
Suco de Jabuticabas

ESPINHO NA CARNE

 
ESPINHO NA CARNE
 
O semblante desfaleceu,
Pois a dor era tão forte...
Que o coração sangrou!
Fenecendo, foi consumindo a carne.
Gotas de sangue, o pecado minando...
Longe à cobertura divinal.
O coração sangrando!
Sangrando...
Espinhos na carne,gotas de sangue...
Chorando o coração.
Deus retira os espinhos da carne,
Do coração magoado!
Um dia, Jesus também sangrou,
Imaculado, por todos nós.
Se fez carne para viver
E entender o homem.

24/07/2012-Mary Jun

Obrigada querida Volena pela belíssima interação!

Espinhos de ódio
na fonte cravados
é sangue que lava
numa dor profunda
os nossos pecados.
Sejamos gratos
ao amor infinito
pedindo perdão
orando louvando
ao Jesus Bendito!

Volena
 
ESPINHO NA CARNE

*Descampada*

 
*Descampada*
 
Solidão que és parte da minha vida,
Que até tu largas-me nesta caminhada,
Onde caiu no chão por mim vencida,
Nestas lutas incessantes da minha parada,
Solto apenas um suspiro, não sobrando mais nada…

E choro, por ti minha amiga,
Que após tantos anos me seres tão querida,
Soltas a minha mão e não me sussurras mais a tua cantiga,
E sinto-me tão só, tão perdida!
Onde só sobram lágrimas na nossa despedida.

E abraço agora o corpo que tanto amaste,
Até à hora da tua partida,
Em que nem amor, nem paz, nem luz me deixaste,
Para acariciar o vazio que fica com a tua ida,
Que me sufoca com o ar, deixando sem forças e torcida!

E vais minha Velha amiga,
Correndo nos ventos quase de fugida,
Para longe do alento da pobre rapariga,
Que te chora em sangue por mais um momento da sua vida,
Caiando a sua morte, com a alma dividida.


Marlene
Read more: http://ghostofpoetry.blogspot.com
 
*Descampada*

Vinho e Sangue

 
Vinho e Sangue
 
Vinho e Sangue
by Betha M. Costa

Antes tivesse guardado o coração
Naquela garrafa de vinho tinto
Para ser degustado em pequenas doses
Mas entreguei-o em tuas mãos escorregadias
Para que ele sangrasse entre teus dedos
Gota a gota do meu amor ao chão

Calaste e fiquei muda de espanto
Cai em dores de negro pranto
Nuvens fugiram dos meus pés
No entanto uma flor há de brotar
Embebida em lágrimas e sangue
Nas noites quentes em que houver luar

Imagem do Google
 
Vinho e Sangue

Não confundam com tristeza

 
Não confundam com tristeza
 
Tenho a alma perfumada
com a fragrância da nostalgia
Mora em mim esta saudade
uma jarra de liberdade
com flores de fantasia

Não confundam com tristeza
memórias de outros tempos
São todo o meu relicário
um mundo de sentimentos

Não posso mandar para canto
amores, lágimas e pranto
felicidade e resquícios de alegria
nem vivo no desencanto
apenas trago no peito
memórias de outros dias

Maria Fernanda Reis Esteves
50 anos
natural: Setúbal
 
Não confundam com tristeza

LAGRIMAS

 
Ela vive das nossas lágrimas... ele um dia me dirá os portões do inferno abrirão, e esta terra queimará mais tudo o que nela há...
Abençoado rosto que jamais verei outra vez cair nesses braços, nesses olhos onde tudo se verá... o qual o meu fim tudo se vê
Amor amor é o meu fim… o que fazer ? Quando a noite é certa Vil o destino que me aguarda abençoado rosto desses olhos em que tudo se vê
Ao tombar espero por ti, se algo está decidido é o que sinto por ti
Que um dia algum dia,
Limpo as lágrimas e mordo o medo que há em mim,
Outros como eu deixam me certo do amor desse lugar fresco me deito para impacientar com o dia,
Abençoados olhos onde tudo se vê
Amor amor é o meu fim… o que fazer ? Quando a noite é certa
O destino espera me estou á sua mercê abençoados braços
O portão abriu se e tudo o que há queima a terra
Esse amor está liberto enfim como um rio
E o sangue que me dás é a água que os meus lábios bebem por mais um dia
Olhos abençoados onde tudo se vê
Amor amor é o meu fim … desta vez a noite cai sobre mim
O destino espera-me estou á sua mercê
Olhos abençoados onde tudo se vê

Da AUTORIA DE WARGOTH )
 
LAGRIMAS

"Renascendo" - Soneto

 
"Renascendo" - Soneto
 
"Renascendo" -Soneto

Cansado da velha rotina, o tempo se calou.
Na árida terra, as palavras não vingaram.
Sem motivo, essência, esses versos sem rima.
Solo ressequido que as lágrimas não regaram.

Mas as certezas logo abraçam esperanças.
Que como em procissão, seguem resignadas.
Vento ambíguo sopra em todas as direções.
Toda uma existência nas pálpebras cansadas.

Inútil bater nessas teclas sem descanso
Melhor deixar na praia os remos partidos.
E olhar o horizonte com novos sentidos.

Mergulhar de vez nessas águas de remanso.
Emergir com os sonhos que antes acalentou.
Sulcar os passos por onde, insegura caminhou.

Glória Salles
 
"Renascendo" - Soneto

Rosada quaresmeira

 
   Rosada  quaresmeira
 
Rosada e florida quaresmeira
Encanta à mirar seu colorido
Por perto não há quem não queira
Um aceno alegre merecido
Tanto te admirei e... Chorei!

Emoção de quem vê o belo
Parece até que é ciumeira
De alma pura me atrelo
Um poema à ti quaresmeira
Dediquei e ...chorei!

Lágrimas que afloram
Parece até que é bobeira
Ao passar por ela,todos adoram
Florida suas cores são de roseiras
Me emocionei e... chorei!

Canto pelo belo
Choro e me desvelo
Olhar encantado à minha maneira
Homenagem à quaresmeira

NEREIDA
 
   Rosada  quaresmeira

"Avesso de mim"

 
"Avesso de mim"
 
"Avesso de mim"

Nem mesmo a assustadora simetria
De quando caem os sonhos,
Um a um assim, cadenciados.
Nem mesmo a metafísica
Incompreensível e inaceitável
Que desnorteia horizontes
Que anoitece minhas madrugadas.
E em solo, a performance do ato
Acontece à minha revelia.
São só paisagens mortas
Às margens de sonhos subvertidos.
Talvez me leve às lagrimas.
Perolas que se perdem
Quando escorrem pelo rosto.
Mas não me adiam.
Porque sou terra calcinada
Beijada pelo sol da manhã.
E o sonho...
Página virada de livro que não li.
Desfecho de filme que não vi.
Versos que não escrevi...
E me vejo aqui.
Delineando minhas vontades.
Meu retrato (re) desenhando.
Ainda assim aconteço.
Apesar de...
 
"Avesso de mim"

Meus tormentos

 
Estou vivendo numa triste solidão

Lágrimas caem pelo sofrimento

Num calvário do meu coração

Uma tempestade de sentimentos

Vai invadindo todo meu ser

Amargando cada dia em movimento

Tento libertar da memória

Toda angústia e aflição

Que faz adoecer meu coração

Quanto mais penso mais vazia

Vai ficando a minha mente

Enlouquecendo a minha razão

Castigando impiedosamente

Meus sonhos e ilusões

Creio que é castigo por amar demais

Este teu terno e indiferente coração

Deixando-me presa num labirinto

A minha alma adormecida

Pela paixão foi condenada

Pelo amor trapaceado

Pela tristeza martirizada

Assim vou atravessando a vida

Amargurada sem nenhuma perspectiva

De te encontrar a qualquer momento

Vencendo a escuridão dos meus tormentos
 
 
Meus tormentos

Quero só viver

 
Quero só viver
 
QUERO SÓ VIVER

Já não corro atrás da Vida
Anda ela atrás de mim a correr
Se ela não me tráz esquecida?!
Sou eu que a quero esquecer.
Não tenho pulmões para gritar
Nem pernas para correr
Trago o coração a falhar
Gasto por tanto bater.

O que abarca meu coração
São recordações do passado
Silvas cobrindo meu chão
Também meu sonho quebrado

Intensamente na memória
Me fazem rir e chorar
Não me envergonho, é minha história
Lágrimas o tempo há-de secar.

Aquietam-se lembranças dentro de mim
Num sossego enganador
Chega um aviso é o fim
Sobressalta no peito a dor
.

Fico de coração aberto
Fecho os olhos a recordar
Ainda o sonho está por perto
É sempre o destino a ditar.
Nada em mim morreu
Só a idade avança aumenta o passo
O melhor que a Vida me deu?!
Minhas filhas,
Que adormeci em meu regaço.
A Deus obrigada eu digo
Por tudo me dar até dom de versejar
E se mereço castigo
Não me tire a luz do olhar.

rosafogo
 
Quero só viver

Perdida num grande amor

 
Perdida num grande amor
As lágrimas pela minha face caiam
Meus lábios eram seu rio
Navegantes lá morriam
Afogando-se no muco frio
Chorando pela saudade que sentia
Por ter se esquecido tanto tempo de mim
Por todas as flores que enviou eu partia
Com mãos tremulas e tristes assim
Lágrimas que orvalharam meu céu
Onde escolhi este amor imperfeito
Onde nada mais sei, tenho um véu
Cobrindo meus olhos, minha vida
Triste história sem vitória sem feito
Passei pelo tempo do amor perdida
 
Perdida num grande amor