Poemas, frases e mensagens sobre melancolia

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre melancolia

Meu disfarce...

 
Meu disfarce...
 
Não sei por quê?...
É difícil de entender!
Pensar que a melancolia
Das noites frias e vazias
Trazem-me tristezas - alegrias.

Minha companhia, amiga.
Experimenta do meu fel
E, se, mantém fiel.
É ali que me revelo...
Deixando minhas quimeras...

Meus sonhos de primavera,
Aonde ouço minhas canções de amor
Desnudando-me sem pudor!
Mostrando meu sorriso multicor...
Até as lágrimas beijarem minha face!
Eis ai, o meu disfarce...
Dormindo antes que a solidão me trace.

Por Mary Jun.
Guarulhos,
26/01/2015
Às 17h30min
 
Meu disfarce...

COM DEUS

 
COM DEUS
 
COM DEUS

Erigi no coração um monumento
Onde tudo guardo com tamanha doçura
Onde conduzo com gosto o pensamento
E onde pouso o olhar com ternura.
E como tudo é infinitamente pequeno!?
Perante os sentimentos que nele guardo
Tenho a fé redrobrada e o espírito sereno
Ainda que o Mundo fique cinzento pardo.

Ainda que na vida surja dificuldde
E o caminho me pareça estreito
Sigo levando comigo a saudade
Neste período da vida fecundo, sigo direito.
Sempre com renovada vontade
E é assim que escrevo no presente
Que de bem estar estou fartamente.

A melancolia? Essa faz parte da Vida
Empenhada às vezes, teimosa,na sua tentativa
E nos lábios se encontra ou se perde um sorriso
Que o tempo avaramente devora
Mas só de Paz eu preciso!
E de DEUS comigo a toda a hora.

rosafogo
 
COM DEUS

Lágrimas furtivas

 
Lágrimas furtivas
 
Uma lágrima furtiva, verte em cascata
desaguando na ausência do teu olhar
embacia-se sofregamente a paisagem
nublando a foz do meu (a)mar

Em amargo desassossego, meu corpo
navega em bússolas esquecidas no tempo

A melancolia penetra meu pensamento
na manhã iluminada pela aurora ausente
de ti, vida que se desprende de mim

Outra lágrima cai furtiva, murmurando
doces palavras com perfume de jasmim
o soluço impõe-se sem principio nem fim
e as minhas mãos permanecem
estéreis de ti.

Escrito a 22/06/09
 
Lágrimas furtivas

Não há volta a dar

 
A verdade é esta
a ciência e a tecnologia substituem tudo
com muita velocidade
mas nenhuma ciência restitui a minha vontade
cura a minha melancolia
a minha saudade
nenhuma ciência ou filosofia
me devolve aquele mundo
a minha verdade
de ser feliz
o indescritível prazer
de estar na eternidade
como num quadro emoldurado
de tudo o que é preciso
para que a mudança só acontecesse
a meu gosto
e eu de todos e tudo
dispensasse um juízo
nenhuma ciência filosofia arte
ou religião
nenhum conhecimento ou ação
me devolve a paixão
do que era preciso
para ser feliz
nada agora
olhando com todos os olhos
construídos
de esforços para o merecer
é o que eu queria
tudo me foi sendo negado
em nome de algo
que eu devia
fui sendo educado
e sofria
na promessa de que valia a pena
se valeu para os outros
não valeu para mim.
 
Não há volta a dar

som

 
Apaziguo me no silencio toco notas de solidao numa funebre melodia
Traz me a tona para a vida emergindo a saudade da profunda melancolia
Iris mareada inundada transborda emoçao
E so e acalentada ao sentir de perto o som da sua respiraçao
 
som

Desassossego desnorteado

 
Desassossego desnorteado
 
Algo cruel,
invade os meus pensamentos…
Só encontro mesmo este papel
sempre disposto aos meus tormentos…

Num olhar alagado,
me encontro…
Num sorriso agora apagado
me defronto…

Água salgada
me percorre o rosto…
como se atira-se água gelada
sobre fogo posto.

Nadando em lembranças
nas tuas doces palavras
por que anseio,
dispo-me destas lideranças
agora escravas
o trilho já não é meu planeio.

O meu corpo trémulo,
transpira melancolia…
Sinto-me num tumulto
interdita de qualquer alegria.

Recuso-me a sorrir
sem saber se estás bem.
Escuso de ir
ver mais além…

De pele arrepiada
de pestanas permanentemente humedecidas
rogo pela vinda daquela Fada
e das suas destemidas.

Surpreendendo-me a mim mesma
pelo meu estado elevado de preocupação,
pouso aqui sobre esta mesa
todo o pudor do meu coração.

Suspiro orgulho
por me sentir protegida
mas agora apenas mergulho
e procuro desesperadamente a sua vinda.
 
Desassossego desnorteado

Soluços embriagados

 
Soluços embriagados
 
Ela chega embriagada,
feliz, contente
mas, mal encarada
num olhar descontente.

Embriagada ela chega
estafada de álcool se rega…
Pousa a cabeça
sobre a mesa
perdida em pensamentos…
será que mereça
estes jumentos?

De mão trémula
leva a morte à boca.
À boca tumula
e esconde-se nessa dita ‘toca’.

Canta…
com uma voz lenta.
Lentos são agora os seus reflexos…
Espanta
a foz sedenta
com os seus perplexos.

Recusa-se a ouvir
explicações, sermões…
Apenas se quer suprimir.

Lamenta-se
por entre sorrisos
melancólicos…
Afoga-se
pelos seus preciosos
e albergados tons alcoólicos.

A cama?
Nem pensa nela…
Age como se o Mundo acabasse hoje…
Clama,
pel’aquela felicidade que lhe foge.

Fala em morrer…
despedindo-se,
promete enfraquecer
desmetindo-se…

Repete e repete
a música sem fim…
Será que compete? Que lhe compete
este destino assim?

Não aceita mudar
quando uma voz amiga lhe soa…
Conjuga compulsivamente o verbo ‘chorar’
até que a alma lhe doa…

Segreda-se
arrependida…
Desemprega-se
desta vida…

Vêm à tona não revelados…
e choram-se as almas
contam-se os desabafos…
Agrafos,
de vidas aparentemente calmas.

Assistem-se,
confrontadas…
Complicam-se
insensibilizadas.

E eu não aguento mais…
levanto-me e vou deitar-me…
Já amanheceu num ‘jamais’
onde nunca pensei encontrar-me.

Imagem retirada do Google e por mim editada de seguida.

Relembro que quem fala é o Eu lírico.

É de facto muito desgastante ver-se entregar vidas a um número infinito de garrafas corrosivas...
 
Soluços embriagados

SEM TEMPO

 
SEM TEMPO
 
SEM TEMPO

Não há pausas na minha melancolia
A saudade surge como um vento triste
Morri na saudade mais este dia
Maldita a vida que ainda insiste.

Tremem as àrvores, tremem de frio
E eu sinto a Vida presa por um fio.

Assim vou andando
Os sonhos ficando para trás
Meus olhos de menina chorando
Aquilo que o tempo me roubou
e foi capaz,
De me deixar vencida
De me vir dizer
Que a dor que trago sentida?!
Há-de deixar-me desfalecer.

Aceno à vida de mim esquecida
Procuro alívio para o desencanto
Vejo ao longe a meninice enternecida
Evaporei no tempo para meu espanto.

Vivo à mercê, triste ou sorridente
E já nada faço para ser diferente.

rosafogo
natália nuno
 
SEM TEMPO

Sábado à noite...

 
Sábado à noite...
 
Sábado à noite...
e eu aqui.
Sem saber
para onde ir.

Sem saber
o que fazer.
As horas passam...
uma após a outra.

E de repente,
a noite acabou
antes mesmo
de começar.

E de repente,
o dia já vai raiar
e não dá vontade
de levantar.

A vida lá fora
segue o seu rumo...
e eu fiquei aqui
parado no meu tempo.

Perdido em meus
pensamentos...
sozinho com a minha dor...
e o meu lamento.

Denis Correia Ferreira
27/08/2011-22:35

N.D.A.: Escrito nesta noite de sábado (27/08/2011) em que nada muda de lugar (ao menos para mim).

Conheça outros textos inéditos de minha autoria:

Blog Terra dos Sonhos: http://sonhosdesperto.blogspot.com

Recanto das letras: http://www.recantodasletras.com.br/autores/denis
 
Sábado à noite...

UMA NOITE NA WEB

 
UMA NOITE NA WEB
 
 
A madrugada vai passando lentamente,
sigo em frente à tela do monitor,
fico esperando que apareça finalmente,
os lindos versos escritos por meu amor.

Entediado navego em salas virtuais,
nas entrelinhas vejo muita ilusão,
onde a tristeza parece que é demais,
muitos sorrisos dissimulam a solidão.

Abro e-mails de uma caixa colorida,
grupo de amigos que jamais conhecerei,
sinto saudades do melhor da minha vida,
realidade de um passado que amei.

Navego em sites que exploram sentimentos,
nostalgia que rouba o sono reparador,
mensagens que prometem esquecimento,
o novo encontro de um eterno amor.

Recebo então uma mensagem instantânea,
tão resumida que nem da para entender,
mais um detalhe numa noite tão estranha,
de gente triste que não para de sofrer.

Ouço pássaros anunciando um novo dia,
faço uma prece para todos iluminar,
desligo a máquina de ilusão e fantasia,
com meu amor agora irei sonhar.

* Falcão S.R * Rio de Janeiro - RJ

Website: www.LuzdaPoesia.Com

Contato: falcaosr@luzdaPoesia.Com
 
UMA NOITE NA WEB

Mais um dia morreu

 
Mais um dia morreu
 
MAIS UM DIA MORREU

Segue minha alma sózinha
Cansada de mais um dia
Estranha esta vida minha
Ora feliz, ou feita de melancolia.
A tarde caíu!
È noite fria, escuridão cerrada.
Chora a saudade,
Que em mim sentiu
Hoje ser lembrança pouco amada.

Escondem-se as estrelas
Também elas sentidas
Choro eu e choram elas
Lágrimas p'las nossas vidas.

Meu coração está em pranto
Saudoso de claridade
Seu desespero é tanto?!
Que já nem cabe nele a saudade.
Triste anda a Natureza
Tão cansada quanto eu!
Andam nuvens desesperadas no céu
Em mim por perto a tristeza.

Porquê? Porquê tanto desespero!?
Nesta noite a horas mortas,
A escuridão me tráz o frio
Já à saudade fechei portas.
Deixei seu lugar vazio.

Já não sei o que quero
Nem tão pouco o que não quero.
Agora já só espero
Vencer da vida as revezes
Sorrir-lhe, ainda que em segredo.
Mas sorrir-lhe muitas vezes.

O recomeço é a força de viver.
Enfrentarei o amanhã se vier!

Cansei do escurercer.
Encontro o repouso me deito.
Se ao repousar morrer?!
Será um morrer perfeito.

rosafogo
 
Mais um dia morreu

Amor Circunspecto

 
Nas paredes onde desnudo mil e um sentires
Aprisiono outros tantos de imensas saudades
São meros caprichos, mentiras ou verdades
Lágrimas que voltam sempre que partires

Candeeiros toscos que não chegam a lustres
Poltronas esquecidas nos cantos da alma
Sobre elas um livro para ler com calma
De autores que sonham vir a ser ilustres

O vazio que impera na tua ausência
Sente-se no limbo da minha memória
Relógio parado sem ritmo ou cadência

Repousam apáticos serenos objectos
Telas desbotadas, sem brilho, sem vida
Álbuns onde jazem amores circunspectos


Maria Fernanda Reis Esteves
49 anos
Natural: Setúbal
 
Amor Circunspecto

Lembrança melancólica

 
Lembrança melancólica

Quando o passado
é nostalgia
e os pensamentos comoventes
Surge em nós um estado de melancolia.

E então és como folha morta!
Já nada te importa!?
é isso o que sentes.

rosafogo
 
Lembrança melancólica

Suco de Jabuticabas

 
Suco de Jabuticabas
by Betha M. Costa

As jabuticabas e lágrimas que brilhavam nos meus olhos caíram de maduras ao chão. Esmagadas pelo desprezo das tuas mãos rudes, são o suco que degustas com prazer até a última gota...

Sinto que tu tens gozo em minha cegueira e desgosto. Mas, eu carrego melancolia (alegria na tristeza) em ser o suco que me cegou os olhos e tirou-me o brilho, por que me bebeste e mantenho-me (ainda que não queiras) dentro de ti.

=====================================

**Jabuticaba ou jaboticaba - fruto silvestre arredondado, de cor que varia do roxo ao negro (cor dos meus olhos). :)
 
Suco de Jabuticabas

Um perfeito dueto

 
Um perfeito dueto
 
 
Uma noite chuvosa,
recai sobre mim.
Ensopando-me das suas pesas.
Num deambular cautelosa,
cobre-me assim,
inundando-me das suas emersas.

Uma chuvada
arrastada pelo vento.
Deformada,
por entre as pausas do meu tempo.

Eu apenas envolvida num velho lençol,
vagueio sobre estes aguaceiros.
Sentindo-me uma clave de sol,
sinto os ‘Dós’ dos seus pioneiros.

Uma melodia se dispõe,
destas ruas desabitadas.
Uma esfolia se decompõe
por entre as minhas descobertas insaciadas.

Como te sinto minha mãe natureza.
Só não sei porque tanto choras…
Aguentarei toda esta frieza,
até as mais secas auroras.

O quão é pesada a tua dor,
como te lanças daquele céu pardo,
sem piedade, sem esplendor
e escolhes esta noite para teu resguardo.

Não chores mais…
quero tanto entender-te,
dá-me sinais,
espero não mais rever-te.

Rompendo a madrugada,
lá estava eu,
num banco sentada,
à espera de à chuva ver aparecer Romeu.

No fundo escoavam badaladas
como se algo anunciassem.
Será que se sentem maltratadas?
Como se estas lágrimas já não bastassem…

O sol espreita,
os raios luminosos reflectem naquelas gotículas.
É então que galanteio
o nascer de um lindo arco-íris.

A chuva agora estreita,
cai em suaves partículas.
E sem ser preciso tirar ao sorteio,
dilata a minha íris.

Agora eu percebo,
que aquela melodia
lacrimejante,
era da noite um servo,
aguardando pelo dia,
para se evaporar naquele
recebo flamejante
aquela triste sinfonia.

O amor entre a chuva e o sol,
um perfeito dueto,
acompanhado de um rouxinol,
termina assim este quarteto.



Imagem retirada do Google.
 
Um perfeito dueto

Nos regaços da melancolia

 
Nos regaços da melancolia
 
 
Sentada feita moribunda
à porta da catedral
num vestido branco que me desnuda
choro segurando um castiçal.

Uma pequena luz que abafo
com um suspiro de melancolia
nos meus lábios um agrafo
depois de contigo levares toda a magia.

De vestido rasgado
de maquilhagem escorrida
de rosto apagado
estava na hora, na hora a tua partida…

O vento sopra-me os cabelos
a chuva, chora-se no meu regaço
neste tempo voam os belos
deixando um coração em despedaço.

Não te lembras do nosso primeiro olhar?
Dos nossos quereres e sentires
apaixonados?
Porque não me canso de te procurar
depois de partires
com tons irados?

Rasgo este vestido
desmancho rosas negras
em pedaços de vida…
Musgo outrora atrevido
agora um despacho de prosas, pedras
numa montanha esquecida.

Deambulo, acabada
de rastos ou não!
Levito sonâmbulo
de alma chorada
de coração na mão.

Imagem retirada do Google e editada por mim. Video do Youtube.
 
Nos regaços da melancolia

A cidade

 
Engarrafamentos,
horas passadas no vazio,
na maldição do pensar em que seguimos outra estrada nesta fila de sentimentos variados
e de corações esfumados!
Nas ruas,
lamaçentas de indiferença sob o espelho da
ilusão.
Os passos curtos demais,
a lentidão pra a mudança sob palavras ilusórias.
As falsas aparências temidas por nós sem
a voz da consciência.
Os prédios,
Tão altos como ilusões, açcões e mudanças sob o falso Céu e tão
baixas como as realidades e a felicidade.
são a ligação passiva ao capitalismo,
ilusão de conforto sobre familias amontoadas.
As pessoas,
São elos de cópias sobrepostas
em imagens únicas.
são como bruxas,
amaldiçoam-se umas ás outras, em grupos desleais com espiões sociais.

A cidade é uma intromissão sem leis.
 
A cidade

MELODIA ROUCA

 
Perdido neste momento solitário
Levo esta harmónica à minha boca
Gentilmente os meus lábios a tocam
Como se um beijo carinhoso lhe desse
E tal como um beijo sai espontâneo
Sem ensaio improviso uma melodia
Uma musica que sai do meu sopro
Por entre o tom morno da harmónica
Nascem acordes de tristeza e alegria
As notas tocadas contam uma história
Falam de sentimentos escondidos
De loucas aventuras vividas
Amores perdidos e paixões ardentes
De desejos ocultos no olhar…
Disperso nesta melodia rouca
Vou desenhando novos sons
Falando de mim ao mundo calado
Beijando esta harmónica de tom morno
Improvisando uma estranha melodia
Perdido neste momento solitário
 
MELODIA ROUCA

necessidade de sonhar...

 
Aqui há cheiro a mar, cabelos ao vento
o aveludado da noite a chegar
e o desejo ardente e duradoiro
de relembrar sentimento
necessidade de sonhar
uma pontinha de melancolia
e o vento salgado a fechar
o dia.

Ao longe uma côr indefinida
ao perto um bando de gaivotas
e a promessa cumprida
de almas devotas
e a vida a impõr-se
sem expectativas
olhos baços
e na areia ainda sinal
de tantos passos.
A vivacidade das ondas
é agora menor
e eu rodeada de mar
sobrevivo e rumo
como navio na direcção certa
tudo ficou para trás
no meu silêncio a paz.

Quebram-se as ondas na praia
Canta a aurora nasce a ternura
espero da minha memória não saia
a poesia... que é minha ventura.

O sol baixou lá adiante côr de carmim
com olhar de despedida cada vez mais
distante, passou o dia
por mim...

natalia nuno
rosafogo
 
necessidade de sonhar...

Sinto-me montanha

 
Sinto-me montanha

Aguarda-me a encruzilhada da Vida
Deixo este verão que não me aqueceu
Já me acena o Outono da partida
E o fogo que ateava esmoreceu.

Sinto-me montanha, na montanha
Do grito resta o eco já só o eco
Perfuro o tempo com força tamanha
Chovo lágrimas de raiva,de nada me cerco.

Ficam desabafos, quando a vida é secura
Restam ais que vão ficando p'lo papel
São eles como borboletas pousadas.Ternura!
Ou abelhas ,flor em flor procurando mel.

Habita a noite dentro do meu peito
Mas surge um sol novo e já o envolve
A melancolia adormece não tem outro jeito
Já a tristeza dos meus olhos se dissolve.

rosafogo
 
Sinto-me montanha