O Violino

 
No tempo que nasci,
Encontrei apenas um VIOLINO. ….
Já envelhecido,
Apenas o distinguia como um “L”.
As notas eram de vento
No seu filamento, o som era puro,
Palavras sagradas voavam
Sobre mim…
Ensinavam-me tudo o que uma criança pode saber…
Assim cresci.
Um dia, o VIOLINO calou-se.
Aprendi a chorar,
Mas eu multipliquei-me.
A magia voltou,
O VIOLINO voltou a tocar,
As notas ao princípio, eram apenas uma brisa.
Mas dia após dia, também elas voaram.
Elas e eles cresciam,
Tanto esplendor…
Afinal, eu também tocava.
As minhas notas também voavam…
Descobri que criança é toda igual,
E eu também lá estava…
Invisível.
Também as minhas iriam descobrir,
Que cada nota de nada vale…
Só juntas fazem milagres.
Fazem melodias,
Fazem famílias de notas,
Onde o som não é tudo.
Haverá dias, que o som se tornará apenas num toque,
E o amor será o seu guia
Onde apenas o belo tem som.
Mas eles crescem…
Cada dia são menos meus.
Como ensinar tudo?
Falar dos Deuses?
Ulisses,
Ele também ouviu notas falsas,
Mas o mar ainda é o mesmo.
Mas “estes marinheiros” ,
São meus…
Navegando em naus de BONDADE,
As cordas são notas da minha vida.
Passadas fio a fio com o saber do passado,
Experiências sempre entrelaçadas com o AMAR,
Serão elas capazes de resistir em continuar a navegar?
É tarde para mudar de oceano…
Resta-me que guardem o VIOLINO,
As notas continuam a ser de vento.
Serão sempre notas livres,
Terão lágrimas de SANGUE e SUOR,
Onde os “homens” que eu vi crescer,
Possam sem vergonha oferecê-las dizendo:
– São notas de família.
– São notas LIVRES e BELAS,
E de dentro do seu interior,
Todas as notas soarão a BELO.
Eu, poderei então colocar lá no alto uma cruz.
Também ela BELA,
E com palavras BELAS deixo escrito:
- Aqui, viveu um VIOLINO…
Com ele, aprendi a chorar em silêncio,
Mas de dentro dele,
Saíram todas as palavras belas
Que transformaram gerações de palavra em palavra.
Hoje, poderei partir em paz.
Hoje tudo será BELO.

(Todos os dias me esforço para que os meus filhos não tenham medo das palavras, que amem todos os dias intensamente, que gostem do belo e o possam dizer todos os dias em voz alta sem medos nem mitos.)
 
O Violino

Donde Vem A Alma ? - "Em Nome Do Pai"

 
Donde Vem A Alma ?

E ...
podias ter outras mãos,
mas não tens.
e ...
podia ter sido tudo tão diferente,
mas não foi.
mas jamais poderias ser outra voz ...
ou não...
porque todo o teu corpo
é a expressão musical
do teu belo canto ...

... vou procurando
por lugares ...
onde os meus olhos cegam
por verem mais
o que não é para ver ;
cegam
por não verem a vibração
do teu ar
no meu olhar(te)
que guarda
com carinho e saudade
as escutas das tuas árias.
- Aqui!... -
o meu sangue enquanto rio
na interpretação magistral
da tua primeira ópera :
- filho !

Luiz Sommerville Junior , Eu Canto O Poema Mudo .
 
Donde Vem A Alma ? - "Em Nome Do Pai"

Oração

 
Oração
 
Senhor, com a minha alma vazia,
Aqui me exponho entre meus irmãos,
Para que pelo menos neste dia,
Lhes venha alguma alegria,
Que lhes acalente o espírito com melodia.

Senhor, com o meu corpo desdenhado,
Por tanta vida e tanta solidão,
Peço que a estes amigos lhes seja dado,
Mais uma chance, uma hipótese de redenção,
E que venham com compaixão pelo Outro coração.

Senhor, com o meu espírito imperfeito,
Eu peço por aqueles que também o são,
Para que melhorem o seu jeito,
Se elevem à sua grandeza, imensidão,
Que se rendam a esse amor, deleito!

Senhor, Pai de toda esta multidão,
Como Criador deste evento,
Eu imploro por aqueles que ainda vêm com apreensão,
O respeito, o amor recebido, o alento,
Que tem dado mesmo quando falam de si em Vão.

Senhor, Deus do amor,
Visitai nossas casas,
Ignorando aqueles que ainda assim pregam à dor,
Ajudai-nos com paz, para criarmos asas,
E nisto perdoarmos quem nos tem feito tanto horror.
Que assim seja.

Marlene

Read more: http://ghostofpoetry.blogspot.com
 
Oração

Egoísmo edificado sobre areia da pura demência

 
O verdadeiro amor é incondicional por natureza, não infringe nenhum tipo de dor. Aquele que sequestra, rouba e mantém um ser em cativeiro, esta pessoa, o faz por si mesma manifestando brutal egoísmo edificado sobre areia da pura demência. Dizer que subtrair um ser para si é amor, é uma colossal deturpação de tudo aquilo, que seres conscientes e lúcidos preconizam como real e verdadeiro. O amor não se procura, não se mendiga, é encontrado quando se esquece da busca.
 
Egoísmo edificado sobre areia da pura demência

“Nos trilhos do tempo”

 
“Nos trilhos do tempo”
 
“Nos trilhos do tempo”

Os velhos trilhos me esperam fieis.
Dúbios sentimentos esse lugar provoca.
Emoções inexatas, vagas...
Uma busca por mim.
Andando nos trilhos, dispersa.
Braços abertos...
Sensação boa de estar indo ao encontro
de possibilidades viáveis e futuros possíveis.
Beleza bucólica,
que me deixa embevecida
como se vislumbrasse os portões do Éden.
Aqui jamais sou figurante...
Faço parte desse mundo.
O silêncio grita o nome da “miúda”
de fita no cabelo,
protegida pela forte mão do pai.
E as lembranças de cenas disformes
querem espanar a poeira de um passado,
que sempre estará impregnado
na retina dos olhos...
Que hoje olha a cena
sentindo os efeitos do vento
nos cabelos já sem fita.
Brisa que arrepia como beijo na nuca...
Realidade estridente,
que faz o passado tanger o futuro...
E traz à consciência minhas verdades.
O céu tingido de laranja, a grama na sola dos pés.
Aqui será sempre minha casa...
A força sempre estará não mão do meu pai.
Aqui serei sempre menina...

Glória Salles
18 novembro 2008
18h50min
Estação Ferroviária velha
Flórida Pta
 
“Nos trilhos do tempo”

O Silêncio

 
 
.

O Silêncio

Jaz
a manhã gregoriana na revolta dos genitais
regaço onde o tempo extingue
a origem do tu és,
apesar da resistência em consequência amiga
do “ainda sou” *
ancorada na escuridão que de alucinada
faz renascer a tua voz – sem som ...

Jaz
a tarde sobre a dobra do mar
na linha queimada pelo pôr-do-sol
sem horizonte ...
em loucura furiosa ejacula
a última menstruação d´estrelas
de todas as ausências
que me esvaziam
ave (des)falecida algures noutra morada
agora que a noite é trovoada
a minh´alma ou vida espera-te
em vão ...

Luiz Sommerville Junior , 280320132359

Ao meu pai

* Leia também Ainda sou do amigo Sampaio Rego
 
O Silêncio

Parabéns querido Pai

 
Parabéns querido Pai
 
A maior felicidade é poder comemorar
Mais um ano de vida com quem amamos
Podendo contar todos os dias de nossa
vida com essa pessoa amada

Por favor, para melhor leitura, clique na imagem
 
Parabéns querido Pai

A Distância em Suspensão

 
A Distância em Suspensão

É possível
que o nosso planeta
seja filho de dois astros
talvez o Sol seja o pai
e a Lua a mãe
e porque a Terra que os progenitores
geraram em harmonia universal
é dizimada pelo ser humano
talvez o luar que vemos
seja um redondo largo de sangue
de reflexão
talvez a luz que recebemos
seja uma lágrima com 150 milhões de quilómetros
de extensão

Luíz Sommerville Junior , 140720131743
 
A Distância em Suspensão

Sonetilho Inglês Para Papai

 
Sonetilho Inglês Para Papai
 
Sonetilho Inglês Para Papai
by Betha Mendonça

Meu pai, seu conselho dado,
É estrela que no céu brilha,
Seu sorriso iluminado,
Mantém-me dentro da trilha.

Nesses anos como filha,
Com seu conforto e cuidado,
Percorrendo a mais triste ilha,
Salvou-me seu riso amado.

Se o tempo nos separar,
Nas searas do Senhor Deus,
Iremos nos reencontrar:
Não mais diremos adeus!

Sua benção, meu pai adorado,
Sempre estarei ao seu lado!
 
Sonetilho Inglês Para Papai

Nas Manhãs de Setembro

 
Enquanto as manhãs ensolaradas
espreguiçam nos lençóis da noite
meus olhos noturnos visualizam
os pequenos orvalhos da saudade
deitando sobre a relva das almas
no sereno da solidão​ ​presente​.
Ao longe, um​ ​pescador ​debruçado
sob a sombra de um salgueiro​ ​centenário​
olha sua​ ​​existência renascida passar
no​s​ ​reflexos das ​águas cristalinas
diante da ​margem do rio onde
aprendeu a pescar seu alimento.
Eu tirei o meu chapéu​ ​branco
enfeitado com pequenas margaridas
​para ​saudá-l​o ​numa daquelas manhãs
​e quando ele​ se virou ​para olhar quem era
​a ​ emoção inundou os ​seu​s olhos
acompanhada por um sorriso iluminado.
​Ele pronunciou meu apelido de infância:​
- Toco!
​Depois daquele encontro existencial
​eu aprendi a pescar meus sonhos
e alimentar minha alma com sorrisos
enquanto meus pensamentos viajam
pelos caminhos eternos da esperança
de poder reencontrá-lo um dia
numa das manhãs ensolaradas de setembro.
 
Nas Manhãs de Setembro

In memoriam

 
 
.

In memoriam

Esta noite
ao adormecer
escrevi uma sentença
por dentro dos meus olhos
- chuva abraça a minha visão!
e a chuva amainou
com seus orvalhos de prismas
e de paz
meu coração apertado
e ao despertar
com o sol raiando em mim
lembrei de ti e da tua voz,
do teu andar e das coisas nossas...
escrevi (percebi)uma trovoada no meu olhar:
duas tempestades diferentes
e tão iguais
mais logo, quando eu me deitar
com estrelas piscando a me ninar
sonharei
com dois sóis no leito do desfalecimento
e com a chuva,
a chuva que traz e leva...

(forçando o futuro a gerar os sonhos que eu desejar!)

mas a minha chuva hoje é carne , suor , sangue
e alma : de fora para dentro
vertendo emoções, invadindo minha mente
e minhas mãos acariciando
o pensamento: de dentro para fora
e desejo mudar o sentido do que penso (sinto):
que a dor seja o perfume das tuas lições
e das minhas mãos liberto a pomba branca
desta saudade.
porque sonhei com dois sóis trazendo um novo dia
e quando abri as cortinas da sala
todo o meu ser se iluminou
e lembrei-me das orquídeas no centro da mesa
tão perfeitas como a vida!
porque há um novo dia todos os dias.
e porque sei que os anjos sorriem
ao tenor que agora chega ao céu

Ao meu pai , In memoriam

Luiz Sommerville Junior 28 03 2013

Meu pai : 19 Março 1930 - 28 Março 2013

.

PS:uma imagem Google + 1 imagem de meu pai em fusão numa só edição de Luíz Sommerville Junior

.

Leia também O Silêncio, click aqui.
 
In memoriam

Ao Bisavô, com carinho

 
Eu era criança, ainda me lembro
aquele pai levando seu filho na escola
num fusquinha branco de janeiro a dezembro
pelo mesmo caminho até virar um rapazola

O tempo também foi seu passageiro
acompanhou sua luta e sua história
os filhos casaram, levando um exemplo verdadeiro
daquele pai trabalhador na sua geração e na memória

Os netos nasceram e o Vovô também com eles
fizeram do seu colo o seu porto seguro
e o pai pela segunda vez ouviu seus quereres
tirou das suas lutas diárias, o sonhado futuro

E agora, os netos agradecidos abrem passagem
para seus filhos, bisnetos daquele primeiro pai
pela terceira vez, deixou de herança na linda imagem
o sentido das suas vitórias, enquanto o tempo se vai

De todas as homenagens que nesta vida já recebeu
a melhor de todas foi a que Deus lhe deu
balançar sua vida ao lado da bisneta amada
feito criança, ao lado do anjo, de alma alada
 
Ao Bisavô, com carinho

"Luz na madrugada" - Soneto

 
"Luz na madrugada" - Soneto
 
"Luz na madrugada" -Soneto

Das horas, o silêncio de repente posso entender
Vi no acúleo das palavras amarrado meu sonho
Destino impreciso, alheios ao meu frágil saber
E a luz tênue me impede de ver o futuro risonho

Adestro as linhas, e traço versos na madrugada
Como se pontos e vírgulas fossem sujeição à dor
Uso as rimas como escudo, me protejo desse nada
Faço pacto com as palavras, ato lúdico, sonhador

Porque esgoto todo o verbo nessa ânsia de alento
E como quem rege a vida, reputando o pensamento
A chama do candeeiro derruba a noite no horizonte...

Ainda que atras das nuvens, o sol reacende a crença
Molhando a claridade que impõe do dia, a presença
Traz a lucidez das respostas no calor de sua fonte...

Glória Salles
04 dezembro 2008
Santa Casa de Adamantina SP
03:33 hr
 
"Luz na madrugada" - Soneto

Naqueles Dias…

 
Naqueles Dias…

Hoje é um daqueles dias…
Onde o descanso é na saudade.
As velas e os sírios queimam a dor
Daqueles que ainda sofrem.
A dor vestirá sempre de negro,
Mas hoje nada serei
Se a alma não chorar.

Hoje, é um daqueles dias…
Onde beijos serão só teus.
Os desejos parados no tempo
Não terão nunca incenso queimado.
Retalhado em pedaços de mim
Visto-me em palavras cansadas,
De uma saudade sem fim.

As palavras poderão ser permutadas
No tempo.
Mas teu rosto, numa moldura mágica
Vestirá sempre o silêncio,
Onde os corpos possam “rezar” às lembranças.

Minha amiga, vesti o seu poema com o carinho e a dor dos que sabem…
Apenas digo que gosto de si, as palavras nunca enganam o coração,
Receba este poema como um ramo de flores,

Seu amigo José Luís Lopes.

(Poema dedicado à minha amiga Tina inspirado no seu poema “O Nó Da Saudade”)

Minha amiga, vesti o seu poema com o carinho e a dor dos que sabem…
Apenas digo que gosto de si, as palavras nunca enganam o coração,
Receba este poema como um ramo de flores,

Seu amigo José Luís Lopes.

(Poema dedicado à minha amiga Tina inspirado no seu poema “O Nó Da Saudade”)
 
Naqueles Dias…

“Detrás dos óculos, tanta vida... ”

 
“Detrás dos óculos, tanta vida... ”
 
“Detrás dos óculos, tanta vida... ”

Meu rosto é palco de todos os mundos...
Os lábios em batom cor de boca, esboça
um sorriso, ainda que triste...
Olhando-o através dos olhos daquela miúda
segura por tua mão...
Não consegue disfarçar a nudez desconcertante,
que da alma, traz outras versões.
Hoje seguro as tuas mãos, tentativa de trazer o ontem,
que estampa imagens que ao longe se movem,
soletram palavras quase inaudíveis,
como se escrevesse por linhas tortas.
Nos olhos uma sutileza que conheço bem,
mostrando-me novas versões de uma mesma verdade...
O exposto é o que menos incomoda.
A verdade dos olhos são os detalhes que leio.
Essa verdade sem códigos...
Da cadeira dessa varanda vê o mundo.
Teu olhar deixa minhas trilhas expostas,
me traduz, meu coração vira território aberto,
pastos verdes,e meus pesadelos abranda,
emprestando a frágil luz.
Não deveria ser o contrário?
Mas o frágil coração sabe...
Que seu olhar é remédio preciso e forte,
para curar ausências.
E suas palavras, ainda que as vezes sussurradas,
promessas de fartas colheitas.
Seguro tuas mãos...
Sentindo a força de um cavalo zaino,
cujo destino é vencer.
Nesse momento tenho a certeza de que o futuro,
mora detrás destes óculos...

"Ao meu pai."

Glória Salles
25 novembro 2008
Flórida Pt
 
“Detrás dos óculos, tanta vida... ”

Duas Vogais e Duas Consoantes - Parábola

 
 
.

Duas Vogais e Duas Consoantes - Parábola

Filho
que pegaria numa estrela
e com ela escreveria no teu sorriso, se possível fosse,
toda a luz que antes nunca havia avistado
mas tive que morrer antes
para que o sonho por todo o tempo ansiado
me ressuscitasse ... e me tranformasse
no querer das tuas queridas e delicadas mãos, estendidas!
a mim!ó minha Páscoa!

e, o que aconteceu outrora
que o pão e o vinho - o corpo e o sangue -, celebração !
me entregou nos braços de tantos judas ?
traindo a memória da mais bela e divina mensagem ?
não sei! ou será que sei, mas não me lembro ?
porque uma multidão de falsos servidores dos templos
trajados d´oiro com amuletos ao peito
e livros escritos em hebraico debaixo do braço
escondia nas dobras das túnicas
a ignóbel adaga da hipocrisia ?
e às escondidas em becos sem luz
negociavam com os senhores do mundo
a vida que queriam ceifada por soldados
cumpridores cegos de quem com césares lhes pagava
e, contudo, em quarta-feira santa, mundo em trevas,
os jardins celestes de tão altos
já abriam as portas ao novo tempo
do qual ninguém suspeitava e que em glória - voava !
quantos tolos não escutaram as minhas parábolas
para depois as orarem ferverosamente ?
riram-se, em ironia,cinismo,apelidaram-me
de rei da loucura
deixai-os com a sua embriaguês...

toda a noite da minha agonia o meu pai conversou comigo...
e reprovou o irmão pela soberba e apego ao vil metal
apontado-lhe o erro fatal na contabilidade da vida

já me esperam e ainda nem sequer arrefeci!
já me acreditam e ainda nem sequer me (re)viram, ó paixão!

agora que cheguei de verdade para que se cumpra o beijo
podes, deves, preparar uma festa com todas as palavras, apostólicas !
abençoados os que sabem esperar !
o amor escreve-se em cruz, aleluia !

Ao Rucka, com amor

Luíz Sommerville Junior, Domingo de Páscoa, 20 Abril 2014

.

Ao Luso, seu Webmaster, administradores, colaboradores e leitores apresento os meus votos duma Páscoa muito feliz.
 
Duas Vogais e Duas Consoantes - Parábola

Pai

 
Nunca pensei porque te levantavas tão cedo todos os dias
Mesmo quando era domingo, acordava e tu não estavas.
Pai, nunca pensei porque tinhas que ir e voltar meses depois
….agora sei, e agora dói
Pensei que fosse possível deixar a dor nas palavras
Em cada letra, escrevia
Pensei que fosse possível deixar a dor na música
Em cada nota solta, então cantava
Pensei, eu juro que pensei que pudesse deixar a dor na tela
A cada pincelada, então pintava
Pensei, afinal para que serve tudo isso se não sai
Se me amarga o peito, doi, doi doi
A cada lágrima a dor aumenta
Quem inventou isto, quem…
Nas letras mais complexas das notas mais difíceis a pintura mais crítica
Porque, porque, porque!
Como uma seta no peito choro por todas as razoes que nunca entendi
Da tristeza a repulsa , do que sou e quero ser o que esperam de mim e o que posso dar,
Porque nada e certo e tudo parece errado
Pai, tenho saudades tuas.
Admiro-te tanto.
Desculpa
 
Pai

Pai... Meu pai ( Feliz dia dos pais)

 
Pai... Meu pai ( Feliz dia dos pais)
 
"O amor de Pai é abençoado pelo Pai
para serem abençoados todos seus filhos"

----------------------------------------------------------------
POR FAVOR, PARA MELHOR LEITURA, CLIQUE NO POEMA
 
Pai... Meu pai ( Feliz dia dos pais)

Imortal

 
 
.

O pai tinha um sonho. O filho tinha uma certeza: - o sonho do pai.

Um dia o pai morreu, mas a certeza do filho não.

Luíz Sommerville Junior, 120320140127

Ler mais ... Em Órbita

.
 
Imortal

A Voz do Pai - Para Onde Vai a Morte ?

 
A Voz do Pai - Para Onde Vai a Morte ?
 
 
.

Foi há tanto tempo que os astros faleceram
que já não lembro do sol incerto
que ontem em ícones estelares, tantas vezes,
destruindo as loucuras (im)previsíveis
e eternizando o que no universo é imortal, brilhou!
- para rasgo da pele de tantos e perdidos poetas? -
desse tanto que era muito mais-do-que tudo
há um amor que sobrevive em mérito
dum lado cravejado por punhais firmes do teu sangue
mais que abastados de transbordantes do teu corpo
que foi (e eternamente será) todas as canções
do tudo ou nada que eu quero ouvir a queimar
toda a vida que me resta para te glorificar
orgulho desnecessário de quem te ama
em todos os passos titubeantes das conversas surdas e mudas com Deus
quando o céu da boca se posiciona minuto a minuto
na via-sacra do teu timbre do qual nascia a magia
dum templo respirado de borboletas
e desde que o sagrado existe
talvez mesmo antes do nascimento dos ventos
tu que te foste para nunca te ires embora
permanecerás em tudo o que há de mais belo
por ...que ...
nenhum deus dominará
o altar de luzes sopradas nas tuas preces
tal como apenas tu dominaste em absoluto
o dom abençoado do que é mais meu de teu :
- A tua voz cantando

(Entre o norte e o sul
ao centro da rosa-dos-ventos
há um coração que é direcção das tuas escolhas
e no qual se agita a questão
- para onde vai a morte quando a alma é vida ?)





Ao meu pai , um ano de saudade

Luíz Sommerville Junior , 280320142351 , A Minha Carne É Feita de Livros

.
 
A Voz do Pai - Para Onde Vai a Morte ?