Poemas, frases e mensagens sobre poesia

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre poesia

Magna Carta

 
Magna Carta
 
Chegou a noite,
meu doce amor,
há peixes dançando por dentro das estrelas;
há anjos nadando no fundo dos mares;
há pássaros correndo nas estradas de terra vermelha
e amantes flutuando no espaço.
é este o milagre da vida:
o poema que o Universo escreve em todas as eras.
e tu
e eu
com olhos de crianças que nasceram agora
apenas nos limitamos
a contemplar o girar da saia do mundo
num beijo
donde salta sublime
uma lua que se despiu
para que Deus lhe devolva o paraíso...

Luiz Sommerville Junior, 2008201020:22

Poema de Luiz Sommerville Junior, publicado por Daniele Dallavecchia.
 
Magna Carta

'palavrosia'

 
'palavrosia'
 
veemente
disse que eu não mais viria
às palavras me insinuar...
que um tempo
daria
de fininho saindo
sem provocar
ondulações, nesgas violáceas
resquícios de vento
sequer.

entretanto...

é mais forte
a vontade de te sentir

as curvaturas
tuas
delinear.
teus
sentidos claros ou
indefinidos,
pesquisar

tocar teu porte
fechar os olhos
sentindo tua espessura.

dar-te meus olhos
minhas mãos
meus lábios
entreabrindo-se
silábicos
arfantes de breves
surpresas

fazer-te amor
balbuciando intrigas

provocando
protestos

confesso...

és minha libido
minha luxúria
meu vício promíscuo
e também minha oração

és o limiar de um voo
asas minhas em convulsão

és tatuagem
roçagando como vento
minh' alma

também és
o antídoto

... a minha calma!
 
'palavrosia'

Inês de Portugal

 
 
..

Inês de Portugal - Nesse Lago Tão Quieto

Tu
que és tão grande
que eu não consigo ver-te
que és por cima
dum céu
vermelho de flores que chora
o verde vida das pétalas em ferida
neste silêncio
em que
"todos os barquinhos
cansaram de nadar"
dizes-me
por que dormes
eternamente
nesse lago tão quieto
por baixo
deste mar?

Luiz Sommerville Junior, in memorian

01 de Setembro 1929 - 04 Junho de 2013
 
Inês de Portugal

NO SILÊNCIO A POESIA GERMINA

 
NO SILÊNCIO A POESIA GERMINA
 
Esta manhã andei folheando os livros da vida
Suas folhas tinham-se tornado em matizes coloridas
Com palavras que escolhi, cartas do verão passado.

Olhei os poemas com letras desbotadas
Removi pecados passados em um texto amarelecido
Encontrei uma página em branco

Plantei os bulbos das palavras que me veio em mente
Plantei algumas consoantes
Caprichei um pouco mais em um quadro de vogais

Estou rodeada de fileiras de canteiros
Os acentos com um ar aromatizado
Semeado para fazer um pequeno recanto de lendas

Mais tarde preparou a praça de pontuação
Uma fila de vírgulas, um pouco de exclamações.
Uma saraivada de vários pontos e perguntas

Eu coloquei o efeito estufa na feira das Maiúsculas
Cobri parênteses com minúsculas
E cercado por caracteres, um tule especial.

Enxuguei a papelada com estilo
Armazenado em um frasco de vidro frágil inspiração
Fechou o livro na página e tornou-se febril

No jardim das palavras, a disposição chegou
Eu comecei plantando guardas not books
No silêncio, os poemas podem germinar.

Rosangela Colares
 
NO SILÊNCIO A POESIA GERMINA

Poema e Poesia

 
Poema e Poesia
 
Poema e Poesia
by Betha M. Costa

Acabou a poesia que me sustinha a fé nos dias, e corria bicho solto pelas campinas do meu querer. Aquele que rolava em novelos de prazer pelas ladeiras dos sentimentos, bolhas d’água e sabão, delicadezas a explodirem em festas no ar.

Triste ver um poema espalhado pela casa, mãos perdidas dos dedos pelos cômodos, sem poder na pena e tinta tomar vida.

E um grito canta da sala à varanda, uma música cai do piano, uma lágrima alimenta o aquário e a alegria sai pela porta da frente. Na soleira um sorriso sem viço sobre o tapete de boas vindas.

Tudo por causa daquele nome retido na boca, que feito um livro guardou as palavras, e, levou consigo os meus versos. Sem ele não existe poesia que valha um poema.

*Imagem Google
 
Poema e Poesia

MÃOS ENSANGUENTADAS

 
MÃOS ENSANGUENTADAS
 
Escrevo com a mão direita
Com a outra cravo uma lâmina afiada
no meu pobre coração
Quanto mais fundo ela penetra
mais intensamente meus versos jorram

Sinto-os quentes e borbulhantes
Sem rimas, brutos e inacabados

É por isso que escrevo
com as duas mãos
e de olhos fechados
Vendo apenas
a imensidão dos meus sonhos
Corroídos e malfadados...
 
MÃOS ENSANGUENTADAS

A saudade a engravidou

 
A saudade a engravidou
 
A SAUDADE A ENGRAVIDOU

Minha Poesia é bem singela
Mas orgulhosa se envaideceu
Hoje se debruça namorando à janela
Caprichosa, de vento o coração encheu.
A saudade a engravidou
Anda nua em liberdade e pureza
As cores ao arco-íris namorou
E ao verbo livre do pensar roubou beleza.

E eu me sinto nela como afluente
Dum rio que corre ao mar
Levo comigo saudades na corrente
E as lágrimas que não soube soltar.

Prestes a chegar à foz
Sonho ainda a nascente
Ouço duma flauta melodiosa a voz
Doce afago da infância sempre presente.
Brilham meus olhos de saudade
Mas não se esgota a minha crença
E eu peço a Deus por piedade
Nos proteja com sua bem querença.

Tem a tarde o sol-posto
Tenho a Poesia no meu seio
Nela ponho o gosto e o desgosto
Esta do coração aos lábios me veio.

rosafogo
 
A saudade a engravidou

Amor Imensurável

 
 Amor Imensurável
 
Vou reescrever minha história
Tentando ao menos entender
Tantas coisas que na memória
Quero e não consigo esquecer

Como o primeiro e longo beijo
Que um dia você me deu
Dizendo matas o teu desejo
Porque meu amor é só teu

Tão jovem e inexperiente
Nem soube o que responder
Te fitando ainda descrente
Sentindo meu corpo tremer

Chorando de amor e emoção
Mais linda que a luz do dia
Me entregaste seu coração
Naquele elevador que descia

Apenas nove anos nos separavam
De nosso primeiro amanhecer
Mas os hipócritas não aceitavam
Porque não podiam o amor entender

Fomos cruelmente condenados
Pela inveja, despeito e covardia
Sofrendo tristes e discriminados
Mas nosso amor não se rendia

Caminhando por ruas inseguras
Evitando olhares de reprovação
Por becos ou praças tão escuras
Sem pecar pedindo a Deus perdão

Vítimas de chantagem emocional
Por sua mãe que não queria
Culpando-nos da enfermidade
Que por décadas nela já existia

Mesmo com o passar do tempo
Não tivemos um só minuto de paz
Só perseguições e tormento
Mas nos amando cada vez mais

Abri mãos dos prazeres da mocidade
Para tão somente a você me dedicar
Até que a força da insana maldade
Conseguiu finalmente nos separar

Perdemos a bússola que nos orientava
Ficamos derivando num mar sem luz
Em meus sonhos por seu nome chamava
Carregando o pesado fardo da minha cruz

Não sei se ainda aqui permaneces
Ou se habitas o astral superior
Mas saibas que de você não esquece
Aquele a quem só chamavas de amor.



Falcão S.R - Rio de Janeiro - RJ

Ação Social: www.projetomorrodosape.com.br

Website: www.LuzdaPoesia.Com

Blog: http://meuamorpoesia.blogspot.com/

Canal You Tube: http://www.youtube.com/user/FalcaoSR?feature=mhum


E-mail: falcaosr@luzdaPoesia.Com
 
 Amor Imensurável

Para ti ,que te leio..

 
Para ti ,que te leio..
 
passo por aqui de relance
para ler tua poesia
mas constato
que pouco tens sonhado
aqui neste cantinho
onde me deleito
com tuas palavras melódicas
apenas quero ler-te
ler-te mais um pouquinho
adormecer nas tuas palavras
acordar-te no meu sonho
imaginar-me nos teus olhos
sentir o aroma da tua sublime inspiração
sentir as batidas do meu coração.
na leveza das tuas palavras sentir o beijo em doce lentidão
quero ler-te,ler-te até que os olhos se fechem no sonho desejado.

ana silvestre
 
Para ti ,que te leio..

Poesia no Coração - 1º Lugar EVENTO IX

 
Poesia no Coração - 1º Lugar EVENTO IX
 
Poesia é a angústia constante de um sonhador,
a insana vontade de perpetuar os seus sonhos,
mastigá-los à mesa da imaginação, fazê-los História,
e amanhecer com eles na realidade.

Poesia é uma expressão de sentimentos em turbilhão,
é uma viagem inebriante às entranhas do pensamento,
é o inquieto desfolhar das páginas da memória,
o restaurar das ruínas do passado, para um futuro melhor.

Poesia é um esboço da vida de alguém, traçado a sangue,
é uma lágrima derramada por quem sofre,
é um nó na garganta, um silêncio ensurdecedor,
é um grito tatuado no íntimo de cada um.

Poesia é uma simples mas intensa melodia,
vincada pelo ritmo galopante da paixão.
É a magia de um agradável envelhecer a dois,
é a cegueira que se avista nos olhos de quem ama.

Visitem a minha página no facebook: https://www.facebook.com/NoMundodaEscritaedaPoesia

Bem, não estava nada à espera de vencer isto... :) Obrigado a todos!
 
Poesia no Coração - 1º Lugar EVENTO IX

A Minha Carne É Feita De Livros

 
 
A Minha Carne É Feita De Livros

A minha carne é feita de livros...
de histórias da carochinha
vividas no vapor da boca
que no adeus da aurora
cobriam de magia
o tormento do meu travesseiro

A minha carne é feita de livros...
encaixados à força da régua e do carimbo
do "tens que aprender a lição!"
enquanto lá fora...
a saia primaveril que vestia os meus sonhos
me inundava de interjeições...

A minha carne é feita de livros...
e rogo a quem os abriu
o milagre de jamais os fechar...

Luiz Sommerville Junior, 2010

In a Madrugada Das Flores, Edição Waf-Corpos Editora.

.
 
A Minha Carne É Feita De Livros

Para todos os Luso-Poetas!

 
Para todos os Luso-Poetas!
 
Não te sintas pequenino,
Se as luzes da ribalta em teus pés não tocarem,
Sente-te feliz como um menino,
Diverte-te escrevendo, vivendo e rindo,
Pois só os cegos, não verão em ti, fascínio!

Não decaias por entre gigantes,
Que nada têm para te ensinar,
Vê-os apenas como os elefantes,
Que há muito cá andam e têm experiência para dar,
Que podem ajudar e momentos partilhar…

Não condenes os vencedores,
Por terem a fama conseguido,
Apenas chamaram mais atenções dos leitores,
Desta vida, deste livro,
Que por eles foi bem merecido!

Não desistas de tentar,
De batalhar por um momento,
Em que possas chorar, rir e contemplar,
Pois de nada serve o sentimento,
Senão for para o mostrar!

Cospe o que sentes, mas deixa para que outro possa pensar e interpretar…

Read more: http://ghostofpoetry.blogspot.com

________________________________________________
Dedico a todos os leitores e escritores do Luso-Poemas... Desde os mais lidos aos menos lidos (Sem disitnção).

Pois todos são dignos, e todos são escritores!

Abraços e Felicidades a todos!
 
Para todos os Luso-Poetas!

E Deus te transformou no meu céu

 
E Deus te transformou no meu céu
 
Da pontinha dos cabelos, à ponta dos pés...
todo o corpo repousa sobre essa paz,
esse amor, esse ser maravilhoso que tu és...
Tudo o que me deixava triste agora jaz...

Abençoado ventre materno que te deu à luz,
abençoada destra paterna que te orientou,
sigo confiante os passos que você conduz,
abraço cada ensinamento que você mostrou...

Reta vou pelo caminho estrelado que se abre,
Seja Deus no céu e você na terra, meu amor...
A saudade agora é uma lembrança, souvenir...

Meu espírito contempla admirado cada milagre,
e não há mais aflição, desespero ou dor...
Fecho os olhos e agarro cada benção que surgir.

Daniele Dallavecchia 19.03.2011

Homenagem ao meu poeta e meu amor, Sommer!
 
E Deus te transformou no meu céu

O Poeta Dela

 
O Poeta Dela
 
 
Suspirando de amor,
cada dia
morria um pouquinho...
Bailava nos sonhos azuis
daqueles versos escritos no papel,
jogados ao sabor do vento,
caídos no colo,
sobre seu vestido estampado...
A cada palavra
sentia o beijo terno,
cada estrofe
uma promessa de vida,
cada rima
uma canção mágica...
O amado de toda a vida,
estava
naquele pedacinho de papel...

Daniele Dallavecchia
 
O Poeta Dela

Trago Gôndolas Venezianas

 
Trago Gôndolas Venezianas
 
 
A vida
que nunca me quis
nessa viagem que ninguém pegou
é daninha de raíz
no todo do nada que sobrou!

Fossem ventos
seriam facas que cortam o ar
fossem chuvas
seriam martelos que despregam cavernas
fossem terramotos
seriam torpedos estilhaçando o adn
fossem o que fossem
seriam esse foram que não foi

Lá longe, num canto perdido de nós
gasto, velho, enferrujado, puído
um trem repousa seus restos...

entretanto no meu olhar
perpassa como um avião
o *TGV do coração ...

LSJ, 2908201018:46 in Távola De Estrelas

* TGV (Train À Grande Vitesse)
 
Trago Gôndolas Venezianas

Sou a intensa tinta

 
 Sou a intensa tinta
 
Com intensa tinta
o espírito pinta.
.
Sou a tinta desta folha,
Onde não verbaliza e tudo olha,
Sou as letras, as palavras, as frases,
Sou o poema em si, sou todas as fases:
Sou a tristeza, a alegria, a vida, a morte (…)
Sou tudo o que realmente sinto;
Quando canto sinto que a vida é mais forte,
E se não for assim, sinto-me presa num labirinto,
Onde me perco, mas canto e rapidamente,
Rapidamente encontro-me.
.
Quando escrevo sinto que sou a tinta;
E desenho a minha alma como realmente é,
Sou tudo isto mais o pássaro que me vê;
O meu versejar é o sangue seco, gravado a tinta,
E é toda a minha chama.
Inevitavelmente é o meu sangue que te ama,
Esteja ele seco ou a correr pelas minhas veias.
.
Ana Carina Osório Relvas/A.C.O.R
 
 Sou a intensa tinta

Vali-me da poesia para chegar a ti!

 
Vali-me da voz, através da escrita…essa maneira erudita, de poder chegar a ti.
 
Vali-me da poesia para chegar a ti!

O Hino Sagrado Da Terra

 
O Hino Sagrado Da Terra
 
Outrora
se me falassem do céu
somente os anjos
seriam dele
a voz !

Mas
porque és tu
que me falas
morre o lugar comum
de que os anjos
não possuem sexo
e o céu
abre-se como uma vaga de diamantes
na tua boca !

Outrora
quando os pirilampos
disseminavam pérolas luminosas
sobre as pétalas das flores
tacteando na escuridão
pela mão que no jardim
não me tomava !
de infeliz
a casa eu regressava
com tantas luzes nos olhos
e nenhuma no coração
adormecia
abandonado ao sonho
que adoecia sob o meu colchão ...

Mas
hoje que o céu é a minha estação...
sinto-me cavaleiro
sobre o dorso das estrelas
no castelo celestial das nuvens
chuva d´órbitas na fortaleza
firmamento de borboletas
com beijos em asas de coloridas delicadezas
há uma entrada imponente
que é
a gala da tua visão
que ao sonho me conduz
em explosão de libélulas
voando ...em dança frenética
são como igrejas
das palavras
que tu beijas...

Luiz Sommerville Junior, 300620111633
 
O Hino Sagrado Da Terra

NESTE SONHO QUE ME INVADE

 
Neste infinito de emoções
Neste universo onde flutuo
Neste sonho que me invade
A cada instante
Sigo na estrada da esperança
Ao encontro de ti.

Nesta teia de emoções
Neste turbilhão de sentimentos
Que se cruzam e nos absorvem
Viajamos neste sonho
Dentro das emoções
Que o sustenta
E me faz voar…
Neste universo de cumplicidade
Onde o amor flutua em nós…
Onde voamos
Nas asas do sonho
Nas nuvens do nosso sentir
Na galáxia…
Das nossas emoções.

Pudera eu ser
Pássaro veloz
Vento que fustiga forte
Mas que nunca perde o norte
Para junto de ti
Me levar…
E juntos voarmos
No céu azul infinito
E num sussurro
Num grito
O nosso amor…consumar.

Gil Moura
 
NESTE SONHO QUE ME INVADE

Coração Digital - A.I.

 
 
.

Coração Digital - A.I.

Sou duma época em que a robótica
pode amar os humanos
e em que os humanos estão incapacitados
de me amarem
e de se amarem entre eles
talvez uma fada possa sossegar
os meus circuitos sem sangue
talvez as veias da fantasia
me devolvam
uma história suspirada ao adormecer
pela minha mãe
Sou menino repleto de circuitos e cpu's
não existem cirurgiões que possam
reprogramar a minha memória
a minha metaliforme emoção...
mas por uma noite de amor
eu venceria a mais gigantesca baleia
renunciaria ao mais vil João Honesto
seria artista de circo
e voltaria a casa cansado
com todo o meu aço enferrujado
Se o meu pai fossse o Gepetto
e a Disneylândia o meu lar
chamar-me-ia Pinóquio
mas eu não sou esse boneco-de-pau
não posso voltar para casa
tenho de regressar à oficina
ir para a manutenção
porque
não passo dum menino
de olhos bem fechados
dum infra-terreste que nasceu
da excêntrica comunhão
entre o Dr. Estranho-Amor e O Tubarão ...

Luiz Sommerville Junior , Eu Canto O Poema Mudo
 
Coração Digital - A.I.