Poemas, frases e mensagens sobre poeta

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre poeta

Sou Poeta sim porque não?

 
Sou Poeta sim porque não?
 
SOU POETA SIM PORQUE NÃO?

Levanto um muro e fico só?
Tanto que poderia dizer-te!
Mas de mim não tenhas dó,
Que hei-de sempre querer-te.

Hora a hora Deus melhora
E o dia hoje me é vantajoso
Em meus versos digo na hora
Bate meu coração!Bate corajoso.
A Vida é este palco
Onde sou o que quiser
Mas nada nem ninguém acalco
Na estrada que percorrer.

Se sou isto e sou aquilo?!
Não sou eu imitação!
Meu caminho, vou segui-lo!
Atrás do muro não fico não.
Sou testemunha, vejo tudo!?
Estou no palco, faço feitiço
Finjo ser cego e mudo
Censura, não me importo com isso.

Tenho registo de memória
Sou Poeta e até fogosa
Conto p'ra todos a minha história
Sou *Poeta e também rosa.

rosafogo

Afinal cheguei à conclusão que sou mesmo Poeta.
Me desculpe quem assim não achar.
 
Sou Poeta sim porque não?

E Deus te transformou no meu céu

 
E Deus te transformou no meu céu
 
Da pontinha dos cabelos, à ponta dos pés...
todo o corpo repousa sobre essa paz,
esse amor, esse ser maravilhoso que tu és...
Tudo o que me deixava triste agora jaz...

Abençoado ventre materno que te deu à luz,
abençoada destra paterna que te orientou,
sigo confiante os passos que você conduz,
abraço cada ensinamento que você mostrou...

Reta vou pelo caminho estrelado que se abre,
Seja Deus no céu e você na terra, meu amor...
A saudade agora é uma lembrança, souvenir...

Meu espírito contempla admirado cada milagre,
e não há mais aflição, desespero ou dor...
Fecho os olhos e agarro cada benção que surgir.

Daniele Dallavecchia 19.03.2011

Homenagem ao meu poeta e meu amor, Sommer!
 
E Deus te transformou no meu céu

Deus das Palavras

 
O escritor é um Deus das palavras.
No princípio sua imaginação transcende
as imagens que surgem em sua mente
e atravessam o firmamento do que ele entende.
Ele imagina céus em cada texto,
ele conhece terras em cada interrogação,
sente sensações em cada exclamação.
Nas trevas, ele mostra a segunda face do abismo,
nas águas, ele batiza sua criação e alivia sua sede,
diante da luz, ele faz da Lua a eterna musa do Sol.
Sua poesia une as noites frias com o calor dos dias,
as tardes chuvosas com os desertos das madrugadas,
os passados saudosos com os desejos nos futuros
e o agora vívido com as preguiçosas manhãs.
Suas composições ouvem a voz dos oceanos,
suas canções navegam com o perfume da maresia,
enquanto sonha com sua criação deitado numa rede,
naquela praia onde seus olhos conheceram o mar.
O Poeta é um Deus criador de versos.
Se ele finge, sonha ou sente, somente ele pode dizer.
Seus livros nascem iguais estações do ano,
no outono ele une as folhas escritas com seus poemas,
no inverno ele permanece entorpecido, em gestação,
na primavera ele lança as sementes nos corações
e no verão ele colhe a luz da sua manifestação.
A obra do escritor transcende sua existência,
transforma-se num legado indelével, intemporal
e permanece insigne na lembrança do seu leitor.
 
Deus das Palavras

Depende do Poeta...

 
Nasce na noite perversa de frio
Um ínfimo arco-íris de fogo
Fazendo na neve branca
Um rio
(Quase invisível)
Que corre na alma branca
Da paz monótona
(indescritível)
Que era sentida.

Nasceu uma flor
Minúscula e rubra
Para ser regada
Sem dor…

Se algum dia será vista?
Só depende do poeta
E do seu amor…
 
Depende do Poeta...

Ser poeta

 
- Os poetas são todos loucos,
Loucos, loucos como eu e tu
- Ah, mas eu não sou poeta!
- Estás é pateta! És um peru?!
- Ah, poeta escreve versos
De amor, sei lá, de kung fu
E ouvi dizer, mas não estou certo
"Todo o poeta é gabiru"
- Bah! Ser poeta é nada disso
É ser mais alto, como a canção
É beijar como quem seja...
Hum, é como chouriço no pão
Nem precisa saber escrever!
- Sequer saber escrever precisa?!
- Não complica, p'ra poeta ser
Basta ser louco ou sem camisa
- Hum, louco eu sou... descamisado...
Chouriço gosto... pão também...
Não sou peru... não sou pateta...
Serei poeta?! Não soa bem.
 
Ser poeta

Eu queria amar um poeta

 
Eu queria amar um poeta
Que conhecesse a dor
De perder um amor
E a transformasse na magia
Da sua poesia.

Que nascesse em cada dia
Sedento do sabor
De uma nova paixão
Que a tornasse eterna
Dentro do seu coração.

Que tocasse o meu corpo
Como sabe tocar uma flor
Com toda a doçura e fulgor.
Que lidasse com a rotina
Como se fosse noite de luar
Com toda a vontade de imaginar.
Que vivesse cada momento
Como um verso a escrever
Para nunca esquecer.

Que me amasse a mim
Como se fosse um ser
Que não tem de sofrer.
Que me fizesse sentir
Como acabada de nascer
Sem de ti saber.

Saído mesmo do fundo da gaveta
 
Eu queria amar um poeta

O POETA QUE VIVE EM MIM

 
O POETA QUE VIVE EM MIM
 
O POETA QUE VIVE EM MIM

Este tempo em mim maldito!
Me deixa como ave lenta
Despida de penas
E palavras em que não acredito.
São apenas...
Dores que o Poeta inventa!
Mas Poeta é livre como o vento
Em seus versos canta, sofre e respira
Seu céu ora é azul, ora cinzento
E vê e ouve o que mais ninguém viu ou ouvira.

Grande é a sua sede de viver
Inventa histórias de memórias esquecidas
Saem-lhe palavras para oferecer
De utopia suas idéias tráz vestidas.

Não controla as emoções, é a verdade
O Poeta vagueia pela loucura
Vive falando da saudade
Faminto de sonhos e de ternura.

Às vezes mais morto que vivo
Há nele sempre um mar de esperança
E um velho menino adormecido
Sonhando ser ainda uma criança.

rosafogo
 
O POETA QUE VIVE EM MIM

Meu limite será a ponta da corda

 
"... Os esforços não terão sido em vão enquanto acordar,
sei dos riscos enquanto visito as tão escuras veredas, ...”
----------------------------------------

- Meu limite será a ponta da corda -


Meu limite fatal será sempre a ponta da corda,
a morte bailarina dança ao som de melodia letal.
Sei que vou morrer, mas não será neste momento,
haverá escrita a hora certa para o encontro final.

Esgotadas lágrimas, olhos marejados em indagações,
neste instante que estou gostando demais da vida.
Aquela que me amou, ficará calma no sofá da sala,
não me acompanhará, nem ira o destino desafiar.

Os esforços não terão sido em vão enquanto acordar,
sei dos riscos enquanto visito as tão escuras veredas,
enquanto as retas da vida em sinuoso arco transformar.

Sem palavras, não irei arrependido, será enfim a meta,
mas, se pessoas distintas já disseram que fui um artista,
talvez, alguém ainda vai dizer que em vida fui um poeta.

28082015
--------------------------------------------------------------
©LuizMorais. Todos os direitos reservados ao autor. É vedada a copia, exibição, distribuição, criação de textos derivados contendo a ideia, bem como fazer uso comercial ou não desta obra, de partes dela ou da ideia contida, sem a devida permissão do autor.
 
Meu limite será a ponta da corda

O poeta beberrão

 
O poeta beberrão
 
Oriundo do clã dos aficionados da cachaça, Duílho nosso herói beberão protagoniza uma cena bizarra num bar de "primeira linha". Havia apostado cem "pratas" com o dono do bar, que tomaria todas e mesmo bêbado comporia um poema de amor e sairia de lá com uma "mina". Lá pelas "tantas" já inebriado vê uma loira acompanhada de um casal de amigos e não é que lá vai ele cambaleando recitar seu mais novo poema para a moça, que tomada de espanto ouve calada. Quando Duílho termina uma mão toca o seu ombro por trás, era o namorado da moça que havia retornado do banheiro, tudo indicava que o "caldo ia entornar", no entanto o rapaz levou na esportiva e ainda quando foram embora, deram uma carona ao Duílho deixando-o em sua casa. Intrigada a moça pergunta ao rapaz o motivo de tão nobre atitude, ao que ele responde, que estava a cuidar do futuro, diante a cara de espanto da namorada ele explica, que apenas repetiu o que ele viu o seu pai fazendo uma vez, diante um embriagado. Concluiu o rapaz, que havia aprendido que tudo na vida são oportunidades que a mesma nos oferece e que nossas atitudes demonstram aquilo que fazemos com elas e traçam o nosso destino.
 
O poeta beberrão

Viva os poetas e Viva as poesias

 
Viva os poetas, viva as poesias

Que trazem alegrias e fantasias

Em cada verso com suas rimas

Pode uma lágrima na face rolar

Ou um sorriso meramente brotar

Uma saudade no peito calar

São sentimentos de poetas

Não escondem, escrevem

Porque dentro deles tem

Almas que vivem e sonham

A poesia no compasso do coração

No pensamento seus enfeites

Nas mãos a destreza da composição

Que vibra a cada palavra escrita

Colorindo as folhas com emoção

Fazendo pulsar muitos corações

Com suas composições
 
Viva os poetas e Viva as poesias

Poeta nas nuvens

 
Poeta nas nuvens
 
POETA NAS NUVENS

O poeta é uma espécie de doido varrido
Vive e morre cantando dores sem cura
É como um mendigo esquecido,
Feliz, eleva a sua musa às alturas.
Canta a tragédia, vive suspirando
Às vezes não cala a sua indignação
Dia após dia se resignando
Repetidamente se apodera dele a emoção.

Chora e soluça, também sonha, sonha...
O Poeta é um sonhador sem vergonha!

Delicia-se a sonhar, carícias e doçuras
Às vezes sente-se ave acorrentada
Outras solta-se nas alturas,
Ou fica errante p'la estrada
É veloz, tem asas de condor
Tudo ama, tudo o cega, vive de amor.

O Poeta cria seu Mundo à parte
Não se conforma em perder
Com muito engenho e arte!?
Escreve de manhã ou ao anoitecer.
De voz clara fala de outrora
Da distancia infinda, lembranças!?
Fala da flor que murcha agora.
Fala da velhice e da mocidade
Fala dos sonhos, das esperanças
E porque sofre fala também da saudade.

Murmura suas preces sem pausas
Na esperança de respostas receber
Suspira amargurado, indiferente às causas
De tudo julgar ter... e nada ter.
Canta seu Deus, e a Natureza
É fanático p'la liberdade
Mas no seu coração vive a certeza!?
De que um dia morrerá de saudade.

Tem sempre saudades dum bem
Seu coração é de criança sem maldade,
Mas só desse bem lhe vem,
A Poesia com vontade!

Desfia seu rosário em ritmo lento
Finge que a linguagem não é sua
Retém lágrimas ou sorri a cada momento
Imerge da tristeza, e também amua.
Não pára de saciar sua sede ardente
Como um rouxinol, cantando, cantando...
Nas alturas celestes se deixa voando.
Ora se sente ninguém, ora se sente gente.

rosafogo

Poema surgido durante esta viagem, um pouco nas nuvens, mas fi-lo e dedico-o a todos os poetas,
que o venham ler.

Olá aos amigos de quem já tinha saudades.
Um abraço a todos, estou de volta.
 
Poeta nas nuvens

O Poeta Dela

 
O Poeta Dela
 
 
Suspirando de amor,
cada dia
morria um pouquinho...
Bailava nos sonhos azuis
daqueles versos escritos no papel,
jogados ao sabor do vento,
caídos no colo,
sobre seu vestido estampado...
A cada palavra
sentia o beijo terno,
cada estrofe
uma promessa de vida,
cada rima
uma canção mágica...
O amado de toda a vida,
estava
naquele pedacinho de papel...

Daniele Dallavecchia
 
O Poeta Dela

*Palavras de Poeta*

 
*Palavras de Poeta*
 
“O poeta, de facto, só é uma pessoa como as outras na fisiologia. Et quand même…, Antoinin Artaud já nos preveniu de que poderia, até mesmo aí, ser diferente”

De O Livro de Cesário Verde, Posfácio, António Barahona

São tantas as palavras que o vento albergou,
Das flores que ainda se fazem criar,
Por entre os campos caiou,
Pedaços de pétalas de mar,
Que o tempo vincou nas brochuras com o salivar…

Nas montanhas assolou um único contemplar,
Que as flores lhe matou,
No jardim que ainda estava a formar,
As palavras que com as boninas partilhou,
Avassaladas pela corrente que inalava no ar…

São tantas as palavras que o vento albergou,
Levadas pela morte que insiste em amar,
Um poeta que ganhou asas e voou,
Para lá das vistas do meu olhar,
Onde enterrou todos as farpas que conseguia trovar…

Marlene

Read more: http://ghostofpoetry.blogspot.com

_________________________________________________
Inspirei-me em Cesário Verde, grande poeta que tanto admiro.

Abraços e Felicidades.
 
*Palavras de Poeta*

SEMEIA, POETA, SEMEIA!

 
SEMEIA, POETA, SEMEIA!
 
 
SEMEIA, POETA, SEMEIA!

by FatinhaMussato

Semeia, poeta, semeia!
Semeia idéias, palavras e versos,
como o jardineiro semeia sementes...
Pois é dos versos semeados por ti,
que nascerão o amor e a esperança!

Sentirás n'alma
o preço do teu semear...
Dores do parto do amor,
da fé que em ti habita,
pois a sentes em teu interior!

Ensina o homem a amar,
a ter esperança, a confiar,
transmita em teu versejar,
a certeza de um mundo melhor!

As dores do teu semear,
um dia serão compensadas,
pelo reflorir da esperança,
pelo voltar da alegria,
pelo despertar do amor!

Poema INÉDITO Nesta Data
São José do Rio Preto (SP), 29/Janeiro/2010 - sexta-feira - 10h00m.

PS: A imagem ilustrativa homenageia o amigo poeta José Luis Lopes.

Imagem: NET

Música: Stolen Kiss / Ernesto Cortazar
 
SEMEIA, POETA, SEMEIA!

acolhedores

 
como fogueira
crepitante
em fria noite campestre

/fria tanta
que nem a lua
comparece /

mesmo que
juntas ao longe
estrelas incendeiam
dando impressão
que a via láctea inteira...
aquecem/

são teus versos
que confortam
e do meu frio
se compadecem
 
acolhedores

AFIANÇO!

 
AFIANÇO!
 
AFIANÇO!

Que o Poeta está triste hoje
Poesia prestes a morrer em si
Pouco lhe resta a vida foge
Cansou de chegar até aqui.

Nega-lhe até o chão que pisa
Poesia prestes a morrer em si
Fecha-se a porta, a vida avisa
Aguenta, não sairás mais daqui.

Chegou ao alto da montanha
Sonolento, constrangido, ali
Onde fui arranjar força tamanha?
Pergunta o Poeta de si para si.

Ao seu encontro veio a saudade
Olhou para tras, ninguém era ali
O mundo o desprende com facilidade
Perpétua, só a Poesia nascida de si.

Agora nada mais existe que o vazio
Fica condenado a gritar só para si
Morrer não, a vida está por um fio?!
Pensa:
Porquê?!Se tudo dei e nada recebi.

rosafogo

Pequenos desassossegos dum poeta.
 
AFIANÇO!

NANDA ESTEVES (Feliz Aniversário)

 
NANDA ESTEVES  (Feliz Aniversário)
 
 
Nanda.

Eras apenas um ser em
meio a grande multidão,
em meu peito se aninhou
tomando conta do coração.

Eras apenas mais uma
em meio a este mundo
chegou e tomou conta
do meu ser mais profundo.

És como um anjo
que em minha vida entrou,
e se instalou no meu peito
e nunca mais me deixou.

És uma mulher cheia de amor
que admiro assim como uma flor,
sabia que você era este ser especial
que sempre em meu coração pulsou.
_______________
Esse foi um dos 1ºs poemas que fiz por aqui no meu 1º mês de Luso. Fiz agradecendo um poema que Nandinha fez pra mim e isso jamais esqueço, ficou guardado no meu coração.

Beijo querida, um ANIVERSÁRIO de paz, saúde, prosperidade e muito amor ao lado dos que tu amas!

Página da Nanda

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=89882
 
NANDA ESTEVES  (Feliz Aniversário)

Amor... sem ti

 
Escuto o teu dormir
Nas madrugadas silenciosas
Que me ferem a alma de saudades.
Roubo-te beijos em sonhos
E guardo-os, como tesouros,
Por trás do luar
Com que me visto para ti.
Não me vês...
Mas estou aqui,
E sinto cada gesto
Como se fosse meu.
Sei o gosto desse beijo
Que nunca me darás,
E sinto o teu abraço
Que me tira da solidão
Por breves instantes...
Sei que é amor,
Sem desejos secretos
Para além de te amar,
Sem mentiras nem esconderijos,
Sem loucas demências,
Sem ti...
 
Amor... sem ti

Fingimento Poético!

 
Fugaz e inspirado
Incessante na sua escrita
Não olha para o tempo
Gosta dos pormenores
Imagina o impossível
Manipula personagens
Enverga várias vidas
Não perdendo a sua no entanto
Torna tudo mágico
Obstinado é o poeta!

Prosa ou poesia
Ornamenta os seus textos
Encaminha os leitores
Todos somente numa direcção
Imaginar e viver
Caminhar num só sentido
Objectivo cumprido!
 
Fingimento Poético!

Poeta e Homem - Maria Verde

 
 
Maria,

Com meu carinho e respeito pela excelente escritora que tu és!

Bjins, Betha

Poeta e Homem
by Maria Verde

O café
O cinzeiro
O papel...

O gole
O trago
A inspiração...

As letras rabiscadas
Em margens desalinhadas
Denotam a desambientação
Um homem, à deriva da emoção.

É de si mesmo incômodo
O poeta ignoto
Procura num sobressalto
Um alçar mais alto.

Suspira, rasga o peito
Expelindo desconceitos
Mais um gole, um trago...
E em trânsito, missiva o vago!

Possui ouvidos naufragados
E olhos assombrados
Todo o mais... é vento
Tremulando seu íntimo lamento.
 
Poeta e Homem - Maria Verde