Poemas, frases e mensagens sobre sedução

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre sedução

Escaldante sedução

 
Chegada a Tróia, numa conferência de partilha de informação sobre investigação estratégica.
Apressou-se a fazer o check in pois já chegara atrasada, entrara no auditório discretamente, sentou-se num canto, a ouvir a oradora.
Uma sensação de sexto-sentido tocou-lhe na fonte, a percepção que estava a ser observada.
Um próximo orador acabara de ser anunciado, um som de movimento atrás dela, alguém se levantou, ela conseguiu absorver o aroma que lhe aflorou os sentidos e as sobrancelhas também, um homem de média altura, ombros largos dentro de um fato elegantemente vestido, o qual de costas não lhe conseguiu ver nada mais, do que um bom rabo saliente.
No palco, observou o tipo um ar altivo pele morena de cabelo escuro, com uma forte presença de correta postura.
A mensagem que o orador passava era enérgica, ela não tinha sono, seria da voz ou da presença masculina.
Terminada a intervenção o homem regressou ao seu lugar, ao passar lado a lado, fitou-a nos olhos deixando-a despida.

"Céus que escândalo o tipo é poderoso"

As horas seguintes fizeram o gosto à estratégia, entre ambos, um jogo de sedução num misto de acções comedidas, entre dois profissionais, que não se conheciam, no bar ela tirou um Martini, ele com um sorriso maroto, avança.
- Uma boa escolha, a azeitona como brinde é muito bom. Chupar a azeitona, claro, rs.
Ela como tímida que era não se pronunciou, mas esboçou um sorriso de aprovação.

"Queres festa, eu digo-te o que chupava e bem, até te transformares em Martini".

Durante o jantar o jogo de estratégia sedução, continuou, o homem, sentou-se duas mesas depois de frente para ela, falava com um grupo de estrangeiros conhecidos e olhava-a nos olhos sorrindo, a mulher começou a gostar da brincadeira, deliciava-se com uma mousse de manga chupava a colher lentamente e fitava-o nos olhos.

"Ui não, não provoques, vou perder a cabeça contigo e dou-te outra colher, de carne, minha gulosa".

Ambos deram uma gargalhada silenciosa, com cumplicidade.
O avançar da hora obrigou a retirada, a mulher seguiu em direcção ao quarto, junto à porta sentiu o aroma do perfume do tipo, achou que estava a delirar.
Quando sem nem porque junto à parede, ele faz-lhe por trás uma carga corporal, com o braço esquerdo imobiliza o braço esquerdo dela agarrando o direito, com a sua mão direita tapa-lhe docemente a boca, por sua vez não quis arriscar a deixa-la defender-se junta os pés do lado de fora dos dela, imóvel completamente a mulher tenta reagir.
- Isto parece um pouco animalesco, mas você mexe comigo.
Ela quer falar, não consegue, enquanto ele a beija lentamente da orelha, no pescoço, mordisca-lhe o ombro, a fêmea reage, o seu corpo ganha vida o quadril, vibra, a anca ganha vida própria, impossibilitada de falar, a respiração ofega numa constante oitavada.
Ele vira-a rapidamente, agarra-lhe pelo pescoço com virilidade e beija-a de uma forma prazerosa, de fome sem limites, apanhou-lhe os faróis, as coxas um verdadeiro polvo, aquele toque de dedos fortes e quentes, sentiu-se um piano a tocar a música de desejo.
O convite estava lançado, a distância do colo dele foi as costas dela na parede, no quarto com ela ao colo entrou, de pernas entrelaçadas à sua cintura, um jogo de despe a próxima peça foi surpreendente, arrancou-lhe a gravata, a camisa, ele abriu-lhe o fecho do vestido, enquanto mordia o ombro, a arte selvagem atraia-lhe os mais arrojados sentidos de plumas prazerosas.
De sandálias no solo, ficara apenas um fio dental, que com arte marcial máscula, tentada em forma de dentes foi tirado.
Ela dera-se por um todo, aquele jogo que entre quatro paredes, parecia, um tempo único, habituada a amor de mel, descobre outro tipo de sedução uma verdadeira arte de agressivo prazeroso, o musculado homem com a palma da mão, ofereceu-lhe 5 dedos tatuados numa nádega. De tal forma que o efeito foi de pascais largamente a bolas chineses efectuosas.
Corpo a corpo, o homem fitava os olhos grandes verdes, de brilho inigualável, de misto desafio, medo, prazer.
Enquanto a olhava, lambuzava-a com beijos quentes e explosivos, com o suor a brilhar no rosto.
A honra era dele, a mulher estrelas via, um sucessivo estrelar transcendental. Ela levanta-a a perna direita prende a dele e roda para cima dele, sendo aprovada a sua atitude, até então completamente submissa, para a ter uma postura de dominadora.
Cavalgando montes e vales, deixando o cavalo selvagem mansinho e explosivamente cansado, após o ranger dos dentes e o rugir de um leão, de olhos esbugalhados e de faces rosadas.

Adormeceram exaustos, após várias activas horas de agressiva carnal loucura, desmedida.
 
Escaldante sedução

Mito_lógico

 
Mito_lógico
by Betha Mendonça

Carregas filhotes de cobras à cabeça e quaisquer palavras de mel com as quais tu seduzas, não passam de peças que tua boca prega para que pregada no chão eu fique indefesa.

Ah quimera!...Teu olhar de fogo não incinera. Pior: transforma todo amor e bem em pedra. Quem me dera seres como não és!

Não há carícias nessas mãos ásperas e escamosas que escorregam frias, beijos a defuntos nas vitimas dos teus anseios...

Há desejo reprimido nessa tua língua bífida a beijar duas bocas ao mesmo tempo, e, arde a pressão destruidora das tuas unhas em garras de harpia. Sem pressa elas massacram as presas enquanto inoculas peçonha com dentes de vampiro mal amado.

Não, tu és mito! És homem com capa de muitos animais e sentimentos sem humanidade. Traduzes o mal que não possuis. Exalas o temor e a atração que ele representa.

Tu és a versão masculina da Medusa, que lambuza de idéias as mentes e causa arrepios aos corpos femininos.
 
Mito_lógico

TEU CORPO

 
TEU CORPO
 
Beijo teus lábios sedentos com fervor,
Com todo o desejo que há em mim
E com o espírito de menino que enfim
Saboreia à deliciosa seiva do amor.

Vou desnudando teu corpo por inteiro,
Descobrindo teu mais íntimo segredo,
Em tua silhueta faço meu samba- enredo,
Transformo em avenida, único roteiro.

Passeio em tuas esquinas com prazer,
Sentindo os teus poros em explosão
Arrepiarem, te fazendo enlouquecer.

Enlouquecer na chama rubra da paixão
Mas também no amor que me faz viver
Fazendo do teu corpo minha inspiração.
 
TEU CORPO

"Rendição" - Soneto

 
"Rendição" - Soneto
 
"Rendição" - Soneto

Se de amor somos tocados, então vem.
Com esses olhos maviosos me seduza
Antes que o amanhecer lhe arrebate
E para alem dos meus sonhos o conduza

Perca-se a razão nos labirintos dos desejos
Renúncias espalhadas na trepida noite
Porque jorra dos olhos saudade num lampejo
E a dor da ausência já nos toma de açoite

Deixe que esse amor ao cinzelar refaça
Esse querer que nos prende, amordaça.
A réstia daquilo que poderia ter sido

Que nos arraste para a mesma fantasia
Perfume que nos toca lenitivo que inebria.
Deixe o sabor de amor sonhado e vivido

Glória Salles
 
"Rendição" - Soneto

SONHO MEU (Inédito!)

 
SONHO MEU

Meu sonho numa manhã de domingo,
É um convite nos sinos das catedrais...
Se somos velas a iluminar consumindo,
Eu te aconchego neste lume de sinais...

E me vejo a rir e chorar em tantos ais...
Em divisas de dóceis ninhos flamingos...
Meu sonho numa manhã de domingo,
É um convite nos sinos das catedrais...

Aves em revoada no remix de pingos
Num céu azul a furtar cores, em termais,
Num clima nublado a entoar respingos
És horizonte de panoramas colossais,
Meu sonho numa manhã de domingo...

Ibernise
Brasília (DF/Brasil), 09.03.2010.
Núcleo Temático Romântico.
 
SONHO MEU (Inédito!)

Alfa

 
 
De pé, queixo erguido
Sei que ninguém traçou o meu caminho
Sigo em paz
Nem sempre tão sozinho
Se quiser, me conter
Jogue o que puder

Vamos ver quem tem
O outro nas suas mãos
Vem provar meu bem
Minha reputação
Hoje até me tem
Mas amanhã não

Deixo até ficar
Enquanto tiver uso
Mas não minto pra ninguém
Nem mesmo abuso
Você quem quis assim
A escolha é sua

Vamos ver quem tem
O outro nas suas mãos
Vem provar meu bem
Minha reputação
Hoje até me tem
Mas amanhã não
 
Alfa

Prisioneiro do Amor

 
 
(Oiça o poema recitado pelo próprio autor com a música de fundo "Índia" interpretada por alma gémea)

Prisioneiro do Amor

Preso! Vivo preso!
Prendeu-me um coração!
E ao invés de menosprezo,
Dentro de mim represo,
O gosto da punição;

Que ninguém fique surpreso,
Por eu gostar da reclusão;
É que tanto por esse amor me prezo,
Que a liberdade por ele desprezo,
Para feliz viver na prisão!
 
Prisioneiro do Amor

SABOR DO CÉU!

 
SABOR DO CÉU!
 
Quando ouço

A tua voz meu amor,

Num pulsar frenético

Baila o meu coração

Em cada pulsar

Um acorde perfeito.

Em cada sorriso

Uma nota musical

E nessa canção

A saudade tem fim.

Quando estás junto a mim.

Ao teu lado sou feliz,

Sou uma abelha rainha...

E minha alma sedenta

Faz-se um beija-flor

A desfrutar do teu mel,

Que tem sabor do céu!
 
SABOR DO CÉU!

Sorrisos & Acenos

 
Sorrisos & Acenos
by Betha Mendonça

No teu sedutor sorriso marfim,
Mergulho, mui secreta fantasia,
Olhares, desejos, seda e cetim:
Beijos, ópios, cores em demasia...

Dedilhados em audições dos pianos,
Belos poemas-canções em sinfonias,
Caídas notas musicais, desenganos,
Amarram-nos ações e sintonias...

Beijo tua foto feita de nanquim,
E do Atlântico sinto a maresia:
Doce hálito se espalha por mim.

Tuas mãos altivas acenam sem fim,
E sou só a flor roxa da teimosia,
Dentre teu imenso e florido jardim.
 
Sorrisos & Acenos

CONVIVÊNCIA* (Inédito!)

 
CONVIVÊNCIA*

Tu me falas e ouves com o olhar...
Sintonia quase sempre telepática.
Percebo em tua face o teu desejar,
Teus disfarces, medos e estáticas...

Entre estrelas, cometas na mágica
Tua, carícias. E a cada despertar,
Tu me falas e ouves com o olhar...
Sintonia quase sempre telepática.

Neste clima me sinto tua a levitar...
És amor que em chamas plácidas
Me aderes na intimidade deste lar,
E se me reinas em tantas práticas
Tu me falas e ouves com o olhar...

Ibernise
Indiara (GO), 17.10.2008.
Inédito!
*Núcleo Temático Romântico
Direitos autorais reservados/Lei n. 9.610 de 1998.
 
CONVIVÊNCIA* (Inédito!)

SOMENTE POR TE AMAR* (Inédito!)

 
SOMENTE POR TE AMAR*

Eu queimo, eu definho, eu pereço
Porque vivo nosso conto de fadas
Até te encontrar em um recomeço
Em dias de céus, e dias de nadas.

Quedamo-nos nas fofas camadas
De ti e de mim, mais me conheço...
Eu queimo, eu definho, eu pereço
Porque vivo nosso conto de fadas.

E simplesmente por te amar, teço,
Palavras na superfície espelhada,
Em que te vejo, e em meu avesso
Cozo, fio em teus beijos, alucinada,
Eu queimo, eu definho, eu pereço...

Ibernise.

Indiara (Goiás/Brasil), 28.04.2009.
Poema Inédito!
Direitos autorais reservados/Lei n. 9.610 de 19.02.1998.

CONVITE
Você está convidado a participar dos Ciclos de Poesia consagrado aos 7 Pecados Capitais:Um projecto Lusófono.Antologia virtual, sem custos financeiros, em e-book, entre outros benefícios, conheça esta iniciativa. Inscreva-se.
Mais informações em:http://7pecados.blogtok.com/menu/1/16420/sobre/

Email. para inscrição ibernise@hotmail.com

Para desativar o som clique no canto superior esquerdo do video. Obrigada.
 
SOMENTE POR TE AMAR* (Inédito!)

Destino

 
 
Era suposto ser um dia normalíssimo de trabalho, o dia estava quente e convidava a um vestido fresco, de alças e umas sandálias frescas de salto alto, com uma mala normalíssima e simples como toda ela sempre fora, em que, na hora de almoço ela, saiu do portão e seguia no passeio da Av. Rovisco Pais, junto ao muro, que é desde os anos 70, uma zona de prostituição, a quando um tipo de boa aparência, vestido de fato a abordou.
- Está Livre?
Ela ouviu, mas, não percebeu e continuou andar, ele brutamente agarra-lhe no braço e aperta com força, para conseguir travá-la.
-Está Livre? Ou não? Não tenho o dia todo, apenas a hora de almoço.
- Largue-me o braço animal.
Em direcção a eles, vinha um homem, que rapidamente apressou o passo.
- Largue o braço da rapariga, se faz favor.
- Este tipo é um animal, está a magoar-me.
- Estúpida deves-te julgar muito boa, e tu deves ter muitos amigos, assim, ó parvalhão.
O homem de fato largou o braço da jovem e saiu de imediato.
- A menina está bem? O elemento magoou-a?
Ela ficou sem reacção, as pernas estavam trémulas e com um misto de emoções, por um lado, teve medo do fulano, que lhe apertou o braço, perguntando-lhe se estava livre. Por outro estava perante um tipo de aproximadamente 1,90cm, pele morena, olhos castanhos e com um corpo de porte atlético.
O homem olhava para ela e questionava-se o que fazia uma mulher como ela, ali num local daqueles, ela não aparentava, (mas existe muito boa menina que engana bem).
- Obrigado, ele apertou-me o braço, que animal.
- A menina trabalha aqui? ( enquanto perguntava, ele olhou para o muro).
- Sim trabalho aqui, claro. (obviamente ela referia-se ao gabinete onde trabalhava dentro do muro).
Ele tinha vontade de a conhecer melhor, aquela miúda mexeu com ele, como era possível ser prostituta, porque o fazia, foram beber uma água, ele convidou, e ela não teve coragem de negar depois do gesto que ele tinha tido. Aquela presença mexia com os sentimentos dela, que era uma selvagem e num ápice rendeu-se a uns olhos enormes expressivos castanhos, com um brilho especial, um tom de voz grosso e meigo, que lhe despia a mente, e lhe originava os pensamentos, mais arrojados.
O homem militar de profissão achara incrivelmente bonita e arrojada, mas muito vestida, para prostituta, o vestido que usava tapava os seios, e pelo joelho, não era uma indumentária de uma vendedora de corpo, não hesitou em perguntar-lhe se o fazia por necessidade ou por gosto, ela prontamente respondeu, que o dinheiro lhe fazia falta, mas que adorava o que fazia. Ele ainda ficou mais chocado, não entendia a razão pela qual, uma miúda tão gira não conseguia encontrar sexo, noutro local. Ele acompanhou-a de volta ao trabalho e ia deixa-la de novo junto ao muro, quando ela se despediu e continuou andar, ele por sua vez, questionou-a se ela não ia continuar a trabalhar, a mulher de imediato lhe disse que sim, ele perguntou se ela não ficava novamente no muro, numa gargalhada sonora ela respondeu que não dava muito jeito, e que para isso tinha de chegar ao gabinete primeiro, ria que nem uma perdida, ele soltou uma gargalhada inédita de alivio. Nessa altura ela entendeu as questões dele, ele tomara-a como uma prostituta que estava a ser agredida pelo cliente. Prontamente ofereceu-se para a acompanhar e lhe montar segurança até à porta do seu gabinete, ela eufórica continuava a rir, as expressões que ele usava eram fantásticas.

Ana Cristina Duarte

Feliz aniversário

Ao entrar no avião, existe um misto de medo, com sabor a desafio. O avião não tem porta desfruto na linha da frente, ao saltar o medo que o pára-quedas não abra.

Salta @
Rápido

Ela saltou, uma sensação de leveza. Obrigado uma vez militar.
Militar para sempre
*
 
Destino

TOCAR DAS TUAS MÃOS

 
TOCAR DAS TUAS MÃOS
 
Quando pousas...
Teus olhos sobre mim!...
Parece-me que, me vês assim:
Descortinada-uma deusa...
De uma noite estrelada – um festim.
Já na alcova perfumada...
Teu olhar apaixonado deixa-me iluminada;
Que, aos poucos me desfruta,
Num ímpeto beijos numa volúpia...
Ao tocar minha pele nua – um doce arrepio!
No meu colo navega... Num mar entra;
Após milhas e milhas!...
A minha flor adentra;
Em tuas mãos – sou como um violino,
Tocas-me com harmonia os acordes
São perfeitos!... N’osso leito... Um tino!...
Ouve-se uma linda canção,
No meu peito... Palpitando a mesma emoção!
 
TOCAR DAS TUAS MÃOS

EXPLOSÃO DE DESEJO - Neusa e Rickybar

 
 
Rickybar
Obrigada por gentilmente ter aceito ao meu convite para participar deste dueto.
Beijos
 
EXPLOSÃO DE DESEJO - Neusa e Rickybar

COISA BONITA

 
COISA BONITA

Você fez de mim uma caixinha bonita
Com a ternura que o cuidado transforma.
Era tronco polido, de transmutada forma,
Hoje objeto pleno de sentimento e vida...

Madeira de naufrágio por você modelada
Se tornou uma caixa de jóias e raridades,
Com o efeito mais belo que é a amizade,
Sua melhor criação artesanal, dedicada.

Labor no meu desejo pleno convertido.
Algo que transforma e é transformado,
Fruto doce que alimenta e é alimentado,
Alvo do afeto que contém e é contido.

Seu amor, nesta caixinha guarnecida,
É prazer que me mantém mais aquecida...

Ibernise.
Indiara (Goiás\Brasil), 26.07.2009.
Núcleo Temático Romântico.
Direitos autorais reservados/Lei n. 9.610 de 19.02.1998.

Scorpions -Wind Of Change (Acoustic version)
Apresentação da banda Scorpions no Monastério Lisbonense )(Portugal Lisboa - 2001).
Clique no canto superior esquerdo do video para desativar a música. Obrigada.
 
COISA BONITA

LASCIVA SOU TUA, MEU AMOR (Inédito!)

 
LASCIVA SOU TUA, MEU AMOR

Durmo no teu colo... Todas as noites...
Sonho com teu abraço colado em mim...
Sonho acordada, sorrio com tua corte...
Grudo em ti, escuto teu coração assim...

Tremo agarradinha, sinto teu cheiro,
Teu pulsar desejante... E ao sentires o meu,
Mais me apertas, contra os pelinhos de teu peito
Nesse jeito de aconchego que é meu e teu...

Inquietações me impedem de dar um só passo
E não arredam, nem cessam, e te convidam...
E assim me deitas de improviso no teu espaço
Onde completas meu prazer e choro comovida...

Ibernise.
Indiara, (Goiás,Brasil), 22.07.2009.
Inédito nesta data.
Núcleo Temático Romântico.
Direitos autorais reservados/Lei n. 9.610 de 19.02.1998.

Para desativar a Música clic no canto superior esquerdo.Obrigada
 
LASCIVA SOU TUA, MEU AMOR (Inédito!)

MAIS UMA VEZ

 
MAIS UMA VEZ
 
Quero te abraçar
forte, talvez
seja a última vez
de sentir o teu pulsar.

Não adianta alimentar
um sentimento
feito apenas dum sonhar
ou um mero pensamento.

O amor não pode ser uma quimera
deve-se sentir no coração,
não apenas uma primavera
mas em todas as estações.

Você partiu meu coração -
como pude ser enganado?
Ficar apaixonado
e sentir fortes emoções?

Você me iludiu,
me seduziu,
me fazendo de menino,
apenas seu brinquedo libertino.

Vivi só pra satisfazer teus ensejos
realizar tuas fantasias
e os teus múltiplos desejos
com versos de sensuais poesias.

Mas é tão forte meu amor
que teu cheiro me inebria, teu olor,
não quero apenas de te abraçar
e sim te beijar - mais uma vez te amar...

Elias Akhenaton
 
MAIS UMA VEZ

Ervas daninhas

 
Ervas daninhas
 
Persigo sonhos, ideais
Lampejos de fantasia
Lavro a terra sem arado
Dela Colho poesia
Separo o trigo do joio
Na vida sou selectiva

No meio de lindas flores
despontam ervas daninhas
se lhe pusermos as mãos
picamo-nos nas urtigas

Com o fruto do meu trabalho
Apenas compro alegria
Riquezas não me seduzem
Não tenho a alma vazia



Maria Fernanda Reis Esteves
49 anos
Natural: Setúbal
 
Ervas daninhas

É NOITE DO MEU AMOR (Inédito!)

 
É NOITE DO MEU AMOR

No ato do amor, meu amado,
Clame em versos só para mim.
Conte histórias, lindos fados
Sussurre mentiras de folhetim.

Fale-me segredos indecentes...
Audição só nossa à luz da lua,
Tempestade de almas cedentes
Onde sou tela, nas mãos, tuas...

É momento nosso de presença
E saudade, onde teu rosto beijo,
Toco e acaricio na confluência,
Em que te encontro e me perco...

Ibernise.
Indiara (Goiás\Brasil), 10.08.2009.
Núcleo Temático Romântico.
Direitos autorais reservados/Lei n. 9.610 de 19.02.1998.

Para desativar a música do vídeo clique no canto superior esquerdo.Obrigada.
 
É NOITE DO MEU AMOR (Inédito!)

AMOR BELO E REAL (Inédito!)

 
AMOR BELO E REAL

Misteriosas coincidências de nosso romance,
Que fascinam, a ti e a mim, meu doce amado...
Dimensão que embeleza a vida, nova chance
De seduzir o tempo num presente ao teu lado.

Espaço onde as palavras voam com o vento.
Brisa que nos faz sentir o mundo, dar passos...
Nos aproxima e nos redefine em cada evento,
No entusiasmo e alegria é prazer e embaraço...

Nesse tempo nos tornamos pessoas melhores,
E provando os benefícios deste grande amor,
Ficamos aptos a apreciar o belo, nos mores...
Virtude que não abrimos mão até o sol se pôr...

Ibernise
Indiara (Goiás/Brasil), 21.08.2009.
Poema inédito nesta data.
Núcleo Temático Romântico.
Direitos autorais reservados/Lei n. 9.610 de 19.02.1998.

Para desativar a Música clic no canto superior esquerdo.
 
AMOR BELO E REAL (Inédito!)