Poemas, frases e mensagens sobre sensualidade

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre sensualidade

Cheiro Sedutor de Rubra-Flor!

 
Cheiro Sedutor de Rubra-Flor!
 
O cheiro da tua pele me seduz,
Envolvendo-me em sua suavidade,
Revelando nossas intimidades
Que da Luz do nosso Amor reluz...

Tens cheiro de flor da sedução
Rubro desejo que queima na
Chama do Amor e da paixão
Que nos fazem perder a razão...

Por onde eu andar, seja onde for
Estarás comigo no pensamento,
Junto com os cálidos sentimentos
Que exalam do nosso Amor...

Sentimentos que estão na Alma
E no nosso apaixonado coração,
Que se alimentam do Amor
E do fogo ardente da paixão...

Vem Amor, dá-me um beijo teu,
Junta teus lábios aos meus,
Quero sentir teu sabor
E teu olor sedutor de rubra flor!

Elias Akhenaton
 
Cheiro Sedutor de Rubra-Flor!

*Masoquismo*

 
*Masoquismo*
 
De forma escarpada e desejada,
Anseio pelo doce veneno que pinga nos teus lábios,
Imploro por me sentir da tua parte amada,
Nesta dança desenfreada,
De dois escravos do prazer numa noite de ilusão…

Tentando e atentando o odor,
Que se libertava do corpo onde passavas com a mão,
Emano, efervescendo o calor,
Reclamando em ti a dor,
Que me faz desejar mais ainda a tua acção…

Com suaves toques de violência,
Empurras e agarras a pele que se debate por manter nua,
Marcada pelos sinas de carência,
Desencarna a sua abstinência,
E oferece em deleite a carne, outrora sua…

Num vai que não vem, o amanhecer,
O enrijecer dos corpos coloca a tez dura!
O som começa a desaparecer,
O silêncio quer permanecer,
O embate que apazigua, a nossa noite de loucura!

Marlene
Read more: http://ghostofpoetry.blogspot.com
 
*Masoquismo*

Lascívia

 
Lascívia
 
Lascívia
by Betha M. Costa

redes de dedos feitos de toques
em calores de febres convulsas
às caricias, ondas de choques
abrem-se os botões das blusas

deslizam coxas, mãos e pernas
põem a nu os mantos de esconder
e nas troças e danças internas
um ser dentro doutro a se perder

*Imagem Google
 
Lascívia

ESTA NOITE MEU AMOR, NÃO FAÇO AMOR

 
ESTA NOITE MEU AMOR, NÃO FAÇO AMOR
 
Esta noite, meu amor, não quero fazer amor
Quero ficar junto a ti para te poder adorar.
Quero ver como tu te despes docemente
Com o teu lindo sorriso sempre presente
Quero ver o teu corpo para o apreciar

Sabes bem, sabes bem e eu também sei
Que quando na nossa cama nos deitamos
Só pensamos em fazer amor, nada mais
Ficava atracado a ti como se fosses cais
E onde as nossas cordas amarramos.

Mas o amor é muito, muito mais complexo
O coração tem que bater por amor desejado.
Ele têm que bater no mesmo compasso
Não é só ir para cama quando por lá passo
É ter a certeza que o nosso amor é bem amado.

Hoje venho te pedir perdão do amor perdido
Quero passar a noite ao teu lado, meu amor
Tenho comigo um lindo presente a te oferecer
Eu não quero que tu venhas me agradecer
Para ti meu amor te trago este ramo de flores.

Coloca-as numa jarra á cabeceira da cama
Para que elas possam perfumar o nosso amor
Não serei ciumento dessas rosas vermelhas
Pois eu sei que tu serás a mais bela abelha
Que pela manhã vai levar o mel a essas flores.

A. da fonseca
 
ESTA NOITE MEU AMOR, NÃO FAÇO AMOR

Fonte de Prazer

 
Fonte de Prazer
Jorra em mim, amada,
teus sucos de prazer,
límpidos e agridoces,
eruptindo de furor
que me inundam o ser.

Dessedenta-me, amada,
de ti; oferta-me a seiva
de teu corpo em espasmo,
de êxtases amorosos;
Sê a minha Fonte de Vida.

Força meus lábios
a sugar teu velo
penetrando-te fundo
em tua gruta húmida
e de fogo insaciável.

Retém-te na minha língua,
a titilar pontos desconhecidos
dos simples mortais errantes,
geme e retesa teu corpo em arco
e deifica-te como fonte de prazer.

Exige da minha boca
o beber do néctar esvaído
de ti para que nem gota
ofertada a teu amante
se perca na consumação
do nada que não nós.

Sufoca-me na eterna
adoração de teu corpo.
Jorra em mim teu ser
e sacia-me de teu amor.
- "amo-te, amada minha!"

Lisboa, 22/06/2015.

Da Poetisa "Anggela"
"Fonte de prazer,
Deste corpo em chamas e todo teu,
Matando-te a sede nesse amanhecer,
És, em tua loucura, amante meu".
 
Fonte de Prazer

Beijos Mil

 
Beijos Mil
Junto ao lago cristalino e refrescante,
Tu e eu, enlaçados no nu dos corpos
Fremimos da antecipação dos beijos
Que nossos lábios urdem, sôfregos.
E nossas mãos se tocam e harpejam
os contornos carnais, tão suavemente,
erotizando a pele ávida de sensações,
cativando as mentes na mútua doação.

E minha boca a tua liberta contrariada
do abandono de momento e, lentamente,
percorre o teu corpo alvo raiado do ouro
de teus cabelos esvoaçando na brisa.
Beijo tua face, mordisco teus lóbulos,
acaricio teu pescoço retesado, arfando,
e minha boca prova o sal líquido do colo
gotejando odores que me inebriam mais.

Teus seios de auréolas róseas são alvo
de mais beijos e labiais carícias erectivas.
Teu ventre, meu amor, recua e avança
no gemido ondulante de hábeis toques.
Minhas mãos aprisionam as tuas e dadas
percorrem-te crispando o desejo retido.
São mil beijos que doo no altar do prazer
dos mil que, ofertados, serão consumados.

Lisboa, 30/05/2015
 
Beijos Mil

Ninho de Amor

 
Ninho de Amor
Pequeno quarto, ninho de amor,
tu, nua, noiva de minha paixão,
sorris esperando beijos mil.
E deitada nos lençóis de anil,
murmuras docemente: Coração,
vem! Toma meu corpo sonhador!

Junto de ti me deito, te abraço,
toco teus cabelos perfumados,
beijo-te a face afogueada.
E da tua boca sorvo melaço,
mordo, sugo teus seios excitados,
tacteio-te a pele arrepiada.

Teu ventre enlaço ternamente,
as coxas desconexas se ofertam,
inalo teu odor excitante.
A língua te trespassa rudemente,
titilando; desejos despertam,
jorrando doce suco de amante.

Ah! Néctar agridoce, licor,
inebriante fonte de vida,
meu frescor dos sentidos viris.
Te tomo, te firo invasor.
Quanto te amo, esposa querida,
minha amante, que sorris feliz!

Lisboa, 14/07/2015.
 
Ninho de Amor

O ESPLENDOR DE UMA NOITE

 
Quando a brisa da manhã acaricia meu rosto,
Traz com ela as tuas palavras, os teus beijos
Que guardo comigo até chegar o sol posto
E durante a noite são a razão dos nossos desejos.

Com o chegar da Lua, nossos corpos se prateiam.
O nosso quente ninho brilha de tanto amor
Os nossos lábios, de contacto eles anseiam
O nosso leito começa a preparar o esplendor.

O esplendor de uma noite de loucura louca
Com murmúrios de promessas na nossa boca
E a cumplicidade entre o teu e o meu coração

A volúpia viciou a nossa cama e o nosso quarto
Beijando os teus seios, e o teu corpo nunca farto
De sentir o meu corpo te acariciar de paixão

LUSO

IMAGEM -POEMAS
 
O ESPLENDOR DE UMA NOITE

Flor do Mal

 
Flor do Mal
by Betha Mendonça

Flor do mal é o homem,
Ópio do amor feminino,
Deus tecelão de prazer e dor.

Salivas, suores, cheiros,
Sêmens, palavras e chaves,
Conduzem ao alto paraíso.

Homem das minhas perplexidades,
Saudades inúteis e inacabadas,
Salivas, sêmens, suores e cheiros,
Corres dentro e ao redor de mim...

Acomoda-te e chora exangue,
Lágrima e sangue: a flor do mal!
 
Flor do Mal

Um excitante fim de semana.

 
Um excitante fim de semana.
 
Depois de um dia exaustivo de muito trabalho resolvi me alongar um pouco, um fim de semana na fazenda da família para refletir, relaxar, lugar gostoso tranqüilo, meu pai tem mania de cultivar ervas medicinais, desde sempre adepto a homeopatia, tem algumas ervas esquisitas, eu não saberia distinguir, meu conhecimento a respeito é zero. Uma grande área tomada de cana de açúcar, milho, feijão, batata doce, araruta, no pomar pessegueiro, limoeiro, laranja, ameixa e goiaba, no pasto gado de corte e leiteiro.

Os caseiros há muito tempo morando na fazenda, com dois filhos, Anita já havia saído para cursar faculdade, Mauro se tornou o capataz, lida com o gado na fazenda, e nos finais de semana peão de rodeio. Fazia muito tempo que não o via, tinha na minha lembrança o menino franzino briguento, me surpreendi quando vi aquele rapaz másculo forte se apresentando. Olá dona Sandra como vai à senhora. Sou Mauro filho do caseiro, olá Mauro muito prazer em revê-lo, e nada de senhora... Puxa você está homem feito, (risos). Mauro me ajudou a subir com as malas, deu chau e foi saindo, derrepente se vira e diz: tem rodeio na cidade se quiser posso levá-la, vou tomar banho deitar para um descanso depois nos falamos. Entrei no quarto me despi admirei-me no espelho, entrei no chuveiro ensaboei meu corpo com delicadeza, meu pensamento me deixava aturdida, fiquei encantada com o peão, tentei desviar meu pensamento, sai do banho, vesti um roupão cabelos molhados fui até a cozinha, preparei um chá e voltei para o quarto, dei uma olhadela pela janela e vejo Mauro montando um alazão muito bonito, gritei... Peão... Você só entende de cavalos... Ele respondeu não dona Sandra... Tem duas coisas que entendo bem, uma é lidar com cavalos e vacas, a outra é mulher, saiu galopando e rindo, me recolhi rapidinho esparramei-me na grande cama de casal e dormi.

Acordei às oito da noite mais ou menos, desci para a cozinha, procurei algo para comer, Zélia a senhora que cuidava da arrumação da casa e nos atendia quando lá estávamos logo se prontificou e preparou a mesa, fiz o jantar dona Sandra, sabia que acordaria com fome, agradeci pedi a ela que me fizesse companhia, terminado o jantar fui para a varanda tomar o cafezinho, uma noite fresca iluminada pelas estrelas. No dia seguinte pedi a Mauro que preparasse um bom cavalo, queria cavalgar um pouco nos arredores da fazenda... Quer que eu vá junto Sandra? Não obrigada Mauro, prefiro ir só. Sai galopando cheguei até o riacho de água cristalina, desci do cavalo, e resolvi brincar um pouco, nadei, mergulhei me senti totalmente livre, realmente num paraíso, percebi que alguém me espionava, era Mauro, mas fiz de conta que não o vi, no fundo eu estava gostando de ser admirada, me vesti montei e sai galopando de volta, fui até a casa do caseiro, Mauro chegou em seguida, gostou do passeio Sandra? Adorei... Vou subir descansar, a noite gostaria de ir ao rodeio se puder me levar?...Mauro mais que depressa, claro que sim.

Fui para meu quarto dormi ouvindo musicas, ao acordar me vesti a caráter, botas chapéu, cinto, estava pronta, Consegui avistar Mauro que vinha ao meu encontro, corpo sarado, fortão, calça justa, cinturão reluzente... E que bota, provavelmente de couro exótico, exalava sensualidade por todos os poros, um excitação. Aproximou-se tocou minha mão nas pontas dos dedos e me deu um giro... Nossa como você está linda, uaaaaaaaaaauuu... Meu corpo tremeu nas bases. Bom, aos poucos fui entrando no clima, contrai o vírus do caubói, Saímos em direção ao galpão onde ficava os veículos, uma camionete gabine dupla, belíssima, Mauro havia ganhado como premio de montaria. Saímos, e lá estava eu, em clima de rodeio, sentada num luxuoso camarote, comento uma maça do amor. O narrador anunciava, chegara à vez de Mauro se apresentar, fez uma belíssima apresentação, ótima colocação, fora muito aplaudido. Logo chega perto de mim e pergunta, e ai está gostando? Estou adorando, tomamos um drink, jantamos e nossos olhares se tocaram. Pedi pra que saíssemos, demos umas voltas, apreciamos a exposição... Comprei algumas lembrancinhas para as amigas. Voltamos para a fazenda. No trajeto de volta, ouvimos musicas, Mauro dirigia devagar, de vez em quando tocava meu rosto de leve, e o clima foi esquentando. Quando chegamos desceu abriu a porta muito educadamente me ajudou a descer. Abraçamos-nos e nos beijamos, pedi a ele que me acompanhasse até a casa grande, fomos em silencio. Ele entrou na casa e me acompanhou até o quarto, ficamos tímidos, mas o desejo tomava conta da gente, tirei a roupa deitei e pedi que ele se deitasse ao meu lado.

Mauro tirou a roupa e se deitou, moveu suas pernas tocando levemente as minhas. Pude sentir os pelos, o calor de suas coxas, a ponta do joelho entre minhas pernas. Por um momento pensei em resistir, sair correndo ou gritando. Mas me acalmei. Rocei a perna nas coxas dele e logo fui correspondida. A mão dele escorregou sob as cobertas e tocou meus seios, rendi-me alucinada. Ele manobrou a cabeça e me beijou. Aos poucos foi me beijando o rosto, Beijou-me a boca demoradamente. Amamos-nos sofregamente, parecia nenhum dos dois ter sentido antes tanto prazer como naquela noite. Dormimos profundamente um sono dos anjos, e nos amamos novamente de madrugada, em diferentes posições.

Quando o dia amanheceu, acordei, fui até o banheiro tomei uma ducha. Deitei novamente e fiquei olhando aquele corpo delicioso que dormia a meu lado. Eu o acordei com um beijo, oi garoto já é dia, ele sorriu espreguiçou e me acarinhou. Foi ao banheiro tomou uma chuverada voltou enrolado na toalha, me pegou pela cintura beijou-me longamente na boca, e disse: é isso menina, entendo de mulheres... Mas a muito não era tão feliz. Dizendo isso se vestiu e saiu para a lida. Fiquei ali estática vendo o caubói desaparecer.
Preparei-me para voltar à cidade, no dia seguinte começaria minha habitual rotina de trabalho, Mas com certeza voltarei muitos outros finais de semana na fazenda para descansar.

Fim...
Um conto de ficção.
 
Um excitante fim de semana.

Acordes celestiais

 
Quero sentir-te dentro de mim
Dentro deste meu peito à deriva
Nas notas inacabadas do teu corpo
Sentir as tuas mãos envoltas em doces sinfonias
Resvalar na minha pele sedenta de acordes angelicais
Esculpindo solfejos em sôfrego prazer
Quero sentir a vibração das tuas pautas
Em arranjos orquestrais de voluptuosas melodias
Nos meus poros salgados de querer

Perfumas os lençóis com aromas de jasmins
Em toques delicados desnudas a clave de sol
O tempo sem tempo extasiar -se
Saboreando docemente os acordes celestiais
Exalados do odor de dois corpos em exaustão

Escrito a 17/04/09
 
Acordes celestiais

O Movimento da Terra

 
 
.

Veste o teu vestido branco
o mais transparente de todos
e vem ver o nascer do sol
Despe o teu vestido branco
e deixa que a luz cubra de beijos
todas as galáxias da tua encantadora derme, ó minha flor latejante !
Permite que o sal da tua carne tempere a minha boca
que irrequieta busca o único alimento que a sossega
Liberta o teu corpo alagado em forma de rio feminino , ó deusa !
e preenche de bênçãos estas minhas mãos que em ti
descobrem os roteiros íntimos de todos os caminhos
que conduzem à mais sonhada Índia
até que todas as águas em voltas de revoltas queridas
nos esgotem - ó abençoado cansaço !
depois ... repousemos
enquanto o teu vestido branco
adorna a orla do recife
até ao por do sol ...









Luíz Sommerville Junior, 060420141920
 
O Movimento da Terra

O desalinho da nossa cama

 
A noite chega como um açoite solitário,
Rasgando minhas fantasias de amor contigo,
Enquanto meu corpo quente pede o seu santuário,
Profano sua pele numa carícia de exílio e castigo.

Por que me deixa com sede dos seus lábios,
No deserto desta madrugada sem seus beijos,
Molhando meu íntimo no som dos seus adágios,
Fazendo de mim, escrava eterna dos seus desejos?

Você me deixa rolando no desalinho da nossa cama,
Procurando pelo prazer, no mergulho da minha mão,
Por dentro da calcinha de renda, sentindo a chama,
De quem deseja o seu amor, com o pulsar da paixão!

No teu poema minha paixão em ti se eterniza,
Teu odor feito sabor aos meus lábios chega,
Memória do teu perfeito ardor me inferniza
Na lembrança do céu da tua pele meiga.

Saber-te em labaredas de mim, apartada,
Inquieta mais os meus inquietos gestos,
Procurando em meu corpo tua desejada espada,
Amando as tuas ancas em movimentos lentos.

Nossa cama em desalinho, é meu desatino,
Tua mão, desejo em mim, é a minha,
Teus doces sucos são do Olímpo, o tino
Para nunca te perder, de mim seres Rainha.

Helen De Rose & Nitoviana.

Agradeço ao Poeta Nitoviana o Mote do dueto.
 
O desalinho da nossa cama

Noite Inesquecível

 
Noite Inesquecível
 
O sol vem clareando
anunciando um novo dia...
E as flores do campo, cobertas
pelo orvalho matinal
tem o cheiro de tua flor
que na noite que se finda
embebida de desejos
fez-me menino maroto
saciando minha sede
de prazer.

Elias Akhenaton
 
Noite Inesquecível

No Sonho...

 
teu corpo cobre minha derme por inteiro
e teus lábios acendem em mim um fogareiro
enquanto penetras no meu lúmen molhado
ofereço-te meu pulsar sofisticado

o meu íntimo lateja ao sentir teu cheiro
meu ventre serpenteia no teu picadeiro
quando teu beijo tira meu fôlego atado
entrego-te o meu êxtase cupulado

quando vens, és adolescente desejoso
quando vais, és um belo homem glorioso
e levas no teu íntimo um pouco de mim

repleto dos meus segredos mais femininos
enquanto penso nos teus dotes masculinos
este amor continua em nós neste sonho sem fim

*Poesia escolhida na Antologia "Livro de Ouro da Poesia Brasileira Contemporânea" lançada em 20/09/13 - CBJE - Rio de Janeiro.
 
No Sonho...

DANÇA DO VENTRE - DEDICO A POETISA JuhRvida

 
DANÇA DO VENTRE - DEDICO A POETISA JuhRvida
 
 
Cabelos ao vento
Inundando de bons sentimentos
Com pés descalços
Adornados d'ouro cordão
Desenhando a lua
Com a mais perfeita harmonia
Pois, a dança do teu ventre é guia
Em sua extensão,
Braços ondulantes e vibrantes
Na energia que provém do teu ser
Menina que faz a terra estremecer
Com a vida que é a força infinda
Na imensidade do amar...
Ao som do oriente
Seus olhos de mel
Encanta tudo e todos
Que veem a frente
Seu corpo violoncello
Rodopia,
Mexe,
E remexe...
o ventre freneticamente
Reluzindo em movimentos
Energizando sua essência
N'arte perfeita
De magia e mistério
Na poesia se revela
Na dança e na vida
É força infinita
Assim é JuhRvida.

Ray Nascimento
 
DANÇA DO VENTRE - DEDICO A POETISA JuhRvida

na sombra dos sexos

 
deita-te sobre o meu corpo
passeia-te dentro de mim,
enquanto rasgo este manto
de heras que pernoitam os meus dedos.

é de ti que falo
e, dos amores que desconheço

as rosas já desabrocharam amor
e, os meus olhos ainda sangram
à procura das pétalas
que semeamos à beira-mar,
dos nossos corpos adormecidos
na sombra dos sexos

é de ti que falo
e, do Bolero de Ravel a ensaiar-me o desejo
para a próxima morte onde as ondas não chegam.

Conceição Bernardino
9-04-2014
 
na sombra dos sexos

HAIKAI < II >

 
HAIKAI < II >
 
Em teu corpo

Percorrem os lábios:

Flor orvalhada.

Elias Akhenaton
"Eterno aprendiz, um peregrino da Vida"
 
HAIKAI < II >

VEM FALAR DE AMOR

 
Vem até mim para falarmos só de amor.
Vou-te dizer palavras lindas, palavras belas.
Quero-te dizer que tu és a mais bela flor
No meu jardim tem o brilho de uma estrela.

Te dizer quanto o meu coração bate por ti.
Como teus lábios provocam meus desejos
O meu olhar te dirá que eu jamais menti
Quando teu corpo despi e nele posei um beijo.

Os meus desejos com os teus desejos se cruzaram
Os nossos lábios sofregamente se beijaram
E os nossos corpos até riram de felicidade.

Teus seios rígidos acariciavam o meu peito
Sussurramos palavras jurando amor perfeito
E o nosso suor nasceu da nossa sensualidade.

A. da fonseca
 
VEM FALAR DE AMOR

Beijo-te, Meu Amor

 
Beijo-te, Meu Amor
Quando um beijo meu
dum teu se enamora,
nossos lábios se tocam
inebriados de amores.

E nossos olhos sonham
o despertar dum amanhã
radioso que nos eleve
aos paraísos proíbidos.

Quando um sorriso teu
alegra meu olhar triste,
renasço poeta do nada
e na mão sustenho a alma.

O meu espírito vagueia
nas promessas eloquentes
cumpridas em teu ventre
emoldurado de vida plena.

Trepando a montanha íngreme
te encontrei formosa e moça,
e na vastidão da floresta
te enlacei, esposa e amante...
Te fiz mãe de meus desejos!

Lisboa, 30/05/2015
Se ferir susceptibilidades peço antecipadamente desculpas.
Pedro de Andrade
 
Beijo-te, Meu Amor