Poemas, frases e mensagens sobre sofrimento

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre sofrimento

Soneto da Inconfidência

 
Soneto da Inconfidência
 
Não me firas com as esporas da animosidade
Nem me digas que sou eu quem me rejeito
É acutilante o embuste onde me deito
Feito de lâminas afiadas da tua leviandade

Há um desfibrilhador de maus momentos
Um choque rude que me traz à realidade
Toda uma dor que me invade os pensamentos
Prefiro a ignorância a enfrentar a verdade

Sou de mim um simples arrasto paulatino
Senhora e dona da minha pusilanimidade
Já me rendi àquilo a que chamam de destino
Nada me ajuda, tão pouco o passar da idade

Decretei à minha pobre alma a alforria
Nasço de novo para a vida e para poesia

Maria Fernanda Reis Esteves
51 anos
natural: Setúbal
 
Soneto da Inconfidência

MADRE TERESA DE CALCUTÁ

 
A dor é injusta, indigna de recompensa
quando a ela... ofereceste esperança,
aos famintos da miséria do amor e da doença.
Abdicaste o que os homens não negam
o medo contagiante, que o corpo não usa nem sente
a vaidade a prepotência materialista.

(Vestiste o teu hábito “sári”...a tua beleza raiada
de pureza...)

Madre, Missionária da Caridade
cala-nos!

Esta avareza de sentirmos,
o que não sofremos, o que queremos e já temos,
o que somos e não sabemos,
o que se pode fazer com tudo sem ter nada...

Ensinaste-nos
a sorrir na ”santa escuridão”, e se ninguém nos ouvir
o silêncio prevalecerá o seu caminho...

Conceição Bernardino
 
MADRE TERESA DE CALCUTÁ

Analfabetos do saber

 
Analfabetos do saber
 
Imagem retirada do Google

A Madrugada aproxima-se
Lentamente despede-se a noite
Desbotam-se as luzes artificiais
O silêncio segreda-me de ti
Recordação idílica em mim

Na quietude da noite fria
Corações doloridos dormitam
A noite alonga-se aqui…
Onde meu corpo cansado permanece
Alerta, vigilante, velando por ti
Gente … simplesmente gente
Corpos imperfeitos, falências vitais
Em urgências primordiais
Protegendo a vida da vida efémera de nós

Sonhos desfeitos, reflexões necessárias
Desejos castrados no tempo que se perdeu
Esperanças renascidas, olhares agradecidos
Vozes tremulas, carências ausentes
Peito doloroso, ardente por ti

O sol nasce soalheiro do universo
O dia amanhece e com ele o futuro presente
Joguetes em um puzzle inventado pela vida
Pré destinado em ti, em mim, em nós
Visíveis nas forças cósmicas
Esboçados no livro grosso da vida
Com tinta imperceptível
E reescrito por nós
Analfabetos do saber

Escrito a 3/01/09
 
Analfabetos do saber

A dor do declínio

 
No seu corpo franzido transpira
O suor do dia a dia sombrio
Mas o seu coração ainda vibra
Quando pensa no passado sadio

Na luz radiante do seu sorriso
No esplendor do seu doce amor
Que o céu um dia lho roubou
E um vazio no seu corpo deixou

No seu olhar de sofrimento
Mil perguntas transparecem
Mas dos seus pálidos lábios
Só esgares de dor permanecem

Sua alma grita de revolta
Por tanto já ter sofrido
Que vida tão cruel e nefasta
Que te martiriza sem sentido

Tanto tempo a apelar
Alivio para tamanha dor
Mas tu vida meretriz
Olvidas esse pobre sofredor.

Que sofre, sofre sem gritar
A dor do declínio ao chegar
O fim desta vida terrena
E do corpo decadente abdicar

O descanso torna-se abençoado
Para tamanho final sofrido
Ora, pedindo ao seu anjo amigo,
O reencontro do seu amor perdido.

Suavemente encerra os olhos
Numa dança corporal serena
O coração pára docemente
Abandonando esta vida terrena

E eu com o coração apertado
O rosto sombrio e entristecido
Rezo uma prece apressada
Sob o seu velho corpo jazido

Escrito a 30/11/07
 
      A dor do declínio

Prisioneira de mim

 
Prisioneira de mim
 
Sente este silêncio que grita em mim...

Há palavras sepultadas na minha voz!

O meu corpo é uma masmorra de palavras

onde lutam silenciosamente pela libertação.

Por vezes, sinto o meu corpo quase rendido,

mas venço ao derramar as palavras no papel!

Nas palavras eu me entrego abertamente a ti,

mas como vês estou escondida dentro de mim!

Desculpa, não consigo confessar-te o que sinto!

E assim carrego este peso...que é a minha penitência !

@Olga Silva
 
Prisioneira de mim

PRISIONEIRA DE MIM

 
PRISIONEIRA DE MIM
 
Prisioneira de Mim

De baixo do meu silêncio
Carrego o coração em pedacinhos
Cansado de lutar ele vencido
Num corpo em desalinhos
Sofre calado o amor escondido
Se os joelhos sangrados
Fossem pensados pelas lágrimas
Talvez um pouco de ar voltasse a fluir
Neste peito doído e sozinho
Num mundo sem cores e vazio
Ofertasse uma réstia de alegria
Poderia talvez essa tristeza ruir.
E assim mesmo em pernas bambas
Poderia eu seguir qualquer caminho
Que levasse ao teu mar de ondas tantas
E me afogasse em ti
Num único mergulho transloucado
Libertasse-me dos meus grilhões e
Cruéis algozes da razão e me tirasse
Dessa agonia de ser metade
De ser o desenho inacabado,
De ser somente solidão...
 
PRISIONEIRA DE MIM

Michael Jackson

 
Michael Jackson alegrou muita gente
Neste mundo frio e tão pouco nobre
Foi um pecador e também inocente
E tentou ajudar o povo mais pobre

Frágil por traumas vividos na infância
Despreparado para enfrentar esta vida
Sofreu pressões de todas as estâncias
E um turbilhão de fofocas na mídia.

Para então suportar este duro calvário
E os horrores para seguir seu fadário
Com opiários acalmava as suas dores

Viveu alegrando a gente deste mundo
A sua morte foi um golpe profundo
Agora só resta sepultá-lo com flores.

jmd/Maringá, 30.06.09
 
Michael Jackson

Sou eu...

 
Sou eu...
 
Sou eu…
uma pomba outrora livre.
Um desejo que pairava solto
Um som que bem suava no timbre
Sou eu…
um grito de revolto.
Uma fraqueza,
uma alma perdida,
um esquecimento
da mãe natureza…
Sou eu…
eu declínio espontâneo
um sofrimento
mais que momentâneo…
Sou eu…
dentro desta gaiola…
Sou eu…
numa voz melancólica
implorando
a volta do meu Romeu,
ao som de uma viola.

Vem, meu amor,
a tua presença fará desaparecer estas grades
que me envolvem e me limitam.
Esta dor,
irá afundar-se, nos seus degrades
que indigitam.
Vem, fazer de mim uma princesa,
dar-me o sol, a lua
tudo o que eu te peça
Volta, minha alma,
vem definir formas nesta escuridão,
procura nela um nu,
que a tua mão,
logo reconhecerá que é uma pele só tua.

Fico aqui,
de joelhos já sangrentos,
de corpo já cansado,
mas, ansiosa por ti,
pelos nossos momentos,
pelo teu suspirar apaixonado.

Desenho da minha autoria e também por mim editado.
 
Sou eu...

Paz para Todos!

 
Quando penso na paz para o mundo,

logo esqueço de mim.

Meu problema já não é tão grande,

e a minha lágrima já não corre só.

Nada é mais tão meu.

Não é mais o meu sofrimento,

mas sim o sofrimento de todos.

Não é só a minha dor, sentida em meu isolamento.

É uma dor coletiva, entretanto é uma dor que une.

Entendo então, que só unidos, teremos paz.
 
Paz para Todos!

Apenas a Verdade

 
Cansei de rostos bonitos
e corações de pedra
olhares atraentes
e almas imprudentes

destruição sem pudor
e paixão sem calor
estou farto de tudo
e minhas palavras me torna mudo

passo despercebido pelo mundo
escrevendo sozinho
preso em algum fundo
cansado desse fardo
na esperança de um dia ser notado

as vezes a vida não faz sentido
e as lagrimas da madrugada
não me deixa comovido
no prazo de uma vida que já foi sugada

esquecer todo esse sentimento
e toda essa emoção
é como baixar a guarda no sofrimento
sem deixar a ultima opção

- Kaique Nascimento 05/2016
 
Apenas a Verdade

NOVO ALENTO

 
NOVO ALENTO
 
Lendo os versos teus...
Algo forte aconteceu!
Há muito tempo eu tinha
vontade de me libertar.
Eu estava matando os meus sonhos...
Então chorei:
Lágrimas incontidas rolaram
em minha face.
Quando é uma mulher
que sabe o quer,
ela chora muito
e se levanta.
Chegou o tempo
de curar as feridas
da minha alma e cantar!
Foi-se o sangrar
do meu coração.
Arranquei as feridas
dessa vida sofrida,
de um mundo onde o amor
quase não se vê.
Do lixo que então restou,
uma fogueira eu armei;
Queimei todo o meu tormento
as cinzas que restaram recolhi
joguei além do horizonte
logo se dissiparam.
Reacendi assim meus
mais íntimos desejos,
minha alma sofrida
ganhou então novo alento.

Mary Jun - 20/09/2012

Imagem Google:
http://www.siirsanati.com/v2011/image ... -28-09-ateS-ile-barut.gif
 
NOVO ALENTO

Correio da morte

 
Sinto-me só, destruí a minha vida, perdi os amigos
E por um tempo o meu efémero destino
Os pensamentos mortificam a minha mente
Capturada nesta cela longínqua, choro
Minha alma enegrece, tudo é insano, penoso
Onde estás liberdade? Porque fui tão néscia?
Porque quis demais?
Recordo o passado presente
O estômago contrai-se dorido, alvoroçando meu ser
O produto fatal permanece nas minhas entranhas
Meu coração bate no compasso do medo da overdose.
Se rompesse… se diluísse, no meu corpo pleno de pânico
Não controlo meus pensamentos.
Os minutos duram uma eternidade
Voo, olho pela janela o azul límpido do céu
O brilho incandescente do sol
E em mim, tudo é negro…
De repente alguém grita, alguém como eu… morre
Jovem cheio de sonhos que se perderam
Meu Deus onde estás? Porque o deixaste morrer?
Por favor controla minhas entranhas, não me deixes falecer.
O avião retorna ao ponto de partida
Alguém me espera e eu entrego-me sem saída
Aparentemente resignada, mas minha alma grita
Aqui estou, sem liberdade, inspecciono-me tarde de mais
Lá fora os agiotas perduram.
Transformados em estátuas de pedra, frios
Permanecem com a rotina de sempre
A usar e abusar de seres humanos como eu
Sedentos de melhores condições de vida
Sem punição, exigem mais e mais
Há sempre alguém como eu e como o outro que morreu.
Sinto-me só, minha alma chora, …. dolente
Valeu a pena? Pergunto-me eu.

Escrito a 09/02/08
 
Correio da morte

O Farsante

 
Durante muito tempo vens jogando tuas palavras ao vento.
Sendo o causador do presente sofrimento.
Por tantas vezes, por medo, escondeste teus verdadeiros sentimentos.
Com destreza e astúcia; omitia a verdade dramatizando com potes cheios de elogios que não condiziam com a realidade.

Que hoje deságuam em rios, pois se antes fossem em lagos (parados!); tantas mentiras ainda estariam me causando calafrios com enorme intensidade.
E o teu abraço jamais me aqueceria naquelas noites frias em que aparentemente estávamos em sintonia, prisioneiros da própria ingenuidade.
 
O Farsante

A dor da morte

 
No seu corpo franzido transpira
O suor do dia a dia sombrio
Mas o seu coração ainda vibra
Quando pensa no passado sadio

Na luz radiante do seu sorriso
No esplendor do seu doce amor
Que o céu um dia lho roubou
E um vazio no seu corpo deixou

No seu olhar de sofrimento
Mil perguntas transparecem
Mas dos seus pálidos lábios
Só esgares de dor permanecem

Sua alma grita de revolta
Por tanto já ter sofrido
Que vida tão cruel e nefasta
Que te martiriza sem sentido

Tanto tempo a apelar
Alivio para tamanha dor
Mas tu vida meretriz
Olvidas esse pobre sofredor.

Que sofre, sofre sem gritar
A dor do declínio ao chegar
O fim desta vida terrena
E do corpo decadente abdicar

O descanso torna-se abençoado
Para tamanho final sofrido
Ora, pedindo ao seu anjo amigo,
O reencontro do seu amor perdido.

Suavemente encerra os olhos
Numa dança corporal serena
O coração pára docemente
Abandonando esta vida terrena

E eu com o coração apertado
O rosto sombrio e entristecido
Rezo uma prece apressada
Sob o seu velho corpo jazido

Poema reeditado mas sempre actual
 
A dor da morte

Dentista

 
Dentista
 
Fui ao dentista
Abri a boca
E falei o que sentia

Fui ao dentista
Anestesiei os lábios
Ferido na parte inferior

Fui ao dentista
Cortou minha gengiva
Decepou minha esperança

Fui ao dentista
Obturei a carie
Arranquei sentimentos

Fui ao dentista
Ganhei um pirulito
Mas o canal estava feito

Fui ao dentista
E o motorzinho me assustou
Mas foi o olhar que me enganou

Não vou mais ao dentista, prefiro perder todos os dentes da boca e continuar são.
Não vou mais ao dentista, prefiro morrer de dor de dente, do que pelo doce toque de suas mãos.
Nunca mais quero ir ao dentista, Eu nunca mais quero ver a máscara que cobre teu sorriso e que me trazia alivio.
Dentista, só se for sem medo e assim obturar meu coração, pois o sorriso nada mais é do que esmalte e feijão.
Dentista, um dia quem sabe, pode ser na clinica ou até na garagem, se estiver tudo limpo e sem nenhuma carie.
Dentista, amanhã talvez!
 
Dentista

Como uma pastilha!

 
Sentei-me enquanto via a chuva cair,
Acendo o cigarro e depois de ver o fumo a desaparecer no meio da chuva
Olho para o chão perco-me nas poças e comparo-me a uma pastilha que ali estava perdida

Vinda de origens de baixo
Colorida por cores diversas
Comida por todos…
Por vontade
Ou se por necessidade
Para matar saudade
Apagar um sabor
Substituir um odor
Mastigada discretamente
Para largar o vicio
Torna-se viciante
Algumas perdem o sabor num instante
Outras, duram até ser saturante
Companheira de viagem
De espera

De um lado para o outro
As voltas a rodopiar
Perdidas em todas as bocas
Movidas por todas as linguas..……..
Quem já não se sentiu igual a uma pastilhas?!
 
Como uma pastilha!

INESPERADA VISITA

 
INESPERADA VISITA

Se bem penso, nem só para o amor, o eufórico, o lúdico, o humorístico, o sensual mais ou menos ousado, existe este site. Também nele há ou deve haver lugar, assim julgo para a alusão – já que de canto não é fácil nele honra-lo – para o profundamente sofrido, já que a dor é inerente à humana condição. Por isso que ninguém se escandalize por uma curta viagem pelo patético da vida.
O tema que nesta hora acorda em mim mexe com o mais profundo da raiz humana, rasgando em lúgubre transversal toda a sua natureza, enraizando no corpo e volatilizando-se no espírito. È patético - repetimo-lo - o tema, mas ao mesmo tempo arrebatador, na medida em que interfere, integral, nas profundas do nosso ser. Há um certo pudor, não sei bem se medo, um certo respeito – não sei se é o termo correcto - por o leitor. Mas uma réstia de coragem ou ousadia, ou despudor, desafia-me a abrir e com determinação a porta e a entrar com desassombro na matéria que hoje – não sei se por estar um dia de acentuada intempérie me sinto desafiado a abordar.
Sem me considerar poeta, ouso defender que considero o assunto rotundamente susceptível de ser tocado, porventura cantado.
Era um imenso e aparente relvado com árvores que até davam fruto, de premeio. Ao centro uma pequena colina da qual se dominava o verde prado. Fomos para ali conduzidos num anúncio de surpresa da guia do grupo já que identificar a visita poderia ser desestimulador para alguns. Uma vez postados na colina, espraiado o olhar pela distância como quem busca apetitosa novidade, os nossos olhos vão-se aproximando das imediações da colina e é então que se apercebem da natureza do lugar. Aqui e além, mas como por inusitada magia cada vez mais próximas, uma e outra e depois outra e, afinal, um sem fim de cruzes a salpicarem o relvado. Aqui, além e mais além, uma simples flor. Está desfeito o mistério. É um cemitério, não à maneira dos nossos.
Ali tudo era simples, igual, não havia distinção de classes. Os que ali repousavam tinham a mesma idade, mais ano menos ano (dezanove a vinte e um anos) e para ali foram levados numa mesma época, a da brutal segunda grande guerra. Eram militares alemães os que ali jaziam, aqueles cujos corpos jovens foram entregues há cerca de sessenta anos às leis implacáveis da terra-mãe. Sim por estranho que possa parecer e explicação não nos foi dada e também não a descortino, eram militares alemães. Isto em terras da Normandia, terras da nação Francesa, naturais inimigos da nação Alemã. Perpassou por mim e decerto por outros, um acolhedor sentir, quase ternurento. Surpreendeu-me que fosse dada aquela dignidade a jovens militares da grande nação inimiga. Não tive lágrimas. Estas imaginei-as nos olhos daqueles que foram pais desta juventude brutalmente sacrificada na flor da idade. Neste instante escutei distante – tive essa ilusão, eu sei – uma melodia que me é profundamente cara e que me toca a alma em determinados momentos. É uma canção de Marléne Dietrich que de algum modo canta a tragédia desta guerra e lhe é contemporânea. Então os meus olhos, eles mesmos vertem lágrimas que me fazem sentir no mais esconso da alma que existe uma resposta para este drama. Os sentimentos que remanesceram em mim remeteram-me durante algum tempo a um silêncio que me fez viajar por um inexplicável mundo caldeado na dor, na violência desfeita em humanidade, numa estranha paz interior, na saudade.

Antonius
 
INESPERADA VISITA

Lágrimas

 
Lágrimas
 
Os olhos lacrimejam;
Lacrimejam por causa do sol,
Vejo lágrimas a encher o mar,
Mar que reflete, um ser enroscado no lençol.

Que ocorrência,
Que acontecimento indistinto,
Que Paralisia de dia,
Deixas-te o mar tinto.

Promessas mal decifradas,
Leva a polémicas sem fundamento,
Foi abstractamente arte plásticas,
Que contraditório, momento.

Se assim têm que ser,
Mais vale, mudares de via,
Antes que o dia possa escurecer,
Porque amanha já será outro dia.

Agora épocas sem adormecer,
Que tira o sonhar,
Precisas de outro amanhecer,
Mas por favor para de chorar.

By- Ana Carina Osório Relvas /A.C.O.R

(Poema Antigo)
(A pintura é de 2008)
 
Lágrimas

Sofrimento

 
Sofrimento
Uma guitarra de sons desafinados
e uma viola de lúgubres acordes.
Uma festa cheia de falsidade
e uma parábola sem compaixão.

Uma cigarra cantando o que resta:
miséria, vaidade, amores perdidos,
um triste fado, uma enfadonha canção.
Uma paupérrima paixão, ou uma traição...

Um ser desventurado num perdido olhar,
Uma qualquer dor, um falso sorriso,
olhos a chorar, uma cara de forçado riso!

13Fev2016
 
Sofrimento

Dentro do Sofrimento

 
Dentro do Sofrimento
 
Vivo dentro do sofrimento.
Vejo as drogas
substituírem o alimento.

Vejo pessoas tirando
seus sustentos do lixo.
Vejo gente vivendo
que nem bicho.

Vejo idosos "se virando"
para continuarem vivendo,
e políticos se aposentando
depois de poucos mandatos
e muitos "bons tratos"...

Como posso me calar,
vendo todos estes atos?
Minha poesia tem que falar,
tem que brigar...
Tem que relatar os fatos.

A.J. Cardiais
21.06.2011
imagem: google
 
Dentro do Sofrimento