Poemas, frases e mensagens sobre sol

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre sol

Ao cair da tarde

 
     Ao   cair  da  tarde
 
Ao cair da tarde!
Sempre me encontra melancólica no
silêncio de meus sentidos.Vem descendo a cortina e, o sol vai dizendo um breve adeus.
Uma paisagem bucólica onde a calma
é minha companheira,recolhida em devaneio percebo a beleza do entardecer
Pássaros se recolhem,a natureza se prepara para adormecer.
O sol da mais uma espiada e se esconde por traz da nuvem
Uma parte do universo já adormecido da lugar a primeira estrela que desponta timidamente e ,lindamente se chega a gloriosa lua
Eu me despeço da tarde e, sei que não tarda e, como prece digo um breve adeus!

nereida
 
     Ao   cair  da  tarde

"O gosto do beijo"

 
"O gosto do beijo"
 
"O gosto do beijo"

E é assim...
A mesmice apaga o fogo, e frios...
caminhavam.
Fugindo de envolvimento.
Desacreditavam...
Até a libido congelou..
Mas de um ponto qualquer do mundo
o sol a presenteou
Com esses olhos tristes de menino perdido
Que agora se achou...
Amor...
Coisa louca, ilumina
Na seqüência, desatina.
E foi assim...
Dia apos dia...
Ela, que já não acreditava,
para crer que seria possível
Teve que digerir que não era mais
sozinha.
Envolvimento maior a cada dia...
De repente, tudo muda , a uma pessoa
pertencia...
E com esta tal de saudade...
Sabia que conviveria.
Agora?!
Vai pra cama.
Presença viva na memoria.
Na boca a vontade do gosto do beijo
Na pele...
Queria tatuado o corpo dele.

Glória Salles
 
"O gosto do beijo"

SINTONIA...

 
SINTONIA...
 
"O sol há de brilhar cada dia mais e mais
e não terá sombra que atrapalhe minha visão, estarei sempre em sintonia com seu pensamento esteja você onde estiver"
 
SINTONIA...

O Mar!

 
O Mar!
 
Mar, tu que envolves a areia
Com toda a tua força e paixão
Quem te sabe admirar
Já presenciou esta linda união!
União essa que é sublime e encantadora
A força com que a areia abraças
Fazes esquecer a muita gente
Que a vida tem desgraças!
Mar, és incrível e avassalador
És fonte de grande inspiração
Tua paisagem tem efeitos curativos
Cura muitos males de coração!
O horizonte faz parte de ti
O sol todos os dias te vai beijar
És majestoso, imponente
Visto muitas vezes por quem sabe amar!
Quando o sol te beija
Torna-se num momento de grande admiração
Nem todos sabem avaliar este teu poder
Nem todos são dignos de tamanha contemplação!

Este poema foi feito hoje, sentada à beira-mar, contemplando o pôr-do-sol!
 
O Mar!

Paixão

 
Quando essa paixão
Me invade
O coração,
Vermelho é o sol
Que me serve
De lençol,
Na branca noite
De vivas marés,
De sangue,
Correndo veloz
Da cabeça
Até aos pés.
 
Paixão

LINDA MANHÃ!

 
LINDA MANHÃ!
 
Linda Manhã

Sob os pés sinto a grama molhada
Do sereno que caiu na madrugada
O sol já começa a despertar
Prometendo mais um dia iluminar

Um colorido beija-flor está pousado
Num raminho do ibisco no jardim
Docemente pela brisa embalado
Que beija suas plumas de cetim

As flores seus perfumes exalando
Salpicadas ainda pelo orvalho
A bela manhã estão saudando
Passarinhos gorjeiam lá no galho

Acordar numa manhã assim
É ter o céu perto de mim.

Carol Carolina
 
LINDA MANHÃ!

Quadras - Afagos

 
Quadras - Afagos
 
QUADRAS- «AFAGOS»

Já o Sol vai nascendo
Trazendo côr à minha Vida
Fico a Deus agradecendo...
Poder olhá-lo embevecida.

Se é tão curta esta Vida
Chorosa logo ao nascer
Não me quero saber cativa
Quero ser livre até morrer.

Sou triste, me aflijo tanto
Mas ninguém suspeita sequer!
Vou chorando este meu pranto
Sofro cá dentro! Sou Mulher!

Já usei tranças um dia
E ninguém mais se lembrou
Da Mocidade me despedia
Silenciosa a dor não curou!

Minhas tranças eram escuras
Com laços côr de solidão...
Agora nas horas das ternuras?!
As lembro com comoção.

Meus sonhos eram futuro
De Amor trazia o peito cheio
Ainda agora procuro...
Mas Sonhos? São devaneio!

rosafogo
 
Quadras - Afagos

Olhando o horizonte

 
Olhando o horizonte
 
OLHANDO O HORIZONTE

O sol maduro tem aparecido
E eu aqui sentada na margem da tarde
Com o olhar no horizonte, perdido!
Onde o Sol já se esconde e me dá saudade.
Encontro aquém tudo o que me resta
Para trás os ontens, era já remota
O sol se foi e eu perdida na sesta
Com a saudade batendo-me à porta.

Com as mãos cheias de nada
E no silêncio me deixando mergulhar
Já o dia tráz a noite anunciada
Meus olhos procuram sem saber que procurar.
Talvez a luz doce da tarde deitada!?
Ou os raios de sol que o azul furam
Que será que meus olhos procuram?

Vou resvalando no tempo em largas passadas
Descansam em mim lembranças d'outrora
Sonolentas, caladas!
Minha companhia p'la vida fora.

Mas hoje nada têm para me oferecer
O meu peito aberto lhes deu guarida
Talvez quando o sol voltar a nascer
Eu levante da margem da tarde
E volte à Vida.
P'ra falar de saudade.

rosafogo
 
Olhando o horizonte

Outros dias de sol virão

 
Deitada a frente desta janela,
em que está um horizonte
com o sol se pondo,
e o violão largado no cantinho do quarto...

Tarde de verão,
tantas incertezas e solidão,
perguntas?
Ah, estas estão por toda uma vida,

Pensamentos por vezes são confusos,
lê um futuro que se é incerto,
visões turvas,
me remexo na cama,

Mais uma dose deste vinho tinto,
batalhas destas vidas, não se pode ser perdidas,
e como seguir quando se sente tudo perdido ?
Tu na verdade não entendes...

Instantes atrás era somente certezas...
Agora fugimos escondendo-se no medo e indecisões,
e sim! Precisamos de um pouco de ilusão para viver,
Percebes isso?

Porém as vezes penso que é melhor desistir,
mais quando lembro daqueles olhos e gestos,
sorrisos e mãos...
Momentos quantos vividos,
carícias trocadas,
e beijos trocados numa entrega intensa e vital...

E quando penso em teus olhos tristes
parece que dentro desse coração quer sangrar,
Oh meu nego !

Não te enganes,
eu tenho meus segredos,
mas você se perde em seus mistérios,
e não saberei o que te dizer
quando me perguntares o "depois",

Outros dias de sol virão,
e talvez ele trará as verdades e certezas hoje não tidas,
tu sabes onde me encontrar...
 
Outros dias de sol virão

O Sol chegou e não me viu

 
O Sol chegou e não me viu
 
O SOL CHEGOU E NÃO ME VIU

Os raios de sol, os primeiros
Surgiram através das vidraças.
Na horta espreitei os feijoeiros
Olhei na ribeira as verdes rabaças.

Um livro que ando a ler
Aqui caído no chão
Nas janelas?!
Brancas cortinas de algodão
Perguntas me faz a vida
e eu esquecida
não sei que responder.
Rodeia-me o ar livre
e um calor morno
Meu rosto se alegra e vive
sem ter linhas, nem contorno.

Fecho cortinas das janelas
e reparo em minhas mãos,
belas?
Já não são!

Fico-me por aqui sózinha
Entregue à meditação
Nesta vontade que é minha
De morrer neste meu chão.

Gastou-se a Vida sumiu!
Deixou-me um peso no peito
O sol chegou e nem me viu.
Trago meu tempo vazio
Sombrio a vida o tem feito.
Meus pensamentos errantes
Trago as palavras descontentes
Hesitantes, ausentes.

Quero só viver!
As janelas voltar a abrir
De júbilo estremecer.
Quando de novo o sol surgir.

À vida me quero cativa
Sentindo o sol me sinto viva.

rosafogo

Mais um dia passado na solidão e tranquilidade da aldeia, onde a paz nos poupa até o lembrar
da idade.
 
O Sol chegou e não me viu

Esperas...

 
Estou cansada da porta fechada.
Perdida no tempo de outras eras
Em que Primaveras eram lufada
De ar fresco, após longas esperas.

E o sol que brilhava era quente
Pintando as frutas verdes, de cor
As flores abriam e lentamente
Cobriam os campos sem qualquer pudor.

Eram os amores nascidos ali
Regados no orvalho da madrugada
Manhã plena, repleta só para ti.

Depois abriam-se caminhos em nós.
Rolava o calor por essa estrada.
Os hinos… cantavam-se a uma só voz…
 
Esperas...

Ao fundo

 
Um balão que
enche, enche, enche
sobe ao céu e arrebenta:

E ao lado um pássaro voando
E ao cimo um sol de tom dourado
E ao lado o tempo vai parando
E ao fundo um rio corre apressado
E ao lado um sol alaranjando
E ao cimo um céu já bem estrelado
E ao lado um corpo já quedando
E ao fundo o teu corpo suado
 
Ao fundo

Porque vieram as madrugadas...

 
Porque vieram as madrugadas
Desassossegar
Em sorrisos espontâneos,
As noites frias desesperadas
De feridas secas
Mas não saradas?

Estranhas ruelas
Talhadas na mente
Calcetadas dos enganos
De quem sente…

Mas o sol brilha
Por trás das nuvens escuras.

É desse que sou filha
Apesar das amarguras…
 
Porque vieram as madrugadas...

É lá!

 
É lá!
 
É lá!
Onde o Sol brilha
que eu estendo a toalha da esperança
nas dunas da felicidade
e rebolo na areia que me aquece
me envolve, me seduz e nada mais...

É lá!
Onde se perde o horizonte
que os meus olhos buscam a verdade
na imensidão do mar, de tão revolto
soltam-se lágrimas salgadas de saudade

É lá!
Que eu procuro e não encontro
a luz pela qual me quero guiar
Que venha o sol, a cada dia mais risonho
e me encha a alma de calor e de amizade!

Maria Fernanda Reis Esteves
48 anos
Natural: Setúbal
 
É lá!

 

podia ser
um laivo
do que nasce

a palavra
como o sol
nascente

a memória
iluminasse
o presente
podia ser
um laivo
de saudade.
 
Só

15 anos!!!

 
 
Hoje, meu amor,
O mesmo sol, que me sorriu
No dia em que nasceste
Retorna, 15 anos depois,
E, novamente, me diz:
Ela não é linda?
Não é mais do que esperavas?
Não é filha da minha luz?
Ela não é
A própria música no ar
A fazer da vida encanto?
Ela não é o sorriso aberto
Dizendo que viver é belo?

O sol me ilumina, filha,
E faz-me voltar no tempo
E lembrar-te a buscar
O meu mamilo
Com fome de amor e aconchego
A olhar espantada em volta
Como quem estranha um mundo novo!

Ah, minha linda!
Pego-te no colo,
Envolvo-te em nuvem de amor,
Alimento-te da minha mais profunda música
Para que, com garra, acesses a tua
E cantes, cada vez mais cantes,
Sempre e sempre cantes
A tua genuína música

Aquela que faz a-cor-dar a dançar
Até a pedra reluzente que dorme
Sob as águas translúcidas do rio.

Lila Marques

A você, filha querida, neste dia em que agradeço aos céus, o que tenho de melhor e o meu amor mais profundo!

Um beijo e um abraço apertado,
Mamãe.
 
15 anos!!!

Tapo o Sol com a peneira

 
Tapo o Sol com a peneira
 
TAPO O SOL COM A PENEIRA

Passei hoje pela Vida
Distraída nem me viu!?
Tempestade enfurecida
Louca minh'alma a sentiu.
Já tapo o Sol com a peneira
Finjo que tudo está bem
Não vá a Morte e não queira
Aparecer por aqui também.

Pôs-se o Sol hoje à tardinha
Nem o vi, fiquei triste a olhar
Tapou-o uma nuvem que vinha
E ensombrou o meu bem estar.
A Vida a sinto perdida
Das minhas entranhas se rompeu
Já de mim anda esquecida
Me perdi, ou me perdeu.

Dizem que a Vida é grande
Mas eu acho grande a tristeza
Quando minha alma se expande
É a minha maior riqueza.
A Vida é lição estudada
Prontamente lição sabida
Passei hoje por ela, cansada!
E ela por mim, esquiva.

E assim mais um dia passa
Tal como outros nada perfeito
É grande a mágoa que grassa
E deixa a dor no meu peito.

rosafogo
 
Tapo o Sol com a peneira

Apenas Mulher

 
Apenas Mulher
 
se eu tivesse que ser flor, com certeza
não seria rosa e nem dália...
seria bromélia.
nasceria pendurada
na árvore que faz sombra
pra tua janela.

seria tua sentinela!

velaria teu sono a noite inteira,
e ao amanhecer, saudaria teu despertar
espreguiçado... teus braços estirados...

se eu fosse brisa...
seria arejos de montanhas,
que invade vales
deslizando por baixo de ramas...
despentearia teus cabelos
e abrandaria o calor
do teu corpo quente
e cansado...

se eu fosse água...
não queria ser de mar
e nem de rio,
tampouco de cascatas...
queria ser água de chuveiro,
pois assim, desceria todos os dias
no teu corpo inteiro...

se eu fosse fogo, queria ser de lareira...
aquelas chamas que aquecem
em tardes de inverno...
ficarias aconchegado e quentinho,
com vontade de degustar vinho...
e se fosse pra ser bebida,
com certeza seria este vinho
pra te aquecer mais ainda...


se eu fosse sol...
se eu fosse lua...
se eu fosse estrelas...
surgiria na cor azul
do céu de baixo da clarabóia
do teu quarto

se sol eu fosse,
não deixaria teu pensamento
escurecer. de amanhecer a
amanhecer sempre irias
me perceber.

se tivesse que ser lua,
faria festa em todas as fases
quarto crescente nos beijos,
pra quando ficar cheia,
ser prato sedutor de ceia...

quando minguante,
[interessante...],
ficaria seminua aos poucos,
até ficar nova... e nua!

eu sendo estrela,
seria cadente no teu corpo
deixando rastros de fogos
com afagos ou explosões de luz...

queria ser tudo a ti...
qualquer dia, hora... minuto qualquer
super poderosa sempre!
mas não posso...

sou apenas mulher!
 
Apenas Mulher

ENCONTREI...

 
ENCONTREI...
 
 
“Encontrei em minha caminhada aquele que fez meu coração falar e minh’alma calar”

Ângela Lugo

Poesia Ângela Lugo Criação e Video: Rosana Buarque

-----------------------------------------------------------
POR FAVOR, PARA MELHOR LEITURA,CLIQUE NO POEMA
 
ENCONTREI...

Já se pôs o Sol

 
Já se pôs o Sol
 
JÁ SE PÔS O SOL

Não sei meu Deus!?
Por quanto tempo ainda
Posso assim olhar os Céus.
Avançar por entre a recordação
Tempo este de mistério, que tráz a vinda
Dum tempo de escuridão.

O Sol vai próximo do horizonte
Quem sabe, voltarei a olhá-lo?
Já o perdi para trás do monte
Talvez amanhã volte a encontrá-lo.
Neste pensar, fico junto à janela
Declinou o dia!
Olho a Vida e pensando nela;
Já chega a noite sombria.
Há folhas mortas p'lo chão espalhadas
E não há lembranças que não doam!?
Quantas ainda as alvoradas?
Já as nuvens se amontoam.

Solitária me deixo à espera
Está escuro na minha ansiedade
Já a razão se desespera
E é vago meu sonho, vivo de saudade.
Vejo ainda folhas secas p'lo chão
E apressado bate meu coração.

Trago na memória outro rosto
Me surpreende ainda a semelhança
Espanto meu, ingénua criança!
Já se pôs o sol, é sol posto.

rosafogo
 
Já se pôs o Sol