Poemas, frases e mensagens sobre terra

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre terra

Fases da lua

 
Seco as tuas lágrimas
Com os meus lábios.

Esses mesmos lábios
Que são fonte dos beijos
Onde sempre tombam
Os teus desejos
São também terra
Para a tua tristeza
Enterrar
E secar.

Sabes que os meus lábios,
Todas as fases da lua,
Podem encarnar?
 
Fases da lua

Da Felicidade

 
 
.

Da Felicidade

Só os grandes sonhos

chegam ao céu

os mais pequeninos

ficam-se pela Terra

para que a Humanidade

seja feliz.


Luíz Sommerville Junior
 
Da Felicidade

Presenciar a destruição do planeta em que vivemos é muito frustrante

 
Presenciar a destruição do planeta em que vivemos é muito frustrante
 
Presenciar a destruição do planeta em que vivemos é muito frustrante, pois demonstra com clareza a ineficiência de nossas ações na casa maior que a vida nos doou. Do ponto de vista cósmico seremos considerados suicidas e assassinos.
 
Presenciar a destruição do planeta em que vivemos é muito frustrante

O Astronauta no quintal

 
Com os pés rijos no chão
Alinho-me acima do horizonte
Contemplo o infinito
E as minhas trivialidades
Laços indissociáveis
De minhas contradições

Alçar voo
E carregar o planeta sob meus pés

Hora sou Fênix
Hora avestruz

Caminho reticente
Entre meus sonhos e minhas realizações
Sonhar rotinas
E realizar fantasias
Parece o quinhão da vida sem o "hoje"

O carpe diem do café da manhã
O inesquecível do molho na camisa
O indecifrável cheiro de lar...
 
O Astronauta no quintal

LOCAIS E LATITUDES

 
LOCAIS E LATITUDES
 
LOCAIS E LATITUDES

O frio milenar dos chãos nos pólos
O calor aerado dos trópicos
Insetos que permeiam os solos
Lágrimas claras a molharem colos...

O sol a pino a perfurar a mata
A chuva aguda ao regar das ruas
A lua e seus refletidos de prata
As caídas damas das noites nuas...

Tantos tentam inglórios alterar
Os retos destinos inevitáveis
Dos andares das carruagens
Mas a humanidade os ignora...

Nada, em verdade, neles reage
E tudo age por mãos de ávaros
Seguindo um minucioso plano
Traçado desde os povos bárbaros...

O amores não correspondidos
Os pobres carentes de rotas
Os ranhosos meninos perdidos
Os engraçados nas anedotas...

Choram como almas que brincam,
Amam ou odeiam ao relento...
Só crianças cantam em cirandas
Replicando o bom fluir do tempo...

Relógio de vento a um só lugar
Rodas-vivas de vidas que giram
Entre férteis terras e agitados mares
Desertos quentes e inquietos bulevares...

Não, não são os locais, nem as latitudes!
É o homem e sua retorta interpretação
De que ele mesmo não pertence à esta natureza!
Ele é o todo de tudo que aparenta não ter solução
 
LOCAIS E LATITUDES

A Distância em Suspensão

 
A Distância em Suspensão

É possível
que o nosso planeta
seja filho de dois astros
talvez o Sol seja o pai
e a Lua a mãe
e porque a Terra que os progenitores
geraram em harmonia universal
é dizimada pelo ser humano
talvez o luar que vemos
seja um redondo largo de sangue
de reflexão
talvez a luz que recebemos
seja uma lágrima com 150 milhões de quilómetros
de extensão

Luíz Sommerville Junior , 140720131743
 
A Distância em Suspensão

Poetrix Diversos (Dueto Caopoeta & Betha)

 
Poetrix Diversos

Uno
by Betha M. Costa

Velha Nau Solidão,
Lágrimas e bruma –
Duas almas em uma.

Retirantes
by Betha M. Costa

Pés ressecados
De sede e fome,
Calçam esperanças.

Leito Materno
by Betha M. Costa

Dá a mãe Terra
O leite da vida:
Rio a rasgar a serra.

Cabeleireiro
by Betha M. Costa

Tímidos raios do sol
Colorem teus cabelos –
Luzes de Outono.

Pro_lixo
by Betha M. Costa

O prolixo,
Escravo da palavra,
Quero a síntese do amor!

Frutos
by Betha M. Costa

Cores e abundância,
Verdes corações –
Pomar da infância.

by Caopoeta

..as ondas e melancolia,
futigam o meu coraçao
desta vez somos corpo!

by Caopoeta

pó e cinza
cobrem o nada
de um cosmos que dorme.

by Caopoeta
beijar-te os seios
de maça
minhas maos em tua anfora
ainda hoje.

by Caopoeta

timidamente assalto
ao adorno na tua cabeça
sao os teus cabelos macios!

by Caopoeta

prefiro a paixao
da tua casa
nao me fales ainda.

by Caopoeta

o meu primeiro corpo
o teu primeiro beijo
a nostalgia roça os nossos labios!

***Obrigada Cao!
 
Poetrix Diversos (Dueto Caopoeta & Betha)

Os Quatro Elementos(Inédito)

 
Os Quatro Elementos

Sou um temporal que não escolhe tempos nem marés…

Descarrego a minha força sobre rochedos…

Não aceito compromissos nem perdões…

Venho para questionar…

Não quero ouvir o que o homem tem p`ra me dizer…

Vou esperar o tempo necessário…

Partirei tão destro quanto cheguei…

Não deixarei saudades…

Sou o Fogo que queima...

Não lamentarei a minha vida…

Sou a Água que transborda das margens...

Não lamentarei a minha morte…

Sou o Ar que desencadeia as tempestades.

Não lamentarei o tempo perdido…

Sou a Terra profanada...

Não lamentarei o sucedido…

Não nasci para perder…

Livros?

Não vos quero ler…

O que me serve de farol é o arco-íris nas tardes chuvosas.

Neno
 
Os Quatro Elementos(Inédito)

ECO-SISTEMA SEM ECO...

 
ECO-SISTEMA SEM ECO...
 
E rir!!!
Rir muito...quá, quá, qua...
Encher a boca de nada e gritar de dentro
uma risada
sonora.

pois só nos resta rir....

Por não pensar,
apenas por um instante
no que passa por dentro dos
carros e becos
neste burburinho humano,
que tipo de rato vive no cano
ou que tipo de teia a aranha mora
alienada
do nada que é isto tudo
que está imersa
do nada que se constitui
o todo caótico
e psicótico.

Sem neurolépitco
nem químico
ou estético
resolva essa dissociação
do mundo
e da sociedade.

Essa máquina moedora
de sonhos, corpos e almas.
Onde todos se ligam nesta
teia.

Todos soros da mesma veia.

Um come,
o outro é comido,
um fode,
o outro...
Fodido!
 
ECO-SISTEMA SEM ECO...

CHAMA DO DEVER

 
E quanto mais o tempo passa e esta noite eu agarro qual amante ao longo da madrugada;
Sinto a chama do dever,sinto a missão que tenho comigo mesmo;
Talvez a minha vida agora começada;
Seja o pó que se levanta da terra,ou ave de rapina em voo ascendente,
Essa espuma da água nas ondas da noite,
Luz da poeira que se levanta do deserto mais inóspito.
Inquietação permanente de fazer alguma coisa agora e para todo o sempre,
Será que é só por acaso?

SEMEANO OLIVEIRA
 
CHAMA DO DEVER

A Fogueira

 
A Fogueira
 
Como uma árvore, que acariciada pelo vento, balança suas folhas em chamados.

Como a chuva, que escorrega maliciosa, nas paredes dos prédios, trajetória seguida por um ponto.

Como a música, que inflama a alma e eleva a matéria.

Como o doce, que lambe-se.

Como pelos, que aquecem, fogem presos e flutuam até pousarem entre nossos lábios.

Como segredos, que aproximam os lábios da pele em sussurros.

Navegar sobre, entre, para, além.

Oceano dos céus. Entre vidas.
Para sempre. Além do bem e mau.
 
A Fogueira

Por entre os dedos

 
Por entre os dedos
 
POR ENTRE OS DEDOS

Volto teimosamente ao passado
Deixo-me entre os olivais
e a vinha
Neste amor sempre arrebatado
de suspiros e de ais
E de saudade que é minha.

Piso uvas no lagar
Escuto do sino as badaladas
São seis horas há que rezar
O terço com mãos encardidas e descarnadas.

Que importa se nada esqueço!?
Nem a foice nem a enxada
À seara de trigo regresso
Vejo-a ao vento agitada.

Há-de à memória chegar-me
Voz d'outros ventos segredar-me
Que tudo já teve um fim
Prefiro que não me digam nada
Que tenho o pavor em mim
Da lucidez desafinada.

Mas choro, choro porque sou sobrevivente
E recordação tudo o mais...
Da minha terra da minha gente?!
Só a lembrança, eles partiram
E já partiram meus pais.

Já não vejo outra saída
A vida por entre os dedos, desnorteada!
Só não sei p'ra quando a despedida
Prefiro que não me digam nada.

rosafogo
 
Por entre os dedos

Benção

 
            Benção
 
Amanheceu!
Abro à janela...Chove!!!!
Chuva mansa, incessante, ordeira
Sinto a terra sorridente, agraciada pelas
gotas claras e,inodoras
O verde exuberante, folhas lavadas--
rejuvenecidas
Os pássaros cautelosos, com asas molhadas ,a procura de um grão,uma semente
que encontrará e, saciando sua fome,levará
ao seu ninho para seus pimpolhos
Meus olhos passeiam na paisagem aguada, pois matando sua sede, amanhã voltará mais alegres e, bela
Percebo a natureza feliz, como eu, que posso observar e, sentir
É uma benção!!!!

Nereide
 
            Benção

Génesis

 
Aqui
onde quase todas as coisas adormecem
sem nunca terem sentido a força de teus braços
criei pastosas raízes
à terra
à rocha
ao íngreme acutilante da fraga
aos mais ínfimos espaços.

Sento-me na poeira fina libertada pó d’argila
p’lo talhe penetrante da charrua.
Mimo o corpo em residência primeira
na seiva d’erva azeda
póstuma sementeira golpeada p’la enxada.
Deixo que o cheiro doce da madrugada me possua
cada poro
cada camada dérmica
cada película tenra de alma
cada língua d’água libertada gota a gota em deriva.

Há aqui um tempo calmo, amado,
um tempo leve
espessado na frescura voluptuosa de um tule -
tão leve, tão táctil, tão brando -,
um afago azul inverosímil de tão terno
e o registo antigo
das tuas mãos depostas na concha púbica do prazer
a fiar
a cerzir
a tecer
em tear líquido de linho
um orgasmo
um gemido do mais divino bem-querer.

Aqui
onde quase todas as coisas adormecem
sem nunca terem sentido a força anímica de teus braços
há o encantamento reconhecido se provindo do silêncio genésico e uterino.
 
Génesis

LIDA CAMPONESA

 
LIDA CAMPONESA
 
LIDA CAMPONESA

Na lida dura do dia
Não vejo o tempo que passa
Talvez ainda haja graça
No cansaço que vicia
No suor caindo do rosto
Alimento o sabor de viver
Os dissabores, esquecer
No trabalho que dá gosto
Mãos sujas coração limpo
Pele de escura tez
Revela meu tino camponês
Traduzindo o que sinto
Remexendo a terra amiga
Abrigando tantas sementes
O céu abençoado assente
Com o fruto que mina a fadiga
E porventura alcançar
O dia que a lida termina
A terra incessante germina
Meu corpo que nela deitar
Então carrego minha gratidão
Pela terra que alimenta
Tantos famintos sustenta
Sem cobrar pela missão
Que esteja ao meu alcance
Na lavoura trabalhar
Meus dias eu possa terminar
E nela meu corpo descanse
 
LIDA CAMPONESA

RESPEITO!

 
RESPEITO!
 
Respeita cada palavra minha
Cada sílaba que eu deposito aqui
Com amor e dignidade
Respeito quem me comenta

Cada palavra minha é uma oração
É a minha saudade a falar mais alto que o meu ser
Cada palavra é um sentimento
Que nem sei explicar!

Mas fica para tu leres com respeito
Com amor
Pois só com amor me entenderás!

Cada momento de nossas vidas
É e será uma palavra cheia de amor...
Cada sentimento nosso é uma luz de esperança...
Cada dia de nossas vivências é uma sabedoria...

Então fica com estas minhas palavras
De reflecção e me dis o que achaste delas!

Autora:LuiZacarias
 
RESPEITO!

A Volta ao Mundo

 
A Volta ao Mundo

O mal domina nas encruzilhadas da vida.
Abri os olhos na China, e não gostei do que vi;
Homens escravizados... mão-de-obra a um Euro/dia.
Soletrei o Mandarim incompreensível e continuei.

Na noite de Las Vegas fui jogador de Pocker,
Mas tanta Luz fez de mim um mendigo.
Acordei meio nu na casa de uma mulher
De reputação duvidosa.
Pedi desculpa no país do Tio Sam.
Tomei banho na piscina municipal e apanhei o autocarro.

Acordei na terra de Simon Bolívar.
Escorreguei no pó e fiz uma trip de heroína.
No convés de um barco clandestino,
Acordei em Cádis;
Seguiram-se os trâmites da praxe,
Com pontapés e coronhadas à mistura.
Maldita Espanha!Me voy para Francia:

Terra de Liberdade, Fraternidade e Igualdade.
Tumultos de cores variadas:
Tanto descontentamento, tanto ódio,
E tão pouca Fraternidade.

Estarei acordado? Com clareza,
Mas não é uma certeza.

Tenho de partir clandestino
Para uma floresta tropical,
Fazer valer o meu saber de ocidental.

Poesiadeneno
 
A Volta ao Mundo

Quem conta um conto gosta de fazer de conta que não aumenta um ponto.

 
 
Vão se os anéis, ficam se os medos.
Antes tarde do que mais tarde ainda.
Água mole em pedra dura, pare com o desperdício!
Quem avisa, algo quer!
Quem tem boca, que fique bem quietinho em Roma.
Antes só, do que abandonado.
Mas vale um pássaro na mão, do que dois extintos.
Não dá pra agradar Russos e Americanos.
Em terra de certo, o ignorante é Rei!
A esperança cometeu suicídio.
Simplesmente através dos ditos podemos dizer aquilo que não é dito, e assim sempre repetido como se fosse um lazer.
Mas como não sou Santo e nem Bendito ou Benedito, assim me farei!
Pois só depois de ter vivido poderei dizer quem sou eu!
 
Quem conta um conto gosta de fazer de conta que não aumenta um ponto.

BARDO

 
Tu dizias “ devias ser um bardo”
Cantar de terra em terra
Como quem canta o teu fado
Será que é esse o destino idiossincrático que te espera?

E num caleidoscópio de ideias
Encontrei essas tuas palavras
Como quem me leu a mão
Nem quero mais pensar...
Não será o momento aquilo que realmente importa na vida?

SEMEANO OLIVEIRA
 
BARDO

A invasão da terra

 
A invasão da terra
 
O governo de tirania se estende por todo o cosmos.

As forças da luz perderam a batalha pelo controle da terra, e, o mal enraizou-se no íntimo das células.
Enquanto muitos esperavam por uma invasão alienígena, eles tomaram a terra a partir do interno dos homens há muito tempo atrás. O humano foi a nave usada para a conquista da terra. Cada indivíduo pode conter dezenas deles, que lutam entre si pelo comando do usuário. Alguns invasores num futuro distante percebem o carma os atingindo e buscam no passado, que são os dias atuais a redenção.
Do futuro onde não há liberdade, seres de luz trazem o projeto de mudança, e inserem no coração do homem uma minúscula esperança, o amor, como única arma contra os invasores, cabendo ao humano, individualmente, a sua própria libertação.
Não há bondade neste ato, apenas uma estratégia usada na tentativa de mudar um passado, que foi o início do governo tirânico, que se alastrou como uma praga incontrolável pelo cosmos.
A terra e o interno do homem são territórios ocupados pela tirania.
Todo DNA humano é bélico!

Conheça e ame vosso inimigo intimo.
A verdade do alto dos telhados.

Não se fala para produzir um mal
Nada desta existência é real
Apenas um eco de um verso
Do universo

A realidade em doses homeopáticas.

Referência de leitura
www.amazom.com.br-Sidney Santos Das Neves
 
A invasão da terra