Poemas de crítica

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares da categoria poemas de crítica

Começa-se...

 
Começa-se…
Todos começamos por um acto de amor,
uma pequena semente, vai ficar enraizada
um embrião que se vai abrir ao mundo
uma flor, rosa ou cravo já foi plantada.

Irá crescer num terreno macio e fofo
água e nutrimento, fartura para alimentar
serenamente cálida, vai-se desenvolvendo
e num dia certo vem no mundo despertar.

Um prodígio místico se operou, nasceu
ele o botãozinho, desfolhando lágrimas
chora…porque aquele lugar era o seu céu!

Um tumulto se gera, tudo tem um final.
A abençoada flor abre os olhos, respira…
a vida será cultivada, mas nada será igual.
 
Começa-se...

Castelos

 
Castelos soberbos, majestosos sem par,
ei-los pelo mundo guardiães dos povos,
Abrigavam dos opositores, defendiam gentes
livrando-os de grandes perigos.
Agora ai estão esventrados, mas de pé.
Foi lá que viveram os reis, nobres e damas,
veludos, sedas, brocados. Cortesias e vénias.
Paixões, duelos e também os tramas.
Altaneiras as torres e as velhas ameias
guardando segredos jamais revelados.
Pequenas vigias parecem os olhos
que ainda, aguardam os recém chegados.
As escadas arrimadas e difíceis
que um passo dos nossos mal pode abranger
viram com certeza muito jovem semimorto
de seta trespassada, por ali morrer.
Os tempos correm e há outros perigos...
intransponíveis, ou estarei a sonhar?
Aqueles que não os preservam e podem,
dormindo e sonhando “Castelos no ar.”
 
Castelos

A ignorância

 
A ignorância

Ignorância
ou falta de saber,
por ser tonto,
não ter condições
ou então por não querer.
Temos de ter paciência
de ver tanta apatia
uma palavra sinónima,
talvez por esta
idiossincrasia.
Se assim é
que pena eu tenho
de não haver vontade
de crescer um bocadinho
e ficar de bom tamanho.
Quantas vezes ouvimos
numa maior inocência
asneiras e patetices
que ficamos a pensar,
oh! santa ignoscência!
Sem a menor sensatez
falam de coisas patetas
numa falácia infundada
e de tanta pequenez…
Que deixam arrepiados
os crâneos sem pêlo
ou até os cabeludos
que ficam descabelados.
Ás vezes sinto tristeza
de não haver o bom senso
e dizerem tanta asneira
em tão curto espaço
de tempo.

Vólena
 
A ignorância

Caretta-Caretta

 
Caretta-Caretta
 
A caça faz-se de noite
O crime não custa nada
E uma vez já virada,
sangra a pobre tartaruga,
deixando a areia ensanguentada

A carne enche-lhes os bolsos
E os ovos que já não nascem
um dia vão escassear
A espécie pode extinguir-se
e o homem só sabe rir-se
de ignorância e crueldade

Maria Fernanda Reis Esteves
55 anos
natural: Setúbal
 
Caretta-Caretta

Como borboletas

 
Pululam como borboletas coloridas
por campos semeados com a verdade,
pousam aqui e ali afoitas e desinibidas
e esvoaçam batendo asas de falsidade.

São despudoradas no seu voejar saltitante
pensam-se cativantes na beleza de suas cores,
voam baixinho, com um ar irónico e arrogante
não passam de larvas amorfas sem valores.

Têm porém uma errónea e efémera vida
por que suas cores empalidecem com o tempo,
tempo que desnuda toda a palavra mentida
e as derruba no chão vergonhoso e lamacento.

Algumas mais resistentes prolongam o seu voar
esforçando-se por se enganarem a si mesmas,
muito poucas, ainda vão tentando mistificar
por que se vestem negras como avantesmas.

José Carlos Moutinho
 
Como borboletas

CHEGA!

 
CHEGA!
 
CHEGA!

Intolerância
Indiferença
Enganação
Escravidão
Insensatez
Hipocrisia
Demagogia
Politicalha
Corrupção
Maldade
Miséria
Descaso
Violência
Tristeza
Cansaço
Guerra
Pobreza
Fome
Morte
Mundo
Mídia
Luxo
Lixo



Lucineide
 
CHEGA!

Televisão perigosa

 
Caro amigo:
Não me odeie, mas tenho que dizer a verdade.
É inacreditável o ponto que chegou a televisão brasileira. Não dá pra acreditar o que está acontecendo. Um verdadeiro acinte ligar uma TV e deparar com essas novelas que são verdadeiras aulas de orgias, em um horário incompatível com a assimilação infantil. Uma escola perfeita que ensina como, transformar o lar em um inferno e filhos em vagabundos ou revoltados em apenas poucos meses.
Os casais não conseguem entender que não é a nudez sem limite o perigo e sim a dose homeopática de ensinamento todos os dias mostrando a eles próprios e aos filhos como se transformarem em perversos, amantes, traidores, infiéis ou até mesmo como se prostituírem sem sair de casa. Cuidado casais! Não permitam que sua esposa(o) e suas filhas(os) façam esse curso diariamente caso contrário não chorem depois.
O que me deixa mais decepcionado que ninguém faz nada contra essa barbaridade, que está destruindo os lares com os piores exemplos que poderíamos imaginar e a maioria dos pais não está nem ai pra toda esta enxurrada de podridão. Permitem e até assistem juntamente das próprias filhas essa vergonha nacional que certas e descaradas redes televisivas de orgias nos tentam fazer engolir goela abaixo.
Os pais que assim procedem com certeza são mais ordinários que a própria rede, e não pára ai: quantos casais vivem enfurnados em igrejas mastigando o Cristo com fisionomias santas, mas com os olhos no relógio desesperados para chegarem a sua casa e se deliciarem até o orgasmo com o show explícito de sacanagem na telinha, nunca vi tanta hipocrisia. É uma vergonha! Tem uma imbecil com quase 80 anos que declarou em rede nacional que chegou ao orgasmo quando assistia certas cenas da tal “Páginas da vida”. É o fim do mundo! Não quero acreditar no que vi e ouvi. E todos sabem quem é!
Gosta de sacanagem?! Tudo bem, é um direito de cada um, só que então deveria comprar um aparelho de DVD alugar filme pornô se trancar no quarto e (...) à vontade, não ao lado de crianças e familiares. Se vocês acham que sou puritano estão totalmente enganados, eu não sou é hipócrita.
Certas redes de televisão deveriam entender, que nem todo mundo possui um cérebro tão vazio e tão diminuto. Que existem pessoas cultas que conseguem entender outros assuntos que não sejam novelas do tipo que estão sendo ultimamente apresentadas, não somente em horário nobre em quase todos os canais. O que se vê são casais trepando, no maior desrespeito; ou se agredindo ferozmente para uma platéia de crianças assistindo, isto é, aquelas que não têm pais dignos e merecedores de tal missão. Assistimos na tela podre, filhas e filhos aprontando as maiores agressões contra familiares, um exemplo pernicioso, uma escola deplorável para as crianças e para os jovens, que acabam praticando aqui fora “ipsis litteris” tudo de ruim que aprenderam nessa escola malvada de novelas. O mais incrível é que ninguém toma uma providência contra tudo isso e coíbe este abuso desregrado.
Depois os hipócritas ficam lamentando que os filhos estejam nas drogas, são rebeldes, que as filhas menores já fazem sexo e ficam com qualquer um, mas se esquecem que na hora de colocar ordem na casa proibindo as aulas de desrespeito, de violência e de putaria das novelas são os primeiros a comentarem e discutir a podridão com os mesmos. Que me desculpem todos, mas se não tomarmos uma decisão firme e positiva contra esses canalhas, que enquanto faturam à custa da degradação familiar; destroem os lares brasileiros, lamentavelmente a tendência é somente piorar.
Você se assustou com a forma rude e grosseira e clara que escrevi? É chocante não é? Pois bem... também acho! As pessoas que estão lendo aqui e agora são adultas, enquanto na televisão muitos que assistem são crianças.
Por favor: faça você também o seu comentário contra o desrespeito nas novelas em horário nobre ou até fora dele ou me dê um motivo pelo qual eu deva aceitá-las. Ajude-nos a coibir esse abuso, juntos seremos fortes e quem sabe um dia os filhos de outros possam assistir programas decentes onde pais que têm dignidade, não se sintam envergonhados diante de seus próprios filhos.

Caros amigos, boa tarde!
Faz muito tempo que nada escrevo para o site, portanto, meus poemas e crônicas acabaram ficando longe da maioria dos leitores.
Estou reeditando esse artigo ja publicado aqui porque acredito que através do meu grito alerte mais alguns pais e ao mesmo tempo mostrar que tenho inúmeros poemas e crônicas aqui neste que gostaria que vocês conhecessem.
Abraço a todos, breve voltarei
 
Televisão perigosa

POBRE TIETE

 
POBRE TIETE
 
POBRE TIETE

Passei por cima do Rio Tiete,
que tristeza, o lixo ali é um tapete,
pra urubuzada é um banquete,
resultado das “ ações “ de gabinete.

Aquela imagem não saiu do pensamento,
não há ali nenhum tratamento,
resolvi fazer um levantamento,
dei um “ google “ e tá lá,
cerca de US$ 3,6 bilhões foram
“ gastos “ , nos últimos 20 anos
para despoluição do Pobre Tiete,
uma total falta de planejamento.

Mas essa dinheirama toda,
deve ter sido “ assoreada “ ,
para os bolsos putrefatos,
do império que se perpetua
por cerca de 20 anos,
na “ Província Paulista ”,
” anestesiada “ que esta
tão adesionista.

Pobre Rio Tiete,
que quando passa pela Capital,
é uma verdadeira vala fecal,
que teve esse fim fatal,
só mesmo a urubuzada,
junto com a capivarada,
pra se aproveitar
desta perversa “ gestão “
que veio causar ao Pobre Tiete,
sua triste derrocada.

Marco Aurelio Tisi

( 08/07/2015 )
 
POBRE TIETE

A vida a soldo

 
A vida a soldo
No olhar a apatia
Sem vontade, ou expressão
O dote como moeda de troca
À margem, a humana condição
Do ser mulher...
Sem rosto, ou graça
Do contrato, um ventre fértil
O amor uma utopia
O que importa é perpetuar a raça

Maria Fernanda Reis Esteves
56 anos
natural: Setúbal
 
A vida a soldo

País de merda

 
O Marquês no pedestal
D.José I no seu cavalo
a olhar pra Portugal
como um país de regalo

Mal sabem como vai
o país que o Coelho roeu
dá Passos e de cá não sai
tramando até quem o fodeu

Cristo Rei está desolado
atirou se ao rio prontamente
antes ficar todo molhado
do que ver foder a gente.

Lá prós lados da Assembleia
chovem raios e trovões
uns riem, outros de cara feia
mas são todos uns cabrões

Deixam nos só as migalhas
lá vamos morrendo à míngua
anda este país ao calhas
e eles a darem à língua

Deviam era ir prá prisa
de lá não saírem nunca
deixam toda a gente lisa
e o país numa espelunca

Coitado do Zé Povinho
levam-lhe até a camisola
Já não há futebol nem vinho
É que já nada o consola

Não tem paciência com a mulher
e para os filhos nem olha
se ela lhe diz que lhe quer
levanta a mão e dá-lhe uma solha

E o país é um cano de esgoto
ministros que são uns pulhas
e o Zé joga no totoloto
bebe uns copos, mete se em bulhas.

JM
 
País de merda

Luso, Agora, o Meu Site de Relacionamentos

 
Pobre gente pobre, mais pretensiosa, e idiota
Que apareceu, de repente, por aqui, no Luso
Trilhando de um modo completamente obtuso
Lá vai fazendo do trabalho dos outros chacota

Usando um pseudo preciosismo, como capota
E, com um comportamento deveras abstruso,
Armados em críticos de poesia - que anedota...!
Vão denegrindo um a um, num exaltado abuso

E assim pretendem tirar os seus emolumentos
Do Luso, este aprazível site onde Almas poetas
Veem dejetar seus amores, ou dores, ou alegrias.

Desde então, eu visito aqui amigos todos os dias
Por ora, fazendo apenas algumas leituras seletas.
Fiz, assim, do Luso, o meu site de relacionamentos

apsferreira
 
Luso, Agora, o Meu Site de Relacionamentos

POETAS DE MERDA

 
ó poetas de merda, indesejáveis no espaço, que não entendeis que não vos querem por aqui, que sois uns merdas que pouco mais sabeis que o b,a,ba, pondo-vos por isso a mexer daqui para fora, íde pregar noutra freguesia, aqui não há espaço para essa merda de choros, de abraços, de flores mal cheirosas e muito menos para beijos, pensavam vocês seus menos inteligentes que a Poesia aqui partilhada por gente fina era para os vossos beiços, pois enganaram-se mas parece que não percebem, que gentalha fraca dos miolos, ponham-se a andar, depressa e em grupos mais ou menos ordenados, suas cabeças de vento que a porta é estreita para vocês que tem a cabeça grande e pouca inteligência, aqui só interessa quem tenha os miolos dum tamanho razoável...Poetas de merda, pena o Hitler não ter acabado com esta gente que só vê abraços e beijinhos, porrada era o que mereciam para deixar os outros em paz a fazerem as partilhas entre eles e os que já morreram como o tal pessoa esse sim sabe ler interpretar e até ressuscitar se fôr necessário, perante tão bela poesia que por aqui ficará quando vocês saírem seus mal cheirosos.
quem vos manda meterem-se onde não são chamados?ainda vos tratam muito bem, olha se fosse comigo era outra a cantiga, ando por aqui há pouco mas sou inteligente, já percebi que não há que misturar alhos com bugalhos...
vamos lá a ver se me fiz entender, eu já estou de saída...por agora.

JM
 
POETAS DE MERDA

O dia seguinte

 
exaltando-me chegou
trazendo flores
bombons
champanhe
perfume
aquele dia
que já passou

precavida
espreito agora
atrás
da porta
na ânsia de sair
atrás da igualdade
sem ter que
me deparar com
aquele pé
no traseiro

afinal, o
dia seguinte
chegou

Mulher hoje
amanhã. ...
sempre!
 
O dia seguinte

DIGA NÃO, DIGA SIM

 
Em qualquer roçado em durmo,
Se tem riacho livre tem água limpa;
Agüenta todo peito que a fome alimenta;
Faz medo: nem toda cama tem sono.

Não rimam o de baixo e o de cima;
Durmo no colo e não caio no chão,
Sem trinca, sem fenda, no ventre;
Tudo igual, sem emenda, coração!

Bebo na bica, na palma da mão, tua água;
Do monte vejo o infinito e dou um grito:
Acorda moço! Saia dessa ponte: corra!

Teu ponto foge de ti, escapa-te a sorte.
Se tens gosto de mamão de corda, liga não:
São iguais, sinta-se maçã, moça solteira.

Na beira da estrada, diga nada, diga não!
Se na cama, durma em silêncio, diga não!
Se a estrada é tua, faça segura, diga não!

Diga não! Diga não! Diga não!

Amores e corações se encontram, diga lá Caetano!
Tudo que é de bronze, bronzerá, diga não! Diga Djavan
Se é de paz, prazerá, trará agora teu ponto, diga sim!
 
DIGA NÃO, DIGA SIM

FOFOQUEIROS

 
FOFOQUEIROS
 
Imagem do Google

Tenho pena das pessoas fofoqueiras porque
elas são frustradas , infelizes e mal amadas.
A fofoca torna as pessoas deselegantes, feias,
medíocres , indecentes,venenosas e azedas.

Em todos os lugares há pessoas fofoqueiras.
Ninguém está imune a esse tipo de gente.
Mas só há fofoca porque tem quem compre.
O bom mesmo é nem ouvir o que elas dizem.

Infelizmente tem gente que não faz nada,
e procura se ocupar com a vida dos outros.
Se trabalha, faz todo trabalho mal feito,
já que seus olhos não enxergam a si.

O olhar do fofoqueiro é cheio de maldade,
assim como sua língua é puro veneno.
Melhor é não respirar o ar que ele respira,
nem comer da mesma comida que ele come.

Não compre nem ajude a espalhar nenhuma fofoca,
pois o fofoqueiro tem no peito a semente do mal.
Fofocar é como rasgar um travesseiro de penas,
é como espalhar poeira de carvão numa ventania.

Lucineide
 
FOFOQUEIROS

DESPEITO

 
Cansei de poesias!
Das ideias pintadas,
dos sofrimentos fingidos,
espontaneidades ensaiadas,
dos dizeres indecisos
disfarçando a intenção.

Cansei de poesias!
sobre amor que arrebata,
essas dores sem cura,
a saudade que mata...
E toda essa mistura
soa o mesmo bordão.

Cansei de poesias!
Da pena e do papel,
da luz, estrelas, velas,
da linha e o carretel,
as cores e aquarelas...
Como cartas de um baralho.

Cansei de poesias!
Da cabeça avarenta
Que pra não gastar ideias
copia e reinventa.
E repõe como estreia
outra colcha de retalhos.

Cansei de poesias!
Da metáfora forçada,
dessa rima maldita
que por beleza traçada
deixa a ideia não dita.
E fica solta no ar!

Cansei de poesias!
De toda a sua flora,
de toda a sua fauna,
Do querer tirar pra fora
do corpo essa alma
que nem o diabo... quis levar.
 
DESPEITO

A melhor época na vida de um sujeito

 
A melhor época na vida de um sujeito
é o futuro se ele for imaturo
e é o passado se ele for um fracassado

A melhor época para o resolvido
é a que lembra como tudo é difícil
e na vida de um que está dividido
é o interstício

A melhor época na vida de um cara que luta
é a que lhe antecipara momentos de disputa
e o melhor aprendizado na de um preguiçoso
é saber que até perder é gostoso

A melhor época na vida de um estudioso
talvez seja a da faculdade
e na vida de um sábio
é qualquer idade

A melhor época para o aprendiz
é a do giz
e a pior época, para ele,
é quando o giz passa a ser dele
 
A melhor época na vida de um sujeito

soneto "simples" (e,)para ser entendido:

 
 
"Faço o que todo homem faz. Não o seria, se fizesse mais"

(Macbeth)

a anedota, que desvia-se ao apelo da urbe ruim,
é o marco da discórdia. que (já)pleiteia-se, então!
qual casa decorada das línguas falsas de jardins
quais insetos violados ao aspecto da decomposição

ora, se não cabem em suas suspeitas de (vil)arte?
ora, se pensam que compreendem esta, lápide, sendo uma?
anões domesticados em suas passadas feminis, ao alarde
de corezinhas vagabundas e papéis de carta da alcunha

pobre mancebos dependentes de linhas aderentes de si..
nem sequer observam-se, quais cadeiras ocas, a seguir
todos amigos de boa-data!! bando de baratas vãs e ásperas

querem percutir à arte primeira-literária da única cor!
bastardos de mentes generosas, mas em cova do despudor:
pois, eles sabem! quais traças de garagem, que valem nada!

ou aos seus menores, porém: de conquista($)!
 
soneto "simples" (e,)para ser entendido:

PUTA DE VIDA

 
Puta de vida, puta de sociedade
Não é só a puta que é fodida
Mas também a nossa dignidade.
Mesmo a dignidade da puta
Nem ela mesmo é respeitada
Ninguém é ninguém, não somos nada.
Tenho vontade de ser kamikas
Fazer explodir tudo em palavras
Das mais rudes às mais malcriadas
Pois que há gente sem sentimentos
E nada servem os lamentos
Daqueles que são feridos de morte
Que andam no Mundo sem Norte
Que tudo fazem para o merecer
Mas esse Norte nem sequer dá para ver.
Um véu negro se levanta
Se reagem logo alguém se espanta 
E dizem-lhes, vão-se foder.
Se estou revoltado? Ah pois estou
Gostava de viver num mundo sem hipocrisia
Sem o cinismo das guerras
Mesmo que sejam só de palavras
E essas fazem na verdade doer.
Porquê, porque quero a paz 
E contrariado não posso responder

A. da fonseca
 
PUTA DE VIDA

"outro soneto à cópia descarada,"

 
 
"Se fôsseis tratar todas as pessoas de acordo com o merecimento de cada uma, quem escaparia da chibata?(...)"

(Hamlet) Ato II, Cena II

de arrasto, ao seu palco semi-vazio e esquecido
das cópias de antes e do caráter igual e permissivo
pensa ele: "usarei esse método! ninguem perceberá!"
"é um poema que ninguem vê, ora.. posso plagiar"

e concede-se à volta de outros tempos e aplausos
à sua sombra falida de esgueirar-se de canto falso
ao apêlo, ao jogo de seus erros qual covardia da criação
é cópia! é conjunto fajuto de palavras vís de um ladrão

é poema mentira! é a graça de uma mídia vil e ruim
fossem-lhes o espaço e à indiferença, e seria grande!
fossem os demais alvos cegos! e estaria de pé, adiante

mas, é um conto póstumo de um autor reles e chinfrim
é um detalhe à sua mesmas investidas de uns remendos
ó, costureiro de outras falas! é, médio-poeta bolorento,

cá estou,
a te ver esconder-se..
 
"outro soneto à cópia descarada,"