Textos

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares da categoria textos

Carta Aberta aos meus amigos lusos

 
Sigo diariamente tudo o que por aqui se vai passando neste Luso de escrita e contra-escrita. Fiquei na dúvida se deveria ou não intervir, isto é, escrever o que penso. Afinal, ao fazê-lo, estou também eu a subscrever a contra-escrita, não que esta me aflija enquanto forma de criatividade dos autores, até penso que será salutar, e se for criativa, até acaba por trazer mais diversidade a este espaço, muitas vezes carente de novas ideias e novas escritas.

O que mais me incomoda, são os ataques constantes, que diariamente surgem neste espaço. Começo seriamente a pensar que talvez não me reste outro caminho que outros colegas tomaram, sair e bater com a porta. O problema é que, e como diz o ditado,”não há nada como o primeiro amor”, e isso aconteceu comigo e com o Luso. Foi aqui que dei os meus primeiros passos a escrever para gente que desconheço, gente de outras terras e paragens com outras maneiras de ser e dizer coisas. Foi aqui meus amigos que me senti pela primeira vez escritor, bem sei que sou um escritor de letra pequena, mas mesmo assim, nem imaginam como eu fico feliz por receber um elogio. Como eu sonho e me imagino a escrever então coisas inimagináveis, e quem sabe, receber mais de mil comentários a dizer-me que as palavras são grandiosas. É este Luso dos sonhos que eu quero. Necessito de poder sonhar com cada palavra que aqui quero dizer, é aqui que eu falo para dentro de mim e digo: -José, tens que trabalhar mais, tens que ler mais, tens que te esforçar mais. É aqui que deixo lágrimas, não pensem que é só o Zé Torres que chora, eu também choro por não ter mais capacidade de escrever.

Queria tanto! Meu Deus, tantas vezes me interrogo porque não apareceu o Luso mais cedo? Talvez assim eu fosse melhor escritor, talvez assim eu conseguisse um dia editar um livro, convicto de que os meus leitores não seriam aldrabados. Ainda me lembro, do dia que aqui entrei, e nem um comentário tive. A minha vontade foi desistir, partir, afinal eu era mesmo mau! Nunca iria escrever coisa nenhuma. Apareceu o primeiro comentário, depois outro, e outros, e eu iludi-me, comecei a sonhar, e a querer escrever melhor, e sempre mais. Como estava feliz! Um dia, alguém me disse que eu sabia escrever, foi um dos dias mais felizes que eu tive no Luso, acho que me deixei ficar a olhar para a mensagem horas. Ainda hoje guardo aqui dentro o aroma desse dia, é a medalha da minha vida.

Assim cresci, assim fui melhorando na escrita, e a gratidão, essa, irá morrer comigo, para todos aqueles que me deixaram os primeiros comentários. Esses, não foram os escritores consagrados do Luso, foram os “pimbas”, aqueles que mandam flores, beijinhos e abraços. Talvez alguns não saibam escrever muito bem, talvez alguns não tenham a melhor forma de estar aqui no Luso, talvez tenham defeitos, talvez alguns graves, talvez até capazes de merecer expulsões, mas porra, foram estes que me carregaram às costas, até eu ter confiança para escrever, assim, como o faço hoje.

A esta gente, estou sempre com um obrigado na boca, são estes os verdadeiros fãs, foram estes que me disseram que eu era capaz, e me deram todo o tempo necessário para melhorar. “Obrigado a todos vós”, são as minhas palavras. Depois o tempo, o bom tempo passado a escrever, deu-me a conhecer as pessoas. Ainda mais bonita ficou a escrita, lembro-me por exemplo da Cleo, que bem que escreve, adoro ler esta MULHER! Guardo desde sempre um carinho enorme por esta colega. A Dolores! Bem, desta posso dizer que sou amigo. Porra! A escrita dá-me tanta coisa, e esta mulher das Beiras, está sempre pronta a dar tudo para me ajudar a evoluir na escrita e sempre com um carinho. Que bom é falar com ela.

Ana Martins! Mulher fantástica. A escrita arranja cada coisa! Quantas vezes falamos ao telefone e deixámos cair umas boas gargalhadas, e aquelas PMs a desejar uma boa noite. Que maravilha. Depois veio mais uma quantidade de gente como eu, que gosta de fazer amizades. Por último, pude conhecer o José Torres, frequentar a sua casa, partilhar da sua família e amigos. E aqui, deixem-me dizer que já muitas vezes discordei da sua linha de pensamento e de alguns dos seus textos. Mas meus amigos, sempre fomos capazes de falar, e do outro lado da escrita está realmente outro homem, um homem como eu com defeitos e virtudes, mas que me recebeu em sua casa com um abraço sincero. Poderia falar na Mar, como eu gosto desta miúda, nunca o avatar me tinha dito coisa nenhuma desta colega que tem a idade dos meus filhos. Ainda tão nova e com tantos sonhos.

No Arlindo Mota, que homem fantástico, como é bom saber que colho amizade por terras do Sado, ainda guardo em prateleira distinta os livros que com amizade me ofereceu. Na Alexis, na Roque Silveira, no Cristóvão que conheci recentemente e que é um colega fantástico, no meu amigo Rogério de fradelos que maravilha de amigão, na Sãozinha, que, apesar de distante, deixa-me muita saudade.

A Conceição B, a Maria João horroris causa, da Vóny, que sempre me incentivou, da Ana Coelho e do seu marido, que casal fantástico, da Vânia, que adoro, a Fátima com aquele beijo azul, sempre a fazer de mim o melhor poeta do mundo, e os meus amigos António Bernardino da Fonseca e a sua esposa Olema. Não tenho palavras para tanta amabilidade e carinho, um gesto bonito, aquela obra que guardou para mim do encontro do Luso em Dezembro. Queiram os meus amigos saber, que a partir daí, desse encontro com este casal maravilhoso, gente que gostou de mim apenas porque me leu, essa amizade estendeu-se até á minha família, mais particularmente ao meu filho. Que gratidão maior se pode ter quando alguém ajuda um filho? Gratidão, sim! Ao Luso também, o nosso luso, que afinal faz magia.

Deixem-me dizer-vos, chamem-me criança se quiserem, mas eu acredito nestas coisas, naquilo que de bom ainda há no nosso Luso. Amigos falo do Luso, falo das palavras que todos escrevem. Isto tem que acabar, esta casa não pode continuar dividida em duas facções. Todos aqui são importantes, todos fazem o Luso, todos! Os bons e os maus é que dão cor a esta casa, e nos fazem aqui voltar cada dia. Por mim aqui vos digo, eu não tenho lado, nunca terei, a todos eu devo esta minha felicidade de escrever, a todos.

Nunca me irão ler que não mais comentarei este ou aquele, mas também não contem comigo para apoiar insultos à vida pessoal dos autores. Deixo apenas uma sugestão: se realmente querem cortar relações com A ou B, o que também me parece que daí não vem mal nenhum ao mundo, usem as MPs. Afinal são os vossos assuntos, e que só a vós vos diz respeito, e que eu, enquanto utilizador deste site para escrever nada me interessa.

Caros Colegas de escrita, deixo-vos aqui estas minhas palavras para vos dizer que todos são importantes, todos contribuem para esta minha vontade de vos dizer que sem vocês eu não era nada, creio mesmo que nenhum de nós era nada sem os leitores! Eu gosto de escrever e gosto de vos sentir perto da minha escrita.
 
Carta Aberta aos meus amigos lusos

O MEU LUSO DO MÊS DE JULHO É NANDA

 
O MEU LUSO DO MÊS DE JULHO É NANDA
 
Maria Fernanda Reis Esteves, nasceu no Hospital de S. Bernardo, em Setúbal, no dia 28 de Fevereiro de 1960. Filha de um casal de pequenos comerciantes, Fernando Ferreira Esteves e Maria Helena da Conceição Reis, frequentou o ensino primário na Academia de Música e Belas Artes Luísa Todi e o ensino secundário no Liceu de Setúbal. A par dos estudos, sempre ajudou os pais no café que estes possuíam no Mercado do Livramento, em Setúbal. O seu gosto e apetência para a área de humanidades, nomeadamente para as línguas estrangeiras e o português, em especial, fomentaram-lhe o gosto pela poesia que precocemente começou a escrever, mas, no entanto, por achar que nunca ninguém se interessaria por seus escritos veio a destruir mais tarde.
Casou aos 22 anos, já a trabalhar como escriturária, profissão que mantém até hoje. Aos 24 anos foi mãe pela primeira vez de uma menina, hoje com 25 anos, Inês Mares, jovem que ingressou no mundo das artes e tirou, em Espinho, o curso profissional de percussão e em Lisboa, na ACT, o curso de atriz. Aos 29 anos a maternidade brindou-a pela segunda vez com outra menina, Sara Mares, hoje com 19 anos, jovem que pretende entrar, no próximo ano letivo na Faculdade de Medicina Tradicional Chinesa, em Lisboa.
Aos 36 anos perdeu uma das pessoas mais importantes da sua vida, o pilar da sua existência, a sua mãe que faleceu vítima de atropelamento. Este acontecimento fatídico viria a ser responsável pela viragem na sua forma de ver a vida. Após uma longa temporada de reclusão pela enorme dor da perda, a pesquisa da leitura que aprofunda a temática da reencarnação devolveu-lhe a serenidade e aumentou a sua enorme fé e confiança em Deus.
Aos 39 anos começou a trabalhar como secretária da Direcção da APPACDM de Setúbal – Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental, Instituição de Solidariedade Social e de Utilidade Pública que apóia cerca de 400 cidadãos portadores de deficiência mental, através das suas dez valências e múltiplas atividades e dinâmicas. O contato e interação com estas crianças e jovens encheu de luz a sua vida e deu-lhe um novo sentido de missão. Hoje tem como máxima que “nada é por acaso”.
No ano de 1999 participou no concurso de poesia da APPACDM de Setúbal, subordinado ao tema “Um Olhar Diferente” e obteve uma menção honrosa. A partir daí descobriu que a poesia era uma forma de ascender a uma dimensão superior em busca da liberdade e felicidade.
É elemento do Coral Luísa Todi, um ex-libris da cidade de Setúbal, ao qual deve a realização de outro sonho, o canto que sempre a deslumbrou, desde criança e lhe permite alargar o seu leque de amizades.
- Em 2006 recebeu nova Menção Honrosa no Concurso da APPACDM ;
- 1º Prémio no Concurso de Poesia "Aprender Contigo" da APPACDM de Setúbal - ano de 2007;
- Menção Honrosa no XII Concurso de Poesia "Dar Voz à Poesia" da Escola Secundária Júlio Dinis (Ovar);
- 5º Prémio no XXV Concurso Internacional de Poesia "Casa Lembrada - Casa Perdida" das Edições AG
- Participação na Colectânea "Amar o Próximo" da ANEM - Associação Nacional de Esclerose Múltipla;
- Participação em várias Colectâneas de Poesia das Editora M.J.Real Imo
- 9º Prémio no XXVI Concurso Internacional de Poesia “Travessias” das Edições Ag;
- Prémio Destaque Internacional no Concurso de Poesia da Associação Artística e Literária Alpas XXI e Participação na Colectânea “Deslizes;
2º Prémio e Menção Honrosa no XIII Concurso de Poesia “Aprender Contigo” da APPACDM de Setúbal, ano 2008
Participação nas Antologias Literárias Internacionais “Amor e Paixão” e Eldorado da Editora, Celeiro de Escritores
Participação na 19ª Antologia Literária Internacional da Fundação Del´Secchi
- 6º Lugar no XXVII Concurso Literário Internacional “Rosa dos Ventos” das Edições Ag;
- Participação na Antologia “Poeta Mostra a Tua Cara” do Projecto Cultural Sur/Brasil;
- Prémio Destaque Internacional no III Concurso Literário Internacional Letras Premiadas;
Colaboradora da Luso-Poemas;
http://www.luso-emas.net/modules/news/article.php?storyid=85384
Colaboradora do Recanto das Letras:
http://recantodasletras.uol.com.br/poesias/1619086
O lançamento do seu primeiro livro de poesia “Canteiros de Esperança”, a convite da Editora “Temas Originais” está previsto para 26 de Setembro, pelas 16 horas, na Sociedade Filarmónica Humanitária, em Palmela. “Canteiros da Esperança” é na íntegra a favor da construção do novo lar residencial da APPACDM.
http://www.temas-originais.pt/autores/fernanda_esteves.htm
Livro favorito: “Muitas vidas muitos mestres” de Brian Weiss
Autores favoritos: Brian Weiss, James Van Pragh e Mia Couto
Amuleto: Livro “Como comunicar com o Anjo da Guarda” de Haziel
Filme: “A cidade dos anjos”
Música favorita: “Eu não sei quem te perdeu” – Pedro Abrunhosa

Com tudo que foi exposto acima sobre a nossa querida Poeta e por saber de seu talento pelo acompanhado de suas criações literárias no luso, percebemos uma aura brilhante de generosidade, desprendimento e enorme talento que transcende as fronteiras hipertextuais, pairando sobre nossos corações. Sua sabedoria de vida reflete em seus poemas que sempre nos passam força, carinho e amor. Sua poesia procura nunca pairar por sobre umbrais revoltosos da alma, pelo contrário, procura sempre tirar uma lição otimista dos dissabores que a vida nos traz. Seus comentários e interação geral no site supracitado são expansivos e amigáveis. E é por isso, e muito mais, que aqui não caberia se estender, que Maria Fernanda Reis Esteves, ou simplesmente Nanda, é a poeta do mês de julho. Segue abaixo uma entrevista leve, objetivando sobretudo mostrar a essência humana, tão presente na nossa Nanda.

-Você trabalha em uma instituição que apóia pessoas portadoras de necessidades especiais. É muito fácil notar que a APPACDM é oxigênio vital para sua vida! Tem muita experiência nessa área. No geral, como você vê o tratamento que é dado à essas pessoas? São ainda muito discriminadas?

Eu faço o secretariado da Direcção da APPACDM de Setúbal há 10 anos. Desenvolvo o meu trabalho nos Serviços Centrais da Instituição e tive a sorte de estes partilharem o mesmo espaço físico com um CAO – Centro de Actividades Ocupacionais, o que me permite interagir e trocar experiências com jovens portadores de deficiência.
Com cada um dos utentes criei uma empatia especial, uma cumplicidade. Aprendo com eles todos os dias o valor da humildade, das coisas simples da vida, dos afectos e nunca antes me senti tão rica interiormente. Agradeço a Deus o facto de poder conciliar trabalho com uma missão à qual me entrego sem reservas.
A APPACDM tem um papel relevante na aceitação e integração destes cidadãos no seio da comunidade local que começa com a inclusão através dos projectos de parceria nas escolas bem como da promoção de actividades de cariz cultural e desportivas, que envolvem outras instituições congéneres, empresas, Lares de 3ª idade e um abrangente leque da cidadania, sempre com a preocupação de divulgá-las através dos órgãos de comunicação social.
A sociedade já não discrimina o cidadão portador de deficiência como antigamente. No entanto, muito há a fazer para a sua inserção no mundo do trabalho.
A Instituição candidatou-se ao Programa PARES da Segurança Social e dentro de dias terão início as obras de construção de um novo Lar Residencial/Residência Autónoma/Serviço de Apoio Domiciliário e ainda de adaptação para uma creche.

-Certa vez um dos meus professores disse que a poesia “é um pequeno círculo espremido, que nunca chegará ser um grande globo”. Claro, ele fazia referência à linguagem poética, restrita à poucos, afastada do grande público. Você concorda com a citação do meu antigo professor? E se concorda, qual seria a missão do poeta, se é que ele tem, para levar a poesia à horizontes mais amplos?

Concordo, na medida em que dentro dos géneros literários a poesia é o que menos vende, já que é uma obra de arte delicada, intimista e direccionada a pessoas sensíveis e que gostam de interpretar mensagens, de reflectir e aprender com elas.
Penso que pior do que não ter livros de poesia é adquiri-los e não os ler, porque são, sem dúvida, uma extraordinária fonte de enriquecimento cultural e humano.
A APPACDM de Setúbal é um bom exemplo de como se pode tornar a poesia mais abrangente. Anualmente promove um concurso de poesia que visa estimular a actividade criadora e sensibilizar a comunidade para a problemática da deficiência mental. O evento tem sido bem sucedido, conta com um crescente e interessado número de participantes, e neste momento é já de âmbito Nacional.

-Um dos seus autores preferidos é Mia Couto. Também é dos meus. Penso que aqueles que nunca o leram, poderiam ler, já, que é um escritor que mergulha nas raízes da natureza humana, de forma profunda e única. Até que ponto Mia Couto, tem influência neste seu lado humano tão estimado?

Mia Couto é um escritor que encanta pela leveza das palavras, algumas delas fruto do seu inesgotável imaginário, extraídas da constante e incansável observação e fascínio pela alma humana. Assim me revejo, sem capacidade para separar o lado humano da minha postura de contemplação e aceitação perante a vida, elegendo na minha escrita a expressão singela dos sentimentos que em mim afloram a cada momento.

-Uma filha atriz e outra pretendendo ser médica. Uma encantará pessoas praticando arte e a outra salvará vidas. O perfume humano da Nanda cobre as filhas! O que você poderia nos dizer sobre a maravilhosa escolha profissional das duas?

Às minhas filhas dei amor e liberdade, ensinando e transmitindo os inquestionáveis valores do amor e do respeito, enquanto vectores de equilíbrio e estabilidade do ser humano. A escolha da mais velha, Inês, de 25 anos, signo de gémeos, amante da liberdade de expressão, recaiu nas artes, tendo tirado um curso de percussão em Espinho e cinema, teatro e televisão na ACT, em Lisboa. Actualmente lecciona música e incorporou a “Companhia de Teatro do Elefante”, de Setúbal. Tem, ainda, a seu cargo o Grupo Cénico da Sociedade Filarmónica Humanitária de Palmela.
A mais nova, Sara, de 19 anos, signo de Capricórnio, entrou este ano na Faculdade de Ciências da Comunicação, em Lisboa, tendo desistido do curso, preterindo-o a favor da Licenciatura em Medicina Tradicional Chinesa.
Sou a maior fã da carreira artística da minha filha Inês e aprovo a escolha da Sara não só por ser uma das profissões do futuro mas também pela riqueza do conhecimento ancestral das ciências orientais que procuram o bem-estar através do equilíbrio entre o corpo e a mente.

-Nanda, é notório que o mundo caminha cada vez mais para o individualismo e para a violência, em todos os sentidos. Além disso, os preconceitos se parecem mais com tentáculos imbatíveis! Diga-nos, o mundo ainda tem jeito? Espalhe para nós aqui, algumas diretrizes a partir deste seu enorme coração.

Quando o homem se consciencializar de que os bens materiais não chegam para o fazer feliz e se voltar mais para o seu interior, na busca do seu Eu Superior, onde finalmente encontrará a paz na sua própria essência.
Ao escolher viver na luz da sua centelha divina sentir-se-á pleno e feliz e aí deixará de viver de forma egoísta e adoptará o altruísmo como forma de se realizar e sentir útil a todos os seres da criação.

-Qual o grau de importância que você atribui ao luso-poemas para o seu crescimento como escritora?

O Luso é para mim um veículo de partilha da arte escrita que me permite crescer como pessoa valorizando e fomentando amizades e uma fonte de aprendizagem diária e a possibilidade de divulgar a minha poesia.
Agradeço à Luso Poemas os momentos mágicos que me tem proporcionado e a ti Edilson por te teres lembrado da minha humilde pessoa.

-Quem é o seu luso do mês de Agosto?

O meu luso do mês de Agosto é António Paiva.
 
O MEU LUSO DO MÊS DE JULHO É NANDA

Nada De Nós

 
Odeio o lado vazio da cama onde me deito. Durmo de braços atados para que não transponham os limites do encaixe silencioso que o meu corpo moldou no colchão. Preciso de tréguas da dor da tua ausência que envenena cada inspirar expirado.
Porém, mal adormeço, o meu coração implora aos braços que se estiquem e te procurem na infinitude do vazio, na esperança inútil de te sentir. Acordo cada dia com o sabor caústico da saudade no peito e os braços debulhados em lágrimas. Nesse árido instante a realidade castra-me os sentidos. Não há mais beijos. Não há mais sorrisos suados. Não há mais frémitos de emoções, nem palavras exaladas em murmúrios. Nada de nós.
A inútil existência de mim remeteu-me a um vácuo mórbido que dilata a cada hora que passo sem ti.
E o vazio do outro lado da cama olha-me pétreo e inabalável.
 
Nada De Nós

RESPEITEM AS MULHERES BRASILEIRAS, SEJAM ELAS SANTAS OU PUTAS, EM NENHUM OUTRO LUGAR VIRAM-SE OUTRAS COM MESMA LUTA.

 
Dizem que a mulher é sexo frágil! Não a mulher brasileira! Não a extraordinária capacidade das mulheres brasileiras. Orgulhos nacionais, no meio de mais de cento e oitenta milhões de indivíduos, elas destacam-se em renomadas; cientistas, artistas, atrizes, pintoras, médicas, mulheres famosas, até mesmo as putas. Mulheres brasileiras, é que não devem ser vistas como produto de exportação caro, mas sim; caras pela a excelência de qualidade no que fazem. Caras pela rara beleza que emanam.

Já no século XIX, no Brasil, as mulheres deram passos determinantes para a transformação de seus destinos. Os códigos sociais relativos a elas se modificaram arrastados numa sociedade marcada pelos, então vigentes, sistemas de escravidão patriarcal, tendo a cidade do Rio de Janeiro se transformado no principal palco de disseminação da nova forma de atuação das mulheres no país. Os capítulos mais representativos durante o período oitocentista foram redigidos sob a desigualdade de condições e sob o contraste de valores entre as nativas, as cativas e as que no país chegavam. Hoje ainda se vê, mentes com esse mofo impregnado.

Apesar da constatável ausência feminina na historiografia oficial do país, vítima do desinteresse e da estúpida clausura machista dos registros de suas reinvidicações, ao se desenterrar a história soube-se que foram inúmeras as mulheres brasileiras que contribuíram para o desenvolvimento e a consolidação de muitos dos aspectos e valores referenciais da atual sociedade. Ações de coragem e tão relevantes, que copiadas mundo afora. E sempre foi assim, nos diferentes períodos históricos, individual ou coletivamente, direta ou indiretamente elas estiveram presentes e atuantes. Seja desde a colonização até os dias de hoje, seja no trabalho doméstico ou braçal, na cultura, na educação, na saúde, nos esportes, nas artes, no comércio, na religiosidade, nas ciências, na resistência, nos movimentos sociais ou na política, são incontáveis os exemplos a se apresentar. São vidas, sentimentos e trajetórias que entrelaçam memórias de lutas, quedas e conquistas em prol de uma existência melhor, de fato e de direito. A história das mulheres brasileiras é uma história recente, que se ressente de um passado mal contado, de silêncios que ainda não foram completamente quebrados, visto ainda insuflações sabe-se lá porque, insinuações indignas por machistas retrógrados denegrindo a figura de uma mulher. E eu um filho de Mulher Brasileira, só posso pedir que; respeitem as mulheres brasileiras, sejam elas santas ou putas. Em nenhum outro lugar viram-se outras com mesma luta.

Uma luta que começou assim, com alguns desses nomes extraídos do ‘Memorial da Mulher Brasileira’. Que com todo prazer, incluirei outros, sejam mulheres brasileiras do passado ou do presente e os relatos de suas vidas. Terei o igual prazer de completar esta lista, enviando-a ao memorial.

Iguaçu (séc. XVI) Índia Tamoio
viveu no século XVI e teve como companheiro um importante chefe indígena, Aimberê. Em certa ocasião, foi capturada e levada como escrava para as terras de Piratininga, no planalto paulista. Libertada pelos Tamoios, retornou ao Rio de Janeiro, onde se uniu aos franceses para enfrentar os colonizadores portugueses na disputa pelas terras da baía da Guanabara. Em 1567, Iguaçu morreu lutando na batalha decisiva em que os franceses e seus aliados indígenas foram derrotados e expulsos.

Bartira (séc. XVI) Índia Tupiniquim, “mãe do povo brasileiro”.
ou Butira, também referida por alguns historiadores pelo nome de Mbcy, era filha do cacique Tibiriçá com a índia Potira, o mais importante líder indígena da capitania de São Vicente. Uniu-se ao português João Ramalho, foi batizada com o nome de Isabel Dias e teve muitos filhos e filhas. Esta união foi considerada, pelas autoridades da época, fundamental para viabilizar o processo de colonização. O povoamento do planalto Piratininga foi feito a partir do assentamento luso-tupi comandando por João Ramalho, Bartira e sua prole. Parte da historiografia dos anos de 1940 consagra três mulheres indígenas como mães do povo brasileiro: Bartira, Catarina Paraguaçu e Maria do Espírito Santo Arco Verde.

Ana Pimentel (séc. XVI) Donatária
Ana Pimentel foi casada com Martim Afonso de Sousa, donatário da capitania de São Vicente. Em 1534, ela assumiu a administração da capitania e, entre outras importantes iniciativas, implantou o cultivo de laranja, arroz e trigo, assim como promoveu a criação de gado. Por mais de uma década, Ana foi a capitã-mor e sua atuação foi determinante para o desenvolvimento e construção de uma das mais prósperas regiões do Brasil colonial.

Felipa de Souza (c.1556-?) Condenada pela Inquisição por lesbianismo
Em 1591, Felipa estava casada pela segunda vez e vivia em Salvador, quando foi denunciada por práticas nefandas e presa pelo Tribunal do Santo Ofício. Confessou suas relações amorosas com várias mulheres e foi severamente punida pela Inquisição, recebendo a pena de açoite público. Não se sabe onde cumpriu pena de degredo. Seu nome foi dado ao principal prêmio internacional de direitos humanos dos homossexuais e lésbicas, o “Felipa de Souza Award”.

Esperança Garcia (séc. XVIII) Escravizada
viveu no Piauí como escravizada. Trabalhava em uma das fazendas reais incorporadas a Coroa após a expulsão dos Jesuítas. Ousou enviar uma carta ao governador da província, descrevendo seu sofrimento pela separação forçada e brutal de seu marido quando foi levada como cozinheira à casa do capitão Antônio Vieira do Couto, administrador da propriedade, além de denunciar
os terríveis maus tratos que sofriam ela, seus filhos e os outros escravizados. ou Guerra dos Farrapos. Em 1847, mudou-se com a família para a Itália, onde se envolveu na luta pela unificação e emancipação do território italiano. Reconhecida, no Brasil e na Itália, como um exemplo de dedicação e coragem, Anita recebeu diversas homenagens póstumas. Várias cidades brasileiras possuem ruas, bustos e escolas com o nome daquela que ficou conhecida como a “Heroína dos Dois Mundos”.

Bárbara Pereira de Alencar (1767-1837) Revolucionária republicana
era pernambucana, mas viveu na cidade do Crato, no Ceará, onde participou, juntamente com dois de seus filhos e um irmão, dos levantes que viriam a deflagrar a conspiração republicana do nordeste, em 1817. Com a repressão ao movimento, foi presa, passando por afrontas e humilhações. Alguns anos depois, em 1820, a coroa portuguesa concedeu anistia geral a todos os implicados na revolta. Dois de seus filhos ganharam projeção política. Constam na descendência de Bárbara Pereira de Alencar as
escritoras Raquel de Queiroz e Heloneida Studart.

Nísia Floresta Brasileira Augusta (1810-1885) Educadora, escritora e feminista a educadora e intelectual Dionísia Gonçalves Pinto nasceu no Rio Grande do Norte e tornou-se uma das mais marcantes personagens da História Brasileira no século XIX. Escreveu sobre a escravidão, o sofrimento dos índios e a qualidade do ensino. Mas, acima de tudo, escreveu sobre a mulher. Suas idéias contestatórias foram publicadas no jornal pernambucano Espelho das Brasileiras, em 1831. Ficou conhecida pelo seu pseudônimo Nísia Floresta. Seus textos afirmavam que as mulheres tinham tanto direito quanto os homens a uma educação plena. Em 1832, lançou o primeiro de seus 14 livros – Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens, tradução adaptada à realidade brasileira do livro Vindicatios of the Rights of Woman, da inglesa Mary Wollstonecraft. A defesa da emancipação feminina através da educação a levou a fundar, em 1838, um colégio para meninas com proposta curricular avançada, tornando-se precursora dos ideais de igualdade e autonomia da mulher brasileira.

Maria Firmina dos Reis (1825-1917) Escritora e Educadora
Escritora e educadora, Maria Firmina era negra e foi autora do primeiro romance abolicionista redigido por uma mulher no Brasil. Publicou, em 1859, o romance Ursula, sob pseudônimo de “Uma Maranhense”. Maria Firmina revelou-se pioneira tanto nas letras como na história da educação brasileira, fundando, em 1880, em São Luiz do Maranhão, uma escola mista e gratuita para crianças pobres.

Chiquinha Gonzaga (1847-1935) Compositora, maestrina e abolicionista.
Chiquinha nasceu no Rio de Janeiro, onde se casou aos 16 anos de idade, em 1863. Cinco anos depois, com três filhos, trocou definitivamente o marido pela música. Rejeitada pela família e pela sociedade
por sua rebeldia, recebeu acolhida no circulo musical carioca. Pianista e compositora, foi autora de um imenso legado musical – entre suas obras consta a primeira marcha carnavalesca Ô Abre Alas, de 1899. Foi também a primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil. No Passeio Público, do Rio de Janeiro, há um busto em sua homenagem. Chiquinha musicou setenta e sete espetáculos teatrais e compôs duas mil peças nos mais variados gêneros musicais: polcas, valsas, tangos, lundus,
maxixes, fados, quadrilhas, mazurcas, choros e serenatas. Participou ativamente da campanha abolicionista,
da campanha republicana e foi fundadora da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais.

Auta de Souza (1876-1901) Poetisa e política
Auta nasceu no Rio Grande do Norte, foi poetisa e escreveu para diversos periódicos no final do século XIX, tais como o Oásis, A República, o jornal A Tribuna, as revistas Oito de Setembro e Rio Grande do Norte. Auta, mulher negra, em 1900, conseguiu publicar o livro Horto, que contou com o prefácio de Olavo Bilac.

Maria Augusta Generoso Estrela (1860-1946) Primeira médica brasileira.
Em 1876, aos 16 anos de idade, Maria Augusta viajou para os Estados Unidos a fim de cursar medicina,
época em que as portas das faculdades brasileiras estavam fechadas para as mulheres. O fato ganhou grande repercussão na imprensa que acompanhou, diariamente, seus passos durante sua estada na América do Norte. Maria Augusta recebeu seu diploma de médica, em 1882, mas permaneceu em Nova York por mais um ano para se aperfeiçoar, sob o patrocínio do imperador D. Pedro II. A repercussão de sua graduação e o seu sucesso profissional contribuíram determinantemente para a pressão da sociedade sobre o poder público no sentido de alterar os critérios de ingresso das mulheres nas faculdades. Uma reforma do
ensino, aprovada no parlamento, em 1879, permitiu, finalmente, a matrícula de mulheres nas escolas superiores.

Francisca Senhorinha da Mota Diniz (séc. XIX) Escritora, educadora e jornalista.
Francisca se iniciou no jornalismo colaborando com o semanário Estação, um jornal de modas, mas sua mais importante contribuição para a imprensa feminina da época foi o semanário O Sexo Feminino, que começou a editar em Campanha (MG), em 1873. Dois anos depois, no Rio de Janeiro, com o mesmo nome, editou outra publicação contendo informações sobre literatura e amenidades, mas que também tratava de temas polêmicos como a abolição da escravatura, o voto feminino e as idéias propagadas pelo movimento feminista de outros países. Após a Proclamação da República, Francisca mudou o nome do jornal para O Quinze de Novembro do Sexo Feminino. O programa do jornal propunha a emancipação da mulher por meio da educação física, moral e intelectual.

Maria Rita Soares de Andrade (1904 – 1998) Feminista e primeira juíza federal do Brasil
Maria Rita nasceu em Aracajú, Sergipe. Em 1926, aos vinte e dois anos de idade, se diplomou em Direito pela Universidade Federal da Bahia, sendo a única mulher da turma e a terceira a se formar naquele estado. Como secretária e consultora da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, se destacou na luta pelos direitos da mulher. No início dos anos 30, fundou e dirigiu a revista Renovação e como advogada ajudou presos políticos durante a ditadura Vargas. Foi pioneira ao integrar o
Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, representando o estado da Guanabara. Em 1967, tornou-se a primeira juíza federal do país.

Bertha Lutz (1894-1976) Líder feminista e bióloga.
nasceu em São Paulo e ainda adolescente foi estudar na Europa, onde tomou contato com a campanha sufragista inglesa. Após licenciar-se em Ciências pela Sorbonne, volta para o Brasil, onde presta concurso e ingressa como bióloga no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, então capital federal. Pioneira das lutas feministas no país, Bertha fundou a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino e liderou grande parte do movimento sufragista nas décadas de 1920
e 30. Estrategista e com bom trânsito no mundo político, ajudou a conquistar vários espaços públicos para as mulheres de sua época. Fez parte da elaboração do Código Eleitoral em 1931, integrou a comissão encarregada de elaborar o anteprojeto de Constituição e comemorou a vitória do voto para as brasileiras em 1932. Como suplente de deputada federal, assumiu o mandato, em 1936, onde propôs a criação do Departamento Nacional da Mulher.

Antonieta de Barros (1901-1952) Primeira deputada negra do Brasil
de Florianópolis, Santa Catarina. Foi educadora e jornalista. Criou e dirigiu, na década de 1920, o jornal A Semana, função que desempenhava paralelamente ao magistério. No início dos anos 30 estabeleceu intercâmbio com a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, com vasta correspondência trocada entre ela e Bertha Lutz. Em 1932, com a conquista do voto feminino, filiou-se ao Partido Liberal Catarinense, elegendo-se a primeira deputada negra do Brasil (1947-1951).
Foi também a primeira mulher a participar do Legislativo Catarinense. Usando o pseudônimo de Maria da Ilha, escreveu o livro Farrapos de idéias.

Aracy Moebius de Carvalho Guimarães Rosa (1908) Humanista que atuou na defesa do povo judeu
Aracy nasceu no Paraná, filha de pai brasileiro e mãe alemã. Depois de um casamento mal sucedido mudou-se para a Alemanha, onde trabalhou no Consulado Brasileiro em Hamburgo como encarregada da seção de vistos. No final da década de 1930, conheceu aquele que viria ser seu segundo marido, o escritor João Guimarães Rosa, na época, cônsul adjunto. Usou o poder que seu cargo lhe conferia e enfrentou as leis do governo Vargas, concedendo centenas de vistos aos judeus, salvando os
da perseguição e da morte na Alemanha nazista. Conhecida pela comunidade judaica como “Anjo de Hamburgo”, Aracy é a única mulher a ter seu nome escrito no Jardim dos Justos entre as Nações, no Museu do Holocausto (Yad Vashem), em Israel. Esta honra é concedida pelo governo Israelense às pessoas que colocaram suas vidas em perigo para ajudar o povo judeu.

Laudelina de Campos Melo (1904-1991) Líder sindical
Laudelina nasceu em Poços de Caldas, Minas Gerais. Trabalhou como doméstica, tornando-se a primeira grande líder sindical da sua categoria no país. A partir da década de 1930, foi uma das responsáveis pela fundação de várias associações de classe nas cidades de Santos, São Paulo e Campinas. Diante das discriminações das mulheres no mercado de trabalho e indignada com os anúncios preconceituosos publicados à época, integrou-se ao movimento negro, no qual participou da promoção de inúmeras
atividades sociais e culturais, especialmente em defesa dos direitos trabalhistas. Em 1988, a Associação de Trabalhadoras Domésticas de Campinas, sob sua direção, foi transformada em Sindicato.

Tia Ciata (1854-1924) Líder comunitária e incentivadora do samba.
Tia Ciata nasceu na Bahia e ainda menina foi iniciada no Candomblé. Mudou-se para o Rio de Janeiro, onde passou a freqüentar o terreiro de João Alabá, situado na região central da cidade. Conquistou imenso respeito e admiração nas comunidades religiosas de matriz africana. Festeira e quituteira de mão cheia, gostava de comemorar em sua casa as datas dos orixás. Após as cerimônias, as reuniões se transformavam em pagodes, que se arrastavam por dias. Sua residência, na Praça Onze, se transformou no tradicional ponto de encontro de personagens do samba carioca, como Donga, Sinhô, João da Baiana e Mauro de Almeida, que fizeram do local um espaço de afirmação da cultura negra. Foi na casa de tia Ciata que surgiu aquele que se consagraria como o primeiro samba gravado em disco, Pelo telefone, cantado como partido alto.

Aida dos Santos (1937) Atleta olímpica
nasceu em Niterói. Mulher negra, esportista, foi recordista sul-americana de salto em altura, em 1959. Por sua destacada atuação no atletismo foi a única mulher a representar o Brasil nas Olimpíadas de 1964, no Japão, onde, apesar da falta total de assistência por parte da delegação brasileira, alcançou o 4º lugar no salto em altura.

Mãe Menininha do Gantois (1894-1986) Ialorixá
Maria Escolástica da Conceição Nazaré é uma das mais representativas e veneradas Ialorixás do Brasil. Inspirou poetas,
recebeu inúmeras homenagens e conjugou magistralmente firmeza, sabedoria e doçura no exercício de seu sacerdócio. Esteve
à frente do terreiro do Gantois durante 64 anos.

Mãe Senhora (1900-1967) Ialorixá
Maria Bibiana do Espírito Santo, Ialorixá, dirigiu o Ilê Axê Opô Afonjá durante 25 anos, de 1942 a 1967. Reconhecidamente foi uma das grandes autoridades dos cultos afrobrasileiros de sua época. Dedicou sua vida ao sacerdócio, recebendo vários títulos honoríficos, entre esses, o de Iyá Nassô, concedido em 1952, pelo Rei de Oió.

Carolina Maria de Jesus (1914-1977) Escritora
Carolina nasceu em Minas Gerais e teve poucas oportunidades de frequentar escolas, uma vez que ajudava a mãe na
lavoura. Na adolescência mudou-se com a família para São Paulo, onde trabalhou como doméstica. Sempre teve o hábito
de fazer anotações sobre seu cotidiano e as experiências vividas. Publicou seu primeiro livro, Quarto de Despejo, em 1960, obra que alcançou recordes de venda, traduzida para treze idiomas e lançada em mais de 40 países.

Dorina Nowill (1919) Liderança na defesa dos deficientes visuais
Dorina nasceu em São Paulo e ficou cega aos 17 anos de idade. Nesta época, os portadores de deficiência visual encontravam
muitos limites para a leitura, uma vez que eram escassas as publicações em braile. Lutando contra essa realidade, em 1946, ela e um grupo de amigas, criaram a Fundação para o Livro do Cego no Brasil. Em 1991, esta organização recebeu seu nome pelo reconhecimento de seu trabalho. A educação sempre foi uma de suas bandeiras, enfrentou batalhas ferrenhas até que o Governo Federal regulamentasse por lei a responsabilidade do ensino para cegos. Dorina representou o Brasil internacionalmente ao participar de organizações mundiais voltadas aos direitos dos deficientes visuais e, em 1979, foi eleita Presidente do Conselho Mundial dos Cegos.

Helenira Resende de Sousa Nazareth (1944-1972) Vítima da ditadura militar
Helenira nasceu em Cerqueira César, São Paulo. Era aluna da Faculdade de Letras da USP, quando começou a participar do movimento estudantil. Em 1968 foi presa pela primeira vez ao conclamar os colegas a participarem de uma passeata. Seria presa novamente por ocasião do 30º Congresso da UNE, em Ibiúna, com outros 800 estudantes. De presídio em presídio, finalmente, conseguiu habeas corpus um dia antes do AI-5 e passou a viver na clandestinidade. Lutou arduamente contra o regime ditatorial vigente no país. Foi assassinada pelos militares durante um confronto na guerrilha do Araguaia, no sul do estado do Pará, onde o PC do B preparava um levante armado contra a ditadura. Embora haja evidências e depoimentos sobre sua morte, ainda hoje é considerada desaparecida política.

Fernanda Montenegro (nome artístico de Arlette Pinheiro Esteves da Silva, Rio de Janeiro, 16 de outubro de 1929)
Iniciou sua carreira no ano de 1950, com o espetáculo "Alegres Canções nas Montanhas", ao lado daquele que seria seu marido por toda a vida, Fernando Torres.
Sua estreia em cinema se dá na produção de 1964 para a Tragédia Carioca de Nelson Rodrigues, A Falecida, sob direção de Leon Hirszman.
Além de ter sido cinco vezes agraciada com o Prêmio Molière, ter recebido três vezes o Prêmio Governador do Estado de São Paulo e de inúmeros outros prêmios em teatro e cinema, ganhou ainda o Urso de Prata de melhor atriz e concorreu ao Óscar de melhor atriz em 1999 e ao Globo de Ouro de Melhor atriz em filme dramático [1] pelo filme Central do Brasil de Walter Salles. Recebeu também vários prêmios da crítica americana, no mesmo ano (Los Angeles Film Critics Award, National Board of Review Award).
Em televisão participou de centenas de teleteatros na extinta TV Tupi, que na direção revezavam-se Fernando Torres, Sérgio Britto e Flávio Rangel. , telenovelas na extinta TV Excelsior e na TV Rio e na Rede Record e dezenas de produções na Rede Globo.

Zélia Gattai Amado (São Paulo, 2 de julho de 1916 — Salvador, 17 de maio de 2008) foi uma escritora, fotógrafa e memorialista (como ela mesma preferia denominar-se) brasileira, tendo também sido expoente da militância política nacional durante quase toda a sua longa vida, da qual partilhou cinquenta e seis anos casada com o também escritor Jorge Amado, até a morte deste.
Aos 63 anos de idade, começou a escrever suas memórias. O livro de estreia, Anarquistas, graças a Deus, ao completar vinte anos da primeira edição, já contava mais de duzentos mil exemplares vendidos no Brasil. Sua obra é composta de nove livros de memórias, três livros infantis, uma fotobiografia e um romance. Alguns de seus livros foram traduzidos para o francês, o italiano, o espanhol, o alemão e o russo.
Anarquistas, graças a Deus foi adaptado para minissérie pela Rede Globo e Um chapéu para viagem foi adaptado para o teatro

Irmã Dulce, que ao nascer recebeu o nome de Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, era filha do dentista Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito Lopes Pontes. Aos 13 anos, depois de visitar áreas carentes, acompanhada por uma tia, ela começou a manifestar o desejo de se dedicar à vida religiosa. Com o consentimento da família e o apoio da irmã Dulcinha, transformando a casa da família num centro de atendimento a pessoas necessitadas. Em 8 de fevereiro de 1933, logo após se formar professora, Maria Rita entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, na cidade de São Cristóvão, em Sergipe. Em 15 de agosto de 1934, aos 20 anos de idade, professou seus votos religiosos, recebendo o nome de Irmã Dulce, em homenagem à sua mãe. Sua primeira missão como freira foi ensinar em um colégio mantido pela sua congregação, na Cidade Baixa, em Salvador, região onde também dava assistência às comunidades pobres e onde viria a concentrar as principais atividades das Obras Sociais Irmã Dulce. Em 1936, ela fundou a União Operária São Francisco. No ano seguinte, junto com Frei Hildebrando Kruthaup, abriu o Círculo Operário da Bahia, mantido com a arrecadação de três cinemas que ambos haviam construído através de doações. Em maio de 1939, irmã Dulce inaugurou o Colégio Santo Antônio, voltado para os operários e seus filhos. No mesmo ano, por necessidade, Irmã Dulce invadiu cinco casas na Ilha dos Ratos, para abrigar doentes que recolhia nas ruas. Mas foi expulsa do lugar e teve que peregrinar durante uma década, instalando os doentes em vários lugares, até transformar em albergue o galinheiro do Convento Santo Antônio, que mais tarde deu origem ao Hospital Santo Antônio, centro de um complexo médico, social e educacional que continua atendendo aos pobres. Considerada um "Anjo bom" pelo povo baiano, recebeu também o apoio de pessoas de outros estados brasileiros e de personalidades internacionais. Mesmo com a saúde frágil, ela construiu e manteve uma das maiores e mais respeitadas instituições filantrópicas do país. Em 1988, irmã Dulce foi indicada pelo então presidente José Sarney, com o apoio da rainha Silvia da Suécia, para o Prêmio Nobel da Paz. Oito anos antes, no dia 7 de julho de 1980, Irmã Dulce ouviu do Papa João Paulo 2o, na sua primeira visita ao país, o incentivo para prosseguir com a sua obra. Os dois voltariam a se encontrar em 20 de outubro de 1991, na segunda visita do Papa ao Brasil, quando João Paulo 2o fez questão de ir ao Convento Santo Antônio visitar Irmã Dulce, já bastante enferma. Cinco meses depois, no dia 13 de março de 1992, Irmã Dulce morreu, pouco antes de completar 78 anos. No ano 2000 foi distinguida pelo papa João Paulo 2o com o título de Serva de Deus. O processo de beatificação de irmã Dulce está tramitando na Congregação das Causas dos Santos do Vaticano.

Zilda Arns Neumann (Forquilhinha, 25 de agosto de 1934 — Porto Príncipe, 12 de janeiro de 2010) foi uma médica pediatra e sanitarista brasileira. Irmã de Dom Paulo Evaristo Arns, foi também fundadora e coordenadora internacional da Pastoral da Criança[1] e da Pastoral da Pessoa Idosa, organismos de ação social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Recebeu diversas menções especiais e títulos de cidadã honorária no país. Da mesma forma, à Pastoral da Criança foram concedidos diversos prêmios pelo trabalho que vem sendo desenvolvido desde a sua fundação.

Cora Coralina, pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas Brandão, (Cidade de Goiás, 20 de agosto de 1889 — Goiânia, 10 de abril de 1985) foi uma poetisa e contista brasileira. Mulher simples, doceira de profissão, tendo vivido longe dos grandes centros urbanos, alheia a modismos literários, produziu uma obra poética rica em motivos do cotidiano do interior brasileiro, em particular dos becos e ruas históricas de Goiás.

Maria Lúcia Torres Lepecki (Araxá, 1940) é uma professora universitária de literatura portuguesa, ensaísta e crítica literária. Brasileira pelo nascimento, portuguesa pelo casamento, Maria Lúcia Lepecki licenciou-se em Filologia Românica pela Universidade de Minas Gerais e doutorou-se, em 1967, com uma dissertação sobre Camilo Castelo Branco intitulada Sentimentalismo: Contribuição para o Estudo da Técnica Romanesca de Camilo. Foi professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde ensinou entre 1970 e 2008, e especialista nas áreas de Literatura Portuguesa dos séculos XIX e XX. Foi professora visitante e conferencista em várias universidades europeias (Salamanca, Oxford, Budapeste Varsóvia) e brasileiras (Minas Gerais e Rio de Janeiro). Colaborou com a Escola de Formação de Professores do Ensino Secundário da Cidade da Praia, em Cabo Verde. Na sua actividade de crítica literária tem colaboração em inúmeras revistas e jornais portugueses e estrangeiros. É colunista da revista mensal Super Interessante e membro do seu Conselho Consultivo. Foi agraciada, em 2000, com o grau de comendadora da Ordem de Sant'Iago da Espada.

zé silveira do brasil

"Dizem que a mulher é um sexo frágil", verso inicial da canção; 'Mulher', de Erasmo Carlos, compositor e cantor brasileiro, parceiro de Roberto Carlos
 
RESPEITEM AS MULHERES BRASILEIRAS, SEJAM ELAS SANTAS OU PUTAS, EM NENHUM OUTRO LUGAR VIRAM-SE OUTRAS COM MESMA LUTA.

Prelúdio de uma Sinfonia

 
Prelúdio de uma Sinfonia

Como um maestro com o dom e elevação que Deus lhe concedeu, ao dar-lhe a vida, vai vivê-la e arquitecta-la como um bom profissional todo o seu tempo terrestre. De pequenino, quantas vezes já mostra todas as virtualidades.
As notas soltam-se ao vento que as vai harmonizando conforme chegam sonantes ao ouvido. O martelo na bigorna tira sons graves, agudos, também os melodiosos
que atraem os sentidos. Tanto por imaginar! São as claves de sol, fá, mi, de todas as notas e elas são sete é só contá-las. O número de Deus. Talvez tenha algo a ver! A sinfonia
vai evoluindo e o prelúdio já harmonizado está perfeito.
Este um princípio de tudo.
Vem outra parte julgo a mais enérgica em que se valorizam
grande parte todos os instrumentos em conjunto, assim desde cordas, sopro, teclas e precursão que compõem a verdadeira fase da composição. A força hábil e subtil a que mais marca pelo entusiasmo vibrátil da obra. Imaginemos como uma traição e vingança essa prosaica energia.
Este, o outro segundo passo!
Agora vai abrandar. Os instrumentos tornam-se suaves mais
tolerantes, harmoniosos, querem amor, disciplina á batuta
que os rege, os sensíveis apegos que o Compositor lhe pede.
Interstício ultimo e conclusão. Terceiro tempo.
Recapitulando um pouco toda a metodologia empregada,
vive-se uma serenidade de quem acorda de um sonho belo.
Lembrando aquele maravilhoso tempo que passamos ouvindo
a musicalidade que hoje nos embala a vida e se revela como um balsamo! Os quatro andamentos. Final da pauta.
Eis, a Sinfonia da vida!

Helena
 
Prelúdio de uma Sinfonia

100 – Carta aberta de um amador das letras

 
100 – Carta aberta de um amador das letras
 
Caríssimos amigos/as,

Todo o meu ser foi invadido por um sentimento de vitória e, apesar dos dias difíceis, das noites de dúvidas nas palavras e dos intermináveis segundos em desespero pela espera dos comentários, celebrar os triunfos faz parte do ritual da vida de um homem, sempre que, no seu entender, atinge um feito notável. Este é o meu centésimo texto postado no Luso Poemas.

Em 10 meses, foi o que consegui. Sei que para alguns nobres poetas com livros editados, não representa nada, mas para mim, escritor de gramática na mão, é obra. Consegui então, pelos meus cálculos matemáticos – digo desde já que sou ainda pior nas contas do que na gramática – postar mais ou menos um texto de quatro em quatro dias. Fantástico! Digo eu que gosto de mim. Fernando Pessoa, que era um génio, creio mesmo, não faria melhor.

Para consolidar esta teoria, e já com os olhos postos no futuro, recorri à regra de três simples. Esta dá para quase tudo na vida. Lembro-me dos meus tempos de liceu em que não havia cábula que não soubesse esta fórmula (mágica): se postei 100 textos em 10 meses, multiplicando pela esperança de vida de 78 anos para os homens deste nosso pobre país, então, fazendo as contas… (é só fazer as contas…), diria assim o nosso antigo Primeiro, António Guterres:

78 /Anos – 47/Anos = 31 anos
31/Anos = 372/Meses

10/Meses = 100 Postagens
372/ Meses = X

X = 3720

Irei então, postar mais 3270 textos aqui no nosso Luso. (Sei o que estão a pensar, mas deixei de fumar, não bebo álcool, faço exercício, pago impostos, rezo todas as noites, confesso-me, e não cobiço nem a mulher nem o poema alheio. “Porra” amigos, depois disto que vos disse, vocês não acham que posso chegar aos 78 Anos?)

Caros Amigos, estas contas simples têm apenas uma intenção: criar objectivos, o que não quer dizer que os vá cumprir. Sendo assim, ainda não há motivo para os meus amigos fugirem do Luso, não são obrigados a ler. Não esqueçam nunca que quem não gosta pode sempre passar ao lado. No entanto, e passado o primeiro momento de euforia, o pavor invadiu-me e o medo e a apreensão tomaram conta de mim. É muito trabalho para editar!
E no meio de tremuras e arrepios, e num último momento de lucidez, “pensei”: será que ainda há alguém para ler estas “merdas” que vou postar? E, num ápice, lembrei-me da velha história do rei que não enlouquecia:

“Um poderoso feiticeiro, querendo destruir um reino, deitou uma poção mágica no poço aonde todos os seus habitantes bebiam. Quem bebesse daquela água ficaria louco. Na manhã seguinte, a população inteira bebeu, e todos enlouqueceram, menos o rei – que tinha um poço só para si e para sua família, onde o feiticeiro não conseguira entrar. Preocupado, ele tentou controlar a população com uma série de medidas de segurança e saúde pública: mas os polícias e inspectores tinham bebido a água envenenada, e acharam um absurdo as decisões do rei, resolvendo não as respeitar de modo nenhum. Quando os habitantes daquele reino tiveram conhecimentos dos decretos, ficaram convencidos de que o soberano enlouquecera, e agora escrevia coisas sem sentido. Aos gritos, foram até ao castelo e exigiram que renunciasse. Desesperado, o rei prontificou-se a deixar o trono, mas a rainha impediu-o, dizendo: vamos agora até a fonte, e beberemos também. Assim, ficaremos iguais a eles. E assim foi feito: o rei e a rainha beberam a água da loucura, e começaram imediatamente a dizer coisas sem sentido. Na mesma hora, os seus súbditos arrependeram-se: agora que o rei mostrava tanta sabedoria, porque não deixá-lo a governar o país?
O país continuou em paz, embora os seus habitantes se comportassem de maneira muito diferente da dos seus vizinhos. E o rei pôde governar até ao final dos seus dias.”

Moral da história: só vocês que bebem da mesma fonte da arte da escrita é que me entendem e lêem, já beberam desta mesma fonte, logo, estão tão loucos como eu, lêem qualquer bodega.
Pois aqui por casa já todos dizem que estou “passadinho da mioleira” e ninguém percebeu ainda como arranjei eu leitores para lerem 100 textos. Alguns desses textos são completamente doidos, diz-me esta gente cá de casa, a quem tenho em boa conta. Está tudo doido por este Luso, para lerem estas imundices que vou postando! Tenho dias, Amigos, que de tão feliz por aqui andar, penso até que os loucos são aqueles que nada lêem.
Em meu entender de escriba louco, é preferível ler e escrever mal do que nada ler ou escrever. Imaginem que a partir de hoje só escreviam os bons. Era o bom e do bonito vê-los sem leitores. Bem, sempre se podiam ler uns aos outros aqui no Luso: o Génio A lia o Génio B e comentários “népia”. Os bons não comentam, dizem apenas um olá sobranceiro de vez em quando. Que gozo! E as editoras de vão de escada, aquelas que nos obrigam a pagar as edições, com os seus ases de escrita, à frente das secretárias empilhadas de quinquilharias sem interesse para publicar? Essas faliam. Mais gozo! E os senhores professores, as livrarias, o que faríamos com estas classes se não houvesse os incultos para aprender?

Mas nem tudo é real neste texto, e sendo assim com a verdade de Pessoa vos entrego em mãos esta referência nacional da poesia:

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

Também eu estou para aqui a fingir um monte de coisas que sinto…

Meus Amigos, muito obrigado pelo carinho das vossas leituras ao longo destes 100 escritos. Para os novos, aqueles que estão a entrar no Luso, o conselho que vos dou é beberem da fonte do Luso: quanto mais depressa ficarem loucos, mais depressa ficam iguais aos que por aqui andam, e começam a ganhar o gosto aos comentários e leituras. E não se esqueçam de me deixarem muitos beijinhos e abraços nos textos, eu gosto! E não quero saber se é pimba.

Abraço Genial (100)

JLL
 
100 – Carta aberta de um amador das letras

O Luso Poemas é Grande Pasto

 
O Luso Poemas é Grande Pasto
 
O Luso Poemas é Grande Pasto

Àqueles que gostam que os outros dêem nome aos bois, na sua maioria costuma não agir com propaga.

Uma manada de bois – seguida por algumas vacas – anda a infestar o site com a podridão que tem dentro de si e espalhar como praga suas imundícies bovídeas, que só ampliam a cada instante o Buraco da Camada de Ozônio.

No site-pasto ver-se de tudo. Todos têm direito a livre mugido e expressão, o que não significa livre opressão de algumas manadas sobre outras ou de manadas sobre certo boi ou vaca.

O grupo contra a letra maiúscula e pontuação encolhe-se nas minúsculas, mas tem as mãos prontas para tacar uma vírgula, ponto de exclamação ou interrogação, ante as mínimas reticências de quem ousa (e no geral) escreve melhor que si.

Há quem escreva português e quem escreva brasileiro, por que o tal Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa ainda não chegou (chegará?) a esse pasto dito literário.

Na escrita há gado brasileiro travestido de português e português de brasileiro. Esses enganam a si próprios e as suas raízes para aparecer. Por um naco da atenção - daqueles que se julgam os touros da literatura - mugem até com sotaque diferente. Mas, não se enganem: pela pata se conhece a vaca (ou bovino)!

by Betha M. Costa, vulga Crazy Cow.
 
O Luso Poemas é Grande Pasto

DUETO BEIJA- FLOR76 & ANA MARTINS

 
Poupa-me aos teus joguinhos de palavras e aos teus clichés de algibeira rota. Preserva-me do teu ser excessivamente pensado que não se equilibra. Deixa que o teu corpo esferográfico me desenhe na pele os poemas de raiva que não escreves, e que de uma desgraçada vez deflagre em nós este desejo ferino que nos une e nos separa na intermitência fervorosa da nossa pele.
Sente-me folha de papel e silencia no meu corpo as tuas inquietações, planta no meu ventre a raiz dos teus medos e verte em mim teu raciocínio liquefeito. Se calares esses pensamentos histéricos, verás que no eco da tua insatisfação sombria resta apenas o respirar de dois corpos. Exaustos.
Este é o grito que não sabia ser capaz de rasgar. Irrompe-me pelas artérias sangue pulsante em ânsias de ti. Não me remetas à fragilidade de um vidrinho de Murano susceptível de quebrar a cada gesto teu. Sente-me. Olha-me com o enlevo a que debalde renuncias. Deixa que as tuas palavras brotem em êxtase por entre as ervas daninhas do teu desassossego.
O marasmo incipiente dos inexpressivos dias cinzentos, fenece a cada frémito de desejo que desabrocha na minha pele, e com aliviosas nuances, este torpor inesperado liberta-me das amarras do azedume que exangue vai dando tréguas aos dias que me atravessam. Não deixes que retorne à concha onde me fiz cinza e acre, e dos meus dias noites de savana sem luar.
Encara a mais premente realidade que se desnuda perante o teu olhar fugidio e inquieto: há uma mulher que acorda em mim. E com implacável disposição para pagar o preço da desilusão, para sofrer as lástimas e as penas dos sentimentos vindouros, deponho o meu escudo de indiferença e, rasgados os véus do pudor e da descrença, assumo e enfrento este querer desejoso de ti.

Não me condenes numa mecânica encravada e lancinante, emanada pela fervura vinhesca e agre das percepções, sabias-me reticente nos minados campos do douto amor, derramando em gorjeios de insegurança, toda a seiva envenenada do meu pródigo passado.
Queria tatuar-te as noites da solidão, encharcar-te os dias das incertezas, deitar-me nu e entorpecer quieto no leito morno do teu coração, apesar da dose exacerbada de passado, que me amarrava sem lamento.
Ainda sinto em mim, o eviterno desejo de me ser em ti, cruzando-te os mares da tez rosada, atracando-me de cansaço, em teu porto seguro. Este desejo exequível, irrompe impertinente, me esgaça as dúvidas sombrias do teu olhar, e pede-me que busque no teu corpo a perfeição.
Só hoje senti veemência em tua voz paulatina, abrindo portas e janelas, escancarando o meu mundo de muralhas e defesas, tombando as ameias indisciplinadas do meu casto orgulho, só hoje saboreei o brilho mais cadente e pueril do teu olhar...
Quero-te folha de papel, sim, no silêncio auspicioso de dois mundos, na consumação secreta das palavras mudas, deixa ressoar em mim o vibrar garrido do teu fértil solo, terramoto de loucura exausta na junção elementar da consumação final.
Silenciados os gritos da revolta, resta apenas o respirar isento de dúvidas entre dois corpos acabados de nascer.

Meu querido Amigo, agradeço-te este momento único de partilha. Um beijo enorme!
 
DUETO BEIJA- FLOR76 & ANA MARTINS

SOU MULHER, “Dá licença enquanto masturbo-me...”

 
Aprendi que amores sofríveis não são “carma nem destino”, são escolhas decorrentes de carências, entre elas, as afetivas...
Aprendi a negociar com o amante tempo, ele me oferece fidelidade, em troca permito que me consuma.
Aprendi que a solidão é companhia melancólica, mas não é desamparo.
Aprendi que é preciso entender a diferença entre prestar contas e dá satisfações.
Prestar contas é anulação pessoal, dá satisfação é apenas satisfazer a união.
Aprendi que é preciso sempre lustrar as mascaras de fortalezas, alegrias, e seduções,
Aprendi a reconhecer e lutar contra minha feminina bagagem de imagens caricaturadas de subordinação, inferioridade, passividade, obrigações estabelecidas
Aprendi a entender a diferença entre sensualidade e vulgaridade, sexualidade e pornografia e a importância da igualdade dos orgasmos.
Aprendi que sexo vai alem de uma penetração consagrada, é amor, troca de carinhos e carícias
Aprendi que as mulheres carregam nas costas a eterna pseudomissão de mostrar-se “boas e puras”
Aprendi que a legitimidade da mulher está na sua eterna e constante busca de fazer valer sua identidade.

Lufague
*************************************************************
 
SOU MULHER, “Dá licença enquanto masturbo-me...”

O meu Luso do mês de Agosto é António Paiva

 
O meu Luso do mês de Agosto é António Paiva
 
“António Paiva, nasceu a 21 de Março, de 1959, em Santo André, Vila Nova de Poiares, uma vila situada entre a Serra da Lousã e o Rio Mondego. Cresceu na aldeia do Travasso, concelho de Penacova. Uma aldeia isolada na época, a estrada que a servia terminava na própria aldeia, sem ligação à sede do concelho.
Por lá estudou e pastoreou até à idade de 18 anos, a partir daí foi para a cidade de Coimbra, onde prosseguiu os estudos e iniciou a sua vida profissional. No ano de 2000 decidiu rumar à bela ilha da Madeira, onde reside actualmente.
Apesar de a escrita o acompanhar desde muito cedo, só em finais de Agosto de 2006, surge a publicação do seu primeiro livro de poemas, “Juntando as Letras”. Em Maio de 2007, é editado o seu segundo livro, “Janela do Pensamento”, uma compilação de poemas e prosa poética. Quase a terminar o ano, em Outubro de 2007, nasce mais um livro de poemas e prosa poética, intitulado “Navegando nas Palavras”. No ano de 2008 fez parte de um grupo de onze autores, que lavraram e assinaram as páginas do livro, “Leituras Soltas”, uma edição conjunta da Fnac e da editora “O Liberal”, lançado a 13 de Dezembro, tendo o total da receita das vendas revertido a favor da AMI e do Rotary Clube do Funchal. Em Dezembro de 2007, O Instituto Brasileiro de Culturas Internacionais, confere-lhe o Diploma de Honra e Mérito ao Escritor. Os livros “Juntando as Letras”, “Janela do Pensamento” e “Navegando nas Palavras”, para além da poesia e da prosa poética, têm um outro denominador comum, que muito orgulha o autor. Angariam fundos para instituições, que apoiam e acolhem crianças carenciadas e em risco. Aldeias de Crianças SOS de Portugal, Acreditar – Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro, Núcleo Regional da Madeira e Ajuda de Berço, instituição que acolhe crianças em risco dos 0 aos 3 anos de idade.
Em Abril de 2009 é editado o seu primeiro livro exclusivamente em prosa "Pedaços de Vida e Fantasia".
António Paiva conta já com um considerável número de escolas visitadas, no Continente e na Ilha da Madeira. Fomentar o gosto pela leitura e pela escrita, junto dos mais jovens, têm-lhe proporcionado dos mais gratificantes momentos na sua vida, quer como homem, quer como escritor. Sendo por isso, uma actividade que procurará intensificar, e tudo fará para responder afirmativamente, a todas as solicitações que lhe forem endereçadas nesse sentido.”

" Tenho as minhas hesitações, passo a vida pendurado no instinto, passo tempos infinitos ansioso e febril, outros completamente desligado, reconheço que sou portador de algum egoísmo, gosto de pentear luares e recordações.”

"Uma vida não se justifica pela justificação dos actos, tão pouco dos factos. Um processo de aprendizagem permanente, onde as palavras se defendem do orgulho. Nos extremos, a dor coabita com elas e com a vida. Às vezes nada as distingue do silêncio, são apenas uma forma de o suavizar. Nelas respiro e me abrigo; as minhas mãos movem-se obedecendo ao meu pensamento, pela força das palavras. Convém lembrar que um coração tem duas faces, é a morada perfeita para a inspiração de um caçador de palavras".

António Paiva revela-se ao leitor como um escritor multifacetado que vive fascinado pela magia das palavras, ávido de conhecimento, introvertido, altruísta e modesto. Posto este manancial de talento e sensibilidade, a minha escolha para o Luso-Poeta do mês de Agosto recaiu, conscientemente, num escritor de inegável e reconhecido valor literário ao mesmo tempo que num homem solidário e detentor de uma rara grandeza humana.

- A fim de te podermos conhecer um pouco melhor talvez nos possas falar um pouco da tua profissão e de como habitualmente decorre o teu dia-a-dia.

- A minha actividade profissional tem sido enriquecedora e variada, aos 18 anos de idade entrei para a Portugal Telecom, ao mesmo tempo que prosseguia os estudos, aos 22 anos já liderava um grupo de vinte pessoas, todas elas mais velhas do que eu. Depois de 14 anos na Portugal Telecom, saí para exercer funções de director comercial na ASP Telecomunicações. A vontade de querer conhecer outros ramos de negócio, levou-me até à Vila Azul Propriedades, uma empresa do norte onde fui director comercial. E, porque novos desafios são para mim um estímulo, entrei para o Grupo Jerónimo Martins como director de lojas. Voltando a exercer a função de director comercial no Grupo Machados, empresa da Região Autónoma da Madeira. A minha actividade profissional sempre me deixou pouca, ou quase nenhuma disponibilidade, para me dedicar aos sonhos e à minha paixão – a escrita. Daí que, há cerca de 3 anos decidi mudar o rumo das coisas, passando apenas a colaborar em regime de prestador de serviços com algumas empresas, o que me permite ter mais tempo disponível para a escrita, e para actividades a ela ligadas. O que faz de mim uma pessoa mais feliz e realizada.

- Com qual dos géneros literários te identificas mais, poesia ou prosa?

- Esta é uma questão que me tem sido colocada diversas vezes, ao que eu invariavelmente respondo; identifico-me com a escrita. É que, ambas as formas de criar me seduzem de igual modo, ao ponto de; lhes dedicar um amor despudoradamente sério. Ou ainda; às palavras tudo darei, até a minha vida, a minha morte não serve a ninguém, por isso a guardo para mim.

- Na tua biografia sobressai o teu lado humanitário. Cresce em ti a vontade de aliares a tua escrita às necessidades daqueles que são mais vulneráveis. Em que é que o teu contributo a determinadas causas sociais contribui para o teu crescimento como escritor e ser humano?

- O meio onde cresci foi uma escola que me preparou para a vida, tratando-se de um meio rural onde a grande maioria das pessoas eram pobres ou remediadas. Havia um grande espírito de entreajuda até nas lides do campo. Quem tinha alguma coisa partilhava com quem tinha menos ou nada. Isso marcou a minha personalidade sem dúvida.
Exercer a Cidadania na sua plenitude, entendo-o como um dever de cada um de nós. E irrita-me observar que tanta gente escreve e fala sobre as misérias e dificuldades do seu semelhante, mas na prática nada fazem. Têm muita pena dizem – como eu tenho tanta pena da pena deles – melhor fariam se estivessem quietos e calados. Ninguém precisa de pena, muitos necessitam isso sim, da nossa solidariedade activa e efectiva. Sobretudo os que não se podem defender por si mesmos – as crianças. E, tudo o que eu possa fazer ou faça nesse sentido, será sempre muito pouco e, para além disso não faço mais do que o meu dever. A verdade é que têm sido as crianças me mais têm ensinado a crescer como ser humano, e ao mesmo tempo me ajudam a corporizar o meu sonho de escrita.

- Conta-nos como te surgiu a ideia de lançares o repto aos empresários para que associassem as suas marcas aos livros e à cultura e como a “Vinícola Castelar” resolveu acatar a sugestão e transformar em rótulo do novo vinho Regional das Beiras a capa do teu livro “ Pedaços de vida e fantasia”?

- Isso é algo em que acredito convictamente, aliás; os países mais desenvolvidos, os países onde se registam os índices mais elevados de produtividade e criação de riqueza, são aqueles onde os governos e as empresas investem a sério na cultura e nas artes. E, entendo que em momentos como os que agora vivemos, são a melhor altura para dar passos decididos nesse sentido. No final de 2008 lancei esse desafio em Anadia, a Vinícola Castelar decidiu aceitá-lo, na minha opinião foi uma decisão extremamente inteligente, não tardará por certo a colher frutos dessa decisão. Espero sinceramente que outros lhe sigam o exemplo.

- Um menino da serra que conhece o mar aos 12 anos. Esse fascínio e deslumbramento pelo mar em que medida esteve mais tarde na base da tua escolha por residir na Ilha da Madeira?

- Não tenho consciência formada sobre isso, no entanto o mais certo, é que esse fascínio e deslumbramento que continua em crescendo dentro de mim, esteja na base dessa decisão, a Madeira é uma ilha que conheço há cerca de 30 anos, tenho assistido à sua evolução e transformação, no entanto a sua beleza e essência continuam vivas e apaixonantes. Desde a primeira vez que pisei este chão rodeado de mar, que senti o desejo de o habitar a tempo inteiro. Até que no ano de 2000, tomei a decisão de fazer as malas e cá estou até hoje, plenamente satisfeito e feliz com a minha decisão.

- O teu próximo livro “ 70 poemas por um sorriso” foi concebido a pensar numa causa que apadrinhaste com muito carinho e sensibilidade. Podes falar-nos desse livro e o porquê da escolha da APPACDM de Setúbal, enquanto Instituição que apoia crianças e jovens portadores de deficiência mental?

- A causa é muito mais importante que o livro, e do que eu. Sobre o conteúdo do livro não adiantarei nada, isso é uma tarefa que caberá aos possíveis leitores. A ideia e a escolha da APPACDM de Setúbal, nasceu de alguns contactos que tivemos a propósito de outras iniciativas de escrita. Poder alcançar mais este objectivo, é extremamente gratificante para mim. Claro que, este projecto só foi possível, graças à extrema generosidade de algumas pessoas e empresas. Refiro-me Ao Sr. José Paiva, que não sendo meu familiar, fui carinhosamente adoptado como amigo pela sua família. A Helena Paz, que emprestou o seu talento e arte na pintura, criando numa tela a óleo a pintura que será o rosto do livro. A empresa Lusis, Lda., a Editora Reditep, Lda. e a Gráfica Linkprint, Lda.
Posso assegurar que o resultado final é um trabalho gráfico e editorial de excelente qualidade. O livro será comercializado a um preço extremamente acessível, o que permitirá alargar o leque de pessoas que o poderão adquirir, podendo desse modo ajudar a APPACDM de Setúbal, a ultrapassar as dificuldades quotidianas vividas por instituições que se entregam a ajudar a sociedade atenuando dramas e carências.

- Se te perguntassem qual o teu livro, filme e música favorita, conseguirias eleger entre muitos?

- Livro favorito, é quase uma violência para mim, escolher um livro como favorito, no entanto deixo como uma referência incontornável das minhas leituras, o Livro do Desassossego, de Bernardo Soares.
- Filme Favorito, de novo, de tantos e bons filmes com que já me deliciei, sonhei e cresci, atrevo-me a colocar em evidência Fuga Para a Vitória, se já o viram compreenderão porquê, se não, vejam e estou certo que compreenderão.
- Música favorita, a música sempre me acompanha, sobretudo nos momentos de escrita, destaco no entanto As Quatro Estações, de Vivaldi.

- Qual o papel da Luso-Poemas na divulgação do teu trabalho?

- Curiosamente esta nomeação coincide com o mês em que faço 2 anos como utilizador deste site. Como já disse em tempos, em determinados momentos este espaço funciona para mim como um “laboratório”, um veículo para chegar a pessoas que possivelmente não chegaria. Por aqui tenho criado alguns laços fortes, tenho consolidado as minhas opções sobre o que quero ser, e também definitivamente, sobre aquilo que não quero mesmo ser.

- Quem sugeres para poeta do mês de Setembro?

- Como a regra que me foi transmitida diz que o homem escolhe mulher, e a mulher escolhe homem.
Eu escolho Maria Verde, e se ela aceitar a minha escolha, ficarão a saber porquê.

A ti, fico-te grato pela oportunidade e pela tua coragem.
Um abraço de estima a todos os que sabem estimar e cultivam a estima.

Maria Fernanda Reis Esteves
49 anos
Natural: Setúbal
 
O meu Luso do mês de Agosto é António Paiva

Tribos de Escritores de Sites da Internet (rebostagem - ¬¬)

 
Tribos de Escritores de Sites da Internet (rebostagem - ¬¬)
 
Imagem Google

Tribos de Escritores de Sites da Internet (rebostagem - ¬¬)
by Betha Mendonça

Esse não pretende ser um trabalho científico.É fruto da observação desta amadora presunçosa sobre a diversidade, boa em qualquer ramo da atividade humana, nos sites de literatura na grande rede.

Na escrita onde as matérias primas dos textos são imaginação, conhecimento e criatividade; a heterogeneidade de padrões, pensamentos, atitudes e outros são excelentes fontes de aprendizado. Tentarei dar face a alguns desses grupos ou tribos:

Religiosos – têm fé exacerbada e inabalável.Falam de crença, luz, esperança. A graça Divina e os poderes no Ser Supremo estão de alguma forma presente nos seus trabalhos que enchem os olhos e coração de quem os lê de paz.

Góticos – costumam usar avatares assustadores e/ou deprimentes.São profundos. Dizem das mazelas do nosso interior e da humanidade. Transitam no céu e inferno, na crença e descrença com a velocidade do Trem Bala. Suas obras, em alguns despertam consciências adormecidas, em outros (mais sensíveis) o desejo do suicídio imediato, que é controlado com a leitura dos escritores religiosos.

Comadres – são flores de criaturas. Falam da natureza, de sentimentos e sensações femininas. Aos mais letrados soam piegas e sem nenhum talento.São literalmente amigas do peito.De vez em quando têm umas rusgas seguidas de pedidos de desculpas e lágrimas.De tanto que distribuem carinhos e beijinhos entre si, nem são consideradas escritoras por alguns de seus pares que acham que essa Tropa deveria estar em sites de relacionamentos e não de literatura.

Intelectuais – escrevem como em hieróglifos.Suas letras são complicadas, com teor carismático, metafísico, difícil ao entendimento dos reles mortais.Só eles e sua inteligência acima da média conseguem compreender e discorrer sobre suas grandes obras. Não ousam sujar seus literatos olhos em trabalhos, que segundo sua ótica e medida ,não possuam pelo menos dois dedos de profundidade.Alguns têm cocientes de inteligências, sapiência e egos tão grandes que deveriam abrir sites de literatura só para eles. Nesse seleto grupo também existem os compadres que fazem entre si homenagens em formas de versos e prosas.

Novatos – são escritores que vão do medíocre ao mais puro brilhantismo. Chegam com suas letras onde já existem tribos antigas e mesmo que escrevam um texto no nível de grandes autores da literatura mundial têm leituras que não atingem nem dois dígitos. Depois de algum tempo engrossam um dos grupos já formados e vêem chegar outros que passarão pelas mesmas provações.

Populares ou Estrelas – de tão famosos no sítio na maioria das vezes nem precisam escrever um “A”. Postam um espirro e explodem o contador de acessos! Têm números espetaculares de comentários a dizer sobre o quanto o espirro é importante para limpeza da árvore respiratória, de quanto foi rítmico, belo e bem colocado aquele espirro. Alguns se emocionam e vão às lágrimas.

Ainda existem outros agrupamentos: os omissos, os mureiros, as fifis... Que são tão importantes dentro do contexto de um sítio literário internético quanto os já citados e serão matéria de outro ensaio.

Aos que se perguntam como ela pode ser tão crítica e pretensiosa, e, vir aqui “catalogar” estilos e pessoas?
Simples: olhei para dentro de mim e encontrei no meu interior um pouco de cada um deles e delas!
 
Tribos de Escritores de Sites da Internet (rebostagem - ¬¬)

o resto são passarinhos

 
por vezes imagino o quão inútil é o meu conhecimento e meu desejo de conhecimento, e o conhecimento dos outros e o desejo de conhecimento dos outros. e imagino que não há nada entre a vida e a morte além disso mesmo, vida e morte, morte e vida, todos os dias e em todas as eras o mundo se resume nessas três palavras, vida e morte, e que me tornam quem sou até que eu parta e reste de mim apenas o que se souber de mim. não o que penso, mas o que pensam que penso, não o que sou, mas o que pensam que sou. e o que sou, de fato, além do que pensam que sou?

mas depois de idos os pensamentos sobre mim, não restará nada além de um corpo se putrefazendo, um bando de ossos baldios num saco de lona junto com outros ossos baldios, que muito provavelmente pertenceram a ditos parentes meus que serão esquecidos antes de mim, ou assim espero.

e pensar que tudo o que eu quis dizer ao começar a escrever era que você estava linda naquela tarde em que passeamos de mãos dadas rumo ao nada mais que passear de mãos dadas. e pensar que eu tinha tanto medo que o tempo chegasse, e agora só peço que passe, mesmo que eu morra antes de ver o sol nascer em seus olhos, e ver morrer a última flor da noite todas as noites quando você dorme e põe em mim todos os meus medos de anos atrás.

e pensar que poderia resumir tudo isto num poema insípido e completamente equivocado daqui a uma semana, mas que sempre traria nas vírgulas uma marca em cera abrasoando o quanto te amo, e a saudade que tenho do dia em que passeamos de mãos dadas e você acaba de dormir com a cabeça em meu colo, sabendo que mais tarde te levarei nos braços com todo o cuidado para que você não acorde num presente em que outro te segura nos braços e que o meu maior medo é que este não saiba te manter segura. mas isso já passou. o resto são passarinhos.
 
o resto são passarinhos

Os Poetas Do Luso Na Festa De Halloween

 
A noite de Lua Cheia prometia calafrios de medo, quando cheguei ao castelo mal assombrado do TrabisDeMentia, fantasiado de Conde Drácula, com gel no cabelo, e os caninos pra fora, terno preto e uma capa preta de fundo vermelho, com os olhos arregalados (ele tirou o óculos e colocou lente...rs), recepcionando todos os poetas do Luso-Poemas para sua festa de Halloween.....hohohoho!

Mil Demônios! Os poetas do Luso estavam irreconhecíveis com suas fantasias de terror!! O pessoal da administração, Valdevinoxis, Godi, Vera Silva, Paulo Afonso Ramos, Pedra Filosofal chegaram num bloco (tipo de carnaval) fantasiados de preto com a máscara do Pânico na cara e o pedido de demissão na mão, deixando o Conde Drácula Trabis querendo sugar o pescoço de todo mundo na festa!!! Que horror!!

Depois chegou a madrinha da festa, a Luso do mês, a poeta Ibernise fantasiada de Abóbora do Halloween, num vestido laranja luminescente, que se destacava mais que todos, com seu brilho e sorriso, como quem diz: - Cheguei!!!

A música ao fundo era de terror, saída de um imenso orgão de três tubos, dedilhado por José-Ruda fantasiado de Dom Casmurro. Conforme eu ia entrando na sala, cheia de teias de aranhas e morcegos voando, reconhecia mais amigos do Luso. O José Silveira estava de chapéu preto, tipo o “Homem da Capa Preta”, declamando seus poemas em cima de um palco para várias poetisas fantasiadas de bruxas, entre elas a Betha, a Vóny, a Karla Bardanza, a Nanda, a Fatinha Mussato, a LuisaMargarida, a Roque Silveira e a ConceiçãoB, que levantavam sua vassoura em sinal de alegria!!! A Marlise, vestida de Anja de asas negras e vestido vermelho, jogava água benta em volta do palco.

Do outro lado da sala estava o poeta sedutor Alberto da Fonseca, fantasiado de Homem Morcego, com sua língua pra fora, querendo lamber a caçarola que estava em cima da mesa, onde estava toda a comida da festa. De repente, o Antonio Paiva, fantasiado de Diabinho Vermelho, deu um susto nele, cutucando-o com seu tridente afiado. O Alberto olhou pra ele, sorriu e apertaram as mãos. Quando o poeta LuisF, escondendo sua face com um capuz misterioso, se aproximou dos dois e perguntou meio desconfiado: Vocês são meus amigos??

Outras poetisas estavam dançando um rock estilo gótico no meio da sala: a Ledalge, fantasiada de Salamandra vermelha, com asas pra voar até seu amado, a protetora da fogueira da festa:; a Carolina de diabinha num vestido justíssimo de cetim vermelho; a Eliana Alves de Mulher Vamp e sedutora: a Glória Salles de óculos escuro num vestido roxo de cetim, com uma rosa vermelha na mão: a Zélia Nicolodi de Anjo Negro, com asas enormes nas costas; Ângela Lugo de Mulher Aranha e meia de arrastão e bota preta de verniz; ROMMA parecia uma Deusa da Grécia antiga; Vania de vestido de oncinha; todas dançavam no mesmo ritmo numa coreografia sensual.

Os amigos poetas ficavam em volta observando: Alemtagus, estava fantasiado de Príncipe das Trevas, com um cavanhaque misterioso e mostrava suas cartas que nunca enviou para Margarete, fantasiada de Mulher Gato, com um macacão colado no corpo, lambendo suas garras de vez em quando. O caopoeta ficava pelos cantos, com lentes brancas nos olhos, encorporando um fantasma.

De repente, alguém gritou: - O José Torres sumiu!! Ele estava fantasiado de Gasparzinho e ficava voando por cima de nossas cabeças, com a Maria Cura pra lá e pra cá, até que saiu pela janela e não apareceu mais, até o lançamento do seu último livro.

Enquanto isso, na biblioteca do Conde Drácula Trabis, estavam os intelectuais da festa: Henrique Pedro, fantasiado de Homem Esqueleto, mas não fez dieta; Jessé Barbosa de Zé do Caixão com unhas postiças, cartola na cabeça e capa preta; JSL com a bandeira do seu novo Partido, fantasiado de Zorro e sua espada de prata; Amandu de Padre Exorcista e água benta; o Júlio Saraiva fantasiado de Nero e escudo na mão: o Improvável Poeta de Bruxo Druida; Q14 de Cavaleiro do Apocalipse Now; Batista de Corvo; Luis Nunes e Bruno Villar abafaram com sua fantasia de “Tropa de Elite”; o fogomaduro veio a caráter com sua fantasia de Homem-Chama, investigando se tinha alguém plagiando sua fantasia...e a Sandra e a Amora se vestiram de dupla sertaneja, pois foram contratadas pelo Trabis, para cantar na festa. A Alexis estava fantasiada de secretária do Trabis, ficava anotando tudo o que todos falavam.

Quando as doze badaladas “ noturnicas “, começaram a tocar no relógio enorme e antigo de madeira no canto esquerdo da sala, o freudnaomorreu saiu de um sarcófago em pé do lado do relógio, fantasiado de Múmia e com um cheiro horrível de enxofre.

As fadinhas da festa serviam os convidados, todas vestidas de borboletinhas coloridas: Liliana Maciel de rosa; Cléo de laranja, Felicity de azul, MariaSousa de verde-água, Rosa Mel de amarelo; Rosamaria de violeta; Fhatima de dourado; Claudia Guerreiro de prateado; Maria Verde de carmim-cintilante; Fly de lilás; “ci” de vermelho; Sonia Nogueira de azul-marinho; Rosafogo de cobre. AnaCoelha estava de Sininho ao lado do Peter-Pan glp.

Duas convidadas lançaram seu livro na festa: Vanda Paz, fantasiada de Morticia, com uma peruca preta e uma mecha branca, trazendo “as brisas do mar” em suas mãos; Mel de Carvalho fantasiada de Madame Butterfly trazendo “no princípio era o Sol” em suas mãos. Enquanto isso, na porta do banheiro feminino, Avozita fantasiada de Maria Antonieta, "A Louca", estava entregando maçãs vermelhas para as moças sedutoras da festa, entre elas, HorrorisCausa fantasiada de Índia da Amazônia, com o arco e flecha na mão.

Engraçado foi ver o poeta Edilson José chegando na festa, fantasiado de “Elvis Presley” e óculos espelhado, dizendo pra todos: - Elvis não morreu, companheiros!!! A Luta continua!! E o poeta Jaber de Batman voando pra todo lado, tentando pegar o Coringa da festa, que surpreendentemente era a fantasia do poeta Carlos Ricardo. Morethanwords vestida de preto, com uma dália negra em seus cabelos, entregava velas vermelhas para os convidados.

Lá pelas tantas da madrugada a poeta Tânia Camargo, fantasiada de Viúva Negra, surtou de vez, pegou todos os seus pertences e foi acompanhada pra casa pelo poeta Gil de Olive fantasiado de “O Homem da Cobra “, aquele que não para de falar um só segundo. Trigo entregava os sobretudos na porta principal, vestido de Mordomo do Vampiro. Haeremai entrava e saia pela porta do palácio, num vestido esvoaçante azul, como se fosse uma modelo de passarela, tranzendo nas mãos A Intemporalidade dos Sonhos.

E, ainda fizeram uma serenata pra Lua Cheia, acompanhada pelos poetas: Carlos Teixeira Luis fantasiado de Fantasma da Ópera; Gyl de Pirata do Caribe; Flávio Silver de Zombie; Antonio Manuel R. Martins de Darth Vader, o vilão negro do filme Guerra Nas Estrelas; Sterea fantasiada de Joanna D’Arc; Quidam de Highlander; “Mim” de Maga Patalógica; Nitoviana de Romeu de Shakespeare e RosaDSaron de Julieta. Todos cantaram pra lua e ouviram o uivar do Lobisomem, que era a fantasia do Lustato.

Mas, no final, sempre tem que ter uma surpresa para deixar a festa inesquecível. O anfitrião Conde Drácula Trabis chamou a atenção de todos, mandou o DJ, que era a fantasia de Xavier Zarco, colocar um tango “La Comparsita” e chamou uma mulher misteriosa que estava no canto da sala, toda de preto, num vestido de fenda na coxa direita, com uma máscara de lantejoulas vermelhas e seus cabelos soltos cobrindo suas costas nuas. Eles dançaram calientemente, deram um show e quando terminou a música, ele inclinou o corpo da mulher, olhou nos olhos dela, aproximou seus lábios nos lábios dela e mordeu o pescoço da mulher, sugando seu sangue....Enquanto todos queriam saber quem era aquela mulher misteriosa, que estava morrendo nos braços do Conde Drácula Trabis, para virar uma Lady Vampira da Lua Cheia.

- Tire a máscara! Tire a máscara! - Todos pediam num só coro. Concordando, ele revelou a identidade da mulher. Todos ficaram em silêncio até quando a poeta Vóny Ferreira gritou:

- Olhos de Lince!!

*dedicado a TODOS os amigos do Luso-poemas, sem exceções, com carinho, com humor e amizade. Desculpe-me por não lembrar de todos, o Luso está crescendo todos os dias. Se você desejar fazer parte desta festa, mande uma PM pra mim, que incluirei seu nome e fantasia.

DIVIRTAM-SE!!!
 
Os Poetas Do Luso Na Festa De Halloween

África, um continente esquecido

 
África, um continente esquecido
 
 
Peço encarecidamente aos colegas que "percam" alguns minutos com essa
verdade..................................

Assista ao mundo que existe além dos muros de sua casa!

Texto Reflexão

FOME é o monstro interno que devora o estômago da criança!
Criança que chora a miséria do mundo desigual, onde o rico joga no lixo o que julga ser nada:
a ESPERANÇA do futuro de milhares de vidas semi-mortas pela descrença em lideres de governos falidos.
Quais sentimentos esses futuros adultos (se chegarem a ser) terão dentro de si?
Poderemos achar a fé em peitos apedrejados pela desigualdade humana?
Vejo a dor latente nos olhos da mãe com seu filho pele e osso, franzino pela fome que o corrói, vejo nos olhos uma pergunta sem resposta:
Será que Deus se esconde nessa hora?
Inúmeros corações questionadores sem saber ao certo a razão da vida ser cruel para uns e “humana” para outros...
Vejo também o homem-bicho aquele que joga resto de vida no lixo!
Tão egoísta, serve em seu prato bem mais do que o corpo precisa.
Dai luz à criança que chora de fome, que treme de frio, que NÃO SONHA!
Sim, a morte dos sonhos é verdadeira morte em vida, ver olhos pequeninos sem o brilho da esperança. Acreditem: São mesmo olhos de criança!
Olhos que gritam: MUNDO EU EXISTO! Não pedi para nascer...
E clamam: dê-me o berço, o colo, o sapato, a comida, dê-me o AMOR!
Aqui no peito de HUMANA e mãe, a revolta grita de mãos atadas...
Em meus olhos uma lágrima gélida em súplica:
-Senhor dá-me motivos para ser poeta!




Caros amigos,
sei que não poderei mudar o mundo com esse "manifesto", mas se conseguir com que as pessoas
que por aqui passarem conscientizem-se ou apenas
parem por alguns instantes para refletir na vida
que levam e às vezes queixam-se sem saber -ou sem lembrar- que de sua porta para fora há um mundo esquecido e sem esperança. Se conseguir fazer com que ACORDEM para esse "mundo" sentirei que cumpri parte da minha missão na vida.
E pode ser que você pergunte a si mesmo:
-O que posso fazer?
Te respondo: Pode orar com fé e ainda dentro de sua casa iniciar a mudança.
Pois se todos nós fizermos um pouquinho, esse pouco somado à tantos outros pouquinhos já será muito.
E agora te pergunto:
Vai sobrar comida em seu prato hoje ou servirá apenas o que seu corpo precisa?
 
África, um continente esquecido

Antiguia: Dicas infalíveis aos nobres comentadores do Luso-Poetas para melhorar a qualidade dos seus comentários.

 
ANTIGUIA: Dicas infalíveis aos nobres comentadores do Luso-Poetas para melhorar a qualidade dos seus comentários.

Como disse Plubius Syrus (ou teria sido o saudoso Dr. Sócrates, o grande boleiro corintiano em alguma roda de samba? Pouco importa...): "Arrependo-me muitas vezes de ter falado, nunca de me ter calado”. Convenhamos: quem quer saber de qualquer forma de silêncio aqui no Luso-Poemas? Não estamos aqui para isso. Afinal, somos escritores sempre com algo importante a dizer guardado logo aqui, debaixo da manga. O negócio então é publicar e comentar.

Mas, principalmente, comentar - a mais freqüente e numerosa forma de expressão literária deste site. – Foi justamente pensando em melhorar esse importantíssimo passatempo da vida dos Lusuários que, baseado nas minhas experiências como comentador assíduo e bem sucedido deste espaço por um bom tempo, humildemente achei por bem dividir minhas conclusões com os companheiros de escrita. São 10 importantes dicas de como se redigir um comentário com propriedade e decoro sem incorrer no trágico risco de ter a opinião devidamente deletada por algum autor - e, ainda mais - partindo-se do princípio que os comentários são a mola mestra que sustenta a criatividade dos Lusuários neste sítio, seja lendo-os ou propriamente comentando, ser incensado à condição de um grande e respeitado comentador do site. Leiam com toda a atenção e aproveitem essas pérolas:

1 – Da importância da ignorância (ainda que falsa): Mesmo seja o seu português castiço e de muitos recursos léxicos, é de muito bom tom distribuir em seu comentário uns poucos erros gramaticais. O motivo é simples: erros reforçam no autor comentado a idéia de que ele próprio é superior em conhecimentos sobre a língua em relação ao comentador. Isso em si já provoca certa simpatia e tolerância. Dois errinhos tais como justapor “concerteza” (um erro muito em voga aqui no Brasil atualmente), ou grafar azia (pirose) com “h” ou trocando o “z” por um “s”, são daqueles tipos de erros muito bem quistos quando percebidos na escrita dos comentadores cuidadosos que aspiram ao sucesso. Pequenos erros de concordância nominal ou verbal naturalmente são bem-vindos.

2 – Das comparações: Jamais compare um poema ou texto lido com o estilo de um grande poeta ou escritor. Isso é tremenda falta de educação com o autor, motivo sério e justo para biquinhos e birras. Afinal, onde já se viu alguém ter a pachorra de identificar os maravilhosos versos dos nossos Lusuários com os versos de um reles... sei lá, só para citar: Fernando Pessoa ou Drummond, por exemplo? Realmente é situação de magoar o nosso prezado autor e com total razão. Todo autor do Lusos é um universo “incomparável” de criatividade.

3 – Da abrangência do texto: Uma conveniente e bem trabalhada dificuldade para se definir o texto comentado aumentará em muito a sua abrangência e poderá causar uma excelente avaliação do seu comentário. Veja o exemplo: “O seu poema tem um quê de nonsense, um extraordinário ambiente emocional que me tira os pés do chão...” Ou seja, palavras que elevam o texto a uma categoria diferenciada, inexprimível, porém, a rigor, dizem absolutamente nada. O bom comentador deve ser mestre nesses artifícios, pois mecanismos como esse permitirão a ele comentar ‘ad infinitum’, apenas variando e combinando uns poucos desses elementos. Aquele que fizer isso bem, jamais precisará repetir o conteúdo de sequer um único comentário e, ao mesmo tempo, sempre terá algo de diferente e indefinível a dizer. Afinal, queremos ser mais originais do que o tradicional “maravilha”, pois não?

4 – Da importância da inexatidão: Nada mais irritante do que aquele comentador que busca exatidão matemática na escolha das palavras para justificar alguma passagem do texto lido. Para que diabos agir assim? Toda compreensão consistente é totalmente desnecessária e até nociva ao comentário. Pior ainda se for fundamentada e real. Há de se entender que, na grande maioria das vezes, nem o autor sabia direito o que pretendia dizer com o raio do escrito. Como poderia um simples comentador ter a pretensão de o saber? Olhe lá: Evite a prepotência e a arrogância.

5 – Das conjunções adversativas: Nunca diga “interessante, mas...” Conjunções adversativas devem ser totalmente banidas de qualquer texto comentado, sob pena de justíssima deleção.

6 – Das perguntas ao autor: Jamais termine uma opinião sua com “você também não acha”? Ai, ai, ai. Erro fatal. O autor não é obrigado a achar nada do seu próprio texto. O texto já é um achado em si. Não coloque o autor em maus lençóis. Por que defender inutilmente as próprias convicções num comentário e ainda por cima buscar alguma explicação com um provocador “você também não acha?”. Um comentário do Luso não é lugar para se pedir posicionamentos, mesmo de maneira sutil. Onde já se viu? Isso beira à falta de escrúpulos.

7 – Da recreação: Desde os tempos do Império Romano qualquer homem de ardil sabe que não é a verdade que segura uma argumentação, mas a recreação. Diversões e pândegos nunca são questionados. Seja leve e divertido.

8 – Das citações: Evite quaisquer tipos de citações de autores consagrados para alicerçar os seus comentários. Soa demais arrogante. Prefira exemplificar com situações cotidianas, tais como “o cachorro da minha tia”, “o gato amarelo da minha irmã” ou “o papagaio do meu primo”. Eis aqui ótimas citações. Lembre-se, quanto menos seres do gênero humano envolvidos na sua exemplificação, melhor, ou seja: diminui o risco do autor se identificar negativamente com algo ou alguém no seu comentário.

9 – Do desenvolvimento de idéias próprias: Não trace paralelos sobre o texto lido com outros textos ou livros, com filmes de cinema ou peças de teatro vistos ou revistos. Importante: Não compare nada no texto lido com os seus sonhos. Comentário não é divã de psicanalista. Ah: não escreva considerações pessoais de cunho universal ou filosófico sobre o tema em questão: texto de outrem não é lugar para você mostrar conhecimento e idéias pessoais sobre o assunto, mas só para enaltecer as idéias do autor. Francamente, advirto: isso é erro primário.

10 – Da sinceridade e dos questionamentos: Por fim, o mais importante: jamais seja escrupulosamente sincero e detalhista a ponto de questionar cada pormenor do texto ou corrigir qualquer impropriedade lógica ou incongruência textual. Sinceridade é coisa para comentadores amadores. Aquele que preza o comentário como um veículo de interação com o autor, diz apenas o que ele precisa ouvir. Lembre-se da velha premissa: uma mão lava a outra.

Portanto, aqui foram elencadas algumas dicas de ouro para todos se darem muito bem na feitura dos comentários, agradando incrivelmente aos autores. Em pouco tempo colherão excelentes frutos se seguirem as recomendações, quem sabe até, ainda hoje. E agora, o que estão esperando? Mãos à obra! Seus amigos autores os esperam de braços abertos... Bons e felizes comentários a todos.
 
Antiguia: Dicas infalíveis aos nobres comentadores do Luso-Poetas para melhorar a qualidade dos seus comentários.

O vestido

 
Já viste os cavalos a correr nas planícies alentejanas ao anoitecer?
O sol a bater na pele deles dá uma tonalidade igual ao teu vestido…

Recuou… como era possível aquela pergunta/resposta?
Retrocedeu no tempo. Aos momentos que ele não conhecia…

Era Verão. Um Verão daqueles que só acontecem nas planícies. Só ali existe a magia própria do dourado ondulante contra o azul insinuante do céu. E quando o sol se põe tudo fica rasgado de vários tons de laranja. Fabuloso. Não… é muito mais do que isso! É tanto que não se sabe dizer…
Ao longe ainda corriam cavalos felizes e brincalhões. Não eram todos iguais. Haviam uns maiores que outros e de cores distintas. A luz do fim da tarde, povoava de raios e sombras a paisagem, qual quadro célebre exposto no melhor dos museus. E os cavalos tinham cores misteriosas e brilhantes que iam escurecendo ao passar de cada minuto.
O silêncio da tarde calma, cantava hinos à paz que sentia na alma. Sentia-se tão frágil e tão forte ao mesmo tempo. Perante a grandeza do espaço aberto e livre, era tão pequena; mas era a sua grande força que lhe dava a paz naquele momento, tão eterno (em quantas tardes de quantos Verões vira o mesmo quadro? Em quantas delas se ouviram as suas gargalhadas? Em quantas delas as lágrimas escorreram indomadas pelas saudades dos que partiram?).

Voltou ao presente.
Que cor é essa? Os cavalos têm diferentes cores que, ainda se transformam noutras, consoante o sol que bate neles.

Que lhe interessava a cor do vestido?! Sabia que para ele, a cor desse vestido era mágica. Tão mágica como os quadros reais que, para ela, eram os mais belos. Isso sim!
 
O vestido

MEU LUSO DO MÊS DE JUNHO É EDILSON JOSÉ DE OLIVEIRA

 
MEU LUSO DO MÊS DE JUNHO É EDILSON JOSÉ DE OLIVEIRA

POETA, HISTORIADOR, PROFESSOR E GUERREIRO.

Edilson José de Oliveira: nascido a 12 de maio de 1972 na cidade de Assis, SP. Filho de Antonio de Jesus e Nair Laureano, caçula de uma "ninhada" de quatro. Aos seis anos de idade muda-se para a cidade de Ourinhos porque o pai foi ser gerente agrícola em uma usina de açúcar e álcool.
Nessa época, o pai o levava para o campo, onde notava o sofrimento dos trabalhadores rurais (cortadores de cana). Cursou o ensino fundamental em escola muito boa, mesmo sendo em tempos de ditadura militar, e, o ensino sendo tecnicista, não valorizava o pensamento próprio, a reflexão, o diálogo, enfim...
Volta para Assis aos 14 anos pelo fato de o pai estar desempregado e a família passar por dificuldades financeiras.
Motivo que o levaria a trabalhar em supermercados como pintor de paredes (gosta de fazer isso até hoje), como ajudante do avô e do tio nas plantações de algodão e de soja.
Nesse ínterim, mais ou menos aos 15 anos, descobre o gosto pela escrita, sempre tratando de questões sociais, pois via o sofrimento dos trabalhadores do campo.
Termina o ensino médio no período noturno.
Momento em que se interessa pelo Punk inglês e sua influência sobre o Punk de Brasília, de São Paulo... Fica bitolado no gênero e depois no Rock nacional dos anos 80 (bandas como Legião Urbana, Plebe Rude e Golpe de Estado passam ser suas referências musicais e comportamentais).
Aos vinte anos começa cursar história na Unesp (Universidade Estadual Paulista), de Assis. Ali transforma-se em socialista convicto. Filia-se ao PT e parte para as "lutas políticas". Porém, se desencanta com a política partidária devido às corrupções que nota, mas nunca deixando de ser político.
Termina a universidade e algumas especializações.
Nessa ocasião (início dos anos 90) torna-se pai pela primeira vez, aos 22 anos, de uma menina chamada Priscila. Casa-se. Há seis anos atrás nasce seu segundo filho, Ícaro.
Hoje trabalha como Professor de História na rede pública de SP e em colégios particulares...
Adora a profissão que não é tão gratificante do ponto de vista financeiro, mas edificante do ponto de vista humano.
Colaborou com alguns textos em revistas universitárias e em livros de alguns amigos.
Espera o momento certo para tentar publicar seu livro, pois só agora acha que está chegando perto de um estilo que considera próprio.
Gosta de futebol (enquanto manifestar-se cultural). Torce pelo São Paulo Futebol Clube.
(Hoje reside na cidade de Assis, SP).

Vídeo: Legião Urbana. Música: ‘Perfeição’. Uma das preferidas e marcantes para o Edilson. Ele a considera o Hino Nacional!
 
MEU LUSO DO MÊS DE JUNHO É EDILSON JOSÉ DE OLIVEIRA

É Errado Tentar Escrever Com Técnica?

 
É Errado Tentar Escrever Com Técnica?
by Betha M. Costa

Livre como o pensamento é a escrita. A não ser que se engarrafe a imaginação e a lance ao mar do esquecimento...

Admiro quem escreve por instinto. O autor (a) joga o que lhe vem à mente em palavras ao papel (ou tela do computador) e ao final apresenta um belo bem escrito texto. Parabéns aos que têm esse dom maravilhoso de escrever apenas com a inspiração e sem transpiração!

Admiro quem se preocupa em saber sobre o que escreve. Quem cuida da ortografia, gramática, procura conhecer os estilos literários. Quem componha por inspiração e transpiração!

Todos estão certos sobre o que querem para si, seus textos e passar aos seus leitores.

Inaceitável é que em um local – que pretende difundir literatura – exista quem exalte a ignorância. Quem ache até bacana desconhecer os estilos literários, por que é "charmoso" mandar às favas essa xaropada toda de "rótulos": prosa (conto, crônica, artigo, ensaio...) ou poema (soneto, rondel, indriso, haicai, poetrix...). Para que toda essa prepotência? Somos todos amadores, não é mesmo?

Ah, bom!... Ser criativo não é ser ignorante. Ser rebelde não é fechar-se ao novo e ao conhecimento, e, de quebra ridicularizar quem sabe aliar com esforço o sentimento e/ou pensamento a técnica.

A liberdade poética, de criação e/ou de expressão é via de muitas mãos. Cada um use seus valores pessoais como lhe aprouver. Que componha como melhor lhe parecer. Contudo, que não seja difundido num “sítio de literatura” que é errado ou careta usar técnica para escrever!Cada qual com seu cada qual!
 
É Errado Tentar Escrever Com Técnica?

mais um ano

 
a minha juventude foi muito agitada. desajeitada e rebelde – gosto de culpar o 25 de abril por todos os males de que padeço. mas não é verdade – o que seria das minhas palavras sem abril? não trocava abril por nada. crescer com a revolução é um daqueles momentos únicos que a vida não repete – sem abril estaria vazio. talvez até vazio de erro – faço parte do erro. agarrei a liberdade sem defesas e acabei por sucumbir ao seu encanto – por ali fiquei a trovar. sem métrica. sem rima e a um compasso que nunca soube acompanhar – agora que envelheci escrevo prosa para sobreviver – estou triste. escrevo – quero desabafar. escrevo – quero respirar. escrevo – quero dar uma sova. escrevo – quero dizer amo. escrevo – quero odiar. escrevo – escrevo para tudo e para mim – escrevo porque quero continuar a envelhecer com as palavras que ainda não escrevi – escrevo para não morrer no meio de um amor não correspondido: a vida – a vida nunca me amou. talvez por não ser poeta. talvez por nunca ter dito que gosto muito de todos aqueles que fazem parte da minha vida – amo-vos. amo-vos. amo-vos. a todos – escrevo para falar – bem hajam
.
.

sampaio rego - 17 de abrli de 2014
 
mais um ano

Já te disse hoje que gosto de ti?

 
Um café! Acordou-me devagar, ainda não refeito de uma noite dormida à pressa. Dei os primeiros passos cruzando-me com pessoas conhecidas, que, alegremente, me davam um inusitado “Bom – Dia”. Respondi a todas com um gémeo cumprimento. Ficou-me a energia, revigorante, das pessoas com que me cruzei!
Meditei… antes nunca tinha pensado nesses pormenores, levava a vida a correr, num contra relógio contra o tempo, o meu tempo, em suma, contra mim.
Deixava passar os minutos, sem reparar neles, apenas reparava em algumas horas porque a sociedade me habituara aos horários preestabelecidos…
Não era eu! Não o verdadeiro eu…
Mas naquele dia, tudo seria diferente, mesmo que o meu exterior não o revelasse, mesmo que o meu rosto não o expressasse, era um dia diferente.
O dia da consciência! O dia que quebrava a barreira das oposições e conseguia entrar na essência do meu Ser, concedido pelos meus semelhantes que comigo conviviam diariamente.
Um café, mais um, para competir com tamanha alegria que sentia. Tinha-me revelado. Finalmente tinha entendido o sinal…o simples sinal de que podes ser tu mesmo se assim quiseres!
De alegria incontida, procurei-te, sim a ti que lês as minhas singelas palavras, a ti e a ele, e a ela, pela mensagem que não cheguei a mandar e pelo telefonema que pensei fazer, pelo e-mail que ficou por escrever, pelas várias possibilidades… mas acredita que te procurei, sei que sentiste essa energia e não ligaste, um arrepio, um vento suave ou um calor passageiro, era eu a tentar abrir a linha da nossa comunicação para te questionar, livre e abertamente, sem malícias ou secretos desejos, sem que fosse preciso uma resposta pronta e composta… e no tempo livre que gastei a viajar pelas pessoas, uma a uma, adornando as suas qualidades, deixei-me ficar aqui, sentado neste banco de jardim, etéreo, de lápis na mão a escrever no meu caderno dos desejos… vezes sem conta a frase repetida na minha mente…
Já?
Já te?
Já te disse?
Já te disse hoje?
Já te disse hoje que?
Já te disse hoje que gosto?
Já te disse hoje que gosto de?
Já te disse hoje que gosto de ti?
Já te disse hoje que gosto de ti? Já te disse hoje que gosto de ti? Já te disse hoje que gosto de ti?
E o meu pensamento, afectuoso, sussurrou ao teu ouvido…
 
Já te disse hoje que gosto de ti?