Textos de humor

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares da categoria textos de humor

Anedota

 
Anedota
Consulta e diagnóstico

Cheia de dores no lumbago
uma senhora foi a um ortopedista
levava a radiografia, ansiosa
para que ele lhe desse uma pista.
O médico de uma simpatia,
e paciência, com voz bem segura
senso, civismo, aconselhava
mui atencioso e linguagem pura.
Ela ouvia muito atentamente.
Como em medicina era uma leiga
recomendações posológicas…
não entendia. Em voz tremula, meiga,
pergunta: mas senhor doutor,
o por quê de todos os meus fadários?
Ele olha-a francamente e diz:
-Aniversários amiga, aniversários!
 
Anedota

Sujou?Lava, que passa!

 
Sujou?Lava, que passa!
 
Não eram carros, mas lá se banharam,

fizeram fila no lava jato, depois já limpinhos

e engravatados deram de cara com um

buraco, muita lama avistaram.

Quanto estrondo! No susto soltaram

flatos!

O problema é que ninguém queria

assumir o ato. Quem seria os culpados?

-Foi ele...

-Foi você que estava ao meu lado...

Até quem não era amigo, deu a mão a

Peppa Pig e no buraco só caiu o barbado.

Que embaraço!

Peppa Pig que estava no auge, pois só se

falava em impeachment, nesse momento

sentiu-se aliviada, até agora parece isenta do

ato!

Será que ela não tem nada haver com o caso?
 
Sujou?Lava, que passa!

Ali Babaca e os 40 Ladrões de Coração

 
Amigo Manu, aquela sua falta do que

fazer me contagiou, resolvi assistir um

filme e deu nisso.

Era para ser uma comédia, mas como sou

romântica...Rsrs

O primeiro me cativou, fui parar no

altar, melhor namorado não havia, foram

tantas flores e suaves melodias, que

casamos rápido, do mel esse provaria.

Em poucos meses, o divórcio, já era

sintonia...

Abre-te Sésamo!

A enorme pedra se movia, mostrando a

entrada de uma caverna secreta.

Ali alguns ladrões babariam!

Depois de algum tempo, eles foram

embora, um a um, com seus sacos murchos.

Fecha-te Sésamo!

Acabou a festa! Ali Babaca descobriu

que a gruta era preciosa, colocou sua

cabeça e seu coração a frente dela.

Muitos ladrões tentaram retornar, mas

não sabiam as palavras mágicas.

Até que um cavalheiro puro de coração

com boas e sinceras intenções que por

ali passava se aproximou e finalmente

ganhou seu coração, tornando-se o dono

do ouro da caverna!
 
Ali Babaca e os 40 Ladrões de Coração

Comunicado/Enterro

 
Comunicado/Enterro

Comunico a todos os amigos, inimigos parentes e aderentes que faleceu minha codorna (Trovão), vítima de poli-traumatismos (esmagado pela porta da cozinha).

O velório ocorre no play do meu prédio, onde meu ente querido jaz num caixa de sapatos Prada coberta de flores do jardim.

O féretro saíra amanhã em torno das dez horas, direto para o gramado do campinho de futebol onde ocorrerá o enterro.

Agradeço o carinho, solidariedade e preces de tantos quanto lerem esse comunicado.

Betha M. Costa.
 
Comunicado/Enterro

VIAGRA ... MEU AMOR

 
Eu não sou um gabarola, ou um fanfarrão mas vou na mesma vos contar a minha vida sexual.
Quando jovem, parece que eu era muito bonito, As mulheres caíam nos meus braços, como a chuva que caía do céu.
Para fazer amor todos os dias, não havia nenhum problema, de tal maneira eu gostava fazer do sexo, que estava apressado de me casar e foi o que aconteceu.
Os anos de felicidade passavam, mesmo muito rápidamente, Mas as belas noites de orgia, com o tempo, elas começaram a se fazer raras, Tenho que dizer também, que os anos avançavam; e ainda para nada ajudar fui operado das minhas coronárias, devido ao tabaco. (Pois é amigos, continuem a fumar e depois serão vocês a vir ao Luso para contar a vossa vida sexual) e assim eu nem sequer me podia cansar. E a ferramenta que todos os oficiais do mesmo oficio têm, começou a enferrujar e a se dobrar em completa apatia, não havia mais orgias!
E um dia á TV, une boa-nova foi anunciada.
Os Amerlocs, tinham acabado de inventar o Viagra, Isso tinha sido uma boa-nova, fantástica!
Estes Amerlocs , são verdadeiramente fortes!!! É verdade, hein?
Antes desta invenção, eu não gostava muito deles, desses Amerlocs, mas agora... bravo!
E eu comecei a gostar deles, não sei mesmo porquê, mas eles são fortes, não acham?
Mas como vos dizia, só de pensar que eu podia recomeçar a baixar as minhas calças para fazer amor, fui obrigado a lhes render homenagem.
Mas que felicidade! Telefonei ao meu Doutor eu queria de urgencia uma receita para ir à farmácia comprar o meu Viágra. Estava apressado, ai que não! com a caixinha mágica no fundo da algibeira, bem apertadinha na mão não fosse eu perde-la, lá cheguei à minha casa.
Desde que abri a porta, gritei para que a minha mulher se despacha-se visto que eu já tinha tomado uma pilula mágica e de um minuto ao outro poderia começar a fazer efeito.
Deitei-me na minha cama, a minha mulher ao meu lado e.... EUREKA!!! o comprimidinho começava a fazer efeito! Trinta minutos mais tarde, comecei a sentir que a ferramenta começava a mexer, ALELUIA!!!!isto fonciona! Olhei para o meu sexo e ele tinha aumentado de... três milímetros , que tristeza! Triste, desolado, desorientado, mas que dizer? mas que fazer?
Minha pobre mulher chorava, que tristeza! Fim às orgias, a vida é estupida! Isto foi duro, quero dizer, o momento, nada de outro!
Vesti-me, fui no dia seguinte visitar o meu médico e contei-lhe o meu desespero.
-Eu não posso fazer milagres, disse-me ele! se o Viágra não faz efeito, eu não posso reparar a sua ferramenta! E pronto as órgias ficaram únicamente na memoria, passou a ser quimera, madrigais!
E esses Amerlocs, recomecei a não gostar deles. Não são que de gente que se aproveitam do mal dos outros, e são mentirosos.
O Viágra? O meu cu! Não é que da publicidade.
Falei com um amigo ( um amigo... amigo da onça ou de Peniche)
e contei-lhe a minha triste estória e disse-me para tomar o Prozac. O Prozac, sim sim, o Prozac!
Ah, bom, isto é que é um amigo! Ele tinha razão, para fazer foncionar a máquina, não é o Viágra que ainda por cima vinha da China.
Para fazer amor... Avant, toute!!! E de vento em popa, entrei na farmácia.
Do Prozac, meu amigo! o Viágra não vale nada!
- Prozac?, caro amigo?
Sim, do Prozac e depois? disse eu todo inchado!...
Porque o Prozac só dá para dormir para se acalmar!
Ah não... impossivel!...fazer confiança aos amigos! eles são como os Amerlocs, todos falsos! São gente que mata e destroi o mundo com as invasões e tudo, não, não, nunca amei estes amerlocs1
Tinha vergonha; entrei em minha casa, cabeça baixa, fui à casa de banho, olhei-me no espelho, olhei bem para aquele vélhote que estava à minha frente e disse-lhe:
Então como é, meu amigo? Tu foste um Don Juan e agora não passas de um Don Quixote
A. da fonseca

P.S. Esta estoria, é uma antecipação ao futuro rsrsrsrs
 
VIAGRA ... MEU  AMOR

HISTÓRIA DE LOIRA

 
Eu escrevo-te algumas palavras para que tu saibas que eu te escrevi. Se tu receberes esta minha carta, isso quer dizer que ela é chegou a tua casa, senão, previne-me, para que eu te envie uma segunda vez. Eu escrevo devagar, pois que sei que não lês muito depressa.
Ultimamente, teu pai leu um inquérito que dizia que a maior parte dos acidentes se produzem apenas a alguns quilómetros da casa e por causa disso, nós decidimos de ir morar um pouco mais longe.
A casa é esplêndida, ela tem uma máquina de lavar mas ignoro se ela está pronta a funcionar.
Ontem meti dentro algumas peças de roupa, puxei a corrente e a roupa desapareceu, ando à procura do modo de emprego.
O tempo não é muito desagradável aqui, a semana passada, não choveu que duas vezes. A primeira durante três dias e segunda durante quatro dias.
Por o sobretudo que tu tanto desejavas, o teu tio Pedro, disse que se eu te o enviasse com os botões, que são pesados, custaria muito caro,então, eu retirei os botões e meti-os numa das algibeiras.
O teu pai encontrou do trabalho, ele tem debaixo dele 500 pessoas, ele passa os dias a cortar a erva no cemitério
A tua irmã Júlia, que se casou há pouco tempo, está grávida mas nós ignoramos o sexo do bebé, é por isso que eu não te posso dizer se tu sras tio ou tia.
Se for uma menina, Júlia, quer que ela se chame como eu, vai ser giro, de chamar à sua filha , mamam.
O teu irmão João, teve um enorme problema, ele fechou a porta do carro e deixou as chaves no interior. Ele foi obrigado a voltar a casa a pé para ir buscar o outro jogo de chaves para podermos sair do carro.
Se por acaso, encontrares a tua prima Mónica, dá -lhe os bons dias da minha parte, se tu não a vires, não lhe digas nada.
Tua mãe.
P. S. Eu queria meter um pouco de dinheiro no envelope, mas já o tinha fechado.

QUE ME DESCULPEM, MAS EU NÃO FIZ QUE TRADUZIR

A. da fonseca
 
HISTÓRIA DE LOIRA

Sete palmos debaixo do chão

 
Sete palmos debaixo do chão
 
Já o chão se abria preparado para o receber
o defunto aceitava a morte de braços abertos
foi preciso fechá-los para os meter no caixão

Acabaram-se as dores de toda uma vida
preferível era a solidão da morte
à falta de lágrimas que advogassem o seu préstimo
foi encomendado o serviço às carpideiras locais

- Ah coitado! coitadinho!
- Toma lá um lençinho (dizia a amiga)
Vai fazer tanta falta à sua pobre família!

E ria-se a viúva por debaixo do véu
Aproximando-se do coveiro perguntou
só naquela, como quem não quer a coisa:

- São só 7 palmos debaixo da terra?
Não podem ser 8?
Não vá o diabo tecê-las e esta noite
ainda me bata à porta!

- Ah coitado! Coitadinho!
Vai fazer tanta falta à sua pobre família!

O quadro fica completo
Vem o padre e dá-lhe a extrema unção.

Maria Fernanda Reis Esteves
50 anos
natural: Setúbal
 
Sete palmos debaixo do chão

DESVENDANDO MISTÉRIOS

 
Da série "Desvendando mistérios" Red 1

SOBRE O NARIZ

* Para que Serve ?
Fungar, coçar, fazer plástica, levar soco, assoar, espirrar, servir de referência para fazer caricaturas, levantar quando fazendo pouco caso, apoiar os óculos, meter o dedo, pingar remédio, bater com ele na porta, fazer ditos, ser chamado de tromba, identificar dotes de bruxa (quando muito grande e torto), cheirar e respirar.

* Origens
A palavra nariz vem da remotíssima língua raamal ou ramaal (até hoje paira a dúvida quanto a localização exata dos dois “a” falada pelos alérgicos arameus, através da denominação naharichtz – o “richtz” deve ser pronunciado como o som de um retumbante espirro proveniente de uma rinite de dois dias. Depois passou para nai-ai-ai-ruzitz por obra do imperador gago Ruzitz III, já então a civilização Graã. Feleneu, portador do menor nariz de monarca que se tem notícia na história, resolveu adaptar o tamanho da palavra ao do seu nariz e os felênicos tiveram que passar a chamá-lo de “nriz”. Daí para nariz foi um pulo. Pulo que passou pelo latim antigo, mais antigo do que o próprio latim – narizae ou narizararum quando referindo-se a dois ou mais narizes dos grandes. Depois veio o latim, o francês, o português, o lenço de papel, a plástica e chegamos à atualidade e eu a uma dúvida: nariz ou “naris”?

Outra versão é que a palavra nariz vem da Gruécia – país precursor da Grécia – através do avantajado nariz da princesa gruega Náriz Guldha, a primeira dama a admitir na imprensa falada (não havia jornal à época) que, quando resfriada, assoava-o ruidosamente. Consta inclusive que ela tinha o corpo muito pequeno para o tamanho do seu nariz.
Bem, vou ficando por aqui, porque já estou metendo o nariz onde não sou chamado.
________________________________________________________
Desvendando Mistérios Red 02 Afinal, o que é jerumenha?

Existe uma cidade no interior do Piauí chamada Jerumenha. Alguns mapas mais detalhados até trazem um pontinho com este nome. Acho que sou dos poucos brasileiros vivos, exceto os ali nascidos ou nas redondezas, que conhecem Jerumenha, o que creio me dá o direito de pensar: além de nome de cidade, o que poderia ser Jerumenha?
Quem sabe uma peça de motor de carro, peça pequenininha, mas fundamental para ele andar. Entupiu a jerumenha, ele pára. Ou então pode ser um adjetivo similar a ruim, droga, porcaria. Quem sabe também uma articulação do quadril perto do ilíaco que é muito sensível, desloca à-toa Além desses significados possíveis, pode-se pensar em outros, tais como:

Dois alpinistas
- Trouxe a jerumenha?
- A juru o quê?
- Vamos, passe a jerumenha, rápido, senão vamos cair.

No médico
- Doutor, ele está com um febrão danado. Acho que pegou foi uma jerumenha braba, estas bolinhas vermelhas...

No safári
- Ontem cacei duas perdizes e três jerumenhas.

Na sorveteria
- Temos sorvete de graviola, fruta-do-conde e de jerumenha.

Na farmácia
- O senhor tem a loção Jerumenha para queda de cabelos?

Em casa
- Meu filho, não fique fazendo jerumenha. Hoje você vai para a escola. Nada de jerumenha!

No sítio
- Vamos de charrete ou de jerumenha?

No bar
- Eu quero uma caninha.
- E eu, uma Jerumenha com gelo.

Na praia
- Que tal a nova namorada?
- Mais ou menos. Beijava legal, mas "tava" com uma jerumenha daquelas debaixo do braço.

No vôlei
- Atenção, meninas, forcem as cortadas na entrada de rede e as tintas para completar com uma jerumenha rápida em dois tempos.

Na livraria
- O senhor tem aí Jemmenha?
- Não, aqui é livraria, a quitanda é ao lado.
ou
- Não, a loja de ferramentas é no andar de cima.

A minha empregada achou isso tudo uma falta de respeito, ficou séria e falou: - Isto não se faz! Santa Jerumenha...

Quantas canoas são feitas com um só pau?
 
DESVENDANDO MISTÉRIOS

O SABER CULINARIO DO CHEFE FONSECA

 
Hoje decidi deliciar-vos com o meu saber culinário.
Desde há muito tempo que me dedico à cuzinha familiar, perdão, cozinha familiar, aquelas velhas receitas que a bisavó da minha bisavó me ensinou quando era miúdo.


Hoje, ovos estrelados

Receita para o dia seguinte.
Prepare uma frigideira em platina. Dentro coloque apenas os ovos, ( quantidade, segundo a capacidade da frigideira e do estomago)
À meia noite, se tiver um jardim ou um espaço livre no exterior da casa, coloque em cima de um banco a frigideira com os ovos dentro e deixe-a a noite inteira a receber a luz das estrelas.
Antes do nascer do Sol, pode ir buscar a frigideira e assim terá os seus ovos estrelados.

Um prato equilibrado

Hoje em dia, estão em voga as dietas culinárias.
A gordura, é um quebra cabeças para e principalmente as senhoras que procuram um prato equilibrado. Pois hoje decidi de colocar à disposição de quem muito bem entender, um prato equilibrado.

Num tacho, coloque cinco rodelas e meia de tomate azul dos trópicos, Uma cebola chinesa importada de Taiwan cortada em quartos, dois decilitros de vinho azedo, vulgo, vinagre, um decilitro de azeite de maçãs da Normandia, três dentes bem cariados de uma velha cabeça de alho, duas asas de coelho macho, ( faça atenção, pois que hoje nunca se sabe) um quilo de batatas fritas congeladas e deixe cozer em lume meio médio.

Enquanto todo o preparado se prepara, trace na sua rua uma linha direita com curvas acentuadas de cinquenta metros de comprimento por dez centímetros de largo ( por favor, respeite bem as medidas)

Entretanto, beba meio litro de um bom Whisky.
Coloque o preparado num prato, coloque este na palma da sua mão ( muito importante, não se esqueça de abrir a mão) e caminhe lentamente sobre a linha traçada préviamente.
Se o prato não cair, é um prato equilibrado.

A. da fonseca
 
O SABER CULINARIO DO CHEFE FONSECA

Fita adesiva

 
Por isso que chinês vai pra frente, você entra numa loja de chinês e você pergunta, tem fita adesiva, mais conhecida como durex? Ele diz: tem, quantos rolos você vai querer, você diz, não eu queria só um pedacinho pra colar o R$ 1, 00 que rasgou. O chinês diz: então não tem, daí você compra a fita adesiva e dá o R$ 1,00 rasgado, ele pega com as duas mãos, e você fica com a fita, pensando...!!! agora quando eu rasgar um dinheiro vou ter com o que remendar... No outro dia você passa na mesma loja e compra borracha pra apagar a burrice que você escreveu, daí paga com R$ 2, 00... o chinês te da de troco o R$ 1,00 remendado com a fita adesiva... e a sua burrice? Vai continuar guardada na gaveta!

By Lucélia Lima
 
Fita adesiva

Insistência x Inabilidade

 
 
Por vezes não redigir um texto torna-se

um mistério frustrante, como se eu

fosse uma donzela acometida por

vaginismo, um garotão surpreendido pela

timidez do falo no momento mais quente

da relação ou uma caixa preta

inviolável.

É como se eu tivesse de mal da caneta e

do papel, é como voltar ao trabalho

após um longo período de recreação.

Bendita Inspiração, volta para mim!

Parece assombração...

Faz uma aparição, durante o intercurso

abro um leque de possibilidades, mas

rabisco e nada. Nada entra, nada sai,

fica mole( calma pessoal, estou falando

da mão que segura a caneta,

insistentemente, tentando lambuzar o

papel).

Imagino alguma situação ou condição

presente ou passada, sinto-me

desconfortável em compartilhar e digo

para mim mesma: hoje minha boca é um

túmulo! Freio no punho! Inabilidade

nada, nem falta de inspiração, hoje o

nome é privacidade preservada!

Hoje estou zen, só na meditação!
 
Insistência x Inabilidade

Diet & Light (Praça da Alimentação)

 
Diet & Light (Praça da Alimentação)
 
Diet & Light (Praça da Alimentação)
by Betha M. Costa

Depois de "bater perna” por três horas no shopping, eu e meu filho fomos dar na Praça da Alimentação.A essa altura eu estava para ter uma cara branca ou siricotico de tanta fome.Onde dava a vista, as mesas todas ocupadas.Pés, aliás corpo todo doído, vi uma lanchonete onde havia lugares vagos e cai na bobagem de dizer:

- Filho, tem lugar ali naquela lanchonete!Vamos pra lá?

- Por favor, mãe!Ficar em lanchonete na Praça de Alimentação? É programa de índio!

- É mesmo?Eu nem sabia que as aldeias indígenas estão tão modernas... Retruquei irônica.

- Ah, a senhora sabe!...Esse é o lugar onde a gente vê e pode ser visto, mãe!Disse abrindo os braços como quem abraça a todas as mesas da Praça.

- Mas...Mas...Eu só quero sentar e comer!
Choraminguei.Não faço questão de ver nem ser vista!

- Eu faço!Olha ali uma mesa vagando!...E o menino correu feito atleta olímpico ao lugar. Por pouco não senta no colo de uma senhora que tinha uma enorme verruga na testa.Instalado e sorridente ele acenava vitorioso me chamando pra sentar.Arrastei-me nos saltos e sentei.

- E aí? O de sempre? Perguntou.

- Sim o de sempre: uma pizza mista brotinho, cheesebuguer com batatas fritas e coca-cola pra cada um.

- Beleza!Deu-me um beijo e foi buscar nossos pedidos.Aproveitei para olhar o ambiente quando ouvi ao meu lado:

- Menina!Não acredito!Há quanto tempo!E dou de cara com uma colega do tempo de ginásio. A mulher linda, magra e ar jovial como uma modelo.

- Nossa! Que bacana!Como tu estás bem!Exclamei com uma ponta de inveja.

- Tu também estás ótima, retrucou com um olhar, que fez eu me sentir uma elefantinha rosa com bolinhas brancas.

- Senta aí que estou esperando o meu filho!
Convidei a contragosto.

- Obrigada!Eu vou ali ao japonês pegar um chá verde pra mim e... Antes que ela terminasse a frase pedi que tomasse conta das minhas coisas. Corri para fila da lanchonete e falei para o Bruno:

- Filho, suspende o meu pedido!Para mim um café expresso com adoçante e água mineral.

- Mãe?A senhora está bem ou a fome devorou seus miolos?

- Garoto eu estou ótima, só não quero que aquela minha colega anorética ache que sou comilona!...

- A senhora É comilona!

- Shiiuuuu!Não repete isso e faz o que mandei! Retruquei voltando para a magricela.

Quando ela ia levantar para pegar o nojento chá verde, surgiu outra colega da mesma época. Graças aos céus tinha aparência normal e sentando com a gente exclamou:

- Garotas!Que bom encontrá-las!

- Puxa! Tu estás muito bem, falou para mim.Tu
mudaste muito depois das cirurgias!Dirigiu-se admirada a magrela.

- Cirurgias? Indaguei com brotoejas de curiosidade.

- Pois é... Ela estava enorrrrrrme! Fez redução de estômago. Com as plásticas e lipos subseqüentes ficou esse espetáculo de mulher.

- Han... Esperem um pouco que já volto!Alcancei o Bruno na vez do pedido:

- É o seguinte: além do de sempre, me trás um sorvete de tapioca!

- Sério?A sua colega vai ver que a senhora é gulosa...

- Também vai morrer de inveja!Com aquele estômago tamanho “pp” não pode comer nem uma batata frita!
Respondi feliz da vida.
 
Diet & Light (Praça da Alimentação)

Depilação - Versão Masculina

 
Estava eu assistindo TV numa tarde de domingo, naquele horário em que não se pode inventar nada o que fazer, pois no outro dia é segunda-feira, quando minha esposa deitou ao meu lado e ficou brincando com minhas "partes".

Após alguns minutos ela veio com a seguinte ideia: Por que não depilamos seus ovinhos, assim eu poderia fazer "outras coisas" com eles.

Aquela frase foi igual um sino na minha cabeça.

Por alguns segundos fiquei imaginando o que seriam "outras coisas". Respondi que não, que doeria coisa e tal, mas ela veio com argumentos sobre as novas técnicas de depilação e eu não tive mais como negar. Concordei.

Ela me pediu que ficasse pelado enquanto buscaria os equipamentos necessários para tal feito. Fiquei olhando para TV, porém minha mente estava vagando pelas novas sensações e só acordei quando escutei o beep do microondas.

Ela voltou ao quarto com um pote de cera, uma espátula e alguns pedaços de plástico. Achei meio estranho aqueles equipamentos, mas ela estava com um ar de "dona da situação" que deixaria qualquer médico urologista sentindo-se como residente.

Fiquei tranqüilo e autorizei o restante do processo.

Pediu para que eu ficasse numa posição de quase-frango-assado e liberasse o aceso à zona do agrião.

Pegou meus ovinhos como quem pega duas bolinhas de porcelana e começou a passar cera morna. Achei aquela sensação maravilhosa!!

O Sr. Pinto já estava todo "pimpão" como quem diz: "sou o próximo da fila!!"

Pelo início, fiquei imaginando quais seriam as "outras coisas" que viriam.

Após estarem completamente besuntados de cera, ela embrulhou ambos no plástico com tanto cuidado que eu achei que iria levá-los para viajem.

Fiquei imaginando onde ela teria aprendido essa técnica de prazer: Na Thailândia, na China ou pela Internet mesmo.

Porém, alguns segundos depois ela esticou o saquinho para um lado e deu um puxão repentino.

Todas as novas sensações foram trocadas por um sonoro PUTAQUEOPARIU quase falado letra por letra.

Olhei para o plástico para ver se o couro do meu saco não tinha ficado grudado na cera.

Ela disse que ainda restaram alguns pelinhos, e que precisava passar de novo.

Respondi prontamente: Se depender de mim eles vão ficar aí para a eternidade!!

Segurei o Dr. Esquerdo e o Dr. Direito em minhas respectivas mãos, como quem segura os últimos ovos da mais bela ave amazônica em extinção, e fui para o banheiro.

Sentia o coração bater nos ovos. Abri o chuveiro e foi a primeira vez que eu molho o saco antes de molhar a cabeça. Passei alguns minutos só deixando a água escorrer pelo meu corpo.

Saí do banho, mas nesses momentos de dor qualquer homem vira um bebezinho novo: faz merda atrás de merda.

Peguei meu gel pós barba com camomila "que acalma a pele", enchi as mãos e passei nos ovos.

Foi como se tivesse passado molho de pimenta.

Sentei na privada, peguei a toalha de rosto e fiquei abanando os ovos como quem abana um boxeador no 10° round. Olhei para meu pinto. Ele era tão alegrinho minutos atrás, estava tão pequeno que mais parecia que eu tinha saído de uma piscina 5 graus abaixo de zero.

Nesse momento minha esposa bate na porta do banheiro e perguntou o que estava acontecendo. Aquela voz antes aveludada ficou igual um carrasco mandando eu entregar o presidente da revolução.

Saí do banheiro e voltei para o quarto. Ela estava argumentado que os pelos tinham saído pelas raízes, que demorariam voltar a nascer.

"Pela espessura da pele do meu saco, meus netos irão nascer sem pelos nos ovos", respondi.

Ela pediu para olhar como estavam. Eu falei para olhar com meio metro de distância e sem tocar em nada!!

Vesti a camiseta e fui dormir (somente de camiseta). Naquele momento sexo para mim seria somente para perpetuar a espécie humana.

No outro dia pela manhã fui me arrumar para ir trabalhar. Os ovos estavam mais calmos, porém mais vermelhos que tomates maduros.

Foi estranho sentir o vento bater em lugares nunca antes visitados. Tentei colocar a cueca, mas nada feito. Procurei alguma cueca de veludo e nada. Vesti a calça mais folgada que achei no armário e fui trabalhar sem cueca mesmo.

Entrei na minha seção andando igual um cowboy cagado. Falei bom dia para todos, mas sem olhar nos olhos.

E passei o dia inteiro trabalhando em pé com receio de encostar os tomates maduros em qualquer superfície.

Resultado, certas coisas devem ser feitas somente pelas mulheres. Não adianta tentar misturar os universos masculino e feminino.

recebi este texto no meu e-mail. Não sei quem foi o autor dele, mas está muito bom mesmo. Ainda não consegui parar de rir...

Quem é homem suficientemente macho para aguentar fazer depilação íntima?
 
Depilação - Versão Masculina

Lengalenga....ou talvez não

 
Caros poetas…. bem caros ou baratos, sim meus amigos….bem amigos ou inimigos, vamos lá ver se me entendo. Poetas…. peço desculpa poetas e poetisas …. ou será poetisas e poetas?

Isto de se escrever tem muito que se lhe diga, não acham? Ou será que acham?

O poeta é um inconformado por natureza, ou será naturalmente um conformado das palavras? Bem avancemos…ou será melhor retroceder? Ora vejamos, o poeta é um ser em que as sensações pulsam na ponta dos dedos, reflexo da reflexão reflexiva da sua realidade, ou será também da minha? …. continuando,

a realidade tanto a dele como a tua ou como a minha é a √ sensações escritas, ou será melhor dizer
√--sensações escritas? lembrem-se do que é a raiz quadrada de um numero negativo…? Hum… acho que ainda me lembro da matemática de quando era jovem … ou será que já não?

Continuando o fio à meada…. averbamos se existirá alguma meada. O poeta então manifesta no papel as sensações reais elevadas a si próprias, criando um amontoado de sensações individuais, ou será que simplesmente escreve sensações virtuais? Isto está um pouco confuso não acham?....ou talvez não.

Sou poeta, um inconformado…
ou talvez não
no papel camuflado
escrevo o que sinto
ou será o que tu queres sentir
ou será aquilo que tu sentes
na sublimação do que sinto?
brinco com as palavras
ou será que não?
ou simplesmente
evacuo fonemas
da minha diarreica mente

Sou poeta um eterno insatisfeito
nesta vida de tudo carente
ou será que não?

Não sei se o poema… poema? Ajudou a melhor entender algo, porque eu cada vez menos, entendo o que escrevo.

Depois desta lengalenga…ou talvez não. Espero pela vossa opinião, se a quiserem dar claro.

Desde já agradeço, satisfeita com os vossos comentários… ou será com os vossos não comentários?.
 
Lengalenga....ou talvez não

No tempo em que ainda se escrevia à máquina...

 
No tempo  em que ainda se escrevia à máquina...
 
A explicanda chegava todos os dias, impreterivelmente, à mesma hora. Metódica, introvertida, detentora de um mundo que não desaba nunca, por força do ar impenetrável e certinho, lavado e engomado e de uma imensa vontade de aprender, aquelas coisas da filosofia…
A professora recebia-a com um enorme e jovial sorriso, próprio de quem iniciara o mundo do ensino e ainda se deslumbrava pelo simples facto de leccionar e poder transmitir um pouco de conhecimento.
A aluna admirava a explicadora pela sua beleza e pela forma como parecia saber viver com ela, bem como pelo trato fino. A matéria era revista, uma e outra vez, até ter sido completamente absorvida pela explicanda, que, neste caso, rima com Vanda.
A jovem estava particularmente atenta e contestava as definições que era obrigada a decorar, já que não estando de acordo com aquilo que lhe era imposto como verdadeiro, não lhe seria possível reconstituí-lo por palavras suas. Restava-lhe o “marranço” puro e simples. Decorar aquela matéria, estava na ordem de trabalhos.
A professora sentiu-lhe alguma agitação e resolveu perguntar-lhe se lhe queria dizer alguma coisa.
- É que… eu ganhei uma máquina de escrever!
- Por instantes pensei que fosse outra coisa qualquer, mas sim, é importante, depois vamos falar sobre isso.
Só para situar a história no tempo, estávamos no ano de 1978. Uma máquina de escrever fazia as delícias de Vanda que a recebera de prenda de anos, da sua madrinha de baptizo. Hoje este instrumento de trabalho passou a peça de museu e arrumado a um canto deu lugar aos computadores que ganham vida, mais do que certos humanos, especialmente, se conectados à internet.
Posta a matéria em dia, que estas coisas da filosofia não são fáceis, a explicadora, tal como prometera, puxou o assunto: “máquina de escrever”:
- Quero pedir-te um favor!
- Diga, professora!
- Talvez tu… quem sabe? Só por uma questão de praticares, me pudesses passar à máquina os testes do 12ºB.
- Claro que sim! Respondeu Vanda.
Vanda despediu-se levando consigo o rascunho do teste de filosofia do 12ºB, já o estabelecimento de ensino não vem agora ao caso, isso são meros pormenores e o narrador, considera-os, para já, irrelevantes e dispensáveis.
Com os exames à porta, a jovem estudava sem interregno, mas ainda assim lá arranjou tempo para dactilografar o teste do 12ºB e entregá-lo à Drª Raquel, nos timings por ela solicitados.
Como em tudo na vida, há histórias paralelas. Outros aproveitariam, agora, para dizer que: “nada é por acaso”, mas porque lugares comuns não são o forte do narrador e aqui também não servem para encher chouriços, passa-se a explicar a coincidência das coincidências:
Paula, aluna do 12ºB, prima do namorado de Vanda, sem poder antever o desfecho desta história, dias antes, em conversa com a sua professora de filosofia e na esperança de lhe ser mais próxima e de a cativar, havendo já concluído, em conversas próprias de raparigas daquela idade, que a sua professora era a explicadora da prima Vanda, resolveu meter conversa com Raquel:
- A “Stora” sabia que eu sou prima da Vanda que anda na sua explicação?
- Vê lá tu, “como o mundo é pequeno!”, retorquiu Raquel, algo curiosa. Por acaso vocês até têm a mesma postura, embora, fisicamente, não sejam parecidas.
Paula apressou-se a colocar os parentescos no seu devido lugar:
- Pois a Vanda é caladinha como eu, mas não somos primas de sangue, ela namora com o meu primo Pedro.
Raquel esboçou um sorriso de condescendência. O que Paula desconhecia é que ela, Stora, licenciada, professora de filosofia, não era muito entendida naquela coisa dos parentescos e afins, enfim, todos temos um “calcanhar de Aquiles”. Ups, afinal, o narrador sempre faz uso de lugares comuns. Também, “ninguém é perfeito”! (e vão… quatro!).
De primas direitas, Raquel ainda entendia, mas de cunhados /as e outras coisas como comadres e compadres, sentia-se bloqueada com uma espécie de dislexia intelectual, no concernente a questões de plaquetas sanguíneas.
Dali em diante, Raquel sempre que encontrava Paula, cumprimentava-a e não deixava de lhe perguntar se a prima estava boa, mesmo que tivesse estado com ela também.
Ter um assunto em comum dá sempre jeito para tema de conversa e às vezes até aos professores de filosofia lhes falta o assunto.
Vanda era, agora, detentora, de uma bomba prestes a explodir nas suas mãos. Estava num “beco sem saída” (mania do narrador). Paula era boa aluna, mas era a prima do seu namorado Pedro (o narrador também sabe que o nome não vem ao caso) e o facto de poder ser ela a dar-lhe a cópia do teste que a prima ia fazer, contava pontos a seu favor. Por outro lado, a Drª Raquel confiara nela e sentia-se importante por isso e não queria decepcioná-la. Há momentos, em todas as vidas, em que estamos suspensos por um dilema. Este era o momento.
Pedro, se para mais nada serve no enredo desta história, pelo menos, é o personagem que serviu de portador do teste andarilho.
Vanda chegou à explicação com o produto do seu orgulho dentro de uma mica (perdoem-me se por acaso, por um erro cronológico as micas ainda não existiam). Tratou de entregar a Raquel o teste do 12ºB.
Raquel agradeceu e tratou de se dirigir à livraria mais perto para mandar tirar as fotocópias necessárias. A funcionária reconheceu o teste e, não se contendo, teceu um comentário do tipo:
- Curioso, ia jurar que este mesmo teste foi copiado, aqui, por mim, há sensivelmente uma hora atrás…
Raquel limitou-se a perguntar se fora homem ou mulher quem o viera copiar. A balconista respondeu que tinha sido uma jovem, muito branquinha, com um certo ar angelical.
A professora sorriu e pediu 28 cópias, tantas quantos os alunos do 12ºB, noves fora Paula.
Raquel entrou na sala de aula com os testes e começou a distribuí-los e Paula muito aflita pediu licença e pôs-se de pé, com o sangue a querer saltar-lhe das bochechas para fora e com o palato engasgado, meio afónica da força dos nervos, lá conseguiu vociferar:
- Stora, falto eu!
Raquel retorquiu:
- Ia jurar que tu já o tinhas contigo! Mas toma lá o original!
Paula sentiu a saliva queimar-lhe as entranhas, mas lá se recompões e conseguiu simular-se desentendida, articulando um simples:
- Obrigada, Stora!
Paula baixou a cabeça sobre o teste e Raquel não tirou os olhos de cima dela, como se quisesse estudar a sua reacção face à ansiedade de saber se o teste era o mesmo que Vanda lhe havia facultado, mas a jovem mostrou-se impenetrável, denunciando, apenas, um ar, dir-se-ia quase inocente.
Saiu vitoriosa do teste, ela sabia-se uma boa aluna, do tipo marrona e intelectual, mas nunca havia saboreado uma tal sensação de certeza absoluta. Vá-se lá saber porquê… Afinal, até o narrador é capaz de adivinhar.
As aulas em casa da Drª Raquel iam de vento em popa, dir-se-ia, até, mesmo imperturbáveis, Vanda preparava-se para o exame de filosofia e sabia que depois deixava de conviver com a professora, mas restava-lhe o conforto de esta ser sua vizinha, assim, pelo menos, dava para a ir vendo e cumprimentando.
Vanda evitava olhar a explicadora de frente, constrangimento que não passava despercebida a Raquel.
O dia do exame de Vanda chegou e embora não lhe tenha corrido mal em nada se comparava ao teste que Paula fizera no 12ºB. O resultado de Paula foi brilhante e a professora Raquel entregou-lho, com a seguinte observação:
- Há alunos brilhantes, primas brilhantes e Pedros cooperantes…
Paula corou e mal dando conta já estava no quadro para responder a questões similares às do teste e outras cuja matéria não saíra mas estava indicada para estudo.
Raquel deu-se por satisfeita e classificou a prestação oral de Paula com um excelente. A aluna limpou o suor em volta do rosto ao mesmo tempo que as cores lhe desapareciam como que por magia negra.
João que era o cábula número um da turma não se contendo aproveitou para dar o ar da sua pretensa gracinha:
- Oh Stora, Então a intelectualzinha também copiou?
Raquel respondeu-lhe mordiscando o lábio superior:
- Tens máquina de escrever?
- Não, Stora!
- Tens algum primo chamado Pedro?
- Também não, Stora!
- Então, no teu caso, não vale a pena vires ao quadro. Diz à tua mãe que quando lavar a camisola que trazias vestida no dia do teste, para tirar primeiro das mangas as cábulas que tu lá escondeste, não vá a tinta manchar a camisola. Olha que eu reparei que era de marca!
Para Raquel, enquanto professora de filosofia, a vida é um ensaio permanente. Cada personagem real tem o seu papel no seu aprofundamento do conhecimento humano e se por vezes as pessoas se mostram previsíveis, outras tantas são um universo cerrado e inacessível. Como o narrador é prolixo em imaginação e faz recorrentemente uso de frases feitas, cá vai mais uma que encaixa na perfeição:
“Cada pessoa é um mundo” e com um empurrãozinho lá conseguiu completar o pensamento com palavras de sua autoria, fracas, mas que lhe fazem sentido, a ele, é claro:
Uns são previsíveis…outros um quebra cabeças…
Voltando aos personagens:
Vanda fez o que qualquer outra pessoa que tivesse um namorado chamado Pedro com uma prima de nome Paula faria;
Paula aproveitou a chance que a vida lhe deu. Afinal, a vida insistiu com ela.
Pedro tinha acabado de tirar a carta e aproveitando a rodagem do carro novo disponibilizou-se para transportar o rascunho do teste. Nem ele sabia bem de que era portador…
Raquel passou a acreditar em coincidências, mas foi só por causa da convicção da balconista da papelaria das fotocópias;
A balconista nunca mais lhe coube a língua na boca;
João era o amigo com que qualquer colega gostaria de partilhar a carteira;
O estabelecimento de ensino era um entre muitos onde este caso insólito podia ter acontecido;
Esqueceram-se da madrinha, que foi, afinal, a causadora de todo este processo de boas intenções;
Para “fechar com chave de ouro” (já cá faltava o narrador sempre a fazer das suas…) até se “dão alvíssaras” a quem discernir quem é o protagonista…
“Nada mais, nada menos” do que a máquina de escrever.
Engana-se quem julga que a história acabou. 30 anos mais tarde, no lançamento de um livro de um dilecto escritor Setubalense, Raquel encontra Vanda e pergunta-lhe:
- Já agora, diz-me uma coisa… Ainda tens a máquina de escrever?


Maria Fernanda Reis Esteves
50 anos
natural: Setúbal
 
No tempo  em que ainda se escrevia à máquina...

LEÕES, ÁGUIAS, DRAGÕES,PANTERAS,PASTEIS.(HUMOR DE DOMINGO, LOGO BARATINHO)

 
Hoje é domingo e parece que vai durar até à meia noite, um segundo depois, é segunda feira, digo isto para aqueles que por distração, ainda não se tenham apercebido.

Então vamos começar antes da meia-noite.

Sou Leão do signo do Aquário, logo, sou um Leão marinho.
Animal nobre, que para comer espera que a Madame Leoa trabalhe, que ela vá caça, pois que ele tem mais que fazer, por exemplo:
descansar para poder respeitar os seus deveres conjugais que pode acontecer, se não estou em erro, 32 vezes por dia. ( ó o felizardo!...)só gostava de saber aonde ela compra o Viágra.

Há quem seja Aguia (que tristeza) e também do signo do Aquário mas nunca vi uma Águia marinha,
andam por aí, voam baixinho, recolhem-se nas caves dos prédios na zona saloia, de preferência e lá vão dando as suas bicadas cinicamente.
Mas pobres aves, não passam de isso mesmo.

Ò Águia que estás no pedestal/ não olhes lá para cima/pois que pode te fazer mal/Tu andas esfaimada/de conquistas e de vitórias/ andas toda algemada sem fé nem glória/ Parece que em Janeiro/ vão comprar mais uma truta/ mas como não há dinheiro/ contentem-se com essa fruta.
A Águia que está no pedestal, vai ser vendida para conseguirem uns dinheiritos, é em bronze e nos tempos que correm é de aproveitar e para o seu lugar vão lá colocar um papagaio.
Mais ninguém falará, será só ele.
-Vamos ser campeões, vamos ser campeões, vamos ser campeões, assim, quando por lá alguém passa, a risota é geral.

E o Dragão? Ah... esse... andou uns anitos a cuspir fogo parece qque com ajuda de uns mágicos ou marabus, mas de repente, o fogo apagou-se.
Será para economizar o petróleo? Pobre Dragão, já nem aguentam com a equipa dos marinheiros da Escola Naval, Fizeram o Dragão meter água por todos os lados e quando viram que o Nuno tinha um buraco aberto ( da baliza, com certeza) meteram lá a bola.

E a pobre da Pantera? Coitadita! Também se meteu com os marabus ou mágicos, como queiram, que a deixaram moribunda.

O clube da cidade dos Arcebispos, lá se vai safando, tiveram muitos olhinhos, foram buscar o Jesus e tudo bate certo.

A cidade-berço, tem duas vantagens. O Dom Afonso Henriques que continua com a espada a guardar a cidade e foram buscar ajuda, quero dizer, o Cajuda que ajuda e de que maneira, se calhar até vai ajudar a Águia a descer na classificação, Vamos C...ajuda o Leão!

Coimbra, lá vai devagarinho, cantando o Fado Coimbra no Choupal nas margens do Mondego. Lá vão dando uns pontapésitos na bola, no vélhinho Calhabé e descansam,têm lá o Domingos, calma, calma!

E então lá por Lisboa essa Princesa? como é? Vão vendo o belo Tejo, comendo uns pasteisitos de Belém e que os visitantes tmbém os comem ( os pastéis, está visto) por sinal bem bons eu eu até sou deles um guloso, Do futebol deles? Não, não, dos pastéis.
E vou acabar pois que já estou a abusar um pouco e não quero que o nosso amigo António Martins se zangue comigo, pois que sei que ele adora os pasteis.

Mas estava a me esquecer de um problema muito grave e portanto estava a falar dos signos do Zodíaco!
A minha esposa... é virgem! Sim, sim é virgem!
Quando a conheci era virgem, hoje é virgem e continuará virgem!
Não ha qualidade de Viágra que me faça dar a volta a este problema. Que tristeza?
Pensem o que quiserem amigos, mas não me condenem.

A. da fonseca
 
LEÕES, ÁGUIAS, DRAGÕES,PANTERAS,PASTEIS.(HUMOR  DE DOMINGO, LOGO BARATINHO)

ENVELHECI, NÃO TEVE OUTRO JEITO

 
ENVELHECI, NÃO TEVE OUTRO JEITO
 
Envelheci.
Não foi escolha, aconteceu.
Creminhos, dietinhas, chazinhos, e mil jeitinhos.
Uma melhorinha aqui outra acolá, mas tudo enganação.
Não tem pra onde ir.
Os anos de levam, e nunca te trazem,
E te enchem a bagagem de rugas, flacidez, e tantos remédios.
E aí para alguns que se casam como rende a família!
Netos, bisnetos e ultimamente tataranetos,
Rendem tanto como os livros na estante que vamos comprando depois que aposentamos.
Um clã e tanto somos capazes de produzir.
Mas não tive escolha, muito menos planejamento, e assim eu me tornei um monte de gente.
Outra coisa que percebi é o tanto que mudamos o pensamento
Quando menina tinha certeza que velha eu não ia ficar. Hoje também estou cheia de certezas: moça eu também não vou ficar.
Mas teimo diante do espelho, pura ilusão ou burrice mesmo.
Bem, há quem diga que tenho que ser positiva.
“ Com a velhice vem a madureza”...
Conversa pra boi dormir.
Ótimo, sei tanto quanto eu tinha 18 anos,
E a madureza que aprendi foi a de desconfiar.
Acho que é isso, não nos precipitamos, desconfiamos mesmo antes de agir.
Vejam só, meu neto de 7 anos consegue pagar minhas contas na internet, fez um email pra mim mas ainda não sei abrir. Sabe como funciona meu celular, o GPS do carro do pai, e ainda dá palpite na política do país. Eu com 7 anos conhecia banco pra se sentar e não pra guardar dinheiro.
Hoje, com tempo de sobra, preencho as horas passeando em livrarias, tricotando ou conversando sobre o rol de enfermidades que vão aparecendo, e claro trocando dicas de tratamentos com tantas amigas senis.
Não sou daquelas que amam as plásticas, mas confesso que cogitei.
Então, achei melhor não, meus filhos, todos do contra é claro, acharam-me sensata.
Mal sabem eles que foi a tal desconfiança misturada com medo mesmo. Porque vergonha a gente com a idade vai perdendo, e mostrar minhas pelancas para um cirurgião já não me deixariam constrangida. Porque constrangimento mesmo é com 18 anos ter que enfrentar um baile com uma espinha no rosto.
Bem, há suas vantagens, nem tudo neste corpo mais vivido é desgraça.
Tenho vagas no estacionamento privilegiadas e não enfrento filas, se bem que as filas da terceira idade estão ficando cada vez maiores.
Pacotes de viajem, faculdades, teatros, tudo com mais descontos.
Mas, a disposição também fica com mais descontos.
Bem, não foi minha escolha ficar assim,
Mas se fiquei vou até o fim.
Saber no que dá a gente já faz uma idéia.
Enquanto isso, vou escrevendo algumas bobagens e deixando por aí, quem sabe alguém resolve ler.
Assim acho que vou envelhecendo mais disfarçadamente, e com menos tempo de olhar no espelho...
 
ENVELHECI, NÃO TEVE OUTRO JEITO

Rescisão de contrato NOS

 
Rescisão de contrato NOS
 
Exmas. senhoras,

Desde a minha adolescência, até cerca de um mês atrás, eu fui cliente satisfeito da MEO.
Portanto, já lá vão uns anos e nunca tive motivos de queixa.
No entanto, o mesmo não posso dizer do vossos serviços, ou falta destes.

Quando fui visitado pela vossa vendedora ela convenceu-me que a NOS era a melhor companhia para mim.
Por apenas 26,99 euros ela prometeu-me mais e melhores programas do que a concorrência e uma conexão a 100Mb.
O único senão era que eu tinha que estar fidelizado por 24 meses mas, como sou homem solteiro, isso para mim não é problema.
100 Mulheres Bonitas, ainda por cima de fibra e com 100% de cobertura na minha zona? Eu nem queria acreditar.
Fazendo as contas, 24 meses são mais ou menos 700 dias. 100 mulheres bonitas dá mais ou menos uma por semana.
É bem menos que a minha média mas dá para aguentar. E 26,99, vamos lá, dá pouco mais que 6 euros a queca.
Grande negócio, sai mais caro que a MEO mas ainda assim, uma pechincha. É claro que eu só podia aceitar!
Combinámos então uma visita para o fim de semana para formalizarmos o contrato.

Foi uma semana de loucos, como podem imaginar, contando os minutos para o fim do celibato. E se as mulheres fossem como a vendedora, que final feliz!
Chegou-se então o sábado e qual não foi o meu espanto quando, ao abrir a porta, em vez de uma gaja boa estavam dois homens mal encarados.
Queriam permissão para entrar, passar cabos e montar a aparelhagem. A mim ninguém me monta pensei eu.
O pacote era suposto ser de 100Mbps, portanto 100 Mulheres Bonitas Para Sexo, não eram 200Hfpsa.
Rapidamente fiz questão de esclarecer os senhores quanto à minha orientação sexual e que tudo não passara de um mal entendido.
Eles ficaram um pouco espantados, compreende-se, mas que se eu quisesse usufruir das 100Mb eles teriam mesmo de entrar e instalar o material necessário.
Foi então que eu entendi, claro. Mulheres de fibra não são mulheres quaisquer. Com certeza que elas iriam precisar de alguns acessórios extra, para as marotices, se é que me entendem.
Eles deixaram umas caixas aqui na minha sala com umas luzinhas piscando e foram-se embora dizendo que o serviço estaria disponível dentro de minutos.

A verdade é que o serviço nunca mais chegou. As luzes continuaram piscando mas de mulher piscando, nada.
Após mais uma semana infernal eu decidi contatar o vosso serviço de apoio ao cliente.
Expliquei que não tinha recebido as 100Mb como esperado e que se não viessem logo eu mandava cancelar o serviço.
Passado uns dias recebi a visita de um técnico para analisar o problema de conexão. Havia realmente um problema, em vez de 100Mb eu tinha apenas acesso a 50Mb.
Disse que era um problema da zona e que não tinha mesmo solução.
Eu compreendi, até fazia sentido, aqui na vila tem pouca mulher bonita e a procura é muita. A conexão é pouca.
Mas mesmo 50Mb já era muito bom, dava uma queca semana sim, semana não. E 12 euros mal lhes pagava a deslocação!

Eu aguentei e aguentei e aguentei.
Agora, passado um mês, recebo uma fatura para pagar os 26,99 euros por um serviço que nunca me foi prestado.
Devo informá-los que já liguei para a defesa do copulador, nomeadamente a DECO, e que estou ciente dos meus direitos.
Eles aconselharam-me a preencher uma carta-tipo mas não me souberam dizer exatamente qual o tipo de carta.
No entanto, venho por este meio informar que pretendo rescindir o contrato de serviço 100Mbps que mantenho com a vossa empresa, com efeitos a partir de já.

Assinado,
Um cliente ansioso por voltar à MEO

Tanto a NOS como a MEO são empresas
portuguesas de
comunicações fixas,
móveis, internet e portais.

Slogans:
Há mais em NOS.
O comando é MEO.
 
Rescisão de contrato NOS

Cowmadres no MSN

 
Cowmadres no MSN
 
Cowmadres no MSN
by Betha M. Costa

}:ç P Cow 1diz:
- Oi!Tá boa?

}:ç ) Cow 2 diz:
- É...Tô...Tem quem coma!

}:ç P Cow 1diz:
- Menina, eu fico passada com o Bad Ox!

}:ç ) Cow 2 diz:
- Pq criatura?

}:ç P Cow 1diz:
- Não pode mais falar no pasto!

}:ç ) Cow 2 diz:
- Ué? Tá afônico ou com os dedos amarrados?

}:ç P Cow 1diz:
- É sério!Dizem que ele trombou com uma vaca louca e pegou-lhe a doença...

}:ç ) Cow 2 diz:
- Vixê!Tô malhada com essa história!Mas ele há de superar...E aquela nossa cowmadre que tem sempre a flor na pata dianteira e o punhal na traseira?

}:ç P Cow 1diz:
- Ah, essa é mais falsa que nota de 3 reais!

}:ç ) Cow 2 diz:
- Como a gente, né?

}:ç P Cow 1diz:
- Náááá...A gente é falsa pela frente: todo mundo sabe que somos invejosas, fofoqueiras, curiosas... Enfim: tudo de mal!

}:ç ) Cow 2 diz:
- Ei!Touro novo no pasto!Vou pastar um pouco a gente se muge a qualquer hora...

}:ç P Cow 1diz:
- Tá bom: Muuuuuuu!

}:ç ) Cow 2 diz:
- Muuuuuu!...
 
Cowmadres no MSN

ORGIA (O SEM GRAÇA DA SEMANA)

 
Quando acordei fazia noite clara. Siiim!!!!! havia um lindo Luar!
Acordei com um sorriso, aquele sorriso que sempre o desejo nos trás.
Pensei a ela. Levantei-me, reflecti um pouco e depois de me fazer um pouco mais lindo (muito dificilmente, tenho que confessar) barbeei-me tomei a minha banhoca, Tomei o meu célebre repasto da manhã composto de café com leite e duas torradas bem besuntadas de margarina, visto que com a crise.... manteiga ? Nem vela!
Lavei a dentuça o que dá sempre muito trabalho, pois que com a minha idade só me faltam quatro dentes dois de siso, bom mas esse já o perdi há vários anos, e um molar de cada lado.

Camisa de manga curta um calção de verão. peguei no meu Porche de dois cavalos, e lá fui em
direcção do litoral.
Procurava uma praia onde eu a pudesse encontrar e encontrei uma linda praia, de areia fina e muito rochedo, verdadeiramente linda.

Lancei uma vista de olhos, mas qual escolher. Mas eram tantas, tantas, tantas!....
Houve uma que me atirou à atenção.
Bela, cabelos negros. Ela desviava o olhar como que se receasse a minha presença..
Não há dúvida, aquela que iria saciar os meus desejos, era aquela mesmo.

Ela não queria vir comigo, tive que a forçar... mas veio mesmo.
Feliz da vida, levei-a para o carro, rolava docemente, não fosse o diabo tece-las,

Chegado a casa, comecei a preparar tudo, para que tudo corresse pelo melhor.

Preparei o leito onde eu a ia colocar.. Comecei as minhas preliminares. Lavei-a muito bem lavada. Todos os pelos negros, foram retirados contra sua vontade.
Par dar mais força ao desejo, uma pitada de pimenta, os tomates estavam em efervescência.
Comecei por a aquecer e ela começou a estar em ponto de rebuçado. (guloso, eu?)

As preliminares terminadas, coloquei-a na minha frente. O cheirinho salgado chegou até
as minha narinas.

Peguei nela, abri as aquelas duas deliciosas metades e o que vi excitou-me!
Todo o interior rosado, pleno de humidade, fiquei louco de desejos, babava ao ver aquela beleza ,
(babava, mas não é por causa da idade, atenção!!!) era daquele cheirinho que me abria mais e mais o apetite.

Abri ainda mais aquelas duas metades...e não resisti!
A minha língua erecta mergulhou naquele mar de desejos e como se tivesse ventosas, chupou, chupou., até que tudo ficasse entre os meus dentes.

Mas que orgia! Que delicia!

Não há duvida nenhuma ,que o mexilhão da costa e das rochas portuguesas, não há melhor no Mundo.

A. da fonseca
 
ORGIA  (O SEM GRAÇA DA SEMANA)