Poemas, frases e mensagens de TomásRP

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de TomásRP

Se Pudesse..

 
Se pudesse despia minha alma,
voltava-a ao avesso.
Para que visses com calma,
tudo aquilo que confesso.

Se pudesse pintava o mar,
com as cores do meu amor.
Para que tu pudesses exclamar,
sentimentos sem dúvida ou tremor.

Se pudesse apanhava...
As estrelas com uma mão,
e colocava-as no teu coração.

Agarrava a lua escondida,
timidamente nas nuvens escuras.
Limpava-lhe a lágrima escorrida,
para dela fazer tuas curas.

Curava o teu olhar,
terno doce e meigo.
Curava teu coração, para cantar,
música linda ou verso leigo.

Se pudesse roubava...
As estrelas com uma mão,
e colocava-as na tua oração.

Fazia de ti estátua ou monumento.
Fazia do nosso amor mito.
Colocava-o em andamento,
com a força de um grito.
 
Se Pudesse..

Outono

 
Outono
 
Chegou o tempo do frio,
chegaram as primeiras águas.
As árvores despem-se.
As praias e o sol já não têm brio.
Nos rostos vêem-se mágoas.
As pessoas vestem-se.

As alegrias do calor,
agora tornam-se memórias.
As chuvas chegaram..
Do verão ficam histórias de amor,
momentos de alegrias e vitórias.
Agora choram olhos que não choraram.

Choram os olhos de Deus,
para nos trazer as chuvas.
As folhas tristes caiem.
Chegam aves, outras dizem adeus...
As nuvens tornam-se turvas,
as estrelas, essas, não saem.
 
Outono

Não te esqueci!

 
Na minha face escorrem,
lágrimas de solidão.
Nos meus olhos guardo nostalgia.
Os dias passados, esses correm...
Sem esquecer a paixão,
de um amor que não foi fantasia.

Queria olhar e ver!
Queria chamar e ouvir.
Queria cantar e sentir...
Sentir sem pensar perder,
aquilo que um dia me fez sorrir,
sem de meu coração partir.

Olho a miúda que passa...
Nela espero encontrar,
o teu sorriso ou teu olhar.
Agarrar tua sombra devassa,
prender sem mágoa ou atar,
um corpo que faz sonhar.

Quero sussurrar baixinho,
dizer-te ao ouvido o que sinto.
Não mais vou arriscar,
esconder este fraquinho!
Que declaro e não minto!
Sobre esta forma de te amar.
 
Não te esqueci!

Ser Feliz

 
A felicidade está no ser.
Está na nossa alma.
Ser feliz não é, ter.
Mas sim viver com calma.

Ser feliz não é querer,
é sim, poder sentir.
Ser feliz é correr.
È partir mesmo sem ir.

Encontrar a felicidade,
é abraçar as nuvens.
É ser velho e ter mocidade.
É viver o rio e suas margens.

Ser feliz é tocar as estrelas,
cheirar os aromas das brisas.
É chorar alegrias, sem te-las.
É escrever sentimentos que frisas.
 
Ser Feliz

Infância

 
Ontem era uma falsidade,
hoje tento ser eu.
Em tempos passados sofri.
Mesmo sabendo que existia felicidade,
que o escuro não era breu,
muito menos a vida que perdi.

Não quero olhar o passado,
quero erguer a cabeça,
e ver o futuro ou mesmo o presente.
Não penso em destino traçado,
ou muito menos nesta peça
que teatro de vida consente.
Ou que passado não é abraçado.

Tenho pena deste mundo,
do qual escrevo com receio,
de ser poço sem fundo.

Olho atrás, que vejo?
Ninho sem ovos, fruta sem flor!
Ou mesmo doce salgado.
Mundo com amor sem beijo,
paixão com alegrias e dor.
Ou mesmo curral sem gado.

Em tempos perdi meu rebanho,
perdi minhas ovelhas,
perdi quem as guiava.
Nas águas em que tomei banho,
hoje conto histórias velhas.
De um passado que fantasiava.

Tenho pena deste mundo,
do qual escrevo com receio,
de ser poço sem fundo.

Sonhei vidas e futuros.
Sonhei histórias de fadas,
ou mesmo contos de fantasia.
Em contos sonhados, hoje obscuros,
tento encontrar vidas sonhadas,
e histórias contadas.

Será dor, receio ou medo!
Isto que guardo dentro de mim.
Desta vida que relato.
Que todos apontam com dedo,
e julgam sem fim,
este meu lado lato.
 
Infância

A Chuva Cai

 
Olho pela janela,
vejo a noite escura.
A chuva cai silenciosa.
Meu coração iluminado por vela,
escuta a verdade obscura,
nas gotas de água preciosa.

Aos poucos vou ouvindo,
os sussurros do vento.
Vou ouvindo a trovoada,
me dizendo, falando e rindo.
Deste meu tormento,
ou desta visão enevoada.

Como se deuses batessem
com mais força no seu palco.
Um relâmpago rasga o céu.
Mesmo que não me interessem,
as verdades claras como talco.
A noite faz-me reviver apogeu.

Lá fora a chuva acalma.
Aos poucos a lua regressa.
Em simultâneo, meu coração
volta a bater com mais calma.
Minha mente esquece o que não interessa,
a noite devolve-me a solidão.
 
A Chuva Cai

Caminhos da Vida

 
Caminhos estes que sigo,
encruzilhadas estas que cruzo.
Seguirei certo meu destino?
Será esta estrada que prossigo,
o encontro de metas que deduzo.
Ou apenas um erro clandestino.

Errar é humano, é uma lição,
da qual devemos tirar ensinamentos,
para melhorar e aprender.
Seguir o instinto ou o coração,
é caminhar por momentos,
é sentir sem compreender.

Quando caminhamos as estradas
da vida, por vezes perdemo-nos.
Sentimo-nos desamparados.
Quando vivemos experiências frustradas,
ganhamos forças e erguemo-nos,
como relâmpagos que não poder ser parados.
 
Caminhos da Vida

Pessoas

 
Olhares alegres e cintilantes.
Outros tristes e magoados.
Outros ainda distantes.
Outros de solidão afogados.

Faces jovens e interessantes.
Rostos mais velhos ou idosos.
Alguns de olhares brilhantes,
outros com olhares preguiçosos.

Cabelos louros, castanhos,
outros já brancos ou cinzentos.
Sonhos jovens e estranhos,
outros que carregam sofrimentos.

Estas são as pessoas, os seres,
que por aqui vagueiam.
Estes são meus pareceres,
estes são pensamentos que anseiam.
 
Pessoas

Amor do Passado

 
Olho para trás e que vejo?
O tempo passado.
Uns lábios que já não beijo,
uma paixão e amor fracassado.

Olho para trás e que cheiro?
Cheiro teu aroma no ar envolvente.
Cheiro movimentos por inteiro,
desta tua passagem deprimente.

Deste asas a uma ave,
ensinaste outras a voar.
Tornaste o áspero suave.
Deixaste-me a planar.

Contigo viajei por terras
desconhecidas e estranhas.
Por ti domestiquei feras,
a ti amei até ás entranhas.

Amei ou pensava amar.
Via ou pensava ver.
Cheirava ou pensava cheirar,
teu coração queria ou pensava ter.

Hoje sei os erros que cometi.
Sei as falhas que tiveste.
Agora sei porque te perdi.
Não entendo porque não me quiseste.
 
Amor do Passado

Retrato

 
Menina de olhos de ouro.
Tela pintada de aguarela.
Paixão e meu tesouro,
essa tua figura cinzela.

Como gota de orvalho,
que escorre pela folha
verde matinal sem atalho.
Meu coração chora sem rolha.

Chora pela felicidade.
Ri pela tristeza.
Grita pela ambiguidade,
de sentimentos sem frieza.

Estarei triste ou contente,
por estar neste estado?
O qual pareço demente,
ou mesmo dormindo acordado.

Quero agarrar o teu mundo.
Quero pintar teu retrato,
nesta tela sem fundo.
Quero teu nome neste contrato.

Contrato que fiz com teu
ser, tua pose e teu aroma.
Quero decidir meu
destino, ou o rumo que a vida toma.
 
Retrato

Vento

 
Sou vento sem forma e luz,
vento que acarinha teu rosto.
Brisa que empurra vela,
de barco que navega,
nas águas a teu gosto.

Ai se fosse Vento...
beijava teus lábios,
abraçava teu corpo.

Sou Vento calmo e sereno,
que navega na tua pele,
lambendo e bebendo
o aroma do teu fel.

Ai se fosse Vento...
apertava teu corpo,
junto do meu.

Sou vento forte e suave,
que sopra baixinho.
Tocando bem devagar,
com todo o carinho.

Ai se fosse Vento...
desviava as nuvens
e empurrava o céu.

Sou vento que caminha,
sobre a água do mar.
Saltando de poça em pocinha,
mergulhando no teu olhar.
 
Vento

Tu Partiste

 
 
Nesta tarde fria,
recordo momentos tristes.
Dias de um passado por esquecer.
Nesse passado ouve também folia,
tendo mesmo alegria até que partiste.
Sem nada explicar ou dizer.

Feriste com um fundo golpe,
aquele coração que te amava.
Bateste a porta com rapidez,
com força de cavalo a galope.
Sem explicar aquilo que te intrigava,
sem exprimir sentimentos em fluidez.

Esqueceste ou nem quiseste,
saber quanto me destroçavas.
Foste egoísta e individualista.
Por não pensar o que fizeste.
Com as palavras que antes me atacavas,
fizeste musica de violinista.

Musica que cantaste,
enquanto eu chorava,
enquanto recolhia os cacos,
deste coração que maltrataste.
Destruindo tudo o que eu adorava,
por causa de um simples acto.

By Thomas
 
Tu Partiste

Nesta tela vou pintar meu amor

 
 
Quero sussurrar ao teu ouvido,
todos os meus pensamentos,
todas as palavras belas.
Quero te dar este coração que divido,
entre, sonhos, desejos e momentos.
Que vou registando nas estrelas.

Na lua acabada de nascer,
pinto os traços do teu sorriso.
No brilho das estrelas que vejo,
o esplendor dos teus olhos a crescer.
Nos raios de sol, oiço teu riso,
envolvendo os lábios que te beijo.

Quero nesta tela pintar,
sentimentos que não te consigo
passar e fazer entender.
Com todas as cores traçar,
as mais belas emoções que sigo.
Para que nelas possas este amor ler.

Gostava de poder desenhar,
nas paisagens floridas,
nossos corpos envolvidos em paixão.
Queria viver e sonhar,
que as nossas almas envolvidas,
jamais iriam viver a separação.

No céu azul com nuvens brancas,
quero pintar teu rosto.
Nos campos verdes, anotar,
memórias, desejos e lembranças.
No horizonte dourado de Agosto,
quero desenhar o ser que continuo a amar.
 
Nesta tela vou pintar meu amor

Tua Voz

 
Tento ouvir no silêncio,
um grito da tua voz.
Ler no escuro abstracto,
as páginas deste compêndio.
Onde escrevi esta dor atroz,
que me consome sem trato.

Por vezes penso e anoto,
as alegrias, outras as mágoas,
desta vida de renome.
Tento notar, mas não noto,
qualquer diferença das fábulas,
nesta farsa que me consome.

Rasgo páginas e folhas.
Apago e volto a escrever.
Na ira grito e risco.
Na esperança daquilo que olhas.
Na expectativa de voltar a acontecer.
Na esperança de ouvir esse disco.

Gostava, não,é pouco. AMAVA.
Poder voltar a adormecer,
no silêncio dos teus braços.
Poder ter a musica que escutava,
que meu coração fazia estremecer,
enquanto divagava nos teus amaços.
 
Tua Voz

Trompete & Violino

 
Ao som das pétalas a cair,
vou amparando melodias.
Que saltam a cantar e a fluir,
como flores que caêm sem ousadias.

Ao sabor das pautas que caêm!
Notas de música choram,
gritando almas que saem,
de um violino que esgarram.

Com o poder de uma mente!
Violinos e instrumentos tocam.
Corações gritam firmemente,
a voz de um trompete que focam.

O poder de ambos é extraordinário.
Os dois em conjunto maravilham,
corações que se amam no imaginário,
e desejos que á flor da pele furvilham.

È tamanho seu poder, sua viagem!
Levam-me a mundos irreais.
Onde o sonho filho da noite é vadiagem.
Onde todos se unem com seus ideais
 
Trompete & Violino

Sentimentos

 
Tinha saudades de viver com alegria,
Queria encontrar a paz e a tranquilidade.
Em ti encontrei a paixão e a harmonia,
Sem querer encontrei a felicidade.

Terá sido o destino ou apenas a vida,
Terá sido a sede de amor,
ou apenas vontade de uma ida.
Numa viagem sem mal e sem dor.

Quero sorrir, rir e gritar,
Poder exclamar bem alto,
A vontade que tenho de te amar,
E expressar a ternura em salto.

Talvez seja um salto para um mundo,
Que não conheço ou que receio.
Não quero é que seja um salto sem fundo,
Onde possa cair sem apoio alheio.

Fizeste despertar em mim,
Sentimentos que havia esquecido.
Fizeste-me sentir no cravo o cheiro de jasmim
Fizeste-me sentir no ar fresco o ar aquecido…

O brilho dos teus olhos,
Se transformou na minha luz,
O teu vestido ou saia de folhos
Se transformou no meu capuz.

Não sou poeta nem trovador
Apenas te quero dizer
O que me vai no coração como orador
Que sente este momento com prazer.

Para ti escrevo estes versos.
Para o mundo liberto o meu sentimento
Por ti revelo sonhos perversos,
Que quero anotar neste momento.
 
Sentimentos

Amar

 
Tenho sede de amar,
desejo de sentir nos meus
braços um corpo quente.
Que eu possa abraçar,
apertar e sentir seus sonhos,
seu desejo frequente.

Anseio um toque nos lábios,
como abelha anseia flor,
com seu pólen fresco.
Procuro com astrolábios,
a direcção certa, sem dor,
onde encontrar coração pitoresco.

Coração que seja fonte.
Que seja a metamorfose,
de dois corpos unidos.
Coração que seja ponte,
para mente sem neurose,
onde se encontrem amores perdidos.

Amores sem falhas.
Histórias sem fim.
Rimas que terminam sem dor.
Amores que rolam nas palhas,
nas areias e lençóis de cetim.
Amor esse que quero com esplendor.
 
Amar

Memórias de um Amor

 
Gostava de reviver,
todos os momentos de felicidade,
que dividi com a tua alma.
Queria voltar a ter...
Teus carinhos sem ansiedade,
teus beijos com toda a calma.

Tenho fome do teu olhar.
Sede do teu cheiro
e desejo dos teus carinhos.
No horizonte azul vou recordar.
Todos os momentos, por inteiro.
Todos os momentos que rimos.

Contigo nadei nas nuvens brancas.
Contigo viajei nas noites de luar.
Contigo cheirei as estrelas.
Contigo divido histórias francas,
histórias lindas de embalar.
As quais hoje escrevo, para não perde-las.

És fonte de rio que chega ao mar.
És luz num túnel sem fim.
Es o sorriso e a alegria.
Foste quem me fez amar.
Foste a flor e o cheiro a jasmim.
Hoje és pura recordação e fantasia.
 
Memórias de um Amor

Criança

 
Na água do lago cintilante.
No manto verde,
do campo verdejante.
Vejo criança que joga e perde.

O cantar das aves que voam.
A brisa do vento que corta,
fazem sons e ruídos que entoam.
Neste mundo ou jardim sem porta.

Todos estes sons,
movimentos ou pensamentos.
Me fazem recordar dons,
que outrora tive por momentos.

Fui criança e brinquei.
Fui pequeno e cresci.
Fui criança e sonhei,
sonhos que hoje esqueci.
 
Criança

Desejo

 
Quero tocar as águas cintilantes,
nelas traçar o rosto do desejo.
Nas transparências alucinantes,
ver bocas que beijo.

Sou o mar e o sal,
sou fantasia do teu olhar.
Que abraça o sol sem mal,
desejando abraçar o mar.

Na areia escrevo sonhos.
Nas rochas gravo desejos,
de pesadelos medonhos,
dos quais acordo com bocejos.

Nos campos secos e áridos,
do Verão quente e tórrido,
esqueço pensamentos irados,
que apelo de um momento sórdido.
 
Desejo

TomasRP