Poemas, frases e mensagens de VariusEgus

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de VariusEgus

Amor expandido, mente Compreensiva

 
Expande a tua mente,
Abre os teus horizontes.
Assim sentirás somente,
Todos os teus fortes.
Encontra o teu verdadeiro reflexo,
Deixando as coisas fluírem,
Une-te a todo o teu fluxo.
Se isto algum dia Ouvirem,
Perguntaram se louco sou.
Louco não estou,
Livre e completo me encontro.
A luz brilha com encanto,
Deixando o meu amor fluir.
É assim tanto difícil sorrir?
Abraça-te,
Beija-te,
Ri-te,
Encontra-te,
Descobre-te.
Muito tempo levei até aqui chegar,
Não é difícil aprender a amar.
Pergunto-me se encontrei-te,
Repondo-me que sim sou eu.
Cada qual têm o seu,
Momento de solidão e tristeza.
Não é difícil decifrar esta proeza.
Como muita gente diz,
Os olhos os nossos espelhos são.
Todos encontraram,
O que em ti condiz.
Será mesmo assim a natureza?
A tua mente tem sempre uma surpresa,
Por mais que escondas,
Os teus actos mostram,
Mesmo que te iludas.
Amor e paixão, estes estes sentimentos foram,
Mal e usados e muito pouco entendidos.
Amor não é amar quem os outros querem que ames,
Mas sim o que em ti próprio encontras.
Por mais que te desprezes,
Não tens para onde fugir,
Pois todos te encontraram,
Não vale a pena fingir.
 
Amor expandido, mente Compreensiva

Sonho falso, será?

 
Hoje quero sonhar contigo.
Mais uma vez estou abundante,
DE amor é claro.
Estou com um sentimento raro,
Mas ao mesmo tempo excitante.
Boas vibrações é tudo o que consigo.
Alguém me encontrou,
Alguém me realizou,
Um sonho já perdido,
Simplesmente ser feliz novamente.
Obrigado pelo concedido!
Há luar felizmente,
Nele os teu cabelos Imagino,
Os teus lábios desenho.
Os teus olhos de felino,
Selvagem e estranho,
É lindo e assustador,
É o que desta forma interpreto.
Será isto amor?
Sinto-me feliz e completo,
Aprendi a conceguir amar,
Sem ao sexo relacionar entretanto.
Será preciso contemplar,
Ou apenas ser contemplado?
Sim é verdade,
Por ti já fui amado.
Já tenho talvez saudade,
Talvez falta do teu cheiro,
Do teu olhar e beijo.
Sempre que te vejo,
Pergunto-me se será realidade.
Se soubesses como te quero beijar...
Era capaz de destruir um edifico inteiro.
Será isto amor?
Que as forças do fogo,
AS energias do mar,
E o aroma do mar,
Torne o meu sorriso indestrutível.
É assim que me sinto contigo,
És simplesmente irresistível.
Sim, isto é amor!
Olhaste cá para dentro,
Não olhaste para fora.
Fizeste-me sonhar,
Com os pés no chão,
E a cabeça na Aurora,
Desencadeando esta paixão.
Quando nos teus sonhos entro,
Posso afirmar o pavor.
Terei assim tão rapidamente,
A minha opinião mudado?
Poucas palavras foi o adequado.
É o que sinto,
Simplesmente não omito.
 
Sonho falso, será?

O ultimo sonho..

 
Sinto que esta noite voei.
Tive um sonho estranho.
Senti que algo de importante encontrei.
Sonhei contigo no banho.
Eras perfeita e linda,
Eras a minha luz,
A minha beldade.
Olhavas de forma que me seduz,
Tinhas nos lábios o meu nome.
Pediste para juntar-me.
Tentei me conter,
Mas a sedução iluminava-me.
Só me queria esconder,
Mas sentia-me preso.
Conseguirei este amor conter?
Senti um enorme peso,
Meu peito estava pesado,
E a minha harmonia tinha passado.
De feliz para triste passei,
Estarei louco pensei.
Queria muito acordar,
Mas também te abraçar.
Estarei dividido?
Devia-me ter escondido?
Escolhi abraçar,
Escolhi não acordar.
De novo senti harmonia,
Estava-mos os dois em sintonia.
Quando te fui beijar,
Grande desejo me fez acordar.
Será isto a melhor forma de amar?
Assustado acordei,
Incompleto era como estava.
De novo apaixonado pensei,
Não devia ter visto no que dava...
 
O ultimo sonho..

A minha vida

 
Parece que o tempo acalmou,
Todo o mal que cá permanecia,
E dificilmente desaparecia,
Finalmente o vento levou.

Vou içar de novo as velas,
Tenho o leme reparado.
Agora sim estou preparado,
Sonho e rezo, para de novo vê-las.

A novo porto cheguei,
Nem mais uma lágrima derramei.
É tão bom e fácil de louvar,
Esta linda pessoa que estou a amar.

As minhas amarras posso largar,
Confio nesta terra em que abraço.
Sei que aqui neste terreno pouco escaço,
Razões não terei para duvidar.

O barco já não estava,
Novo sol neste dia brilhava,
Ao longe chuva se aproximava,
De novo em lágrimas me afundava.

Este porto não era seguro,
Agora aqui estou preso.
À minha volta tudo é escuro,
Apenas na consciência, um peso.

Não devia ter confiado,
Muito menos os prazeres escutado,
Devia ter sido desconfiado,
Pois sim, agora não estava entalado.

Que mais posso exemplificar,
Para a minha vida demonstrar.
Um triste marinheiro sem o seu navio,
Consegue ser como eu, sem qualquer desafio.
 
A minha vida

Eu, Tu e ele. Nós os egos.

 
Sinto falta de uma companhia,
Sinto Falta de um ombro amigo.
Não e mentira o que eu dizia,
Ama-te bastante primeiro,
E depois partilha comigo.
Será que me amavas se fosse pedreiro?
Ás vezes penso que fugiste,
Nao pelo que fiz, mas pelo que sou.
Desde aí uma porta se fechou,
Desde aí tudo o vento levou.
Sem ti nada é igual,
Sem ti tudo escurece,
É claro bastante natural,
Que tudo nao brilha mas sim escurece.
É assim que pensas?
Entao ouve com atençao,
Já pensas-te em todas as conversas,
E esclareceste cada Sermao?
Seria ela para ti bom coraçao?
Eras simplesmente um cao,
Tudo o que dizias davam em nao,
Tudo o que fazias era em vao,
Tudo o que recebias nao era confusao,
Simplesmente era tudo ilusao.
Nao! Chega! Tu nao es parvalhao,
Segue o teu caminho pelo nevao,
Apenas pega na minha mao,
Esquece o ultimo verao,
Nao faças da vida um refrao,
Cura e dá a esse coraçao,
Um novo e brilhante Dragao.
Sim, eu sei que errei,
Sei que agi e nao pensei.
Tudo fiz e nao me curei,
Sempre sorri e nunca a deixei,
Sempre me desprezei.
Agora sim, melhor representarei,
Pois antes nunca amei,
Este ser que agora iluminei.
Agora sei o que farei,
Obrigado, finalmente acordei,
Sem ti nao conceguirei,
Viver o que viverei,
Ser o que serei.
Espera! Tu és aquele, eu sei,
Nao sei como duvidei,
Sozinho nunca me encontrei,
Pois sim, eu sou tu
E tu es eu e eu sou como tu.
Somos todos Um.
 
Eu, Tu e ele. Nós os egos.

Amor proprio, e seu entendimento

 
Com os pés na terra,
E a alma ao luar,
Sinto-me uma fera,
Com muito amor para dar.
Tudo é perfeito,
Tudo é belo,
Não pode haver preconceito,
Só tu e p teu elo.
De amor cheio me sinto,
De felicidade cheio me consinto.
Com a luz no negro escrevo,
Com o meu amor eu sirvo,
Esta multidão de pessoas que me rodeiam,
Mesmo aquelas com olhar de quem nos odeia.
Paz e harmonia,
Há muito não sentia.
Luz no meu corpo brilha,
Sinto-me numa enorme pilha,
De sentimentos Lindos,
Cheios de amor bem contraídos.
A luz e uma semente,
Um acontecimento que se sente.
Cada vez mais sinto amor,
Cada vez mais sinto fervor.
Conheço esse olhar,
Já tas farto de me acompanhar.
NO melhor de ti em ti está.
E o teu melhor revelar-se-á.
Amor é o que serás,
Felicidade é o que tu terás.
 
Amor proprio, e seu entendimento

Afirmaçao

 
Não sou nenhum tipo de poeta,
Apenas tento exprimir o que a mente intercepta.
Muito confuso eu andei,
Mas em certos caminhos procurei,
DE a forma a conseguir entender,
Vária maneiras de não sofrer.
Felicidade e amor me rodeiam,
So quero que me entendam.
Serena está a minha alma,
Linda se tornou e bem calma.
Aprendi a viver o amor,
Aprendi a dar-me valor.
Saber afirma e aceitar,
É saber ajudar e sentir bem-estar.
Mais claro me identifico,
Mais claro me clarifico.
 
Afirmaçao

O poema da noite... pelo menos da ultima..

 
Difícil está para adormecer.
Palavras enchem a minha mente.
Sozinho me encontro,
Mas é assim que tem que ser?
Difícil esta de sentir bem,
Será que eu somente,
Tristeza tenho dentro?
Será que estou a enlouquecer?
A hora é péssima,
Poucas pessoas me falam.
Nesta peça belíssima,
Que esta a ser a minha vida,
Quantas pessoas já passaram?
Quantas pessoas assistiram?
Será que para o amor o pano se fechou?
Será que é apenas dor,
Que a todos eu dou?
Difícil esta para adormecer,
Difícil esta de eu ser,
Aquela bela pessoa,
Que bem sabia amar.
Ouve o que no vento écoa,
Sente o qu está a pedir,
Sente o que não dá para ouvir.
Estarei sozinho?
Sozinho me encontro.
Bem cá dentro,
Do fundo sai de fininho,
Uma voz tão bela,
Que entra na mente e diz:
Não foi mal o que fiz,
Apenas mantive as memorias dela.
Sozinho não estas,
Tens-te a ti onde que que vás.
 
O poema da noite... pelo menos da ultima..

Análise repentina

 
Sei que da confiança pode nascer um monólogo melhor,
Mas a insistência em não acreditar num futuro sólido
Faz a minha crença melancólica apenas pensar no pior.
A rubrica do meu passado faz desaparecer a minha presença,
Faz com que nas pegadas já pisadas pareçam de tamanho menor.
 
Análise repentina

A incognita

 
Recordar é viver,
Ou Viver é recordar?
Mais que nunca aqui estou,
Nesta grande e tensa nostalgia.
Jamais esquecerei este dia,
Pelo que os sentimentos isto levou.
Foram tantos para me convencer,
Foram tantos para me acordar.
Hoje será uma noite vazia,
E possivelmente muito fria.
Por mais parvo que pareça,
Um sorriso consigo sacar.
De tantas voltas nesta cabeça,
Não foi difícil ofuscar,
Esta grande liberdade,
Que me faz bem lembrar,
Que me encontro em uma realidade,
Em que só me apetece voar.
Falta aquele cheiro a jasmim...
Viver é recordar sim,
Mas recordar também é viver.
Cada vez mais me identifico,
Cada vez mais me faz ceder,
A esta luz em que me clarifico.
Hoje mais que nunca vou precisar,
De um grande abraço dar,
Um bom momento sonhar,
E esta enorme saudade matar.
Voltas e voltas na cama dou,
Infelicidade deste vez se encerrou.
Voltas estas não de tristeza,
E claro de grande natureza,
Um sentimento de liberdade concerteza.
 
A incognita

Filosofia do cigarro

 
Fumo enquanto escrevo,
Escrevo enquanto fumo,
O fumo fica preso,
Solto-o no que escrevo.
Esvrevo o que no fumo sai,
Vou subindo com ele pois nao cai.
Palavras de um cigarro,
Momentos curtos para escrever,
Em 10 minutos vou descrever,
O que sinto neste cigarro.
Em 10 minutos tudo pode cair,
Nao tens noçao no que pode vir,
É melhor me despachar,
O cigarro vai a meio,
Nao me quero atrapalhar,
Mas sim esvaziar o cheio,
Que esta me a entalar.
Cigarro este que me faz pensar,
Cigarro este que me esta a falar.
Sao poucas as palavras a decifrar,
è a penas um cigarro para vairar.
Nao sei que merda estou a pensar,
Este cigarro esta me a endrominar,
Trenho a certeza que esta minado,
Merda, alguem o pode ter contaminado.
Vou mas é apagar esta coisa,
Antes que algem oiça,
Esta conversa de merda,
Com tudo isto e uma enorme perda,
De tempo estar a tentar rimar,
Pois eu tou me a cagar,
Vou masé isto apagar..
 
Filosofia do cigarro

As minhas primeiras letras...(Fora da Extruturação)

 
A lua é uma musa que me dá luz e seduz.
Das cinzas nasce a Fénix que me produz e usa,
Um sentimento passado,
Rasgado e vivido mas agora,
O ar traz-me enrolado um pensamento ousado e oprimido.
No mar espelha a verdade,
Por mais opaco e traçado seja o meu destino.
Na chama arde bem louvado o meu arrependimento repentino.
Por andar confuso e abalado só me sai esta confusão.
Por mais que pense e despreze estes o meus pensamentos são.
Pouco importa, o passado lá ficou e o futuro gera desilusão.
O chão já pisado jamais será beijado
 
As minhas primeiras letras...(Fora da Extruturação)

Falta de amor

 
Coração meu de pedra,
Porque te sente tao só?
Haverá alguma regra,
Ou preferes não ter dó?

Amor já sentiste,
Amar já recebeste
Será tao difícil de novo abrir?
Sera tao difícil de novo sorrir?

Coraçao tristonho,
É sina tua ser frio?
É de estar assim sozinho,
Ou isto tudo é um desafio?

Onde está a tua serenidade?
Onde está a tua fieldade?
O que queres e simplicidade?
Pois parece, é verdade.

Como pedra pensas defender-te,
Assim frio consegues perceber-te?
Quando se abriu esta profundidade?
Foi desde aquela misteriosa saudade?

Foi culpa tua a teres perdido,
Jamais voltaras a ser sereno.
Não sentir é como veneno,
Nada disto faz sentido.

Por favor volta minha harmonia,
Entra no meu peito e trás felicidade,
Talvez de novo entre em sinfonia,
Talvez de novo sinta uma saudade.
 
Falta de amor

Nova vida, Novo capitulo

 
Um novo capitulo começou,
Agora sei para onde vou.,
Tenho as asas curadas,
Liberto-as sem piedade.
Não vou apagar as pegadas,
Admito que terei saudade,
Mas novas portas vou abrir,
Nova vida vou seguir.
Finalmente livre me sinto,
Finalmente me encontrei.
"Infeliz estou" sempre pensei.
Agora com este encanto,
Novas aventuras viram,
Também novos amores sei,
Que facilmente me tomaram.
De novo a peça começou,
O publico se sentou,
E o espectáculo desenrolou.
O pano levou digo eu,
Feliz que nem perdido.
Facilmente o inicio cedeu,
Finalmente revelou-se o escondido.
Hoje sou quem eu era,
Hoje fiz o que fazia.
De novo o Dragao beijei,
Novo sentimento testemunhara.
Pensei que nunca mais o faria,
Mas num dia tao especial,
Nada havia mais banal,
Do que soltar o que prendia.
 
Nova vida, Novo capitulo

Iluminação perdida?

 
Em tempos os caminhos eram iluminados.
Paz e harmonia reinavam.
Perdemos tudo quando não amamos.
Será por isto que os nossos antepassados lutavam?
Será por isto que fomos crucificados?
O que acontece quando são encontrados?
Viverei esta harmonia para sempre?
AS respostas estão a nossa frente,
Temos falta de usar a nossa mente.
Isto não é coisa que se compre,
Tens que ser tu para o encontrares.
Se te encontras sem vida,
Procura o teu elemento,
Abraça a tua voz,
Ama sem olhar para o tempo.
O universo não para,
E as árvores são como nós.
Com regalo o amor eu sinto,
Com harmonia eu me conforto.
A minha planta eu não regava,
A minha vida eu não amava.
Hoje não me arrependo do que foi feito,
Viva a minha vida como novo efeito.
As minhas pegadas são como um conto.
 
Iluminação perdida?

Uma boa conversa a dois

 
Marie:
"Um longo dia me fez ripostar.
Luto com as horas,
Estas que teimam em restar.
Ocupo meu tempo e o tempo parece vazio...
Guardo os minutos que fora sou obrigada a deitar,
Nada me enche, nada me satisfaz...
Um tédio presente que nem com a noite jaz...
Espero que o teu dia tenha sido melhor...

Egus:
Acredita que vai ser.
Inspiraste-me para escrever.
Não sei que magia é esta,
Mas na caneta vou pegar.
Passei o dia a dizer que nada presta,
Mas agora digo,
Estou-me a cagar.
Não me esqueço do que digo,
Vou escrever contigo.
Obrigado por este despertar,
Já precisava de desabafar.
O dia foi longo,
Só me apetece pegar num comigo.
Tenho andado de rastos,
DE tristeza estou rodeado.
Sinto que os meus sentimentos estão gastos.
Não consegui falar com ninguém,
Sentia-me demasiado pesado.
Parece que apareceu alguém,
Para de certa forma me ajudar.
Obrigado por poder contar,
Com uma amiga espectacular.

Marie:
"O que te impede de um bongo pegar?
Quando em silencio todos teimam em ficar,
Não há melhor ajuda para os pensamentos decifrar.
AS magoas elevam-se,
Ridículas parecem,
O escuro que em momento ofusca,
Não são uns bafos que custa.
E se me achas uma amiga espectacular,
Deixa-te na niblina do prazer distorcido levar.

Egus:
Não são uns bajos que custam.
Muitos me perguntam,
O porque de eu não fumar.
Eu repondo com o que sinto,
Respondo perguntando se sabem amar.
Destruí o meu corpo nas drogas,
Nem te quero dizer o numero de psicólogas.
O meu corpo aprendi a amar,
Pois há outras maneiras de voar.
Saudades admito que tenho,
Coragem já não o digo.
Há muito que fumei contigo,
Há muito que não anho comigo.
Um dia talvez volte a fumar,
Apenas deixa esta trip primeiro passar.
 
Uma boa conversa a dois

Tu sabes quem és (:

 
Das entranhas da melancolia
Ofusca um brio harmónico,
Da estranha nostalgia que insiste em permanecer,
facilmente um sorriso consegue se desfazer.
Sei bem que o melhor de ti em ti está.
Aprende a dar te mais valor,
Aprende a viver sem mais dor.
Não deixes de acreditar no que o teu coração contesta.
vive cada passo com vontade de sonhar,
Tens as tuas asas curadas,
Liberta-as sem piedade.
Será que vives mesmo em liberdade?
Deixa todos esses pensamentos desaparecerem, está na hora de Voar!

Eu acredito em ti, tu és melhor do que isso.
 
Tu sabes quem és (:

realidade utópica, será?

 
Será que o brilho dos tempos de harmonia me voltara a iluminar?
Serão as incógnitas do melancólico infinito que apenas me rodeia?
Respostas inadequadas apenas me rodeiam ao que tento afirmar.
Será mesmo possível dissolver tudo o que me rodeia e odeia?

Não é fácil acreditar numa vida utópica,
Quando esta me circunda num diluvio amargoso.
Parece que em tudo o que acredito está a uma distancia microscópica.
Estarei à altura de enfrentar um futuro mesmo sendo duvidoso?

Porque esta persistência que só faz esmorecer?
Porque estas dúvidas que origina apenas rancor?
será que so mesmo no passado existiu amor?
Não é totalmente claro o que está aqui a acontecer.

Sinto tanta vida cá dentro presa, encurralada,
Não sei como farei para despertar uma nova vontade de viver,
Não são pensamentos suicidas que rodeia o meu ser,
Estou somente farto de viver numa nostalgia que os meus olhos veda.

É tão fácil divagar os pensamentos sobre a vida,
Porque não é assim com as pegadas que devem ser vividas?
Só sei que nada sei, e isso enche-me de dúvidas,
Preciso urgentemente de fazer a "caminhada".

Porque demorais em vir adormecer nos meus braços?
Nasceu dentro de mim, a semente que cá plantaste,
Não estará na hora de colher o que escolheste?
Não me deixes viver mais diante de espelhos baços.

Observando a realidade que consta nos dias que tenho vivido,
Posso novamente acreditar que anjos realmente existem,
Apareceste na minha vida, como um anjo dos céus caído,
Fizeste-me novamente acreditar, fizeste velhas amarguras dispersarem.

Sinto cada abraço teu, sendo como a solução para tudo.
Sempre que me abraças, todos os pequenos pedaços de mim se juntam,
Tudo o que estava partido, finalmente se junta, contudo,
Porque não acreditar em nós, quando todos duvidam?

Porem, contudo tendo tudo dito, encontro.me perdido,
Não encontro solução para a razão do sentimento de solidão,
Quando o que sinto que preciso é liberdade e nada de emoção,
Tudo parece tão disperso, e a na desilusão resido.
 
realidade utópica, será?