Poemas, frases e mensagens de JJG

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de JJG

A MÃO

 
 
A mão

A tua mão perdida entre a minha
Num aperto que desejo prolongar
Apertei e senti que te tinha
A meu lado para abraçar
Não consigo esquecer esse aperto
Aperto louco dos ossos a estalar
E sentir o meu coração aberto
Para hoje e sempre te abraçar
As mãos acorrentam-te ao coração
Com uma força capaz de arrebatar
O que de melhor há numa paixão
Quando as mãos se tenham de separar
Mesmo distante senti que te tinha
Apertado a mão, não estava a sonhar
E ouvi-te dizer que és minha
Era o desejo de te reencontrar.
JJG. Março, 28 2016
 
A MÃO

Amizade

 
Amizade

Muitos, mas mesmo muitos queriam saber
O que é a verdadeira amizade
Porque gostariam de ter
Um coração a bater
Com muita, mesmo muita ansiedade
Por uma noite mal passada
Uma doença que nos surgiu
Ou uma qualquer trapalhada
Com que a vida nos distinguiu
A verdadeira amizade
É essa alma que nos consola
Que nos consegue compreender
E está sempre a nosso lado
E nos ajuda a viver.

15 de Dezembro 2015
 
Amizade

Como acordas

 
Como acordas

Acordastes bem hoje?
Ou acordastes como todos os dias...
Sentimentos assustadores? Não? Pois não.
Acordastes cheia, sabes que me tens sempre.

Acordastes vazia? Vazia de sentimentos? De emoções?
Querias-me a teu lado? Era isso.
E eu queria lá estar.
Dava-te o alimento como mais ninguém te deu.
Enchia-te de emoções como ninguém te encheu.

E chegado aqui estou encantado, sabias?
Estar a teu lado é sentir uma maresia
Uma frescura e uma leveza de vida
Tu, que pé ante pé fizestes crescer esta floresta de emoções.

Entendi tudo.
Pode-se ser muito, sendo-se nada.
Pode-se dar tudo, sem pedir nada.
Pode-se estar perto, sendo de longe.
Pode-se abrir o coração, estando fechado nas suas emoções.
Pode-se dar a conhecer o nosso mundo, sem escancarar a intimidade.
Pode-se entrar devagar, ficar e deixar marca profunda.

Mais profunda
do que as palavras deste poema,
Que dia a dia cria novo tema
E de alegria me inunda.
Coisa mais profunda.

João Garcez, 15 de Dezembro 2015
 
Como acordas

Quero-te ter um dia

 
Ola ternura da minha vida
Libertaste-te das garras do meu amor
Indo por caminhos tortuosos
Vendo imagens de horror
Em tudo o que digo e faço
Imagens, enredos, superstições
Remendos que nunca hei-de compreender
Até que um dia enfim te possa ter

Fiz de ti uma princesa
Até que tudo me levastes
Z, porque me deixastes?

Ando toda a noite a vaguear
Numa tontaria incessante
Onde será que isto vai parar
Sonho errante?

E
Quem virá ?
Um dia se saberá.
Resta ficar e esperar
Embrulhado neste sonho
Sonho apenas meu

Imerso em mim
Rodeado de tanta gente

Tu amor virás um dia
Ter com ele

18 de Abril de 2012.
 
Quero-te ter um dia

Era o medo

 
Era o medo

Era o medo que nos vinha acariciar
Naqueles dias de fraqueza, de falência
Onde tudo estava longe, tamanha ausência
Nem o calor de uma fogueira pra nos confortar

O medo dominava aquele estranho lugar
A noite era o refúgio de singular vivência
Que fingia não ter a mínima consciência
Que estava ali pra te ter, pra te conquistar

As caricias do vento vingaram à opulência
Do medo que te tinha de novo t’amar
De sofrer como sempre sofri de tua ausência

E quando te perder era uma evidência
Era o medo que nos vinha acariciar
E lembrar que amar-te é a minha existência

João Garcez, Outubro, 2015
 
Era o medo

Abraça-me

 
Abraça-me

Quero que me sintas e me abraces
e me oiças no silêncio fazendo
gestos que nunca imaginastes
sinais do que estamos vivendo

Por mim serás sempre amada
e cada dia o amor vai crescendo
tal como o dia sucede a madrugada
ou uma arvore vai florescendo

Oiço o bater do teu coração
Lembro teu andar na calçada
e o nascer desta paixão
que surgiu um dia do nada

Quero penetrar nos teus olhos
e ouvir os gritos da tua alma
clamando por outros conselhos
que te levem a paz e a calma

Não te posso fazer-te sofrer
nem jamais ouvir-te chorar
quero um dia poder-te dizer
que é bom poder-te amar

Sinto o vento a empurrar
o meu corpo para o teu
não sei se posso deixar
dizer que o vento venceu

E se um dia se repetir
Abraça-me e leva-me contigo
Não quero deixar de sentir
Este amor que tanto instigo
PA, Outubro 2015
 
Abraça-me

Sonho

 
Boa noite…
Peguei num papel e numa caneta…
Sabia o que queria mas temia o que escreveria
Tremia porque não queria ler o que me sairia….
A noite está gélida como gélido está o meu coração….
O cansaço não me deixa dormir

Mesmo querendo não te posso sentir…

Um flashback repentino, breve
Rápido e doloroso perpassa-me
Registo…
Como um grito, arrepiante,agudo, vibrante…
Qual espada afiada …
E fecho os olhos
Qual escuridão me agonia..
De noite, como nunca mais fosse dia
Qual solidão que arrepia de pensar
Que vai chegar, gélida e fria…um dia.

Soa enfim
E uma voz ecoa.
Será para mim…
Sim, claro que sim.
Podias ser tu…
Alegre e radiante
De te ter inconstante…
Mas alegre e radiante…
È por um instante, mas é por um instante.
Amor, da minha vida
Extingue de mim esta agonia
Transforma em alegria
Ainda que seja fugidia
Por um dia…
Que seja breve a esperança.
Sem ti, eu mesmo senti
Que fazia uma aliança
Com a alegria, inconstante, por um instante.

E acordo, só.
 
Sonho

Pai

 
Dia do Pai

E para começar, hoje dia do pai
Com a alegria que a data merece
Pelo amor que me deu
em tempo que lá vai
Pela saudade
fica este poema à guiza de prece

Pai querido que partistes
Estás comigo em cada dia
Foste tu que conseguiste
Que eu viva com alegria

Deste paz, carinho e amor
Lições de saber e de fazer acontecer
Tudo o que preciso de usar com labor
Para a glória da vida ter

Tu será para sempre a minha chama
Que aquece o meu coração
És aquela pessoa que me ama
Sem impor qualquer condição
 
Pai

Uma canção de amor

 
Uma canção de amor
Em teus braços em me vejo
Cada vez que penso em ti
Matando este meu desejo
Que em mim sinto por ti

Qual chama de fogo ardente
Que transforma, que se irradia
Quão forte ela se sente
Que me dá toda esta alegria

Se pudesse ter-te aqui a meu lado
Longe deste sonho, perto do desejo
Tudo ficaria de tal modo contagiado
Que se prolongaria num eterno beijo

Sinto teu cheiro, oiço a tua voz
A chamar ternamente por meu nome
Para este lugar onde estivemos a sós
E onde um tempo fugaz se consome

Do teu beijo fica o sabor
Do teu abraço fica o teu cheiro
No coração fica a enorme dor
Como se este fosse o derradeiro

JJG
 
Uma canção de amor

Para Ti Solidão

 
Para Ti Solidão

Andei à voltas com a caneta mas era pesada
E resolvi escrever no computador
Para a mesa não ficar riscada
E das mãos poder sentir seu suor

Num lampejo de vontade de ver teu olhar
Sinto o desejo que está dentro de ti
Que de cada vez me faz arrepiar
Com um arrepio tal que nunca senti

Deve ser o vento que está a soprar
Que traz este teu sentimento
Me envolve e me está a apertar
E envolve de novo no seu movimento

E nem sei como resisto, inquieto
Mas sobram sonhos de te abraçar
O vento faz-me quebrar o ímpeto
De aqui, e agora te beijar

Acordo e sinto num momento
Que tudo se desvaneceu num movimento
E ao abrir os olhos de rompante
O sonho e tudo se desvanece nesse instante
 
Para Ti Solidão

Se dento de ti

 
Rouba-me já um beijo
Abraça-me enrola-te em mim
Despe a tua alma e faz-me sentir
Todo aquele meu desejo
Que se pode dar no meio de um beijo
Diz-me o que estás a ser
Diz-me o que desejas enquanto me beijas
Abraça-me nesse coisa única
Que é sermos um só desejo
Nesse abraço, nesse beijo
Alcança o pleno desejo
Diz-me a alegria que estás a sentir
Partilha esse prazer enorme
Que é dar um beijo
Que dar-te tudo num abraço
Que é ser o teu home
Nem sei o que te faço
Sei quando me imploras
Sei que me diz enquanto choras
D’alegria enorme desse caso
Rouba-me um beijo
Cumpre a penitência desse ato libidinoso
Manda-me fazer o que mais desejas
Nesse ato glorioso
Dá mais um beijo
No amor que seja roubado

No beijo roubado eu sinto-te sedenta,
o corpo que arde pelo desejo de ser possuído.
No beijo roubado passas a ser a minha ,
nesse acto deliciosamente libidinoso!
E não pretendo redimir-me.
Assumo o pecado e cumpro a penitência.
E faço-te cumprir tuso até ao fim,
como gostas,
como pedes,
como imploras!
Gosto que me roubes beijos porque...
...AMAR é também roubar um beijo!
 
Se dento de ti

ATITUDE

 
A ATITUDE

Foi na altura certa para afirmar a posição de pai. Tinha sido derrubada a autoridade naquele momento preciso, tomar a atitude que se exigia era imprescindível - agora ou nunca.
O Toninho tinha dormido, em casa, com uma amiga. Não dizer nada antes aos pais era imperdoável, violava os princípios basilares de tradição bem como a ética familiar e, por isso, merecia repreensão maior.
- Realmente, não tínhamos dado por nada. Durante a madrugada, apenas ouvimos uns rugidos estranhos. Pensámos serem dos novos vizinhos. Pareciam demasiado perto, eram novidade. Entre um baloiçar estranho e ritmado do candeeiro, uma música semi-arrepiada de ventríloquos suspensos em cadência, qual música de banhos turcos em outono frio – sem cheiro a eucalipto, obviamente.
O ruído durou o tempo suficiente para orar pelas desgraças mundanas, rogando ao senhor pela remição dos pecados.
-Reprovo a escravidão do corpo e todo o homem que troca a graça espiritual pela platitude mundana. Com a aurora o ruído terminou.
Ao almoço, apareceu de súbito uma cadeira extra à mesa, comandada pela mão da mãe. Sentei-me e, entretanto, irrompeu naquele momento na sala uma trintona, de peito robusto, cara pontiaguda quebrada por um cabelo loiro e sedoso, que escondia sob ele umas sobrancelhas espetadas, assemelhando-se a pregos negros e finos milimetricamente dispostos, como que protegendo os olhos do reflexo do mar em dia de sol que - tapava a vista da TV.
Interrompi a garfada que ia comendo de salada de alface, misturada com agriões, que tinha colhido na ribeira da freguesia, enquanto ouvia as águas límpidas e cristalinas a quebrar nas rochas mansas. Olhei novamente absorto para aquele pedaço de mulher e recordei o alvoroço daquela madrugada. Meu filho estaria mesmo perdoado?
E diz a mãe com voz de predestinação.
- Há que postergar as atitudes dos filhos e apoiá-los.

JJG, MARÇO 2016
 
 ATITUDE

De que são feitos os dias

 
De que são feitos os dias?
Os dias são feitos de poesia
Ou de uma conta de somar
A que soma mais uma alegria
Que alguém nos tem para dar
Ou de um abraço perdido
Que surpreende pelo calor
Ou um beijo muito querido
Que se dá por amizade, por amor
Numa manhã de nevoeiro
Ouvindo os pássaros cantando
Tenho a alegria de ser o primeiro
A ouvir a natureza salvando
Ou a música da viola
Que me preenche logo de manhã
Ou a melodia que consola
E que torna a vida sã
Ou o desejo de ver
Quem nós mais amamos
A entrar pela porta e dizer
Olá como estás, já chegamos
Ou pelo desfiar dos dias
Em que os sonhos se vão realizando
Que surgem como mordomias
Que a vida nos vai presenteando
E afinal de que são feitos os dias?
Uns a fazer cálculos rebuscados
Que mal se conseguem entender
Que escondem regras do saber
E por isso são mais complicados
Outros a escrever poesia
Que encanta só de ler
São uma imensa minha alegria
Quando consigo escrever
Finalmente uma palavra de apreço
Por tudo o que fazem por mim
A todos sinceramente agradeço
Uma imensa gratidão que não tem fim
 
De que são feitos os dias

Afinal quando escreves

 
Afinal escreves bem...quando queres

diria muito bem...

não saberia escrever melhor...

qual abraço apertado, qual beijo roubado...

qual bico adoçado

qual tempo passado

qual sorriso dado

segredo partilhado

por um bocado

tudo foi dito em paz

fala-se pró ar, ninguém houve

porque quem esteve lá não soube

e tudo nos satisfaz

nos alegre e nos conquista

como se fosse dada uma pista

pra continuar a tagarelar

sem tempo para acabar

mas acabou e o que ficou

foi a vontade de voltar
 
Afinal quando escreves

ENCANTA-ME

 
ENCANTA-ME

A ansiedade voraz de sentir teu desejo, encanta-me
A tua felicidade discreta quando te perdes em mim, encanta-me
A beleza que preenche teu corpo e impõe-te, encanta-me
A voz terna e brilhante quando chama por mim, encanta-me
O teu corpo frágil de inigualável candura, encanta-me
A tua compaixão e delicadeza que preenchem teus poros e encanta-me
A tua voz cheia de desejos quando arde em minhas mãos, encanta-me
A tua sensualidade quando se entrega em minhas mãos, encanta-me
O teu olhar fixo no meu, qual foto a preto e branco, encanta-me
O teu abraço dado no meu num aperto interminável, encanta-me
A tua voz chamando meu nome num assomo de saudade, encanta-me
As palavras que soletras quando chegas e teus olhos cruzam com os meus, encanta-me
A saudade de voltar a dar aquela palavra de carinho, encanta-me
Aquele momento de sorrisos abertos onde só o presente conta, encanta-me
Aquele até amanha numa voz de saudade na esperança de novo dia, encanta-me.

JG, 3/04/2016

Tudo me encanta em ti, sim em ti.
Sê sempre tu que o encanto será eterno.
 
ENCANTA-ME

Porque secou a flor

 
Não entendo porque secou a flor que amo
Não entendo porque se fechou
Não entendo como esmureceu
Quando o raio de sol a preenchia de luz
Quando se regava de amor
Tudo era alegria, tudo era perfeito
Tudo se excedia
Não havia defeito
Não entendo porque secou a flor que tanto amo
Que cheiro encantador, inebriante
Que cor resplandecente e mágica
Quero ter essa flor
Como era no meu jardim
Quero ter esse amor
Na minha vida só para mim.
Quero essa alegria de viver
Quero essa forma de estar
Vou semear, regar , e fazer crescer essa encantadora flor
E enfim,
O meu jardim
Vai finalmente me alegrar.
João Garcez, Junho, 24, 2012
 
Porque secou a flor

O amor

 
O amor!!!
Só acredito no amor eterno
Sincero, franco e honesto
Só acredito no amor sem trevas
No amor sem agruras, no amor pelo amor
Como um raio de sol que me atravessa
É esse o amor que quero
Aquele que de nada me impeça
Que seja uma fonte de alegria, de paixão, de confissão, de partilha e de comunhão
Enfim que sejas tu a minha fonte de vida…

10 de Fevereiro de 2013
 
O amor

Tens razão

 
Tens razão

Tens razão que a escrita faz-me faminto
Faminto de escrever a nossa amizade
Faminto de te ter para conversar
Estou faminto de ser teu por um bocado
E nessa ousadia de felicidade
Quebro a monotonia de verdade
E lembro as caricias que trocamos
Nas palavras perdidas naquela tarde
Nos dias que queríamos mas nunca nos beijamos
Era amizade? Era amor?
Era muita ansiedade
Hoje, agora sinto esse calor
De poder ser minha de verdade
Porque não tendo sido assim
Era assim que deveria de ser.

João Garcez, Novembro 2015
 
Tens razão

Notas soltas

 
Que seja um dia com luz

Que ilumine o teu caminho

Que alivie a tua cruz

Que te encha de amor e carinho
 
Notas soltas

Fixação

 
Fixação

Fixo meu olhar no teu, furtando-o,
enchemos as mãos de paixão, gravando-o,
penetro teus pensamentos, teu desejo
oculto o sufoco que te faz desejar um beijo,
fixo em ti meu peito desajeitado,
rebolo no teu leito quente
nunca antes por mim visitado,
abraço eterno de homem valente,
aprisionado a ti, no teu cativeiro,
encurralado no calor do teu coração,
desejas-me como se fosse para ti o primeiro,
partilhas teus segredos em susurros de paixão,
desejo ter-te hoje e sempre por inteiro,
ainda que seja apenas um momento derradeiro,
porque quero dar-te esse ensejo,
tem uma boa noite, aceita um beijo
PA, Outubro 2015
 
Fixação