Poemas, frases e mensagens de Dianinha

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Dianinha

Primeiro livro: "Sentimentos em Palavras" da Corpos Editora

O Mar!

 
O Mar!
 
Mar, tu que envolves a areia
Com toda a tua força e paixão
Quem te sabe admirar
Já presenciou esta linda união!
União essa que é sublime e encantadora
A força com que a areia abraças
Fazes esquecer a muita gente
Que a vida tem desgraças!
Mar, és incrível e avassalador
És fonte de grande inspiração
Tua paisagem tem efeitos curativos
Cura muitos males de coração!
O horizonte faz parte de ti
O sol todos os dias te vai beijar
És majestoso, imponente
Visto muitas vezes por quem sabe amar!
Quando o sol te beija
Torna-se num momento de grande admiração
Nem todos sabem avaliar este teu poder
Nem todos são dignos de tamanha contemplação!

Este poema foi feito hoje, sentada à beira-mar, contemplando o pôr-do-sol!
 
O Mar!

Fingimento Poético!

 
Fugaz e inspirado
Incessante na sua escrita
Não olha para o tempo
Gosta dos pormenores
Imagina o impossível
Manipula personagens
Enverga várias vidas
Não perdendo a sua no entanto
Torna tudo mágico
Obstinado é o poeta!

Prosa ou poesia
Ornamenta os seus textos
Encaminha os leitores
Todos somente numa direcção
Imaginar e viver
Caminhar num só sentido
Objectivo cumprido!
 
Fingimento Poético!

Meu corpo!

 
Meus olhos anseiam por ti
Por te ver de qualquer jeito
Quero ver-te como nunca vi
Vem deitar-te no meu peito!
Meu nariz anseia por te cheirar
Esse teu cheiro inconfundível
Esta minha ânsia de te amar
Este meu desejo é terrível!
Minha boca quer provar
Esse teu beijo perfeito
Será que é pecado te amar
Vem repousar em meu leito!
Meus ouvidos querem escutar
Tua voz carinhosa mas forte
Diz-me que me vais amar
Até ao dia da minha morte!
Minhas mãos querem te tocar
Nesse teu corpo que me enlouquece
Vem e deixa-me te amar
Escuta esta minha prece!
Nesta mistura de sentidos
Meu corpo só tem uma finalidade
Amar-te com toda a minha força
Mas amar-te de verdade!
 
Meu corpo!

"O amor é..."

 
O amor é um animal faminto, à espera que alguém lhe "mate" a fome com paixão!
 
"O amor é..."

Louca quem sabe!

 
Serei louca por te querer
Por querer que me ames assim
Serei louca por te amar
Por te amar de um jeito, enfim!
Não sei se será loucura
Ou simplesmente uma arrebatadora paixão
Só sei que não tem cura
Esta minha doença do coração!
Doença que é tão saudável
Que me faz pensar só em ti
Este meu amor inexorável
Como jamais algum eu vivi!
Viver agora tem sentido
As nuvens negras deixaram de me acompanhar
Agora sei que ainda nada tinha vivido
Porque somente agora sei o que é amar!
Talvez até te ame demasiado
Talvez seja tudo em demasia
Só sei que este meu ser está extasiado
Por saber o que é amar um dia!
 
Louca quem sabe!

Volta avô!

 
Partis-te…
E deixaste-nos então…
Sem uma possível despedida
Partis-te no último Verão!
Vi-te sofrer
Como nunca imaginei
Ainda consigo ver tua cara
E tudo o que chorei!
Foram dolorosos os momentos
Que envolveram a tua partida
Nunca imaginei eu
Que te roubassem assim a vida!
Estavas tão fraco e desprotegido
E eu sem nada poder fazer
Este sentimento de inutilidade
Ainda mais me fazia doer!
Porquê que tinhas de partir?
Estavas tão bem entre nós
Eu sentia-me uma sortuda
Porque ainda tinha todos os meus avós!
Eu sei que a vida é assim
Mas é difícil de aceitar
As vidas fogem-nos pelas mãos
Sem uma última oportunidade nos dar!
Todas as memórias más ficam esquecidas
Somente as boas permanecem
Todas as brincadeiras que tive contigo
Acredita que nunca mais se esquecem!
Todos os bons momentos
Ficarão guardados no meu coração
Nunca os esquecerei
São a minha única recordação!
Agora tenho um anjinho no céu
Que me ajudará em tudo o que precisar
Sei que estarei protegida sempre protegida
Porque ele por mim vai olhar!
Não estás presente de corpo
Mas estás em pensamento
Vais estar sempre no meu coração
Em toda a minha vida, durante todo o tempo!
Teus lindos olhos verdes
Que eu nunca esquecerei
Até um dia destes avô,
Para sempre te amarei…
 
Volta avô!

Inigualável amor de pais!

 
Há 23 anos atrás
Um casal de namorados resolveu casar
Na esperança de serem felizes
De nunca se virem a separar!
Depois de se casarem
Em ter um filho começaram a pensar
Trataram de resolver o assunto
Para a futura mãe engravidar!
Ao longo da gravidez
Deram asas à imaginação
Imaginavam um filho rapaz
Imaginavam um belo rapagão!
Ao fim de nove meses
Já estava a mãe a sofrer
Entrou em trabalho de parto
O seu filho estava prestes a nascer!
Mas qual é o seu espanto
Quando a parteira lhe diz:
“É uma linda menina,
Espero que esteja feliz!”
Feliz ela ficou
Por uma filha saudável ter
Iria amá-la para sempre
Para sempre até morrer!
Toda a família esperava ansiosa
Principalmente o jovem papã
Que olhava para a incubadora através do vidro
Para aquela criança sã!
Desde o início
Aquela criança sempre amaram
Mesmo estando à espera de um rapaz
Nunca a desampararam!
Foi crescendo e crescendo
Esta menina muito amada
Rodeada de toda a família
A quem ela muito admirava!
Entrou para a escola, para a secundária
E logo depois para a faculdade entrou
Foi crescendo em todos os sentidos
E numa grande amiga se tornou!
Os pais sempre com sacrifício
Por ela sempre tudo fizeram
Hoje ela agradece do fundo do coração
Todo o amor que têm tido e tiveram!
Esta menina agora tem 22 anos
E muitas vezes para trás olhou
Mas quero agradecer principalmente aos meus pais
Por hoje ser tudo o que sou!
 
Inigualável amor de pais!

Sofrimento amargurado!

 
Sofro assim
Obstinadamente
Fraca, acabada
Rusga fracassada!
Inconscientemente
Mergulho no sofrimento
Esse maldito
Nefasto tormento!
Toda a vida em nada
Oh vida amargurada!

Angustia
Momentos fragilizados
Ambíguos, obscuros
Rasgos predestinados!
Gostos destruídos
Uma vez contados
Ríspidos sentidos!
Atribulado sonho
De pesadelo convertido
Oh vida sem sentido!
 
Sofrimento amargurado!

Aquele tempo!

 
Já foi tempo
Em que éramos felizes
Lembras-te?
Tempos petizes!
Naquela época
Era tudo encantador
A ingenuidade reinava
Puro e inocente amor!
Gostavas desse tempo?
Em que imperavam as cores?
O amanhecer perfumado
Campo cheio de flores!
Tudo lindo e maravilhoso
E com uma só razão
Por te ter a ti
Ao teu coração!
Esse jardim do éden
Recordo-o saudosamente
Chamo-o de paraíso
Mas é a infância mais precisamente!
 
Aquele tempo!

Amor acarreta tristeza!

 
Porquê que o amor acarreta tristeza?
Porquê que o amor não pode ser só felicidade?
Porquê que quem ama tem que sofrer?
Quem dera que isto não fosse verdade!
Será esta a minha sina?
Ter que sofrer desesperadamente?
Olhos inchados de tanto chorar
É assim a minha vida ultimamente!
Dor que me percorre poro a poro
Dor que me invade sem permissão
Dor que me consome até às entranhas
E suga por completo o meu coração!
Sai de mim maldita tristeza
Deixa ficar em mim somente o amor
Porque é este que me dá alento
Minha aLma já só sente dor!
Sai, vai-te embora
Deixa-me sozinha a sufocar
Começo a perder as forças
Já me sinto a asfixiar!
É isto que tu queres
Já não me consigo libertar
Quero afogar-me em minhas lágrimas
Para este tormento acabar!
 
Amor acarreta tristeza!

Quero ser...

 
Quero ser tudo
Quero ser alguém
Quero ser nada
Quero ser ninguém!
Quero ser o Sol
Para toda a gente aquecer
Quero ser a Lua
Para os amantes proteger!
Quero ser o Mar
Para a todos banhar
Quero ser a Areia
Para os meninos comigo brincar!
Quero ser Água
Para a sede matar
Quero ser uma Flor
Para me poderem cheirar!
Quero ser uma Árvore
Para oxigénio dar
Quero ser Erva
Para os animais alimentar!
Quero ser um Pássaro
Para bem alto voar
Quero ser Actriz
Para um palco pisar!
Quero ser Poetisa
Para muito escrever
Quero ser Mágica
Para poder desaparecer!
 
Quero ser...

Um pesadelo terrível!

 
Tive um pesadelo
Sonhei que te perdia
E nesse terrível pesadelo
Eu também já não vivia!
Adormeci docemente
Em meus lençóis de cetim
Pensando que ao acordar
Te iria ter perto de mim!
Mas nesse maldito pesadelo
Que até me custa a lembrar
Tu deixaste-me, abandonaste-me
E eu acordei a chorar!
Partiste para outra
Uma outra que nem a face conseguia ver
Só conseguia ver-te a ti
E o ódio em mim a percorrer!
Felizmente não passou de um pesadelo
Um pesadelo que não quero tornar a ter
Afinal ainda te tenho para mim
E juro que não te quero perder!
Só quero ter sonhos felizes
Em que tu só me queres amar
Tal como na realidade
Mas não quero deixar de sonhar!
 
Um pesadelo terrível!

Hoje preciso de mim!

 
Hoje preciso de mim
Estar comigo sozinha
Recolhida em pensamentos
De um futuro que se avizinha!
Preciso deste momento
Encolhida, comprimida, contida
Somente no calor do meu corpo
Sozinha, a pensar nesta vida!
Necessito deste momento
Calada, sossegada, retraída
Neste meu desalento
Nesta vida entristecida!
Não quero ninguém
Não quero nem preciso
Estou assim tão bem
Neste meu casulo conciso!
Enrolada em sentimentos
Coberta com tristeza
Acompanhada pelo medo
Porque a alegria me despreza!
Aqui estou
E aqui quero ficar
E inerte ficarei à espera
Que a felicidade me venha abraçar!
 
Hoje preciso de mim!

Irmã de coração!

 
Fazes parte da minha vida
Entras-te nela devagar
Fomos nos conhecendo aos poucos
E agora não nos conseguimos separar!
És a irmã que sempre quis ter
E a amiga que sempre desejei
És a minha confidente
A ti sempre tudo te contei!
A nossa cumplicidade é maravilhosa
Às vezes nem precisamos de falar
Compreendemo-nos mutuamente
Basta um simples olhar!
Temos os mesmos gostos
E tu conheces-me melhor que ninguém
És um ser lindo e perfeito
Nunca pensei que existisse assim alguém!
Sabes que podes contar sempre comigo
Nos momentos mais difíceis contigo estarei
És uma pessoa que não quero perder
Eu nunca te esquecerei!
Todos os momentos que passamos
Para sempre guardados ficarão
Podes não ser irmã de sangue
Mas és irmã de coração!
 
Irmã de coração!

Janela da Vida!

 
Olho pela janela
Essa face límpida e perfeita
Lá fora está o mundo
Ou quem de lá espreita!
Esta janela que é mais que isso
É algo muito inconstante
Tanto está embaciada e a escorrer
Como limpa e brilhante!
É a janela da Vida
Que não podemos controlar
É algo que nos transcende
Resta-nos simplesmente esperar!
Esperar, viver
E deixarmos de pensar
Já que quando muito pensamos
Só nos estamos a magoar!
É esta a vida que temos
Se é que não temos mais nenhuma
Porque se através dela vemos sempre cinzento
Mais vale pensar que é só uma!
 
Janela da Vida!

Poeta sonhador!

 
Pessoa com sentimentos, onde o
Ontem já não existe, só o hoje!
Emanado de uma sede de escrever
Transcreve para o papel todo o seu sentimento
Atingindo lugares jamais alcançados!

Sonha muito,
Ondeia pelos seus sonhos,
Nunca esquecendo o seu destino!
Honrado e perspicaz
Adora criar novas vidas,
Desdobrando-se em mil e um seres
Onde os vive intensamente,
Repetidamente, como se não houvesse amanhã!
 
Poeta sonhador!

Tua sina!

 
Sou a tua cigana
A tua sina vou ler
Vou saber o teu futuro
Vou tentar descrever!
Dá-me a tua mão
Para as linhas eu analisar
Sei que é algo bom
Do qual vais sempre lembrar!
Numa linha vejo uma mulher
Noutra linha a ti vejo
E essas linhas cruzam-se
Vejo que tudo começou com um beijo!
Ela está no teu passado
No teu presente e no teu futuro
Vejo aqui um grande amor
Um amor lindo e puro!
O que mais queres saber?
Se este amor vai durar?
Isso depende de ti
Se a continuares a amar!
Queres saber quem ela é
Até leio a tua mente
Pois isso é muito fácil
Sou eu mesma, aqui à tua frente!
 
Tua sina!

Quando tudo desaparece!

 
Quando a Loucura decide fugir
Essa extraordinária demência
Tudo parece aluir
Ai penosa penitência!

Quando a Paixão desaparece
Essa traiçoeira excitante
Tudo com ela desvanece
Ai sentimento irritante!

Quando o Amor se vai
Esse maldito maravilhoso
Tudo com ele cai
Ai sentimento doloroso!

Quando tudo desaparece
Nada fica em mim
Corpo vazio falece
Vida minha, enfim!
 
Quando tudo desaparece!

Escuridão!

 
Vida obscura a minha
Que teima em não me abandonar
Por mais esforço que eu faça
Deste sentimento não me consigo libertar!
Querer ver e não ver nada
Ai que má sorte a minha
Tirem-me já deste sofrimento
Quero ter a vida que tinha!
Estou amarrada a esta vida
Este suplício que não pára de me consumir
Quero libertar-me e não consigo
Tenho que conseguir fugir!
Estou presa a este tormento
A esta vida amargurada
Soltem-me por favor
Quero voltar a ser amada!
Nesta escuridão profunda
Estou condenada a aqui ficar
Ninguém me vê nem me ajuda
Já não consigo mais gritar!
Ter os olhos abertos
E não ver nada diante de mim
Mais vale fecha-los para sempre
Para então isto ter um fim!
 
Escuridão!

Inferno dos poetas!

 
Vida minha
Sina deliberada
Eterna sofredora
Vida desgovernada!

Rabisco, redijo e escrevo
Passo a vida para o papel
Esta que muitas vezes é agra
Poucas vezes sabe a mel!

O inferno em vida
Fogo, quente que inflama
Difícil de extinguir
Vida esta de quem ama!

É a vida dos poetas
Se assim me posso considerar
O nosso inferno em escrita
Em que reina o verbo amar!

As palavras são estilhaços
Da nossa alma fragmentada
Que clama e lacrimeja
Pedindo para ser amada…

É esta a vida dos poetas vivos!
 
Inferno dos poetas!

Diana Miriam Dias