Poemas, frases e mensagens de Migueljaco

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Migueljaco

Miguel Jacó

Natural de Araripina PE.
Casado, 60 anos de idade.
Aposentado da área de telecomunicações.
Atualmente ocupa-se: dos afazeres de casa,
e das composições poéticas.
Radicado em Taubaté SP desde 1987.
Adepto de boas leituras.

A MINHA TARDE.

 
"Nos afetos, o que se promete no auge do querer, não se sustenta no pico das discórdias".
MJ.

A minha tarde neste meu quarto solitário,
Foi Recenseada pelo canto de uma rolinha,
Que em meu quintal se fazia tão despojada,
Dando a entender que não era nada minha.

De vez enquanto eu dava minha cochilada,
E acordava por qual razão tu me adivinhas
A minha tarde neste meu quarto solitário,
Foi Recenseada pelo canto de uma rolinha.

Andei sonhando com uma ilha encantada,
Mas sua beleza era bem parca e mesquinha,
Tive um insite de encontrar uma namorada,
E nada disto confirmou-se foi bem lendário,
A minha tarde neste meu quarto solitário.

Enviado por Miguel Jacó em 07/04/2015
Código do texto: T5198254
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
A MINHA TARDE.

TRIBUTO AO AMOR.

 
Tua mente esta fazendo confusão
Minha ausência não é o propósito meu,
É preciso que tu abras o coração,
Para depois sentires os traços meus,
Sou apenas um formato energético,
Que inebria a quem seja condutor,
Das premissas que precisa praticar,
Para ser digno da conduta do amor,
Me confundem com sentimentos diversos,
Mas sou puro e até inigualável,
Onde eu esteja o rancor é deplorável,
Pois minhas forças o vencem com fervor,
Mas são constantes as inversões de valores,
Quando se matam em meu nome,
Me comprometem tirando meu valor,
Mas acredite eu estive sempre contigo,
Somente agora percebeste meu calor,
Já estais pronta para exercitar o amor.
 
TRIBUTO AO AMOR.

TEU SORRISO INUNDA O MUNDO.

 
Sinto no teu coração,
Um pulsar arrasador,
Te peço por devoção,
Conceda-me teu calor.

O amor é traiçoeiro,
O sorriso tem delírios,
A paixão é um bueiro,
Abriga todo cinismo.

Cada verso que produzo,
Tem a marca do meu ser,
Mas eu quero lhe dizer,
O mundo é meio recluso.

O paraíso é falácia
Fonte de pecado vil,
O nosso Deus exigiu,
Que logo fosse fechado.

O silencio alardeia,
O que tiver a ser dito,
Esta vida é uma teia,
E o amor é maldito.

A verdade vem a tona,
A poesia é reversa,
O amor não quer carona,
A mentira o dilacera.

Tua beleza enigmática,
Unida a um canto belo,
É como fosse o nosso elo,
Peça chave da mandala.

Conceda-me um beijo teu,
Quero tirar o teu batom,
Para mostrar como é bom,
Os lábios que Deus te deu.

Teu sorriso inunda o mundo,
Tua boca me assedia,
Minhas noites são vazias,
Pois não sinto teu perfume.

Teus cabelos cacheados,
Mechem com o meu fetiche,
Sonho contigo acordado,
É farta a tua meiguice.

Enviado por Miguel Jacó em 07/01/2015
Código do texto: T5093590
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
TEU SORRISO INUNDA O MUNDO.

A LUZ DO INTENSO AMOR

 
Quando teu brilho transferiu-se para mim,
Constatou-se uma fusão em nossos corpos,
Nossas partículas fecundam o mesmo jardim,
Pois a intensa luz deste amor já fica forte.

Nem sempre é fácil perceber-te tão bondosa,
Te postas ressentida dos desejos represados,
As tuas faces estas assemelham a rubra rosa,
Em uma noite de luar destas bem orvalhadas.

Eu te faço juras de caricias sem cumpri-las,
Te alongo o clamor dos mistério devotados
Este nosso caso a cada vez fica mais sádico.

Nos tornamos vitimas das nossas arrogâncias,
Visto que cada um já tem seu ego construído,
E por muitas vezes tudo parece sem sentido.

Enviado por Miguel Jacó em 06/12/2010
Reeditado em 10/12/2014
Código do texto: T2655959
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
 
A LUZ DO INTENSO AMOR

EU NÃO SEI MAIS NAMORAR.

 
“O amor por conveniência, pode nos ser mais danoso do que o ódio por desavenças”

Eu não sei mas namorar sobrevivo de apatias,
Me sobram fantasias e sonhos de implementar,
E me pego a imaginar como que a gente fazia,
Nas mais intensas agonias antes da gente trepar.

Sei que a vida continua, apesar do meu marasmo,
Não tenho como culpa tua nem adoto o sarcasmo,
Porem desejo meu direito de me fazer satisfeito,
Colhendo noutro jardim inda que murchos cravos.

Que o amor de mim distante se aposse deste mundo,
E embeveça aos casais de sentimentos profundos,
Levando bons alentos aos namorados latifúndios.

Não sou mais um consumista presente nem pensar,
Desbanquei todo este mundo prefiro nem namorar,
Desejo a humanidade, o poder pra se transformar.

Enviado por Miguel Jacó em 12/06/2015
Reeditado em 12/06/2015
Código do texto: T5274210
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
EU NÃO SEI MAIS NAMORAR.

ABANDONEI O MEU SER.

 
Abandonei o meu ser, o deixei pedindo esmolas,
E este encheu suas sacolas, desde o dia em que te encontrou,
Fostes bondosa com ele, o levastes ao teu abrigo,
Lhe mostrou o teu umbigo, e disse-o se quiseres mais,
Lembre-se que estais a míngua, me dê um beijo de língua,
E te apossarás dos meus canais.
Ao sair lembro das palavras, sussurradas por tua boca,
Com uma voz quase rouca, me dissestes até breve,
Confesso eu cuspi no chão e consolei o meu coração,
Dizendo ela volta já, é o tempo do cuspe secar,
Algumas décadas se passaram meus olhos já esgotaram,
As lágrimas de esperanças, e tu não voltou ainda,
Mas meu querer não se finda, pois viverás em minhas lembranças.
Volte um dia se quiser, e serás a minha mulher, fonte de novas
Esperanças.

Enviado por Miguel Jacó em 06/01/2015
Código do texto: T5092489
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
ABANDONEI O MEU SER.

MEU GRITO É DESPERDIÇADO

 
Meu grito é desperdiçado, a massa já está corrompida, os indigentes abandonados, e muita gente pouco assistida, porem ah muitos comprados, pelas migalhas da vida, governantes salafrários, intelectuais adormecidos, e a elite bela e folgada, este é o espelho refletido, de uma nação em frangalhos de esperanças perdidas, mesmo assim vou me portando, fazendo advertências, e as pessoas copilando, estas profundas feridas, se o homem não for capaz, o universo nos faz as correções necessárias, porem haverão destroços, serão carniças e ossos, alastrado pelo planeta, porque na seleção do cosmos, serão depuradas as gosmas, desta humanidade vil, somente os evoluídos terão lugar garantido, no novo mundo a surgir, sendo assim eu vos proponho, saiam do mundo dos sonhos e enfrentem a realidade, punido ao desonesto, largando o vicio funesto, e sendo honesto também, ou então vá se despindo, e deste mundo despedindo-se, para uma nova comunhão, quando te houver a reencarnação.
 
MEU GRITO É DESPERDIÇADO

DESCANSE EM PAZ CARINA MORAIS.

 
ESTA É UMA SUCINTA HOMENAGEM A CARINA MORAIS, FALECIDA ONTEM EM MARICÁ RJ DEPOIS DE UMA PEREGRINAÇÃO PELOS HOSPITAIS PÚBLICOS REPLETOS DE MÁ VONTADE.

CADA ESTROFE CORRESPONDA A UMA FOTO NOVA QUE ELA COLOCAVA EM SEU PERFIL NO FACE.

Nunca vi tamanho viço,
Numa foto ocidental,
Uma mulher tão bonita,
Como Carina morais,
Tuas nuances tem fetiches,
Encantam qualquer rapaz.

Carina Morais é bela,
Tem um viço invejável,
Seu olhar nos encarcera,
Seu colo é tão louvável,
Eu sonho em ficar com ela,
Mas volto pra realidade.

Olá Carina Morais,
Tens a beleza do mundo,
Meu olhar fica profundo,
Neste teu colo bonito,
Confesso ficar aflito,
Mesmo por poucos segundos.

Em ti Carina Morais,
Vejo beleza de sobra,
Mesmo assim nunca te esnobas,
Tens um sorriso sincero,
Olhar tua linda foto,
É tudo que ainda quero.

Diga Carina Morais,
Como podes ser assim,
Mulher de intensa beleza,
Uma flor no meu jardim,
Se tu não tivesse dono,
Eu iria querer pra mim.

Carina esta tua foto,
Tem os encantos da vida,
Tu é minha preferida,
Nas mudanças de perfil,
Quem nunca antes te viu,
Vai julgar-se por ter sorte.

Carina você me olha,
Como quem quer me dizer,
Algo alem do que já sei,
Mas nada podes fazer,
Por quanto estais tão linda,
Como me encanta teu ser.

Olá Carina Morais,
Acenda um defumador,
E mande este desamor,
Pairar em outro ambiente,
Para te deixar em paz,
Te aliviando corpo e mente.

Carina não me provoque,
Com este beijo excitante,
Pois ainda és como antes,
No meu conceito de amiga,
Eu nunca exclui você,
Por tanto não me castiga!.

Diga Carina Morais,
Como é que tu consegue,
Ser bonita deste jeito,
Quais os ritos que tu segues,
Passa para humanidade,
As mulheres te agradecem.

Carina o teu olhar,
É lindo feito teu colo,
E vai me hipnotizar,
Tomara não me cause dolo,
Demoro a me apaixonar,
Mas quando acontece choro

Carina o teu sorriso,
Combinado com este olhar,
Isto vai me fazer sonhar,
Que eu estou no paraíso,
Como podes ser tão bela,
Assim me tiras o juízo.

Carina o teu visual,
Sempre me leva ao delírio,
Eu nunca sei se suspiro,
Ou primeiro passo mal,
O fato é que eu te admiro,
Ó linda mulher fatal.

Carina quem é você,
Que me exerce tal fascínio,
E com este jeito menina,
Me encanto ao te ver,
Como podes ser tão linda,
Mesmo depois de crescer?.

Carina eu estou aqui,
Andei pensando em você,
Mas agora ao te ver,
Confesso que me senti,
Um ser privilegiado,
Pelo teu simples existir.

Carina este teu olhar,
Me penetra sem vergonha,
E eu fico a me perguntar,
Que mulher linda e medonha,
Provocante e destemida,
Tem habitado os meus sonhos.

Carina que Deus te receba com muita luz.
Até a vista.
Miguel Jacó

Enviado por Miguel Jacó em 10/01/2015
Código do texto: T5096980
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
DESCANSE EM PAZ CARINA MORAIS.

O MEU VERSO ESTÁ COM FRIO.

 
O meu verso está com frio, quer se abrigar em teu peito,
Mas reivindica o direito, pra ter status de um filho,
Tu me aceitas se quiser, sejas homem ou mulher,
Não fico onde não me cabe, já fui das letras perdidas,
Frações inertes sem vida, perambulando em dicionários,
Agora que formo um assunto, não sou queijo nem presunto
Pra ser apenas engolido, se me leu então digira,
Ou talvez não me prefiras, lamento a contradição,
Onde anda Ruy Barbosa, com sua arte famosa,
De escrever boas crônicas, alem de belos artigos,
E sabia ver o lirismo, nos versos desafortunados,
Que não continham política, nem traziam nada explícito,
Dos interesses do saber, mas traz no seu interior,
As carências do amor, e muita fome de viver.
Mas não fiques preocupado, se não consegues compreender-me,
Quem sabe lendo um gibi consiga te distrair, sem forçar muito a moringa,
A vida tem destas coisas quando secam as lagoas, pegamos água nas cacimbas,
O importante é o bem está que nos faça conquistar, no dia a dia o prazer,
No mais tudo é poesia com tristezas ou alegrias, somos conduzidos a viver,
Mas eu como um objeto, que permeia teu intelecto, sou obrigado a dizer-te,
Busca a tua compreensão, ou viras bucha de canhão, neste mundo sem porteiras,
Tem vaga pra todo mundo, mulher honesta ou vagabundas, prostitutas ou solteiras,
Homens de bem e honrados, também os cabras safados, que não valem o que comem,
Eu descrevo a todo mundo, pois sou um saco sem fundos, e habito o mundo inteiro,
Caso tenhas te esquecido, eu sou verso proferido, seu criado por inteiro.

Enviado por Miguel Jacó em 27/02/2015
Reeditado em 27/02/2015
Código do texto: T5151987
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
O MEU VERSO ESTÁ COM FRIO.

PENSO EM TI E LOGO SALIVO.

 
Penso em ti e logo salivo, lembrando do beijo ardente,
Que aconteceu entre a gente, num dos rompantes que tive,
Tu dizias hora me solta e me puxava ao teu encontro,
Minha mente estava tonta, e os meus desejos foram a mil,
E foi então que tu me pediu, me possuas eu já estou pronta.
Te amo até pelo rastro, num processo de alquimia,
Quando chega a luz do dia, me alivias do cansaço,
Pois em ti me satisfaço, ó plena luz que me alumias.
Tuas maldades fecundam, o que ah de melhor em mim,
Mas nosso caso chega ao fim, redundante em desavenças,
Mas aumentastes a minha crença, que o amor sensato existe,
Continuarei a procurar alguém que saiba me amar,
Como Maria amou a Cristo.
Fomos fontes dos desejos, sonhamos um com o outro,
Afoguei-me em teus beijos, senti teus desejos soltos,
Mas a vida faz manobras, e a borboleta virou cobra,
E eu não tenho o teu antídoto, sendo assim eu me afasto,
Não quero ser um nefasto pra mulher a quem tanto amei,
Levo de ti o sabor, e as lembranças de um amor,
Que apaixonado te ofertei.

Enviado por Miguel Jacó em 21/01/2015
Código do texto: T5109014
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
PENSO EM TI E LOGO SALIVO.

O CONVÍVIO SOCIAL

 
Pode ser bem construtivo,
Só depende dos motivos que movem os integrantes,
Comparando a todo instante as suas necessidades,
E praticando a bondade de fazer em prol do outro,
Mesmo que gastando esforços n'aquilo que lhe fariam,
De espontânea vontade num ato de caridade
Atendendo as carências,
Que nos deixam na eminência de uma vida sofrida,
Se não formos socorridos por toda a comunidade.
Mas se estivermos atentos ao nosso dia a dia,
Seguindo a filosofia da bondade gratuita,
Onde a pessoa aflita possa ter com quem contar,
Mesmo sem poder pagar da forma habitual,
Mais o lado espiritual deste beneficiário pode ser o relicário,
Daquele que o ajudou,
Que antes não se habilitou a socorrer a alguém,
Que não pudesse também lhe fazer algo em troca,
Só agora ele se toca do outro lado da coisa.
Não pode o homem viver sem os bens matérias,
A cada dia se faz necessário a existência,
De produtos adequados para ser alimentado,
E também pra moradia em uma vida sadia,
Deve haver um equilíbrio desprovido de ganância,
Pois a grande esperança do criador do universo,
É que todo este processo de egoísmo profundo,
Que vem assolando o mundo,
Esteja se esgotando e povo procurando,
A minimizar o mal, com o convívio social.

Miguel Jacó
 
O CONVÍVIO SOCIAL

O VAZIO ME PERSEGUE.

 
Movido pela apatia,
Minha vida é inerte,
Busco na filosofia,
O ar que me diverte

De amor nada entendo,
Do ódio eu abdico,
É a vida me corroendo,
Mas continuo pacífico.

Escrevo minha fadiga,
Busco não lembrar dela,
Já me deu as alegrias,
Mas agora me flagela.

Vai morder bunda de outro,
Ou chupim sem qualidade,
Hoje se quer tomei banho,
Mas te presto caridade.

Cada dia uma tormenta,
Instaura-se a calamidade,
Mas a vida que afugenta,
É movida por saudades.

Ser poeta é vir aqui,
Poder te cumprimentar,
Por ter escrito tão bem,
Algo a me representar.

Cada dia mais distante,
Sem a mínima condição,
Minha alma pede tanto,
Pelo teu nobre coração.

Tua voz já me ecoa,
Falar-me nem necessita,
Como patos na lagoa,
Nossas almas se visitam.

Em primavera florida,
A vida tem seu encanto,
Cada palmo da avenida,
Ah de receber meu pranto.

O vazio me persegue,
Preciso ser afagado,
Quando a ti me entrego,
Desejo ser abraçado.

Enviado por Miguel Jacó em 07/11/2014
Código do texto: T5026469
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
O VAZIO ME PERSEGUE.

ESTES GATINHOS MIMOSOS.

 
CORDEL:

Estes gatinhos mimosos,
Me fazem lembrar teu ser,
Porque és linda e charmosa,
Hei de sonhar com você,
Quero beijar tua boca,
Depois acordar pra ver.

Vamos tomar este vinho,
Usando a mesma taça,
Quero sentir o teu gosto,
Pois tu és minha cachaça,
Me deixe tocar teu corpo,
Mesmo sendo moça casta.

Morar em teu coração,
Pra mim é um privilégio,
Me causa um certo tesão,
Me tira sempre do tédio,
Adoro a vossa missão,
Meu coração te carrega.

Quando você me abraça,
Meu coração vai a mil,
Minha mente embaraça,
Minha libido vai ao cio,
Chego a sentir um arrepio,
Ao tocar o teu quadril.

Um café com chantili,
Confetes de chocolates,
E estas rosas amarelas,
Contendo um lindo laço,
E eu desejando á ti,
São estes os belos fatos.

Eu vou sonhar com teu colo,
Porque tens uns lindos seios,
Infelizmente eu me acordo,
E ao meu lado não te vejo,
Com isto já não concordo,
Só aumentam meus desejos.

Me deixas mais curioso,
Com um decote mais cavado,
Eu quero ver mas não posso,
Os teus seios bem talhados,
Mas os teus cabelos lindos,
Também me deixam tarados.

Com este olhar assustado,
Me fazes frear um pouco,
Tu sempre me deixas loco,
Mas já estou controlado,
Quando me digo tarado,
Não passa de um arroubo.

Te desejo desde sempre,
Não posso te conquistar,
Porque tu dizes pra mim,
Que nunca soube me amar,
Mas vai ser gostosa assim,
Lá no Belém do Pará.

Me conformo com o fato,
Vou tocando minha vida,
Pra mim você é uma gata,
Razão do meu existir,
Se um mudar de ideia,
Estou te esperando aqui.

Enviado por Miguel Jacó em 21/05/2016
Código do texto: T5641904
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
ESTES GATINHOS MIMOSOS.

AÇÃO DE GRAÇAS

 
Esta vida tão complexa varia de intensidade,
Com tanta incapacidade deixamos de ser feliz,
Durante nossa existência é tudo o que se quis,
Mantemos a esperança de lograr praticidades.

Imagina-se o milagre do dia de ação de graças,
Onde tudo se rechaça e vive-se o que sonhou,
O que não se conquistou durante toda falácea,
Agora em um dia só receberemos com louvor.

Apagando toda a dor dos desencontras contidos,
E assim tão bem renascido na clareza do amor,
Pronto para retornarmos ao mundo do senhor.

Nem todos temos à graça,de nos refazer a tempo,
De voltar à divindade congraçando os elementos,
Da vida material trazendo os seus merecimentos.

Enviado por Miguel Jacó em 18/12/2009
Reeditado em 03/10/2014
Código do texto: T1983941
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
 
AÇÃO DE GRAÇAS

PARABÉNS MIGUEL JACÓ PELOS 58 ANOS COMPLETADOS NESTE DIA 19/08/14

 
PARABÉNS MIGUEL JACÓ PELOS 58 ANOS COMPLETADOS NESTE DIA 19/08/14

CONTENDAS DE UM ANIVERSÁRIANTE.

Aos 19 de agosto alheio ao meu gosto
Faço 58 anos, tormentas e desenganos,
Neste mundo de promessas e devaneios
Profanos, foi assim que vim remando,
Na busca do prazer suposto, a cada dia
Um desgosto, os prazeres são minguados,
Mas já estou acostumado, a não ser mero
Sonhador, pois das promessas do amor,
Eu já me fiz um desligado, me sinto um
Sentenciado, a viver o que não pedi, porem
O mandato emana de um ser superior,
Que de ninguém acatou, nem uma ordem
Contrário, sigo então conforme as regras,
E assim farei minha entrega, no dia em que
For chamado, da vida não levo nada,
Pois fui um mero ambulante, um agrimensor
Dos instantes, tantos deles agoniados,
Em alguns poucos sorrindo, e nem por
Decreto fingindo, isto não perfaz minha alma,
Quero voltar as origens, como um espírito
Virgem que não fora viciado, com os desmandos
Do mundo, um saco enorme sem fundo,
No qual vive a humanidade.
(Miguel Jacó)

Hoje estou aqui para te desejar mil felicidades,
Desejo que esse dia seja de muitas alegrias,
Que você realize todos os seus desejos,
Que seus sonhos se transformem em realidades.

Que essa data se repita por muitos anos,
Com muita paz e saúde,
Que Deus continue te abençoando,
Feliz aniversário, amigo Miguel Jacó!

Fonte: http://www.luso-poemas.net/modules/mycomments/#ixzz3AtniQm7Z

Muito obrigado, Uma Mulher Um Poema. por estas calorosas palavras em deferências a este mero aniversariante, diante de tanto me sinto confortado em corpo e alma, um forte abraço, MJ.
 
PARABÉNS MIGUEL JACÓ PELOS 58 ANOS COMPLETADOS NESTE DIA 19/08/14

POR OBRA DE DEUS.

 
"As palavras carregam o bálsamo da restauração, e o fogo da maldição, a depender das circunstâncias em que sejam pronunciadas".
MJ.

No meu colchão de palha rústico, estendido ao chão batido,
Por um tempo muito curto, fomos mulher e marido,
Não te faltava aconchego, pois desposavas do meu corpo,
Macio cheirando a leite, dizendo-te palavras doces,
Te confessei o inconfessável, falei de mim mais que devia
Te ilustrei todos os medos, que desde cede eu padecia,
Tu me jurastes intenso amor, perante o sol, na luz do dia,
E quando a noite se achegava, tu em meu corpo te encostavas,
E as lindas palavras repetias,
Mas eu sentia no vento brando, que as minhas faces arrefeciam,
Que o teu discurso era fajuto, e em breve tu desaparecias,
Não me tivestes hombridade, mas fui mulher inda criança,
Te dei bem mais do que prometi, mas me roubastes as esperanças.
E desvalida recorri ao Deus maior, pedi a ele que me desse à proteção,
Que me tirasse das entranhas os desejos,
Até que um homem de verdade me desse à mão,
Fui caminhando com viseiras para o amor,
Olhando apenas para meus outros objetivos,
Até que um dia um certo homem me olhou,
Me acenou como quem diz me espere um pouco,
Foi ao canteiro florido da praça pública,
E sorridente veio me ofertar uma flor,
Pediu desculpas pelo ato destrutivo,
Que havia causado aquela solícita flor,
As minhas lágrimas desceram em biqueiras,
O dito moço perguntou-me se me ofendeu,
Lhe respondi com um abraço apertado,
Desde então somos um só por obra de Deus.

Enviado por Miguel Jacó em 02/04/2015
Código do texto: T5192381
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
POR OBRA DE DEUS.

TEUS LÁBIOS TOCANDO A FLOR

 
Teus lábios tocando a flor,
É como beijasse aos meus,
Nem sei como é que estou,
Desejando os lábios teus,
Mas a distância é infinda,
Preciso apelar pra Deus!.

Me deixa ver teus semblantes,
Preciso entender o teu ser,
Não sois mas como era antes,
Isto eu já pude entender,
Estas tuas faces rosadas,
Pouco me faz compreender-te.

Ó mulher bonita e simpática,
Tens charme pra dar e vender,
Mas quero provar na prática,
Como é ficar com você,
E varar uma noite te amando,
Fazendo você gemer,
E com meus olhos brilhando,
Escutar você dizer-me,
Entras em mim novamente,
E então me faça esmorecer.

Enviado por Miguel Jacó em 03/08/2014
Código do texto: T4907746
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
TEUS LÁBIOS TOCANDO A FLOR

FILOSOFIA RASA.

 
Minha coragem é escassa, meus medos são abundantes, nesta vida a tantas farsas, que o meu ser é um delirante, nada me soa sem cinismo, pois vejo sempre a um abismo, a poucos passos adiante!.

Enviado por Miguel Jacó em 11/01/2015
Código do texto: T5098075
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
FILOSOFIA RASA.

TENS UM PONTO DE PARTIDA.

 
Tens um ponto de partida mais precisas definir,
Para onde queres ir depois de se aventurar,
A sair deste lugar que te acoitou ao nascer,
Mas não pode evitar o teu pesado sofrer,
Cada um trás sua sina e o tempo vai costurando,
E mesmo que não gostando o vivente a tolera,
Pois a falta de escolha nos faz entrar numa bolha,
Isolados da atmosfera, o importante é ter vontade,
Para vencer as barreiras percalços da vida inteira,
Nesta aviltante aventura gozamos de muitas ternuras,
Mas nem tudo foi bacana no rol das coisas sacanas,
Encontramos desventuras, amores que não dão certo,
Sonhos que não são concretos nos cobram novas posturas,
Que Deus te dê um destino faça o teu viver sublime,
Ó mais nobre criatura tens a beleza da rosa,
És a mulher mais formosa que já invadiu as minhas vistas
Hei de sonhar com você e ao acordar sem tiver,
Será meu grande dilema quando meu dia chegar,
Levarei como legado tuas lembranças ó minha pequena.
Neste vasto universo em que a vida é abundante,
Não se faz muito obstantes comportamentos perversos,
Em que o homem mau feitor agindo com desamor,
Faz estragos incontestes, dizimando grandes matas,
Cachoeiras e cascatas, zombando e fazendo festas,
Mas a natureza é sábia e até parece vingativa,
E nos manda os seus recados de maneira coerciva,
Paga quem fez o delito também os bons de espíritos,
Nestas sendas destrutivas, vendavais e terremotos,
Incêndios descontroláveis vulcões em erupção,
Temperaturas insuportáveis, são apenas uma amostra,
De quando o criador não gosta das nossas cruéis condutas,
Simplesmente nos imputa estas condições hostis,
Ou haveremos de aprendermos ou então iremos morremos,
Como se fosse porque quis.

Enviado por Miguel Jacó em 19/03/2016
Código do texto: T5578457
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
TENS UM PONTO DE PARTIDA.

ONDE ESTA O BEIJA-FLOR.

 
Onde está o beija-flor
Que não veio pra sugar
O néctar desta rosa
Que não cansa de viçar.

Eu só consumo salivas,
Nestes tempos de apertos,
Onde o dinheiro é curto,
Os juros matam o sujeito.

Teu colo tem o poder
Nos encanta em formato
Eu deixo de ser sensato
Quando olho pra você,

Uma abelha na flor
E a paz no universo
É o pacto do amor
Evitemos retrocessos.

O rei tem a regalia,
Desde os tempos de Nero,
Do vassalo ele judia,
Nunca o levou a sério.

Vou fazer experimento,
Neste final de semana,
Se não houver fingimento,
Lua de mel será bacana.

Terás o que intuiu
Nesta luta acatada
Um sorriso se abriu
Na minha cara amarrada

Gratidão e delicadeza
Quando expressadas juntas
Dobram a sua grandeza
Levantam até defuntos

Conforme vou te ouvindo,
Meu mundo toma sentido,
Não mas me sinto perdido,
Creia estou evoluindo.

Já te amei com devoção,
Mas os ventos hora muda,
Não queres meu coração,
Que o criador me acuda.

Enviado por Miguel Jacó em 03/02/2015
Código do texto: T5124386
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
ONDE ESTA O BEIJA-FLOR.

Miguel Jacó