Poemas, frases e mensagens de Maurinha

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Maurinha

hoje estou amarga

 
publiquei e retirei. Ás quatro pessoas que o leram, tentem esquecer. Eu vou fazer igual esforço!

hoje tenho comigo toda a descrença possível, do mundo e do meu semelhante.

vou aguardar pacientemente que um pequeno nada me faça renovar a esperança!
 
hoje estou amarga

cumplicidade

 
quando estou triste e
olho os campos em volta
sinto-me acompanhada:
há nas planuras amareladas
esse mesmo pesar
... nas poucas árvores pingadas amiúde
a solidão da distância!
CJ
 
cumplicidade

ruminante de recordações

 
..é o que sou!
ruminante de recordações:
engulo rápidamente numa fome corrosiva
regurgito e aí me detenho , me entretenho a mascar
lenta e vagarosamente a memória dos momentos!
e furto-me à vida, pois não quero que mais imagens, lembranças , se sobreponham e calquem este meu bolo alimentar!
 
ruminante de recordações

Diz-me. ...Por favor!

 
não deixes que eu me alimente da esperança do teu silêncio: nele cabe tudo.
E os meus dias são feitos a imaginar cenários que alternam entre a possibilidade do nós e a improbabilidade da nossa intersecção.

(...este cansaço de ser refém da indiferença...)
 
Diz-me. ...Por favor!

tenho que livrar-me disto!

 
quem foi? quem me colocou na garganta estes advérbios que quase degluti?;
quem me pôs aos ombros tantos substantivos e verbos?
e não satisfeito me mergulhou no charco do SENTIR? ACUSEM-se!
Eu tinha um caminho cheio de evidências;
de coisas térreas: eu era quase só a a base da pirâmide de Maslow!
 
tenho que livrar-me disto!

Á luz da noite

 
À noite tudo é mais claro
Quando me distancio dos rituais do dia
e os olhos descansam, transfiro-me para os outros sentidos
oiço com nitidez, sinto cheiros de agora e de ontem
tacteio sem os dedos, e é tudo tão real!
 
Á luz da noite

Rasgo-me!

 
Rasgo-me e deixo-me escorrer...
não tenho costuras nem bainhas
o meu barro não secou!
Águas feitas desejos liquidificam-me
Sinto o lento percorrer de um fio de mim
e por esta linha doce, melosa e lenta
recordo e vivo mais porque é ao meu tempo!
 
Rasgo-me!

hoje

 
hoje tudo era possível
tudo de bom poderia acontecer
hoje acreditei que tudo valeu a pena
e não tive pena do que não valeu

Hoje não fui mais uma
fui eu, ímpar e afirmativa
invulgarmente vaidosa
gostei-me!
 
hoje

interrogo-me e entristeço

 
"querida"
Quanta distância encerra esta palavra?!!!
 
interrogo-me e entristeço

acabei com o começo!

 
Pronto está arrumado:
- gaveta das (des)ilusões;
- pacote das empatias negadas.

Quase dava ao meu coração a hipótese de ser de novo adolescente! O meu perdão, coração!
 
acabei com o começo!

Não sei....

 
Nem sei mais..
o que sinto erra
o que penso erra
em mim, razão e sentimentos não têm credibilidade!
Haverá pois outra "coisa" qualquer que me comande.. um biccho estranho com sentimentos na cabeça e justificativos no estômago??

Estudo-me
 
Não sei....

Manhã fresca, dia leve

 
Na bipolaridade dos dias meus...
Ontem fui burro de carga, hoje sou amazonas a galopar na planície.
Irónico...
Clínico, dirão outros!
Nada se repete, há um constante devir
vou-me rendendo camaleonicamente à mudança!
Alimento-me dela.
Mora em mim um parasitismo voraz que enche o bucho
á custa de visto, do acontecido do imaginado do oferecido!
Hoje, sentei-me e foram-me chegando pequenos nadas... e foi TUDO!
 
Manhã fresca, dia leve