Poemas, frases e mensagens de marceloinverso

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de marceloinverso

Meu twitter: @marceloinverso

Eu vou te escrever um poema

 
Vou te escrever um poema
Tocante
Marcante
Quente

Falarei da minha tara
Meu vicio.
Tua pele
Teu sabor

Vou te fazer ficar louca. Por mim.
Por me ter
Me ter
Me ter

Tu sempre vai ler meu poema querendo
Minha mágica
Minha essência
Minha força

Vou estar no teu pensamento
Abrindo tuas pernas
Teu zíper.
Tua... poesia.

Meu poema vai te deixar sem ar
Sem métrica!
Sem rima!

SEM VERGONHA.

Será abusada!
Danada...
Vai sugar meu poema todo
Pra dentro de ti

Vai tirar minha camisa...
De força.
O cogumelo que traz
Alucinação.

Ficarás resoluta.
Vou te chamar de puta!
E na minha cara
Acertarás o tapa convicto.

Topo. Topo tudo contigo.
Topo te levar à lua
Topo te embebedar
E ficar do teu lado

Segurando tua mão no frio
Agarrando forte o teu cabelo
Provando do teu ódio
E provando o teu veneno.

Vou te escrever um poema.
Vou mesmo te escrever um poema.

Conheça mais em: marceloinverso.blogspot.com
 
Eu vou te escrever um poema

Os detalhes de um Adeus

 
O velho observa a garota, que observa o rapaz, que observa a mulher, que observa o homem, que observa o dinheiro, que é notado pelo mendigo, que é observado pelo policial que não olha para o carro, que esta sendo assaltado pelo bandido que por um segundo olha para a mulher que cuida do seu filho, que brinca no parque, que olha para o prédio.

E no prédio, o rapaz observa a rua. E do parapeito ele olha a cidade. E os abutres observam o corpo. Que cai.

Lentamente. Que o tempo não perdoa e deixa passar. Os segundos, o minuto.

Que não escuta voz alguma, que o coração ainda vive a pulsar, que pulsa uma vez mais sem se preocupar.
Não tendo ninguém a observar, seu corpo...quando se estatela no chão.

O detalhe da Rosa caindo em meio ao sangue...deu um ar poético à tragédia que, no vácuo de um pensamento, se concretizou.

Lástima!
Meu eu-lírico, se matou.
 
Os detalhes de um Adeus

Quadrilha de mim

 
Eu não sei ser profundo
Não sou eloqüente também
Quem sabe seja um moribundo
Quem sabe não seja ninguém

Se, sendo o que sou
Já não sei o que quero
Se, soubesse aonde vou
Saberia desvendar o mistério?

Se fosse o que pensei em ser...
Seria, o que sou agora?
Quereria o que quero ter
Ou seria o que fui outrora?

Eu não sei saber ser coerente
Sabias que sou o que quero?
Quando rio riso irreverente
Navego no mar que impero

Eu sei saber ser o que sou
E tu sabes ser o que é?
Se tentares ir aonde vou
Prepara-te p’ra ires a pé

Até no ato de fingir
Eu mesmo falho
Fingindo até no fingir
Acredita que eu me atrapalho?

Se fosse apenas ser em dia
O que aos outros agrada a prazo
Se fosse, acho que morreria
Ou viveria sempre em atraso

A ordem perante a mim se mantêm
Pelo rei idoso e pela rainha feia
Se pelares mais alguém
É certo que vou p’ra cadeia

Eu não sei saber ser normal
O que é certo e o que é errado.
Se fosse mais imoral
Teria sido espancado?

Se eu soubesse rimar
Até mesmo em dilema
Poderia eu amar
E escrever um poema?

Ouvi rumores que profundo
É lugar que não meço
Se conhecesse o mundo
O saber me seria regresso

De tantos mundos que sei
Como tantos mundos que sou
Às tantas cruzes me dei
E nenhuma delas pregou

Conheça mais em:
marceloinverso.blogspot.com
 
Quadrilha de mim

Poeira

 
Subtitulo: Fragmento

Pela lente observo o passo,
[O moço passa...]

E o descompasso do moço.
[Inerme o tempo]

Retratos do passado.
[A todo o momento]
 
Poeira

Sorriso de Monalisa

 
Eu te odeio
Do fundo do meu coração eu te odeio.
Com todas forças do mal, eu te odeio.
Te odeio como o ódio dos meus rivais.
Te odeio como todos sentimentos brutais

EU TE ODEIO
Eu te odeio mais do que demais,
Eu te odeio com as tropas dos espíritos dos meus ancestrais,
Eu te odeio em todas as línguas possíveis,
Eu te odeio em francês,latim,alemão,português...
Eu te odeio com todos os porques,
Te odeio de todas as formas terríveis.

Eu te odeio, te odeio, te odeio, te ODEIO!!!
Eu grito mais alto do que nem sei.
Gritos mudos dentro da prisão,
Minha alma alva encontra a escuridão,
É a catástrofe do meu coração;
De bonzinho ao vilão mais vil.
Assim te odeio e te mando pra...ponte que partiu.

Mas pra ser sincero, eu realmente te odeio!!!
Mas na essência, te odiar faz-se necessária a sua presença.
Pois se você não existir, a quem mais vou odiar?
Amo a todos (mentira). Com exceção de você (verdade). Você é o que me equilibra
Você faz parte da minha vida. Sem você, sou eu pela metade. Justamente esse fato que eu Odeio em você.
Porquê ser tão cheia de amores, cheia de angustias, ser assim tão cativante, e linda como Diamante?
Se me queres até mesmo como amante, digo-lhe te odeio, mas te quero a todo instante.
Não adianta. Não vou me contradizer. Acordado e consciente eu repito: Odeio você!

Eu te odeio te odeio, e cada vez mais te odeio ainda mais...
Eu te odeio com todos os numerais. ( Infinitos ímpares e negativos. )
Eu te odeio com a força das vogais. ( EO, O-E-I-O, OE )
Odeio o amor que consome o ser desumano. Frio e desagradável é um belo de um tirano.

Estranho lamento do dia que te chamei,
Com tua voz suave eu quase pequei.
Passando-se alguns dias, a ti, meu amor entreguei
Dizendo-lhe quão afável meu coração ficou.
Você?
Acolheu-me piedosa, sacou o revolver, e disparou.

Assim recolho-me aos meus aposentos. Lá, apenas lamentos. Que perante o fim dos dias
O sangue foge-me, buscando o desfiladeiro.
Como, à lástima foge a chama,
É cruel saber que enquanto morro, te odeio
E voce sorrindo ainda me ama.

Adicionado no blog www.marceloinverso.blogspot.com.br na data de 28/08/2008.
 
Sorriso de Monalisa

O Beco

 
San Francisco, CA – 1966.

Charlie. 8 anos. Bermuda pouco acima dos joelhos. Camisa listrada marrom. Punhos cerrados. O esquerdo na altura do peito próximo ao queixo, e o direito à frente, para marcar território. Há pouco havia jogado seu boné contra o chão.

Bob. 9 anos. Meias cinza, pouco abaixo do joelho. Suspensório e camisa listrada vermelha. Punhos serrados e cara de mau.

Charlie caminha lentamente em sentindo horário. De costas para a Mason Street, e de frente para os fundos do “Fior D’Itália”. Sua baixa estatura e seu porte físico não estimulam muita confiança. Isabelle aguarda o resultado.

Bob Flecher era conhecido por liderar a gang dos Garotos Gordos. Este sim era digno de aposta. O sorriso irônico no canto da boca incentivava os gritos da torcida.

“Os Gordos” como eram reconhecidos. Não que fossem gordos, mas eram eles que “controlavam” os lanches dos rapazes nos intervalos da escola. Havia também a gang dos Pit-Stop Boys (ou P-SB). Uma brincadeira feita com os pit-stops dos garotos que iam ao banheiro nos intervalos, e que para ter acesso, precisavam pagar o pedágio. Os “P-SB” eram rivais dos “Striker’s”. Um bando de pequenos marginais que roubavam a grana dos rapazes. Sempre mudavam seus líderes. E um líder dos Striker’s nunca poderia fugir de um desafio. O problema é que muitos garotos disputavam a liderança do grupo. E por fim, os “Striker’s” eram os rivais dos “Gordos”.

Bob, quase nunca entrava em uma briga. Era um garoto esperto e tirava boas notas. Seu porte impunha respeito, e ele o usava com sabedoria. Tanto que, quando foi eleito líder, nunca mais saiu. Afinal, boas notas, um titulo de respeito e imposição, eram sinais de poder em qualquer lugar.

Já Charlie não cheirava. Tão pouco fedia. Mas se metia em muitos problemas... Muitos... Muitos... Muitos problemas, por ser namorado de Isabelle. Não há nada de surpresa nisso. As garotas só trazem problemas afinal. Uma suspensão aqui, uma acusação de furto ali, um castigo acolá... Quando não, um nariz quebrado. Não que elas fossem as responsáveis por tudo, mas quando se tem uma namorada, todos fazem de tudo para ver você se ferrar. Incluindo as amigas mais tímidas, que são capazes, inclusive, de tentar te beijar quando a sua garota não estiver olhando. É sinistro. Porém, não da para reclamar de tudo. Uma namorada é sinal de respeito também. Seus pais se gabam para os vizinhos e para os familiares. As tias da cantina lhe dão uma porção a mais... E por aí afora.

Poucas coisas mais divertidas haviam do que uma boa briga. Rolavam boas apostas. E quem conseguisse acompanhar a maioria delas, saberia bem em quem apostar. Apesar dos azarões que, hora ou outra, apareciam para estragar as estatísticas. E esta, sim senhor, foi uma boa briga.

Bob havia roubado o lanche de Isabelle, que reclamou. Sem pensar nas consequências (para Charlie), falou que se ele não devolvesse, chamaria seu NAMORADO. Bob sorriu. Mas quando uma garota de 8 anos diz alguma coisa, é lei. Ainda que isso não mude muito até os 90 anos, continua sendo lei. E conforme prometido, Isabelle notificou seu amado do ocorrido e o intimou a devolver a honra que lhe haviam roubado. Charlie não entendia, naquela época, que o lanche roubado de uma garota era sua dignidade posta no lixo. E, assim, continuou sem entender pelo resto de sua vida. Mas não havia escolha: Ou desafiava Bob, ou perdia sua insígnia. Na visão de Isabelle, claro. Pois para Charlie, ele poderia não fazer nada e seguir sua vida normalmente, ou também não fazer nada, que tudo continuaria no seu devido lugar. Sempre havia uma saída. Mas ele nem precisou se preocupar em escolher. Bob o segurou pelo colarinho e disse apenas: “Amanhã. Três horas. Atrás do restaurante italiano”. Já há algum tempo, Bob se sentia entediado com aquela vida fácil e sem emoção de roubar lanches, por isso precisava de algum divertimento de vez em quando. Normalmente, ele não faria o que fez. Era forte, líder dos Gordos, e respeitado. Não precisava fazer nada. Já Charlie... ... Bom... ... ... Coitado do Charlie.

Caminhando no sentido horário, Bob foi surpreendido com a atitude do adversário. Esquivou-se do soco, que voou solitário no ar. Ele sem dúvida conhecia seu segundo provérbio preferido: “Quem bate primeiro, ganha”. Logo após o: “Bata antes, pergunte depois”. Culpa das noites em que assistia a filmes de ação escondido de seus pais.

Porém, nada aliava a tensão de Charlie. Pelo menos até levar o primeiro soco. Ou o segundo. Ou o terceiro... Enfim, chances de alivio de tensão não faltaram. Apesar de alguns socos bloqueados, Charlie acabou por absorver a grande maioria deles. Bob se divertia. A plateia adorava o espetáculo. Giulio, o garçom, também se divertia enquanto fumava para passar o tempo, antes de voltar a lavar a louça. Por fim, com o nariz já um tanto torto, um vermelhão no olho e um pouco de sangue no canto da boca, Charlie, tonto, quedou. Isabelle, que era a terceira garota mais linda da escola, (segundo pesquisa dos “Garotos Selvagens”, gang aventureira que desbravava a cidade com suas bicicletas) deu as costas, furando o círculo que rodeava a briga e foi embora para casa.

Charlie então, se tornou o garoto mais poderoso da escola.

Naquela tarde, ao cair, Charlie cerrou seus dentes com raiva e levantou-se rispidamente. Dando tempo de Bob apenas iniciar o sorriso sarcástico enquanto ainda estava em pé. Foi açoitado com cinco socos consecutivos na cara e terminou nocauteado, e meio desacordado. Seu sorriso ficou torto no chão.

Naquele mesmo dia Charlie foi à casa de Isabelle para informar que estava tudo terminado. Pela primeira vez alguém conseguiu fazer Isabelle não dar a última palavra. Nas outras oportunidades, ela jogaria algum objeto na cara dos rapazes e saía porta adentro fingindo um choro forçado dizendo que estava tudo acabado. Muda, contudo, observou Charlie ir embora, iniciar o namoro com a garota número 1 do colégio, se tornar o líder dos Gordos, dos P-SB, dos Striker’s, dos Gárgulas, (que surgiram tempo depois) e, pouco a pouco, se tornar um cafajeste ordinário.

Anos mais tarde, Bob se formou na faculdade.

Charlie foi preso.
 
O Beco

Flerte Irresistível

 
Eu não resisto a um flerte bem dado.

O teu corpo camuflado
Deixa o ato de simular
Dissimulado.

Faz jogo de lapidar
Para o amor dilapidar
No fogo dilacerado

Eu, realmente, não resisto a um flerte bem dado.
 
Flerte Irresistível

Sodoma e Gomorra

 
Um escritor escreve. Assim como um assassino assassina. Às vezes frio. Às vezes morno. Algumas vezes quente. Ou louco.
Um escritor escreve com arma de fogo. E mata apenas a si mesmo.
Mata o instante. O invisível.

O poeta sente a dor da morte. A dor da dor. A dor do tempo.
O odor da vida, e dos sentimentos. E as mulheres dançam nos seus sonhos.

Mas as lágrimas, que às vezes querem passar pelos olhos, estão presas.
Cárcere privado. Do poeta.
Se pudessem sair, revelariam as barbáries, e torturas que elas sofrem lá dentro.
E o poeta administrativo nunca a deixa sair.

Aquele peso escondido sob sua pele, sob seus ombros, abate a letra. A escrita.
E mesmo assim. Mesmo com essa pobreza de espírito. Esse podre homem é rei.
Rei sob seu domínio. Escárnio subversivo. A coroa de ossos é dada ao cego.
Que vela sua alma na vala. Nos muros criados ao seu redor. “Sodoma e Gomorra” é seu poema.
 
Sodoma e Gomorra

O pequeno grande poema

 
O poema,
é
um
Uni-verso.
 
O pequeno grande poema

O grande momento da virada

 
Marck havia se cansado de todas as vezes em que havia sido deixado de lado por todas aquelas mulheres que não o entenderam. Havia chego o grande momento. O momento da virada.

Estava desde cedo decido: Iria para o bar à noite. Escolheria um Manhattan e ficaria sentado na cadeira. Observando. Escolhendo a mulher que seria o alvo da noite. Ora vamos... Não seria desrespeito nenhum ou, tão pouco, desmerecimento algum com todas aquelas lindas mulheres que escolheriam aquele bar para passar a noite. Nem todas elas perderiam tanto tempo se arrumando, gastando dinheiro na compra das maquiagens, dos perfumes, das lingeries, dos sapatos e afins, por esporte. Ficarem lindas como um feixe de luz refletido em diamante, apenas para entrar em algum lugar, falar trivialidades, beber um Martini e sair como se nada tivesse acontecido, sem nenhuma emoção, ou sem ao menos uma boa história para contar. Marck tinha convicção de que elas estariam esperando os caras de sempre. Os manjados e superficiais paqueradores de bar. Eles sempre estão lá. Estão sempre em todos os lugares. Mas aquela noite a sorte estaria com os gatos dessa vez, e não com os cachorros.

Comprou roupa nova... E toda aquela ladainha. Estava pronto. Cigarro, fígado, sobrancelhas treinadas e armadas. Tudo no devido lugar. E claro, sem esquecer a caderneta de cantadas, que hora ou outra seria usada na ida ao banheiro. O jogo havia começado bem. Já avistava uma loira linda e meiga lá... láááááááá adiante. Notara as pernas, a boca, o cabelo, as pernas, os seios pequenos, novamente as pernas... E surpreendeu-se com as pernas da mulher. Sentiu a energia fluindo. Ela era perfeita. Poucos passos à frente e já havia notado mais três lindas mulheres. Todas atraentes e carregavam aquele... aquela... Aquela coisa sabe? Aquele olhar de enfrentamento, de auto-suficiência, de superioridade, aquela coisa de superfêmea. Toda aquela boça típica. Enquanto ainda permanecessem sóbrias. Logicamente.

Sim. Alvos claros na mira, drink na mão. Chapéu e perfume. Faltava a grande situação. Avistou e avistou e avistou. Enfim, tudo estava claro em sua mente. Duas morenas e uma ruiva já estavam na mira dos cachorros. Mas elas foram lá querendo eles. Não estavam preparadas para o gatuno Marck. As pernas da loira e sua amiga continuavam lá, mas agora nem tão adiante assim. Observou como elas olhavam as pessoas e teve a certeza que ela seria sua rainha aquela noite. Já sonhando e desejando a amiga das pernas também. Mesmo sendo ridículo, sonhou.

Já havia se passado uma hora e meia no mínimo. Já havia feito contato visual com a loira, as pernas, e toda a pele que estava à mostra. Aproveitou e fez contato visual com a amiga também. Analisou a situação e percebeu que a loira já havia desconsiderado alguns cachorros, alguns gatos e alguns ratos. Tinha certeza que ela seria seu trunfo. Deve-se aproveitar para dizer que ficou um pouco confuso ao ver a loira olhando com sedução para outra loira, e acompanhou o andar maravilhoso de uma morena que passara na frente dela. No fim, gostou. Mas não teve muita sorte em olhar a morena. E a loira estava toda sorrisos. Perfeita, outra vez. Sim... Ela estava no papo. Era ela... Tinha que ser ela... O ponto de desequilíbrio naquela vida de bunda mole de Marck. Chegara o momento. A amiga da loira saiu para ir ao banheiro, ao que tudo indicava, e deixou as pernas no sofá. Antes ainda, deu uma olhadela para o rapaz gato e charmoso que estava no bar e pateticamente fingia que bebia seu drink. Manhattan. E aquela bela criatura linda ficou sozinha. Certo de sua investida levantou-se convicto e com toda coragem que poderia carregar. Não era tanta, mas era suficiente. Porém...

Nem meio passo andou, e uma mão segurou seu ombro. Broxante. Ao olhar para trás viu que um rapaz notavelmente mais experiente naquela arte de gatunar em bares, com um sorriso simpático o cumprimentou com um olá de saudação. Indignado. Totalmente indignado com o rapaz, Marck franziu a sobrancelha com uma expressão improvisada e jogou cabeça à frente no ar tentando se desvencilhar daquela mão masculina e de aspecto feminino. O rapaz, que era muito educado, estranhamente estava usando o mesmo feitiço contra o feiticeiro. Ele estava simulando a desenvoltura que Marck havia treinado. Quis dar um tiro na sua própria testa, mas só imaginou a cena. O fato é que ele falou para Marck, que ele estava ali com alguns amigos, e um desses amigos era uma garota que estava olhando para ele a noite toda. Quando Marck levantou-se, ela havia pensado que ele iria embora e pediu ao amigo que lhes apresentasse. Ironia do destino? Talvez. Sentindo-se como se alguém lhe houvesse dado um tapa com aquelas luvinhas brancas patéticas cirúrgicas, ficou meio desnorteado. Mas encontrou novamente seu rumo quando viu a amiga do rapaz. Ou melhor, A AMIGA DO RAPAZ!!
Ela era linda. E perfeita. Tinha gengivas sadias e dentes alinhados, brancos e sem batom manchado. Pernas e pele. Perfeita. Bobo, e imbecil, abriu largo sorriso. E ficou na hora interessado. E foi ao encontro de Fernanda.

Enfim... Marck desencalhou. E por ironia do destino, Fernanda havia dito à Marck que algumas vezes é necessário aquele “momento da virada”, que se luta contra a lei natural da má sorte que abate a muitas mulheres. Sorrindo, e finalmente usando as sobrancelhas treinadas para matar, disse que a entendia perfeitamente.
Olhou para trás na saída, ainda enroscado na cintura de Fernanda, viu uma cena que fez com que sentisse novamente orgulho em estar vivo. As pernas da loira perfeita, atracada com as pernas da amiga. Lindo... Lindo de se ver. Isso sim chamou de: O GRANDE MOMENTO DA VIRADA.
 
O grande momento da virada

No quiero ser normal.