Poemas, frases e mensagens de Cesar_lange

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Cesar_lange

Sorriso semblante

 
Balas de prata coração de bronze
tu significas muito para mim hoje
és bela e sabes bem fostes
o mais puro ouro de todos os amores

Brilhante alma que me atraio para a luz
Trouxeste-me a alegria que me conduz
Eu que já atirei pedras na cruz
Achei a ti bela que me seduz

Amago adorado ao diabo
Damas velhas velhos ditados
Eu que já pensei ser de aço
Dereto-me aos seus abraços

Vidas floridas olhar embriagante
Tu que se encontras em desejo constante
Mantenho meu amor predominante
E tu manténs teu sorriso semblante.
 
Sorriso semblante

Apenas minha

 
Esperar é da natureza do amar
cabe-se o amor que vir a calhar
quando enfim tua hora chegar
tu irás me notar

Em meio a tamanho julgamento
grandioso é o comportamento
que a ti tenho em pensamento
nas horas que por ti transpareço

jingas de vidas emaculadas
tu que por mim és amada
saiba que nao me deves nada
nao baixarei a cabeça em magoas

inutil serventia escrevidao
eu que por ti sinto paixao
tamanho é o calor em meu coraçao
tudo acabando em solidao

Fracasso tristezas agonia
na vida que tu me guias
venho em tremenda alegria
pedir-lhe que sejas minha liturgia
olhe-me dançando e sorria
para o sempre ser-te só minha.
 
Apenas minha

Noite Escura

 
Enquanto ouver estrelas brilhando na noite escura, imensas ruas poluidas pelo rancor, a ganancia que do coraçao tomou conta, quebrando os mais puros sentimentos de amor,
que em tristezas chora de dor, vindo a um novo mundo se apagar, delirante habito de amar, que vem a esse ser derotar,
fabulas pulçante pulços que escorem sangue, magnifico pretesto de amante, nao pude ter teu coraçao, na noite escura me resta apenas a sólidao...
 
Noite Escura

Profecia

 
A profecia que já se estava escrita
Na purpura lamina persistente
Pergaminhos fabulas cantigas
Que coroe-me por permanente
Deixando meu coração astutu
E minha cabeça doente
Entrei-me em sentimento luto
Quando te encontrei ausente

Jamais te apoderas de meu amor
Sem dar-me o seu amor consequentemente
Jamais sentiria tamanha dor
Se tivesse o seus olhos de nascentes
Juras promessas de ardor
Em caminhos subsequentes
Não sentes na real o amor
O amor que te tenho em minha mente

Eu volto a caminhar solitário
Na busca de algo real
Entrego-te o temor fraternario
No caminho do bem ou do mal
Te tenho um sentimento ordinário
Fugaz é belo o mundo ciente
Finjo sentir seu amor imaginário
Profecias cumpridas você ausente.
 
Profecia

Amigos

 
Hoje mais uma vez o sol nasceu
para mais uma vez teu caminho iluminar
cais-te um dia na tristeza que lhe abateu
pena ter que lhe ver chorar

Doce e suave é a sua presença
embriagante é o seu perfume
eu que te tenho por transparencia
triste é a dor que nao se assume

Eu que por ti tenho mais que amizade
magnifica é sua comphania
quase irmaos amarguras fidelidade
almas compostas por alegria

Predominante sao os amigos
aqueles por quem tens adoraçao
aqueles a quem contas teus segredos intimos
sao os amigos de coraçao.
 
Amigos

Ó lua

 
Ó lua que ao meio-dia
Atormenta minha alma
Deixando meu ego despedaçado
E meus sentidos descompassados
Deixaste-me ao tormento
O ódio cresceu a mercê da dor
Ó jovens ao relento
Aprecias ao amor
As trevas da noite
Quando os olhos já não enxergam
O sangue nos olhos
E o buraco no coração.
 
Ó lua

Caro poeta

 
Caro poeta...
tu que és sonhador
que preenches minha alma de ardor
diga-me,quem inventou o amor?

Eu que já andei em noites vagas
nunca percebi a inspiraçao em minha'lma
tamanha é as vezes desajeitada
na busca etérna da madrugada

Caro poeta...
hoje assistindo a lua que me ilumina
de tao grande sentimento que me abomina
nunca lhe assisti assim tao linda

Já lhe escrevi versos e poemas
mas nesta bela há outro dilema
nao encontro palavra tao serena
que faça dela minha prenda

Caro poeta...
tu que és sonhador
diga-me como conquista-la
tudo se resume a amala

Hoje sonhando acordado sobre a lua
saudade que é a dor nua e crua
caminhanho sempre humilde pela rua
procurando quem preencha a vida que já foi sua

Caro poeta...só tu que és sonhador
pode escrever um belo verso de meu triste amor...
 
Caro poeta

Amor?

 
Nas aguas escuras nos montes altos, esconde-se o meu amor, lago negro pele branca, almas crescentes lua e dor, fragmentos de versos á ti dedico, neste mundo onde amar já é ridículo, sua mão a ti suplico...
Nós que já sentamos ao por do sol, calafrios dos porões perdidos em pó, sangue suga que me venda os olhos, arde-me a língua ao pensar na sua, a mentira é a verdade nua e crua, astros divindades mulheres nuas...
Gemido cálido asqueroso, nada no universo é tão belo quanto o seu rosto, esferas estrelas modernização decadente, tu que me és atraente, destruiu meu coração pulsante a ti ardente, eu pertenço a você de corpo e mente...
Almas sombras vidas vagabundos, aqueço-me ao sub mundo, destroços de guerras vivantes, anjos guerreiros guardiões tenebrantes, eu que vaguei pelo mundo, procurando nos cantos mais escuros, o mesmo amor que eu te juro...
Nada neste planeta encontrei, tao semelhante ao que lhe darei, talvez no universo eu possa encontrar, alguém que ama-me como desejo te amar, mas caminho entre vermes e moribundos, as planices do topo do tudo...
Fogo catástrofes eterna, vens a mim divindade tao bela, nos sonhos que por ti tenho, dedico-me com tamanho esforço empenho, no quão vivante universo do espelho, eu ainda que me detenho, perder-te é apenas o que temo...
 
Amor?

Incoerência maléfica

 
Incoerência maléfica
Adolecençia deprimente
Homem astutu, De cargo bruto
Que resiste a esta fera
Esta fera que destroe
Que mazoquiza o coração
Víbora decapitada
ãmago estraçalhado
Eis o homem sem crença
Que vive no mundo da transparençia
Morrendo sem amar.
 
Incoerência maléfica

Voce

 
Eu que já possui a força
perco o folego ao lhe encontrar
pele branca quase fosca
ensinaste-me o que era amar

certa vez naquele bosque
sentados juntos ao lago
seus labios em suave toque
os meus de cavalo alado

beijei-te como a ninguem
e em um breve instante de momento
seti em tamanho desdem
crecer-te aos meus pensamentos

liturgia cosmica envelhecida
vermes obscuridade apodrecida
nas obscuras tristezas da vida
eu lhe encontro sempre tao linda.
 
Voce

Suplica

 
Envolto em sua veste branca
Dormência coração ritmia
Conjugo-te em termos brandos
Tamanha delirancia sonho magia

Na imensidão de teus abraços
Perco-me viajando no universo
Venho configurar-te em pedaços
Dedicando-lhe estes humildes versos

Calorosa é sua pele macia
Luminoso amanhecer compadecido
Meu coração que por ti ancia
Torna-me estrondoso enfraquecido

Em terras delirantes que hoje habito
Em termos contraditórios a voar
Em joelhos lunanicos a ti suplico
Jamais poderei eu novamente amar...
 
Suplica

Por ti

 
Incrivel é o desejo desalmado
que tenho em estar ao seu lado

Mundo sóbrio cabalistico
vivo em um sonho ficticio

Preciosas grandezas ou sorte
espero-te ó bela até á morte

Facinios faces lacrimejantes
tenho-te o mais puro amor delirante

Tu que senta-te a aurora
esperas a chegada hora
de os sonhos acabar

Nos oceanos vagos estremecentes
venho-me de inocente, confesar-te
o que esta alma por ti sente...
 
Por ti

Pensamentos ao leito

 
Mais uma vez em meu leito
Escrevendo-te palavras deprimentes
Espero um dia tu me telo
Pois tu me assombras a mente
Mente que jaz bagunçada
Travando-a uma tremenda batalha
Vidas que vivem aguçadas
Dias de luta amores em palha
Viagens estelares alivio
Tudo tão doce inibido
Pensamento constante ó maldito
Sofrimento deprimente cálido
Aqui que vivo atormentado
Triste sonho acabado
Suponho que nosso amor não seja enterrado.
 
Pensamentos ao leito

Quem?

 
Eis o homem julgado como ''O selvagem''
e eis a bela incontrolavel, feridas que ardem

Tu vieste-me como a morte apunhalar-me
com belos sentimentos nao enxergo a verdade

Em momentos expressei meu amor
por que vieste-me causar tanta dor?

Honoravel admiravel ilha das flores
a maior decepção entre os amores

Como pude estacar-me tao onipotente?
como pudestes fantasiar-me tao dementemente?

Hoje a ti me pego pensando
a quem poderás estar amando

Tentei lhe dar meu coraçao
recebes-tes degradada de ingratidao

Os vagabundos decapitados estao chegando
e tu ainda estás ai pensando?

No horizonte surje um novo iluminar
mas quem alem de ti poderei eu amar?
 
Quem?

Vento

 
Amago crescente em meu peito
Loucura apaixonante ou dor?
Eu que lhe tratei com tamanho respeito
Foges desenfreada sem o ardor

Libertaste-me da luta eterna
E me destes sofrimentos ao vão
Cujas sereias praias desertas
Lagrimas de arcanjos caem ao chão

Frieza sentimentalista de Eva
Coração imundo podridão
És a fera que me leva, a
Um mundo de assombração

Fostes doce como a neve
Adorada como o ouro
Maldito é o vento que te leve
Dentro a costa furioso.
 
Vento

sala 101

 
Eu posso ver o murro
Eu posso ver a grama
As flores estão mais belas esta manhã
O cheiro das rosas me faz lembrar
Mas eu nunca sairei daqui
Estes colchões brancos na parede
Eles me dão enjoo
Sinto falta de muita coisa
Esta camisa esta me apertando
[hey jone] droga! Está na hora dos remédios
Não consigo mais sonhar à noite
Esqueci como é o mundo
Ao menos uma vez
Uma única vez
Eu gostaria de sair
Uma vez estaria ótimo
Eu tenho um colega aqui
Isto quando saio da cela
O nome dele é fracis,
Mas acho que ele é louco
Estou trancado aqui sozinho
Minhas mãos estão atadas
Os cintos e as fivelas, [eu as odeio]
Elas machucam minhas costelas
Às vezes, quando me deixam,
Eu saio para ver o gramado
A brisa do amanhecer
E o sereno no rosto
Coisas tão simples
Mas o mundo não tem ideia
Do que elas significam para mim
A liberdade é uma virtude
Com o passar dos anos
Minha mente ficou bagunçada
Eu só penso em coisas bizarras
Eu só lembro dos colchões
Tentei me suicidar uma vez
Por isso a cela acolchoada
Eles pensam que sou louco
Louco como o françis
Mas sei bem como é aqui,
Sabe como é a sensação?
Sensação de estar trancado?
Sabe a dor que eu sinto?
Gostaria de ouvir Pink Floyd
Queria fumar mais um
Quem sabe ler um livro
Mas minhas mãos [estão atadas]
Hoje é dia de visitas
Mas ninguém vem me ver
Há anos não vejo ninguém
Quem sabe o françis venha
Estou ouvindo sussurros, [morra]
Eles me dão medo, [você vai morrer]
Lembro-me da guerra,[por favor...]
Ela me da medo também[infeliz]
Lembro-me de quando criança,
Eu sentava debaixo da figueira,
Pra ver o amanhecer, [odeio o dia]
Pra ver o dia morrer. [doce noite]
Hoje vivo semanas de noite,
Mas é por que me obrigam,
Agora que queria ver a luz,
Eles não me deixam.
Os ratos roem o colchão,
Malditos ratos no chão,
Triste vida, [triste solidão]
Na doce noite.[deito-me ao chão]
A sala 101, [minha casa]
Onde tenho minhas visões,
Aqui eu vejo os fantasmas,
Eles não me deixam dormir.
É agoniante estar aqui,
Não sei se é dia,
Não sei se é noite,
Não sei de nada.
Os raios da luz, [ahhhh]
Eles machucam meus olhos,
E a escuridão, [bela]
Me deixa pálido.
Escuto os carros na rua,
Mais não posso velos,
Escuto as buzinas,
Mas o som se cessa.
Adoro as estrelas,
Mas não posso telas,
O silençio, [o droga]
Esta me deixando louco.
Mais uma em minhas veias,
Os remédios que me dao,
Me deixam entorpecido,
E eu me sinto bem.
Eu tinha uma gata,
Ela se chamava erzebeth,
Assim como a condessa bathory,
Mas me tiraram ela.
A onde eu estou?
Quem são vocês?
Onde estão me levando?
Para casa?
Dias longos,[nada pra fazer]
Noites frias,[sem cobertores]
O colchão da parede,
Ele esta amarelando.
Hoje tenho consulta,
O doutor quer me ver,
Talvez me deixe ir embora,
Ou me deixe aqui. [para morrer]
O mundo esta chorando a minha volta
Mas você não esta aqui, pra ver
Sobrou apenas a escuridão
Agora tudo ficou noite
Não vejo mais o mundo como antes
Ates eu sonhava com uma banda
Uma banda de rock n roll
Agora eu sonho apenas com as trevas
Droga! Eu sou mesmo um tolo
Em pensar que alguém poderia me ouvir
Não sei o que esta acontecendo
Esta tudo tao estranho
Minha mente não acompanha
Mais o meu corpo......
Tudo esta girando
Estou começando a ver
Começando a ver a luz
Sera para mim?
Sera que vou morrer?
Eu estou morrendo?
Merda! O que eu faço?
Estou sentindo tonturas
Acho que tenho febre
Minhas mãos estão atadas
Não consigo me soltar
A camisa esta me sufocando
Os cintos esmagam meus pulmões
A luz esta chegando perto
Sera essa a hora?
É a hora de morrer?
Nunca mais verei o por do sól?
Este é o meu fim
Em uma camisa de força
Em uma cela acolchoada
Em algum hospício.........
Voce não me conheceu
Não o bastante para me julgar!!!
 
sala 101

O vampiro

 
No começo eu sentia dor
lembro-me de ter sentido medo
a dor sessou por completo
e o medo se transformou em paz

acordei muito diferente
sem certezas do que aconteceu
minha pele estava palida
minhas artérias pulsavam

eu sentia um desejo insaciavel
desejo de beber alguma coisa
mas nada saciava o meu desejo
e nao sabia o por que

acordei em um lugar estranho
algo como um celeiro antigo
nao me recordo deste lugar
nao sei como parei aqui

lembro-me vagamente de ontem
lembro-me de uma mulher
ela vestia preto
possuia a pele palida
ela tinha olhos vermelhos
e um charme maravilhoso
disse que mudaria a minha vida
e eu acreditei nela

nao me sinto mais humano
estou pensando muito mais rapido
nao suporto a luz do dia
o que aconteceu comigo?

nao vejo meu reflexo ao espelho
no principio fiquei apavorado
meus dentes caninos cresceram
mas nao sinto fome apenas sede

a mulher palida voltou
este é seu jantar ela disse
entregou-me uma garrafa
no seu interior havia sangue
nao sabia o por que
mas senti um grande desejo de bebe-lo
depois que bebi tudo ficou melhor
e minha sede insaciavel se foi

ela olhou-me no fundo dos olhos
disse-me o mundo já nao é o mesmo
criaturas como nós sao sofredoras
com coraçoes vagos de lembranças

as pessoas nos amaldiçoam
mas nao entendem nossos sentimentos
somos criaturas amaveis entre nossa especie
sem guerras ou destruiçoes

com o égo ferido lhe acolhi
amor eterno eu lhe darei
tu me ensinaras a ser amada
e como ser amado eu lhe ensinarei...
 
O vampiro

Desejo

 
Indecifrável desejo atraente
Jás morta como as serpentes
neste vago bosque de flores
onde já se acabam os amores

Jubilo pupilo desejo demente
deixou-me com sonhos ardentes
candelabros gozo sombras da noite
desilusões vivas á açoites

Marcante desejo obscuro
não posso ver através do murro
onde estará você? Ainda neste mundo?
Guardo minha mente em silencio profundo

Suspiros guardados em vao
Decretos carrasco de guardião
Sonolentos anjos falantes
Subscrições desejo pulsante

Amar-te é quase um descaso
Promiscuo desejo cassado
Onde estarão os teus braços
Quando a casos no acaso

Olhos cristalicios estrelantes
Sorriso esbranquiçado cintilante
Terremoto vulcão furacão
Nada descreve-te mais que paixão.
 
Desejo

Triste amor

 
Pássaros que cantam, àqueles que amam
Corações apaixonados que o proclamam
Vozes vorazes que te chamam pela noite
Na noite morrem com açoites
Ó amor que insistes em maltratar-me
Que fazes de mim teu escravo
Não quero ser dominado ao chão
Não busco beleza e sim perfeição
Mas algo quão perfeito já não existe
Então por que enciste em ferir-me o coração?
 
Triste amor

Ontem e Hoje

 
Amor traido
coraçao quebrado
almas divididas
abril despedaçado
tubaroes no ar
borboletas na agua

Membrana plasmatica
parede celular de vidro
lagrimas nos olhos
coraçao partido
ontem amores-hoje inimigos.
 
Ontem e Hoje