Poemas, frases e mensagens de Asnoréctico

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Asnoréctico

Quem sou eu ?

Um dormitório de sonhos caducados …
Um inventor das palavras gastas.
Um imperador do egoísmo concentrado.
Um farsa que só engana a esperança acorrentada .

Simplesmente um lugar sem espaço à procura de ser trespassado…

Qual o Código Postal do céu?

 
Qual o Código Postal do céu?
 
Na escrita, os sonhos ficam mais próximos dos olhos,
abreviando a inglória sorte de estar só …

Por isso te escrevo cartas,
onde falo dos dias corriqueiros,
dos anoiteceres aluados de prata cinza,
das manhas lotadas de sol em franja …

Escrevo te da gentileza dos afectos,
dos projectos por realizar …

Da infância,
das viagens,
dos retratos em tinta fresca,
que borram na saudade
os silêncios…

Esvevo te simplesmente palavras que não chegaram a soar …

Até gostaria de as enviar pelo correio , mas sem código postal, se perderiam pelo caminho ...


Resta me esperar pelo nascer da morte …
Até lá, vou escrevendo com o coração ao coração,
esse lugar que nunca deixaste de habitar …
 
Qual o Código Postal do céu?

No fundo sabes que este poema é para ti, doce menina…

 
Olhar de caramelo bronzeado no terraço dos lábios ….
…soando a céu de algodão …
A cada desabafo,
A cada opinião….

Assim é o retracto teu
No meu coração…

No entanto queria ….

Queria que as flores não corassem quando olhas para elas…

Queria transformar num pedacinho de mar, todas as lágrimas por enxugar que nascem na tua face …

Queria ser folhagem rasteira para amparar cada ramo que cai da tua alma, nos Outonos mais vorazes …

Queria te amar como fazem os pirilampos das estrelas, transformando o teu coração numa procissão de sois ao anoitecer ….

Queria ser saudade alegre, que transforma as lágrimas numa cidade iluminada, vista do céu à tarde...

Queria ser teu espelho,
Para perceberes como és um anjo perfeito...
E não te culpares pelo negro mentiroso dos olhos encobertos …

Ps:
Se amar é uma arte então sei pintar a tua alma com emoção dos sentimentos …
 
No fundo sabes que este poema é para ti, doce menina…

Interacção poética com Luísa Zacarias para homenagear todos os anjos convocados por Deus…

 
Interacção poética com Luísa Zacarias para homenagear todos os anjos convocados por Deus…
 
 
Este vídeo e a poesia são dedicados os todos anjos que partiram para um lugar importante sem nunca deixarem de visitar os lugares mais importantes, os nossos corações que ainda amam…

No céu não existe bombeiros, por isso Deus quando se vê aflito, chama os anjos terrenos … assim têm sido … foi o meu mano foi uma açucena vestida de branco.

São imensos os anjos que partem, deixando saudades que marcam e desfiguram o coração, de quem fica chorando, com a saudade que rasga e lavra o sentimento demasiado regado pelas lágrimas …

Todos estes anjos foram convocados para nos ajudarem, para se tornarem astros que brilham no céu e no íntimo tristonho do nosso peito...

Anjos que nos calam no céu estrelado e nos alimentam com as respostas tardias de Deus…

Anjos que sofrem a cada gota facial por enxugar, a cada tristeza vagabunda da nossa alma …

Anjos que querem os nossos sorrisos, quando nos acenam nas janelas das estrelas …

Anjos que nos amam, mesmos quando esquecidos no âmago …

Anjos que nos esperam um dia com um abraço de luz e toda a alegria para compensar todas as angústias de uma vida …
 
Interacção poética com Luísa Zacarias para homenagear todos os anjos convocados por Deus…

Gotículas de veneno corroendo os vasos e as pálpebras …

 
 
Lágrima crescida
Envelhecida pelas rugas
da vida …

Lágrima sem água
esquecida,
brilhando de sal
na curva da retina …

Lágrima continuada...

Lágrima que não cabe
não sai
não passa …

Sabe a preto e branco do mar…
Sabe a cal fria da urna…
Sabe a laje arrefecida da rua…
Sabe a ferrugem da lua …
Sabe a grito escurecido ,
no íntimo sem fundo.
Sabe a Morte
a rasgo
a agonia
a soluço ,
a luto ,
a mágoa.

Sabe a sinfonia das pálpebras
ao nu das frases …
a saliva acida
a garganta travada …
ao desencontro das letras
as pausas cardíacas da alma.

Sabe a Chuva… lágrima… chuva ,
Originaria da saudade
Que criaste na despida …
Sem palavras
Sem abraços …
Sem traços de sorriso…
Sem alegria dos lábios

Lágrima pendurada
Segurando o abismo
De ser vida …
Árctico
Espuma
Silêncio
Ferido …
Fervido
Sem folgo
Sem chão
Sem ar
Sem ti meu irmão…
 
Gotículas de veneno corroendo os vasos e as pálpebras …

Vou sair do Luso... Daqui a vinte anos …

 
Vou sair do Luso... Daqui a vinte anos …
 
 
Desta vez é de vez, vou sair do Luso …
Acho, se tivesse saído na altura certa que me tinha proposto, não teria causado tantos problemas a tanta gente… tentei regar as plantas do alto, quando dei por mim, já tinha pisado todo um jardim …
Peço desculpa a todos aqueles que magoei, todos aqueles que expus, todos aqueles que comentei de forma desajustada, à própria língua portuguesa, pela gramática e ortografia tão mal tratadas …
Quero que todos sejam felizes, que continuem a escrever, beleza, verdades, sonhos …
Obrigado a todos, em particular aqueles, que por simpatia ou pena, demonstravam algum apreço pelo meus rabiscos…

Deixo o meu último texto, escrevendo o primeiro amor de uma vida…

Tudo começou no final de Agosto princípio de Setembro…

Eu era o rapaz da piscina, ela era uma menina de cabelo cenoura, de férias no Algarve…

Nos conhecemos de forma particular, ela convidou-me para bebermos um copo no final da tarde…eu fiquei gago e abanei a cabeça, sempre tive medo das mulheres e então naquela altura, tremia que nem varas verdes quando me olhavam…

Assim foi, fomos beber um copo ou melhor cinco, dez, só sei que depois, estávamos na praia do olhos de água a molhar os pés …

No outro dia, ela veio ter comigo, disse que tinha gostado e queria ver a praia de dia … foi nesse local que nasceu o primeiro beijo e uma cordilheira de vulcões dentro do peito …

Naquela tarde tudo mudou em nós… o pior, é que ela ia voltar para Irlanda no dia seguinte…

Nessa noite falamos, abraçamos a alma de cada um, até chegar ao ponto de ebulição, foi nesse momento, que ela chorando, me disse – não sou igual às outras, ainda sou virgem, quero fazer amor contigo mas não assim … eu abracei-a e lhe disse que também era …

Afinal éramos virgens do signo caranguejo … emocionalmente ricos, as lágrimas comprovaram isso durante todo tempo…

Na manhã seguinte, apanhou o autocarro até ao aeroporto, deixando a sua morada num papel, pedindo que lhe escrevesse … quando autocarro partiu, meu existir se partiu, as lágrimas entupiram no meio de soluços e imitei na perfeição, o céu de inverno repleto de nuvens chocas …

Meu Deus, se lhe escrevi, dia sim, dia não, sempre lhe mandava uma carta com o meu inglês alentejano romeno… e junto uma lembrança do coração…

Todos os dias ia ver a caixa do correio, se tinha correspondência, com entusiasmo e saudade, até que começamo-nos a telefonar … ela contou aos pais, religiosos e conservadores …

Ao princípio ficaram reticentes, mas não podiam ver a filha, a chorar, a amar, numa tristeza imensa …

Até que um mês depois, me convidaram para passar o natal com eles …

Era a primeira vez que iria pássaro natal, longe dos meus pais e do meu irmão …

Acabou por acontecer …

Durante três anos, centenas de cartas, uma dezena de viagens, muitas lágrimas e sorrisos , saudades avulso, promessas de uma vida a dois… um amor que galgou as fronteiras…

Até que, na sua ultima vinda a Portugal, resolveu explicar-me o que iríamos fazer …

Tínhamos decidido, que não iria-mos usar nenhum meio contraceptivo e se Deus quisesse, ela ficaria grávida e assim seria mais fácil ficarmos juntos para sempre e não teria de ir para a universidade em Dublin… (uma irresponsabilidade)

A verdade é que Deus não quis, ela não engravidou e foi se formar… ser arqueóloga, um sonho desde pequenina …

Ainda resisti no sonho, no entanto a saudade não. Um dia, quando já não tinha chão e o céu me caía como o inferno; resolvi rumar até a Irlanda para morar lá, com a esperança de a encontrar, uma tentativa desajeitada de não perder o seu amor, que se tinha tornado a única coisa importante no mundo… Acabei por a encontrar, mas a sua decisão
já estava tomada… Seriam três anos de estudo e de
concentração e nenhum amor poderia resistir …era demasiado desgastante, emocionalmente e financeiramente…

Voltei com as lágrimas pesadas, um abismo profundamente cheio, lembro -me estar no aeroporto tendo o corpo e a roupa encharcada de tanto chorar …
Assim acabou uma história de amor …o primeiro amor, descontrolado, autentico, sincero, inconsciente, repleto de ilusão, inquieto, trazendo a frescura do incerto, as mãos suadas em cada encontro, enfim, a intensidade imensurável de cada instante de afecto….

Espero que ela se tenha formado e que hoje, seja muito feliz; tendo uma família, um marido que ame tanto quanto a amei, que tenha filhos lindos … e se alguma vez se lembrar de mim, que seja com um sorriso…
 
Vou sair do Luso... Daqui a vinte anos …

A província do olhar…

 
 
Há quem escolha as muralhas mais altas para esconder o olhar …
Há quem se defenda das lágrimas atrás dos sorrisos mais bonitos.
Há quem contorne o sentimento, sorrindo, chorando, cavalgando nos sonhos bolorentos do antigo ….

O que não podemos, é acomodarmo-nos à solidão.
O que não podemos é deixar que a romaria das “palavras gancho”, se prendam aos passos direccionados ao coração …
O que não podemos é salvar a saudade e desprezar o tempo que corre à nossa frente…
O que não podemos é desistir de ser gente que ama.
O que não podemos é deixar que a razão, seja a anáfora no chão da alma e o coração apenas uma metáfora da tristeza que ralha depois do sorriso desmaquilhado …

O que podemos é deixar que as “Palavras rodoviárias “ ultrapassassem todas as barreiras, as do som, as da luz, as do pensamento, as do sentimento até núcleo da alma, onde a pureza se fecunda …
Nesse lugar delicado, deixar que cada letra, leve e traga bondade, transformando o solo em amor florido …Como a natureza faz nas primaveras ou juntos aos regadios das nascentes …

...................................

"Palavras gancho " - (usadas no dialecto dos velhos do Restelo)

" Palavras rodoviárias " - (palavras que têm a capacidade de viajar com rapidez e de transportar o afecto mais belo da natureza)
 
A província do olhar…

Saudades de dentro

 
Saudades de dentro
 
Quando passeava na travessa do sonho, encontrei o teu sorriso desenhado no céu com as nuvens das aves ….

Quis saber onde moravas?

Me disseram que era junto das teclas das palavras, na cidade das asas cortadas …

Finalmente cheguei até ao teu cantinho florido , na porta de entrada dizia - que as manhãs do olhar, insistem em acordar o optimismo da esperança ….
Fiquei deslumbrado com melodia da brisa e com espelhar do rosto filho …

Senti-me em casa, porque as lágrimas sabiam o caminho das tuas ….

E agora já sei o que procuras sem procurares … a estrada mais profunda e sensível de amar, mesmo quando a saudade nos impede de visualizar com claridade a outra margem depois do olhar …
 
Saudades de dentro

Dedicatória ao poeta mais romancista e generoso aqui no luso poemas

 
Dedicatória ao poeta mais romancista e generoso aqui no luso poemas
 
 
És prova viva que a poesia não esvazia o remetente, quando o destinatário é o mais importante …

Mesmo no rascunho,
És seda na letra,
Perfume no escuro,
Roupa de gala no gorjear da alma…

Sigo no compasso encantado do teu cantar
E em cada soluço de letra voz,
Se arranha na garganta,
Um violino tímido,
A chorar,
A música mais bela dos livros:
Teus íntimos paginados,
Desenhados
Letra a letra,
Preso no ritmo dos olhares soprados …
Desde a gota gorda do riso, às lágrimas penduradas no abismo dos lábios.
 
Dedicatória ao poeta mais romancista e generoso aqui no luso poemas

Mar Cristalino…

 
 Mar Cristalino…
 
 
És saudade que não se explica num simples verso ou qualquer outra forma de escrita ….

Saudade que apenas ganha forma num abraço sincero de uma vida …

Numa lágrima esquecida, órfão de nome, transformada pela luz do coração num brilho de sonho…

Não sei bem o que posso ser para ti, apenas me abrigo atrás das palavras bonitas.

No fundo não passo de um baloiço partido e gasto num jardim abandonado que te ama… sendo tu a única flor que se mantêm, quando vento da geada afasta e queima tudo á sua volta …

Uma coisa é certa. És saudade e um anjo delicado.

Sei isso ,pelo teu coração límpido e pelo seu sofrimento herdado nos trilhos e nas travessias difíceis da vida …

Não desistas ….

Saudade pode também ser:
Os dedos de papel, agitando as teclas de um piano,
Nas vozes cegas do sonho ….

Provisórias margens da saudade …
A intimidade líquida da emoção, corando as faces, saciando o espírito e a razão…

A coragem dilatada na inquietude da alma…
Os perfumes as imagens…
Os baloiços ´
Os xailes, ´
Os colos
Os sorrisos…
Todos os fascínios que nos tornam meninos…
Todos os sítios que nos mostram os caminhos de volta…
A cale branca
A saia preta.
A carroça louca.
Apele molhada das lágrimas,
Os amores incertos…
Os amigos perdidos…
Toda alquimia que transforma a vida numa rítmica promessa…
 
 Mar Cristalino…

Asas que choram...

 
 
Este poema é dedicado à mãe que viu sua filha gaivota partir no areal, apenas peguei nela , fiz um funeral digno e rezei por a alma dela, porque Deus ama todos os seres com a mesma dedicação …

Anjo-do-mar, não desperdices cada gota do teu lar…

A tua filha foi uma ilustre gaivota militar, que continua a amar-te, apenas mudou de lugar, há anjos que não podem permanecer mais tempo neste mundo de sofrimento…

Neste momento será mais fácil para ela proteger-te, brilhar como uma estrela, revelar se num sorriso de um mendigo, na alegria de uma criança, na onda mais solta, na traineira mais repleta, no horizonte mais perto, na esperança que abana o vento nas asas e desperta o pairar das penas no alto do olhar …

Não faças dessa saudade um motivo de tristeza, mas sim a origem de uma força que ela te dava quando brincavam na areia menina e desenhavam trevos incompletos com as patinhas, …

Não faças dessas lágrimas um rio, porque foram sempre andorinhas de mar, vigilantes das tempestades, guardiãs das algas e das marés, que gastam os pés de pedra e os barcos abandonados nos intervalos do areal …


Deixo a Letra da musica mais bonita que conheço , que me ensina todos os dias a ter coragem para ser humilde e para ter um coração bonito para amar …

" May the blessing of light be upon you, light on the outside and light on the inside.
With God's sunlight shining on you, may your heart glow with warmth like a turf fire that welcomes friends and strangers alike.
May the light of the Lord shine from your eyes like a candle in the window, welcoming the weary traveler.
May the blessing of God's soft rain be on you, falling gently on your head, refreshing your soul with the sweetness of little flowers newly blooming.
May the strength of the winds of Heaven bless you, carrying the rain to wash your spirit clean, sparkling after, in the sunlight.
May the blessing of God's earth be on you and as you walk the roads, may you always have a kind word for those you meet.
May you understand the strength and power of God in a thunderstorm in winter, the quiet beauty of creation and the calm of a summer sunset.
And may you come to realize that insignificant as you may seem in this great universe, you are an important part of God's plan.
May He watch over you and keep you safe from harm."

Muita luz nos vossos corações …
 
Asas que choram...

A.C.O.Rda... és a melhor poetisa do Luso com muita progressão no Futuro

 
 
A pureza dos teus olhos,
A.C.O.Rda o sonho …

A.C.O.Rrendo às cores adormecidas do desencanto…
A.C.O.Rdando a lua na janela do meu quarto
Colorindo o deserto A.C.O.Rrentado no silêncio seco
Desenhando na praia o teu beijo
A corar o Sentimento.

De dia A.C.O.Rdei
O teu olhar
Para tingires de cor
O brilho do mar …

Na noite que desenhei,
Apaguei todas estrelas
Para seres tu,
Lua cheia…

E quando adormeci
Sonhei-te
E te pedi
para não mais me A.C.O.Rdares ….
 
A.C.O.Rda... és a melhor poetisa do Luso com muita progressão no Futuro

O amor deixa tantas perguntas para uma só resposta …

 
 
O amor não se gasta como as rochas
Nem se afunda como os barcos
Nem mesmo quando acumula todas estas lágrimas
para mostrar ao mundo
que é mar …


O amor é imortal,
entardecendo as madrugadas
madrugando os amanheceres ….

O amor é uma lágrima doce, que cai na partida e não seca …
O amor é uma vela que não rasga.
O amor é uma chegada antecipada nas promessas …
O amor …! O amor …! O amor …!
Não morre ,não cessa …

O amor é aquilo que estou sentindo por ti, nesta espera.

O amor é um sorriso quando chegas ….
O amor é o infinito no profundo…
O amor é tudo
O amor és tu
O amor é um abraço nu
que não sossega …

O amor é a soma mais fácil à face da terra...
Basta somar um mais um e dá um igual ao outro num só um ….
 
O amor  deixa tantas perguntas para uma só resposta   …

Se eu nascesse na Suíça, a pontualidade do coração seria precisa?

 
Se eu nascesse na Suíça, a pontualidade do coração seria precisa?
 
Existe em cada lugar
Uma hora
Um tempo
Três ponteiros
Que dão a mão
Ao silêncio …

Uma valsa que circula
Com perícia
A roda da vida

Mas no tic tac do coração,
Tudo fica
Desregulado

Na hora de amar
Tudo se apreça,

No tempo da saudade
Tudo se atrasa,

No momento da despedida
Tudo pára …
 
Se eu nascesse na Suíça, a pontualidade do coração seria precisa?

O segundo amor afinidades sem idade…

 
O segundo amor afinidades sem idade…
 
 
Depois do primeiro amor ter acabado, a vida, os sonhos, a alegria, também …
Morria sempre que acordava … tive que reaprender o gosto pelas coisas pequenas, aprender a olhar os acordares do mar, os recados da natureza.

Aprender com as crianças como ser criança, o gosto de brincar, os sorrisos desprendidos, a vontade de experimentar os saltos as correrias na areia ou junto à piscina…o melhor da vida …

Durante 2 anos e meio, tive de costurar os pedaços desfraldados da esperança…no coração amputado…

Até que surgi-o, um belo dia, 2 amigas, na ternura dos 40, pediram-me ajuda com as suas malas, vinham passar férias junto à praia …

Assim foi, elas acharam graça as minhas perninhas de oliva palito no masculino … chamavam-me o Olly…

Numa noite, fui sair com uns amigos irlandeses, encontrei elas num pub … começamos a falar e no meio da conversa, a amiga nos deixou sozinhos. Eu e a kathy ficámos a olhar-nos sem sabermos o que fazer, falámos, ou melhor ela falava e eu escutava com o coração nos olhos …

No final dessa noite, ela pediu-me que acompanha-se até ao seu apartamento, visto que a sua amiga, já estava noutras direcções assistidas…

Quando estava perto de chegarmos ao apartamento, enchi-me de coragem, peguei-lhe na mão e convidei para ver o mar, ela aceitou meia surpreendida…

Assim foi, nos sentámos naquele areal, escutando o respirar húmido do mar …e assistindo ao parto áureo do amanhecer …mas antes, ela adormeceu no meu colo, olhando para mim com um céu empacotado de ternura …
E quanta intimidade ali se gerou, para mim foi como se tivesse feito amor 300 vezes, beijado 500 vezes … fiquei ali a olhar o seu rosto, enquanto as gaivotas se agrupavam, para cumprir o ritual de secar suas asas com os primeiros raios de sol…

No outro dia, convidei para jantar, cozinhei para ela, fiz um arroz de frango com salada…
Assim começou mais uma história de amor, eu tinha 21 anos ela tinha 43, ela me ensinou a amar, de uma forma calma, serena existia uma cumplicidade tão grande…que é difícil de explicar por palavras …

Durante uma semana, vivemos uma união perfeita, entre caricias, passeios na praia, numa entrega inimaginável, na partilha igual, até hoje nunca encontrei ninguém com tão grande afinidade, espiritual, intimamente profunda… lembro-a com tanto carinho…

Depois das férias de amor, voltou à realidade do seu país, da sua vida e não aguentou as saudades, tinha deixado o melhor de si comigo, seu coração…

Passado um mês voltou, com mais tempo, para amar e ser feliz como há muito não era …

Nos entregamos numa colmeia de mimos, numa partilha de espírito em carne…

Ela ensinou me a suavidade dos gestos, o afecto dos olhos e da pele … fazíamos amor como se tivéssemos a construir um céu novo …

Mas idade era demasiada, para certas pessoas que nos olhavam com desdém, e nos condenavam… ela conheceu a minha família …

Acho que Deus por vezes, junta almas tão sofridas, tão parecidas, para diminuir a dor e para dar esperança e um folgo renascido, para não desistirmos do caminho dos sonhos…

A história deste amor, tinha os dias contados, por mais que o seu amor por mim fosse estrondoso, o seu coração generoso obrigo-a a soltar-me para ser feliz e construir uma família …

10 Anos se gastaram sem gastar a saudade…
Fugimos descalços
Sorrimos abraçados
Gritamos entrelaçados,
Sem sabermos o preço a pagar
Por temos parado o tempo,
Na hora de amar…

Hoje recortamos na memória, artefactos tão golpeados pela distancia,
Mas intactos na sua essência…

Apesar de todas as diferenças,
A colisão do olhar nos aproximou …
Eu era jovem inquieto,
E tu, menina e moça, na ternura dos 40
De países diferentes, de classes sociais tão distantes,

O amor nos venceu

Fechamos os olhos e assim foi…,
Embriagados pelo veneno doce
Dos nossos corpo,
Cozemos nossas almas
Com um pouco do sempre…

Obrigado Kathy
 
O segundo amor afinidades sem idade…

Tentei compreender as pétalas do teu coração , mas como poderia eu tal feito , sou apenas um simples poejo , que cresce á beira de uma lixeira contrariando o cheiro ….

 
 Tentei compreender as pétalas  do teu coração , mas como poderia eu tal feito , sou apenas um simples  poejo , que cresce á beira de uma lixeira contrariando o cheiro ….
 
Aqui neste espaço existem seres capazes de escrever melodias, textos de fazer chorar rochedos, poesias capazes de alegrar a chuva, sonetos despenteando ventos e palácios de arvoredo …
No entanto aqui, só existe um Ser, raro de beleza, que destrona a razão e a azáfama cerebral da cabeça, com o seu generoso coração …

Sua sensibilidade emocional supera todas as mentes inquietas, sabe-se colocar no lugar do outro, cultivando a lei da felicidade, ou seja , amando com dedicação absoluta a outra pessoa, dando o mundo em troca de um sorriso …. É assim com o seu filho, com os meninos de palmo e meio, que escutam os seus afáveis discursos, é assim com um amigo que precisa, é assim no seu namoro de uma vida, é assim... “ sardeando ” as estrelas com a delicadeza de uma flor …

É verdade, já me esquecia, um dia disseste- me ao ouvido, que era impossível de compreender o teu íntimo, tentei, tentei, tentei, acabando por chegar á conclusão, que circulava á volta algo bem maior, acontece com o planetas à voltas das estrelas, acontece com a lua á volta da terra, e aconteceu comigo á volta do teu coração amigo ….
Acho que até acontece com a multidão, circulamos á volta de algo, que não sabemos bem, no entanto desconfio que seja á volta do amor …Talvez tenhamos que aprender contigo, a lei da felicidade, amando sem porquês, generosamente, de forma incondicional, partilhando amor de Deus com aqueles que se aproximam do mais profundo de nós mesmo …
 
 Tentei compreender as pétalas  do teu coração , mas como poderia eu tal feito , sou apenas um simples  poejo , que cresce á beira de uma lixeira contrariando o cheiro ….

O dilema de ser anjo imperfeito …

 
O dilema de ser anjo imperfeito …
 
Sabendo que os anjos não tem sexo
Nunca podem sentir na pele
O inferno
O tempero trémulo da carne
O desejo suado dos lábios entre seios e os braços …
A cumplicidade de estar no átrio da alma,
Despidos,
Em fusão de espírito…
Á beira do cataclismo sensorial.

Sucumbindo à razão em cada carícia lenta, no meio de suspiros e de lágrimas acesas …
Na entrega tão cheia de sermos simples mortais …
Vivenciado um lugar só nosso
De queremos ser um só corpo
Uma só verdade …
Uma só arte de amar…
Uma só saudade
Sem regresso …

Os anjos não podem ter isto… se o fizessem, seus corações ardiam tanto, que queimavam suas asas e jamais podiam trazer aos olhares tristes, as estrelas …
 
O dilema de ser anjo imperfeito …

Assim se faz um ninho com teu nome ….

 
 
Se sobe ao rochedo sem medo para escrever teu nome
Com a cor do olhar mais bonito que conheço, o teu …

Trago o molho de flores que lembram o diálogo dos teus olhos…
Tragam um tesouro pequenino, cheio de moedas, um crucifixo, um loquete com duas chaves e vários papelinhos como um cupido e um nome de um anjo escrito, para te mostrar que não podes ter medo de amar …

Para mostrar que as moedas dão segurança, mas muitas vezes não deixam espaço para caber o sentimento de um amado …por isso deitei algumas ao mar para ficar tudo arrumado até mesmo o meu carinho nesse baú …

Neste momento que te escrevo, as estrelas espreitam o teu nome, no coral antigo, o mar vai bradando, namorando ao seu jeito o ninho, o vento dançarino ensina passos de double às flores …

Mas o que espera a manhã?
Quando chegar sem demoras o sol torrado
E vestir a sua beleza,
Em pequenas serenatas vistosas.
Assim sendo ,
O teu ninho escrito se tornará no sorriso lindo
Salpicado de areia e brilho, mesmo que as flores
Já cansadas se despeçam com lágrimas de brisa e sigam com as ondas …
 
Assim se faz um ninho com teu nome ….

“nunca me acostumei pelos lugares a onde andei “

 
 “nunca me acostumei  pelos lugares a onde andei “
 
 
Já sinto a vibração da carruagem sobre os carris, o comboio está a chegar para me levar até á aldeia dos meninos que fazem chichi á vontade …vou ficar um tempo afastado desta nascente que é o Luso …

Recordo a primeira vez que entrei aqui, alguns anos atrás , usava como nick o Agniceu. Meu objectivo nessa altura era claro, escutar, sentir poesia, contempla-la, acho que até um certo momento consegui…

Depois deixei que a emoção e as palavras se misturassem, assim a fragilidade da sensibilidade restaurou a necessidade de amar e comecei a sentir uma afinidade por alguém... ultrapassei a fronteira que divide a razão do coração e me afastei ….

Mais tarde regressei para dar voz a dor de uma pessoa que já sofreu tanto nesta vida…

Como estes poemas aqui escritos dizem:

Aqui a alma estragada se zanga…
Na esperança de chorar água e não sangue

Aqui a mascara sorridente se queima

Aqui o grito se agasalha na dor velhinha
de uma criança

Nesta fonte, reflectindo centenas de rostos
me escondo
Para não violarem a única coisa que falta,
minha alma zangada

Aqui digo que perdi um filho da forma mais horrenda
E me roubaram um outro da forma mais desumana …
Num ninho com grades de feno
E abutres lá dentro …

Para vocês o que escrevo é arte,
Para Deus são lágrimas que ardem de um inferno que não era meu …

Sempre desconheci a magreza das lágrimas…

Nasci a morrer dilacerada …
Ganhei rugas de infância …
Foi costurada
Enjaulada num berço de ilusão …
Trespassaram me a pele muito antes de conhecer
As carícias das mãos …

Silenciaram meus gritos
Na forma mais cruel…

…muito antes de ser criança,
Deram me a liberdade de ser escrava.

…muito antes de conhecer o reflexo,
Conheci o medo de ser gente…

Muito antes de brincar, brincaram comigo…

Sem saber falar, solucei…

Sem fôlego solucei…

Até adormecer…sem poder gritar

Depois…. Aconteceu... ultrapassei a fronteira da razão e me apaixonei por uma alma …que ainda hoje amo, essa alma diz que já não acredita e nenhuma palavra minha….
A verdade é que tenho dezenas de heterónimos espalhados aqui no luso, para falar do meu amor por ela … mas a verdade é que nuca soube estar, sabendo estar num lugar de poesia … “nunca me acostumei pelos lugares a onde andei “

Hoje digo um até já ….

Sejam felizes, e chegou a minha altura de escrever a melhor poesia de todas, a poesia da vida nas jornadas diárias, junto à cumplicidade da Natureza, Um presente sempre presente que Deus nos deu como prova incondicional do seu amor …
 
 “nunca me acostumei  pelos lugares a onde andei “

Lampião de água ...

 
 
Nas promessas apartadas
Marcando a água
Salgada
Na areia
Dourada

Na inóspita
Saudade
De uma imagem
Despida
E descalça
Reflectindo o acenar de mãos
Na despedida de um coração
Aprisionado …
Pela razão
 
Lampião de água ...

Nasci de um amor assim…

 
 
Nasci de um amor assim…

Onde a saudade, foi presença maior nas distâncias, nas emboscadas, na guerrilha das lágrimas…

Nas cartas escritas, por vezes ao som de gritos e de morteiros …
Meu pai, sempre dizia, que o seu maior medo, era perder o amor de minha mãe, porque; a onde mais tremia, não era quando as bombas sopravam o cheiro a pólvora, mas sim quando num abraço, o mundo fugia e o coração se abrigava nos braços de minha mãe querida …

Tudo começou com um beijo e um destino apartado, deixando em terra, um peito chorando, lágrimas zangadas, na imensa calçada, dos olhos de sua amada…

Durante um ano e meio, esteve no ultramar, mas seu coração, sempre ficou naquele cais, como a promessa de voltar são e salvo …

Hoje passados tantos anos, continuam juntos, provando que o amor tem muitos altos e baixos …mas, vale a pena, lutar por um sonho, por uma vida em família …
 
Nasci de um amor assim…

Ensinamentos gramaticais são como remendos de tapeçaria …

Quanto a minha escrita, não passa de um balão roto que gostaria de voar …

Por isso aqui estou como aprendiz, contemplando as palavras dos outros que fazem da poesia o seu sopro …